Navigation – Plan du site

Editorial do número 37

Editorial of issue 37Éditorial du numéro 37
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Traduction(s) :
Editorial du numéro 37

Texte intégral

1O título de nossa revista franco-brasileira, Confins, foi escolhido porque aponta, com a mesma palavra em ambas as línguas, para um fato geográfico que nos parecia interessante enfatizar: é geralmente na margem, nos confins, nas fronteiras, tanto dos territórios como dos campos científicos, que acontecem as inovações mais promissoras. Para continuar esta reflexão, nos pareceu útil explorar os sinônimos, antônimos e as conotações da palavra em ambas as línguas, francês e português. Portanto, desta vez, os dois editoriais desta edição não serão a tradução fiel um do outro, já que a gama de palavras relacionadas não é a mesma nas duas línguas. Sugerimos aos nossos leitores que leiam os dois editoriais.

Traduções de Confins

Português-Francês

2Em português, a definição mais frequente e mais consensual de “confins” é “extremos de um território, limites de uma propriedade, de uma região”. Seus sinônimos são (em ordem alfabética) aresta, beira, beirada, extremo, extremidade, fim, fronteira, lado, limiar, limite, margem, ponta, rebordo; seus antônimos: centro, interior, meio, proximidade, umbigo.

3A partir desta lista surge uma série de conotações que podemos explorar, utilizando um site (Reverso Context, https://cps.reverso.net ) que, além de providenciar a tradução das palavras que lhe são indicadas, as localiza no contexto de citações em ambas as línguas. Tendo submetido a este site a palavra “confins”, obtivemos uma série de citações, entre as quais escolhemos algumas das primeiras obtidos em resposta ao nosso pedido de traduções entre francês, português e inglês (já que são as três línguas nas quais os resumos de todos os nossos artigos são escritos). Neste editorial selecionamos e comentamos as traduções do português para o francês e do português para o inglês e, no editorial paralelo a este, do francês para o português, depois do francês para o inglês.

4As duas primeiras citações tomam a palavra “confins” no sentido estritamente territorial e a segunda a traduz em francês por “fronteiras territoriais”: “Esta região faz agora parte dos confins da África real. / Cette région fait désormais partie des confins de l'Afrique réelle” e “não se trata de um conflito circunscrito exclusivamente nos estreitos confins territoriais dessa mesma região. / Ce conflit ne se limite pas uniquement aux étroites frontières territoriales de la région elle-même”.

5A terceira mostra que o conceito de confins é independente da escala: “Ela estende-se da escala subatômica até os confins mais extremos do cosmos. / Elle s'étend de l'échelle subatomique aux plus lointains confins du cosmos”.

6A última que selecionamos tem, como acontece em francês, uma conotação levemente pejorativa: “Foram pessoas pobres, trazidas de ônibus hoje de manhã, lá dos confins do Egipto / Ce sont des pauvres amenés ce matin en bus du fin fond de l'Égypte”. Obviamente, essa não é a conotação que queremos dar à revista, que é tudo menos confinada, sendo, ao contrário, amplamente aberta a todos os ventos do mundo.

Português-Inglês

7Com traduções para o inglês aparece, como no francês, toda uma série de sinônimos de diferentes conotações. As duas primeiras citações usam a palavra inglesa mais próxima de “confins”, no sentido de limite, para o primeiro um limite espacial, para o segundo um limite temporal e espacial: “Até a sua chegada aos confins do novo continente / Until your arrival within the confines of the new continent” e “Agora transcende os confins do espaço-tempo. / Now, transcend the confines of time and space”.

8A terceira e a quarta usam a palavra “confins” em um sentido mais figurativo e recorrem a duas palavras inglesas que se referem a bordas, “edge” e “frontier”: “Através da sombra... até os confins da noite. / Through shadow to the far edge of night” e “os confins geográficos, culturais, étnicos, até os confins religiosos / geographical, cultural, ethnic, and even religious frontiers”.

9Na quinta os “confins” do Egito são traduzidos pelo equivalente de “as profundezas”, cujo equivalente em francês seria “le fin fond”: “Foram pessoas pobres, trazidas de ônibus hoje de manhã, lá dos confins do Egito. / It was poor people, brought by bus this morning from the depths of Egypt”.

10A última insiste tanto no lado distante dos confins que eles estão quase fora do mapa: “O Cabo fica nos confins das cartas. / The Flemish Cap is nearly off the charts”. Decididamente, o título da revista é realmente polissêmico, e bem adaptado ao seu conteúdo.

O número 37 de Confins.

11Esta edição inicia com um estudo em escala planetária, no qual Cathy Chatel estuda “Os 32 maiores aglomerados do mundo: Como a urbanização está empurrando seus limites? ”

12Ela continua com dois outros que lidam com questões alimentares, “Indicação geográfica e queijos artesanais: marco legal e desafios a uma política para este segmento no Brasil”, de Benedito Ely Valente da Cruz e Rosangela Aparecida Medeiros Hespanhol e “Urbanização contemporânea na Amazônia brasileira: mercados de comida, domicílios multisitiados e modo de vida ribeirinho” de Tatiana Schor, Gustavo S. Azenha e Estevan Bartoli (este artigo é - excepcionalmente - em inglês, “Contemporary urbanization in the Brazilian Amazon: food markets, multisited households and ribeirinho livelihoods”).Permanecendo nos rios da Amazônia, Viviane V. de V. Amanajás lida com “Pesca e perfil socioeconômico dos pescadores artesanais da fronteira setentrional do Brasil: a comunidade pesqueira de Oiapoque, Amapá”.

13As questões ambientais são o cerne das preocupações da Amanda Machado de Almeida e Eduardo Vedor de Paula em “Áreas de preservação permanente de topos: das alterações na legislação brasileira às suas diferentes interpretações”. Voltando ao passado recente, Aruanã Antônio dos Passos e Nair Sanzovo Pivatto relatam “Saber do espaço e colonização regional: constituição territorial e expedições geográficas no sudoeste do Paraná”.

14Os dois últimos artigos são dedicados à climatologia, “Eventos extremos de precipitação: identificação e análise da bacia hidrográfica do Rio Jundiaí, São Paulo”, de Junior Ruiz Garcia, Bruno César Brito Miyamoto e Alexandre Gori Maia, seguido de “Os tipos de climas anuais no Brasil: uma aplicação da classificação de Köppen de 1961 a 2015”, de Vincent Dubreuil, Karime Pechutti Fante, Olivier Planchon e João Lima Sant'anna Neto.

15Sob o título "Fernand Verger, pés no slikke e cabeça nas estrelas", que nos parece resumir os dois polos principais de sua carreira, prestamos tributo a esse grande geógrafo e professor, que acaba de nos deixar.

16O dossiê deste número 37, coordenado por Helen Gurgel e Anne-Elisabeth Laques é dedicado a “Geografia, saúde e ambiente: Uma abordagem da complexidade dos problemas atuais na saúde”. Apresentado pelas duas coordenadoras em duas introduções, uma em francês e outra em português, ele trata sucessivamente de:

  • “Geografia e saúde: o que está em jogo? História, temas e desafios”

  • “Raciocínio geográfico e complexos patogênicos atuais: análise comparativa da Dengue e da Leishmaniose Tegumentar Americana”

  • “Desigualdades na mortalidade infantil no Município de São Paulo: em busca do melhor indicador”

  • “Sustentabilidade socioambiental e a saúde nos territórios (re)construídos por projetos hidrelétricos na Amazônia: o caso de Belo Monte”

  • “Contribuições da combinação de imagens ópticas e de RADAR no estudo de doenças transmitidas por vetores: o caso da malária na fronteira entre a Guiana Francesa e o Brasil”

  • “Relações entre o clima e saúde: o caso da dengue no Rio Grande do Sul no período de 2007 a 2017”

  • “Observar a Terra para analisar a distribuição espacial das desigualdades da saúde: um olhar histórico e prospectivo sobre o uso do sensoriamento remoto no campo da saúde”.

17Dois grupos de imagens comentadas têm em comum, embora tratando de temas extremamente diferentes, o tratamento de dados para produzir gráficos e mapas significativos e marcantes: Rúbia Gomes Morato sobre “Perfil e percepção dos geógrafos brasileiros sobre suas formação e condições de trabalho” e Ronaldo Barros Sodré sobre “O novo cangaço no Maranhão”.

  • 1 A resenha de Eduardo Paulon Girardi representa seu posicionamento. Como editores da Confins, public (...)

18Finalmente, na seção de resenhas, Christian Girault analisa em “Uma nova travessia da Amazônia brasileira: as ricas contribuições da pesquisa de campo” o livro de François-Michel Le Tourneau Amazonie brésilienne. Usages et représentations du territoire e Eduardo Paulon Girardi apresenta em “Uma nova edição do Atlas do Brasil, disparidades e dinâmicas” o trabalho de Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello-Théry, Atlas do Brasil. Disparidades e dinâmicas do território1.

19Boa leitura a todos

Haut de page

Notes

1 A resenha de Eduardo Paulon Girardi representa seu posicionamento. Como editores da Confins, publicamos, como autores do Atlas nos sentirmos honrados.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 37 », Confins [En ligne], 37 | 2018, mis en ligne le 06 octobre 2018, consulté le 14 décembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/14941

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals