Navigation – Plan du site
Dossiê Políticas urbanas, sustentabilidade e governança

O método design thinking como instrumento de sustentabilidade urbana. Uma proposta aplicada para a questão do descarte irregular de resíduos na cidade de Uberlândia, MG, Brasil.

La méthode design thinking comme instrument de durabilité urbaine. Proposition appliquée à la question de l'élimination irrégulière de déchets dans la ville d'Uberlândia, MG, Brésil.
The design thinking method in the search of urban sustainability. An applied proposal to the irregular disposal issue in the city of Uberlândia, MG, Brazil.
Leticia Del Grossi Michelotto et Fernando Luiz Araujo Sobrinho

Résumés

Au long des deux dernières décennies, les taux d’urbanisation du Brésil ont présenté une croissance significative. Selon l’IBGE (Institut Brésilien de Géographie et Statistique), la majorité de la population brésilienne, 84,72%, vit en zones urbaines et un peu plus que la moitié (56,5% soit 117,2 millions d’habitants) vit dans seulement 5,6% des villes, de plus de 100 mille habitants. La Grande Région au plus grand pourcentage de population urbaine est le Sud-Est, avec 93,14% des personnes vivant dans des zones urbaines. Cette expansion entraine des problématiques environnementales, de mobilité (bouchons, transport, accès) et de fortes inégalités socio-spatiales. La politique urbaine brésilienne pour les grandes villes et celles de taille moyenne est basée sur un modèle de dispersion orienté par des politiques publiques et la spéculation immobilière. Ce modèle a un impact négatif sur la population ainsi que sur l’environnement surtout par la déforestation de zones de végétation native pour l’intégration des nouvelles zones urbaines. Le but de ce travail est de proposer des solutions innovantes pour le projet urbain en se basant sur la théorie de la méthode design thinking afin de réduire l’impact dans une recherche d’idéale de durabilité urbaine. Le design thinking est un ensemble de méthodes et processus pour évoquer les problématiques liés à des futures acquisition de données, l’analyse de cette connaissance acquise et les solutions envisageables. Ce travail se fonde sur l’étude de cas de la ville d’Uberlândia, une importante ville moyenne, situé dans l’état de Minas Gerais, Sud-est du Brésil.

Haut de page

Texte intégral

1Ao longo dos últimos vinte anos, as taxas de urbanização no Brasil apresentam um aumento significativo. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a maior parte da população brasileira, 84,72%, vive em áreas urbanas e pouco mais da metade da população brasileira (56,5% ou 117,2 milhões de habitantes) vive em apenas 5,6% dos municípios, que são aqueles com mais de 100 mil habitantes (Censo 2010). A macrorregião com maior percentual de população urbana é o Sudeste, com 93,14% das pessoas vivendo em áreas urbanas. Essa expansão urbana tem provocado problemas ambientais, de mobilidade (trânsito, transporte, acesso), manejo de resíduos e acentuada segregação sócio-espacial.

2Para tentar contribuir na solução desses problemas, as pesquisas relacionadas ao meio ambiente urbano, tem avançado na busca pela sustentabilidade através de estratégias de governabilidade com ampla participação social. Uma dessas estratégias é a utilização de métodos desenvolvidos em diferentes áreas do conhecimento, como o Design Thinking comumente aplicado ao ambiente organizacional e de Gestão Empresarial.

3O Design Thinking (DT) é uma metodologia de originalmente de design que fornece ferramentas para solucionar problemas complexos que muitas vezes são mal definidos ou até mesmo desconhecidos. O método consiste em: (1) compreender as necessidades humanas envolvidas no problema; (2) reestruturá-lo a partir dessas necessidades; (3) criar ideias e adotar uma abordagem prática; (4) criar protótipo e, por fim, (5) testá-lo (GERD, 2012).

4Compreender estas cinco etapas do Design Thinking é o primeiro passo para que possamos aplicá-lo na solução de problemas complexos que ocorrem nas mais diferentes esferas, sejam elas, empresas, países, cidades e, no contexto desse trabalho, no planejamento urbano.

5Mas como identificar os problemas como sendo complexos ou não? Para facilitar essa compreensão, usaremos como metodologia de identificação de problemas a abordagem definida por RITTEL; WEBBER (1973), dos problemas tipo tame e wicked.

6Essa abordagem consiste em classificar os problemas em tame (manso) e wicked (perverso). Problemas do tipo tame (Figura 1) são aqueles que podem ser resolvidos de forma linear, ou seja, as ações para correção serão pontuais e de fácil compreensão. A Figura 1 ilustra a simplicidade dos problemas tipo Tame, de baixa complexidade que requerem soluções rápidas, lineares e pontuais.

Figura 1: Esquema de problemas do tipo tame

Figura 1: Esquema de problemas do tipo tame

Fonte: Org. Autores, 2018.

7Já os problemas do tipo wicked, requerem uma análise mais complexa, não linear. São problemas que demandam mais de uma ação ou correção, envolvendo múltiplos atores e que podem não ser solucionados permanentemente, pois dependem do contexto e realidade no qual estão inseridos.

8O termo wicked foi originalmente cunhado por H. W. J. Rittel e M. M. Webber ambos do departamento de Planejamento Urbano da Universidade de Berkeley na Califórnia, em 1973. No principal artigo publicado sobre o tema, os autores observaram que existe uma gama imensa de problemas que não são corretamente solucionados através de abordagens analíticas tradicionais e lineares. Eles chamaram esses problemas de wicked e contrastaram-nos com problemas do tipo tame que, não são necessariamente simples, mas podem ser amplamente diagnosticados e solucionados (Figura 2). Os problemas wicked, foram originalmente incorporados em projetos de níveis micro, mas o conceito foi sendo gradualmente aplicado à problemas mais amplos e complexos de políticas sociais e econômicas, como as questões sobre desigualdades sociais e pobreza, mudanças climáticas, dentre outros.

Figura 2: Esquema de problemas tipo Wicked

Figura 2: Esquema de problemas tipo Wicked

Fonte: Org. Autores, 2018.

9Rittel & Webber (1973) listam dez características dos problemas wicked: i) não tem formulação definitiva; ii) não há regras para parar o processo de resolução – esta é um decisão circunstancial; iii) as soluções não são verdadeiras ou falsas, nem boas ou más; iv) não há testes derradeiros para as soluções; v) toda solução é uma operação de um só tiro; vi) não é possível enumerar as possíveis soluções que podem ser atingidas ou operações que podem ser utilizadas; vii) eles são essencialmente únicos; viii) podem sempre ser considerados sintomas de outros problemas; ix) a escolha de uma explicação sobre o problema determina a natureza da solução e x) o solucionador não tem direito de estar errado.

10Tendo como objetivo desse trabalho propor aplicações de práticas inovadoras para o planejamento urbano utilizando-se de design thinking, listamos na Figura 3, alguns problemas encontrados na esfera local que tomamos como modelo para exemplificar a aplicação do método. Essa esfera é a cidade de Uberlândia, localizada no estado de Minas Gerais, região sudeste do Brasil. O método ainda não foi aplicado aos problemas encontrados, esse artigo trata de uma ideação sobre a possível aplicação da metodologia do DT. Nessa primeira fase, apenas identificamos os problemas e escolhemos o descarte irregular de resíduos para testar ao método e ao objetivo de estudo.

11Uberlândia, com população estimada em 676.613 habitantes (IBGE, 2017), tem sido retratada no tempo e no espaço por diversos pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento; da geografia à arquitetura às ciências sociais aplicadas como a economia. A cidade não é diferente de outras cidades brasileiras com forte expansão urbana desde as últimas décadas do século passado.

12No contexto da cidade média, Uberlândia tem experimentado, nos últimos anos, constante crescimento urbano e desenvolvimento econômico, mas também apresenta problemas que estão associados à distribuição da renda, ocupação desordenada e de espaços sensíveis como fundos de vale, encostas, manejo dos resíduos e da mobilidade urbana e, portanto, por reunir características relevantes, se presta a um trabalho desse tipo.

Figura 3. Caracterizando os problemas em Tame e Wicked.

Figura 3. Caracterizando os problemas em Tame e Wicked.

Fonte: Org. Autores, 2018.

13O desafio agora é entender como o sistema urbano interage com o meio ambiente em diferentes escalas, através da identificação de variáveis chaves que relacionam meio ambiente com o sistema urbano. A temática da sustentabilidade urbana deve ser tratada em diferentes escalas, uma vez que são inúmeras as especificidades das cidades e, considerando-as como sistemas complexos abertos, são muitas as variáveis que estão em constante transformação.

14No Brasil, em 2003, com a criação do Ministério das Cidades, institui-se o compromisso dos governos locais e agentes sociais em realizarem diagnósticos, definir os programas habitacionais, enfrentar os desafios dos problemas urbanos, ampliando investimentos não só no setor de habitação, mas abarcando interesses sociais, como resposta às reivindicações dos movimentos sociais de luta pela reforma urbana, dirigindo-se, entre outras prioridades, às questões que envolvem a habitação, o saneamento ambiental, o transporte e mobilidade, assim como em diferentes programas que apresentaram como meta melhorar as condições de habitabilidade de assentamentos humanos precários.

15Acserald (2011), ao explorar os caminhos para a sustentabilidade urbana, propõe três matrizes discursivas que devem ser reestruturadas indo de encontro à temática do desenvolvimento sustentável. Quanto à representação técnico material da cidade, o autor trata da eficiência ecoenergética, considerando a cidade como um sistema termodinâmico aberto, onde a insustentabilidade urbana está relacionada à alta entropia presente nas trocas energéticas e a irreversibilidade dessa termodinâmica advindas do próprio metabolismo urbano. As outras duas matrizes dizem respeito à qualidade de vida através do direito ao acesso as condições saudáveis de existência, da cidadania e da identidade do espaço local e a terceira sobre a legitimação das políticas urbanas.

16Já para os autores Shen et al. (2011), os termos "sustentabilidade urbana, cidade sustentável e comunidade sustentável" significam algo desejável, enquanto que "urbanização sustentável e desenvolvimento urbano sustentável" referem a um processo e um caminho a ser percorrido para se chegar ao estado desejável.

17Na medida em que o tema sustentabilidade urbana passa a ser fortemente apreciado, muitos são os esforços para elaborar instrumentos em forma de políticas públicas e incentivos governamentais a fim de integrar proteção ambiental, equidade econômica e bem estar social nos planos de planejamento urbano (MARCOTULLIO, 2001).

18Entretanto, a implementação desses instrumentos precisa ser monitorada para que sejam escolhidos um conjunto de medidas apropriada a especificidade de cada cidade, que irão responder positivamente ao padrão de sustentabilidade urbana.

19Consideramos também importante do ponto de vista teórico, analisar o relatório Our Built and Natural Environment (Ambiente Natural e Construído), publicado em 2001 pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA, cujo objetivo foi de introduzir um novo padrão de planejamento urbano e rural baseado nos princípios do Smart Growth, um conjunto de medidas de planejamento urbano e regional capaz de serem moldados e aplicados em nível local a fim de promover um padrão de desenvolvimento social, ambiental e economicamente sustentável. O relatório traz opções de planejamento urbano nas áreas de habitação, mobilidade, manejo de resíduos, recreação, serviços social, cultural, dentre outros.

20Quais são os quesitos para haver sustentabilidade no desenvolvimento urbano? Quais são os parâmetros, como identificá-los e, principalmente, como mensurá-los para que se possa ter a noção exata dos resultados obtidos com procedimentos implantados?

21Para tentar responder a essas questões, propomos nesse trabalho a aplicação da ferramenta do Design Thinking aplicada a uma escala local para tratar de um problema urbano que é o descarte irregular de resíduos em pontos críticos da cidade de Uberlândia, MG.

O estudo de caso: como aplicar o DT na solução do descarte irregular de resíduos em Uberlândia, MG.

22O município de Uberlândia, pertence à Região IV (Triângulo e Alto Paranaíba), 170a microrregião (Uberlândia) do Estado de Minas Gerais. Possui área de 4.115 km2 (sendo 219 km² de área urbana e 3.896 km² área rural) distribuída em cinco distritos: a Sede, Cruzeiro dos Peixotos, Martinésia, Miraporanga e Tapuirama. Faz divisa com os Municípios de Araguari (ao norte), Uberaba (a sudeste), Tupaciguara (a noroeste), Indianópolis (a leste), Prata (a sudoeste), Veríssimo (ao sul) e Monte Alegre de Minas (a oeste), conforme observado na Figura 4.

Figura 4. Localização do Município de Uberlândia, MG.

Figura 4. Localização do Município de Uberlândia, MG.

23O sítio urbano é caracterizado por um horizonte amplo, de relevo suave (DEL GROSSI, 1991). Tal característica contribui para um crescimento horizontal que cada vez mais avança sobre as bordas do perímetro urbano, aumentando a área de abrangência das políticas urbanas, dentre elas o manejo de resíduos.

24A coleta de lixo domiciliar abrange todos os bairros integrados da cidade com volume diário 557,33 toneladas (UBERLANDIA, 2017). O destino final do lixo coletado é o aterro sanitário que tem uma capacidade para 4.202.755,00 m³. A cidade também conta com o programa de coleta seletiva desde o ano de 2011 e, hoje, atende 29 bairros e uma população estimada em 270.000 pessoas. Esses resíduos são entregues às associações e cooperativas de catadores de recicláveis. Para os resíduos provenientes da construção civil em pequena quantidade, a cidade oferece nove pontos de coleta distribuídos em diferentes regiões, os Ecopontos.

25Porém, é esse tipo de resíduo que vem sendo descartado de forma irregular em vários pontos críticos localizados nas bordas do perímetro urbano e também áreas em bairros periféricos de baixa renda. Desde entulhos da construção civil até restos de podas de árvores e lixo doméstico. Mesma a cidade tendo um eficiente modelo de manejo de resíduos o poder público enfrenta o desafio de solucionar o descarte ilegal. Esses pontos críticos também ocorrem em vazios urbanos em áreas já adensadas.

26Mas, como aplicar o Design Thinking na solução desse problema? Primeiramente, caracterizamos o problema como sendo wicked, ou seja, já foram testadas diferentes soluções, mas sempre há reincidência do problema, caracterizando-o como um problema complexo, de solução não linear.

27 Já definida a natureza do problema, iremos tratá-lo baseado nos cinco elementos do DT, conforme ilustrado na Figura 5.

Figura 5. Aplicação do Design Thinking.

Figura 5. Aplicação do Design Thinking.

Fonte: Org. Autores, 2018.

28Baseado na Figura 5, iremos propor um caminho metodológico para tratar desse problema.

29Na primeira etapa, definiremos o problema: descarte irregular de resíduos em pontos críticos da cidade. Para percorrer essa primeira etapa, serão feitos trabalhos de campo para documentar através de fotografias os alguns locais de descarte irregular. Segundo a Prefeitura, no ano de 2017, foram catalogados 129 pontos críticos e mais de 700 infrações de descarte irregular. Podemos observar na Figura 6, a lista dos 18 principais pontos críticos.

Figura 6. Lista dos principais pontos críticos de descarte de entulho na área urbana de Uberlândia, MG.

Figura 6. Lista dos principais pontos críticos de descarte de entulho na área urbana de Uberlândia, MG.

Fonte: Secretaria de Serviços Urbanos, Prefeitura Municipal de Uberlândia, 2018.

30Na Figura 7, a espacialização desses pontos críticos de descarte irregular. Nota-se que a maior parte deles, estão localizados nas bordas do perímetro urbano em áreas de acesso para sítios de recreio ou assentamentos irregulares.

Figura 7. Espacialização dos principais pontos críticos de descarte de resíduos na área urbana de Uberlândia, MG.

Figura 7. Espacialização dos principais pontos críticos de descarte de resíduos na área urbana de Uberlândia, MG.

31Durante a segunda etapa, escolheremos um desses pontos críticos e analisaremos os atores envolvidos nesse processo. Quem descarta, por que descarte e por que não utilizam os Ecopontos.

32Essa etapa servirá para compreender o comportamento dos indivíduos e como o poder público tem tratado esse problema para que, na terceira etapa, possamos propor alternativas como oficinas de conscientização ambiental a população e na parte do poder público propor alternativas para coletar esses resíduos periodicamente.

33Essas alternativas serão efetivadas na quarta etapa, na prototipação. Nessa etapa, é de extrema importância o engajamento do poder público e da sociedade civil para que as mudanças de comportamento realmente ocorram. Observamos na Figura 8, ponto crítico de descarte.

Figura 8. Ponto crítico de descarte, bairro Shopping Park.

Figura 8. Ponto crítico de descarte, bairro Shopping Park.

Fonte: autores, janeiro de 2018.

34Finalmente, na quinta e última etapa, a fase de testes, replicaremos as ações nos demais pontos críticos, voltando assim, a fase inicial, porém dotados de aprendizado tornando o método cada vez mais eficiente.

Considerações Finais

35O setor público precisa de abordagens mais sistemáticas para a inovação social tornando-se mais adaptável e flexível ao lidar com problemas do tipo wicked. As formas sugeridas para alcançar esses objetivos incluem o investimento de recursos em inovação e em modelos de design como o Design Thinking (DT).

36Após essa ideação, percebemos que o DT pode ser facilmente adaptado ao problema urbano do descarte irregular de resíduos e também poderá ser capaz de propor soluções que levam em consideração os anseios da sociedade civil para elaboração de políticas públicas. Por fim, a noção de aprendizado deve ser levada em consideração na governabilidade. Estratégias de inovação devem ser incorporadas na proposição de políticas públicas.

37Uberlândia, cidade média de destaque na rede urbana mineira e brasileira, não é diferente de outras cidades brasileiras com forte expansão urbana desde as últimas décadas. A cidade tem vivenciado, nos últimos anos, constante crescimento urbano e desenvolvimento econômico, mas também apresenta problemas que estão associados à distribuição da renda, ocupação desordenada e de espaços sensíveis como fundos de vale, encostas, manejo dos resíduos e da mobilidade urbana e, portanto, por reunir características relevantes, se presta a um trabalho desse tipo. Por fim, pretendemos dar continuidade à pesquisa partindo para a aplicação da metodologia desenvolvida no artigo e cujos resultados serão apresentados futuramente.

Haut de page

Bibliographie

Referências Bibliográficas

ACSELRAD, H. Desregulamentação, contradições espaciais e sustentabilidade urbana. In: Revista Paranaense de Desenvolvimento. Curitiba, n. 107, 2005. p. 25-38.

DEL GROSSI, S. R. De Uberabinha a Uberlândia. Os caminhos da natureza. Tese (Tese de doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Geografia. Universidade de São Paulo, 1991.

BANCO DE DADOS INTEGRADOS, BDI. Prefeitura Municipal de Uberlândia, 2017. Disponível em: http://www.uberlandia.mg.gov.br/uploads/cms_b_arquivos/17810.pdf. Acesso em 01 mar, 2018.

EEA - European Environment Agency. Ensuring quality of life in Europe's cities and towns. May 28, 2009. Disponível em: http://www.eea.europa.eu/publications/quality-of-life-in-Europes-cities-and-towns. Acesso em 25 out. 2015.

EPA - ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY. Our Built and Natural Environment, 2001. Disponível em: http://www2.epa.gov/sites/production/files/2014-03/documents/our-built-and-natural-environments.pdf. Acesso em 20/10/2015.

EUROPEAN COMMISION. Sustainable Development Indicators. Overview of relevant FP-funded research and identification of further needs, 2009. Disponível em: http://www.ieep.eu/assets/443/sdi_review.pdf. Acesso em 06/11/2015.

GERD, WALOSZEK. Introduction to Design Thinking, 2012. Disponível em: https://experience.sap.com/skillup/introduction-to-design-thinking/. Acesso em 28 de fev. 2018.

RITTEL, H.; WEBBER, M. Dilemmas in a general theory of planning. In: Policy Science. V. 4, Issue 2, p. 155–169, 1973.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores de desenvolvimento sustentável. 2015. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=294254 Acesso em 15 out. 2015.

MARCOTULLIO, P. J. Asian urban sustainability in the era of globalization methodologies. New York, 2007.

YE, L et al. What is "Smart Growth?"- Really? Journal of planning literature. Disponível em http://jpl.sagepub.com/content/19/3/301.short. Acesso em 25 out. 2015.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Esquema de problemas do tipo tame
Crédits Fonte: Org. Autores, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17053/img-1.png
Fichier image/png, 13k
Titre Figura 2: Esquema de problemas tipo Wicked
Crédits Fonte: Org. Autores, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17053/img-2.png
Fichier image/png, 29k
Titre Figura 3. Caracterizando os problemas em Tame e Wicked.
Crédits Fonte: Org. Autores, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17053/img-3.png
Fichier image/png, 17k
Titre Figura 4. Localização do Município de Uberlândia, MG.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17053/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 352k
Titre Figura 5. Aplicação do Design Thinking.
Crédits Fonte: Org. Autores, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17053/img-5.png
Fichier image/png, 27k
Titre Figura 6. Lista dos principais pontos críticos de descarte de entulho na área urbana de Uberlândia, MG.
Crédits Fonte: Secretaria de Serviços Urbanos, Prefeitura Municipal de Uberlândia, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17053/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 176k
Titre Figura 7. Espacialização dos principais pontos críticos de descarte de resíduos na área urbana de Uberlândia, MG.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17053/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 596k
Titre Figura 8. Ponto crítico de descarte, bairro Shopping Park.
Crédits Fonte: autores, janeiro de 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17053/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 154k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Leticia Del Grossi Michelotto et Fernando Luiz Araujo Sobrinho, « O método design thinking como instrumento de sustentabilidade urbana. Uma proposta aplicada para a questão do descarte irregular de resíduos na cidade de Uberlândia, MG, Brasil. », Confins [En ligne], 38 | 2018, mis en ligne le 27 décembre 2018, consulté le 22 janvier 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/17053 ; DOI : 10.4000/confins.17053

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals