Navigation – Plan du site

AccueilNuméros39Cartografia do interior bahiano. ...

Cartografia do interior bahiano. Uma análise de três mapas anônimos do século XVIII

Cartographie du territoire bahianais. Une analyse de trois cartes anonymes du XVIIIe siècle
Mapping the Bahian hinterland. An analysis of three anonymous maps form the XVIIIth century
Grégoire van Havre

Résumés

La cartographie coloniale du territoire bahianais est grandement limitée par la disponibilité de sources. Trop peu de documents nous permettent de nous représenter l’espace de la Capitainerie, et les rapports d’époque donnent peu d’informations sur les distances. Dans ce travail, nous analysons trois documents datés, de manière générale, du XVIIIème siècle. Nous montrons qu’il est possible de réduire leur origine à une période temporelle plus précise. Grâce à ce recoupement, nous procédons à une analyse spatiale, qui révèle un processus de peuplement plus complexe que ce qui est souvent présenté dans la littérature. Les cartes indiquent un mouvement en dehors des deux principales voies classiques de communication, la première vers Minas Gerais et la seconde vers l’État du Maranhão-Grão-Pará.

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

Bahia, peuplement, cartographie

Index by keywords :

Bahia, peopling, cartography

Index géographique :

Bahia

Índice de palavras-chaves :

Bahia, povoamento, cartografia
Haut de page

Texte intégral

1No seu livro Science and Sanity, Alfred Korzybski declarava que “o mapa não é o território que representa, mas, caso for correto, apresenta uma estrutura semelhante, que corresponde ao seu grau de utilidade” (1995: 58). Ao identificar feições naturais e construções humanas no território em determinado periódo, ao esconder ou não representar outras, todo mapa, como toda palavra, se torna uma fonte de informações sociais, políticas, econômicas, tecnológicas e ideológicas.

2Na Bahia, um dos primeiros focos da colonização portuguesa, a maioria dos documentos do início do período colonial se limitam à representação da costa e do entorno imediato da Baia de Todos os Santos. Os primeiros cartogramas remontam ao século XVI, mas os limites geográficos ultrapassam raramente, do lado ocidental, a vila de Nossa Senhora do Rosário do Porto da Cachoeira, fundada em 1698. Para conhecer o território além deste ponto, torna-se necessário recorrer a mapas regionais ou continentais, cuja escala não permite maior detalhamento. Durante todo este tempo, o sertão é cenário de desconhecimento, de guerra e de seca mas, ao mesmo tempo, sofre uma enorme pressão pela ampliação e pelo controle das terras:

3“A política de ocupação das terras, para o cultivo da cana de açúcar ou de outra atividade lucrativa, sejam as do ‘Sertão de Dentro’ ou as do ‘Sertão de Fora’, tornou-se o alvo número um da colonização. Este objetivo teve seu desdobramento em todos os níveis da ação das partes interessadas” (Ferraz & Barbosa 2015: 142).

4Por outro lado, representações textuais do interior da Bahia são encontradas em relatos de viajantes, oficiais ou não, que percorreram o sertão nos séculos XVIII e XIX. Neves e Miguel (2007) publicaram relatórios realizados entre 1721 e 1808, por oficiais da Coroa, nos caminhos ligando Salvador à região das minas da Chapada Diamantina e do Rio das Contas. Pela sua natureza, estes documentos apontam para caminhos retos de um ponto a outro, e deixam pouco espaço para a imensidão do sertão. Da região costeira, duas vias principais interligavam a de Cachoeira ao Rio das Contas, ao sudoeste, e a capital, Salvador, à Vila das Jacobinas, ao noroeste.

5Apesar deste contexto relativamente limitado, outros documentos precisam ser analisados que podem contextualizar melhor a penetração portuguesa nestas terras. Datados globalmente do século XVIII, três mapas anônimos mantidos na Biblioteca Nacional mostram o território da Bahia se estendendo por mais de 100 quilômetros no oeste, muito além do porto da Cachoeira.

6Os cartogramas, todavia, não contêm informações explícitas a respeito da sua autoria, nem legendas ou notas, como é costumeiro encontrar em cartogramas da época. Aparecem somente as ferramentas mais básicas, indispensáveis para a leitura das informações: um título, uma bússola, uma escala em léguas, e uma grade de coordenadas na moldura. Neste artigo, analisaremos em profundidade o conteúdo dos mapas e o seu contexto, de maneira a indicar com maior precisão a época da sua realização. Apresentaremos também uma análise espacial destinada à abordar um dos principais problemas, a ausência de legenda detalhando a natureza dos diversos locais indicados.

Descrição dos cartogramas

7A análise dos documentos começa pela localização de suas referências. Enquanto o site da Biblioteca Nacional os classifica genericamente entre 1700 e 1799, os Anais da mesma instituição sugerem um parentesco com outro outro documento datado do início do século XIX (Anais BN, 1881-1882, vol 09, t. 1, p. 235, n°2357):

8Original, a traço de penna, sem nome de auctor, nem data. O Arch. Militar possúe outro original, com o nome de Anastasio de S. Anna, e a data de 1807.

9Anastácio de Santana foi autor de um Guia de Caminhantes publicado dez anos depois, em 1817, na cidade de Salvador, e no qual mapeou a totalidade do território brasileiro, suas divisões administrativas, cidades e estradas, com um nível variável de exatidão. Nesta obra, duas páginas se referem à Capitania de forma geral e à um recorte da Bahia de Todos os Santos.

10O mapa de 1807 foi estudado por Andrade (2011) que analisou a formação da rede de vias de comunicação no interior do estado no século XVIII. O documento apresenta as mesmas informações que o mapa anônimo de mesmo título e recorte: a “Continuação da comarca da Baia de Todos os Santos para o poente”. Tem, no entanto, indicações de vegetação e de relevo muito semelhantes àquelas que podem ser observadas no Guia de Caminhantes.

11Os documentos parecem realmente duas versões do mesmo mapa – uma puramente informativa e outra mais ilustrativa. De forma geral, os trabalhos de Santana contêm grande quantidade de informações relevantes, tanto para os caminhantes da época, quanto para o pesquisador atual. Já os três mapas da Biblioteca Nacional contêm poucas informações adicionais, como poderiamos esperar num cartograma. Apesar destas lacunas, uma análise em profundidade do conteúdo dos mapas deve nos permitir contextualizar melhor a época da realização dos mapas anônimos. Por outro lado, a análise espacial das informações cartografas abre a possibilidade de abordar um dos principais problemas, a ausência de legenda detalhando a natureza dos diversos locais indicados. Discutiremos, à luz destas informações, a relação que existe com o documento de 1807.

12Os documentos apresentam duas comarcas: da Bahia de Todos os Santos, e dos Ilheos. A primeira é composta de dois cartogramas: um se estende desde “sua divixão he do Rio Jiquiriçâ athé o Rio Real pela parte do Norte”, o outro se amplia “seguindo a continuacão della para o poente”. Entre os dois, a linha de divisão pode ser traçada, grosso modo, da cidade de Água Fria ao norte até Ilha de Itaparica ao sul. O terceiro cartograma representa, sozinho, a comarca de Ilheos.

Figura 1 – Primeiro mapa da Comarca da Bahia de Todos os Santos

Figura 1 – Primeiro mapa da Comarca da Bahia de Todos os Santos

13Em cada documento, uma escala representa também a distância de cinco léguas. A definição exata da légua evoluiu ao longo dos anos, desde que as unidades foram estabelecidas por D. Manuel I em 1495. No ano de 1852 em Portugal e de 1862 no Brasil, estas medidas foram abandonadas em favor do sistema métrico. Entre estas datas, o tamanho de uma légua pode depender do contexto. Entretanto, uma segunda unidade de medida está indicada nas margens de cada mapa. Elas indicam os graus divididos em 60 minutos. Assim, observamos que uma légua indicadas na escala equivale aproximadamente à 3 unidades das margens, correspondendo a uma escala apresentada em léguas de 20 ao grau.

Figura 2 – Segundo mapa da Comarca da Bahia de Todos os Santos

Figura 2 – Segundo mapa da Comarca da Bahia de Todos os Santos

14São representados um total de 302 locais distintos. A maioria é caracterizada apenas pelo topônimo, mas alguns são descritos com o seu estatuto legal. É o caso de 20 vilas e de uma freguesia; interessantemente, a própria cidade de Salvador não tem indicações (ver Tabela 3).

Figura 3 – Mapa da Comarca de Ilhéus

Figura 3 – Mapa da Comarca de Ilhéus

15Por sua vez, a simbologia, que permite entre outras a identificação da capital da Capitania, é dividida em 14 categorias. Os símbolos são geralmente construídos a partir de um círculo, no qual são anexados elementos gráficos na parte superior, como bandeiras ou cruzes, e nos lados (ver Tabela 1). Não há legenda explicativa. Considerando esta dificuldade, propomos uma classificação em tabela de 4x5 células que pode ser lida em 4 níveis horizontais ou em 5 níveis verticais. Cada símbolo, e cada nível, pode ser quantificado.

Tabela 1 – Classificação e quantificação dos símbolos

A

B

C

D

E

1

28

89

117

2

18

22

75

8

123

3

6

5

1

12

4

8

6

30

12

1

57

60

117

110

20

2

302

16O quadro representa uma progressão lógica na elaboração dos símbolos, partindo de um simples círculo, no qual são acrescentados detalhes. A haste pode ser representada vertical, quebrada ou em cruz. Pode também receber uma linha horizontal, um quadrado fechado com um ou dois anexos laterais.

17Alguns destes símbolos podem ser encontrados em outros trabalhos. O Guia de Caminhantes da Anastácio de Sant'Anna, já citado, recorre a alguns deles.

Tabela 2 – Simbologia no Guia de Caminhantes

E4

Arquebispados

D2

Vilas

C2

Arraiais

C4

Freguesias e Povoações

A4

Capelas

A1

Sítios

A3

Fortes e Destacamentos

18Se as particularidades de cada símbolo não são conhecidas, alguns elementos são constantes: reconhecemos o uso de uma cruz, no nível 4, para provavelmente definir estruturas religiosas, e o uso de uma bandeirola, no nível 3, para possíveis estruturas militares. Há também uma aparente progressão hierarquíca na leitura horizontal, e prováveis diferenças institucionais na leitura vertical, como no caso da cidade e sede do arquebispado em Salvador, e do morgado da Casa da Torre dos Garcia d'Ávila.

  • 1 Ver a Note de la rédaction em anexo

19Finalmente, os caminhos são indicados de duas formas: uma linha dupla e uma linha simples pontilhada, ambas também presentes no trabalho de Anastácio de Sant'Anna. Eles têm forte presença nos dois mapas da Comarca da Bahia de Todos os Santos, enquanto a Comarca de Ilhéus1, cujos locais são todos litorâneos ou ribeirinhos, não apresenta nenhum.

A questão da cronologia

Marcos gerais

20De forma geral, a denominação das comarcas no título dos mapas oferece a possibilidade de determinar com segurança um primeiro Terminus Post Quem (TPQ). O título do mapa de Ilhéus menciona que a Comarca é “pertencente à Capitania da Bahia de Todos os Santos”. Este fato ocorreu somente após a extinção da Capitania de Ilhéus, em 4 de março de 1761, com a ordem de D. José I para integrar as antigas capitanias de Ilhéus e Porto Seguro ao domínio da Coroa.

[...] a esta provisão acompanhou hum officio do Governo da Bahia ao sobredito Ouvidor que era Luiz Freire de Véras, em 30 de junho de 1762, para que tomasse effectiva posse da mesma com as solemnidades do estylo praticadas em direito, para que ficasse não só judicialmente estabelecida mas encorporada na Corôa a sobredita Capitania, fazendo-se os termos competentes no acto da mesma posse, nos livros das respectivas camaras e que de tudo desse conta ao Governo cuja posse effectuou o dito ministro para a Real Corôa em 29 de julho de 1762, em cujo tempo S. M. foi ervido crear em comarca a dita capitania, separando-a da comarca da Bahia e nomeando para primeiro Ouvidor della ao Desembargador Miguel de Arez Lobo de Carvalho, que no mesmo anno de 1762, tomou posse do lugar, ratificando a da Capitania para a Real Corôa (Anais, 1914, 36, p. 107).

21De acordo com a titulação utilizada para descrever os locais mapeados, portanto, os cartogramas devem ter sido realizados após esta data. Podemos ainda argumentar que, embora a incorporação tenha sido feita legalmente em 1761, ela foi efetivada no ano seguinte.

22Um segundo marco cronológico pode ser definido, com base na mesma nomenclatura, para a outra extremidade possível. Em 1821, 60 anos depois, o nome da Capitania foi novamente alterado para “Província da Bahia”, com a Independência do Brasil. Neste caso também, a efetivação da Independência ocorreu somente dois anos mais tarde, em 2 de julho de 1823. Esta data constitui então um Terminus Antes Quem (TAQ). Procuraremos, portanto, dentro dos documentos, outros elementos que possam refinar esta primeira cronologia.

Sistema de coordenadas

23Os três mapas utilizam um único sistema de coordenadas. Com a orientação dos mapas nas folhas, a latitude está indicada na borda inferior, enquanto a longitude aparece nas margens esquerda e direita. Indicam uma área que se estende entre 344° e 347°. Observamos que o cálculo era realizado com uma única medida de 360°, em sentido anti-horário, a partir do meridiano de referência.

24Com a ajuda das guias indicadas nas bordas dos mapas, estudamos as coordenadas indicadas nos mapas para a capital, Salvador, e os principais locais identificáveis: algumas vilas são repetidas em duas folhas, enquanto outras são hoje desconhecidas, como será detalhado mais adiante. Estes dados podem então ser comparados com as coordenadas atuais. A diferença deve indicar qual foi o meridiano utilizado para a confecção dos cartogramas. Em seguida, é possível avaliar o erro relativo na construção dos mapas.

25De início, notamos que a escala inscrita nas bordas é uma ajuda significativa, com a divisão do grau em 60 minutos. Entretanto, os símbolos utilizados nos mapas são de boa dimensão e a localização exata da longitude depende do local escolhido. Neste caso presente, definimos a coordenada a partir do meio da base horizontal do símbolo. Em seguida, ela foi transformada em graus decimais e comparada com informações obtidas no programa Google Earth. Aqui também, a escolha do local pode resultar em coordenadas diferentes. Na medida do possível, procuramos identificar a Praça da Matriz (Abrantes, Santo Amaro) ou a Casa da Câmara, quando esta for visível (Salvador, Cachoeira). As coordenadas atuais, baseadas no meridiano de Greenwich, foram então comparadas com os dados cartográficos.

Tabela 3 – Quadro comparativo das coordenadas

Cartograma

Vila

L mapa

L atual

Diferença

Salvador

Estância

346,7333333333

37,438044

24,1713773333

Abadia

346,8416666667

37,783184

24,6248506667

Torre d’Ávila

346,1583333333

38,030171

24,1885043333

Abrantes

345,9583333333

38,264729

24,2230623333

São Francisco

345,5000000000

38,679073

24,1790730000

Salvador

345,6583333333

38,512470

24,1708033333

Água Fria

345,3500000000

38,761571

24,1115710000

Santo Amaro

345,3833333333

38,709415

24,0927483333

Baia de Todos os Santos

Cachoeira

344,9333333333

38,962098

23,8954313333

Santo Amaro

344,3750000000

38,709415

23,0844150000

São Francisco

345,4833333333

38,679073

24,1624063333

Maragojipe

345,0416666667

38,919332

23,9609986667

Jaguaribe

345,1416666667

38,895912

24,0375786667

Água Fria

345,3583333333

38,761571

24,1199043333

Ilhéus

Cayru

345,0833333333

39,044037

24,1273703333

Ilheos

344,9833333333

39,033994

24,0173273333

Camamu

344,8750000000

39,102652

23,9776520000

Rio de Contas

345,1333333333

38,995694

24,1290273333

Olivenças

344,8250000000

39,014206

23,8392060000

Barcelos

344,9166666667

39,011299

23,9279656667

Marau

345,1083333333

39,016961

24,1252943333

26Analisamos desta maneira 18 locais, dos quais três foram repetidos em dois cartogramas (Água Fria, Santo Amaro e São Francisco aparecem tanto no mapa de Salvador como do interior). As coordenadas nos mapas apresentam uma média de 24,055555084 graus de diferença com as coordenadas atuais. Os valores extremas são da Vila de Santo Amaro no mapa do interior da Baia de Todos os Santos, com 23,084415 (mas tem uma diferença de 24,09274833 no mapa de Salvador), e da Vila da Abadia, atual Jandaira, com 24,62485067. As médias de cada cartograma são respectivamente de 23,87677890556 no mapa da Baia de Todos os Santos, 24,2202487917 no mapa de Salvador, e 24,020549 no mapa de Ilhéus. Indicam que o mesmo meridiano de referência foi utilizado, com uma variabilidade mais alta para o locais mais distantes do litoral. Este fenômeno pode ser explicado pelas dificuldades que há em realizar cálculos de triangulação em locais periféricos.

27De qualquer forma, estes valores correspondem, portanto, ao meridiano primário utilizado para a realização dos três cartogramas, cerca de 24º ao oeste de Greenwich. Duas alternativas se apresentam: o arquipélago dos Açores ou de Cabo Verde. Localizadas a 25º de longitude oeste, as Ilhas Afortunadas foram utilizadas como meridiano primário desde Ptolemeu, e continuaram em uso até a Idade Média. A grande diferença, de quase 1 grau, com os dados cartografados deixa esta possibilidade remota, sobretudo se consideramos a possibilidade alternativa.

28A definição de um meridiano primário na longitude das ilhas do Cabo Verde, por sua vez, está relacionada com o a Bula Inter Caetera, do Papa Alexandre VI, em 4 de maio de 1493, e com o Tratado de Trodesilhas, assinado em 7 de julho de 1494. Entretanto, ele é também atestado em diversos mapas seiscentistas: o Globo Verde de Quirini, datado entre 1513 e 1538, recorreu ao meridiano caboveridano, como também o mapa da África de Abraham Ortelius em 1571. No Brasil, casos mais raros são conhecidos no século XVIII, como o trabalho do Padre Cocleo (Cintra, Costa & Oliveira, 2013) e uma série de mapas da Capitania de Minas Gerais datando do final do século XVIII e do início do século XIX (Santos, Cintra e Renger, 2013). Estes autores identificam duas linhas de origem, a primeira passando pela ilha principal de São Domingos, em Praia, e a outra pela ilha mais ocidental, Santo Antão.

29Pela sua originalidade, a escolha de um meridiano caboverdiano propicia um contexto extremamente particular. A sua utilização em outros mapas datados, grosso modo, do mesmo período, indica também que não se trata de um trabalho isolado. Ao contrário, ele pode ser inserido no mesmo contexto de cartogramas realizados ao longo das negociações entre Espanha e Portugal na segunda metade do século XVIII.

30James Cortesão esclarece o impacto devastador de uma dissertação do geografo francês Guillaume de L’Isle, feita na Academia Real das Ciências de Paris em 1720, na qual recalculou a localização da linha de demarcação do Tratado de Tordesilhas, a partir do Cabo Verde, e encontrou uma ampla área atribuída erradamente a Portugal (Cortesão 1957, v1: 105). As negociações subsequentes dos Tratados de Madri (1750), São Idelfonso (1777) e Prado (1760 e 1778) definiram mais precisamente a fronteira entre Espanha e Portugal na América do Sul, restebelecendo o Cabo Verde como fonte de cálculo.

Tendo em vista o exposto, não é surpreendente a escolha da ilha em questão como referência para longitudes de origem, e, por extensão, nem a de Praia, por cartógrafos lusos ou brasileiros que serviam direta ou indiretamente à administração colonial. Ademais, a referência a Tordesilhas estava muito viva durante as negociações do Tratado de Madri, em 1750, uma data relativamente próxima das referentes à realização dos mapas em questão (Santos, Cintra e Renger, 2013: 18).

31Os marcos gerais introduzidos no início deste trabalho indicam um período de 60 anos, entre 1761 e 1821, durante o qual a nomenclatura dos mapas permaneceu em uso. Já a análise do sistema de coordenadas indica um meridiano muito específico, relacionado com um contexto de negociações e de legitimação da posse das terras portuguesas nas Américas. Entre os mapas de Minas Gerais que recorreram ao mesmo sistema, dois são anônimos do século XVIII (1767 e 1791-1798) e o outro é atribuído a Miranda e data do início do século XIX (1804).

32A escolha é peculiar também pela existência de uma alternativa sólida, existindo desde a década de 1730. Com a chegada dos padres matemáticos, os jesuítas Diogo Soares e Domingos Capassi, o observatório do Morro do Castelo, no Rio de Janeiro, se tornaria o ponto de referência para o mapeamento de novas áreas em Minas Gerais, entre 1732 e 1735, e no Rio Grande do Sul, em 1737 (Cortesão 1957, v2: 190). As coordenadas utilizadas no Guia do Caminhante de Anastácio de Sant’Anna apresentam uma terceira possibilidade: no mapa dedicado à visão geral da Capitania da Bahia (Carta 11), o meridiano primário passa simplesmente pela cidade de Salvador.

33A questão se torna mais importante quando comparamos esta informação com o documento de 1807 atribuído ao mesmo autor. Se os documentos são versões originais, ou idênticas, como proposto na nota dos Anais, eles deveriam apresentar o mesmo sistema de coordenadas. Entretanto, as coordenadas do mapa de 1807 tem uma única referência de longitude, localizada entre os povoados de Tamboatá e Boca da Catinga, quando a linha mais próxima no outro documento passa entre Saco do Moura e Serrinha. Há também uma variação no estabelecimento da latitude. A linha de 13º ao sul do Equador, por exemplo, passa muito mais ao sul da Ilha de Itaparica. E, no local onde passa esta linha no mapa anônimo, próximo da Penha, o autor desenhou uma linha vertical.

34O parentesco entre os dois documentos transparece, portanto, na instalação dos sistemas de coordenadas geográficas. Ao reproduzir as informações contidas nos mapas anônimos, o mapa de 1807 se apresenta necessariamente como produção posterior. Em consequência, a análise do sistema de coordenada permite também reduzir o intervalo de tempo durante o qual os três cartogramas devem ter sido realizados. Um novo TAQ pode ser instalado em 1807, e o período total reduzido de 60 para 46 anos.

Espacialidade

Vilas

35Não constam informações adicionais no título, nem texto explicativo sobre o porque ou o como da realização dos cartogramas. Restam apenas os dados relativos aos locais representados. Nesta etapa, procuramos verificar duas premissa: a inclusão de um local no mapa deveria significar que este foi posterior, mas a ausência de outro local não quer necessariamente dizer que o mapa lhe era anterior. Enquanto representação, todo mapa alude certas informações e insiste em outras.

36Observamos principalmente dois aspectos que oferecem um alto nível informativo. Primeiro, certos locais são indicados com um epiteto revelador: constam, por exemplo, vilas, freguesias, fortes ou aldeias. Como os dois primeiros são dados por lei, eles fornecem não somente um meio de reconstituir a legenda, como também a cronologia do mapa. Segundo, há uma grande simbologia, composta por 14 elementos, que é relativamente complexa por conta da ausência de legenda explicativa. Trataremos deste problema em detalhe mais adiante.

37Recorremos primeiro à identificação das principais vilas. Durante o período colonial, este estatuto podia ser concedido pelo donatário ou obtido por requerimento dos seus habitantes

A fundação ou “titulação” consistia sempre de alguns procedimentos fundamentais: demarcação do “termo” ou território municipal, arruamento do terreno, distribuição dos lotes assim obtidos aos moradores, edificação dos prédios de defesa e administração (forte, casa da câmara, cadeia, igreja, alfândega), nomeação dos oficiais para administração da justiça e convocação dos “homens bons” para eleger os vereadores (Cabral 2014: 221).

38Até a data do 4 de março de 1761, quando o Rei requereu a incorporação das capitanias hereditárias de Porto Seguro e Ilhéus aos bens da Coroa, são atestadas na área coberta pelos mapas 20 vilas. Já os mapas indicam um total de 17 locais, com algumas variações. Entre 1761 e 1807, houve a fundação de quatro novas vilas, duas das quais são indicadas. Finalmente, um último local é apontado no cartograma de Ilhéus como vila, sem nenhum registro na literatura.

Tabela 4 – As Vilas e suas datas de fundação

Nome original

Nome no mapa

Fundação

Vila de São Jorge dos Ilheús

Villa dos Ilheos

1535

Vila do Senhor da Vera Cruz

-

1560

Vila de Nossa Senhora do Rosário de Cairu

Villa do Cayru

1608

Vila Velha de Boipeda

-

1610

Vila de Nossa Senhora da Assunção de Camamú

Villa do Camamû

1623

Nossa Senhora do Rosário do Porto da Cachoeira

Villa da Caxoeira

1693

Nossa Senhora da Ajuda de Jaguaripe

Villa de Jaguaripe

1693

São Francisco da Barra de Sergipe do Conde

Villa de São Francisco

1697

Vila de Maragojipe

Villa de Maragojipe

1724

Nossa Senhora da Purificação e Santo Amaro

Villa de Santo Amaro

1727

Vila da Abadia

Villa de Abadia

1727

Vila de São João Batista de Água Fria

Villa de Água Fria

1727

Vila da Barra do Rio de Contas

Villa da Barra do Rio de Contas

1732

Vila de Estancia

Villa Estançia

1757

Vila de Nova Abrantes do Espírito Santo

Villa de Abrantes

1758

Vila de Santarem

Villa de Santarem he de indios

1758

Vila Nova de Olivença

Villa de Olivença

1758

Vila de Barcelos do Sul

Villa de Barcelos he de indios

1758

Vila de Almada

Villa da Armada he de indios

1758

Vila de Soure

-

1759

Villa de Maraú

Villa do Maraú

1761

Vila da Pedra Branca

-

1761

Vila de Nova Valença do Santíssimo Coração de Jesus

Villa de Una

1799

-

Villa Velha dos Indios

?

39O período entre 1757 e 1761 teve o maior número comprovado de elevação de povoados para o estatuto de vilas: Estância, Abrantes, Santarem, Barcelos, Olivença e Maraú. Entre estas, a Vila da Pedra Branca foi a mais recente fundada, em 28 de setembro de 1761. Ela deveria indicar a data a partir da qual as informações foram coletadas para a realização dos cartogramas, pouco de mais de três meses depois da ordem régia de março. Entretanto, a presença da Vila de Una, no local da Vila de Nova Valença, perturba este horizonte.

40A historiografia local da cidade de Valença considera geralmente que a elevação da cidade à condição de vila ocorreu em 1799 (embora outra corrente defendasse a data de 1789). O nome Una está relacionado com o rio que atravessa a cidade, e esteve presente na toponimia até a fundação da vila. A sua nomenclatura no mapa tende a indicar que as informações foram coletadas, obrigatoriamente, depois desta data. Assim sendo, deveriamos concluir que os mapas teriam sido realizados num período muito breve, entre 1799 e 1807.

41Apesar de sua riqueza, há uma série de outros elementos discordantes que devem nos levar a questionar a Vila de Una como marcador cronológico definitivo.

  1. Duas vilas antigas, fundadas nos séculos XVI e XVII, são aludidas dos cartogramas. A Vila Velha de Boipeda, fundada em 1610, não está claramente nomeada, embora haja uma Barra de Goypeba, ao lado de dois símbolos sem nomes. Na Comarca da Bahia de Todos os Santos, não está indicada a Vila do Senhor da Vera Cruz na Ilha de Itaparica, fundada em 1560, somente um povoado chamado Vera Cruz.

  2. A “Villa Velha dos Indios” é desconhecida nas fontes (Marcis 2013).

  3. Para a Vila de Almada, Mott (2010) expõe uma série de fontes que se referem a uma aldeia Guerém. Rego (2013: 130) indica que está indicada apenas na Relação de 1759. Em 1816 o relato do Príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied menciona a história de uma vila então abandonada, fundada cerca de 60 anos atrás (Wied-Neuwied apud Mott 2010: 209).

  4. A Vila da Pedra Branca foi fundada em 28 de setembro do ano de 1761. Felisbello Freire evoca também a criação da vila (1906: 168 – notas de rodapé), mas ela não está mencionada como tal no mapa, seja com nomenclatura ou com simbologia.

  5. Mais ao norte, a aldeia indígena de Natuba foi transformada em Vila de Soure em 7 de janeiro de 1759 (Rego 2013: 128), mas não está indicada. A única menção consiste em um lago com um curso d'água chamado “Rio da Natuba”. A localização ao extremo norte do mapa pode ter dificultado a representação do local.

42A elevação de povoados à condição de vilas oferece um instrumento interessante para a contextualização temporal dos mapas, mas é preciso considerar certo grau de erros e aproximações. Apesar de apresentarem um contexto relativamente homogêneo, posterior ao ano de 1761, os dados não fornecem respostas definitivas. Se a presença da Vila de Una é um dado a favor de uma datação muito posterior, a ausência de outros locais importantes deixa uma importante dúvida quanto ao valor real desta informação como testemunho cronológico.

Freguesias

43Uma segunda série de informações pode ser extraída das freguesias, muito mais numerosas que as vilas. Curiosamente, um único local está descrito nos mapas como freguesia; mesmo assim, ele pode ser aproveitado para propôr uma análise mais completa. A “freguesia de Nhambupe”, atual Inhambupe, é representada por um simbolo composto de três elementos: um círculo inserido dentro de um quadrado com uma cruz em cima.

44Para analisar este tipo de feição, dispomos também de dois outros documentos interessantes, ambos publicados na década de 1910 nos Anais da Biblioteca Nacional. O primeiro é uma “Lista das informações das diversas freguesias do Arcebispado da Bahia, enviadas pela Frota de 1757, em cumprimento dos Ordens regias expedidas pela Secretaria d'Estado do Ultramar, no anno de 1755” (ABN 1909, vol. 31, p. 178-179, nº2666 sqq.). Contém, além da lista, uma série de descrições mais ou menos minuciosas de cada uma das freguesias. Cabe observar, no entanto, que os documentos não contemplam a grande freguesia de Nossa Senhora do Rosário do Porto da Cachoeira que respondia por boa parte do território da Capitania, sobretudo no interior. O segundo documento é um “Mappa de todas as Freguezias, que pertencem ao Arcebispado da Bahia e sugeitos os seus habitantes no temporal ao governo da mesma Bahia, com a distincção das comarcas e villas a que pertencem, com o número de fogos e almas, para se saber a gente que se pôde tirar de cada uma dellas para o serviço de S. M., sem opressão dos povos. Bahia, 9 de janeiro de 1775” (ABN 1910, vol. 32, p. 289-290, nº8750). O termo “mappa” não se refere aqui a um mapa, e sim a uma lista ou planilha.

45Podemos, desta maneira, comparar estes documentos de 1757 e 1775 com todos os locais que apresentam uma simbologia semelhante à Freguesia de Nhambupe. O primeiro documento contempla 37 freguesias, incluindo naturalmente as vilas. Destas, 23 locais estão corretamente indicadas no mapa (10 como vilas, contando Salvador, e 13 como freguesias), 7 apresentam um símbolo diferente e/ou tem nome alterado. No total, sete freguesias simplesmente não aparecem: seis estão localizadas no centro da cidade de Salvador, mais São Pedro de Tararippe e Rio Fundo, no Recôncavo. Em regra geral, os locais apresentando simbologia ou nome diferente são localizados no entorno imediato da cidade de Salvador, onde poderiamos esperar informações mais precisas. O caso mais curioso corresponde à freguesia de Nossa Senhora da Encarnação do Passé, que foi indicada como “Jucaracango”. Esta palavra não é mencionada em nenhuma fonte, mas poderia ser uma corruptela da leitura do nome “Encarnação”. No sul, a Vila de Boipeba é mal indicada, enquanto Boaventura do Poxim é nomeada Poxy, com um símbolo diferente.

46Já o documento de 1775 descreve 50 locais, dos quais 43 são indicados nos mapas. 32 são corretos, e 11 tem um nome e/ou símbolo diferente. As mesmas sete freguesias do documento de 1757 continuam ausentes. No total, portanto, os dados correspondem por 81% ao documento de 1575 (62% corretamente indicados), e por 86% ao documento de 1775 (64% corretamente indicados). Para contextualizar melhor estes valores, precisamos estudar os casos onde houve algum tipo de erro.

47Interessa, neste aspecto, observar que seis locais ausentes correspondem às freguesias urbanas da cidade de Salvador. Podemos argumentar que a sua indicação num mapa desta escala seria particularmente complicada. Todavia, Brotas e Vitória foram representadas. Além destas, um único local no interior, a freguesia de São Pedro de Tararippe e Rio Fundo, não é mencionado. Entretanto, há também uma série de locais indicados nos mapas com o símbolo associado à Freguesia de Nhambupe, que não são descritos nos documentos do século XVIII. Alguns correspondem a freguesias criadas no século XIX, e outros são locais com uma função e uma origem completamente diferente.

48Há 14 locais indicados como freguesias e que não estão presentes nas duas listas analisadas. Todos estão localizados na Comarca da Bahia, sendo 9 na parte litorânea e 5 no interior. Podem ser classificados em dois grupos: por um lado, há locais que são conhecidos como freguesias, porém, em épocas diferentes, principalmente no século XIX; por outro lado, há locais que tiveram um perfil e/ou uma função diferente.

Tabela 5 – Freguesias posteriores e/ou inexistentes

Nome original

Nome no mapa

Referência

Sant'Anna do Catú

Santa Anna

Freguesia elevada em 1796

Cruz das Almas

Almas

Freguesia elevada em 1815

Alagoinhas

Lagoinhas

Freguesia elevada em 1816

Itapuam Grande

Itapoã

Freguesia elevada em 1849

Deus Menino de São Feliz

São Feliz

Freguesia elevada em 1857

Belém da Cachoeira

Belém

Colégio de Jesuítas em 1686

Feira de Capuame

Feira

Feira regional desde o sec. XVI

São Roque do Paraguaçu

São Roque

Engenho desde o sec. XVIII

Massarandupió

Massarandupió

Aldeamento indígena

Nossa Senhora da Conceição

Conceição

Capela (1757)

Nossa Senhora da Penha

Penha

Capela (1757)

São Lourenço

São Lourenço

Igreja e Forte desde o sec. XVII

Nossa Senhora da Esperança

Nossa Senhora da Esperança

Capela (1757)

São João

São João

Capela (1757)

49Novamente, as informações presentes no mapa não parecem corresponder ao contexto conhecido da época. Dos quatorze, cinco locais foram realmente freguesias criadas em data posterior à 1775. O caso mais compreensível é de Sant'Anna do Catu, em 1796, portanto, no período considerado para estes mapas. Entretanto, Cruz das Almas e Alagoinhas foram criadas respectivamente em 1815 e 1816, durante o período do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves (1815-1821), e as freguesias de Itapoã e São Félix são de época imperial, apontando para um período fora do TAQ de 1821, quando a Capitania da Bahia já era chamada de Província.

50Por outro lado, há também freguesias presentes no documento de 1775 e corretamente localizadas nos mapas, porém, com outros símbolos: Vitória, Matuim, Nossa Senhora do Monte, Boqueirão, São Gonçalo e Santo Amaro de Catu.

51Sintetizando, as informações relativas às vilas e às freguesias correspondem, grosso modo, ao período visado nesta pesquisa. Evidenciamos, todavia, um grande número de erros e aproximações. Elas indicam que a simbologia, principalmente a questão das freguesias, pode não corresponder ao esperado. Se uma função religiosa parece evidente por causa da presença de um símbolo dotado de uma cruz, resta uma série de possibilidades, por exemplo, arquiteturais, que não envolvem estatuto jurídico.

52Se não é possível reduzir a faixa cronológica durante a qual os documentos foram provavelmente elaborados, uma segunda abordagem deve nos permitir estudar a dimensão regional das suas informações.

Análise espacial

53Apesar das discordâncias, os três mapas contêm informações geográficas que, uma vez inseridas no seu contexto histórico, são testemunhas do avanço do povoamento no interior da capitania. Por esta razão, é justificada uma análise mais aprofundada dos dados nos seus aspectos de distribuição e de densidade espacial.

54Inserimos os mapas em um Sistema de Informações Geográficas (SIG) com o programa QGIS (http://www.qgis.org). Considerando a inexistência de um sistema de coordenadas reconhecido para o meridiano de Praia, ou mesmo Santo Antão, resolvemos recorrer às próprias informações contidas nos cartogramas. Embora os mapas assim georreferenciados não possam ser sobrepostos com camadas modernas, o método permite usufruir dos recursos de análise espacial oferecidos pelo programa.

55Observamos leves diferenças nas áreas marginais, comuns entre os mapas. Os casos mais eloquentes envolvem uma série de ilhas da Baia de Todos os Santos, como a Ilha do Medo e a Ilha dos Frades. A hidrografia e a localização dos povoados, por sua parte, sofreram alterações mínimas, inferiores a um minuto (Villa de Santo Amaro, Aldeia de São Fidely...).

56Com os três mapas reunidos e alinhados, localizamos a totalidade dos 309 pontos dos mapas em um arquivo shapefile único. Nos atributos das feições, inserimos também o tipo de símbolo presente nos documentos. Enfim, para desenvolver a questão da análise espacial, definimos uma malha com espaçamento de 0,1°, equivalendo a cerca de 11 quilometros. Desta maneira, a distribuição geral pode ser visualizada em um único cartograma. As maioria das instalações são concentradas na área da Bahia de Todos os Santos e do Rio Paraguaçu, com poucas instâncias ao norte e ao sul.

Figura 4 - Mapa de localização (esq.) e de densidade (dir.) de todos os locais de povoação representados nos mapas das comarcas da Bahia de Todos os Santos e dos Ilhéos.

Figura 4 - Mapa de localização (esq.) e de densidade (dir.) de todos os locais de povoação representados nos mapas das comarcas da Bahia de Todos os Santos e dos Ilhéos.

57Além disto, o uso de uma malha precisa nos permite analisar a densidade das instalações. A contagem das instâncias por quadrado da malha (um pouco superior a 120km²) revela que, se o litoral da Baia de Todos os Santos apresenta bem os principais pontos de povoamento, há dois focos de concentração com 6 estabelecimentos. O primeiro está na foz dos rio Subaé, ao redor da Vila de São Francisco, e a segunda na foz do rio Jaguaripe, ao norte da Vila epônima. Deve ser notado também o caso da península soteropolitana, que tem três quadrados com densidade de 5 estabelecimentos, e da região da Vila de Cachoeira, também com 5.

58Estas observações, mesmo com a arbitrariedade imposta pela malha, correspondem àquilo que poderia ser esperado para o período. De fato, a Comarca dos Ilhéos era menos povoada que a Baia de Todos os Santos. De acordo com o documento de 1775 (ABN 1910, vol. 32, p. 289-290, nº8750), ela tinha então uma população de aproximadamente 12.501 pessoas com 1.930 fogos. Esta média de 6,48 pessoas por fogo é igual àquela encontrada em Salvador (contando o subúrbio, 52.845 pessoas e 8.165 fogos), mas inferior às principais vilas do Recôncavo: São Francisco do Conde tinha 11.735 pessoas e 1.555 fogos (média de 7,55), Santo Amaro, cidade vizinha, tinha 14.310 pessoas e 1.850 fogos (média de 7,74) e Cachoeira tinha 26.980 pessoas e 3.297 fogos (média de 8,18).

59Recortando o shapefile por categoria de símbolos, podemos analisar os diversos níveis separadamente. Considerando as colunas, descartamos os níveis D e E que têm um número reduzido de ocorrências (sendo, respectivamente, as vilas, a capital e o morgado). Vemos assim que a densidade geral não é simplesmente copiada para cada símbolo. Os símbolos de nível A tem 60 ocorrências. Estão localizados na margem norte da baia, entre as Vilas de Santo Amaro e Cachoeira. As suas coordenadas médias (ou baricentro) são localizadas entre São Tiago do Iguape e São Domingos da Saubama. Num raio de 50 quilômetros ao redor deste ponto, são contabilizados 28 estabelecimento, ou pouco menos de 50% das ocorrências.

Figura 5 - Densidade dos locais indicados com símbolos de nível A (esq.), B (centro) e C (dir.).

Figura 5 - Densidade dos locais indicados com símbolos de nível A (esq.), B (centro) e C (dir.).

60O símbolos de nível B, com 117 instâncias, tem uma distribuição linear, orientada leste-oeste, seguindo aproximadamente o curso do Rio Paraguaçu, além da Vila de Nossa Senhora do Rosário do Porto da Cachoeira. Tem maior presença na região situada entre os rios Paraguaçu e Jacuípe, mais conhecida como a Serra do Orobó, cenário desolador da “Guerra dos Bárbaros” na segunda metade do século XVII (Puntoni 2002). As coordenadas médias são localizadas ao oeste da Vila de Maragojipe, e uma faixa de 50 km alcança 35 estabelecimentos, ou apenas 30% dos pontos.

Figura 6 - Localização e baricentro dos locais indicados com símbolos de nível A (esq.), B (centro) e C (dir.).

Figura 6 - Localização e baricentro dos locais indicados com símbolos de nível A (esq.), B (centro) e C (dir.).

61Finalmente, os símbolos de nível C tem 110 instâncias. Elas seguem o padrão geral e são concentradas na área do litoral imediato a Bahia de Todos os Santos. Existem locais situados fora desta região, mas são isolados. A sua implantação é de tipo nuclear, com coordenadas médias localizadas à pouca distância da ponta norte da Ilha de Itaparica. Um buffer de 50 quilômetros ao redor deste centro virtual engloba 57 locais, equivalendo a mais de 50% dos pontos.

Figura 7 - Densidade dos locais indicados com símbolos de nível 1 (esq.), 2 (centro) e 4 (dir.).

Figura 7 - Densidade dos locais indicados com símbolos de nível 1 (esq.), 2 (centro) e 4 (dir.).

62Alternativamente, analisamos os níveis horizontais. Desconsideramos o nível 3, que tem apenas 12 ocorrências, geralmente bem conhecidas e provavelmente de aspecto militar. Há 117 símbolos de nível 1, concentrados nos rios Jaguaripe, Paraguaçu e Jacuípe. As suas coordenadas médias são localizadas próximas à cidade de Muritiba, mas o buffer de 50km de raio alcança apenas 39 locais, ou 33% do total.

63Se comparamos com os 123 locais com símbolos de nível 2, há um padrão nitidamente diferente. Estes se concentram ao redor da baía, com coordenadas médias situadas entre a Ilha de Itaparica e o continente. O buffer permite contabilizar 66 locais, mais de 50%. O nível 4, enfim, tem 57 ocorrências, entre as quais a cidade de São Salvador. As coordenadas médias são localizadas no noroeste da baía, e 31 locais são situados à menos de 50km deste ponto, perto de 55%.

Figura 8 - Localização e baricentro dos locais indicados com símbolos de nível 1 (esq.), 2 (centro) e 4 (dir.).

Figura 8 - Localização e baricentro dos locais indicados com símbolos de nível 1 (esq.), 2 (centro) e 4 (dir.).

64Esta análise espacial da simbologia nos permite identificar fenômenos distintos. Em termos numéricos, o entorno da Baia de Todos os Santos permanece o núcleo indiscutível da ocupação colonial. A sua alta densidade aparece claramente nos cálculos de buffer com raio de 50km. Na maioria dos casos, esta faixa reuni mais da metade de todas as instalações representadas e está centralizada nas águas da própria baia. Entretanto, há duas leituras que fogem deste padrão: os estabelecimentos classificados na coluna B, e aqueles da linha 1.

65Cruzando estes dados, observamos que o principal símbolo, B1, tem 89 instâncias. Elas são geralmente localizadas ao longo do caminhos que partem das vilas, sobretudo, Cachoeira. Indicam, portanto, um tipo de povoação rural, isolada, situada à certos intervalos nas principais estradas ligando a Bahia de Todos os Santos e o interior. A sua toponímia é, de forma geral, relacionada à feições naturais (Serra, Boqueirão, Brejos) ou à espécies animais (Antas, Papagaio), e a proporção de nomes de santos cristãos é de menos de 10%. Comparativamente, o símbolo C2, segundo mais numeroso com 75 ocorrências, tem uma taxa de mais de 30% de nomes cristianizados. São também locais que podem ser alcançados pelos principais rios que cruzam o território da Capitania, e pelo litoral até os Ilhéos.

66Geograficamente, a cachoeira que deu o seu nome à Vila de Nossa Senhora do Rosário do Porto da Cachoeira oferece uma referência simbólica para o limite entre duas áreas distintas: a primeira, marítima e bem concentrada, e a segunda, instalada nos caminhos e mais difusa. Esta linha imaginária é também toponímico, com uma incidência maior de nomes de locais cristianizados na primeira do que na segunda.

Conclusão

67Os três mapas estudados oferecem uma perspectiva inedita sobre o território baiano. Eles apontam para um período da Capitania da Bahia no qual a interiorização toma progressivamente uma maior dimensão espacial, em direção às Vilas de Jacobina, do Urubú de Cima ou de Nossa Senhora do Livramento do Rio das Contas, e além delas, para as outras Capitanias. Esta expansão é representada por duas vias principais saindo em direção ao interior, também mencionadas nos relatos de viajantes: ao sul, sainda de Cachoeira e beirando o rio Paraguaçu, e ao norte, saindo de Água Fria. Mais de um século depois da Guerra do Orobó, a região situada entre Cachoeira e a Chapada Diamantina é povoada de uma série de núcleos humanos localizados a aproximadamente uma légua e meia de distância. Embora não saibamos exatamente o tipo de povoação, simples curral inabitado ou pequenos povoados de dezenas de famílias, alguns nomes remetem a eventos históricos conhecidos, como a reinstalação de índios Payayas nas imediações dos Campos da Cachoeira e das Porrorocas.

68Além da localização de cidades e povoados, os mapas indicam também a existência de uma importante rede de vias de comunicação no sertão. Se os relatórios de oficiais que viajaram de Salvador para as Minas no século XVIII apontam para estradas relativamente lineares, observamos aqui uma série de vias transversais, no sentido norte-sul, interligando o caminho do ouro fino, ao norte, e o caminho do ouro da boa pinta, ao sul. A primeira via sai de Cachoeira e passa por Santa Anna dos Olhos d’Água (atual Feira de Santana), indo para o norte. A segunda se estende do outro lado do rio Jacuípe, passando por Santo Estevão e Santa Anna do Camisão (atual Ipirá). A terceira, mais distante, interliga Boqueirão e Várzea Grande, atravessando o Rio do Peixe. Este tipo de vias não se explica dentro de um modelo clássico de escoamento da produção mineira ou pecuária, para o qual somente interessa entregar os produtos no seu porto final.

69De forma geral, as informações que podem ser obtidas dos documentos apontam que eles foram certamente realizados entre 1761 e 1807. Os poucos elementos que apontam para uma cronologia mais precisa levantam a questão da exatidão dos dados representados. A simbologia é pouco evidente e há lacunas importantes.

70Estes mapas anônimos retratam, portanto, uma fase de expansão do povoamento colonial no interior da Capitania da Bahia, que não é registrada em outros documentos do mesmo período. A lenta transição para o século XIX, logo após o período pombalino, aparece aqui como um momento de formação de uma nova paisagem, que não obedece cegamente a um modelo extrativista e exportador desenvolvido pela historiografia clássica.

Haut de page

Bibliographie

Andrade, A. B. A Espacialização da Rede Urbana no Recôncavo Baiano Setecentista à Luz da Cartografia História. In: Arquivos do Museu de Histórial Natural, 20 (1), 2011: 15-36.

Cabral, D. de C. Na Presença da Floresta: Mata Atlântica e História Colonial. Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

Cintra, J. P.; Costa, A. G.; Oliveira, R. H. O Mapa do Padre Cocleo: Uma Análise Cartográfica. In: V Simpósio Luso-Brasileiro de Cartografia Histórica. 2013.

Cortesão, J. História do Brasil nos Velhos Mapas. 2 volumes. Rio de Janeiro: Instituo Rio Branco, 1957.

Ferraz, S.; Barbosa, B. F. Sertão. Fronteira do Medo. Recife: EDUFPE, 2015.

Freire, F. Historia Territorial do Brazil. Volume 1. Rio de Janeiro: Jornal do Commercio, 1906.

Korzybski, A. Science and Sanity. An Introduction to Non-Aristotelian Systems and General Semantics. New York: Institute of General Semantics, 1995.

Marcis, T. Freguesias de índios na Capitania de Ilhéus: instituição e extinção da Freguesia de Nossa Senhora da Conceição dos índios Grens, 1759-1814. In: Especiaria – Cadernos de Ciências Humanas, 14 (25), 2013: 67-94.

Mott, L. Os Índios do Sul da Bahia: População, Economia e Sociedade (1740-1854). In: Mott, L. Bahia: Inquisição e sociedade. Salvador: Edufba, 2010: 193-293.

Neves, E. F.; Miguel, A. Caminhos do Sertão. Ocupação territorial, sistema viário e intercâmbios coloniais dos sertões da Bahia. Salvador: Arcadia, 2007.

Oliveira, Tiago Kramer. Cartografias do “Sertão”: os mapas sertanistas no discurso histórico de Jaime Cortesão e Sérgio Buarque de Holanda. In: Territórios & Fronteiras, 6 (2), 2013: 188-210.

Rego, A. de A., Núcleos Urbanos e Política Indigenista: o Caso das Vilas Indígenas na Província da Bahia (século XIX). In: Especiaria – Cadernos de Ciências Humanas, 14 (25), 2013: 117-140.

Santos, M.M.D., Cintra, J.P. E Renger, F.E. Origem das longitudes e precisão das coordenadas geográficas dos mapas de Minas Gerais no período 1767-1821. In: V Simpósio Brasileiro de Cartográfica Histórica, Anais. Petrópolis, 2013.

Anais da Biblioteca Nacional, 1881-1882, vol. 9, t. 1.

Anais da Biblioteca Nacional, 1909, vol. 31.

Anais da Biblioteca Nacional, 1910, vol. 32.

Anais da Biblioteca Nacional, 1914, vol. 36.

Mapa da Comarca da Bahia de Todos os Santos sua divisão desde o rio Jiquiriça athé o rio Real pela parte do Norte. Disponível em http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_cartografia/cart525818/cart525818.html (consulta em 15/01/2018)

Mapa da Comarca dos Ilheos. Disponível em http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_cartografia/cart525814.htm (consulta em 15/01/2018)

Mapa da Commarca da Bahia de Todos os Santos seguindo a continuação della para o poente. Disponível em http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_cartografia/cart249893/cart249893.html (consulta em 15/01/2018)

Haut de page

Annexe

Note de la rédaction

En ce qui concerne la carte de la comarca d’Ilhéus, notons que l’analyse proposée s’inscrit dans le renouveau remarquable de l'historiographie sur cette région du sud de Bahia, si importante dans la colonisation, et qui est trop longtemps restée un angle mort de l’historiographie. On peut citer, durant la période coloniale, les enquêtes classiques de Manoel Ferreira da Câmara (Ensaio de descrição fízica e econômica da comarca dos Ilheos na América, Lisboa, Na Oficina da Academia Real das Ciências, 1789, 47p.) et de Balthazar da Silva Lisboa (Memoria Topografica e Economica da Commarca dos Ilheos, Historia e memoria da Academia Real das Sciencias de Lisboa. Lisboa: Typografia da mesma Academia, tomo IX, 1825). 

Mais c’est lorsque le cacao devient un produit-roi de l’économie brésilienne (et qu’Ilhéus en est la capitale symbolique de ce moment qui s’étend des années 1880 jusqu’aux années 1930), que l’intérêt pour l’histoire coloniale de la capitainerie est attesté. Citons le travail de Silva Campos (Crônica da capitania de São Jorge dos Ilhéus, Rio de Janeiro, MEC, 1981 [1936]), sans oublier aussi les romans de Jorge Amado (São Jorge dos Ilhéus). Or, selon l’historien Marcelo Dias, la capitale du cacao a imposé une grille de lecture aux premières années d’Ilhéus (Marcelo Dias, Economia, sociedade e paisagens da capitania e comarca de Ilhéus no período colonial, Tese de doutoramento, Niterói, UFF, 2007, p.17-35). Celle-ci est relativement simple : après un temps de relative prospérité, la capitainerie d’Ilhéus n’a pas résisté aux nombreuses et répétées attaques indiennes qui l’ont, à partir des années 1560-70, fait entrer en décadence. Et cette décadence n’a pris fin qu’avec le cacao. Dans sa thèse de 2007, Marcelo Dias dénonce ainsi le « mythe de la dévastation de la capitainerie par les Aimorés », et la conséquente décadence : ce ne sont que des effets de lecture. D’une part les acteurs de l’époque grossissaient les effets des attaques pour obtenir plus de ressources des pouvoirs publics ; de l’autre côté, les observateurs ont longtemps été « aveuglés » par la prééminence du sucre, et ont oublié les produits susceptibles d’animer l’économie interne, à l’exemple de la farine de manioc. Un rejeton lointain de cette tradition peut encore être lu dans Carlos Roberto Arléo Barbosa, Notícia histórica de Ilhéus, Itabuna, éd. de l’auteur, 1994.

Il faut bien reconnaître qu’un renouveau de l’historiographie est en cours depuis le début des années 2000, tant pour la période coloniale que pour celle du XIXe siècle, le grand oublié de l’historiographie traditionnelle, et même de la période du cacao (à noter que la fondation de l’UESC n’est pas étrangère à cette situation). Citons quelques travaux publiés depuis le début des années 2000 : Antônio Fernando Guerreiro de Freitas, Maria Hilda Baqueiro Paraíso, Caminhos ao encontro do mundo. Ilhéus 1534-1940, Ilhéus, EDUSC, 2001; José Carlos Vinháes, São Jorge dos Ilhéus, da capitania ao fim do século XVIII, Ilhéus, EDUSC, 2001 ; Maria Hilda B. Paraíso. « Índios, aldeias e aldeamentos em Ilhéus (1532-1880) ». In: Anais do I Encontro Regional de História da ANPUH, BA. 2003; Marcelo Dias, Economia, sociedade e paisagens da capitania e comarca de Ilhéus no período colonial, Tese de doutoramento, Niterói, UFF, 2007; Teresinha Marcis, A integração dos índios como súditos do rei de Portugal: uma análise dos projetos, dos autores, e da implementação na capitania de Ilhéus, 1758-1822, tese de doutorado, UFBA, 2013 ; Laurent Vidal, « Considérations autour de la fondation de la vila São Jorge do rio dos Ilhéus », communication au colloque international : « les fondations de villes sur les littoraux américains : projets, expériences, adaptations » (La Rochelle, 7-9 novembre 2018).

Haut de page

Notes

1 Ver a Note de la rédaction em anexo

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Primeiro mapa da Comarca da Bahia de Todos os Santos
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17410/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 808k
Titre Figura 2 – Segundo mapa da Comarca da Bahia de Todos os Santos
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17410/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,0M
Titre Figura 3 – Mapa da Comarca de Ilhéus
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17410/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 736k
Titre Figura 4 - Mapa de localização (esq.) e de densidade (dir.) de todos os locais de povoação representados nos mapas das comarcas da Bahia de Todos os Santos e dos Ilhéos.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17410/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 640k
Titre Figura 5 - Densidade dos locais indicados com símbolos de nível A (esq.), B (centro) e C (dir.).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17410/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 528k
Titre Figura 6 - Localização e baricentro dos locais indicados com símbolos de nível A (esq.), B (centro) e C (dir.).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17410/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 540k
Titre Figura 7 - Densidade dos locais indicados com símbolos de nível 1 (esq.), 2 (centro) e 4 (dir.).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17410/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 532k
Titre Figura 8 - Localização e baricentro dos locais indicados com símbolos de nível 1 (esq.), 2 (centro) e 4 (dir.).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17410/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 537k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Grégoire van Havre, « Cartografia do interior bahiano. Uma análise de três mapas anônimos do século XVIII », Confins [En ligne], 39 | 2019, mis en ligne le 22 mars 2019, consulté le 04 décembre 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/17410 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.17410

Haut de page

Auteur

Grégoire van Havre

Universidade Federal do Piauí, gvanhavre@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search