Navigation – Plan du site

Geografias animais: perspectivas anglo-saxãs, francesas e brasileiras

Géographies animales: perspectives anglo-saxonnes, françaises et brésiliennes
Animal geographies: Anglo-Saxon, French, and Brazilian perspectives
Guillaume Marchand, Farid Benhammou et Fabio Coltro

Résumés

Au cours des 25 dernières années, la géographie humaine est passée par un processus de diversification afin d’intégrer de nouveaux objets d’étude dans son champ de réflexion, parmi lesquels figurent les animaux. Le présent article vise à présenter les principes de la géographie animale à un public universitaire qui le méconnait. Dans cette optique, nous proposerons une rétrospective de l’évolution des géographies animales anglo-saxonnes et françaises, révélant leurs points de convergence et de divergence. Nous avons décidé de nous restreindre à ces deux pôles de production universitaire partant du principe qu’ils offrent généralement les principales sources de référence bibliographique aux géographes brésiliens pour les sujets de recherche émergents. Enfin, nous proposerons quelques éléments de réflexion sur les conditions de croissance de la géographie animale au Brésil et sa contribution potentielle à la décolonisation de la géographie animale.

Haut de page

Texte intégral

1A geografia humana está passando, nos 25 últimos anos, por um processo de transformação, ainda incipiente, porém palpável, que almeja integrar novos objetos de pesquisa – os não humanos – no seu campo de reflexão e transformá-la em uma geografia mais-do-que-humana (more-than-human geography). Essa reflexão se iniciou com uma série de trabalhos desenvolvidos a partir de meados de 1990 para “trazer os animais de volta” nas reflexões geográficas, usando a fórmula de J. Wolch e J. Emel (1995). Ao mesmo tempo em que os geógrafos humanos se esforçavam para justificar a inclusão dos animais no seu campo disciplinar e estavam procurando conceitos, teorias e métodos para fazê-lo, surgiu a ideia de se interessar também por outros objetos não humanos (plantas, máquinas e outros artefatos do quotidiano) considerando que eles são também constitutivos das sociedades humanas, notadamente porque os seres humanos tecem com eles ou por meio deles diversas relações. Portanto, as geografias sociais e culturais não podiam mais ignorá-los (WEBER, 2014). Limitar-nos-emos aqui, aos estudos geográficos voltados aos animais.

2A redação do presente artigo foi motivada pela constatação, no Brasil, da raridade das reflexões sobre a geografia animal (COLTRO, 2014; LEAL, 2014) e do desconhecimento desse campo de pesquisa pelo público acadêmico (sobretudo os discentes, mas isso se verifica também entre os docentes). Portanto, nos pareceu importante produzir uma síntese a esse respeito com o intuito de estimular novas vocações. Para tal fim, decidimos restituir a diversidade dos modos de se fazer geografia animal mostrando os caminhos trilhados, de um lado, pelos geógrafos anglo-saxões (principalmente do Reino Unido e dos Estados Unidos) e, do outro, por geógrafos franceses. A escolha de se limitar a essas duas “escolas”, mesmo se há nelas uma grande diversidade de posicionamentos, se deve a bagagem teórica dos próprios autores desse artigo, já que se iniciaram à geografia animal lendo estudiosos anglo-saxões e franceses. Nossa escolha se justifica também pelo motivo de que a geografia brasileira, quando busca referências teóricas fora do seu território nacional, se dirige preferencialmente rumo aos autores anglo-saxões ou franceses.

3O presente artigo será organizado em três partes. Na primeira, apresentaremos brevemente a cronologia de surgimento da geografia animal no mundo anglo-saxão e na França, e na segunda, tentaremos desvendar alguns pontos de convergência e de divergência entre as duas “escolas”. Na terceira parte, que será conclusiva, proporemos uma reflexão, em parte prospectiva, sobre as condições de constituição de uma geografia animal brasileira.

Um breve histórico da inclusão do animal na geografia anglo-saxã e francesa

Cronologia do surgimento da new animal geography

4Seguindo as cronologias avançadas por J. Wolch e J. Emel (1998), Ch. Philo e Ch. Wilbret (2000) e J. Urbanik (2012) a inclusão do animal na geografia anglo-saxã contemporânea passou por três momentos distintos.

5No início do século XX, na continuação da tradição dos geógrafos naturalistas, os primeiros trabalhos de autores anglo-saxões sobre os animais pertencem ao domínio da zoogeografia. Por exemplo, M. Newbigin (1913) se interessou pela questão da distribuição e da adaptação das espécies animais aos seus meios e W.C Allee e K. Schmidt (1937) continuaram na mesma linha, adicionando, todavia, algumas reflexões sobre o impacto dos fatores antrópicos nesses processos, perante os quais eles já consideravam necessário criar reservas para proteger os meios ditos naturais e primitivos. O segundo momento corresponde a trabalhos de geografia cultural que foram desenvolvidos entre o meio do século XX e os anos 1980, vários dos quais eram dedicados ao estudo dos sistemas de domesticação e seus impactos sobre as sociedades ou as paisagens (como, por exemplo, nos trabalhos de C. Sauer, 1969) ou à análise do lugar concreto ou simbólico ocupado pelos animais nas culturas humanas, o que Ch. Bennett, 1960 chamou de cultural animal geography. Por fim, o terceiro momento faz referência ao surgimento da new animal geography com a publicação das obras “Animal geographies...” de J. Wolch e J. Emel em 1998 e “Animal spaces, beastly places...” de Ch. Philo e Ch. Wilbert em 2000 (ver fig.1).

Fig.1 Capas das duas obras fundadoras da new animal geography

Fig.1 Capas das duas obras fundadoras da new animal geography

6A filosofia dessa new animal geography é analisar como o espaço, os animais humanos e não humanos se influenciam entre si. Enquanto, na fase anterior da cultural animal geography, o animal era estudado somente por ser um elemento da relação dos seres humanos com os seus meios, na presente fase, é a relação humano-animal que fica no cerne do questionamento. Essas obras determinaram de certa forma como ia se constituir a geografia animal anglo-saxã dos anos 2000, insistindo em três questões fundamentais. A primeira é o entrelaçamento das questões sociais e animais tentando evidenciar um paralelo entre as discriminações feitas contra alguns grupos humanos marginais (mulheres, gays, minorias étnicas...) e alguns animais. G. Elder, J. Wolch e J. EMEL (1998) lembram que vários discursos racistas são fundamentados em ideias sobre os animais ou a maneira de tratá-los. Nas sociedades ocidentais, diferentes argumentos racistas almejam “deshumanizar” os estrangeiros, comparando-os diretamente com animais (a condição animal sendo pensada inferior à humana) ou tentando revelar o caráter arcaico ou não civilizado de algumas de suas práticas envolvendo animais. Assim, nos Estados Unidos, os sacrifícios rituais de algumas etnias minoritárias são julgados bárbaros e condenados pelas elites brancas sem que elas questionem suas próprias violências contra os animais, como o abate para o consumo de carne ou os testes em laboratórios. Como esses sacrifícios não são compatíveis com a cultura estadunidense, as minorias que os praticam são vistas como não desejáveis no solo nacional. A segunda é a reconsideração do status político e moral do animal, ilustrada, por exemplo, pelas reflexões de W. Lynn (1998) sobre a geoética (geoethics), uma teoria ética que é fundamentada na ideia de uma solidariedade entre os seres humanos e os animais, pois, ao ocuparem os mesmos espaços, eles participam de uma mesma comunidade geográfica. Por fim, a terceira é a atuação do animal, os autores dessas obras queriam demonstrar que a geografia animal não podia se limitar a considerá-lo como um mero artefato das culturas humanas ou um autômato desprovido de subjetividade ou de agentividade. Sobre a subjetividade, A. Gullo e seus colegas (1998) tentam restituir a percepção das onças-pardas em conflito com os suburbanos do Condado de Orange na Califórnia e sugerem que acessar ao ponto de vista do felino poderia constituir uma maneira de renovar as soluções para alcançar uma coabitação mais pacífica. No que tange à agentividade, M. Woods (1998) argumenta que os atos e os comportamentos (às vezes inesperados) dos cervos e das raposas da Grã-Bretanha influenciam os debates entre humanos sobre sua caça ou sua conservação, constituindo assim, uma forma de agentividade não intencional e indireta.

7Durante os anos 2000, as contribuições dos autores anglo-saxões à new animal geography se multiplicaram, o que pode ser observado na abundante bibliografia proposta por H. Buller no seu balanço da geografia animal publicado pela revista Progress in Human Geography (BULLER, 2014, 2015, 2016) ou ainda pelos manuais universitários de Emel e Urbanik (2010) ou Urbanik (2012). Nesse processo de consolidação da new animal geography pós-milênio, J. Lorimer e K. Srinivasan (2013) consideram que ela se subdividiu em duas tendências. A primeira é a “geografia dos espaços animais” (animal spaces), cujos estudos dão ênfase no lado humano, insistindo na percepção e as representações humanas ou no que os animais revelam sobre as sociedades humanas, todavia, as reflexões sobre o status e o tratamento dos animais também são presentes. A segunda, influenciada pela geografia mais-do-que-representacional, é a “geografia dos lugares bestiais” (beastly places), preocupada com a corporeidade, a ecologia e a experiência vivida dos animais e dando maior ênfase às implicações práticas, éticas e políticas de suas interações com seres humanos. A autora C. Johnston (2008) é bastante representativa dessa tendência. Partindo do princípio que a geografia animal é profundamente ligada a questões éticas, a autora considera que os geógrafos precisam dar “corpo e voz” aos animais, em outras palavras, restituir suas experiências, no intuito de torná-los “mais visíveis para assegurar que suas necessidades materiais (e em alguns casos emocionais) não sejam ignoradas sem refletir ou automaticamente pensadas como inferiores às nossas” (JOHNSTON, 2008, p. 647, nossa tradução).

Cronologia de inclusão do animal nos trabalhos geográficos franceses

  • 1 As sociedades animais nos mostram, seja de forma incipiente, seja em estado de realização já avanç (...)

8No fim do século XIX e no inicio do século XIX, a geografia francesa já mencionava o animal como um elemento, ainda secundário, da relação peculiar entre as sociedades humanas e o espaço ocupado. A abordagem “clássica” da relação humano-animal era principalmente descritiva ou causal e não analítica (mesmo se E. Reclus reconhecia a existência de sociedades animais e seu valor heurístico para compreender as sociedades humanas1), os animais eram inclusos nas reflexões geográficas somente por serem utilizados para diferentes tarefas, serem vetores de transformação da paisagem assim como elementos perturbadores das condições de existência. Ainda na primeira metade do século XX, alguns geógrafos franceses tentaram desenvolver trabalhos de zoogeografia. Foi notadamente o caso de M. Prenant em 1933 que explicava a distribuição das espécies animais essencialmente por fatores físicos, biológicos ou ecológicos, os fatores antrópicos sendo abordados somente no fim de sua obra. Todavia, esse ramo da geografia francesa não se desenvolveu, o que F. Benhammou (2016) atribuiu à dupla concorrência sofrida, fora da disciplina, pela ecologia e, dentro, pela geomorfologia e a biogeografia vegetal.

9Entre os anos 1960 e 1990, alguns geógrafos franceses desenvolveram trabalhos semelhantes à segunda fase anglo-saxã descrita anteriormente. P. Veyret (1961) ou X. de Planhol (1969) retomaram o clássico assunto da domesticação, mas com uma perspectiva diferente. P. Veyret descreveu as relações íntimas que os humanos entretêm com seus animais e relembrou a importância destas relações na evolução das culturas humanas. Do seu lado, X. de Planhol mostrou que a utilização de cães de condutas ou de cães de defesa nos rebanhos ovinos dependia entre outros fatores, da organização do espaço agrícola, da geomorfologia e dos riscos de predação por diferentes animais silvestres. Vale a pena notar que o título do texto de X. de Planhol (Le chien de berger; développement et signification géographique d'une technique pastorale) era centrado no cão pastor e não nos pastores, mostrando uma mudança de foco dos humanos para com os animais. Isso lhe valeu, na época, severas críticas vindas dos seus pares, considerando que um estudo centrado nos animais não correspondia ao modo de se fazer geografia (MILHAUD, 2005).

10No fim da década de 1990, três obras vão marcar o surgimento de uma geografia que procura colocar a relação humano-animal no cerne da sua reflexão, o que J. Estebanez, E. Gouabault e J. Michalon (2013) chamam de géographie humanimale (geografia humanimal). A primeira é o livro Les animaux et la ville de N. Blanc resultando da sua tese de doutorado e publicado em 2000. Nesse livro, a autora se interessa pelas relações que os moradores urbanos tecem com diferentes espécies animais e as ideias associadas a elas: o gato doméstico é visto como um símbolo de natureza na paisagem urbana enquanto as baratas são percebidas como meros produtos da cidade e geralmente associadas a suas “externalidades negativas” (a sujeira, os resíduos sólidos, os vizinhos estrangeiros, etc.). A segunda é o número especial da revista Espace et Société, publicado em 2002 e coordenado por J.-F. Staszak. Esse número foi fundamental por abrigar um texto epistemológico de N. Blanc e M. Cohen que almejava justificar a inclusão dos animais nos trabalhos geográficos. Segundo elas, o animal tem um triplo valor heurístico: ele é (i) um vetor de requalificação dos espaços, (ii) um sintoma das relações humano-natureza e (iii) um indicador do funcionamento biofísico do meio. Na perspectiva dessas autoras, o animal merece ser incluso no campo da geografia por estimular o pesquisador a repensar a questão da produção do espaço, a relação homem-meio assim como incentivá-lo a participar dos debates sobre as questões ambientais e animais. Por fim, a terceira, é Le paysage animal, l’homme et la grande faune… de X. de Planhol, publicado em 2004. Essa obra se distingue dos trabalhos de zoogeografia citados anteriormente por colocar a questão da relação humano-animal no cerne das reflexões sobre a distribuição das espécies animais. O autor buscar analisar como tal distribuição foi influenciada pela caça, a agricultura, as políticas de extermínio ou de proteção assim como as representações coletivas sobre diferentes espécies.

Fig. 2 Capas dos três textos fundadores da géographie humanimale

Fig. 2 Capas dos três textos fundadores da géographie humanimale

11Após a publicação desses textos fundadores, houve, entre 2005 e 2010, uma primeira onda de estudos geográficos da relação humano-animal inspirados por eles. Esses estudos versavam, em sua maioria, sobre os conflitos entre diferentes grupos de atores no que tange à gestão de diferentes espécies silvestres de interesse cinegético (BOUSSIN, 2006) e/ou ecológico (BENHAMMOU, 2007, MOUNET, 2007). Esses estudos mostram notadamente que os conflitos entre humanos e animais, resultam, entre outras coisas, do confronto de diferentes opiniões sobre as espécies em questão e os espaços que elas ocupam. F. Benhammou se destaca propondo uma geopolítica dos grandes predadores: “ eles constituem mediadores interessantes pois permitem analisar as relações das sociedades – em diferentes escalas territoriais – com uma natureza que evoluiu por ela mesma e por causa do que os humanos fazem ou não fazem mais nela. Os predadores são, portanto, prismas relevantes para o estudo das evoluções ecológicas e socioeconômicas dos territórios nos quais eles são presentes” (MARION; BENHAMMOU, 2016, p.15, tradução nossa)

12Se, nos trabalhos mencionados até agora, o animal servia muitas vezes de suporte para falar das sociedades humanas e dos problemas espaciais ou ambientais, a partir dos anos 2010, surgiu uma nova geração de doutorandos e jovens doutores, interessados em ultrapassar as abordagens representacionais e focalizar seus estudos sobre as experiências dos humanos e dos animais quando ambos entram em interação. Essa nova geração tentou também dar maior enfoque na agentividade do animal do que a precedente, se aproximando da vertente de “geografia dos lugares bestiais” mencionada anteriormente. J. Estebanez (2010) que trabalha sobre a relação humano-animal nos zoológicos é um autor representativo dessa tendência. Em um artigo de 2014 ele mostra como, apesar dos zoológicos transformarem os animais em quase objetos por suas práticas de exibição ou de gestão dos espécimes, os próprios animais conseguem sair dessa condição de diversas formas, por exemplo, criando novas sociabilidades com os zeladores e outros animais exibidos ou, outro exemplo, não fazendo o que os humanos esperam deles.

Comparação da new animal geography e da géographie humanimale

Algumas convergências teóricas, mas uma falta de diálogo entre os geógrafos animais

  • 2 Fato de encontrar em um objeto ou um fenômeno rastros de elementos pertencendo normalmente a domíni (...)

13A new animal geography anglo-saxã e a géographie humanimale francesa são ambas influenciadas pelos autores da vertente crítica das ciências humanas e das humanidades (ver fig.3). M. Foucault, J. Derrida, G. Agamben, D. Harraway são citados dos dois lados, porém B. Latour se destaca peculiarmente por sua análise crítica da modernidade e suas tentativas de antropologia simétrica. Seus escritos sobre a hibridez2 ou a Teoria Ator Rede serviram de suporte a uma grande quantidade de textos de geografia animal (ver WHATMORE, 2002 do lado anglo-saxão e MOUNET, 2007, do lado francês). A Teoria Ator Rede (TAR) foi preponderante na geografia animal anglo-saxã dos anos 2000, pois ela parecia ser uma boa maneira de evidenciar a agentividade do animal: analisando sua função em uma rede assim com suas inter-relações com os demais elementos humanos ou não humanos incluídos nela, o animal acessava ao status de atuante, em outras palavras, ele influenciava de certa maneira o processo no qual ele estava envolvido, ele não era meramente passivo. Todavia, hoje, essa maneira de fazer está perdendo força por causa de algumas críticas feitas à TAR. É o caso de C. Johnston (2008) que considera que as análises TAR são geralmente muito funcionalistas e desservem a compreensão do animal. Como o animal existe somente por causa de sua função ou papel na rede e que ele é estudado sempre em relação a um processo social ou técnico humano, seu valor intrínseco e sua alteridade acabam sendo negadas.

14Apesar de ter muitas referências teóricas em comum, é interessante sublinhar que os geógrafos franceses e anglo-saxões trabalhando sobre os animais dialogam pouco entre si. Nas obras francesas do início dos anos 2000, os autores mencionavam brevemente os trabalhos anglo-saxões, mas não aproveitavam seus argumentos ou suas teorias em suas próprias análises. A geração mais recente de geógrafos franceses, notadamente os que procuram adotar uma postura mais-do-que-representacional, tente uma aproximação com as teorias e as análises dos autores anglo-saxões, mas tal aproximação é ainda incipiente. Da mesma forma, os autores anglo-saxões ignoram amplamente os trabalhos dos geógrafos franceses, somente, L. Mackenzie e S. Postumus (2015), autoras especialistas em literatura e civilização francesas, acharam importante convidar N. Blanc para representar a geografia no seu livro dedicado ao pensamento francês sobre os animas. Como explicar essa relativa falta de diálogo? A questão da língua pode ser um elemento tangível de resposta. Outro poderia ser ligado à falta de visibilidade dos trabalhos franceses, se for considerado o número bem inferior de publicações em comparação às dos autores anglo-saxões e o fato de elas serem publicadas quase exclusivamente em revistas ou editoras francesas. Nesse mesmo sentido, há de levar em consideração que os geógrafos franceses sofrem também a concorrência de outros pensadores nacionais provindo de outras disciplinas, como a antropologia e a filosofia, disciplinas que foram muito mais ativas sobre as questões animais. O fato de ver H. Buller, um autor francofone, citar V. Despret, E. De Fontenay, J. Porcher ou D. Lestel em seu balanço da geografia animal (2014, 2015, 2016), porém nenhum geógrafo francês, oferece um bom argumento nesse sentido.

Perspectivas diferentes sobre a revisão do status do animal e o antropocentrismo

  • 3 Campo de reflexão interdisciplinar que almeja pensar a inclusão dos animais na esfera moral humana. (...)
  • 4 Postura que não proíbe totalmente o uso do animal para determinados fins do momento que seu bem-est (...)
  • 5 Postura que proíbe totalmente o uso do animal ou sua posse.

15Temos visto precedentemente que vários dos autores da new animal geography são preocupados com a questão da revisão dos status do animal nas sociedades humanas e adotam, várias vezes, posturas normativas. Sobre esse assunto, H. Buller (2014, p.50) escreveu: “a problemática fundamental dos estudos animais incorpora três necessidades: primeiro, reconhecer e demonstrar os impactos da intencionalidade e da agentividade dos animais tanto em nossos mundos compartilhados quanto em resistência a eles; segundo, com isso, desestabilizar as abordagens dualísticas até então aceitas por meio de uma reconfiguração ontológica humano/animal mais fluída, turbulenta e relacional das práticas culturais e das formações espaciais e, por fim, descentralizando as subjetividades (exclusivamente humanas); finalmente, criar uma política mais radical que poderia acolher nela toda essa complexidade e suas variações” (2013, p.50, nossa tradução). Nessa citação, o autor deixa claro que, a seu ver, a geografia animal deveria se engajar numa política reformista para com os animais. Vê-se nela também uma crítica ao antropocentrismo e o humanismo, coisa frequente e vivaz na new animal geography. Para fundamentar essas reflexões, vários autores dessa vertente se inspiram das diferentes teorias da ética animal3. Nos anos 2000, a pegada das teorias de P. Singer (ética utilitarista “bem-estarista4”) e T. Regan (ética abolicionista5), que podemos agrupar sob o termo de libertação animal pois almejava dar fim a vários usos dos animais, era significativa. Nos anos seguintes, elas perderam espaço por ser consideradas muito universalistas e rígidas enquanto os geógrafos anglo-saxões consideravam fundamental levar em conta as especificidades locais das relações humano-animal para qualquer empreitada de reflexão ética (LORIMER; SRINIVASAN, 2013; BULLER 2016). Todavia, os apelos para abandonar antropocentrismo e o humanismo em suas versões clássicas ou ultrapassá-los continuam sendo veementes.

  • 6 G. Fumey, a respeito do retorno dos lobos nas regiões alpinas francesas, escreveu no seu blog: O ur (...)
  • 1
  • 8 Gilles Fumey é o presidente da Associação de defesa do festival Internacional de Geografia cujo tem (...)

16A postura francesa é um pouco mais conservadora, isso se deve, em grande parte, ao contexto intelectual francês, profundamente marcado pelo humanismo antropocêntrico. Tradicionalmente, a nova geografia francesa, a que surgiu nos anos 1970, se encaixa nesse molde de pensamento, ela se caracteriza por ser fortemente crítica para com os movimentos que poderiam restringir ou ameaçar os interesses humanos. Com a exceção do casal Pinchemel (1992) e G. Bertrand (2002), a geografia francesa foi largamente antiambientalista e isso fez com que as problemáticas ambientais demoraram em ser incorporadas no seu campo de estudo (ver a esse respeito CHARTIER; RODARY, 2016). Isso vale também para a questão animal, a atitude de uma grande porção dos geógrafos franceses oscilou entre a desconfiança e a hostilidade, passando também pela zombaria. G. Fumey, um especialista da geografia culinária é um autor que adotou várias vezes uma postura irônica contra os defensores dos animais no seu blog ou nos cafés geográficos6. Todavia, sua postura mudou recentemente, sua preocupação como o bem comer lhe fez levar a sério a questão do bem-estar animal e ele foi decisivo na adoção do tema “animal” para a edição 2017 do Festival Internacional de Geografia de St Dié des Vosges78. Até um autor como A. Berque, que identifica nos dualismos modernos os responsáveis da crise ecológica atual, critica veementemente as éticas biocêntricas ou de libertação animal considerando-as como absurdas e imorais, pois elas degradam a excepcionalidade humana (BERQUE, 2010). Segundo ele, a única opção viável é desenvolver uma ética ambiental baseada num antropocentrismo reformado, onde o esforço principal reside na reconexão do homem ao meio que o cerca. De forma geral, o ceticismo para com os estudos animais anglo-saxões é algo amplamente difundido entre os intelectuais franceses, até entre os que trabalham sobre o animal (DELON, 2015). Eles são muitas vezes descritos, caricaturalmente, como um esconderijo para ativistas da causa animal que são acusados (i) de confundir ciência com militância e (2) de adotar posições anti-humanistas ou anti-humanos!

Fig 3. Esquema sintetizando os pontos de convergência/divergência entre a new animal geography e a géographie humanimale

Fig 3. Esquema sintetizando os pontos de convergência/divergência entre a new animal geography e a géographie humanimale
  • 9 A ética do cuidado (o que se refere ao cuidado dado notadamente aos indivíduos vulneráveis) aplica (...)

17Nesse contexto científico/cultural específico, o que os geógrafos franceses escrevem sobre os animais é bastante diferente dos anglo-saxões, notadamente entre os precursores da géographie humanimale. Se eles reconhecem, de um lado, a necessidade de incluir os animais nos estudos geográficos e analisar o lugar que as sociedades humanas atribuem a eles, de outro lado, eles não questionam necessariamente o caráter moral dessa atribuição e podem ter posturas antagônicas às adotadas na new animal geography. Por exemplo, J. F. Staszak, que estudava no início dos anos 2000 os zoológicos, criticava essas instituições por ter exibido populações indígenas ou aberrações humanas até o início do século XX ou, ainda, por veicular, hoje, estereótipos raciais em suas encenações dos recintos (STASZAK, 1999; HANCOCK; STASZAK, 2002). Todavia, a respeito dos hóspedes não humanos, ele declarou num café geográfico (MILHAUD, 2005) : “se o ser humano quer prender animais para exibi-los, é um dos seus direitos”, sem explicar o que fundamenta exatamente esse “direito” além da tradição antropocêntrica europeia. Nesse quesito, N. Blanc é mais ponderada do que seus conterrâneos. Num texto de 2015, ela reflete sobre a aplicação da ética do cuidado (care ethic) para repensar o status do animal na cidade, partindo do princípio que como ser vivo mais ou menos vulnerável, ele deve ser tratado com mais consideração9.

  • 10 Os principais autores da nova geração da géographie humanimale citados no presente artigo foram con (...)

18As novas gerações de geógrafos humanimais franceses demonstram uma sensibilidade ainda maior para com o animal. Vários defendem a ideia de um mundo compartilhado, onde é necessário lhe dar mais espaço e deferência. Isso é visível, por exemplo, nos textos de C. Mounet e suas pesquisas sobre o “viver em conjunto” (vivre ensemble) com os lobos e os javalis, nos quais os animais são operadores de mudanças sociais e espaciais mais também seres cujas especificidades devem ser levadas em consideração na elaboração de estratégias de ordenamento territorial (MOUNET, 2007). De modo mais acentuado, tem que mencionar a postura pró-conservação de F. Benhammou em favor dos grandes carnívoros, o que lhe valeu sérias críticas nos mundos universitário e agropecuário. No âmbito dessa geração, às críticas ao antropocentrismo clássico são peculiarmente vivazes, todavia tal referencial não é necessariamente abandonado, pois alguns defendem a ideia de um “antropocentrismo esclarecido” ou do “humanismo estendido” (aos animais)10. Essas posições peculiarmente populares no mundo intelectual francês partem do princípio que os humanos devem aos animais certa benevolência, mas sem questionar, entretanto, a ideia de uma excepcionalidade ou de uma prevalência humana. Da mesma forma, certa distância é ainda mantida com a militância animal e algumas teorias que as fundamentam (ética animal singeriana ou reganiana, biocentrismo...). J. Estebanez (2014), no texto citado anteriormente, direciona diferentes críticas aos zoológicos alegando que eles transformam os animais em “coisas”: os animais são muitas vezes exibidos de forma estandardizada para se adequar às expectativas dos visitantes, negando as características genuínas das espécies ou a individualidade dos espécimes apresentados. Todavia, ele julga “ideológicos” os argumentos que apoiam a ideia de uma vida em cativeiro pior do que na natureza, o que pode ser visto como uma maneira de ferir a retórica dos partidários da libertação animal.

Conclusão: Quais perspectivas para a geografia animal brasileira?

19O mundo acadêmico brasileiro parece hoje pronto para conhecer seu “momento animal” segundo a fórmula usada por Wolch e Emel (1998). O grande público nunca pareceu tão interessado na questão animal: o mercado pet brasileiro explodiu e se tornou recentemente o terceiro maior do mundo atrás nos Estados Unidos e do Reino-Unido11; os movimentos de defesa aos animais estão ganhando mais visibilidade (ver, por exemplo, a popularidade na Internet da Frente de Ações para a Libertação Animal) e a fronteira humano/animal começa a ser questionada em revista de grande tiragem (ver Super Interessante n° 339 de novembro 2014). Assim, parece existir uma demanda social crescente por essa questão. Do lado do mundo universitário, o Brasil foi um dos primeiros países da América Latina a ter uma revista de direito animal (Revista Brasileira de Direito Animal da Universidade Federal da Bahia, criada em 2006) e exportou mundo afora diferentes teorias sobre a relação entre as populações indígenas e os animais por meio de alguns de seus etnólogos/antropólogos, mais peculiarmente E. Viveiros de Castro. Apesar dessa herança significativa, os estudos abordando às relações humano-animal fora das questões jurídicas e indígenas estão ainda incipientes, coisa que um conjunto de obras publicadas recentemente (MACIEL, 2011; MACHADO, 2013, BEVILAQUA; VELDEN, 2016, MARCHAND; VELDEN, 2017) está revertendo.

20Nessa dinâmica, os trabalhos produzidos por geógrafos são ainda raros, todavia alguns alunos de pós-graduação de diferentes universidades brasileiras escreveram textos significativos em termos de geografia animal. P. Leal (2013, 2014) desenvolveu diferentes reflexões sobre a produção especista do espaço urbano, ou seja como as teorias políticas urbanas desconsideram e discriminam o animal, fazendo aqui uma síntese entre as teorias de ética animal singerianas e as reflexões de J. Wolch sobre a zoöpolis (1998). F. Coltro, por sua parte, produziu textos epistemológicos sobre a geografia animal anglo-saxã (2014, 2016). Ambos entraram no campo da geografia animal pela porta das reflexões éticas (bioética e ética animal) e das teorias sociais críticas e, portanto, aderem à escola anglo-saxã, onde elas são tratadas com mais ênfase. A dissertação de mestrado de A.P Bellenzier (2014) sobre o lugar ocupado pelos pombos na paisagem urbana se inscreve mais numa lógica de geografia cultural, no qual as questões da representação e da estética são peculiarmente importantes. A autora não faz referência a nenhum dos autores de geografia animal, porém cita D. Lestel, famoso filósofo francês especialista das relações humano-animal. A ausência de referências a N. Blanc, que produziu textos sobre os pombos urbanos em termos semelhantes demonstra que os textos produzidos por geógrafos animais franceses possuem ainda um público limitado. Considerando a fraca proporção dos textos rotulados como geografia animal ou geografia das relações humano-animais, esse campo de pesquisa só pode se expandir no futuro, todavia, crescer no contexto acadêmico brasileiro não será, provavelmente, sem dificuldade.

21Num evento organizado em julho de 2016 na Universidade Estadual de Londrina sobre a geografia mais-do-que-humana12, um dos primeiros do gênero no Brasil, percebemos certa resistência da parte dos estudantes e professores que assistiram às palestras tratando das questões animais. De fato, durante os debates com os palestrantes, diferentes ouvintes demonstraram não levar a sério a integração do animal no campo geográfico, considerando que esse tipo de reflexão era ‘’uma coisa dos países desenvolvidos”, guiada por uma visão “muito romantizada” do reino animal e relativamente trivial em comparação aos problemas socioeconômicos e políticos enfrentados por uma grande parte dos brasileiros. As críticas relatadas aqui levantam, a nosso ver, dois obstáculos potenciais à difusão da geografia animal no Brasil. O primeiro ponto é a tradição fortemente humanista da geografia humana brasileira, modo de pensamento que pode frear a inclusão dos animais no campo disciplinar, como temos visto no caso francês O segundo ponto é inerente à situação social, econômica e política brasileira. Nesse contexto peculiar, ver os estudantes brasileiros considerar mais importante focalizar sua atenção em grupos humanos marginalizados em vez de animais é uma postura totalmente justificável em si. Todavia, isso poderia constituir, talvez, um ponto de partida para o surgimento de uma geografia animal descolonizada13 (HOVORKA, 2016). Os docentes e discentes que enxergam na difusão das ideias animalistas e/ou de algumas práticas ligadas aos animais (por exemplo, os cuidados dados aos animais de estimação) uma forma de colonialismo poderiam então desenvolver análises almejando desvendar os jogos de poder e as formas de discriminação social atrás delas. Isso constituiria uma maneira interessante e ainda pouco usitada na geografia animal mundial, de incluir o animal nos estudos geográficos brasileiros.

Haut de page

Bibliographie

Allee W.C., Schmidt K.P. Ecological Animal Geography; an autorizhed, rewriteen edition based on Tiergeographie auf oekologisher grundlage by Richard Hesse. New York, John Wiley and Sons, 620 p., 1937.

Arnould P., Simon L. Géographie de l’environnement. Paris, Belin, 303 p., 2007.

Bellenzier A. P. O Pombo Urbano: paisagens do outro. Curitiba, 2014. Dissertação de Mestrado em Geografia. Universidade Federal do Paraná–UFPR.

Benhammou F. «Une histoire contemporaine de la géographie française de l’animal ». In : Denis Chartier D., Rodary, E. Manifeste pour une géographie environnementale. Paris : Presses de Sciences Po (P.F.N.S.P.) « Académique », 2016, p. 141-164.

Benhammou F. Crier au loup pour avoir la peau de l’ours. Une géopolitique locale de l’environnement à travers la gestion et la conservation des grands prédateurs en France, Paris, 2007. Tese de doutorado em geografia, AgroParisTech-ENGREF.

Bennett Jr C. F. “Cultural animal geography: an inviting field of research”. The Professional Geographer, vol. 12, no 5, p. 12-14, 1960.

Berque A. « Des fondements ontologiques de la crise, et de l’être qui pourrait la dépasser », VertigO - la revue électronique en sciences de l'environnement Volume 10 Numéro 1, 2010, <http://vertigo.revues.org/9384 ; DOI : 10.4000/vertigo.9384>, consultado 02 jun. 2017.

Bertrand, C. et G. Une géographie traversière, l’environnement à travers territoires et temporalités. Paris, Arguments, 360 p., 2002.

Bevilaqua C., Vander Velden F. (orgs.). Parentes, vítimas, sujeitos: perspectivas antropológicas sobre relações entre humanos e animais. São Carlos/Curitiba: Edufscar/Editora da UFPR, 446p., 2016.

Blanc N. Les Animaux et la ville, Paris, Odile Jacob, 232 p., 2000.

Blanc N. “The Greenway: A Study of Shared Animal/Human Mobility”. In: Mackenzie L., Posthumus S. (Eds). Through the cultural prism : thinking about animals from a french and francophone perspective. East Lansing: MSU Press, 2013, p. 148-162.

Blanc N, Cohen M. «  L’animal, une figure de la géographie contemporaine ». Espaces et Sociétés, n°110-111, p. 25-40, 2002.

Boussin L. Société et animal : contrôler la grande faune sauvage. L’exemple du chevreuil dans le département de la Haute-Vienne. Limoges, 2006. Tese de doutorado em geografia. Université de Limoges.

Buller H. “Animal geographies I”. Progress in Human Geography, vol. 38, no 2, p. 308-318, 2014.

Buller H. “Animal geographies II: methods”. Progress in Human Geography, vol. 39, no 3, p. 374-384, 2015.

Buller H. “Animal geographies III: ethics”. Progress in Human Geography, vol. 40, no 3, p. 422-430, 2016.

Chartier D., Rodary, E. Manifeste pour une géographie environnementale: Géographie, écologie, politique. Paris, Presses de Sciences Po, 439 p., 2016

Coltro F. L. Z. “Uma reflexão sobre a relação humano-animal na sociedade contemporânea e a ligação com a geografia”. Terr@ Plural, vol. 7, no 2, p. 207-222, 2014.

Coltro F. L. Z. “Animal geographies”: reflexões sobre o não-humano no pensamento geográfico contemporâneo. Londrina, 2016. Tese de doutorado em geografia, Universidade Estadual de Londrina.

Delon N. « Études animales : un aperçu transatlantique ». Tracés. Revue de Sciences humaines, n°15, 2015. < http://traces.revues.org/6274> , consultado 21 jun. 2016.

Elder, G., Wolch, J., Emel, J. “Le Pratique Sauvage: Race, place, and the human-animal divide”. In: Wolch J., Emel, J. (dir). Animal geographies: Place, politics, and identity in the nature-culture borderlands. London: verso, 1998, p. 72-90.

Emel J. , Urbanik J. “Animal geographies: Exploring the spaces and places of human-animal encounters”. In: DeMello M.(ed.) Teaching the Animal: Human Animal Studies Across Disciplines. New York: Lantern Press, 2010, 202–217.

Estebanez J. « Le zoo comme dispositif spatial : mise en scène du monde et de la juste distance entre l’humain et l’animal ». L’Espace géographique, 39, p. 172-179, 2010.

Estebanez J. « Des animaux-objets ? », Géographie et cultures, 91-92, 2014. < http://gc.revues.org/3364> , consultado 04 jul. 2016.

Estebanez J., Gouabault E., Michalon J., « Où sont les animaux ? Vers une géographie humanimale », Carnets de géographes [en ligne], 5, 2013 <http://www.carnetsdegeographes.org/carnets_debats/debat_05_01_Estebanez_Gouabault-Michalon.php>. Consultado 04 jul. 2016

Gullo A., Lassiter U., Wolch, J. “The cougar’s tale”. In: Wolch J., Emel, J. (dir). Animal geographies: Place, politics, and identity in the nature-culture borderlands. London: Verso, 1998, p. 139-161.

Hancock C., Staszak J.-F. « L’animal au zoo, enjeu de géographie politique. Le zoo de Mexico, de Moctezuma à l’écologie », Espaces et Sociétés, 110-111, p. 88-110, 2002.

Hovorka, A. J. “Animal geographies I Globalizing and decolonizing”. Progress in Human Geography, 2016. < http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0309132516646291>, consultado 04 jan. 2017.

Johnston C. “Beyond the clearing: Towards a dwelt animal geography”. Progress in Human Geography, 32(5), p. 633–649, 2008.

Leal P. Campos. “Antrópole: Esboço para uma Crítica da Produção Especista do Espaço”. In: Anais do XIII Simpurb, UERJ, Rio de Janeiro, 2013.

Leal P. Campos. “Sobre Bestas e Mapas Notas Introdutórias Sobre a Virada Animal na Geografia Humana Contemporânea”. GEOgraphia, vol. 16, no 31, p. 51-75, 2014.

Lorimer J., Srinivasan, K. “Animal geographies”. In: Johnson N.C, Schein R. H., Winders J. (eds). The Wiley-Blackwell Companion to Cultural Geograph. Oxford: John Whiley and sons, 2013, p. 332-342.

Lynn W.S. “Animals, ethics and geography”. In: Wolch J.,Emel J. (eds). Animal Geographies: Place, Politics and Identity in the Nature-Culture Borderlands. London: Verso, 1998, p280–298.

Machado C. S. (org.). Animais na sociedade brasileira: práticas, relações e interdependências. Rio de Janeiro: E-Papers, 252 p., 2013.

Maciel, M.E. (eds). Pensar e escrever o animal. Ensaio de zoopoética e de biopolitica. Florianópolis: Editora da UFSC, 422p., 2011.

Mackenzie L., Posthumus, S. (Eds.). French Thinking about Animals. East Lansing: MSU Press., 232 p., 2015.

Marchand G, Velden F.F.V. Olhares cruzados sobre as relações entre seres humanos e animais silvestres na Amazônia (Brasil, Guiana Francesa). Manaus, Editora da UFAM, 324 p., 2017 

Marion R., Benhammou F. Géopolitique de l’ours polaire. Paris, Hesse, 186 p., 2016

Milhaud, O. « Y a-t-il une géographie du territoire animal ? ». Relato do debate do dia 26 de novembro de 2009: Les animaux sont-ils encore à leur place ?,  2009. http://cafe-geo.net/wp-content/uploads/geographie-territoire-animal.pdf , consultado em 08 mar. 2016.

Mounet C. Les Territoires de l’imprévisible. Conflits, controverses et « vivre ensemble » autour de la gestion de la faune sauvage. Le cas du loup et du sanglier dans les Alpes françaises. Grenoble , 2007. Tese de doutorado em geografia, Université Joseph-Fourier, 2007.

Newbigin M. I. Animal geography: The faunas of the natural regions of the globe. London: Clarendon press, 1913.

Philo C. “Animals, geography, and the city: notes on inclusions and exclusions”. Environment and planning D: Society and space, n°13, pp. 655-681, 1995.

Philo C., Wilbert, C. Animal spaces, beastly places: New geographies of human-animal relations. London: Routledge, 311 p., 2000.

Pinchemel P. et G. La face de la Terre : Eléments de géographie. Paris, Editions Armand Colin, 519 p., 1992 [1988]

Planhol X. « Le chien de berger : développement et signification géographique d’une technique pastorale ». Bulletin de l’Association des géographes français, 46 (370), p. 355-368, 1969.

Planhol X., Le Paysage animal. L’homme et la grande faune : une zoogéographie historique, Paris, Fayard, 1127 p., 2004.

Prenant M. Géographie des animaux, Paris, Armand Colin, 199 p., 1933.

Reclus E. L’Homme et la Terre. Paris, Librairie universelle de Paris, 1905-1908.

Sauer C. O. Seeds, spades, hearths, and herds: the domestication of animals and foodstuffs. Cambridge, Massachusetts: MIT Press, 175 p., 1969.

Staszak, J.-F. La nature des jardins zoologiques. In: Atas do Festival de Geografia de St Dié des Vosges, 1999. http://archives-fig-st-die.cndp.fr/actes/actes_99/zoo/article.htm, consultado 18 fev. 2015.

Staszak J.-F.(dir.). « La place de l’animal ». Espaces et Sociétés, 110-111, p. 19-23, 2002.

Urbanik J. Placing animals: An introduction to the geography of human-animal relations. Lanham, Rowman & Littlefield, 206 p., 2012.

Veyret P. Géographie de l’élevage, Paris, Gallimard, 254 p., 1951.

Weber S. « Le retour au matériel en géographie ». Géographie et cultures, 91-92 | 2014. <http://gc.revues.org/3313> , consultado 4 Jul de 2016.

Whatmore S. Hybrid geographies: Natures cultures spaces. Sage, 225 p., 2002.

Wolch J. “Zoöpolis”. In: Wolch J., Emel, J. (dir.). Animal geographies: Place, politics, and identity in the nature-culture borderlands. London: Verso, 1998, p. 119-139.

Wolch J., Emel, J. “Bringing the animals back in”. Environment and Planning D, 13(6), p. 632-636, 1995.

Wolch J., Emel J., Wilbert C. Reanimating cultural geography. In Anderson K, Domosh, M., Thrift, N., Pile S. (Eds.), Handbook of cultural geography. London: Sage, 2003, p.184-206.

Wolch J., Emel J. Animal geographies: Place, politics, and identity in the nature-culture borderlands. London, Verso, 310 p., 1998.

Woods M. Fantastic Mr Fox? Representing animals in the hunting debate. In: Philo C., Wilbert C. (eds). Animal spaces, beastly places. London: Routledge, 2000, p.182–202.

Haut de page

Notes

1 As sociedades animais nos mostram, seja de forma incipiente, seja em estado de realização já avançado, os tipos mais diversos das sociedades humanas. Nós podemos procurar nelas todos nossos modelos. Em seus grupos tão variados, encontramos esse mesmo jogo de interesses e de paixão que solicitam e modificam sem parar nossa vida e determinam as aparências progressistas ou retrógradas das civilizações” (RECLUS, 1905 tome1, p.12, nossa tradução).

2 Fato de encontrar em um objeto ou um fenômeno rastros de elementos pertencendo normalmente a domínios incompatíveis na perspectiva moderna como, por exemplo, a natureza e a cultura.

3 Campo de reflexão interdisciplinar que almeja pensar a inclusão dos animais na esfera moral humana. O objetivo da ética animal é tentar definir os deveres dos humanos para com os animais e seus direitos, no sentido amplo do termo.

4 Postura que não proíbe totalmente o uso do animal para determinados fins do momento que seu bem-estar não seja comprometido e que os motivos de seu uso não sejam fúteis.

5 Postura que proíbe totalmente o uso do animal ou sua posse.

6 G. Fumey, a respeito do retorno dos lobos nas regiões alpinas francesas, escreveu no seu blog: O urso e o lobo,“imagens da wilderness, emblemáticos da nossa relação ao selvagem. Porém, como o faz notar Bernard Koechlin, o urso e o lobo foram reintroduzidos nos Hautes-Pyrénées et nos Alpes Maritimes, muito longe da Île-de-France, sem carneiros, que poderia os acolher nas florestas de Rambouillet e Chantilly, até no bosque de Vincennnes « sob o olhar carinhoso dos nossos ambientalistas de quarto ». Bem dito Bernard!” Fonte: http://geographica.net/2012/09/le-loup-animal-geopolitique/

7

8 Gilles Fumey é o presidente da Associação de defesa do festival Internacional de Geografia cujo tema é para a edição de 2017 « territórios humanos, mundos animais ».

9 A ética do cuidado (o que se refere ao cuidado dado notadamente aos indivíduos vulneráveis) aplicada a uma ética ambiental, nos possibilita perceber o cuidado oferecido a seres vivos frágeis que precisam apoio. Nesse sentido, a ética do cuidado facilita a articulação de uma ética de uma solidariedade de grupo, seja perto ou longe. Procedendo por etapa, pode se dizer, num primeiro momento, que os animais como participantes da biodiversidade necessitam um tipo de obrigação [dos seres humanos]. Assim, devemos proteger os outros seres vivos como nos mesmos” (BLANC, 2015, p. 158-160, tradução nossa).

10 Os principais autores da nova geração da géographie humanimale citados no presente artigo foram contatados por correio eletrônico para dar suas opiniões sobre a maneira de fazer geografia animal no mundo anglo-saxão e sobre a ética animal e os argumentos animalistas.

11 Ver o dossiê da revista Exame do 12 de abril de 2016: http://exame.abril.com.br/negocios/como-o-brasileiro-cuida-e-quanto-gasta-com-seus-pets/

12 http://www.uel.br/com/agenciaueldenoticias/index.php?arq=ARQ_not&FWS_Ano_Edicao=1&FWS_N_Edicao=1&FWS_Cod_Categoria=2&FWS_N_Texto=23224

13 Segundo Hovorka (2016, p.7) “o processo de descolonização das geografias animais é portanto duplo: ele requer que entendamos como o poder opera para estabelecer e reforçar diferenças raciais e culturais por meio de projetos imperialistas, e requer que imaginemos de novo nossas pesquisas para torná-las mais inclusivas e integrantes. [..] As geografias animais consideram como as relações humano-animal são moldadas pelo colonialismo. Elas demonstram como as ideias ocidentais sobre a maneira como os humanos deveriam se relacionar com a natureza (dominar, mercantilizar, proteger) são exportadas pelo mundo inteiro por meio de decisões políticas e estratégias de gestão”.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Fig.1 Capas das duas obras fundadoras da new animal geography
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/16008/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Fig. 2 Capas dos três textos fundadores da géographie humanimale
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/16008/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Fig 3. Esquema sintetizando os pontos de convergência/divergência entre a new animal geography e a géographie humanimale
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/16008/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 2,4M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Guillaume Marchand, Farid Benhammou et Fabio Coltro, « Geografias animais: perspectivas anglo-saxãs, francesas e brasileiras », Confins [En ligne], 38 | 2018, mis en ligne le 05 janvier 2019, consulté le 17 janvier 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/16008 ; DOI : 10.4000/confins.16008

Haut de page

Auteurs

Guillaume Marchand

Professor Visitante Estrangeiro UFAM/Centro de Ciências do Ambiente, gaelmarch56@gmail.com

Articles du même auteur

Farid Benhammou

 Pesquisador associado EA Ruralités, Poitiers, fbenhammou2002@yahoo.fr

Fabio Coltro

Professor doutor UNOPAR, fzcoltro@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals