Navigation – Plan du site

Editorial do número 35

Editorial of issue 35Éditorial du numéro 35
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry

Texte intégral

  • 1 As primeiras mais numerosas do que os últimos, que podem se conectar a partir do mesmo site, especi (...)
  • 2 As principais "quedas" na curva ocorrem em julho, período de férias na Europa e no Brasil.

1Como a Confins faz periodicamente, mantemos os leitores a par da evolução de sua frequentação, em forma gráfica. A curva de sua evolução desde sua primeira edição, em 2007 (Figura 1), mostra que tanto o número de visitas e de visitantes1 quanto as visualizações de página continuam a crescer, além das variações sazonais relacionadas a períodos de férias2 em países de onde se conectam os seus leitores.

Figura 1 Número de visitas, de visitantes diferentes e de visualizações de páginas desde a criação do Confins

Figura 1 Número de visitas, de visitantes diferentes e de visualizações de páginas desde a criação do Confins

Fonte: Statistiques de: journals.openedition/Confins, https://logs.openedition.org/​awstats.pl?config=confins

2A Europa e o Brasil são os principais países de onde vêm as conexões no site da revista, o que é normal para uma revista franco-brasileira, mas nota-se que, além desses dois países, a revista tem mais e mais mais leitores nos Estados Unidos, na Alemanha, em Portugal e, mais recentemente, na China (figura 2): parece que os “brasilianistas” desses três países fizeram da revista uma de suas fontes de informação. Em junho, mais páginas foram lidas - depois do Brasil (39.284) - por usuários da Internet da Alemanha (36.570) e da Argentina (8.630) do que da França (7.671).

Figura 2 Principais países de origem das consultas da Confins

Figura 2 Principais países de origem das consultas da Confins

Fonte: Statistiques de: journals.openedition/Confins, https://logs.openedition.org/​awstats.pl?config=confins

3Graças em grande parte a esses leitores estrangeiros, a Confins se situa bem entre os periódicos do portal Journals.OpenEdition que têm campos científicos semelhantes aos seus, atrás de Cybergeo, mas quase no mesmo nível dos principais periódicos da geografia francesa, Échogeo e Géocarrefour (Figura 3).

Figure 3 Confins parmi quelques revues de la plateforme Journals.OpenEdition

Figure 3 Confins parmi quelques revues de la plateforme Journals.OpenEdition

Fonte: Statistiques de: journals.openedition/Confins, https://logs.openedition.org/​awstats.pl?config=confins

4Esta edição de número 36 inclui, além do dossiê “Imagens plurais da cidade, séculos XIX-XXI”, quatorze artigos que podem ser agrupados em quatro conjuntos tématicos. O primeira diz respeito à relação entre mudanças tecnoeconômicas, políticas públicas e territórios. Rita de Cássia Ariza da Cruz analisa-os em “Desenvolvimento desigual e turismo no Brasil”, Gabriel de Araújo Mhereb e Luiz Antonio C. Norder no caso da “Aviação agrícola no Brasil: contexto e caracterização”, Marilia Araujo Roggero, Luciana Ziglio e Marina Miranda para “Vulnerabilidade socioambiental, análise de situação de saúde e indicadores: implicações na qualidade de vida no município de São Paulo”, e Nádia Gilma Beserra de Lima e Emerson Galvani em “Interação dos atributos climáticos nos manguezais do litoral sul de São Paulo e sua relação com os controles climáticos”, enquanto Sami Ben Fguira e Mongi Belarem perguntam “Que futuro para habitação social na Tunísia? ”.

5O segundo grupo está interessado em conflitos territoriais, começando com “Territórios em disputas na Amazônia brasileira: ribeirinhos e camponeses frente as hidrelétricas e ao agronegócio”, de Ricardo Gilson da Costa Silva, Luís Augusto Pereira Lima e Francilene Sales da Conceição . Dois outros artigos se colocam em uma perspectiva comparativa, em conformidade com a declaração de intenções que aparece na página inicial da revista (https://journals.openedition.org/​confins/​?lang=pt), “Os artigos tratam [...] de assuntos brasileiros, franceses ou outros, e prioridade é dada aos artigos comparativos e os artigos de brasileiros sobre a Europa”. Maria Madalena Aguiar Cavalcante e Antoni Francesc Pujol Tulla fazem extamente isso em “ Hidrelétricas e (re)ordenamento do território: uma comparação entre os povos amazônicos (Brasil) e das montanhas da Catalunya (Espanha) et Torres e Sergio Moraes também em “Áreas urbanas inundáveis, perspectivas de gestão nos contextos francês e brasileiro”.

6Um terceiro grupo enfoca as relações entre minorias e territórios, o primeiro também por uma análise paralela entre Brasil e França, “As espacialidades homossexuais masculinas como constituidoras da urbanidade: análise histórico-comparativa entre São Paulo e Paris em 1995 e 2016”, de Vinicius Santos Almeida, o segundo sobre “Os etnoconhecimentos botânicos dos Paiterey e as repercussões no território: uma prévia análise na Aldeia Paiter da Linha 09 - Terra Indígena Sete de Setembro” de Tássia Karina Alexandre de Medeiros, Adnilson de Almeida Silva, Gasodá Wawaeitxapho Suruí, Isaac Costa Araujo Filho e Nicolas Floriani.

7Os artigos do quarto grupo têm em comum a exploração dos confins (é o mínino que se pode esperar em uma revista que leva este título) e as fronteiras do conhecimento, “Em busca de uma ruptura da totalidade: as fronteiras nacionais no espaço-tempo”, de Juliana Siqueira, “Notas teóricas para o estudo do medo pela Geografia”, de Hiram de Aquino Bayer e Eugênia Maria Dantas, “ Devemos renovar o olhar sobre aas franjas periféricas das cidades do sul? O caso das periferias brasileiras”, de Eugênia Viana Cerqueira e “ Modelização gráfica da Pré-História do Rio Grande do Sul: Os sítios arqueológicos ameríndios, culturas e temporalidades”, de autoria de Danilo Alexandre Galhardo, Juliana Aparecida Rocha, Luz Zago, Thiago Moraes Passos e David Lugli Turtela Pereira.

8O dossiê “Imagens plural da cidade, séculos XIX-XXI”, coordenado por Fernanda Padovesi Fonseca, Eliane Kuvasney e Damien Petermann abre, após a sua apresentação, com uma introdução escrita pelos membros do Grupo Imago, origem do simpósio do qual algumas comunicações passaram a ser textos do dossiê: “ Repensar a cidade: a construção de identidades urbanas através da publicidade turística” de Julie Manfredini, “Conjugar singularidade e conformidade para se posicionar sobre o mercado internacional do urbano. Confluence e a renovação da imagem de Lyon” de Matthieu Adam e George Henry Laffont, “O city branding ao sabor da alternância política: o exemplo de Saint-Étienne”, de Giovanni Sechi, “Moldar um lugar na cidade e uma singularidade da marca urbana: exemplo dos usos de imagens fotográficas no distrito da Mouraria em Lisboa” de de Jacques Galhardo,“Representando o Polis. vista Atenas, projetado e imaginado (1834-1962)” de Dimitra Kanellopoulou e “Qualificar a cidade para o pedestre - um tema histórico e um desafio atual para o município (São Paulo)” de Katia Canova. Se as abordagens são semelhantes, vemos que aqui também as comparações são a regra, já que os leitores viajam constantemente entre a França eo Brasil, via Portugal e a Grécia.

9A viagem continua, com a seção de imagens comentadas, em Cancun (México), e com as resenhas, primeiro nas “Arenas Amazônicas” e depois, com vários livros das edições Quae, nos países, em vários continentes, onde são cultivadas a mandioca,o sorgo e o dendê.

10Boa leitura a para todas e todos

Haut de page

Notes

1 As primeiras mais numerosas do que os últimos, que podem se conectar a partir do mesmo site, especialmente bibliotecas universitárias

2 As principais "quedas" na curva ocorrem em julho, período de férias na Europa e no Brasil.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Número de visitas, de visitantes diferentes e de visualizações de páginas desde a criação do Confins
Crédits Fonte: Statistiques de: journals.openedition/Confins, https://logs.openedition.org/​awstats.pl?config=confins
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14686/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Figura 2 Principais países de origem das consultas da Confins
Crédits Fonte: Statistiques de: journals.openedition/Confins, https://logs.openedition.org/​awstats.pl?config=confins
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14686/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Figure 3 Confins parmi quelques revues de la plateforme Journals.OpenEdition
Crédits Fonte: Statistiques de: journals.openedition/Confins, https://logs.openedition.org/​awstats.pl?config=confins
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14686/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 63k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 35 », Confins [En ligne], 36 | 2018, mis en ligne le 28 juillet 2018, consulté le 23 septembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/14686

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals