Navigation – Plan du site
Homenagem

Fernand Verger, pés no slikke e cabeça nas estrelas

Fernand Verger, les pieds dans la slikke et la tête dans les étoiles
Fernand Verger, feet in the slikke and head in the stars
Hervé Théry

Texte intégral

1Fernand Verger, nascido em 1929 em Paris, faleceu em 20 de setembro de 2018. Ele era professor emérito do Departamento de Geografia da École Normale Supérieure da rue d'Ulm, em Paris, e diretor de estudos honorários da École Pratique des Hautes Études. Este especialista dos pântanos litorais e estuários tinha dedicado a sua tese ao estudo físico dos pântanos marítimos e das suas margens (1967), pelos quais ele manteve um grande interesse ao longo de sua carreira, e onde ele levava regularmente seus alunos e colegas,

2Uma delas, Annaig Oiry, atesta:

  • 1 A slikke é uma das áreas características dos lodaçais litorâneos, abaixo do schorre. É a parte infe (...)

“« A slikke1 faz bem para a pele! ». Lembro-me desta frase de Fernand, pronunciada no outono de 2009, durante uma estada na baía de Mont Saint-Michel, com cerca de vinte estudantes parisienses que se perguntavam se realmente teriam que levar seu amor do campo até o ponto de ter lama até o meio das pernas”

Fernand Verger em campo com alunos da École Normale Supérieure e colegas brasileiros

Fernand Verger em campo com alunos da École Normale Supérieure e colegas brasileiros

©Hervé Théry, 2000

3Pauline Guinard, uma das suas mais jovens colegas, recrutada em 2012 pelo Departamento de Geografia da ENS, confirma:

“Fernand era de fato um geógrafo de campo. Enquanto sua condição física permitisse, ele nos acompanhava nos passeios que organizávamos com os alunos [...] Independentemente das condições climáticas, ele podia falar durante horas desses ambientes, mapa a mão, para alunos cativados tanto pela qualidade de suas análises quanto pelo seu entusiasmo em compartilhá-las. Fernand não gostava apenas de estar no campo, ele também gostava de estar cercado por geógrafos em formação, a quem ele transmitia incansavelmente seu conhecimento e seu fervor ”.

Fernand Verger explica um mapa aos alunos e colegas

Fernand Verger explica um mapa aos alunos e colegas

Na direita Claúdio Egler, da UFRJ, na esquerda Neli Aparecida de Mello, então doutoranda

©Hervé Théry, 2000

  • 2 Veja a bibliografia abaixo

4Annaig Oiry vai além “Ele sabia muito bem como combinar a boa explicação científica e a observação tranquila do que o rodeava” porque, como Pauline Guinard destaca, ele não era apenas um especialista em pântanos costeiros, longe disso: “Até o final de sua vida, Fernand não só produziu geografia2, mas também se alimentou de geografia, em todas as suas formas, incluindo as mais atuais”.

5Já em 1972, ele tinha se interessado por sensoriamento remoto por satélite, sendo nomeado "Pesquisador Sênior" da NASA para o Landsat 1 e 2, e líder de um projeto do programa francês SPOT. Ele foi um pioneiro, com meios ainda rudimentares: tendo sido seu aluno entre 1973 e 1976, lembro-me que ele nos mostrou orgulhosamente um mapa produzido em uma impressora de agulhas, que só podia imprimir letras. Uma dificuldade que ele havia contornado colorindo-as com giz de cera, os "a" em azul para o mar, os "b" e "c" em tons de marrom para slikke e schorre, os "d" em verde para prados salgados, etc. Mais tarde, diretor do laboratório IMAGEO do CNRS, ele promoveu o uso pelos geógrafos das novas ferramentas à sua disposição (modelo de terreno digital, GIS). E depois de sua aposentadoria, ele publicou vários livros sobre sensoriamento remoto por satélite e espaço, incluindo um na Cambridge University Press".

6Fernand Verger teve importantes funções de gestão de pesquisa, sendo sucessivamente presidente do Comitê Nacional da Pesquisa Científica e do Comitê Nacional de Universidades, e presidiu o grupo de interesse público RECLUS.

7Sua ação, no entanto, não se limitou ao ambiente acadêmico, ele foi muito ativo no desenvolvimento (cuidadoso) e na defesa dos pântanos e estuários que ele amava tanto: ele foi, portanto, presidente da Comissão Científica da Missão Mont-Saint-Michel, presidente do conselho científico do Forum des Marais Atlantiques, membro dos conselhos científicos do Conservatório do litoral e do estuário da Gironde.

8Neste momento triste, deixo a última palavra para Pauline Guinard. "Espero que, nas nossas aulas e pesquisas, continuemos a viver seu legado, sua generosidade e seu desejo de conhecer e transmitir."

Fernand Verger au Mont Saint Michel

Fernand Verger au Mont Saint Michel

©Hervé Théry, 2000

Fontes

  • 3 Claude Bataillon. Préface de Marie-Claire Robic, Presses universitaires de Rennes, collection Espac (...)

9Em Géographes, génération 19303 (uma bela turma, é verdade, com Roger Brunet, Paul Claval, Olivier Dollfus, François Durand-Dastès, Armand Frémont e Fernand Verger), Claude Bataillon colocou sua vida profissional em perspectiva.

  • 4 Nacima Baron-Yellès, Lydie Goeldner-Gianella, Sébastien Velut (éds.), Le littoral: regards, pratiqu (...)

10Seus colegas e ex-alunos da École Normale Supérieure da rue d'Ulm, publicaram um livro de homenagem que inclui uma lista exaustiva de suas obras até a data (2002), bem como uma entrevista em que ele relembra as grandes inflexões de sua carreira científica4.

Carreira

  • Graduação na Sorbonne, pós-graduação nos Países Baixos (Groningen e Amsterdam) e na Dinamarca (Copenhaguen).

  • Attaché de recherches au CNRS (1957-1958)

  • Chef de travaux, depois maître-assistant na Université de Poitiers (1958-1961)

  • Maître-assistant (1961-1969), depois Professor (1969-1986), na École normale supérieure de jeunes filles

  • Professeur na École Normale Supérieure da rue d'Ulm (1986-1998)

  • Directeur de laboratoire na École Pratique des Hautes Études, diretor do laboratório de geomorfologia do litoral) (1966-1998)

  • Pesquisador Sênior na NASA nos programas Landsat 1 e 2 (1972-1976).

  • Chefe de Projetos, Programa de Avaliação Preliminar do Programa Spot (1986-1987).

  • Diretor do laboratório IMAGEO-CNRS (1986-1991).

Principais publicações

  • Dictionnaire de la géographie, (com Pierre Georges), Presses Universitaires de France, 1970

  • L’Observation de la Terre par les satellites, Presses universitaires de France, 1981.

  • Marais et wadden du littoral français, Paradigme, 1983.

  • L’Espace, nouveau territoire, Belin, 2002.

  • Cambridge Encyclopedia of Space, (dir.) Cambridge University Press, 2003.

  • Marais et estuaires du littoral français, Belin, 2005.

  • Zones humides du littoral français, Belin, 2009.

  • Paysages salés : promenades littéraires et paysages littoraux, Belin, 2013

Haut de page

Notes

1 A slikke é uma das áreas características dos lodaçais litorâneos, abaixo do schorre. É a parte inferior do foreshore, aquela que é mais frequentemente inundada, em cada maré alta.

2 Veja a bibliografia abaixo

3 Claude Bataillon. Préface de Marie-Claire Robic, Presses universitaires de Rennes, collection Espace et territoires, 2009, 228 p

4 Nacima Baron-Yellès, Lydie Goeldner-Gianella, Sébastien Velut (éds.), Le littoral: regards, pratiques et savoirs. Études offertes à Fernand Verger, Paris, Editions ENS rue d'Ulm, 2002, 382 p. (ISBN 2-7288-0276-9).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Fernand Verger em campo com alunos da École Normale Supérieure e colegas brasileiros
Crédits ©Hervé Théry, 2000
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/15805/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 432k
Titre Fernand Verger explica um mapa aos alunos e colegas
Légende Na direita Claúdio Egler, da UFRJ, na esquerda Neli Aparecida de Mello, então doutoranda
Crédits ©Hervé Théry, 2000
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/15805/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 824k
Titre Fernand Verger au Mont Saint Michel
Crédits ©Hervé Théry, 2000
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/15805/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 1,2M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry, « Fernand Verger, pés no slikke e cabeça nas estrelas », Confins [En ligne], 37 | 2018, mis en ligne le 06 octobre 2018, consulté le 14 novembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/15805 ; DOI : 10.4000/confins.15805

Haut de page

Auteur

Hervé Théry

Directeur de recherche émérite au CNRS-Creda, Professor no PPGH-FFLCH e GPP-EACH, Universidade de São Paulo (USP), hthery@aol.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals