Navigation – Plan du site

AccueilNuméros39Feira livre e reprodução campones...

Feira livre e reprodução camponesa no município de Irará/BA

Marché de rue et reproduction paysanne dans la municipalité d’Irará/BA
Free fair and peasant reproduction in the municipality of Irará / BA
Andréia Silva de Alcântara et Noeli Pertile

Résumés

Dans le processus historique de formation de la municipalité d`Irará les anciens esclaves qu'ils réorganisent leurs tactiques de résistance sur le champ à travers des différentes formes d'accès à la terre (squatters, partenaire, locataire, occupant et petit propriétaire) et il a donné lieu à l'existence des paysans d'aujourd'hui. C´est le contexte dans lequel il a été forgé dans la paysannerie d´Irará qui permet la continuité de la lutte et la préservation de la vie paysanne, exprimée par l'agriculture traditionnelle dans les diverses manifestations du savoir-faire de ce groupe social. Ainsi, une grande partie de la production agricole municipale est commercialisée à la foire libre de la municipalité d'Irará. Le marché est un oxygénateur de l'économie paysanne. C'est là que le paysan porte l'échange de biens produits par lui (de ce qui dépasse dans votre établissement) de l'argent avec d'autres produits clés à leur gagne-pain. La foire est aussi l'espace des relations de sociabilité, des manifestations culturelles et des loisirs. Le marché d`Irará juste libre démontre une diversité de produits, qui sont dérivés, pour la plupart, les communautés rurales d´Irará. La diversité de la production a démontré l'importance de l'agriculture paysanne dans l'approvisionnement du marché local. Par conséquent, le marché d’Irará est l'espace où l'économie locale se déplace, est l'endroit où le travail paysan matérialise l'achat et le commerce. C'est l'espace qui garantit la reproduction paysanne et, en même temps, tisse les liens entre les champs et la ville.

Haut de page

Texte intégral

1O campesinato compõe uma classe social heterogênea, condição que permite entendê-lo enquanto uma unidade de classe marcada pela diversidade sócio-cultural e política dos sujeitos do campo. Esta classe se manifesta no enfrentamento ao modelo de desenvolvimento proposto para o campo brasileiro, baseado na concentração fundiária e na agroexpotação.

2O município de Irará possui uma população de aproximadamente 27 mil habitantes, dos quais 11 mil habitam na zona urbana e 16 mil na zona rural. Ou seja, a maior parte da população se encontra na zona rural do município.

3A agricultura camponesa é expressiva no município. Os camponeses têm conseguindo produzir, mesmo que em pequena quantidade, para auto sustento e tem gerado o excedente em quantidade necessária à sua sobrevivência. Grande parte da produção agropecuária é comercializada na feira livre do município de Irará. O espaço da feira livre garante a reprodução camponesa, pois possibilita a dinâmica da economia local, é onde o trabalho do camponês se materializa em moeda de compra e troca. E ao mesmo tempo, tece as relações entre o campo e a cidade.

4Nesse sentido, o objetivo geral desse trabalho é analisar a formação e as principais características do campesinato no município de Irará, sua reprodução e manifestações socioeconômica, política e cultural através da feira livre municipal.

5A metodologia utilizada para compreensão da realidade do espaço rural do município de Irará é a análise de dados secundários e dados primários com o respaldo na pesquisa empírica e em fundamentos teóricos críticos. Os procedimentos metodológicos incluíram visitas com entrevistas junto aos diferentes agentes que interferem na produção do espaço geográfico e aplicação de questionários.

O campesinato no município de Irará/BA

6A formação do campesinato no município de Irará, não destoa do processo histórico brasileiro. Fatores como a mão de obra escrava, formação dos latifúndios através das concessões de sesmarias, pecuária extensiva, produção do fumo e de alimentos de subsistência (mandioca, milho, feijão) consolidaram a estruturação do espaço agrário do município de Irará. O município também foi refúgio de escravos fugidos e alforriados não só da região do Recôncavo, mas também de Salvador e dos municípios do sertão baiano, principalmente Feira de Santana, regiões onde o trabalho escravo, em grande escala, predominou até meados do século XIX.

7A existência dos camponeses em Irará esteve relacionada ao processo histórico de formação do território. Este é o contexto em que foi forjado o campesinato em Irará, e que permite a continuidade da luta e a preservação do modo de vida camponês, expresso por meio da agricultura tradicional nas diversas manifestações do saber fazer desse grupo social.

8Os saberes herdados, inerentes da diversidade cultural dos camponeses de Irará, se revelam na diversidade da produção agropecuária e nas suas relações socioculturais.

9A classificação estabelecida pelo INCRA, referente ao tamanho da propriedade, é insuficiente para retratar a realidade vivenciada pela população do município de Irará, em relação ao acesso a terra. A maior parte da população rural (67,5%) vive com menos que dois hectares, e outra parte significativa dos estabelecimentos (31%) ocupa área com menos de 50 hectares, ou seja, valor relativamente próximo a um módulo fiscal que para o município de Irará é de 30 hectares (INCRA, 1997). Apesar de o município congregar a maior parte da população na zona rural e de não predominar as grandes propriedades, a estrutura fundiária ainda é concentrada e evidência contradições socioeconômicas.

10Em Irará os pequenos estabelecimentos se multiplicam através do fracionamento da terra, resultante do processo de reprodução do camponês, onde o patriarca ou a matriarca da família divide o pequeno lote de terra entre os filhos, já que estes não possuem condições econômicas que lhes possibilitem acesso a terra via compra.

11Em observações de campo no município de Irará, é possível verificar in loco a subdivisão da pequena unidade camponesa a partir da existência de três ou mais casas em um mesmo lote de terra os chamados “puxadinhos”. Ocorrem com frequência quando os filhos constroem suas próprias famílias e sem condição financeira para adquirir seu próprio lote, constroem suas casas no mesmo lote dos seus pais.

12Assim, a permissão do proprietário da unidade camponesa em ceder parte de sua propriedade para construção de outras casas (para os filhos) funciona como uma estratégia da família em manter sua prole no campo em condição de camponês. Ou seja, é uma estratégia de reprodução camponesa.

13Moreira (2000) já discutia que a pequena produção familiar foi historicamente formada pela ideologia de subsistência. Com o fim da escravidão parte dos “ex-escravos” sem moradia, permaneciam nas fazendas na condição de arrendatários, nas áreas periféricas “fundo do quintal” dando como troca pelo uso da terra, sua própria força de trabalho.

14No município de Irará o camponês não foi separado totalmente do meio de produção, porém, a dimensão de terra não garante sua reprodução. Ou seja, é necessário que o camponês, além de cultivar na terra, venda sua força de trabalho como complemento da renda familiar. As parcelas de terra ocupadas pelos camponeses são tão pequenas que são insuficientes para garantir que o camponês sobreviva apenas da produção agropecuária. Oliveira (1987), considera que “o capital tem atuado, contraditoriamente, no sentido de criar e recriar as condições para o desenvolvimento da agricultura camponesa, sujeitando, portanto, a renda da terra ao capital” (OLIVEIRA, 1987, p. 54).

15Nota-se que no espaço rural em Irará, de um lado o predomínio de uma população vivendo um processo de fracionamento da terra de herança e com dificuldades em adquirir novos lotes, ou mesmo produzindo em condições que limita a sobrevivência da família. E de outro lado, um processo de concentração das terras; levando muitos agricultores a submeterem sua força de trabalho total ou parcial ao assalariamento e a migrar para a cidade em busca de meios que garantam sua reprodução. Assim, concordamos com Thomas Junior (2002), que a questão agrária no Brasil tem na estrutura fundiária ou mais precisamente, na concentração da propriedade da terra, o resultado das desigualdades geradas pelo sistema metabólico do capital.

16Entendemos por campesinato a classe social formada por camponeses em que as famílias, tendo acesso a terra e aos recursos naturais que esta suporta, resolvem seus problemas reprodutivos a partir da produção rural – extrativa, agrícola e não-agrícola, realizada de tal modo que não se diferencia o universo dos que decidem sobre a alocação do trabalho, dos que sobrevivem com o resultado dessa alocação (COSTA, 2008). Segundo Porto e Siqueira (1997), o conceito de campesinato guarda as características históricas de grupos sociais, lógica e especificidade de funcionamento e de organização da unidade produtiva, caráter familiar do trabalho, leis de movimento da chamada economia camponesa, entre outros.

17Em relação às origens do campesinato, Porto e Siqueira (1997), apontam que todos os trabalhadores rurais que possuíam pequenas dimensões de terras ou que estavam na condição parceiros, foreiros, arrendatários, moradores, sitiantes, ocupantes etc. eram denominados camponeses. Nesse sentido, o conceito de campesinato associava-se, sobretudo a um conteúdo político e ideológico em oposição ao latifúndio.

18A formação do campesinato no Brasil é marcada pela intensa mobilidade espacial e pela negação do acesso a terra. Assim, o campesinato fez com que a luta para entrar na terra, tenha sido o registro de sua diferenciação em relação ao campesinato de origem feudal (THOMAS JUNIOR, 2002).

19Desse modo, “sem o apoio de uma compreensão crítica da economia capitalista, nada podemos dizer sobre uma economia camponesa que reproduz submetida à lógica do capital global” (VERGÉS, 2011, p.1). Nesse sentido, a produção camponesa é produto da reprodução do capitalismo e está submetida à valorização do capital.

20As ideias de Vergés (2011), complementam o pensamento de Thomaz Júnior (2002) quando o mesmo apresentou que as investigações dos desdobramentos territoriais e as reestruturações produtivas do capital no campo, têm sido ações do Estado. Tais ações geraram desdobramentos para a classe trabalhadora através das intensificações da mecanização, política de desenvolvimento rural, negando a reforma agrária, novas formas de gestão e controle do trabalho pelo capital, políticas públicas para a agricultura, novas formas de contratação e de pagamento.

21Desse modo, mediado por subordinação, exploração e resistência, os camponeses vão reelaborando estratégias de reprodução da vida. E, neste sentido, Vergés (2011), ao tratar dos camponeses mexicanos, os coloca na condição de diversificados, obrigatoriamente inquietos e que permanecem, sobretudo, por seu modo de transformar; identificados em valores e projetos implícitos em suas múltiplas e complexas estratégias de sobrevivência. Apesar de Vergés tratar do campesinato mexicano em suas transformações mediante o sistema do capital, as reflexões que realiza, ajudam também a compreender o campesianto no Brasil.

A feira livre do município de Irará/Ba

A feira livre do município de Irará é um dos patrimônios históricos do município. Mesmo não tendo registro de quando se iniciou a construção da feira livre, é possível inferir através do processo histórico da formação do município que sua construção se funde com o processo de construção do campesinato no município de Irará.

22Na análise de Pinho (2008)

Iniciando pelo intermitente de Irará, coronel Elpídio Nogueira, o Mercado Municipal de Irará teve sua primeira cobertura montada sobre dois pilares que em 1924 vieram a baixo [...] em 1932, Irará esteve em festa com a inauguração do mercado. Foi um dia de alegria e os feirantes, que ficavam em torno da igreja, foram deslocados para dentro do mercado (PINHO, 2008, p.25,26).

23Seguindo a linha de análise de Pinho (2008), é possível perceber que antes mesmo da construção do Mercado Municipal de Irará já existia a feira livre que se localizava nas proximidades da Igreja Nossa Senhora da Purificação dos Campos.

24A feira livre do município de Irará configura-se como instrumento oxigenador da economia camponesa. É onde o camponês exerce a troca (Mercadoria-Dinheiro-Mercadoria) do que excede em seu estabelecimento por dinheiro para comprar outros produtos fundamentais a sua subsistência. A feira também é o espaço das relações de sociabilidade, das manifestações culturais e do lazer.

25Na feira livre as relações de trabalho se apresentam em torno da comercialização dos produtos da agricultura camponesa e também no comércio dos diversos produtos. Ocorrendo, ainda que de maneira aleatória uma divisão sócio espacial do trabalho.

26A feira livre do município de Irará atende ao público no âmbito municipal e intermunicipal (Ouriçangas, Pedrão, Coração de Maria, Santanópolis e Agua Fria), onde feirantes comercializam e consomem produtos diversos.

27O emprego no circuito inferior, raramente é permanente, e sua remuneração é a baixo do salário mínimo. O contrato frequentemente assume a forma de um acordo pessoal entre o dono do produto e o ajudante, na maioria das vezes o ajudante é um membro da família. A média de ocupados por unidade de produção é baixa, mas em compensação o número geral de pessoas ocupadas é considerável (SANTOS, 2004).

28O trabalho na feira livre do município de Irará é dividido na maioria das vezes entre os membros da família. Dessa forma, 58% do total de 24 entrevistados relataram que trabalham com a ajuda da família, já 25% dos entrevistados trabalham sozinhos e 17% trabalham com ajudante (funcionários).

29Os produtos da feira livre variam de acordo com a oferta e procura. Os feirantes do município de Irará exercem atividades diversas que são complementares da renda familiar. Ou seja, a maior parte deles são agricultores, mas que também exercem atividades de comerciantes, prestadores de serviços gerais entre outras.

30Em relação à renda dos trabalhadores obtida na feira livre do município de Irará 100% dos entrevistados relataram que a renda é gerada semanalmente e é menor que um salário mínimo. Esse fato justifica a diversidade de produtos que o camponês consegue cultivar em seus estabelecimentos, visando garantir a alimentação da família e parte desses produtos é comercializada na feira livre, pois a renda gerada com a comercialização dos produtos é um complemento para o sustento familiar.

Organização sócio espacial da feira livre

31A feira livre do município de Irará é subdividida por setores independentes mas que se complementam na oferta de produtos alimentícios, ornamentação e confecções. Cada setor da feira oferece um tipo de produto.

32Dessa forma, a feira livre de Irará ocupa as ruas com sua beleza peculiar nos dias de sábados. Pela manhã, a cidade de Irará recebe uma quantidade significativa de transeuntes. A Praça da Purificação dos Campos que nos demais dias da semana possui fluxo reduzido, no sábado amanhece repleta de pessoas de diferentes idades. Na feira livre se comercializa produtos dos diversos segmentos a exemplo de hortaliças, verduras, frutas, farinha de mandioca, bolachinha da goma, beiju, tapioca, animais vivos, carne, utensílios domésticos, entre outros. A feira livre também oferece locais para lanches rápidos.

33A feira livre demarca um recorte espacial que compreende as seguintes ruas: Mangabeira, Manoel Julião, Campos Martins, Pedro Lima, Epídio Nogueira, Pompílio Santana, Emídio Timóteo da Silva e a Moreira Rêgo, além da Travessa Armando Coelho (Figura1).

34A Praça da Purificação dos Campos se configura como o principal setor da feira. Este ponto representa a história vivida e contata pelos camponeses de Irará, de um tempo passado e de um tempo presente que carrega em si a força e a esperança da ancestralidade dos camponeses de Irará. É na Praça da Purificação dos Campos que se encontra a maior diversidade de produtos que advêm da zona rural do município de Irará e dos municípios de Feira de Santana, Juazeiro, Ouriçangas Santanópolis e Água Fria. Os produtos são de origem camponesa, da agricultura comercial, confecções, bomboniere e artefatos diversos.

35Nas proximidades da Praça da Purificação dos Campos, se encontra o Mercado Municipal de Irará que se configura como o segundo maior setor da feira livre, onde é possível encontrar uma diversidade significativa de produtos da agricultura camponesa já na entrada principal. Adentrando o Mercado Municipal de Irará encontramos uma diversidade de produtos considerados principais: beiju, farinha de mandioca, feijão e o milho. Em outa área do mercado está os artefatos de couro, produtos da agricultura comercial entre outros. E no segundo piso estão localizados os bares.

36Na Praça Dois de Julho localizada na rua Pedro Lima, está o terceiro setor da feira livre, tendo como produtos principais o artesanato com artefatos como utensílios de cerâmica, esteiras, cestos, chapéus de palha, chicotes (Fotos 1 e foto 2).

37Na Rua Mangabeira se encontra o quarto setor da feira, o centro de abastecimento, onde são comercializados animais vivos e também abatidos (carne de bode, carneiro, gado bovino e galinha caipira). Outros produtos também são comercializados ali, como utensílios de diversas ordens, já usados (ferramentas agropecuárias, peças para automóveis, entre outros). Ali também se encontra produtos da agricultura comercial como verduras e frutas.

Quem trabalha na feira livre

38A feira livre do município de Irará configura-se em um espaço onde a manifestação de pertencimento é latente. Ali se manifestam relações socioculturais e históricas que fazem do trabalho condição primordiais para a reprodução camponesa. O trabalho na feira livre é uma herança familiar; onde se encontram histórias de gerações. É o espaço vivido e habitado por indivíduos que carregam consigo a identidade camponesa.

39Dentre as múltiplas dimensões da feira livre destacamos aqui o espaço do trabalho. É na feira livre que o camponês exerce a troca de seu produto pelo dinheiro e, com ele adquire outros produtos de que necessita para sua subsistência. Assim, a feira livre é um espaço de intergeracional, ou seja, os camponeses que trabalham na feira livre estão na faixa etária de 17 a 85 anos. Destes, 22% do total (41) dos comerciantes possui idade entre 17 e 29 anos, 56% dos comerciantes estão entre 30 e 58 anos e 20% estão entre os 60 e 85 anos de idade.

40Com relação à escolaridade 7% do total dos comerciantes (41) da feira livre entrevistados não são alfabetizados; 48% dos comerciantes possui o ensino fundamental 1; 4% dos comerciantes possui o ensino fundamental 2 e apenas 24% dos comerciantes possui o ensino médio.

41Percebe-se que os camponeses iniciam o trabalho na feira ainda jovem e, parte deles, permanece nas atividades de comercialização mesmo quando idosos e assistidos pela previdência social. Dessa forma, estar na feira livre é uma condição que vai além das relações de trabalho, é imbricar-se nas relações socioculturais. Em relação a anos de permanência nesse seguimento de trabalho 8% do total (41) comerciantes trabalham na feira livre entre 6 meses e 3 anos. Outros 28% dos comerciantes trabalham na feira livre entre 2 a 10 anos. E outra parte dos comerciantes (26%) trabalha na feira livre já entre 11 e 20 anos. Outros 13% de feirantes possuem entre 24 a 40 anos de trabalho na feira livre. Contudo, existem comerciantes (13%) que já estar no seguimento a mais de 40 anos trabalhando na feira livre do município de Irará.

42Assim, concordamos com Santos (2005), quando o mesmo afirma que “[...] Conhecemos o espaço tal como ele é, soma de coisas naturais e de coisas ‘fabricadas’ e síntese dialética dessas duas séries de coisas, movida pela própria produção, isto é, pelo homem e sua história” (SANTOS, 2005, p.129). Ou ainda, a contribuição de Moreira (2009), que nos apresenta o espaço como síntese histórica do trabalho humano, ou seja, o homem produz sua existência produzindo o espaço.

43Dessa forma, a feira livre de Irará configura-se como um espaço onde se manifestam relações dialéticas entre o campo e a cidade, tecidas por fatores culturais, políticos, econômicos e sociais.

Como ocorre a comercialização dos produtos da agropecuária na feira livre

44Os produtos da agricultura comercial encontrados na feira livre do município de Irará são, em maior parte, oriundos do centro de abastecimento do município de Feira de Santana e do município de Juazeiro. Assim, os produtos trazidos desses municípios são: cebola, alho, pimentão, beterraba, pepino, abobora tomate, uva, maçã, pera, goiaba, manga, graviola, maracujá, mamão, melancia, batata inglesa.

45Já os produtos oriundos de Irará são os seguintes: beiju, farinha de tapioca, feijão verde de diversas espécies como mangalô, feijão de corda, andu, costela de vaca, feijão fradinho, feijão preto, entre outros; castanha de caju, bata doce, abóbora, banana, pimenta de diversas espécies como a pimenta de cheiro, pimenta malagueta, dedo de moça; hortaliças como o manjericão, alface, coentro, hortelã miúdo, hortelã grosso, rúcula, salsa, cebolinha, brócolis, jiló, espinafre mostarda, quiabo entre outros; ovos de galinha caipira, entre outros produtos.

46Dessa forma percebe-se que é na agricultura camponesa que está a maior diversidade de produtos comercializados na feira livre. Concordamos com Silva e Queda (1979), quando em sua análise eles concluem que “a produção camponesa é

47extremamente dispersa e cada unidade contribui com uma pequena parcela do necessário para estabelecer um núcleo urbano” (SILVA E QUEDA, 1979 p.141).

48A feira livre de Irará demonstra uma grande diversidade de produtos. Esses produtos são oriundos, em sua maior parte, das comunidades rurais do município de Irará (Quadro 1).

QUADRO 1: IRARÁ/BA – Comercialização de produtos da agropecuária na Feira livre

Origem

Produtos vendidos na feira

Comunidades de Irará

Mangabeira

carne de porco e carne de carneiro, carne bovina, farinha de mandioca

Preguiça

beiju

Manã

bolachinha de goma, beiju

Candea

bolachinha de goma, beiju, goma, tapioca, massa de aipim

Baixinha

feijão, andu, ovos, quiabo, coentro, maxixe, coco, ovos, mangalô, quiabo, jiló, laranja, hortaliça, tangerina, farinha de mandioca

Juazeiro

hortaliça, feijão, verduras

Santo Antonio

coentro, tomate, batatinha, pimentão, farinha, feijão e milho

Boca de Várzea

coentro, alface, cebolinha, cenoura, mandioca

Várzea

mandioca, aipim, feijão de corda, couve, batata doce, jaca, caju, laranja, cajá, tamarindo, acerola, seriguela, coco, ovos de codorna, farinha de mandioca e milho

Murici

batata doce, feijão, milho, caju, coco, ovos de quintal, tomate, pimenta, feijão de corda, mangalô, língua de vaca, limão

Gameleira

batata, mangalô, andu, ovos

Pedra Branca

batata doce

Lessa

quiabo, pimentão, feijão de corda, laranja, limão, lima, abobora, bode, cabra e farinha de mandioca

Tapera Melão

pimentão, cenoura, alho, repolho, pepino, couve, chuchu, tomate, coentro, salsa, cebolinha, beiju, farinha de tapioca, farinha de mandioca, pé de moleque, farinha, feijão, castanha, galinha caipira, amendoim, batata doce, milho, mandioca, abobora, goma fresca, beiju molhado

Mombaça

farinha de mandioca, feijão, milho

Sobradinho

beiju, tapioca, goma

Saco do capim

beiju de tapioca, massa de carimã, massa de tapioca

alface, cenoura, tomate, chuchu, batata, cebola

Rosário

farinha de mandioca, milho e feijão

Buril

farinha de mandioca

Brotas

chapel de palha, cangaia de cipó, corda sisal, esteira, sacola de palha

farinha de mandioca e feijão

Caboranga

utencílios de argila

Sede

sandália de couro

Açougue velho

chapel de palha, muringa de argila

Caroba

chapel de palha, cangaia de cipó, corda de sisal, esteira de palha, peneira de palha. farinha de mandioca

Outros municípios da Bahia

Coração de Maria

feijão e milho

Santo Amaro

banana, aipim

Satanopolis

farinha de mandioca, feijão e milho, coentro, alface, tomate

Juazeiro

verduras

Oriçangas

ovos, limão, quiabo, andú, jiló, lima, jenipapo, coentro, couve, alface, beringela, pimenta malagueta, pimenta de cheiro, tomate japonês, repolho, couve, salsa, cebolinha, mustarda, brócoles, espinafre, hotelã miudo, hortelã grosso, rúcula, mustarda, banana, farinha de mandioca

Água Fria

mandioca, feijão, milho, batata doce e maracujá

carne de galinha caipira, carne de porco, carne de gado, farinha de mandioca, feijão

Feira de Santana

cebola, alho, uva, maçã, pêra, goiaba, manga, pimentão, tomate, batatinha, graviola, maracujá, mamão, melancia, beterraba, pepino, abobora

Conceição do Jacuipe

carne de porco defumada

Fonte: Organizado pelas autoras, com base em trabalho de campo com a turma do segundo ano do ensino médio em técnico agropecuário da Escola Familiar Agrícola dos Municípios Integrados da Região de Irará (EFAMI), Junho de 2016.

49Observa-se no quadro 1, que os produtos da agricultura camponesa comercializados na feira livre têm origem nas diversas comunidades rurais do município de Irará. É percebido também que cada comunidade leva para a feira livre um tipo de produto característico, ou seja, o produto que se configura como base econômica da comunidade.

50Nesse sentido, a definição do produto que será a base econômica da comunidade está relacionada a múltiplos fatores como a cultura local, o clima, o tipo de solo, o acesso à água entre outros. Dessa forma, na feira livre, também é possível identificar o perfil produtivo das comunidades rurais, sobretudo do município de Irará.

51Na feira livre de Irará o armazenamento da mercadoria configura-se como um dos problemas enfrentados pelos comerciantes. A maior parte dos produtos comercializados na feira livre é perecível, e por isso a não comercialização desses produtos durante a feira remete a perca dos produtos. O município não garante o armazenamento dos produtos, o que torna ainda mais vulnerável a condição de camponês comerciante, pois eles são responsáveis pela perca de seus produtos.

52Outro fator também de relevância e que garante a feira livre do município de irará é o transporte. Esse serviço também não é disponibilizado pela prefeitura. Assim, muitos camponeses são privados de participarem da feira livre por não terem acesso (condição financeira) ao transporte particular. Dessa forma, faz necessário que o poder público garanta serviços básicos como infraestrutura para o armazenamento de produtos perecíveis e não perecíveis, transporte e alimentação para os comerciantes; garantindo condições para que a feira de Irará permaneça atuante com toda a diversidade sociocultural que nela se manifesta.

53É relevante destacar que a comercialização dos produtos da agricultura camponesa na feira livre segue o calendário sazonal. Neste caso, a oferta e a diversidade de produtos oscilam durante o ano. O período de chuva e os períodos longos de estiágem interferem diretamente na produção agropecuária e consequentimente na oferta e diversidade de produtos da feira livre.

54Segundo Moreira (2009).

Em qualquer forma de sociedade, o processo do trabalho é a transformação da natureza em produtos úteis aos homens. Produzem-se meios de subsistência e meios de produção que se destinam a reproduzir homens vivos. Parte da produção é destinada ao consumo humano e parte é reintroduzida no ciclo produtivo seguinte (MOREIRA, 2009 p. 72).

55No município de Irará a maior parte dos estabelecimentos camponeses o produto final é o resultado de um processo maior de relações socioculturais, econômicas e ambientais tecidas na unidade camponesa. O produto que chega na feira livre para ser comercializado é o resultado do trabalho que se torna alienado quando é comercializado a um preço a baixo do custo de produção.

56Na feira livre a relação contida entre o trabalhador e a materialidade do trabalho está na garantia da reprodução do trabalhador e não na acumulação de riqueza que conforme Santos (2004), “trata-se antes de tudo, de sobreviver e assegurar a vida cotidiana da família, bem como tomar parte, na medida do possível de certas formas de consumo particulares” (SANTOS, 2004, p. 46).

57O preço do produto na feira livre do município de Irará é flexível e depende muito das condições de produção, dos insumos utilizados, do tipo do manejo (instrumentos técnicos ou artesanais) e o tipo de transporte. Porém, o fator preponderante é a demanda local.

58A feira livre também é ponto de encontro de pessoas com diferentes idades e ideologias que se encontram, seja para trabalhar, adquirir um produto e/ou serviço, ou simplesmente para rever amigos.

59Como já antecipado, os produtos comercializados na feira, em grande parte, são in natura. Esses produtos têm sido substituídos gradativamente, por produtos industrializados.

60O desenvolvimento de novas formas de processamento da agroindústria resultou na oferta crescente e diferenciada de alimentos processados industrialmente (leite em pó, doces, massas, farinhas, enlatados diversos, congelados, comidas prontas, embutidos, geleias, sucos, iogurtes, entre outros). A oferta desses produtos pelas grandes empresas contribuiu para a mudança dos hábitos, práticas e gostos das famílias. Essa mudança de hábito gera uma desvalorização/rejeição dos produtos in natura com relação aos produtos industrializados (GONÇALVES, 2009). Nesse sentido, a feira livre configura-se como uma fuga do mercado de produtos industrializados e apresenta uma diversidade de produtos in natura perecíveis que são comercializados diretamente pelo produtor.

61Outros dados coletados em campo referem-se à origem dos consumidores da feira livre do município de Irará. Assim, dos 26 consumidores entrevistados 11,5% são citadinos dos municípios de Feira de Santana, Santanópolis e Coração de Maria e 50% dos consumidores citadinos são moradores de Irará. Em relação aos consumidores que residem na zana rural 7,5% dos consumidores são residentes dos municípios de Santanópolis e Ouriçangas; outros 31% dos consumidores são residentes da zona rural do município de Irará. Dessa forma, a maior parte dos consumidores (81%) são do município de Irará.

62Com relação aos principais produtos demandados pelos consumidores estão as carnes, verduras, frutas e em menor proporção a farinha de mandioca e o feijão. A maior parte dos consumidores que são da zona rural produzem a farinha de mandioca e o feijão em pequena quantidade para o consumo da família.

63No tocante a renda mensal dos consumidores dos produtos comercializados na feira livre 57% do total dos consumidores entrevistados (26) possui renda entre 2 a 5 salários mínimos. E 42% dos entrevistados possuem renda menor que 2 salários mínimos. Esses dados nos permitem inferir que a feira livre do município de Irará é um espaço onde se manifestam relações contraditórias entre a classe média e as classes populares. Ou seja, a classe média é favorecida com a oferta de produtos da agricultura camponesa abaixo do preço do mercado. Por outro lado, os camponeses mesmo comercializando seus produtos abaixo do preço de mercado, garantem o necessário para sua reprodução.

64Na feira livre do munícipio de Irará os comerciantes organizam-se sem o intermédio da fiscalização. Pois, dentre outras características da feira livre, não há um controle rígido de quem pode ou não, comercializar seus produtos. Dessa forma, o comércio na feira livre ocorre como descrito por Santos (2004) “é baseado no credito e no dinheiro liquido. Mas o credito aqui é de outra natureza, com uma larga porcentagem de credito pessoal direto, indispensável para o trabalho das pessoas sem possibilidade de acumular” (SANTOS, 2004, p. 44). O crédito não é bancário, mas é uma relação de confiança entre o comerciante e o consumidor.

65A relação de confiança é uma das características presentes na feira livre do município de Irará. Ali se manifestam as relações de amizade, solidariedade entre outras. Assim, nas Palavra de Pinho (2008), analisou a feira de Irará em 2008:

Hoje vejo a feira como maior símbolo econômico deste município. O Mercado Municipal de Irará ao longo de 70 anos, é um marco importante para a cidade, pois a feira de Irará vem crescendo impulsionando o desenvolvimento da região. Em todos os sábados cria-se fonte de renda, na qual muitas famílias tiram o sustento, além de mostrar a nossa cultura em diversidades de produtos como o artesanato, peças de barro entre outros (PINHO, 2008, p.26)

66A feira livre do município de Irará consegue cativar a frequência de consumidores, através das relações de parceria (compra e venda) entre os feirantes e os consumidores.

67Assim, quando indagado o que motiva à ida dos consumidores a feira livre temos argumentações do tipo: o fluxo de pessoas, rever os amigos, preço baixo e o contato com o vendedor. Esse último nos remete a pensar as relações estabelecidas nesse contato entre o vendedor e o feirante.

68Na feira livre do Município de Irará é comum encontrarmos camponeses que comercializam seus próprios produtos, seus fregueses conhecem o produto que estão adquirindo, a confiança vai ao sentido de estar levando para casa um produto de qualidade. Esse contato entre o feirante e o consumidor se estabelece não em uma relação profissional e/ou burocrática de atendimento, mas sim de amizade.

  • 1 Caderneta é a forma de compra a prazo, nessa relação não existe um financiador, mas apenas a confia (...)

69Outro aspecto importante na relação entre o consumidor e o feirante consiste no crédito, na maioria das vezes, o valor de troca perpassa as relações monetárias (dinheiro). Ocorrem também as trocas de um produto por outros produtos de necessidade do feirante. É frequente na feira livre a compra através do crédito, que não tem relação bancária, mas sim de confiança, que se configura em uma caderneta1.

70Quando indagado quais os motivos que levam os comerciantes adquirir os produtos oferecidos na feira livre do município de Irará as respostas variam entre o preço baixo, a diversidade de produtos, a valorização dos produtos locais e a qualidade do produto. Esses argumentos expressam a importância da feira livre do município de Irará, não apenas pela sua diversidade, mas também porque esta diversidade de produtos é oriunda, em sua maioria, das unidades camponesas do próprio município. Ou seja, são produtos locais comercializados pelos próprios camponeses, que tem a feira livre o meio de venda dos produtos, e em consequência, o rendimento que garante sua subsistência.

71Batista (2009), analisa as estratégias de reprodução camponesa no município de Irará e demostra um pensamento síntese.

Apesar da zona rural ter sido forjada no contexto da modernidade, para submeter-se às lógicas de um pensamento alheio a esse espaço, advindas da cidade, daquele emerge à luz da trama vivida, uma história concreta de homens e mulheres simples que corroboram para inventar a vida cotidiana. São sujeitos que sobrevivem na rarefação e por conta dos movimentos residuais se mantêm vivos e margeados por uma cultura e valores próprios, que expressam um jeito de viver, de falar e modos de se organizar que nas interações cotidianas produzem formas de trabalho e lazer (BATISTA, 2009, p.93).

72Indagando os consumidores sobre o fluxo de produtos oferecidos pela feira livre, as respostas exigiram um momento de reflexão para aqueles consumidores que frequentam a feira constantemente. Após um momento de silêncio as respostas foram de diferentes ordens: permanecem constantes; tem fortalecido com feiras todos os dias; tem diminuído a oferta de produtos; e tem aumentado a concorrência com os supermercados.

73A feira livre do município de Irará foi consagrada historicamente para ocorrer aos sábados. Porém, tem um fluxo de feirantes, ainda que tímido em todos os demais dias da semana. Esses feirantes utilizam a Praça da Purificação dos Campos para expor seus produtos como hortaliças, verduras, farinha, utensílios domésticos, entre outros.

74Como já discutido anteriormente diversos fatores influenciam no fluxo de produtos oferecidos na feira livre, sendo os principais fatores as secas prolongadas e o acesso aos meios de produção a exemplo do crédito e dos insumos. Outro fator de relevância que tem sido questionado pelos consumidores é a concorrência desigual entre os supermercados e os feirantes.

75Os feirantes não são concorrentes em potencial com os supermercados, pois não tem infraestrutura suficiente para se opor a esse segmento. Nessa relação os feirantes são influenciados pelas demandas dos consumidores, principalmente por aqueles consumidores que utilizam da feira livre como instrumentos para fugir dos produtos industrializados. Todavia, existem consumidores que preferem consumir os produtos industrializados e, consequentemente, priorizam a compra de produtos nos supermercados em detrimento da feira livre. São esses consumidores que tem contribuído indiretamente para a desvalorização dos produtos in natura comercializados na feira livre.

Considerações finais

76Assim, na unidade camponesa iraraense o que predomina é a diversidade produtiva dos seguimentos da agropecuária. É na unidade camponesa que a maior parte da população economicamente ativa ganha seu sustento. Seja na condição de camponês proprietário, ou na condição de camponês que vende sua força de trabalho em outras unidades camponesas. Isto demonstra que mesmo em parcelas minúsculas de terra, o camponês tem criado estratégia de se reproduzir e de maneira indireta tem criado possibilidades de permanência para aqueles que procuram se manter no campo na condição de camponês.

77No município de Irará a agricultura camponesa tem historicamente garantido a oferta de produtos in natura, cultivado de forma artesanal e comercializado na feira livre municipal. A feira livre configura-se como o elemento síntese da economia camponesa. No município de Irará, é latente a luta camponesa por sua existência como classe e sua resistência contra o processo de proletarização camponesa. A produção camponesa está baseada no trabalho que, é em maior parte artesanal. Dessa forma, a materialização do trabalho é o produto da agropecuária a maior riqueza do camponês. Quando esse produto é levado ao mercado e é submetido a um intercâmbio desigual, o camponês vê-se embutido em uma relação de exploração do trabalho através do seu produto.

78A venda dos produtos da agricultura camponesa representa para o produtor a possibilidade de sua reprodução, pois o produto levado ao mercado será transformado em dinheiro que será trocado por outros produtos necessários a subsistência familiar camponesa. A valorização da agricultura camponesa representa no município de Irará a manutenção da vida desses camponeses.

79Pelo exposto, é tarefa fundamental o fortalecimento dos movimentos sociais do município, para que esses possam pressionar o Estado na manutenção das unidades camponesas municipais. Fazem-se necessárias melhorias na feira livre do município de Irará como: requalificação da infraestrutura da feira livre, para que os feirantes possam ter acesso ao armazenamento da mercadoria, a alimentação e transporte das mercadorias e dos feirantes iraraense. Pois a feira livre representa não apenas o cartão postal do município, mas constitui o espaço onde se manifesta as relações socioculturais, políticas e econômicas. É o espaço onde ocorre a movimentação da economia local.

80Outros fatores também precisam entrar na discussão com o poder público como, os baixos preços dos produtos da agricultura camponesa no mercado; a subdivisão da pequena propriedade falta de oportunidade de emprego para a juventude; a violência no campo e do êxodo rural. Contudo, outras medidas também podem ser cabíveis, assim como demais trabalhos e investigações no lócus da pesquisa.

81As observações aqui realizadas foram relevantes, porém, ainda insuficientes em relação à complexidade na produção e reprodução camponesa do município de Irará, apresentamos aqui uma discussão que abrange uma fração do que é a dimensão do espaço agrário do município de Irará e as estratégias que os camponeses criam para garantir sua reprodução nesse município. A análise do espaço agraria do município de Irará é plausível de diversas investigações, pois o campo apresenta complexidades que abrange as distintas áreas do conhecimento.

Haut de page

Bibliographie

BATISTA. Marize Damiana Moura Batista e. Do Cansaço da Lavoura ao Alívio na Escola: Um Estudo Sobre Quotidiano e Espaços de Sociabilidade de Estudantes da Eja do Noturno, Ensino Médio, no Município de Irará - Bahia. Salvador/BA 2009.

Dissertação (mestrado em Educação e Contemporaneidade) Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade. Universidade do Estado da Bahia Campus I-Salvador/Bahia, 2009.

COSTA, Francisco de Assis. A Especificidade Camponesa: Um trajeto de pensamento que se projeta no futuro. Belém, NAEA, UFPA, 2008.

GOLÇALVES, Sérgio. Para Além do Agronegócio – a “Agroecologia” e a Reconstrução do Atual Sistema Agrícola e Alimentar. In: Geografia e Trabalho no Século XXI. Vol. 4. Ed. Centelha. Presidente Prudente. 2009. Disponível em < http://ceget.blogspot.com.br/2010/11/colecao-geografia-e-trabalho-no-seculo.html >. Acesso em 02/12/2016.

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), Diretoria e Cadastro Rural/ publicação de Índice Básico de 1997. Disponível em http://www.incra.gov.br. Acesso em 11/11/2015.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Agropecuário 2006. Rio de Janeiro: IBGE, 2006. Disponível em<www.ibge.gov.br> Acesso em 20/04/2013.

MOREIRA. J. R. Críticas ambientalistas à Revolução Verde. Estudos Sociedade e Agricultura, 15, outubro 2000: 39-52. Rio de Janeiro, 2000. Disponível em http://www.economia.esalq.usp.br/intranet/uploadfiles/286.htm. Aceso em 12/12/2016.

MOREIRA. Ruy. O que é geografia. 2º ed. São Paulo: Brasiliense, 2009

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino. Modo capitalista de produção e Agricultura. São Paulo: editora Ética, 2ed.1987.

PINHO, Emerson Nogueira. A construção Histórica de Mestre Januário. Irará, Bahia, Brasil, abril de 2008.

PORTO. Maria Stela Grossi; SIQUEIRA. Deise Elucy. A pequena produção no Brasil: entre os conceitos teóricos e as categorias empíricas. In: Politizando a tecnologia no campo brasileiro: dimensão e olhares. Rio de Janeiro, Relume- Dumará, 1997.

Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI). Estatísticas dos Municípios Baianos - v. 1 (2000). – Salvador: SEI, 2012.

SANTOS. Milton. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. 2 ed. São Paulo: editora na Universidade de São Paulo, 2004.

_____. Para que a geografia mude sem ficar a mesma coisa. R. RA’EGA, Curitiba, n° 9. Editora UFPR, 2005.

THOMAS JUNIOR. Reestruturação Produtiva do Capital no Campo, no Século XXI, e os Desafios para o Trabalho. In: Por Trás dos Canaviais os Nós da Cana. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2002.

VERGÉS. Armando Bartra. Os novos Camponeses: leitura a partir do México profundo. São Paulo: Cultura Acadêmica; Cátedra UNESCO de Educação do Campo e Desenvolvimento Rural, 2011.

Haut de page

Notes

1 Caderneta é a forma de compra a prazo, nessa relação não existe um financiador, mas apenas a confiança de que o vendedor receberá o valor da compra no prazo estipulado pelo consumidor.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Andréia Silva de Alcântara et Noeli Pertile, « Feira livre e reprodução camponesa no município de Irará/BA »Confins [En ligne], 39 | 2019, mis en ligne le 22 mars 2019, consulté le 16 juillet 2024. URL : http://journals.openedition.org/confins/17423 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.17423

Haut de page

Auteurs

Andréia Silva de Alcântara

Educadora popular do Núcleo de Estudos e Praticas em Políticas Agrária (NEPPA), andreiaalcantara05@gmail.com

Noeli Pertile

Departamento de Geografia da Universidade Federal da Bahia, noeli.pertile@yahoo.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-SA-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC-SA 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search