Navigation – Plan du site

Editorial do número 39

Editorial of issue 39Éditorial du numéro 39
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Traduction(s) :
Editorial du numéro 39

Texte intégral

1As estatísticas de frequentação da revista para o ano de 2018 são agora conhecidas e esta primeira edição do ano de 2019 é o momento certo para analisá-las em forma cartográfica.

2A Figura 1, que representa o número de visualizações de páginas por país, em 3D e em projeção policônica, mostra a predominância do Brasil e da França entre os leitores da revista – o que é normal para uma revista franco-brasileira – mas se observa a presença da Alemanha muito próxima da França.

Figura 1 Número de páginas vistas en 2018

Figura 1 Número de páginas vistas en 2018

Source : OpenEdition 2018

3A Tabela 1, que lista os dez principais países de acordo com este critério, confirma este aumento na Alemanha, e atrás do trio principal estão os Estados Unidos, com mais de 90 000 páginas vistas, seguidos pela China (em constante crescimento), Portugal e Argentina (devido a proximidade geográfica ou linguística com o Brasil), depois Canadá, Marrocos e Tunísia (que têm proximidade linguística com a França).

T abela 1 Os dez principais países em termos de visualizações de página

Páginas vistas

em 2018

Ranking

em 2018

População

em 2017

Brasil

409 906

1

209 288 278

França

137 937

2

67 118 648

Alemanha

112 641

3

82 695 000

Estados-Unidos

90 019

4

325 719 178

China

13 729

5

1 386 395 000

Portugal

10 157

6

10 293 718

Argentina

10 051

7

44 271 041

Canadá

5 895

8

36 708 083

Marrocos

5 589

9

35 739 580

Tunísia

4 895

10

11 532 127

Fonte : OpenEdition 2018

4A Figura 2 distingue os países nos quais a revista teve leitores (em cinza) daqueles em que a revista não teve (em rosa). No total, estes últimos são apenas 42 (dos 193 reconhecidos pela ONU), incluindo o Vaticano e uma série de microestados do Pacífico e do Caribe. Sua população total era de pouco mais de 176 milhões em 2017, dos 7,5 bilhões de pessoas no mundo (2,33%).

Figura 2 Presenças e ausências de leitores - Confins em 2018

Figura 2 Presenças e ausências de leitores - Confins em 2018

Fonte : OpenEdition 2018

5Entre os países onde Confins não teve ledores, os únicos com uma população de mais de 10 milhões são Mianmar (ex-Birmânia), Coréia do Norte, Iêmen, Somália e Sudão do Sul: o primeiro cuja abertura é muito recente após anos de ditadura, o segundo ainda está nela e os seguintes estão em estado de guerra, externa ou civil, e não é de surpreender que seus habitantes tenham outras prioridades além de ler nossa revista.

Figura 3 Número de páginas visualizadas por 100.000 habitantes.

Figura 3 Número de páginas visualizadas por 100.000 habitantes.

Fonte : OpenEdition 2018

6A Figura 3, baseada no número de páginas visualizadas por 100.000 habitantes, confirma o trio líder (Brasil, França e Alemanha) e destaca como pontos fortes da revista, as duas Américas, a Europa e a África Ocidental, bem como as áreas fracas, África Oriental, Oriente Médio e Ásia (excluindo a China).

7A Tabela 2 completa o mapa, pois mostra territórios muito pequenos para serem visíveis nele. Assim, em termos do número de páginas por 100.000 habitantes, os três principais países são precedidos pela Guiana Francesa e São Tomé e Príncipe, sendo que o primeiro tem razões óbvias para se interessar pelo Brasil e o segundo é um país lusófono, onde provavelmente apreciam uma revista onde a maioria dos artigos são publicados em português. Atrás dos três países de referência vêm outros países de língua portuguesa (incluindo Portugal), departamentos e territórios ultramarinos franceses e países europeus ou norte-africanos francófonos: todos reputam na revista – de acordo com depoimentos que recebemos – ela ser uma fonte livremente acessível e gratuita.

Tabela 2 Ranking de acordo com as visualizações de página por 100.000 habitantes

População

em 2017

Páginas por

100 000 hab

Ranking páginas

/100 000 hab

Guyane Française

274 153

486,95

1

São Tomé e Príncipe

204 327

228,56

2

França

67 118 648

205,51

3

Brasil

209 288 278

195,86

4

Alemanha

82 695 000

136,21

5

Martinique

374 780

126,74

6

Réunion

870 655

116,12

7

Guadalupe

429 085

108,84

8

Portugal

10 293 718

98,67

9

Cabo Verde

546 388

84,56

10

Luxemburgo

599 449

68,23

11

Mônaco

38 695

67,19

12

Saint Pierre et Miquelon

6 080

65,79

13

Nouvelle Calédonie

280 460

64,54

14

Tunísia

11 532 127

42,45

15

Polynésie Française

283 007

41,70

16

Bélgica

11 372 068

37,21

17

Mayotte

235 132

34,87

18

Suiça

8 466 017

28,30

19

Estados-Unidos

325 719 178

27,64

20

Fonte : OpenEdition 2018

Figura 4 Variação no número de páginas visualizadas entre 2007-2009 e 2018

Figura 4 Variação no número de páginas visualizadas entre 2007-2009 e 2018

Fonte : OpenEdition 2018

8A Figura 4 analisa a variação no número de páginas visualizadas entre a média dos três primeiros anos (de 2007 a 2009) e o último ano conhecido, 2018. É animadora, pois mostra um progresso significativo precisamente em áreas de fragilidade, na África e na Ásia.

9Os dados que detalham o número de páginas visualizadas em 2018 nos permitem finalmente listar os países com mais de um milhão, onde a revista não teve leitores em 2007-2009, mas teve em 2018: Uganda, Iraque, Afeganistão, Uzbequistão, Nepal, Malawi, Tadjiquistão, Quirguistão, Omã, Armênia, Botsuana e Timor-Leste. Alguns deles estão em situações muito difíceis (por causa de seu regime político ou do estado de guerra) e é uma grande satisfação para nós ter contribuído (por menor que tenha sido a nossa contribuição), para dar aos seus habitantes uma possibilidade de acesso à informação.

O número 39

10Este número conta poucos artigos porque tem excepcionalmente dois dossiês. Três deles têm em comum o uso da cartografia, embora em escalas e períodos muito diferentes: “Cartografia do interior bahiano. Uma análise de três mapas anônimos do século XVIII” de Grégoire van Havre, “Cartografia e geopolítica das relações sul-sul: sobre a cooperação técnica Brasil-África”, de André Santos da Rocha e “Classificação da cobertura da terra na região da ilha do Bananal usando imagens multitemporais PALSAR-2/ALOS-2”, de Jorge Bohrer Marques, Osmar Abílio de Carvalho Júnior, Fernando Campagnoli, Humberto Navarro de Mesquita Júnior, Roberto Arnaldo Trancoso Gomes e Renato Fontes Guimarães.

11Três outros lidam com dois aspectos distintos do mundo rural do Brasil, o poderoso mundo do agronegócio e a agricultura camponesa, “Matopiba: a ocupação da nova fronteira agrícola nos quadros do padrão exportador de especialização produtiva ”, por Glauber Lopes Xavier, “Território financeirizado: as determinações territoriais dos desembolsos do BNDES ao setor sucroenergético no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul”, de Ana Claudia Giannini Borges e José Gilberto de Souza e “Feira livre e reprodução camponesa no município de Irará/BA”, de Andréia Silva de Alcântara e Noeli Pertile.

12Segue um merecido tributo a Robert Bariou, pioneiro das relações científicas franco-brasileiras no campo do sensoriamento remoto e do audiovisual, ministrado por seus colegas da Universidade Rennes 2 Vincent Dubreuil, Laurence Hubert-Moy, Jean-Pierre Marchand e Vincent Nédélec, “Robert Bariou: de Gourin a Guaporé ... via a geomática...”. A seção “Síntese” é desta vez constituída por um artigo muito oportuno de Wanderley Messias da Costa, “A Petrobrás e a indústria de petróleo no Brasil: geopolítica e estratégia nacional de desenvolvimento”.

13O primeiro dossiê “Balneomar” é franco-brasileiro e geográfico-histórico, foi coordenado por Laurent Vidal, professor de história na Universidade de La Rochelle (CRHIA) e Paulo César da Costa Gomes, professor de geografia na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Eles o apresentam em um artigo introdutório, “Entre a cidade e o mar, entre a França e o Brasil : pensando a balnearização”, seguido de um “ Breve estado da arte sobre a balnearização França-Brasil ”.

14Os oito artigos que formam o dossiê tratam este objeto original a partir de ângulos diferentes, “Entre duas águas : correntes terapêuticas franco-brasileiras no processo de balnearização do Rio de Janeiro”, “A circulação de práticas e ideias balneárias: a estância termal de Poços de Caldas (MG)”, “Rio de Janeiro e a Avenida Beira Mar: desejo de paisagem e cidade balneária nas primeiras décadas do século XX”, “Uma Copacabana Perdida nos Confins suburbanos: a ideia de balnearização do bairro de Ramos/RJ (anos 1920-1940)”, “A balnearização da baixada de Araruama e a emergência da ‘Costa do Sol’ (1940-1960”), “Evolução histórica da ocupação da linha de costa na França (Golfo da Biscaia) e Brasil (Rio de Janeiro) diante da vulnerabilidade e dos riscos à erosão costeira (séculos XIX a XXI)”, “Cartão-postal fotográfico e balnearização das cidades litorâneas: o caso de Royan (1895-1920)” e “O arrastão vai à praia: gentes, redes e visibilidades no balneário carioca”.

15O segundo dossiê, “Dinâmica Territorial e Gestão de Políticas Públicas”, foi coordenado por Martin Jayo e Eduardo de Lima Caldas, professores da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP), que o dedicam ao colega José Renato de Campos Araújo, recentemente falecido, cujos textos aqui publicados são, portanto, os últimos.

16Aqui, novamente, a diversidade de abordagens é marcante, bem como a participação dos alunos como co-autores ao lado de seus professores. O primeiro “A memória das cidades na sociedade digital: reflexões para São Paulo e o exemplo de ‘Quando a cidade era mais gentil’” tem duas versões, em português e em francês, em uma tradução feita pelos próprios autores e nota-se que o segundo autor é um estudante de mestrado do primeiro. Em seguida vem “Monitoramento participativo e accountability governamental: o estudo de caso do ‘Cuidando de Meu Bairro’”, “Agriculturas urbanas em São Paulo: histórico e tipologia “(em português e francês)”. “Um setor agrícola subestimado na luta contra a mudança climática? O caso da região industrial do Grande ABC” e “Implementar uma política de combate às mudanças climáticas em uma região metropolitana: o caso da região do Grande ABC no Brasil” são de dois estudantes francesas em intercâmbio no EACH/USP. “Governos subnacionais e a Política de Mudanças Climáticas de São Paulo: uma análise a partir da multiposição dos atores na cidade de São Paulo”, “A diáspora coreana: o caso brasileiro” e “Ações Estatais ou Políticas Públicas? Fronteiras, Fluxos Migratórios e Política Migratória” também associam um pesquisador sênior (no segundo e terceiro caso José Renato de Campos Araújo) e um ou mais junior(es), em mestrado ou fim de graduação. Finalmente, “Flexibilidade institucional e qualidade da democracia: sobre a comparação de conceitos historicamente construídos e geograficamente situados" fecha o dossiê com uma reflexão mais geral sobre a democracia, particularmente bem-vinda no período atualmente atravessado pelo Brasil.

17A “posição de pesquisa” é desta vez de Samuel Jouault, da Faculdade de Ciências Antropológicas da Universidade Autônoma de Yucatán, que relaciona sua jornada profissional e intelectual em “Turismo y sociedades locales en America latina : una aproximación sentipensante del agente de desarrollo y del universitário” e a crônica de campo“Iconografia das fronteiras das Guianas” retraça – em imagens – outro itinerário, o de Gutemberg de Vilhena Silva e dois de seus mestrandas, Clicia Vieira Di Miceli e Brenda Farias da Silva. E finalmente Fanny Boyer esboça para a seção de “Imagens comentadas” um último paralelo franco-brasileiro com “O retorno das florestas francesas”.

18Uma resenha do livro "Goiás, guia de cartografia histórica" por Laurent Vidal, seguido de reprpduções comentadas do famoso "Mapa dos confins do Brasil com as terras da coroa de Espanha na américa meridional – “mapa das cortes”" fecha este número.

Novas traduções

19Graças à colaboração com a UFRGS podemos pôr à disposição dos nossos leitore novas traduções de artigos do francês ao português:

20Boa leitura a todos

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Número de páginas vistas en 2018
Crédits Source : OpenEdition 2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17637/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 2,6M
Titre Figura 2 Presenças e ausências de leitores - Confins em 2018
Crédits Fonte : OpenEdition 2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17637/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 732k
Titre Figura 3 Número de páginas visualizadas por 100.000 habitantes.
Crédits Fonte : OpenEdition 2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17637/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Titre Figura 4 Variação no número de páginas visualizadas entre 2007-2009 e 2018
Crédits Fonte : OpenEdition 2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17637/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 1,5M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 39 », Confins [En ligne], 39 | 2019, mis en ligne le 07 avril 2019, consulté le 15 octobre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/17637

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals