Navigation – Plan du site

AccueilNuméros39MATOPIBA: a ocupação da nova fron...

MATOPIBA: a ocupação da nova fronteira agrícola nos quadros do padrão exportador de especialização produtiva

MATOPIBA: l'occupation de la nouvelle frontière agricole dans les cadres du modèle d'exportation de la spécialisation productive
MATOPIBA: the occupation of the new agricultural frontier in the framework of the export pattern of productive specialization
Glauber Lopes Xavier

Résumés

Dans la dernière décennie, les États de Maranhão, Tocantins, Piauí et Bahia (ici désignés par l'acronyme Matopiba) ont subi des changements dans leurs économies, réalisant une part croissante de la production agricole nationale, en particulier de certains produits comme le soja, le maïs, cellulose et coton. Avec de vastes étendues couvertes par le cerrado, ces États constituent le territoire de la nouvelle frontière agricole brésilienne, objet d'étude de cet article, et sa production de commodities ont été destinés principalement aux marchés internationaux. Avec cette information, nous avons cherché à comprendre le rôle joué par l'État, lié aux intérêts du grand capital, dans la zone géographique sous l'étude. Elle part de l'hypothèse que l'occupation de la nouvelle frontière agricole a été réalisée en fonction des exigences d'un modèle d'exportation de spécialisation productive, qui rappelle la condition périphérique de l'économie brésilienne en ce sens qu'elle approfondit sa dépendance à l'égard des exportations de produits primaires, ainsi que des produits à faible intégration technologique.

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

matopiba

Index géographique :

Matopiba
Haut de page

Texte intégral

  • 1 Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, entende-se por bioma “um conjunto de vid (...)
  • 2 Segundo informações do Ministério do Meio Ambiente, o Cerrado possui 11.627 espécies de plantas nat (...)
  • 3 Sobre os recursos hídricos e o sistema biogeográfico do Cerrado, ver: A complexa teia hídrica que b (...)

1Ocupando uma área de aproximadamente 2.036.448 Km2, o equivalente a 23,92% do território brasileiro, o Cerrado se caracteriza pela reunião de variados biomas1. Esta savana ocupa, por sua vez, a segunda maior extensão territorial do país, ficando atrás apenas do bioma Amazônia. Abrangendo parcelas territoriais de doze unidades federativas (Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná, São Paulo e Distrito Federal), o Cerrado se destaca por sua rica biodiversidade, caracterizada por uma rica fauna e flora2, bem como por seus abundantes recursos hídricos (no Cerrado localizam-se três grandes aquíferos, os quais são responsáveis pelo abastecimento dos grandes rios continentais)3. A área que corresponde ao território do Matopiba abrange quatro regiões hidrográficas, são elas: Tocantins-Araguaia; Parnaíba; Atlântico Nordeste Ocidental; São Francisco, a qual tornou-se alvo de interesses econômicos, destacadamente a partir da década de 1970.

Mapa 1 – Matopiba – Rede de Influências dos Centros Urbanos e Posição Hierárquica

Mapa 1 – Matopiba – Rede de Influências dos Centros Urbanos e Posição Hierárquica

Fonte: IBGE/Embrapa.

  • 4 Conforme Milton Santos (2008, p. 133): “A partir, sobretudo, do fim da Segunda Guerra Mundial, gene (...)

2Foi a partir desse período, marcado pela revolução técnico-científica e, poderíamos acrescentar informacional4, a qual permitiu o preparo e uso do solo para a agricultura empresarial, que uma nova matriz de exploração do território se instaurou no Cerrado. Até então suas condições geográficas eram consideradas impróprias para o cultivo de determinados produtos, como a cana-de-açúcar e a soja. “Les sols pauvres et acides à faible productivité sont « corrigés » par l’apport de calcaire et de fertilisants à grande échelle. Les avantages du Cerrado consistent en de grandes étendues planes propres à la mécanisation et à la monoculture, avec des sols profonds bien drainés, une pluviométrie moyenne concentrée sur une saison de 6 mois.” (AUBERTIN; PINTON, p. 4, 2013). As inovações tecnológicas permitiram a apropriação dos recursos naturais do Cerrado com certa regularidade, ao tempo que propiciou a ampliação da produção agrícola nacional em virtude da configuração de uma nova fronteira. Essa primeira fase da expansão da fronteira agrícola ocorreu em direção ao centro-norte do país, nos marcos de uma política de ocupação da Amazônia. A fronteira agrícola que ora é problematizada, localizada em áreas de Cerrado pertencentes aos estados do Matopiba (mapa 1), se reveste de uma dinâmica divergente por algumas razões que serão destacadas mais a frente.

3Conforme nota técnica da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, a Embrapa, o território do Matopiba possui a seguinte delimitação: 31 microrregiões geográficas do IBGE, as quais compreendem 337 municípios, sendo que a área total do território é de 73 milhões de hectares. Ainda conforme a nota técnica, o Matopiba reúne cerca de 324.326 estabelecimentos agrícolas, os quais ocupam uma área de 33.929.100 hectares. Neste território, há 46 unidades de conservação, ocupando uma área de 8.334.679 hectares, bem como 35 terras indígenas com a área de 4.157.189 hectares e 781 assentamentos de reforma agrária e quilombolas, localizados numa área de 3.033.085 hectares num total de 13.967.920 hectares de áreas legalmente atribuídas, excluídas as sobreposições. (EMBRAPA. 2014).

O Estado e a institucionalização da nova fronteira agrícola

4A oficialização do Matopiba se deu por meio Decreto Nº 8447, de 6 de maio de 2015, no qual a Presidência da República dispôs sobre o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba que, segundo o Decreto, “tem por finalidade promover e coordenar políticas públicas voltadas ao desenvolvimento econômico sustentável fundado nas atividades agrícolas e pecuárias que resultem na melhoria da qualidade de vida da população.” Em 12 de novembro de 2015, foi emitida, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a Portaria Nº 244, na qual foram elencados os 337 municípios e suas respectivas Unidades Federativas a serem abrangidos pelo Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba. A institucionalização do Matopiba como uma região geoeconômica resultou de transformações que já vinham se operando no território de abrangência há algumas décadas, transformações estas emanadas, em grande medida, do capital estrangeiro.

  • 5 Sobre a problemática do desenvolvimento econômico em países com abundância de força de trabalho, ve (...)

5Nesse sentido, ao contrário da primeira fronteira agrícola sobre o Cerrado, deflagrada a partir da década de 1960 a partir de uma divisão do trabalho requerida pelo vigoroso processo de expansão da indústria no sudeste brasileiro, sem desconsiderar, no entanto, o papel ocupado pelo capital estrangeiro, a nova fronteira agrícola se insere nos quadros de um capitalismo transnacional. Ambas as fronteiras ocupam um lugar decisivo para a acumulação de capital. Contudo, a primeira se amoldava sobremaneira aos interesses do capital nacional e revestia-se de uma dinâmica orientada a partir dos interesses da acumulação interna e de uma clara estratégia geopolítica conduzida pelo Estado. Ocupada ainda nos marcos da industrialização via substituição de importações, dada a abundância de recursos, a primeira fronteira permitiu, nas palavras de Conceição Tavares (1983, p. 102): “[...] levar a cabo um processo de industrialização sem um esforço simultâneo de aumento de produtividade no setor de produção de alimentos [...]. Atendia, portanto, aos requisitos exigidos por uma acumulação de capital ancorada especialmente na produção de bens de consumo duráveis, os quais eram consumidos pela parcela da população que auferia as maiores rendas. Tratava-se de um processo de industrialização combinado a uma agricultura de baixa produtividade, dada a disponibilidade de terras e de força de trabalho5.

  • 6 O termo é usado como referência aos produtos de base em estado bruto (matérias-primas) ou com peque (...)

6A segunda fronteira, por sua vez, cumpre os interesses da acumulação interna – sobre isto não cabe dúvida – não obstante atenda especialmente as demandas requeridas pelo capital estrangeiro e, nesses termos, passe a estabelecer uma relação específica com o Estado, sendo que este não mais se ocupa da “gestão” do território segundo as demandas nacionais, mas a partir das exigências de um capital transnacional. É certo que este capital requer commodities6 e matérias primas em vultuosas quantidades, com o que os países pobres ou em desenvolvimento, fornecedores de produtos primários, estabelecem vínculos comerciais com base nos seguintes termos: vendedores de produtos primários e compradores de produtos industrializados. O caso brasileiro retrata esse fenômeno, tendo que desde a década de 1980 observa-se paulatina redução da participação da indústria de transformação no valor adicionado, processo denominado pelos estudiosos de desindustrialização, assunto sobre o qual trataremos mais a frente.

7Os propósitos da primeira fronteira reuniam-se em torno do atendimento à demanda dos centros urbanos localizados especialmente na região sudeste do país. Ao tratar dessa questão em sua crítica à concepção dualista sobre a economia brasileira, Oliveira apontou que “Esse mecanismo é o responsável tanto pelo fato de que a maioria dos gêneros alimentícios vegetais (tais como arroz, feijão, milho) que abastecem os grandes mercados urbanos provenham de zonas de ocupação recente [...]” (OLIVEIRA, 2003, p. 43). Isto explica a natureza “primitiva” da acumulação de capital que marca a situação de fronteira que, na concepção de Becker (2015), trata-se, para o caso brasileiro assim como da América Latina de modo geral, de fronteira de recursos. Nela, interesses de variados grupos sociais se conflitam, como os interesses da burguesia nacional e da burguesia estrangeira em torno da propriedade da terra, por exemplo. “Isto significa que toda estratégia de apropriação na fronteira é uma estratégia de luta pelo domínio do espaço por determinados grupos sociais.” (BECKER, 2015, p. 236).

8A dinâmica dessa luta na contemporaneidade torna-se mais complexa uma vez que a relação Estado-território-capital se metamorfoseia com a emergência das grandes corporações transnacionais, algo sublinhado por Bertha Becker já no início da década de 1980, como segue: “Las grandes corporaciones crean un espacio económico supranacional, definido por nuevos limites territoriales en que los países actúan como regiones, y las regiones subnacionales tradicionales son reestructuradas por los intereses internacionales.” (BECKER, 1983, p. 24). Soma-se às grandes corporações, a supremacia do capital financeiro e os corolários de seus movimentos de acumulação sobre os territórios. Quando os interesses advindos das corporações colidem com os interesses de grupos nacionais ou, ainda, os interesses de ambas as frações da burguesia se confrontam com os interesses do proletariado, o Estado se coloca em ação, pois que “o Estado é assim o lugar no qual se reflete o índice de dominância e de sobredeterminação que caracteriza uma formação, um dos estágios ou fases.” (POULANTZAS, 1986, p. 43).

9Enquanto “fator de coesão”, o Estado é capaz de coordenar interesses a exemplo da institucionalização do Matopiba que, no âmbito dos interesses das burguesias nacional e estrangeira, consiste em se colocar enquanto fonte de toda sorte de incentivos financeiros, promoção de infraestrutura, garantia de níveis de preços e lucros, fomento à urbanização e formação de reserva de força de trabalho, além de outras possibilidades. A ação inicial é a delimitação do território, o inventário de seus recursos naturais, o mapeamento de suas terras e, portanto, a criação de um banco de dados útil para a gestão do território e a criação de políticas públicas, inclusive àquelas que resultam do Estado enquanto “fator de condensação” das contradições que se fazem emergir do conflito entre as classes e suas frações. “É a partir da relação entre o Estado, fator de coesão da unidade de uma formação, e o Estado, lugar de condensação das diversas contradições entre as instâncias, que podemos assim decifrar o problema política-história.” (POULANTZAS, 1983, p. 43)

10É preciso compreender que a natureza da fronteira ora problematizada é produto de uma formação social (junção de modos de produção, com seus distintos períodos históricos) nos quadros de um capitalismo global, o que suscita o estudo de um capitalismo que se configura enquanto capitalismo de fronteira e que tem, na cidade, importante lócus de sua realização. “Fronteira e urbanização são faces de um mesmo processo. Espaço ainda não plenamente estruturado, a fronteira se define em relação a um espaço estruturado e urbanizado, do qual é reserva de recursos, espaço de manobra política e espaço ideológico.” (BECKER, 2015a, p. 368). É com base nas cidades que o Estado demarca seu poder de instrumentalização e gestão dos territórios. A partir delas, o modo de produção se conforma segundo os ditames econômicos e políticos impostos pelas classes dominantes. “O lugar do Estado em relação à economia nada mais é que a modalidade de uma presença constitutiva do Estado no seio das relações de produção e de sua reprodução.” (POULANTZAS, 1980, p. 21). Tal presença espacialmente se localiza no âmbito das cidades e é por meio delas que se dará o sentido ocupado pela fronteira, o estado geral das condições de produção e a reprodução das relações de produção.

  • 7 Free On Board. “Expressão do comércio internacional que significa ‘posto a bordo’, seguida da indic (...)

11Com base nesses pressupostos, importa considerar a formação social da fronteira do Matopiba que, assim como a fronteira amazônica, explorada com percuciência nos estudos de Bertha Becker, possui algumas cidades que merecem um tratamento especial. Se para a fronteira amazônica cidades como Altamira e Marabá forneceram um suporte indispensável, conforme observou Becker (2015a), na nova fronteira do Matopiba cidades como Balsas, no Maranhão, e Luís Eduardo Magalhães, na Bahia, tornaram-se lídima expressão do avanço do agronegócio no território. Para que se permita ter uma ideia da relevância econômica desses municípios, vale registrar que, em 2016, Balsas foi responsável pelo montante de US$ FOB7 240.792.168 em exportação de soja, o que correspondeu, em termos monetários, a 86,34% do total de exportações desse município para o ano em análise. O município de Luís Eduardo Magalhães exportou, durante o ano de 2015, o montante de US$ FOB 609.224.430 em soja, triturada. Neste município, o total de exportações em soja triturada, representou, em termos monetários, 71,80% do total das exportações durante em análise. (MDIC, 2017). No tópico seguinte a dinâmica econômica da nova fronteira agrícola será explorada levando-se em conta a participação de seus principais municípios.

O agronegócio e o padrão de reprodução do capital na nova fronteira agrícola

  • 8 Considerando que o propósito do artigo é a compreensão da ocupação da nova fronteira agrícola com b (...)

12No território do Matopiba localizam-se vários outros municípios com elevada participação nas exportações de suas respectivas Unidades Federativas. Conforme informações estatísticas acerca do comércio exterior8, obtidas a partir da base de dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, para o período entre os meses de janeiro e de setembro do ano de 2017, dos 31 municípios exportadores do estado do Maranhão, 26 fazem parte do território do Matopiba. No caso do estado do Tocantins, a exceção de Palmas, todos os demais municípios exportadores constituem o Matopiba e, para o mesmo período, observou-se que 5 dos 22 municípios exportadores do estado do Piauí fazem parte do território. No caso da Bahia, também para o mesmo período, 11 municípios partícipes do Matopiba figuram entre 145 municípios exportadores do estado. (MDIC, 2017). São eles:

  • 9 No caso da Bahia, na ausência de dados para o período jan./dez. de 2016, decidiu-se considerar os d (...)

13A partir da mesma base de dados, procedendo-se a análise dos indicadores da Balança Comercial para o período jan./dez. de 2016, foram elencados os principais municípios exportadores pertencentes ao Matopiba e suas respectivas unidades federativas (Tabela 1). São eles: Maranhão (Imperatriz, Balsas, Açailândia, Porto Franco, Tasso Fragoso, Riachão, Sambaíba e Matões do Norte); Tocantins (Pedro Afonso, Porto Nacional, Cariri do Tocantins, Araguaína, Gurupi, Campos Lindos, Guaraí, Silvanópolis, Palmas e Colinas dos Tocantins); Piauí (Bom Jesus, Baixa Grande do Ribeiro e Uruçuí) e Bahia9 (Luís Eduardo Magalhães, Barreiras e Correntina). (MDIC, 2017). É importante o registro de que os municípios mencionados figuram entre as primeiras posições dentre os municípios exportadores de seus respectivos estados, como são os casos de Balsas, terceiro maior exportador do estado do Maranhão, Bom Jesus, principal município exportador do estado do Piauí e Luís Eduardo Magalhães, terceiro maior município exportador do estado da Bahia.

Tabela 1 – Matopiba - Principais municípios exportadores e valor exportado em 2016

  • 10 Dados para o período jan./dez. de 2015. Vide nota de rodapé n.º 7

UF

Municípios

U$S FOB

Maranhão

Imperatriz

581.926.337

Balsas

278.888.883

Açailândia

206.895.689

Porto Franco

133.623.379

Tasso Fragoso

45.123.777

Riachão

13.343.706

Sambaíba

9.455.204

Matões do Norte

9.037.768

Tocantins

Pedro Afonso

135.555.454

Porto Nacional

84.975.765

Cariri do Tocantins

82.174.651

Araguaína

77.179.773

Gurupi

75.393.064

Campos Lindos

70.041.600

Guaraí

40.421.992

Silvanópolis

29.292.236

Palmas

28.623.563

Colinas dos Tocantins

18.207.830

Piauí

Bom Jesus

68.301.169

Baixa Grande do Ribeiro

9.723.609

Uruçuí

4.827.214

Bahia10

Luís Eduardo Magalhães

848.502.500

Barreiras

287.648.691

Correntina

165.443.912

Fonte: Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, 2017. Elaboração: o autor (2018).

14No caso do Maranhão, durante o ano de 2016 os principais produtos exportados foram: óxidos e hidróxidos de alumínio (41%), celulose (26%), soja mesmo triturada (16%) e ferro fundido bruto e ferro spiegel (ex: ferro gusa) (8,5%). O Tocantins exportou, para o mesmo ano, principalmente, os seguintes produtos: soja mesmo triturada (63%), carne de bovino congelada, fresca ou refrigerada (19%) e farelo e resíduos da extração de óleo de soja (7,7%) e milho em grãos (2,6%). No caso do Piauí, os principais produtos exportados em 2016 foram: soja mesmo triturada (56%), ceras vegetais (24%), mel natural (6,5%) e algodão em bruto (3,0%). O estado da Bahia exportou, durante o mesmo ano, principalmente os seguintes produtos: celulose (16%), soja mesmo triturada (7,7%), catodos de cobre (7,0%) e automóveis de passageiros (6,7%). (MDIC, 2017).

15Uma análise atinente às exportações dos principais municípios exportadores das Unidades Federativas constituintes do Matopiba levou ao seguinte diagnóstico: Maranhão: Balsas é o terceiro município exportador desse estado, sendo a soja o principal produto, conforme já mencionado. Em quarto lugar ficou Açailândia, cujos principais produtos exportados, durante o ano de 2016, foram o ferro fundido bruto e ferro spiegel (especular), em lingotes, linguados ou outras formas primárias, o que significou um montante de US$ FOB 191.864.088 e representou 92,73% do total das exportações em termos monetários. O segundo produto mais exportado pelo município foram tortas e outros resíduos sólidos da extração do óleo de soja, o que representou 3,58% do total exportado em termos monetários. Nesse mesmo estado, o município de Porto Franco perfilou na 5ª posição, sendo o principal produto exportado, para o mesmo período, a soja, totalizando US$ FOB 106.287.079, o que representou 79,54% do total exportado em termos monetários. A soja, mesmo triturada, foi seguida por tortas e outros resíduos sólidos da extração do óleo de soja (19,61% do total em termos monetários) e pelo milho (0,84% do total também em termos monetários). (MDIC, 2017).

16Para o estado do Tocantins: o principal município desse estado em termos de exportações em 2016 foi Pedro Afonso, sendo que o principal produto exportado foi a soja, mesmo triturada, que resultou num montante de US$ FOB 101.443.214, o que significou 74,84% do total das exportações desse município em termos monetários. Os demais produtos exportados foram, principalmente, tortas e outros resíduos sólidos da extração do óleo de soja (12,63% do total em termos monetários) e óleo de soja e respectivas fracções, mesmo refinados, mas não quimicamente modificados (12,45% do total em termos monetários). No município de Porto Nacional, o segundo maior exportador do estado em 2016, os principais produtos exportados foram tortas e outros resíduos sólidos da extração do óleo de soja, que resultou num montante de US$ FOB 48.775.842, o que significou 57,40% do total das exportações desse município em termos monetários. Os demais produtos foram, principalmente, soja, mesmo triturada (38,37% do total em termos monetários) e milho (2,68% do total em termos monetários). Nesse mesmo estado, e para o mesmo período de análise, o terceiro município com maior exportação em termos monetários foi Cariri do Tocantins, sendo que a exportação da soja, mesmo triturada, resultou num montante de US$ FOB 82.042.662, o que representou 99,84% do total em termos monetários, seguida pelo milho (0,16% do total em termos monetários). (MDIC, 2017).

17Para o estado do Piauí: o principal município exportador desse estado entre janeiro e dezembro de 2016 foi Bom Jesus, sendo que a soja, mesmo triturada, foi o principal produto, tendo permitido um montante de US$ FOB 63.625.588, representando 93,15% do total de exportações em termos monetários. O milho foi o segundo produto mais exportado pelo município (6,85% do total em termos monetários). Ainda no Piauí, o município de Baixa Grande do Ribeiro, o qual ocupou o 4º lugar dentre os principais municípios exportadores do estado, teve, na soja, seu principal produto exportado durante o ano de 2016. A exportação desse produto resultou, para o município, um montante de US$ 8.692.347, cujo percentual em relação ao total exportado e em termos monetários foi de 89,39%. Os demais produtos exportados pelo município foram o algodão não cardado, nem penteado (10,49% do total em termos monetários) e o milho (0,11% do total em termos monetários). (MDIC, 2017).

18Na Bahia, conforme mencionado, em 2015 o município de Luís Eduardo Magalhães figurou no terceiro lugar como principal exportador do estado, tendo a soja como principal produto. Cabe destacar, ainda, os municípios de Barreiras e Correntina, os quais ocuparam o sétimo e o décimo lugares, respectivamente, dentre os municípios exportadores do estado. Em Barreiras, a exportação do algodão não cardado, nem penteado, resultou num montante de US$ FOB 135.546.01, o que representou, em termos monetários, 47,12% do total exportado. Esse produto foi seguido pela soja, mesmo triturada (32% do total em termos monetários) e pelas tortas e outros resíduos sólidos da extração do óleo de soja (17,72%). Em Correntina, o principal produto exportado em 2015 foi a soja, mesmo triturada. A exportação dessa commoditie rendeu ao município um montante de US$ FOB 134.568.650, o que significou uma participação de 81,34% do total em termos monetários. Esse produto foi seguido pelo algodão (18,60% do total em termos monetários) e pelo milho (0,06% do total em termos monetários). (MDIC, 2017).

19Ainda com base nas estatísticas de comércio exterior, obtidas a partir do banco de dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, foi possível o levantamento dos principais países de destino dos produtos exportados pelos municípios exportadores do Matopiba durante o ano de 2016 e, no caso da Bahia, durante o ano de 2015. Maranhão: os principais países de destino de suas mercadorias foram o Canadá, os Estados Unidos, a China e os Países Baixos; Tocantins: China, Países Baixos, Espanha e Hong Kong; Piauí: China, Estados Unidos, Japão e Alemanha e, finalmente, a Bahia teve como principais países de destino dos produtos exportados pelos seus municípios os seguintes: China, Estados Unidos, Argentina e Países Baixos. (MDIC, 2017).

20Tomando os indicadores sobre as exportações de soja pelo Matopiba enquanto peça de análise, é possível observar que entre os anos de 2006 e 2016 houve um vertiginoso crescimento. Em 2006, os estados do Matopiba obtiveram, com a exportação dessa commoditie (outros grãos de soja, mesmo triturados), os respectivos montantes, em dólar: Maranhão (US$ FOB 231.136.022); Tocantins (US$ FOB 143.482.914); Piauí (US$ FOB 5.373.643) e Bahia (US$ FOB 102.280.978). Em 2016, os montantes passaram a ser: Maranhão (US$ FOB 355.075.943); Tocantins (US$ FOB 399.025.467) e Piauí (US$ FOB 97.637.938). No caso da Bahia como se decidiu lançar mão das informações para o ano de 2015, durante esse ano o montante foi de US$ FOB 1.008.920.148. Nota-se, portanto, significativo aumento dos montantes financeiros, obtidos por meio das exportações, em todas as Unidades Federativas que fazem parte do Matopiba. Em termos percentuais, esse aumento foi de: Maranhão (53,62%); Tocantins (178,09%); Piauí (1716,97%) e Bahia (886,42%). (MDIC, 2017). O expressivo crescimento das exportações - em termos monetários - foi possível, em grande medida, graças à expansão da área ocupada com o cultivo da planta (vide mapas 2 e 3), conforme segue.

Mapa 2 – Produção Brasileira de Soja – Safra 2006/2007

Mapa 2 – Produção Brasileira de Soja – Safra 2006/2007

Fonte: Companhia Nacional de Abastecimento – Conab/Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 2018.

Mapa 3 – Safra Brasileira de Soja – Safra 2013/2014

Mapa 3 – Safra Brasileira de Soja – Safra 2013/2014

Fonte: Companhia Nacional de Abastecimento – Conab/Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 2018.

21No tocante à área ocupada pela cultura da soja, conforme análise geoespacial que resultou em relatório síntese organizado por Rudorff, B.; Risso, J. et al (2015) e pela Agrosatélite Geotecnologia Aplicada Ltda., houve um expressivo aumento no intervalo 2006/07-2013/14. A área da 1ª safra de soja ocupada por cada estado do Matopiba no intervalo 2006/2007 era de: Maranhão (434.510 hectares); Tocantins (256.767 hectares); Piauí (223.587 hectares) e Bahia (771.528 hectares). Para o intervalo 2013/14 a área da 1ª safra desse período ocupada por cada um dos estados supracitados foi de: Maranhão (683.462 hectares); Tocantins (678.604 hectares); Piauí (619.741hectares) e Bahia (1.438.335hectares). Somados, esses estados ocuparam, no intervalo 2006/07, uma área de 1.686.393 hectares destinados ao cultivo de soja; esta área saltou para 3.420.144 hectares na safra de 2013/2014, o que significou um aumento da ordem de 102,81%. (RUDORFF, B.; RISSO, J. ET AL, 2015). Veja o gráfico abaixo:

Fonte: Elaborado pelo autor com base nos dados disponibilizados em relatório síntese organizado por Rudorff, B.; Risso, J. et al (2015) e pela Agrosatélite Geotecnologia Aplicada Ltda

22Os mapas 1 e 2, acima dispostos, disponibilizados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento por meio da Companhia Nacional de Abastecimento, ilustram bem o fenômeno que, ora, se pretende elucidar, qual seja, o de ocupação de uma nova fronteira agrícola nos marcos de um determinado padrão de reprodução do capital, o qual Jaime Osório (2012) denominou de padrão exportador de especialização produtiva. “A noção de padrão de reprodução do capital surge para dar conta das formas como o capital se reproduz em períodos históricos específicos e em espaços geoterritoriais determinados, tanto no centro como na semiperiferia e na periferia [...].” (OSÓRIO, 2012, p. 40). Na América Latina este padrão assume um modelo específico, tendo como fundamento as exportações de bens primários, a despeito da relevância da indústria em alguns países, como é o caso do Brasil. Com efeito, o padrão exportador de especialização produtiva é responsável pela permanência e aprofundamento da condição periférica e dependente dessas economias e, no caso brasileiro, este processo esteve historicamente calcado na disponibilidade, em abundância, de terras, o que implicou naquilo que Xavier (2012) denominou de “sentido territorial da dependência” e guarda estreita relação com a reflexão empreendida por Tavares acerca da geopolítica e da geoeconomia na formação do Brasil contemporâneo. Nas palavras da economista: “A expansão das fronteiras econômicas, periodicamente fechadas e reabertas, pelos negócios de produção e exportação do agrobusiness e da exploração de recursos naturais, mantém-se ao longo de toda a história econômica brasileira.” (TAVARES, 2012, P. 456). Coaduna-se às considerações de Tavares e de Xavier, a conclusão a que chega Osório ao tratar das formas de organização produtiva nos países latino-americanos:

Mais do que economias dinâmicas que se orientam para o desenvolvimento (e que aproveitam as “janelas de oportunidades” abertas pelas novas tecnologias, como certo discurso gosta de destacar), o que temos na América Latina são novas formas de organização reprodutiva que reeditam, sob novas condições, os velhos signos da dependência e do subdesenvolvimento como modalidades reprodutivas que tendem a caminhar de costas para as necessidades da maioria da população. (OSÓRIO, 2012, p. 104).

  • 11 São considerados produtos industrializados, além dos manufaturados, todos os produtos semimanufatur (...)

23No tocante à economia brasileira, os dados acerca das exportações por fator agregado atestam a vigência e recrudescimento do chamado padrão exportador de especialização produtiva. Este padrão de reprodução do capital orienta a ocupação da nova fronteira segundo as demandas da acumulação capitalista em termos globais, segundo, portanto, uma dada divisão internacional do trabalho que tem, nas finanças, seu elemento fulcral. Em 1997 os produtos básicos corresponderam a 27,31% das exportações brasileiras, enquanto os produtos semimanufaturados e manufaturados representaram 16% e 55,10% do total das exportações, respectivamente. Uma década depois, em 2016, o percentual representado pelos produtos básicos saltou para 42,73% enquanto que o percentual de exportações de semimanufaturados e manufaturados11 caiu para 15,10% e 39,91%, respectivamente. (MDIC, 2017). É forçoso admitir, portanto, que à queda nas exportações de produtos manufaturados deu-se considerável expansão das exportações de produtos básicos, conforme pode ser visualizado no Gráfico 2.

Fonte: Elaborado pelo autor com base nos dados disponibilizados pela Secretaria de Comércio Exterior. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. 2018.

24Somente três produtos responderam por pouco mais da metade (53,94%) de todas as exportações de produtos básicos realizadas pelo Brasil em 2016: soja mesmo triturada (24,42%); minérios de ferro e seus concentrados (16,79%) e óleos brutos de petróleo (12,73%). Dez anos antes, esses produtos tinham as seguintes participações no total de mercadorias exportadas pelo Brasil: soja mesmo triturada (4,12%); minérios de ferro (6,51%) e óleos brutos de petróleo (5,02%). Resta evidente que a expansão da produção de soja, dentre outros bens primários, no âmbito do território do Matopiba durante o período analisado não se trata de um fenômeno adstrito à dinâmica econômica interna. Pelo contrário, possui conexão com a dinâmica externa e se insere nos quadros de um capitalismo que reproduz, na periferia, os fundamentos da dependência econômica.

25Logo, não é fortuita a recorrente vinculação do padrão exportador de especialização produtiva ao suposto desenvolvimento econômico por meio da contundente defesa que determinados setores da sociedade e da grande imprensa fazem em relação ao agronegócio. Associado ao progresso no âmbito do discurso midiático e mesmo governamental, o agronegócio e as imensas possibilidades que com ele se apresentam (promotor de superávits na Balança Comercial; indutor e alvo de novas tecnologias e, mais recentemente, associado à tão propalada sustentabilidade) constroem a justificativa central para a exploração da nova fronteira agrícola. A dinâmica de ocupação do território, conforme mencionado outrora, instaura-se consoante determinado modelo de acumulação e reprodução do capital. No caso da nova fronteira agrícola, ao contrário da ocupação do Cerrado nos anos 1960, período em que o padrão de reprodução do capital era o chamado padrão industrial, o padrão de exportador de especialização produtiva visa o mercado internacional, o que explica o expressivo crescimento das exportações brasileiras na última década. Segundo Osório (2012, p. 73):

Um padrão de industrialização como o que se impulsionou na América Latina entre os anos 1940 e 1970 requeria, por exemplo, políticas econômicas protecionistas em termos de tarifas de importação; forte intervenção do Estado em matéria de investimentos; um tipo de bancos de desenvolvimento com créditos a baixas taxa de juros para as empresas; um sistema bancário com condições de fomentar o consumo individual mediante empréstimos brandos; políticas salariais que permitissem a incorporação de segmentos operários ao consumo e, dessa forma, alcançar uma ampliação do mercado interno; na mesma linha, um Estado que impulsionasse políticas sociais que ampliassem a demanda dos assalariados (aposentadorias, benefícios sociais etc.). Medidas de política econômica como as anteriores, que tiveram papel substantivo em propiciar e resolver gargalos da reprodução do capital sob um padrão industrial, são diametralmente distintas das que se aplicam na América Latina de maneira generalizada desde os anos 1980, ainda vigentes nas primeiras décadas do século XXI. [...] parte substantiva da produção é voltada para o mercado mundial, fazendo com que se apliquem medidas de política econômica que fomentem as exportações; e, à medida que o discurso do livre-comércio ganha terreno, também se fomenta a abertura de fronteiras para as importações

26Sobre esta questão, é importante ressaltar o papel ocupado pela demanda de países que tem passado por um acelerado processo de expansão econômica, como a China e a Índia, o que deve ser levado em conta para a compreensão das dinâmicas territoriais nos países com os quais os vínculos econômicos tem se estreitado cada vez mais, como é o caso do Brasil. Se, outrora, um projeto nacional, de ampliação e consolidação da indústria, era o que movia as ações do Estado e do capital nacional, período de vigência do padrão industrial (Osório, 2012), mesmo que vinculado, no último caso, ao capital estrangeiro, pode-se afirmar que o projeto de ocupação do território, sua exploração, bem como os grandes projetos de investimento atualmente realizados pela iniciativa pública não possuem outro propósito senão atender a busca por maiores lucros por parte do capital transnacional. Ademais, há que se considerar - embora não seja a questão tratada neste artigo - que o capital ligado às empresas transnacionais tem alcançado vultosos rendimentos, seja negociando as commodities, seja abrindo seus capitais em bolsas de valores ou mesmo negociando terras na forma de ativos financeiros. As empresas ligadas a essa última prática são as chamadas land companies ou imobiliárias transnacionais, as quais se apossam de amplas parcelas do território nacional e fazem destas os seus quintais. Conforme apontam Pitta, Boechat e Mendonça (2017, p. 172):

Assim, a incorporação de novas áreas, com a abertura de novas terras, serve como possibilidade de ampliação de produção de soja a lastrear financiamentos sobre a subida do preço desta commodity, serve como banco de terras a inflar o portfólio das empresas, lastreando a subida do preço de suas ações em bolsa de valores, e serve também como ativo financeiro propriamente dito, atuando relativamente de maneira independente em relação ao preço das mercadorias que podem ser produzidas ali. Tal possibilidade está no cerne da criação das imobiliárias agrícolas transacionais [...].

  • 12 O documento “Imobiliárias agrícolas transnacionais e a especulação com terras na região do Matopiba (...)

27Outra questão que não foi objeto deste artigo, mas que deve ser mencionada são os impactos socioambientais advindos da ocupação da fronteira agrícola do Matopiba, são eles: denúncias de trabalho análogo à escravidão; expulsão de povos indígenas, pequenos produtores e quilombolas de suas terras em decorrência de processos de grilagem e outras formas de expropriação; desmatamento do Cerrado, o que tem ocasionado a seca dos rios; uso de agrotóxicos, causando a contaminação de rios, pequenas plantações, mortandade de peixes etc.)12.

Conclusão

28A análise dos dados atinentes à dinâmica econômica instaurada no território do Matopiba confirma a hipótese de que esta fronteira agrícola reproduz um padrão de acumulação que tem, na exportação de bens primários, seu fundamento, o chamado padrão exportador de especialização produtiva. Diferentemente da ocupação de parcelas do Cerrado ocorrida a partir dos anos 1960, a nova fronteira agrícola tem sido engendrada a partir de interesses advindos, em grande medida, do capital transnacional. Enquanto àquela estabeleceu-se por meio de um projeto nacional em que o Estado e o capital nacional tiveram papéis decisivos, esta tem sido erigida em um contexto de financeirização da economia, em que o interesse das empresas estrangeiras se sobrepõe aos demais interesses. Aproveitando-se dos recursos naturais, disponíveis em abundância, estas empresas dilapidam o solo e a água, além de promoverem toda sorte de impactos sobre suas populações, reverberando o caráter subalterno, periférico e dependente de nosso capitalismo.

Haut de page

Bibliographie

AUBERTIN, Catherine; PINTON, Florence. L’invention du biome Cerrado. Confins [Online], 17 | 2013, Disponível em: http://journals.openedition.org/confins/8218. Acesso em: 9 mar. 2018. DOI: 10.4000/confins.8218.

BECKER, Bertha. <Fronteira e urbanização repensadas.> In: As amazônias de Bertha Becker: ensaios sobre geografia e sociedade na região amazônica. : vol. 3. Org. Ima Célia Guimarães Vieira. Rio de Janeiro: Garamond, 2015a.

BECKER, Bertha. <Geopolítica da Amazônia – a nova fronteira de recursos.> In: As amazônias de Bertha Becker: ensaios sobre geografia e sociedade na região amazônica. : vol. 1. Org. Ima Célia Guimarães Vieira. Rio de Janeiro: Garamond, 2015.

BECKER, Bertha. <El uso politico del território.> Consideraciones a partir de una vision del tercer mundo. Revista Geográfica de América Central. N. 17-18. 2º sem. 1982/1º sem. 1983, pp. 13-26.

CONCEIÇÃO TAVARES, Maria da. Da substituição de importações ao capitalismo financeiro: ensaios sobre economia brasileira. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1983.

COUTINHO, Leopoldo Magno. <O conceito de bioma>. Acta Bot. Bras. vol.20. nº.1.  São Paulo Jan./Mar. 2006.

LEWIS, Arthur. O desenvolvimento econômico com oferta ilimitada de mão-de-obra. In: Agarwala, A. N.; Singh, S. P. (orgs.). A economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro-São Paulo: Forense. s/d.

MARCONI, Nelson. Estrutura produtiva e desenvolvimento econômico. In: Barbosa, N.; Marconi, N.; Pinheiro, M. C.; Carvalho, L. (orgs.). Indústria e desenvolvimento produtivo no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, FGV, 2015.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

OSORIO, Jaime. <Padrão de reprodução do capital: uma proposta teórica.> In: Carla Ferreira, Jaime Osorio; Mathias Luce (orgs.). Padrão de reprodução do capital. São Paulo: Boitempo, 2012.

PITTA, Fábio Teixeira; BOECHAT, Cássio Arruda. A produção do espaço na região do MATOPIBA: violência, transnacionais imobiliárias agrícolas e capital fictício. Estudos Internacionais. Vol. 5, n.º 2 (2017). Belo Horizonte. pp. 155-179.

POULANTZAS, Nicos. Poder político e classes sociais. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

POULANTZAS, Nicos. O Estado, o poder, o socialismo. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1980.

SANDRONI, Paulo. Dicionário de Economia do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2014.

SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

TAVARES. Maria da Conceição. Império, território e dinheiro. In: Fiori, José Luis (org.). Estados e moedas no desenvolvimento das nações. 4 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 449-489.

XAVIER, Glauber Lopes. Questão agrária e capitalismo periférico no Brasil: o sentido territorial da dependência. Revista de Economia Política e História Econômica, v. 37, p. 142-163, 2017.

Páginas consultadas pela internet

Agrosatélite Geotecnologia Aplicada Ltda. Análise Geoespacial da Dinâmica das Culturas Anuais no Bioma Cerrado: 2000 a 2014 / Rudorff, B.; Risso, J. et al., 2015 Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, 2015. Disponível em: http://biomas.agrosatelite.com.br/img/Analise_geoespacial_da_dinamica_das_culturas_anuais_no_bioma_Cerrado_2000a2014.pdf. Acesso em: 14 out. 2017.

Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB). Mapas da produção agrícola. Disponível em: http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1101&t=. Acesso em: 14 mar. 2018.

Diário Oficial da União. 13 de novembro de 2015. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=13/11/2015&jornal=1&pagina=8&totalArquivos=336. Acesso em: 08 out. 2017.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Nota técnica. Proposta de delimitação territorial do MATOPIBA. Disponível em: https://www.embrapa.br/gite/publicacoes/NT1_DelimitacaoMatopiba.pdf. Acesso em: 08 out. 2017.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Disponível em: https://www.embrapa.br/gite/projetos/matopiba/. Acesso em: 08 out. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mapa de biomas e de vegetação. Disponível em: http://ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/21052004biomashtml.shtm. Acesso em: 06 mar. 2017.

Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Balança comercial brasileira: janeiro-dezembro 2016. Disponível em: http://www.mdic.gov.br/index.php/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/balanca-comercial-brasileira-acumulado-do-ano?layout=edit&id=2205.

Acesso em: 01 mai. 2018.

Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Balança comercial brasileira: janeiro-dezembro 2006. Disponível em: http://www.mdic.gov.br/index.php/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/balanca-comercial-brasileira-acumulado-do-ano?layout=edit&id=1176.

Acesso em: 01 mai. 2018.

Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Balança comercial brasileira: Unidades da Federação. Disponível em: http://www.mdic.gov.br/index.php/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/balanca-comercial-brasileira-unidades-da-federacao. Acesso em: 05 mar. 2017.

Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Balança comercial brasileira: Municípios. Disponível em: http://www.mdic.gov.br/index.php/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/balanca-comercial-brasileira-municipios. Acesso em: 13 out. 2017.

Ministério do Meio Ambiente. O bioma Cerrado. Disponível em: http://www.mma.gov.br/biomas/cerrado. Acesso em: 06 mar. 2017.

Presidência da República. Decreto Nº 8447, de 6 de maio de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/decreto/d8447.htm. Acesso em 08 out. 2017.

Rede Social de Justiça e Direitos Humanos. Imobiliárias agrícolas transnacionais e a especulação com terras na região do Matopiba. Disponível em: https://www.social.org.br/images/MATOPIBA.pdf. Acesso em: 9 mar. 2018.

Haut de page

Notes

1 Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, entende-se por bioma “um conjunto de vida (vegetal e animal) constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação contíguos e identificáveis em escala regional, com condições geoclimáticas similares e história compartilhada de mudanças, o que resulta em uma diversidade biológica própria.” (IBGE, 2017). Dado que o Cerrado não compreende apenas um bioma, mas reúne vários biomas, convém tomá-lo por uma savana, o que procedemos no estudo em questão. Sobre esta questão, elucida Coutinho (2006, p. 19): “Modernamente, o Cerrado é considerado como sendo uma savana. Este termo aceita dois conceitos: um de natureza meramente fitofisionômica e outro referente a um grande tipo de ecossistema, com seu tipo particular de vegetação.”

2 Segundo informações do Ministério do Meio Ambiente, o Cerrado possui 11.627 espécies de plantas nativas catalogadas, bem como cerca de 199 espécies de mamíferos e 837 espécies de aves. Possui, ainda, 1.200 espécies de peixes, 180 espécies de répteis e 150 espécies de anfíbios. Essa rica savana abriga, ainda, 13% das borboletas, 35% das abelhas e 23% dos cupins dos trópicos. (MMA, 2017).

3 Sobre os recursos hídricos e o sistema biogeográfico do Cerrado, ver: A complexa teia hídrica que brota do cerrado está ameaçada. Entrevista especial com Altair Sales Barbosa. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/536664-a-complexa-teia-hidrica-que-brota-do-cerrado-esta-ameacada-entrevista-especial-com-altair-sales-barbosa.

4 Conforme Milton Santos (2008, p. 133): “A partir, sobretudo, do fim da Segunda Guerra Mundial, generaliza-se a tendência. Desse modo as remodelações que se impõem, tanto no meio rural quanto no meio urbano, não se fazem de forma indiferente quanto a esses três dados: ciência, tecnologia e informação.”

5 Sobre a problemática do desenvolvimento econômico em países com abundância de força de trabalho, ver: “Lewis, Arthur. O desenvolvimento econômico com oferta ilimitada de mão-de-obra.”

6 O termo é usado como referência aos produtos de base em estado bruto (matérias-primas) ou com pequeno grau de industrialização, de qualidade quase uniforme, produzidos em grandes quantidades e por diferentes produtores. (MDIC, 2017).

7 Free On Board. “Expressão do comércio internacional que significa ‘posto a bordo’, seguida da indicação do porto de embarque. Nessa modalidade, o exportador (vendedor) é obrigado a colocar a mercadoria a bordo do navio designado no contrato de venda, cessando sua responsabilidade sobre a mesma no momento em que ela transpõe a amurada do navio. As formalidades de exportação são executadas pelo vendedor.” (SANDRONI, 2014, p. 344).

8 Considerando que o propósito do artigo é a compreensão da ocupação da nova fronteira agrícola com base na dinâmica do comércio exterior, os principais dados que nortearão as análises serão àqueles relacionados às exportações, expressos principalmente em termos monetários.

9 No caso da Bahia, na ausência de dados para o período jan./dez. de 2016, decidiu-se considerar os dados para o período jan./dez. de 2015.

10 Dados para o período jan./dez. de 2015. Vide nota de rodapé n.º 7

11 São considerados produtos industrializados, além dos manufaturados, todos os produtos semimanufaturados, tais como: celulose, ferro-ligas, couros e peles, óleo de soja, catodos de cobre, cacau em pó, ligas de alumínio, pimentões e pimentas trituradas ou em pó, dentre outros. Diferentemente dos produtos manufaturados, os produtos semimanufaturados, ainda que tendo passado por alguma modificação em relação ao seu estado natural, requerem outras etapas de transformação e/ou deverão ser submetidos à processos de fabricação de outras mercadorias, estas sim plenamente industrializadas.

12 O documento “Imobiliárias agrícolas transnacionais e a especulação com terras na região do Matopiba” trás um estudo detalhado sobre a ofensiva destas empresas na busca por maiores rendimentos por meio da especulação financeira com base nos recursos naturais e na produção agrícola no Matopiba, assim como os desdobramentos sociais decorrentes da ocupação do território. Vide: https://www.social.org.br/images/MATOPIBA.pdf.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 – Matopiba – Rede de Influências dos Centros Urbanos e Posição Hierárquica
Crédits Fonte: IBGE/Embrapa.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17590/img-1.png
Fichier image/png, 1,0M
Titre Mapa 2 – Produção Brasileira de Soja – Safra 2006/2007
Crédits Fonte: Companhia Nacional de Abastecimento – Conab/Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17590/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre Mapa 3 – Safra Brasileira de Soja – Safra 2013/2014
Crédits Fonte: Companhia Nacional de Abastecimento – Conab/Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17590/img-3.png
Fichier image/png, 261k
Crédits Fonte: Elaborado pelo autor com base nos dados disponibilizados em relatório síntese organizado por Rudorff, B.; Risso, J. et al (2015) e pela Agrosatélite Geotecnologia Aplicada Ltda
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17590/img-4.png
Fichier image/png, 32k
Crédits Fonte: Elaborado pelo autor com base nos dados disponibilizados pela Secretaria de Comércio Exterior. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17590/img-5.png
Fichier image/png, 37k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Glauber Lopes Xavier, « MATOPIBA: a ocupação da nova fronteira agrícola nos quadros do padrão exportador de especialização produtiva »Confins [En ligne], 39 | 2019, mis en ligne le 31 mars 2019, consulté le 06 octobre 2022. URL : http://journals.openedition.org/confins/17590 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.17590

Haut de page

Auteur

Glauber Lopes Xavier

Universidade Estadual de Goiás, glauber.xavier@ueg.br

Haut de page

Droits d’auteur

CC BY-NC-SA 4.0

Creative Commons - Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International - CC BY-NC-SA 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search