Navigation – Plan du site
Dossiê Geografia, saúde e ambiente: Uma abordagem da complexidade dos problemas atuais na saúde

Raciocínio geográfico e complexos patogênicos atuais: análise comparativa da Dengue e da Leishmaniose Tegumentar Americana

Raisonnement géographique et les complexes pathogènes actuels : analyse comparative de la Dengue et de la Leishmaniose Cutanée Américaine
Spatial thinking of the present pathogenic complexes: comparative analysis of Dengue Fever and American Cutaneous Leishmaniasis
Raul Borges Guimarães, Rafael de Castro Catão et Baltazar Casagrande

Résumés

Dans cet article, nous visons à réfléchir sur le statut épistémologique de la Géographie de la santé, systématisé à la base des classiques de la discipline tandis qu'un mode spécifique de penser le complexe pathogènes actuels de la Dengue et de la Leishmaniose Cutanée Américaine. Sorre a proposé le complexe pathogène dans les années 1930, au sein de l'École de française géographie, pour comprendre les maladies dans l'espace géographique. Cette théorie a été développée dans une phase d'expansion de la société urbaine-industrielle, et garde des aspects de cette phase. Nous proposons une relecture de ce concept, par l'introduction du raisonnement géographique actuel, des liens contemporains de la période technico-scientifique et informationnelle, ainsi que la compréhension de la coexistence de milieux géographiques avec différents contenus techniques, scientifiques et informationnels modulant l'interaction entre les éléments du complexe. Nous illustrerons la relecture avec l'analyse comparative de deux complexes pathogènes (Dengue Fever et leishmaniose cutanée américaine) dans l'Etat de Sao Paulo (Brésil); ils ont les cycles épidémiologiques distingué et la prédominance dans différents milieux géographiques, en soulignant la géographie qui soutient le complexe pathogène.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1O conjunto de conceitos e metodologias adotado por qualquer ciência é resultado do acúmulo de experiências de pesquisa, assim como do esforço teórico para compreensão do próprio pensamento, o que se denomina de “Estatuto epistemológico”. No presente artigo iremos refletir a respeito do Estatuto Epistemológico da Geografia da Saúde, sistematizado com base em autores clássicos da disciplina enquanto uma forma específica de pensar os complexos patogênicos do Dengue e da Leishmaniose Tegumentar Americana na atualidade (LTA). Não pretendemos realizar um percurso exaustivo pela história do pensamento geográfico, mas iremos destacar algumas obras essenciais de geógrafos franceses que possibilitaram a compreensão das principais características do raciocínio geográfico para a compreensão dessas doenças infecto-parasitárias de grande importância sanitária no Brasil.

2Segundo Claval (2014), a fonte original de onde a Geografia científica irá buscar as primeiras referências será o pensamento grego, especialmente, a grade de referência para a localização através de um sistema de coordenadas referenciado nas observações astronômicas e fundamentada na geometria. Era possível, assim, adotar procedimentos para a descrição da Terra a partir de qualquer ponto da superfície do planeta, estabelecendo uma grande tarefa da Geografia, como a ciência de “descrição da Terra” (GEO=Terra+grafia=descrever). O mapa-mundi do astrônomo e geógrafo Cláudio Ptolomeu, no século II d.C., é o documento que sintetiza o conhecimento gerado pelos gregos da superfície terrestre. Fazer Geografia era inscrever as coordenadas geográficas dos lugares conhecidos no mapa do mundo.

  • 1 Imanuel Kant (1724-1804), propôs o princípio da Extensão, aperfeiçoado e aplicado por Friederich Ra (...)

3Mas a descrição da superfície terrestre não foi suficiente para o desenvolvimento do raciocínio geográfico e da Geografia enquanto “Ciência da Terra”. Era preciso a busca de explicações dos efeitos das forças atuantes na apropriação do meio e a relação entre elas. Foi desse detalhamento metodológico que se constituiu o que se denomina de princípios da Geografia, que podem ser definidos como linhas mestras ou certos atributos que caracterizam o raciocínio geográfico. Eles envolvem desde os raciocínios mais elementares até os mais complexos, que foram progressivamente sendo incorporados ao campo científico da Geografia1.

4É Paul Vidal de La Blache, em Princípios da Geografia humana (1921) que irá explicar o princípio da unidade terrestre. Para ele, caberia aos geógrafos a descrição dos fatos sociais, estabelecendo a compreensão da unidade das partes no todo terrestre, proporcionando a superação da fragmentação aparente da realidade. A partir desse princípio elementar do raciocínio geográfico, uma tarefa básica da disciplina seria a busca de uma visão de totalidade, tendo como ponto de partida cada fato geográfico.

5Esse princípio originário da Geografia de La Blache irá se desdobrar em outros princípios decorrentes desse raciocínio, como o da extensão e da localização. O princípio da extensão pressupõe a delimitação da área da superfície terrestre onde se manifesta o fenômeno. Da mesma forma, todo o fato geográfico é localizável na superfície terrestre, o que exige a resposta de uma pergunta básica do raciocínio geográfico: onde está?

6Ao estabelecer a localização dos fatos na superfície terrestre, os geógrafos formam uma visão de conjunto dos fenômenos estudados. E, ao considerar a localização de diferentes aglomerados e a distância entre eles, apreende-se outro princípio: o da distribuição espacial - relacionada ao modo como os dados são repartidos e subdivididos pelo espaço.

7Para Jean Brunhes (1869 – 1930) a reflexão da distribuição espacial necessariamente deveria estar associada à da ação humana que transforma o meio em meio geográfico. É daí que decorre o princípio da atividade, uma vez que a Geografia é um estudo essencialmente da relação dos seres humanos com a natureza, e dos processos que asseguram a existência das coletividades que o ocupam. Segundo ele, o espaço seria assim considerado, ao mesmo tempo, um dado da natureza e resultado da criação humana (BRUNHES: 1962, p.41).

8Na medida que os geógrafos foram detalhando a forma de pensar a unidade terrestre, proposta há mais de cem anos por Vidal de La Blache, caminhou-se dos raciocínios mais elementares até os mais complexos, envolvendo os princípios da conexão e da ordem espacial.

9É Max Sorre (1967) que irá discutir com mais detalhes a conectividade entre os elementos do espaço. Segundo ele, os geógrafos não podem se contentar apenas com a descrição da distribuição dos fatos pela superfície terrestre, mas precisam buscar compreender esses fatos nas interações através das quais eles se produziram e se desenvolveram. Essa análise envolve tanto as conexões mais próximas entre os elementos das interações locais até as conexões mais amplas de um mesmo elemento (relevo, clima, vegetação, obras humanas) e sua interdependência entre todas regiões do planeta.

10Max Sorre também será responsável pelo aprofundamento da aplicação dos princípios do raciocínio geográfico no estudo da saúde, como veremos adiante.

O Complexo Patogênico de Max Sorre

11Nas primeiras décadas do século XX, foi o geógrafo francês Max Sorre quem melhor traduziu o raciocínio geográfico para o estudo das grandes regiões nosológicas do globo. E, para isto, foram fundamentais os princípios gerais da ciência geográfica da época. Dentre esses princípios, o da extensão era o mais importante para Sorre (1933), uma vez que permitia a instrumentalização para a apreensão da doença como um fenômeno localizável, passível de delimitação em termos de área. Em “Fundamentos biológicos de la Geografia humana”, Sorre conclui que as áreas de extensão das enfermidades eram muito diferentes (SORRE, 1955, p. 301), o que colocava o problema do tamanho das unidades territoriais de estudo como uma das maiores dificuldades para a análise da distribuição das enfermidades.

12Enfrentando os problemas da Ecologia relacionados às associações entre os seres vivos, especialmente os mecanismos de equilíbrio entre a disseminação de parasitas e as formas de resistência de hospedeiros, Sorre se dedica mais atentamente àquelas doenças cujo ambiente era propício a circulação de agentes patógenos transmitidos por vetores, como a febre amarela, a malária e a doença do sono; elaborando uma formulação acerca da adaptação entre os indivíduos e sociedades com os ambientes. O Ecúmeno era para ele uma rede de complexos inter-relacionados que se sobrepõem e se imbricam (MOREIRA, 2008), numa visão ecológica das relações.

13Com base nesses pressupostos, Sorre propõem, assim, o conceito de “Complexo Patogênico”, segundo o qual haveria “um suporte vivo” (hospedeiros e vetores) na determinação da história natural de diversas moléstias. Desta maneira, o desenvolvimento de uma doença num agrupamento humano seria resultado da interação entre o agente patógeno (virus, bactéria, fungo, protozoário, dentre outros), o hospedeiro humano e o meio geográfico. Para Sorre (1933, p.19), a definição de Complexo Patogênico seria “L’aire d’extension d’une maladie endémique ou ‘epidémique, c’est l’aire d’extension d’un complexe pathogène. Expliquer cette aire d’entension, ses mouvements de contraction ou de dilatation, c’est, d’abord, r’esoudre un problème d’écologie”.

  • 2 Existiria ainda os complexos rurais, urbanos, industriais.

14Entre os complexos existentes no planeta2, o Complexo Patogênico se estabeleceria a partir de três planos onde se desenvolve a atividade humana (SORRE, 1967): o plano biológico (características individuais dos seres vivos), o plano social (capacidade técnica dos seres humanos de agir para transformar) e o plano físico (fatores naturais, como a altitude, a temperatura, vegetação, etc.). Veja a figura 1.

Figura 1 – Complexo Patogênico, de acordo com Max Sorre

Figura 1 – Complexo Patogênico, de acordo com Max Sorre

Elaborado pelos autores

15Em seu nível elementar (núcleo do complexo), a doença seria resultado da associação entre o organismo humano e os agentes patógenos. Quando o ciclo de vida dos agentes patógenos envolve a transmissão humana, o meio geográfico e outros seres vivos (hospedeiros e vetores), o complexo resulta numa ordem maior, cujos atributos geográficos são a extensão, a situação e a conexão. O primeiro termo (extensão) refere-se à dimensão espacial em termos de área e fronteiras, o que implica em movimentos de expansão e contração dos limites do complexo, favorecidos pela ação humana. A situação implica na localização relativa entre complexos patogênicos de uma mesma região nosológica do planeta. Por sua vez, o termo conexão diz respeito ao elo existente entre os complexos e as ações humanas num sistema de relações no qual nenhuma elemento é isolado dos outros, mantendo uma dependência mútua (SORRE: 1955, p. 281).

16Para Sorre, a proposição do conceito de complexo patogênico, como outro complexo geográfico qualquer, pode ser considerado tanto um ponto de vista como um método. Trata-se de um ponto de vista uma vez que busca nas interações entre os elementos que compõem o espaço geográfico, uma visão integrada e dinâmica da relação sociedade/natureza, mediada pelo trabalho humano, reforçando a ideia de unidade terrestre como uma ordem maior. Ao mesmo tempo, o conceito de complexo patogênico deve auxiliar a compreensão da unidade da ciência, ao propor a conexão das partes com o todo, nos oferecendo um princípio de método para a abordagem do encadeamento de fenômenos geográficos de diferentes naturezas com os mecanismos e processos que geram a organização espacial, com uma hierarquização de unidades, áreas e domínios. Assim, em cada região nosológica do planeta, certos complexos patogênicos seriam mais favoráveis em função das características ambientais e das condições de adaptação das comunidades humanas locais (SORRE, 1967, p. 43).

17De acordo com o conceito de Sorre, as relações ecológicas estabelecidas em cada complexo seriam patogênicas porque a sua existência, de maneira estável e localizável no espaço, resultaria na produção de doenças e na deterioração da saúde humana. Em cada complexo patogênico, seria a ação dos homens que asseguraria a permanência ou o declínio das doenças (SORRE, 1933, 1955). Assim, os complexos patogênicos poderiam ser constituídos pela extensão estável dos entes da cadeia epidemiológica de uma doença - vetores, agentes patológicos e o ser humano (SORRE, 1933). O complexo patogênico seria um tipo especial de complexo geográfico no qual os seres de diversos graus de organização encontram-se associados ao meio por um elo de ligação central entre os seres humanos e os agentes patógenos, desencadeado pela relação sociedade/natureza mediada pelo trabalho (SORRE, 1967, p.35).

18Como Sorre destaca, nas doenças infecto–parasitárias o homem não é somente hospedeiro, senão agente transformador do meio e, por isto, gênese dos complexos, o que permite concluir que é a mesma ação humana a que assegura a manifestação, intensificação, permanência ou declínio das enfermidades. Estes complexos aparecem, subsistem ou se desintegram segundo as circunstâncias de concentração ou dispersão de seus elementos e se desenvolvem em certas condições de equilíbrio, seja externo ou interno (SORRE, 1933). Ou seja, embora Sorre não trabalhasse diretamente com a difusão espacial de doenças, ele lançou as bases dos complexos patogênicos, que têm imbuído em seu interior o movimento no tempo e no espaço das doenças e seus vetores.

19A localização, que permite com que ocorra a inter-relação e a posterior infecção, não é aleatória no espaço e no tempo. Ela deve-se, na escala local, a um conjunto de fatores determinantes de ordem natural e social, oriundos de diversas escalas que são combinadas de maneira particular naquele lugar: a produção diferenciada de reservatórios, a densidade demográfica, a interação entre os lugares que o agente patógeno circula endemicamente e a rede de relações que fazem as pessoas se deslocarem entre diferentes lugares.

Releitura do modelo teórico de Sorre

20O conceito de Complexo Patogênico foi desenvolvido por Max Sorre num período de expansão da sociedade urbano-industrial, o que representou transformações ecológicas sem precedentes em termos dos fluxos de energia e da dinâmica dos ciclos naturais, com enormes conseqüências ambientais (GUIMARÃES, 2005). No tempo de Sorre, o rápido crescimento urbano verificado em todo o mundo e os intensos fluxos migratórios provocaram diversos tipos de impactos ambientais no sistema terrestre, abalando as relações ecológicas e disseminando inúmeras doenças.

21Mas no mundo pós-guerra, a abordagem espacial da saúde coletiva será relegada ao segundo plano, com o deslocamento do enfoque ecológico para o debate a respeito do estilo de vida, enquanto conjunto de comportamentos, hábitos, atitudes dos diferentes segmentos sociais (agrupados por etnias, idade, sexo; de acordo com SILVA, 1997). Por meio do uso de fármacos, campanhas de imunização em massa e expansão da infraestrutura urbana, irá se observar a queda gradativa das curvas de mortalidade e morbidade de inúmeras doenças infecto-parasitárias. A diminuição da mortalidade por tuberculose, escarlatina, sarampo, dentre outras doenças, terá como uma das conseqüências demográficas mais diretas, o aumento da esperança de vida e, consequentemente, o aumento da importância das doenças crônico-degenerativas. O progresso da estatística em saúde e dos estudos de coorte e caso-controle irão consolidar as pesquisas dos grupos populacionais de risco, cujo trabalho da equipe de MacMahon, em 1960, transformar-se-á na obra de referência (BARRETO, 1994, p. 23).

22O mundo pós-guerra também será marcado pelo intenso processo de descolonização e pela emergência de uma consciência sanitária, que coloca em evidência a enorme desigualdade de condições de vida entre os países do centro e da periferia do sistema mundial que se organizava ao redor das Nações Unidas (SANTOS, 1982). No decorrer desse processo, um novo período histórico se consolidou em escala planetária. Se na fase urbano-industrial a espécie humana criou o seu próprio fluxo de energia pela queima de combustíveis fósseis, neste novo período, denominado por Milton Santos (1997) de período técnico-científico, o motor da transformação da natureza não é mais o da máquina da indústria, e sim o da informação, fortalecendo cada vez mais os laços entre a ciência e a produção, e tornando os países cada vez mais conectados e integrados num sistema global.

23Quando um objeto técnico é instalado num determinado lugar, as normas estabelecidas em lugares mais distantes se impõem, seja nos procedimentos a serem adotados com as máquinas, assim como nas relações de trabalho que envolvem o uso de novas tecnologias. É por isto que a norma é, no período técnico-científico, um dos fundamentos principais da ordem sistêmica. São os procedimentos organizacionais e os objetos técnicos instalados nos diferentes lugares que normatizam o território e, portanto, também normatizam a vida das pessoas, bem como suas relações com a natureza. Os dados, a flexibilização das ações e reações no mundo informacional, transcendem a sociedade para impor-se no planeta como um todo (SANTOS, 1996).

24Esse processo impacta de maneira radical os complexos patogênicos, em função da importância crescente de decisões tomadas na escala global (verticalidades) e do conteúdo técnico existente tanto nas relações sociais como na relação da sociedade com a natureza.

25O processo decisório cada vez mais distantes do espaço próximo, constitui vetores de verticalidade com força de transformar diferentes lugares conectados em rede (Santos, 2000). Isso produz uma sincronia entre os lugares com profundas implicações na mobilidade populacional, no fluxo de informações e nos padrões espaciais de morbimortalidade, o que precisa ser considerado na compreensão dos complexos patogênicos. Afinal, não é por acaso que algumas doenças antigas persistem e, ao mesmo tempo, há a emergência e reemergência de novas doenças que haviam diminuído sua presença, ou até mesmo desaparecido em determinados lugares, como o dengue e as leshmanioses.

26Em vista destas novas características mundiais, vários pesquisadores começaram a apontar a necessidade de ampliação do conceito de Max Sorre. Assim, Pierre George (1978) aplicou o conceito de patógeno para o estudo de processos de exposição a produtos tóxicos (mercúrio, solventes, etc.), referindo-se à estruturação de espécies de Complexos Técno-patogênicos, tendo a síndrome de minamata um exemplo mais didático. Para Verhasselt (1981), o conceito de patógeno deveria ser ampliado, englobando todos os processos que geram respostas ou adaptações do organismo, produzindo as enfermidades. Este é o caso da contaminação do ar pelas indústrias e veículos automotores, que causam o aumento das doenças respiratórias ou o ritmo acelerado e tenso de certos processos de trabalho que geram o stress e aumentam a incidência das doenças cardiovasculares. Picheral (1982), por sua vez, refere-se aos complexos patogênicos enquanto Complexos Sócio-patogênicos, na medida que a doença também é um produto social. Com base nestes autores, Curto de Casas (1985, 1993) discute a existência, no momento atual, de dois circuitos ou modelos interdependentes: o do Sistema Patogênico da pobreza e o Sistema Patogênico da industrialização.

27As tentativas de ampliação do conceito de complexo patogênico citadas acima têm como preocupação a necessidade de analisar outros tipos de doenças, além daquelas estudadas por Sorre, como as crônico-degenerativas e as doenças ocupacionais. O desafio está posto. Tratam-se de esforços teóricos para transpor um conceito delineado na década de 1930 para o entendimento de um novo período marcado por muitas mudanças, inclusive do perfil epidemiológico. Afinal, apesar da grande contribuição dos estudos clássicos para o reconhecimento da relação entre o espaço e as doenças, diferenciando-se as localidades conforme a ocorrência de enfermidades (Silva, 1997), é preciso ir além da diferenciação espacial para se compreender como as doenças são produzidas nos dias de hoje.

28A contribuição do presente artigo reside no esforço de análise de doenças infecto-parasitárias que persistem no mundo atual, como o dengue e a LTA. Por causa disso, entendemos que a expressão sugerida por Pierre George – Complexos Técno-patogênicos, seja a mais adequada, desde que compreendida na sua relação com outros conceitos desenvolvidos mais recentemente pela Geografia. Nesta mesma linha de raciocínio, Barreto (2000) nos alerta a respeito da necessidade de avanço da abordagem teórica do espaço e de sua relação com as doenças, dada a complexidade das transformações impostas pelo mundo urbano. Desta forma, seria preciso o aprofundamento da análise de diversos conflitos, tais como: a valorização das formas de alteridade (como gênero, sexualidade, étnica) e a tendência de homogeneização dos mercados imposta pela globalização da economia; a ampliação da desigualdade de classe e da exclusão social, simultaneamente, ao aumento da cobertura de serviços de saúde; a emergência e reemergência de doenças infecto-parasitárias, coexistindo com novos problemas epidêmicos urbanos (violência, uso de drogas, acidentes de trânsito, dentre outros). O que está em jogo, segundo Samaja (2003), é o “esforço por pensar de maneira histórica, concreta e dinâmica a existência humana total: é dizer, como subjetividade corporificada/espacializada em todos os níveis de suas ações e seus objetos” (SAMAJA, 2003, p.107).

29Para isso, seria preciso ultrapassar o nível mais descritivo do raciocínio geográfico, baseando-se numa teoria do espaço capaz de alcançar o entendimento das estruturas maiores que existem e atuam no mundo em constante movimento e transformação. Tratam-se de estruturas espaciais determinadas pelo modo de produção ou pela organização política dos países, compondo o que Pierre George denominou de princípio da ordem espacial. Segundo ele,

o espaço humanizado é espaço ordenado, a ordem podendo ser o efeito de evolução empírica ou de vontade de organização passada ou presente […] que se projeta em diversas escalas: escala local no interior de uma aldeia ou de aglomeração urbana; escala regional no contexto de pequena região ou da parcela de um continente; escala internacional e intercontinental, na medida em que a vida de coletividades distintas depende de um sistema de trocas em grandes distâncias (GEORGE, 1969, p. 41-42).

30Entendemos que a proposição de uma Geografia nova por Milton Santos é uma referência importante para o raciocínio geográfico dessa ordem espacial, num nível superior. Para este autor, o espaço é definido como um conjunto indissociável de sistemas de objetos e sistemas de ações, com uma organização interna, que desenvolve ininterruptamente processos e acumula tempos (Santos, 1985 e 1996). Os sistemas de objetos não podem ser entendidos sem o sistema de ações. As ações nesse sentido seriam “um processo dotado de propósito” e seria resultado das “necessidades, naturais ou criadas [...] que conduzem os homens a agir e levam a funções [...] Realizadas através de formas sociais, elas próprias conduzem a criação e ao uso de objetos, formas geográficas” (SANTOS, 1997, p. 82-83). As ações são imprescindíveis para se compreender os fluxos de pessoas e bens, assim como sua intensidade e velocidade. Os fluxos são resultados (diretos ou indiretos) das ações, que atravessam ou se instalam nos objetos geográficos (SANTOS, 1997).

31O complexo patogênico que resulta desta integração informacional é mais ágil que os que o antecedem no tempo, uma vez que as enfermidades, seus focos e suas formas de operação, também se adaptam a esta nova situação e é por isto que a Epidemiologia atualmente deve lutar contra uma nova modalidade em matéria de complexos patogênicos: aquela que se desenvolve segundo padrões regidos pela tecnologia e pelo sistema complexo de estruturas espaciais (CARVALHEIRO: 1992, p. 38-39). Certamente, a relação sociedade/natureza mediada pelo trabalho, que caracterizava o complexo patogênico pensado por Max Sorre, não se aplica nesse novo contexto, tendo em vista a unidade indivisível homem-meio resultante do metabolismo do trabalho imposto pela inovação tecnológica (Moreira, 2004). As características do período técnico-científico, expostas acima, são suficientes para consideramos os Complexos Patogênicos atuais enquanto Complexos Tecno-patogênicos Informacionais. Veja a figura 2.

32Observa-se uma mudança qualitativa na organização dos complexos patogênicos de doenças infecto-parasitárias, como o dengue e a LTA, uma vez que essas doenças são cada vez mais resultado da relação entre o corpo normatizado pela ciência e pela técnica, e as variantes adaptativas dos patógenos, o que influencia nas formas de distribuição e difusão espacial das doenças.

33Opera-se daí uma unidade biológica de ordem superior (Complexo Patogênico), no qual se integram sistemas de ação (dimensão social) e de sistemas de objetos (dimensão física) numa extensão que extrapola fronteiras (redes) e conecta escalas de diversos níveis (verticais, da ordem de comando de cima para baixo; e horizontais, das relações de vizinhança do espaço banal). Tudo isto dentro de um contexto muito dinâmico, passível de rearranjos rápidos, o que torna a situação geográfica extremamente fluída.

Figura 2 - Complexo Tecno-patogênico Informacional da atualidade

Figura 2 - Complexo Tecno-patogênico Informacional da atualidade

Elaborado pelos autores

Complexos tecno-patogênicos informacionais da LTA e do dengue

34A análise que desenvolvemos a seguir é decorrente dos resultados obtidos em estudos realizados no estado de São Paulo sobre a LTA e o Dengue (CASAGRANDE, 2018; CATÃO, 2016).

35Evidentemente, dado as diferentes espécies vetoras dessas doenças, assim como os remanescentes florestais e diversas outras transformações do meio geográfico, não é possível afirmar que haja um único modelo de complexo patogênico que explique os padrões epidemiológicos da LTA e do dengue em diferentes regiões do Brasil e do globo. Para isto, é preciso considerar os arranjos espaciais específicos de cada localidade e testar o modelo proposto nesse tipo de análise, o que exige a necessidade de estudos comparados. Contudo, isso não invalida nosso esforço de pensar nas principais características dos Complexos Patogênicos na atualidade. E, para isso, é interessante a comparação das características dos complexos patogênicos da LTA e do dengue no território paulista.

36A LTA e o dengue são doenças metaxênicas uma vez que seus agentes etiológicos dependem da realização de parte de seu ciclo vital (maturação e multiplicação) no organismo do vetor. Tanto uma como outra doença necessita de um artrópode (flebotonímeo e um culicídio, respectivamente) como vetor para infectar uma pessoa ou um animal. Por causa disso, para se compreender essas doenças é preciso analisar as características biológicas dos vetores, seus habitats preferenciais, assim como as relações ecológicas e sociais envolvidas no seu ciclo de vida, considerando-se os fatores propícios e os limitantes para sua existência.

37A LTA é uma doença parasitária da pele e mucosas causada por uma diversidade muito grande de espécies do gênero Leishmania (LAINSON e SHAW, 2005), que são transmitidas por flebotomíneos (REITHINGER, et al., 2007).

38Dentre os ciclos de transmissão da doença Costa (2005) destaca três perfis principais no Brasil: o Puramente Silvestre, Silvestre Modificado e Peri-urbano. O primeiro é denominado como Puramente Silvestre e ocorre através de surtos epidêmicos associados às mudanças no ambiente, como derrubadas de vegetação, construção de estradas, surgimento de povoados ou outro tipo de exploração por agricultura ou mineração. É uma situação que envolve o contato dos seres humanos com animais silvestres. O segundo perfil é a LTA Silvestre Modificada, que acontece em surtos epidêmicos sazonais em áreas de fragmentação florestal. O problema é apresentado no contato entre o peri-domicílio e a floresta, principalmente, no espaço utilizado para fins agropecuários. Neste caso a infecção ocorre quando os valores absolutos da população do inseto vetor (flebotomíneos) estão elevados. O terceiro e último perfil epidemiológico é o Peri-urbano, caracterizado como endêmico-epidêmica em áreas de colonização antiga, com participação de animais domésticos como o cão e equinos. Apontado como o perfil mais recorrente na região sudeste do país.

39O dengue é uma doença de etiologia viral transmitida aos homens por mosquitos vetores, por isso é classificada como uma arbovirose (virose transmitida por artrópodes). Os vírus do Dengue pertencem ao gênero Flavivírus, família Faviviridae. Eles possuem quatro sorotipos, biológica e antigenicamente distintos, mas sorologicamente relacionados, a saber: DEN-1, DEN-2, DEN-3, DEN-4 e, mais recentemente, foi descoberto o DEN-5. Todos esses sorotipos causam tanto o Dengue com todas suas formas de manifestação, e constituiriam o que se denomina de Complexo do Dengue (TAUIL, 2001; GUBLER, 1997; OMS, 1999; PONTES; RUFFINO-NETO, 1994).

40Segundo Gubler (2004), dentre todas as arboviroses conhecidas, o dengue é considerada a única completamente adaptada aos seres humanos, que mantém a circulação dos vírus em áreas urbanas, especialmente as grandes cidades de países tropicais. Contudo, ainda é registrada a existência de ciclos enzoóticos florestais, mas que, na escala global, não apresentam grande importância na atual transmissão e disseminação dos vírus.

41Para Gubler (1998) seriam três principais ciclos de transmissão da doença: enzóotico florestal, rural epidêmico, urbano endêmico/epidêmico. O ciclo enzóotico florestal envolve espécies de primatas e mosquitos silvestres em florestas da África e Ásia. Esse ciclo pode envolver seres humanos que são infectados de maneira acidental. O segundo tipo de ciclo ocorre em ilhas pequenas ou comunidades pequenas ou isoladas, em que ocorre uma epidemia posterior à entrada de um sorotipo novo. Essa epidemia esgota os habitantes não-imunes, criando uma barreira geográfica por meio da imunidade de grupo. O último e principal ciclo de transmissão corresponde ao urbano endêmico/epidêmico que ocorre com o Aedes aegypti, em áreas urbanas em todo mundo intertropical e algumas regiões subtropicais (entre as latitudes 35º sul e 35º norte, mas podendo chegar a 45º norte nas épocas mais quentes do ano) (GUBLER, 1998).

42O Aedes aegypti se constitui como principal vetor do Dengue na escala global, por ser responsável pelo ciclo urbano endêmico/epidêmico. Esse mosquito também transmite o agente etiológico da febre amarela urbana, o vírus amarílico, também da família Flaviviradae. Apesar da importância do Aedes albopictus na transmissão do Dengue na Ásia, esse se configura apenas como um vetor secundário, tanto na Ásia como em outras partes do mundo.

43No processo de adaptação ao meio antrópico, esse vetor utilizou-se de reservatórios de água produzidos pelo homem como local de criadouro para seus ovos, além de habitar os peridomicílios e, posteriormente, domicílios com uma profunda endofilia (GUBLER, 1997; BARRETO; TEIXEIRA; COSTA et all 2008). Carvalheiro (2006, p.1001) ressalta a importância da domiciliação de vetores na manutenção e explosão de doenças, uma vez que na “ausência de domiciliação, casos humanos esporádicos poderiam ocorrer, mas nunca um processo de massa”, como no caso do Dengue. Essa adaptação ao meio humano – antropofilia, domiciliação, endofilia, utilização de reservatórios antrópicos – permitiu ao Aedes aegypti se tornar presente em grandes quantidades nas cidades ou assentamentos humanos mais densos, além de ter sua disseminação orientada pelos meios de transporte por dispersão passiva (ovos).

Quadro 1: Comparativo - LTA e Dengue

Doença

Agente Etiológico

Vetores

Ciclos de transmissão

Dengue

Quatro sorotipos de virus (DEN-1, DEN-2, DEN-3, DEN-4, *DEN-5)

Mosquitos do gênero Aedes.

Principal ciclo - urbano endêmico/epidêmico.

Outros ciclos - enzóotico florestal, rural epidêmico

LTA

Espécies do gênero de protozoários Leishmanias

No Brasil, as mais importantes são Leishmania (Viannia) braziliensis, L. (L.) amazonensis e L. (V.) guyanensis

Diversas espécies de flebotomíneos

. Puramente Silvestre

. Silvestre Modificado

. Peri-urbano

*Encontrado apenas em zonas florestais e ciclos florestais

Elaborado pelos autores

44Para se compreender o dengue no estado de São Paulo na escala regional, foram selecionadas variáveis importantes a partir da revisão de literatura, incluindo Kuno (1995), PAHO (1997), Araújo, Ferreira e Abreu (2008), Flauzino, Souza-Santos, Oliveira (2009) e Catão (2012), bem como a disponibilidade de dados. Grande parte desses dados estão disponíveis na Internet e são oriundos de instituições públicas, como o Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) e Sistema Nacional de Agravo de Notificação (SINAN/CVE-SES), Superintendência de Controle de Endemias do Estado de São Paulo (SUCEN); Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais; assim como Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), conforme quadro abaixo.

45Os dados dos determinantes socioeconômicos, da altitude da sede de município, municípios de infestação, casos e óbitos de dengue foram agregados por município, a exceção dos fluxos rodoviários que estão agregados por trecho de rodovia. Para isto, selecionamos como recorte temporal o período de 1990 a 2012, que teve transmissão continua do dengue no estado. Além dos determinantes incluímos também o acumulado de casos de dengue clássico, óbitos e os municípios infestados.

Quadro 2 - Síntese dos dados

Quadro 2 - Síntese dos dados

Fonte: Catão, 2016

46Os dados foram coletados por município e posteriormente inseridos em um software de Sistema de Informação Geográfica (ArcGIS 10.1) e incorporado a malha digital municipal do estado fornecido pelo IBGE, de forma análoga aos mapas de difusão. As fontes estão relacionadas acima juntamente com o ano e o grupo a que fazem parte. Para a elaboração do primeiro mapa sobre os determinantes sociais, em especial, fizemos um mapa analítico para cada variável, utilizando a variação de tamanho para os valores absolutos e variação de valor (escala monocromática) para os dados ponderados e a síntese parcial.

47A partir da elaboração de sínteses parciais, Catão compôs o mapa-síntese, com a tipologia do Dengue no estado de São Paulo (figura 3). Esse mapa nos permite visualizar a influência dos determinantes em cada porção do território bem como a estrutura territorial da doença num período mais amplo.

Figura 3 - Tipologia do Dengue no território paulista, 2012

Figura 3 - Tipologia do Dengue no território paulista, 2012

Fonte: Catão, 2016, p. 212

48Esse mapa-síntese ressalta as correlações entre os determinantes da doença e ainda mais quatro estruturas, que são as fronteiras permeáveis, os municípios epidêmicos, frequência alta de epidemias e as áreas de exceção. As fronteiras permeáveis indicam os locais em que provavelmente veio a infestação vetorial para o estado de São Paulo. Os municípios epidêmicos e a recorrência de epidemias (patamar de 300 casos por cem mil habitantes) indicam onde foi atingido esse limite no estado, dando um caráter de seletividade nas áreas mais intensas da doença. Já as exceções indicam áreas que estão em contextos diversos, pois possuem os determinantes para o Dengue, mas os casos ainda estão muito baixos ou não apresentam epidemias, diferenciando-os de seu entorno.

49Podemos visualizar no mapa que as taxas e casos mais altos estão concentrados no litoral e nas regiões norte-noroeste. Apesar do grande número de casos que a capital apresentou, esses ainda são ínfimos em relação ao volume de população dessa cidade, e isso se reflete numa taxa mais baixa e uma grande dúvida, que é a do por quê nessa cidade o Dengue ainda não causou uma epidemia de maiores proporções no período estudado.

50Em relação à ausência de determinantes, notamos que nas áreas mais frias, com altitude mais elevadas e densidades menores, essa doença está presente de maneira mais discreta, com taxas e casos abaixo da média do estado, e em alguns municípios ela não foi registrada. Essas áreas são os contrafortes da Mantiqueira, Ribeira-Alto Paranapanema, Serra da Bocaína/ do Mar. Como esse complexo se constitui de diversos componentes vivos, e, portanto, submetidos a algumas condições mesológicas, o complexo também é limitado pela ausência dos fatores necessários para essa existência, o que foi considerado como uma barreira.

51Outras barreiras seriam compostas também pelas áreas que suportam a existência do vetor e do vírus, mas de forma adversa, não permitindo uma grande interação, em termos quantitativos e qualitativos, com os seres humanos. Essas seriam as barreiras permeáveis, conformando muitas vezes franjas do complexo em determinadas épocas, uma vez que os casos podem ocorrer, mas sem a mesma intensidade das áreas que não contam com nenhuma contingência severa à densidade e distribuição do vetor

52Enquanto o dengue é um problema de saúde urbano, quando falamos na LTA estamos preocupados com as áreas de zonas rurais do Brasil. A LTA encontra-se em franca difusão espacial no Brasil. É uma enfermidade que vêm apresentando diferentes padrões de transmissão, não estando ligadas somente à penetração dos seres humanos em focos silvestres, mas também em áreas de expansão de fronteiras agrícolas como a atividade canavieira. Isso porque envolve no seu ciclo de transmissão, os seres humanos, o vetor e o hospedeiro. Verifica-se a ocorrência destas doenças em áreas de colonização antiga, e também em novas áreas (FORATTINI, 1992 e BRASIL, 2010).

53Dadas essas características, por se tratar de um doença cujo agente etiológico é um protozoário que tem os remanescentes florestais e áreas rurais como principal fonte de circulação, o complexo patogênico da LTA nos dias de hoje ainda se assemelha ao que foi postulado por Sorre na década de 30 (CASAGRANDE, 2018). Isso porque o núcleo do complexo, constituído pela infecção do organismo humano pelo parasita tem uma forte vinculação com o ambiente silvestre.

54A atuação do ser humano sobre as “áreas naturais” pode levar à degradação, o que influencia negativamente no nicho ecológico dos insetos (FORATTINI, 1973). Isso foi um fato observado na pesquisa de Casagrande (2018), quando foi comparada a distribuição e diversidade de flebótomos em áreas florestadas e área antropizadas. Em sua área de estudo, Casagrande observou um crescimento nas áreas de plantio de monoculturas, o que levou à fragmentação florestal e ao isolamento de pequenos produtores rurais, geralmente, em lotes de assentamentos rurais e em bairros rurais em meio às grandes lavouras (figura 4).

55Algumas espécies de flebotomíneos, principalmente os vetores da LTA, foram beneficiadas com a extinção de espécies que necessitam de habitats mais preservados, e se multiplicaram, apresentando grande abundância e dominância nos pontos de coletas onde foram alterados mais drasticamente pela ação dos seres humanos, por exemplo, , áreas de bordas, assentamentos rurais, pequenos fragmentos florestais, lavouras de monocuturas entre outros usos Os resultados da pesquisa de Casagrande (2018) demonstram que a taxa de abundância do vetor é maior para áreas de confluência de floresta e assentamentos rurais. Já em áreas de manchas de florestas cercadas por áreas agrícolas, monocultura da cana-de-açúcar e pastagens, a abundância vetorial cai. Estes dados associados demonstram que a conectividade dos habitats é importante para manter a diversidade biológica e que as áreas de agricultura com alto nível tecnológico atuam como barreira geográfica.

Figura 4 - Principais elementos do complexo patogênico da LTA na região do Pontal do Paranapanema, estado de São Paulo, Brasil

Figura 4 - Principais elementos do complexo patogênico da LTA na região do Pontal do Paranapanema, estado de São Paulo, Brasil

Fonte: Casagrande, 2018

56É possível afirmar, assim, que a atividade do cultivo da lavoura canavieira modificou o perfil epidemiológico da LTA na região do Pontal do Paranapanema. Isso porque a implantação da atividade canavieira dá novos rumos ao modelo de cultivo no campo e isso interfere novamente na dinâmica ecológica desta doença. O modelo de produção do espaço demonstra algo que vai além da aliança da técnica e da ciência, mas que atende à interesses hegemônicos padronizados, ou seja, respeita uma ordem espacial resultante de uma cadeia agroindustrial global que é organizada para atender às necessidades de interesse externos ao lugar e à região. Todas estas mudanças impõem uma lógica de uso do espaço diferente dos processos naturais da região que reverberam em mudanças na vida socioambiental.

  • 3 Reflete a coexistência entre espécies, que interagem através da competição no mesmo ambiente e que (...)

57Em vista dessas características, podemos afirmar que o modelo de Complexo Patogênico da LTA em território paulista é um híbrido, no qual coexistem diferentes associações entre os vetores, os seres humanos e os parasitas, sem que se possa tomá-los separadamente (SANTOS, 1996, p. 82). Alguns elementos do modelo clássico cedem lugar, completa ou parcialmente, a outros elementos mais recentes, outras interações entre as atividades humanas, e o ciclo vital das leishmanias resistem às mudanças, tornando o espaço um mosaico de situações de saúde de diferentes períodos. É por isso que Casagrande (2018) relacionou a distribuição espacial de flebótomos, assim como sua diversidade3 e abundância , com a formação, evolução e coexistência de espaços, num acúmulo desigual de tempos demarcados pelo meio natural, meio técnico e meio técnico-científico informacional (figura 5).

58É claro que essa divisão não é tão simples assim, existindo de fato uma sobreposição desses diferentes tipos de meio num mesmo espaço. As áreas de reservas representadas pelo Parque Estadual do Morro do Diabo, por exemplo, fazem parte do meio técnico-científico informacional (afinal, são áreas protegidas). Mas é evidente também que nessa unidade conservação e nas outras que a circundam há o predomínio do meio natural, onde a diversidade dos flebotomíneos é inversamente proporcional à sua abundância.

Figura 5 - Meios geográficos, diversidade e abundância de flebótomos

Figura 5 - Meios geográficos, diversidade e abundância de flebótomos

Fonte: Baltazar Casagrande, 2018.

59Por sua vez, a reemergência do Dengue no Brasil pode ser associada diretamente aos novos tempos. Essa doença se tornou um dos grandes problemas de saúde pública mundial depois da Segunda Grande Guerra, devido a algumas mudanças sociais e demográficas bastante discutidas nas obras de Milton Santos. As principais, dentre elas, são: o avanço técnico dos meios de transportes, o maior fluxo de pessoas e bens, viajando mais rápido entre os continentes e a diferenciação dos circuitos da economia urbana nos países mais pobres. Assim, tal emergência, como um problema de saúde pública mundial, pode ser relacionada com a produção desigual do espaço urbano, principalmente nas cidades do mundo chamado de subdesenvolvido, onde grande parte da população não tem as infraestruturas necessárias para combater essa doença. A saúde pública, nesses países, também é deficitária quanto à prevenção e ao diagnóstico, juntamente com os transportes rápidos e intensos e a grande aglomeração de pessoas, que faz com que a doença se dissemine e se perpetue em vários lugares do mundo.

  • 4 Lembrando que em cada pessoa a fase de virulência dura em média sete dias, e nos vetores é diferent (...)

60As condições locais apenas não explicam a produção de casos de Dengue. Devemos compreender o papel das interações espaciais e da circulação (e manutenção) dos vírus nas redes, urbana e de transporte4. Podemos pensar que as cidades infestadas e com transmissão, são os nós dessa rede, em que há um estoque de agentes patogênicos que circulam entre as pessoas por meio de vetores, ou armazenados pela transmissão vetorial. Dependendo de fatores conjunturais (associados aos estruturais), esse volume de vírus pode aumentar bruscamente. Com a fase epidêmica, há um incremento no número de pessoas e vetores infectados em um curto período de tempo, que circulam na rede urbana, provocando casos importados em áreas infestadas e permitindo que novas transmissões locais ocorram.

61A partir da interação espacial entre as cidades, o aumento no volume de vírus em um determinado espaço urbano, têm maior probabilidade de ser difundido para outras regiões. Nesse aspecto devemos incluir, dentro das interações espaciais, as relações de hierarquia e heterarquia de uma rede urbana, em que as cidades com maior centralidade podem difundir os vírus circulantes nessa escala para todas as cidades, embora as redes de relações sejam mais complexas, envolvendo cidades de portes diferenciados. Isso pode ser considerado uma influência entre contextos geográficos locais, evidenciando as interações. Por isso, algumas vezes fatores determinantes locais, como os conjunturais – aspectos do tempo meteorológico e de número de criadouros – de uma cidade com alta centralidade podem influenciar toda uma rede. Essas situações são mais percebidas na introdução de sorotipos novos (vide o Rio de Janeiro, que tem a capacidade de ‘induzir’ epidemias na escala nacional). Os casos importados, que entendemos como o deslocamento, para outro contexto, do resultado de uma interação patogênica entre vetor infectado e pessoa suscetível, tem influência do contexto onde ocorreu, de onde veio. Podemos pensar ainda os casos importados como a derivação de um contexto geográfico de transmissão para outro, com a possibilidade de reprodução desta transmissão a partir dos agentes patogênicos importados, ou seja, um elo importado.

62Em cidades sem transmissão autóctone um caso importado tem obviamente a conotação de algo exterior ao contexto geográfico local; pois não existem ali os fatores necessários para a transmissão, mas esse caso mostra a inter-relação entre os lugares, ou seja, a interação espacial.

63No Complexo Tecno-patogênico Informacional do Dengue, vemos que os objetos geográficos influenciam tanto no aparecimento de casos, como na circulação das pessoas que transportam consigo os vírus. As cidades e, em escala maior, as áreas pobres e periféricas sem acesso a infraestruturas, vão influenciar na distribuição e manutenção do Dengue, assim como aeroportos, portos, estações ferroviárias, rodoviárias que possuem influência na orientação e intensidade dos fluxos.

64Para o Dengue, a circulação de pessoas infectadas entre áreas infestadas é de suma importância para a manutenção dos vírus na natureza. Um exemplo extremo dessa importância: se nenhuma pessoa se tornar infectada e todos os mosquitos portadores do vírus morrerem, é muito provável que os vírus se extingam. Portanto, movimento de pessoas carregando consigo os vírus entre áreas infestadas de Aedes aegypti é de suma importância para a existência da doença.

Considerações finais

65Em vista do exposto no artigo, pensamos que o complexo patogênico formulado por Max Sorre ainda é de grande poder explicativo para a compreensão da distribuição espacial das doenças infecto-contagiosas e parasitárias, mas não é possível simplesmente transpor o modelo pensado na década de 1930 para a análise da situação epidemiológica. Para isto é preciso considerar outras características do mundo contemporâneo que permitem associar outras características aos princípios de localização e de conexão, como os fluxos e a interação espacial que permitem a difusão e a fluidez de patógenos e vetores no interior do complexo, assim como a intensidade (número de casos da doença), a sazonalidade, as diferenças de natureza (diferenças qualitativas na doença, como as áreas como casos graves e óbitos) e a permanência (estabilidade do complexo em determinadas áreas).

66A reflexão que devemos fazer para analisarmos o movimento de constituição de complexos patogênicos na atualidade, desde sua reemergência, é: o que de fato está sendo difundido? Ou colocando de outra forma: o que nós enquanto geógrafos, estamos analisando quando propomos compreender os processos que levaram a doença a se instalar, a partir de áreas restritas, e ir, aos poucos, aumentando a extensão de sua área de transmissão? Seria somente a difusão dos vetores ou dos patógenos? Quais são os processos, os princípios geográficos e conceitos que devem ser incorporados na teoria dos complexos, para atualizá-los ao tempo presente?

67Para que um caso de uma doença infecto-parasitária ocorra, temos uma série de processos que incidem em tempos, espaços e escalas diferentes, mas que no fim, se unem. Ou seja, a infecção por um vírus ou por um parasita em uma pessoa é o resultado da convergência de diversos processos em um mesmo lugar e tempo. O adoecimento é a parte visível dessa convergência, ela só ocorre se o inseto vetor estiver no mesmo espaço e tempo da pessoa suscetível para aquele agente patógeno.

68Como já ressaltamos, a produção do espaço no período atual difere dos anteriores, na medida em que hoje se utiliza a tecnologia na produção. Por causa disso, houve, e ainda há, no período atual, um enorme acréscimo de objetos geográficos ao solo, modificando-se ainda mais a natureza. Expandindo as fronteiras econômicas e agrícolas, os lugares passam a ser interligados mediante transporte e telecomunicações. A informação, dado fundamental nesse período, passa a circular rapidamente em quase todos os locais do mundo.

69A produção do espaço geográfico nesse período é dada pelos conteúdos técnicos, científicos e informacionais de tal forma que o espaço pode ser chamado de Meio Técnico-Científico-Informacional (SANTOS, 1985; SANTOS e SILVEIRA 2004). Ao utilizarmos esse conceito de Milton Santos, entendemos que a ocorrência e a distribuição de doenças infecto-parasitárias, como o dengue e a LTA, encontram-se intrinsecamente relacionados ao espaço geográfico atual, com sua velocidade, seu grande número de objetos e sua desigualdade. Essas doenças são dotadas de uma seletividade espacial, de uma determinação social, adaptada ao meio atual, e sempre em constante evolução, diferente da situação epidemiológica de cem anos atrás.

70Podemos pensar que a transmissão do dengue e da LTA no estado de São Paulo é a combinação dos processos de difusão do patógeno, dos vetores e das condições sociais e espaciais para que ocorra a infestação e circulação de vírus e parasitas nas áreas infestadas. Desta forma, para se analisar a difusão de doenças infecto-parasitárias, devemos pensar todos esses elementos de forma integrada – vetores (em densidade e dispersos), patógenos, pessoas imunes e suscetíveis, e a presença dos fatores determinantes, além das estratégias de combate e controle.

71A preocupação em compreender a dinâmica de difusão do Complexo Patogênico – dinâmica aqui entendida como um conjunto de processos sincrônicos e diacrônicos que contribuem para a espacialidade e temporalidade atuais – está em gérmen contida na teoria do complexo patogênico. Afirma Sorre (1955) que os complexos têm uma dinâmica, eles surgem, evoluem e desintegram-se, contudo, alguns permanecem. Perceber as características que permitem essa dinâmica dos complexos irá, certamente, nos auxiliar na compreensão da difusão do complexo e de seus componentes em diferentes regiões do Brasil e do globo.

72Para essa análise do complexo devemos incorporar então, além dos princípios do raciocínio geográfico já utilizados por Sorre - de extensão, localização, distribuição e conexão - outros conceitos importantes, como o de intensidade, de sazonalidade e de permanência. Esses são conceitos balizadores da análise do complexo na atualidade e sintetizam a preocupação em se compreender o movimento da doença no espaço e a própria espacialidade da doença no período técnico-científico e informacional.

73A pesquisa foi financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP, processos 2012/05913-1 e 2014/17676-0, sem as quais não seria possível a sua realização.

Haut de page

Bibliographie

Araújo, J. R.; Ferreira E. F.; Abreu, M. H. N. G. Revisão sistemática sobre estudos de espacialização da dengue no Brasil. Rev. Brasil. de Epidemiologia, v.11, n.4, p. 696-708, 2008

Brasil. “Manual de Vigilância da Leishmaniose Tegumentar Americana”. Ministério da Saúde - Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasilia - DF, (2ª ed), p. 180. 2010.

Barreto, M. “Epidemiologia, sua história e crises”. IN COSTA, Dina Czeresnia (org.). Epidemiologia – teoria e objeto. São Paulo/Rio de Janeiro: Hucitec/Abrasco, 1994.

Barreto, M. “O espaço e a epidemiologia: entre o conceitual e o pragmático”. Cadernos Saúde Pública, v.16, n.3, pp.595-617, 2000.

Barreto, F.; Teixeira, M. G.; Barreto, M.; Barcellos, C. “Difusão espacial de doenças transmissíveis: uma importante perspectiva de análise epidemiológica a ser resgatada”. In: BARCELLOS, Christovam (Org). A Geografia e o Contexto dos Problemas de Saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO, 2008. p. 279-299

Barreto, F; Teixeira, M. G; Costa, M. C. N; Carvalho, M. S; Barreto, M. L. “Spread pattern of the first dengue epidemic in the city of Salvador, Brazil”. BMC Public health, v. 08, n. 51, fev, 2008, p. 1-10

Brunes, J. Geografia humana. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1962.

Catão, R. C. Dengue no Brasil: abordagem geográfica na escala nacional. São Paulo: Editora da UNESP, 2012.

Catão, R. C. Expansão e consolidação do Dengue no estado de São Paulo: Difusão espacial e barreiras geográficas. Presidente Prudente, Universidade Estadual Paulista, 2016. Tese de doutorado.

Casagrande, B. Biogeografia da Saúde: Distribuição espacial dos vetores e o Complexo Patogênico da Leishmaniose Tegumentar Americana. Presidente Prudente, Universidade Estadual Paulista, 2018. Tese de doutorado.

Carvalheiro, J. R. “Pestilências: velhos fantasmas, novas cadeias”. Saúde e Sociedade. v. 1, n. 1, São Paulo, Facultade de Saúde Pública da USP, Associação Paulista de Saúde Pública, 1992.

Carvalheiro, J. R. “Biogeografia dos triatomíneos e as cerejeiras da Europa”. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n.6, p.1001-1003, 2006.

Claval, P. Epistemologia da Geografia. Florianópolis: Editora UFSC, 2014.

Costa, J. M. L. “Epidemiologia das Leishmanioses no Brasil”. Gazeta Médica da Bahia, Salvador, v. 1, p. 3 - 17, Jan – Jun, 2005.

Cummings, D. A. T; et al. “Travelling waves in the occurrence of dengue haemorrhagic fever in Thailand”. Nature, Londres, v. 427, n. 22, jan, 2004, p.344-347

Curto De Casas, S. “Geografia y salud humana”. Buenos Aires, SENOC, 1985.

Curto De Casas, S. “Geographical inequalities in mortality in Latin America”. Social Science in Medicine, v. 36, no. 10, pp. 1349-55.1993.

Flauzino, R. F.; Souza-Santos, R.; Oliveira, R.. M. Dengue, geoprocessamento e indicadores socioeconômicos e ambientais: um estudo de revisão. Rev Panam Salud Publica, v.25, n.5, p.456–61, 2009.

Forattini, O. P. “Psychodidae”. In: forattini, O. P. Entomologia medica. São Paulo: USP, 1973. p. 213-569.

Forattini, O. P. Ecologia epidemiologia e sociedade. 1. ed. São Paulo: Artes Médica, v. 1, 1992.

George, P. Sociologia e geografia. Rio de janeiro: Editora Forense, 1969.

Guimarães, R. B. “Do complexo patogênico ao complexo técnico-patogênico informacional”. Anais do VI Encontro Nacional. Fortaleza, ANPEGE, 2005.

Gubler, D. “Dengue and dengue hemorrhagic fever: its history and resurgence as a global health problem”. In: GUBLER, Duane; KUNO, Goro (Ed.). Dengue and dengue hemorrhagic fever. New York: CAB International, 1997, p.1-22.

Gluber, D. “Dengue and Dengue Hemorrhagic Fever”. Clinical Microbiology Reviews, Philadelphia, v. 3, n. 11, p. 480–496, jul., 1998.

Gubler, D. “The Changing epidemiology of yellow fever and dengue, 1900 to 2003: full circle?”. Comp. Immun. Microbiol. Infect. Dis., v. 27, p. 319–330, 2004.

Kuno, G. Review of the factors modulating dengue transmission. Epidemiologic Reviews,

Baltimore, v. 17, n. 2, 1995, p. 321-335

La Blache, P. V. D. Principios de Geografia Humana. Serie C. ed. Lisboa: Comos, v. 1, 1921.

Lainson, R.; Shaw, J. J. New world leishmaniasis. In: COX, F. E. G. K. J. P. W. D. Microbiology and microbial infections, parasitology. London, Sydney, Auckland: [s.n.], 2005. Cap. 17, p. 313 - 349.

MOREIRA, R. O pensamento geográfico brasileiro [vol. 1]: as matrizes clássicas originárias. São Paulo: Contexto, 2008

Moreira, R. Marxismo e geografia: a geograficidade e o diálogo das ontologias. GEOgraphia - Ano. 6 - N I I,  2004, p. 21-37

Moreno, C. E. 2001. Métodos para medir la biodiversidad. M&T–Manuales y Tesis SEA, vol. 1. Zaragoza, 84 pp

Organização Mundial da Saúde. Dengue and Dengue Hemorrhagic Fever, Fact Sheet n° 117. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs117/en/print.html. Acesso em 22 agosto 2007.

PAHO. Pan-American Health Organization. Dengue and Dengue Haemorraghic Fever in the Americas: guidelines for prevention and control. Washington: Pan-American Health

Organization. 1997.

Picheral, H. “Géographie médicale, géographie des maladies, géographie de la santé”. L ́espace géographique, Paris, no. 3, pp. 161-75, 1982.

Pontes, R. J. S.; Ruffino-Netto, A. “Dengue em localidade urbana da região sudeste do Brasil: aspectos epidemiológicos”. Revista de Saúde Pública, v.28, n.3, p.218-227, 1994.

Reithinger, R. et al. “Cutaneous leishmaniasis”. lancet infectious diseases, v. 7, p. 581 - 596, 2007.

Samaja, J. “Desafíos a la epidemiología (pasos para una epidemiología "Miltoniana")”. Revista brasileira de epidemiologia, São Paulo, v. 6, n. 2, 2003.

Santos, E. S.; Miranda, M. J.; Rezende, K.; Barrozo, L. V. Geografia da Saúde e o complexo patogênico de Max Sorre. In: XVI Encontro Nacional de Geógrafos, 2010, Porto Alegre. Anais do XVI Encontro Nacional de Geógrafos, 2010.

Santos, M. Espaço e Sociedade. 2. ed. Petrópoles: Vozes, 1982.

Santos, M. Espaço & Método. Coleção Espaços. ed. São Paulo: Nobel, 1985.

Santos, M. Técnica Espaço Tempo: Globalização e meio técnico-científico informacional. 2. ed. São Paulo: Huicitec, 1996.

Santos, M. A natureza do espaço. São Paulo: Hucitec, 1997.

Santos, M. Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Record, 2000.

Santos, M.; Silveira, M. L. O Brasil: Território e Sociedade no início do Século XXI. 6. ed. Rio de janeiro : Record, v. 1, 2004.

Silva, L. J. “O conceito de espaço na epidemiologia”. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 585-593, out-dez 1997. SORRE, M. “Complexes pathogènes et géographie médicale”. Annales de Géographie, Année v.42, n.235. p. 1-18, 1933.

Sorre, M. Fundamentos biológicos de la Geografia humana. Barcelona: Editorial Juventud, 1955.

Sorre, M. El hombre en la Tierra. Barcelona: Labor, 1967.

Tauil, P. L. “Urbanização e ecologia do dengue”. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol.17, suplemento l, p.99-102, 2001.

Verhasselt, Y. “The contribution and future development of spatial epidemiology”. Social Science and Medicine. Vol. 15, pp. 333-35, 1981.

Haut de page

Notes

1 Imanuel Kant (1724-1804), propôs o princípio da Extensão, aperfeiçoado e aplicado por Friederich Ratzel (1844-1904). Alexander von Humboldt (1769-1859), formalizou o princípio da Causalidade.

2 Existiria ainda os complexos rurais, urbanos, industriais.

3 Reflete a coexistência entre espécies, que interagem através da competição no mesmo ambiente e que são influenciados por diferentes fatores. Tem diferentes escalas de abordagens. Portanto, de acordo com a escala utilizada, pode-se distinguir três tipos de diversidade: alfa (α), beta (β) e gama (γ). A diversidade α, ou local, corresponde à diversidade dentro de um habitat ou comunidade, A diversidade β corresponde à diversidade entre habitats ou outra variação ambiental, serve para medir a composição de espécies e como varia de um lugar para outro e a diversidade γ, ou regional, corresponde à diversidade de uma grande área, bioma, continente, ilha, etc. (MORENO, 2001).

4 Lembrando que em cada pessoa a fase de virulência dura em média sete dias, e nos vetores é diferente, pois o mantem por toda a vida, e algumas vezes podem repassar por meio de transmissão vertical aos seus descendentes.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Complexo Patogênico, de acordo com Max Sorre
Crédits Elaborado pelos autores
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/15117/img-1.png
Fichier image/png, 28k
Titre Figura 2 - Complexo Tecno-patogênico Informacional da atualidade
Crédits Elaborado pelos autores
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/15117/img-2.png
Fichier image/png, 130k
Titre Quadro 2 - Síntese dos dados
Crédits Fonte: Catão, 2016
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/15117/img-3.png
Fichier image/png, 117k
Titre Figura 3 - Tipologia do Dengue no território paulista, 2012
Crédits Fonte: Catão, 2016, p. 212
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/15117/img-4.png
Fichier image/png, 817k
Titre Figura 4 - Principais elementos do complexo patogênico da LTA na região do Pontal do Paranapanema, estado de São Paulo, Brasil
Crédits Fonte: Casagrande, 2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/15117/img-5.png
Fichier image/png, 101k
Titre Figura 5 - Meios geográficos, diversidade e abundância de flebótomos
Crédits Fonte: Baltazar Casagrande, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/15117/img-6.png
Fichier image/png, 94k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Raul Borges Guimarães, Rafael de Castro Catão et Baltazar Casagrande, « Raciocínio geográfico e complexos patogênicos atuais: análise comparativa da Dengue e da Leishmaniose Tegumentar Americana », Confins [En ligne], 37 | 2018, mis en ligne le 03 octobre 2018, consulté le 11 décembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/15117 ; DOI : 10.4000/confins.15117

Haut de page

Auteurs

Raul Borges Guimarães

Laboratório de Biogeografia e Geografia da Saúde, Departamento de Geografia, FCT/UNESP, raul@fct.unesp.br

Rafael de Castro Catão

Núcleo de Medicina Tropical (NMT) da Universidade de Brasília (UnB) e Departamento de Geografia, Universidade Federal do Espirito Santo (UFES), rafadicastro@gmail.com

Baltazar Casagrande

Laboratório de Biogeografia e Geografia da Saúde, Departamento de Geografia, FCT/UNESP, flebalta2012@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals