Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

O novo cangaço no Maranhão

Le nouveau cangaço dans le Maranhão
The new cangaço in Maranhão
Ronaldo Barros Sodré

Entrées d’index

Index de mots-clés :

banques, nouveau cangaço, sécurité

Index by keywords :

banks, new cangaço, security

Index géographique :

Maranhão

Índice de palavras-chaves :

bancos, novo cangaço, segurança
Haut de page

Texte intégral

1No cinema os roubos a bancos têm sido romantizados, a ponto de muitas vezes criar paradoxos na postura dos telespectadores, que se envolvem nos enredos e passam a torcer e apoiar as motivações e ações dos criminosos. No Brasil, não distante da ficção, essa modalidade de crime tem assumido dimensões cinematográficas e espalhado terror e transtornos em pequenas e médias cidades. Muito além dos prejuízos financeiros, esses eventos são marcados pelo uso de diversas formas de violência e pelos transtornos causados no seu entorno, que remetem a um Brasil do passado.

2Entre meados do século XIX e início do século XX, as questões sociais e fundiárias do Nordeste do Brasil, levaram ao surgimento de um poder paralelo de enfrentamento através da prática de crimes diversos, principalmente sobre os mais ricos. O fenômeno de banditismo social conhecido como cangaço, instaurou a desordem na região e alimentou o imaginário popular. Na atualidade, outras práticas criminosas, dão significado a um “novo tipo de cangaço”, que se caracteriza pela atuação de grupos fortemente armados que praticam furtos ou roubos a numerários.

3Diferente do bando de Lampião, o novo cangaço assume uma nova geografia que ultrapassa as entranhas do sertão nordestino e se faz presente em todo o país. O grau de especialização dos criminosos chega a contar com explosivos e armas utilizadas em guerras. Segundo Costa (2016) o tamanho dos grupos se assemelha aos do velho cangaço, que contavam com números entre dez e quinze pessoas, intrinsecamente motivadas por razões político pessoal, levando em consideração vinganças e a subversão da ordem estatal.

4Os cangaceiros contemporâneos não são liderados por um homem, mas por vários. Suas finalidades com os assaltos a instituições bancárias, públicas e privadas também se distingue. A grande maioria das quadrilhas encontram nos arrombamentos e explosões a caixas eletrônicos a oportunidade de capitalizar recursos para outras atividades, tais como: agiotagem, lavagem de dinheiro, financiamento de campanhas eleitorais, tráfico de drogas e armas.

5A atuação das quadrilhas é marcada pelo uso de violências e pela instalação de um estado de pânico nas cidades. Geralmente a atuação dos criminosos é marcada pela tomada do poder, a partir do bloqueio de vias, com a rendição das forças de segurança públicas e privadas e com a utilização de reféns para dar facilidade nas fugas. Dependendo das condições, em que pese principalmente o efetivo de segurança, os grupos realizam arrombamentos ou explosões dos caixas eletrônicos.

6A frequência com que esses crimes ocorrem é relativamente recente, o que explica a ausência e/ou organização sistemática das estatísticas sobre os crimes praticados na modalidade “novo cangaço” em todo país. O Sindicato dos Bancários do Maranhão, desde 2011 realiza mensalmente o levantamento dessas informações no estado. Ainda que a instituição agrupe explosões e arrombamentos, ela é a principal fonte de dados sobre esses crimes no estado do Maranhão.

7Em sete anos foram registrados 280 casos de arrombamentos e explosões de caixas eletrônicos no estado, o que representa uma média de 40 casos anuais. Seguindo a tendência de crescimento do ano anterior, em 2015 as ações das quadrilhas atingiram os números máximos, 61 ataques. Por outro lado, 2017 é o ano de menor atuação dos criminosos, 12 casos foram registrados.

8De outro modo, temos a espacialização desses dados no Maranhão, mostrando que nessa série histórica houve o aumento e a expansão dos arrombamentos em todas as regiões do estado.

9Dos 217 municípios maranhenses, foram contabilizados arrombamentos e/ou explosões de caixas eletrônicos em 134, o que representa 62% da totalidade dos municípios. A espacialização mostra uma distribuição em todas as regiões do estado, com concentração na região central até a capital, São Luís, e também na Região Tocantina. São Luís foi o município com maior número de ocorrências, 21, o que inicialmente desencontra a relação arrombamento, explosão/efetivo policial. Logo em seguida, os municípios com os maiores números de registros foram de Amarante do Maranhão (8), Fortaleza dos Nogueiras (6) e Pio XII (5).

10A ação dos novos cangaceiros esteve restrita a apenas seis bancos, o Bradesco foi alvo de 140 investidas e o Banco do Brasil, 129. A distribuição desses bancos no estado maranhense ajuda a compreender porque são eles os que mais sofrem arrombamentos e explosões, juntos, os dois possuem 785 postos e 220 agências. O Bradesco conta com 455 postos e 100 agências, esses números em muito se dão em razão da aquisição no ano de 2003 do Banco do Estado do Maranhão (BEM). O Banco do Brasil, maior banco da América Latina e principal agente financeiro do governo federal, possui 330 postos e 110 agências em todo o Maranhão.

11Os postos e agências bancárias seguem geografia semelhante de distribuição e aparecem como elementos que indicam hierarquia urbana, pois quanto maiores a população e o Produto Interno Bruto (PIB) das cidades maiores também serão os números de postos e agências bancárias.

12Uma outra visão dos crimes praticados pelo Novo Cangaço no Maranhão é dada com a relação arrombamento/número de agências e postos. Nela, é possível analisar a frequência de arrombamentos e explosões naqueles municípios com um baixo número de unidades bancárias. Chama atenção o caso do município de Lago Verde, no centro do estado, onde o único posto bancário sofreu nos últimos seis anos, três explosões. Nota-se também uma repetição de casos na Região Tocantina. Além das instituições financeiras, eventuais e terceiros também sofrem os prejuízos monetários de uma explosão, principalmente, aqueles que residem próximos a essas instituições, mas também o comércio. Um arrombamento ou explosão a um banco em uma pequena cidade, gera transtornos também as cidades vizinhas, uma vez que às sobrecarrega com o número de usuários do sistema bancário.

13Buscando impedir crimes a agências bancárias, correios, lotéricas e estabelecimentos afins, em 2016 o Governo do Maranhão por meio da Secretaria de Segurança Pública, criou o Curso de Operações de Sobrevivência em Área Rural do Maranhão (COSAR). Atuando em parceria com as policias do interior do estado, o grupamento tem desarticulado quadrilhas e feito apreensões, o que explica a queda na quantidade de arrombamentos e explosões. Ainda assim, de janeiro até setembro de 2018 foram registradas 9 ocorrências em todo o estado, sendo 2 arrombamentos e 7 explosões, o correspondente a uma média de um caso por mês.

14Os cangaceiros contemporâneos que agem no Maranhão apresentam similaridades em seus modus operandi, antecedendo a destruição das agências e postos, os criminosos bloqueiam vias e têm como alvos os destacamentos policiais, delegacias e quartéis. Das 7 explosões registradas em 2018, em 4 (Zé Doca, Senador Alexandre Costa, Dom Pedro e São Luís Gonzaga do Maranhão) os grupos atingiram primeiramente as forças de Estado, buscando assim, a intimidação, uma vez que muitas cidades maranhenses contam com efetivo policial desproporcional ao tamanho de sua população e com armamentos inferiores aos das quadrilhas.

Carro da polícia crivado de balas em São Luís Gonzaga do Maranhão (setembro de 2018)

Carro da polícia crivado de balas em São Luís Gonzaga do Maranhão (setembro de 2018)

(Divulgação)

15De acordo com informações divulgadas pela imprensa, em 4 cidades (Zé Doca, Senador Alexandre Costa, Dom Pedro e Buriticupu) houve troca de tiros entre policiais e criminosos. Em outras duas (Aldeias Altas e Buriticupu) houve ainda reféns que serviram de escudos durante as explosões. Em Aldeias Altas, após perseguição, dois criminosos foram mortos pela polícia.

16Ainda segundo a imprensa, foram apreendidos 26 criminosos: Zé Doca (7), Dom Pedro (5), Buriticupu (5) São Luís Gonzaga do Maranhão (9). Da explosão ocorrida em Zé Doca, entre os presos está um policial; em Dom Pedro, dos cinco apreendidos um era advogado; em São Luís Gonzaga um ex. sargento do exército fazia parte do grupo. Esses casos demonstram o grau de preparação e de articulação dos cangaceiros.

17É importante ainda notar que na maioria dos casos as quadrilhas foram apreendidas em municípios vizinhos ao local da prática criminosa, o estado do Pará também tem sido rota desses grupos.

18A leitura de dados do novo cangaço no Maranhão nos possibilita uma análise da atuação desses grupos, que estão distribuídos em todo o Brasil. Com logística e armas de ponta, os criminosos, que muitas vezes participam de redes interestaduais, planejam minuciosamente suas ações, obtendo muitas vezes êxito. As motivações dos crimes se distinguem, mas o modus operandi das quadrilhas quase sempre se assemelham.

19No Maranhão, nos últimos 8 anos foram registrados casos em todas as regiões, o que levou o Estado a executar políticas de combate as ações dos novos cangaceiros. Desde 2016 os registros vêm apresentado quedas nos casos de arrombamentos e explosões. Ainda assim, é preciso garantir mais políticas que assegurem o papel do Estado e a segurança, não somente do sistema bancário, mas de toda a população.

Haut de page

Bibliographie

COSTA, Carlos Viana da. Novo Cangaço no Pará: a regionalização dos assaltos e seus fatores de incidência. 66 f. Dissertação (Mestrado em Segurança Pública). – Programa de Pós-Graduação em Segurança Pública. Universidade Federal do Pará. Belém, 2016.

Sites consultados:

www.bancariosma.org.br/

g1.globo.com/ma

www.ma10.com.br/

imirante.com/

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ronaldo Barros Sodré, « O novo cangaço no Maranhão », Confins [En ligne], 37 | 2018, mis en ligne le 05 octobre 2018, consulté le 17 octobre 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/15811 ; DOI : 10.4000/confins.15811

Haut de page

Auteur

Ronaldo Barros Sodré

Doutorando na Universidade Federal do Pará, ronaldo-sodr@hotmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals