Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

O Brasil na Encyclopédie de Diderot et d'Alembert

Le Brésil dans l'Encyclopédie de Diderot et d'Alembert
Brazil in the Encyclopédie of Diderot and d'Alembert
René Somain

Résumés

L'article analyse la présentation du Brésil dans l'Encyclopédie de Diderot et D'Alembert, l'une des principales œuvres de l'époques des Lumières. Les entrées principales sont "Brasil" et "brésiller", une entrée secondaire "Bois de Brésil" (pau brasil, jointe à l'entrée "Madeira") et trois entrées de lieux, "Olinde", "Sébastien, saint" (Rio de Janvier) et "Salvador, San"

Haut de page

Texte intégral

1A Edição Digital, Colaborativa e CRítica da Enciclopédia (Édition Numérique, Collaborative et CRitique de l’Encyclopédie, ENCCRE) disponibiliza, pela primeira vez, livre e gratuitamente, acesso à Encyclopédie, ou Dictionnaire raisonné des sciences, arts et métiers ("Dicionário racional de ciências, artes e ofícios") de Diderot e d'Alembert (1751-1772). A ENCCRE usou a primeira das duas cópias guardadas na Biblioteca Mazarine, cujos 17 volumes de texto e 11 volumes de imagens fazem parte da primeira impressão da primeira edição. Adquirida no momento da publicação e imediatemente disponibilizada aos usuários da biblioteca, ela nunca deixou seu local original de conservação.

2A ENCCRE é a primeira edição digitalizada homogênea e completa da Encyclopédie. O seu site1 indica: "A interface digital permite que você admire a beleza desta cópia, redescubra o espetáculo de suas 2.579 imagens, navegue de forma intuitiva e inovadora, e realize as mais variadas pesquisas, como as mais avançadas". Esta edição é muito oportuna porque a Encyclopédie é um marco fundamental na história das ideias, uma verdadeira síntese do conhecimento do seu tempo.

3Era tentador para Confins, revista franco-brasileira, procurar ver o que nela se dizia sobre o Brasil. Utilizando os modos de acesso por nomenclatura e por domínio do ENCCRE, encontrou-se um dos verbetes principais "Brasil", outros para o verbo brésiller", um verbete secundáriao "Bois de Brésil" (pau Brasil, anexo ao verbete "Madeira") e três verbetes de lugares, "Olinde", "Sébastien, saint" (Rio de Janeiro) e "Salvador, San", que Salvador de Bahia compartilha com duas outras cidades, na África e na América Central. Reproduzimos abaixo o fac-símile destes artigos, sua tradução, algumas ilustrações (a Encyclopédie não contém nenhum para estes verbetes), tanto quanto possível francesas e do mesmo período.

Brésil, Brésiller, Bois de Brésil

  • 2 Os ameríndios (e seus defensores) fazem objeção a essa expressão, apontando que seus ancestrais viv (...)

4O verbete principal mais longo associa ao nome do país uma entrada secundária (bois de Brésil) e é imediatamente seguido por outra (brésiller), ambas referentes à primeira riqueza que foi exportada do território "descoberto"2 por Pedro Cabral em 1500 e do qual ele tomou posse em nome da Coroa Portuguesa.

5A associação vem do fato de o país, depois de ter sido chamado "Terra da Vera Cruz" e apelidado "Terra dos Papagaios", ter tomado o nome de seu primeiro produto de exportação. Muitos observadores apontaram sarcasticamente que a vitória do comércio sobre a religião ou a vida selvagem já deixava prever que o país estava destinado a se tornar uma colônia agroexportadora...

Figura 1 Verbet Brésil et brésiller

Figura 1 Verbet Brésil et brésiller

6BRASIL, (Geog.) Grande país da América do Sul, limitado a norte, a leste e sul pelo mar, e a oeste pelo país das Amazonas e o Paraguai: a costa, que é de cerca de 1 200 léguas de comprimento por 60 de largura, pertence aos Portugueses. O interior do país é habitado por povos selvagens e idólatras, que desfiguram seus rostos para parecer mais formidáveis aos seus inimigos: diz-se que são canibais. Os mais conhecidos são Topinambous, Marjagas e Onétacas. Esta parte do Novo Mundo é muito rica. Os Espanhóis a reconheceram em 1500. Alvarès Cabral, Português, tomou posse em 1501 para o seu rei. Para o comércio dele veja São El Salvador, Olinde, e São Sebastião (Vol II [B-Cez] 1752, p.412b).

  • 3 O texto usa a designação herdada do erro inicial de Cristóvão Colombo, que acreditava ter alcançado (...)

7A apresentação do país é - para um leitor de hoje - banalmente descritiva, começando com a lista de mares e terras adjacentes, a única originalidade sendo que o texto coloca a Amazônia no oeste do Brasil, não ao norte . No entanto, é compreensível ao ler a frase que segue, que opõe ao litoral povoado pelos portugueses o interior ainda ocupado pelos "índios"3.

8O primeiro conjunto de 4.800 por 240 quilômetros (usando uma equivalência de quatro quilômetros por legua) é de fato o espaço que os portugueses ocupavam no momento em que o texto foi escrito. O segundo, cujas dimensões não são mencionadas (porque eram de fato ignoradas), mostra que os ameríndios eram então, mesmo para os autores de uma das principais obras do Iluminismo, vistos como "selvagens", e nem mesmo como "bons selvagens", a ênfase está em sua aparência (deliberadamente) assustadora, sua "idolatria" e a prática do canibalismo, apenas mitigada por um "diz-se que". Mitigação muito inútil, uma vez que esta prática era atestada desde o século XVI, especialmente por autores franceses (André Thévet e Jean de Léry). Era de se esperar que os autores da Encyclopédie, tendo lido Montaigne e Rousseau, inserissem a mesma no contexto cerimonial e social que a explicava, sem justificá-la. Porém, não era claramente essa a preocupação dos autores do verbete, como fica claro mais adiante, quando eles qualificam o país como "muito rico" e (depois de ter atribuido o seu reconhecimento aos Espanhóis em 1500 e apenas a posse ao Cabral em 1501) eles vão para o ponto mais importanate, o comércio, remetendo o leitor interessado pela geografia aos três verbetes sobre as principais cidades.

9O verbete seguinte, "brésiller", um verbo que hoje desapareceu da língua francesa, é muito curto, apenas um encaminhamento para o outro verbete principal, sobre a pau Brasil, complementada apenas por uma precisão técnica sobre métodos de tingimento que o usam, e seguido pelas palavras "veja tintura": neste dicionário de ciências, artes e comércios, as técnicas claramente têm mais importância que a geografia.

10BRESILLER, veja (Tingimento) É tingir com pau Brasil; é necessário que as telas e os fios a serem marcados tenham sido tingidos em boa tonelada, para serem brésillés. Veja Tintura (Vol II [B-Cez] 1752, p.412b).

Figura 2 Verbete pau Brasil

Figura 2 Verbete pau Brasil

11Pau brasil; essa madeira é assim chamada porque foi primeiro tirada do Brasil, província da América. M. Huet, no entanto, afirma que ela era conhecida por este nome muito antes de este país ser descoberto. Veja Huetiana, pag. 268.

12É nomeado diferentemente de acordo com os vários lugares de onde vem; assim, há o pau brasil de Fernambuco, o pau brasil do Japão, o pau brasil de Lamon, o pau brasil de Santa Marta e, finalmente, o bresillet ou a madeira da Jamaica trazida das Índias Ocidentais.

13O pau brasil geralmente cresce em lugares secos e áridos e entre as rochas. Torna-se muito grande e alto, e ramifica ramos longos, cujos galhos estão cheios de folhas pequenas e meio redondas. Seu tronco raramente é reto, mas tortuoso e rugoso, e cheio de nós, muito parecido com a espinha branca. Suas flores, que são semelhantes ao lírio do vale, são de um vermelho muito bonito, exalam um odor agradável, muito amigável ao cérebro que ele fortalece. Embora essa árvore seja muito grande, ela é coberta com um alburno tão espesso que, quando os índios a tiram do tronco, se ela tiver o tamanho de um homem, dificilmente permanecerão de uma tora do pau brasil mais que o tamanho de uma perna.

14O pau brasil merece, portanto, na Enciclopédia um verbete mais longo que aquele consagrado ao país que recebeu o seu nome. Ela reconhece sua qualidade ("O mais estimado é o pau brasil de Fernambuco") e sua anterioridade ("essa madeira é assim chamada porque foi primeiro tirada do Brasil"), mas ela nota que pode vir de outro lugar (Japão, Lamon, Santa Marta, Jamaica) e que "ela era conhecida por este nome muito antes de este país ser descoberto", segundo M. Huet.

15É de fato possível que o nome de "brasil" tenham sido dado pelos portugueses que já o conhecia antes de aportar na costa da Bahia, por conta da madeira vendidada em Lamon (uma cidade da região italiana do Veneto): desde a Idade Média, o "brasil" vinha da Índia via a Pérsia, importado pelos venezianos. É à cor de "brasa" que a madeira deve o seu nome e, de fato, a associação com a mesma vem facilmente à mente quando se vê a cor da madeira, uma vez o alburno tirado do tronco (figura 3).

Figura 3 Pau brasil

Figura 3 Pau brasil

16https://braises.hypotheses.org/​482

17A madeira do pau brasil é muito pesada, muito seca e faisca muito no fogo, onde é quase livre de fumo, devido à sua grande secura. Todos esses diferentes tipos de brasil não têm medula, exceto a do Japão.

18O mais estimado é o brasil de Fernambuco. Para escolher bem este último, ele deve ser de troncos pesados, compactos, muito saudáveis, isto é, sem o alburno e sem podridão; depois de ter sido quebrado, de pálido como era, deve ficar avermelhado e, ao ser mastigado, tem um sabor adocicado.

19O pau Brasil é apropriado para objetos feitos no torno, e leva bem o polimento: no entanto, seu principal uso é para o tingimento, onde serve para tingir de vermelho, mas é uma cor falsa que evapora facilmente, e não pode ser usada sem alúmen e tártaro. Veja Tintura.

20Do pau brasil de Fernambuco, tira-se uma espécie de carmim por meio dos ácidos, também se faz um verniz líquido para miniatura. V. Vermelho, Lacque, & c. (Vol II [B-Cez] p.308a).

21Não é sem razão que a Enciclopédia associa tão fortemente o pau brasil ao Brasil, já que foi durante muito tempo sua principal riqueza, ou pelo menos aquela que mais interessava os portugueses, a principal exportação de sua colônia. Nisso eles eram menos afortunados do que os espanhóis, que tinham conseguido pôr as mãos nos metais preciosos do Peru e do México, e tiveram que esperar até o estabelecimento das plantações de cana-de-açúcar e sobretudo a descoberta das jazidas de ouro de Minas Gerais, no século XVIII, para o Brasil enriquecê-los.

22Pelo menos o pau Brasil não lhes custou muito esforço, pois eram os índios que faziam a maior parte do trabalho, cortando as árvores na floresta e trazendo os troncos já sem alburno para a costa. Lá eles os trocavam contra ferramentas de metal com comerciantes que vinham do outro lado do Atlântico, um ciclo de coleta e troca que aparece no mapa de Giacomo Gastaldi (Figura 4). Esses comerciantes eram geralmente portugueses, mas também às vezes franceses, porque os navegantes da Normandia tinham detectado o lucro a ser obtido nessa troca desigual. Eles vinham frequentemente no Brasil, e faziam alianças com grupos indígenas, com o incentivo da Coroa francesa, que considerava que esta presença era uma boa maneira de questionar a atribuição destas terras a Portugal pelo Tratado de Tordesilhas (1494).

Figura 4 O Brasil visto por Giacomo Gastaldi (1556)

Figura 4 O Brasil visto por Giacomo Gastaldi (1556)

Olga Okuneva, « Ensaio sobre o mapa «Brasil» de G. Gastaldi pertencente ao Delle navigationi e viaggi de G. B. Ramusio (1556; 1565; 1606) », Terra Brasilis (Nova Série) [En ligne], 2 | 2013. URL : http://journals.openedition.org/​terrabrasilis/​715 ; DOI : 10.4000/terrabrasilis.715

23Entre o século XVI, quando o comercio do pau brasil conheceu o seu apogeu, e a redação da Enciclopédia, no século XVIII, o Brasil, é claro, mudou muito, como mostram os verbetes dedicados às três principais cidades, Olinda / Recife, Rio de Janeiro e Salvador.

Três cidades : Olinda, Rio de Janeiro, Salvador

Figura 5 Verbete Olinde

Figura 5 Verbete Olinde

24Olinde, (Geog.) Cidade da América do Sul no Brasil, na capitania de Fernambuco. Está situado em uma colina de um aspecto agradável; e o rio que cai no porto chama-se Bibiribe. Os holandeses a tomaram em 1630, e os portugueses não repararam suas ruínas. Longit. de acordo com Cassini, 342. 21. 30. lat. 8. 18. Long. seguindo Harris, 342. 31. 15. lat. 7. 48. (D.J.) (Vol. XI [N-IRAP] 1765, 449a).

25De Olinda – cujo nome é afrancesado em Olinde - o texto não diz muito, exceto que depois de ter sido tomada pelos holandeses não recuperou seu antigo esplendor. Na verdade foi Recife, localizada a poucos a poucos quilômetros dela e desenvolvida por eles sob o nome de Mauritsstad, que se tornou a capital de Pernambuco após a sua reconquista pelos portugueses.

26O verbete " Saint Sébastien" é dedicado ao Rio de Janeiro, cujo nome oficial era, de fato, São Sebastião do Rio de Janeiro.

27Figura 7 Verbete Saint Sébastien

28Sebastião, St., (Mod. Geog.) Cidade da América do Sul, no Brasil, na capitania do Rio-Janéiro, na costa oeste do golfo formado por este rio, em uma planície cercada por montanhas. Corréa, famoso capitão do xv. século, fundou esta cidade, que seu neto aumentou e embelezou no século seguinte. Os Jesuítas e Beneditinos têm palácios lá: é a sede de um bispo sufragâneo de São Salvador e a residência do governador da província. O comércio consiste principalmente de algodão e pau brasil. Lat. Meridion. 23. 46. (D.J.) (Vol. XI [N-IRAP] 1765, 852b).

29A cidade é apresentada como fundada por "Corréa, famoso capitão", quando considera-se geralmente que foi fundada por Estácio de Sá, em 1 de março de 1565, e não se menciona que em novembro de 1555, Nicolas Durant de Villegaignon, acompanhado por 600 colonos, tinha desembarcado na Baía de Guanabara, fundando uma colonia na ilha que até hoje leva o seu nome, e planejando fundar mais tarde na terra firme a cidade de Henryville, futura capital da "França. Antártica". Porém, ocupados demais com as brigas internas entre católicos e protestantes, os colonos negligenciaram o fortalecimento de suas defesas, e os portugueses não tiveram muita dificuldade em desalojá-los para fundar sua própria colônia no mesmo lugar.

30Na época da redação da Enciclopédia o Rio de Janeiro ainda era apenas "residência do governador da província" e seu comércio consistia "principalmente em algodão e pau brasil". Mas em 1763 a pequena cidade tornou-se a capital da colônia portuguesa, quando o "caminho novo tornou-se a principal saída para os comboios de mulas que transportavam o ouro recentemente descoberto em Minas Gerais para o seu porto, de onde embarcava para Lisboa.

Figura 8 Extrato do mapa « Plan de la Baye de Rio de Janeiro »

Figura 8 Extrato do mapa « Plan de la Baye de Rio de Janeiro »

31Jacques Bellin (1703-1772) foi cartógrafo no Ministério da Marinha da França. Em 1764, ele publicou o Le Petit Atlas Maritime, uma obra em cinco volumes contendo 581 mapas. Este mapa de 21 x 32 cm, do segundo volume do atlas, mostra a Baía do Rio de Janeiro, é guardado na Biblioteca Nacional do Brasil,, http://hdl.loc.gov/​loc.wdl/​brrjbn.187 ).

32A cidade conheceu entao uma época de grande prosperidade, evidenciada por um episódio pouco conhecido (e não muito glorioso) de relações franco-brasileiras, que a Enciclopédia também passa despercebida, embora tenha ocorrido pouco antes de sua redação.

33Uma frota francesa sob o comando de René Duguay-Trouin tinha capturado o porto do Rio de Janeiro em setembro de 1711. Não era a primeira tentativa, em 1710 o capitão Duclerc tinha atacado com cinco navios e um mil soldados, mas a expedição foi um fracasso. A operação do ano seguinte foi decidida, portanto, para vingar esse fracasso, mas também tinha outros objetivos.

34O reino da França estava então em plena guerra de sucessão da Espanha, e o Brasil era uma colônia de Portugal, aliado da Inglaterra contra a França. Além disso, Duguay-Trouin tinha uma razão mais pessoal para embarcar na aventura, ele estava à beira da falência e tinha necessidade imperiosa de obter fundos. Foi, portanto, tanto uma operação de guerra (atacando uma colônia portuguesa) quanto de corsário (saquendo ao inimigo para pagar, com lucro, armadores particulares).

35Apesar das advertências, a chegada da esquadra francesa de 18 navios na baía do Rio de Janeiro, em 12 de setembro, pegou os portugueses de surpresa. Depois de três dias de bombardeio, Duguay-Trouin havia desembarcado suas tropas, 3 700 homens, apoiados pelo fogo de seus navios, para atacar a cidade. Depois de ter tomado todos os fortes que deviam supostamente defendê-la, os franceses ameaçaram destruir e saquear a cidade se um resgate não fosse pago, e seus habitantes foram forçados a entregá-lo em dinheiro e mercadorias tropicais.

36O retorno foi muito difícil, a frota foi dispersada por uma tempestade, até a chegada a Brest (6 de fevereiro de 1712), três navios haviam afundado, incluindo Le Magnanime, que carregava uma grande parte do espólio. No entanto, o lucro foi considerável: Duguay-Trouin retornou com mais de 1,3 toneladas de ouro, dando, segundo ele, "noventa e dois por cento do lucro para aqueles que tinham participado". O benefício político era para o rei, a quem a notícia do sucesso da expedição deu "um prazer delicado".

37A atual cidade de Salvador de Bahia aparece na Enciclopédia apenas no terceiro parágrafo de um verbete"San Salvador", um "nome compartilhado por vários lugares", a cidade brasieira vem depois de "1 °. San Salvador, cidade da África, na costa oriental da Etiópia, capital do Congo " e " 2 °. San Salvador, cidade da América, no governo de Guatimala.

Figura 9 Verbete San-Salvador

Figura 9 Verbete San-Salvador

383 °. San Salvador, cidade da América do Sul, no Brasil, da qual é a capital. É grande, bem construída, densamente povoada, muito comercial e situada na Baía de Todos os Santos; sua situação não é vantajosa, porque é alta e baixa, e quase não tem ruas retas.

39Como nenhuma carruagem pode ser usada, os escravos desempenham a função de cavalos e transportam todas as mercadorias de um lugar para outro; eles também carregam os habitantes em uma espécie de cama de algodão, ou rede, suspensa em ambas as extremidades; esta cama ou palanquim é coberta por uma toldo, da qual penduram cortinas que impedem de ser visto, e que garantem do sol. As pessoas estão muito à vontade nesta cama; a cabeça repousa sobre uma cabeceira e o corpo sobre um pequeno colchão, devidamente costurado; o calor violento do clima e a extrema delicadeza dos habitantes tornaram estas redes muito comuns, não só para fazer visitas, mas também para ir à igreja.

40San Salvador, é a residência do vice-rei do Brasil, a sede de um arcebispo, de um conselho soberano e de uma casa de moedas.

41As casas são altas e quase todas de pedra e tijolo. As igrejas são ricas e as comunidades numerosas; só os Jesuítas são quase duzentos e são os mais ricos de todos os religiosos. Eles têm alí uma igreja e uma faculdade magnífica, onde eles têm seis regentes para ensinar.

42Salvado era na época a capital do Brasil, com todos os seus atributos, instituições e monumentos, políticos e religiosos. Isso, no entanto, não é o que chama mais a atenção do autor do verbete, que prefere descrever os palanquins em que os habitantes (ao menos alguns) são transportados por escravos.

43Esse hábito é atribuído ao fato de que a cidade é dividida entre as cidades alta e baixa, mas especialmente ao "calor violento do clima" e a "extrema moleza" dos baianos, reputação injustificada ou exagerada, como todos os etnótipos mas que dura até nossos dias. No século seguinte a mesma cena foi chamou tambéma atenção de Jean-Baptiste Debret, um dos membros da missão artística francesa que veio ao Brasil em 1816 e nos deixou muitos testemunhos do cotidiano no Brasil (Figura 10).

44O verbete continua com a parte sobre comercio, sempre muito desenvolvida na Encyclopédie.

Figure 11 Verbete San-Salvador (sequência)

Figure 11 Verbete San-Salvador (sequência)
  • 4 De acordo com Jacques Savary dos Bruslons, Encyclopédie méthodique ou par ordre de matières, Volume (...)
  • 5 Reconhecido por suas propriedades calmantes e restauradoras, o bálsamo Copahu, também chamado de ól (...)
  • 6 Ipeca ou Ipecacuana (do tupi Ygpecaya). Sua raiz contém emetina, um alcalóide com propriedades emét (...)

45San Salvador é um local de grande interesse para as mercadorias comercializadas, como telas, [...] sarjas e perpetuárias4; chapéus, meias e fios de seda, biscoitos, farinha, trigo, vinhos porto-a-porto, etc. óleos, manteiga, queijo, panelas, escravos da Guiné, etc. Por todas essas coisas, se recebe em troca ouro, açúcar, tabaco e corante de pau brasil e de outros; peles, óleos, sebo, bálsamo de copahu5, yececuana6, etc.

46Esta cidade tão vantajosa para os portugueses, está situada a uma altura de 80 braças, que depende da costa oriental da Baía de Todos os Santos. Essa altura é muito difícil de escalar, e uma espécie de guindaste é usado para subir e descer as mercadorias do porto para a cidade.

47Voltando a informações mais condizentes com o tom geral do "Dicionário Racional de Ciências, Artes e Ofícios", o editor detalha os produtos importados que são vendidos em Salvador: têxteis, confecções, alimentos e "escravos da Guiné" (citados entre outros artigos). Eles são trocados contra produtos agrícolas e do extrativismo (incluindo o pau-brasil), ou contra ouro, citado em primeiro lugar.

48Aqui, novamente, a topografia da cidade cria restrições e impõe o uso de guindastes, ou obriga a carregar tudo nas costas de escravos ou animais. Pequena desvantagem em relação às vantagens defensivas e à proteção que o relevo oferece à Baía deTodos os Santos.

Figure 12 Mapa da cidade de St. Salvador, capital do Brasil, 1757

Figure 12 Mapa da cidade de St. Salvador, capital do Brasil, 1757

PRÉVOST, Antoine François, 1697-1763. Mapa da cidade de São Salvador, capital do Brasil. - In: História geral das viagens ou nova coleção de todas as relações das viagens por mar e terra, que foram publicados até agora nas diferentes línguas de todas as nações conhecidas, Chez Didot, Livraria e Gráfica, 1757.

49San Salvador é geralmente bem fortificada, mas a guarnição é tão debochada quanto mal disciplinada. Os outros habitantes não valem muito melhor; eles são voluptuosos, ignorantes, vaidosos e fanáticos. Eles costumam andar com um rosário nas mãos, outro no pescoço, um S. Antônio no estômago, um punhal no peito, uma pistola no bolso e uma longa espada ao lado, para não perder a oportunidade. dizendo seus rosários, de vingar-se de um inimigo. Lat. meridional, 12. (D.J.) (Vol. XIV [Reggi-SEM], 1765 p.582b).

50Infelizmente, o parágrafo final, além da meia sentença inicial e da notação final da latitude, recai em juízos de valor muito negativos sobre a guarnição, logo depois estendidos a "outros habitantes" que "não são muito melhores". Eles são caracterizados, de acordo com o autor do verbete, por uma mistura de religiosidade e animosidade, carregando consigo ao mesmo tempo objetos de piedade e armas. Ele compartilha obviamente os preconceitos que muitos europeus do norte tinham sobre os latinos do Sul: encontramos na época - e até mais tarde - tiradas semelhantes sobre os sicilianos ou os espanhóis, todos englobados (no século XIX) no desdenhoso termo "rastacueros", ao mesmo tempo católicos praticantes, muito sujeitos à influência da Igreja mas praticando com frequência vinganças sangrentas. Decididamente , mesmo em um trabalho tão notável quanto a Encyclopédie, um dos principais símbolos do Iluminismo, os estereótipos tem vida dura.

Haut de page

Notes

1 Édition Numérique Collaborative et CRitique de l’Encyclopédie, http://enccre.academie-sciences.fr/encyclopedie

2 Os ameríndios (e seus defensores) fazem objeção a essa expressão, apontando que seus ancestrais viviam no continente muito antes da chegada dos conquistadores.

3 O texto usa a designação herdada do erro inicial de Cristóvão Colombo, que acreditava ter alcançado as Índias, e que perpetuou desde então

4 De acordo com Jacques Savary dos Bruslons, Encyclopédie méthodique ou par ordre de matières, Volume 38, 1762, a sempiterne ou perpetuane é uma espécie de tecido de lã cruzado, cuja qualidade se relaciona com a de uma sarja da qual se faz grande quantidade na Flandres, e cujo fluxo mais usual é para a Espanha e Itália [...] Em Espanha eles são chamados apenas sempiternal, por causa de sua longa duração

5 Reconhecido por suas propriedades calmantes e restauradoras, o bálsamo Copahu, também chamado de óleo de copaíba, é tradicionalmente recomendado para a preparação de óleos de massagem para conforto das articulações.

6 Ipeca ou Ipecacuana (do tupi Ygpecaya). Sua raiz contém emetina, um alcalóide com propriedades eméticas, hoje é pouco usado como tal, mas é usado na homeopatia.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Verbet Brésil et brésiller
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 200k
Titre Figura 2 Verbete pau Brasil
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 200k
Titre Figura 3 Pau brasil
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 720k
Titre Figura 4 O Brasil visto por Giacomo Gastaldi (1556)
Crédits Olga Okuneva, « Ensaio sobre o mapa «Brasil» de G. Gastaldi pertencente ao Delle navigationi e viaggi de G. B. Ramusio (1556; 1565; 1606) », Terra Brasilis (Nova Série) [En ligne], 2 | 2013. URL : http://journals.openedition.org/​terrabrasilis/​715 ; DOI : 10.4000/terrabrasilis.715
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 968k
Titre Figura 5 Verbete Olinde
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Figura 6 Conquista de Recife pelos Holandeses em 1630
Crédits http://wordpress1.brazil-travel.net/​recife-dos-holandeses/​
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 248k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Figura 8 Extrato do mapa « Plan de la Baye de Rio de Janeiro »
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-9.png
Fichier image/png, 2,6M
Titre Figura 9 Verbete San-Salvador
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 10 Um fazendeiro volta da sua propriedade
Crédits https://voyager1.net/​regresso-de-um-proprietario-de-jean-baptiste-debret/​
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 332k
Titre Figure 11 Verbete San-Salvador (sequência)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figure 12 Mapa da cidade de St. Salvador, capital do Brasil, 1757
Crédits PRÉVOST, Antoine François, 1697-1763. Mapa da cidade de São Salvador, capital do Brasil. - In: História geral das viagens ou nova coleção de todas as relações das viagens por mar e terra, que foram publicados até agora nas diferentes línguas de todas as nações conhecidas, Chez Didot, Livraria e Gráfica, 1757.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17086/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

René Somain, « O Brasil na Encyclopédie de Diderot et d'Alembert », Confins [En ligne], 38 | 2018, mis en ligne le 28 décembre 2018, consulté le 18 juillet 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/17086 ; DOI : 10.4000/confins.17086

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals