Navigation – Plan du site
Dossiê Balneomar

A circulação de práticas e ideias balneárias: a estância termal de Poços de Caldas (MG)

La circulation de pratiques et d'idées balnéaires : la station thermale de Poços de Caldas (MG)
The circulation of practices and seaside resort ideas: the spa of Poços de Caldas (MG)
Lohanne Fernanda Gonçalves Ferreira et Rogério Silva-Júnior

Résumés

On peut dire que les modèles de stations balnéaire et thermale sont concurrents à la naissance, bien que fortement liés par la fréquentation des élites qui les ont fondés et fréquentés. Pour comprendre certaines dimensions des circulations de pratiques et d’idées balnéaires entre le littoral et les stations thermales, nous partons de l'expérience de l'une des principales villes thermales du début du XXe siècle au Brésil, Poços de Caldas (MG). En plus de l'historiographie construite sur la ville, nous analysons dans cet article les occurrences de la ville dans les articles de la revue O Cruzeiro. Trois moments clés de la station ont été identifiés : la construction de la station thermale comme espace balnéaire; l'apogée et la consolidation du balnéaire á partir des pratiques; et le déclin de la station thermale en tant qu'espace social des élites brésiliennes - parallèlement à la montée en puissance des stations balnéaires du littoral.

Haut de page

Texte intégral

1O processo que levou à consolidação dos balneários, tal qual os conhecemos atualmente no Brasil, teve início no final do século XIX. Eles não surgiram como um movimento espontâneo, dado unicamente pela morfologia desses lugares; a partir do começo do século XX, passaram a receber investimentos para melhorar sua acessibilidade. No Rio de Janeiro, por exemplo, o Conde de Lages, juntamente com Francisco Teixeira Magalhães, entrara com um pedido para a instalação de trilhos que articulavam o bairro de Botafogo com o arrabalde de Copacabana. A primeira clara tentativa de dar ao litoral atlântico da cidade um equipamento que favorecesse o deslocamento e a ocupação no que, décadas mais tarde, seria um balneário data de 1872.

2O diferencial daquele lugar para seus investidores eram os ares marítimos. Segundo O’Donnell (2013), a concessão recebida (Decreto n. 5.785, de 4 de novembro de 1874) lhes facultava o direito de desapropriação de terras em Copacabana e o privilégio exclusivo da instalação de uma estação balneária, acompanhada de uma estrutura urbana básica. É importante destacar que, no Brasil, desde o final da década de 1870, alinhado à ideologia higienista e medicinal, os banhos de mar e os ares marítimos eram recomendados aos convalescentes.

3Com base fundamentada nessa ideologia, a procura por águas consideradas terapêuticas ganhou força no imaginário social entre o final do século XIX e o começo do século XX no Brasil. Para além do imaginário, essa mudança comportamental estava atrelada a um novo modo de vida moderno, o que também repercutiu na circulação de práticas e ideias balneárias. Não apenas as cidades litorâneas foram fortalecidas política, econômica e socialmente pelo seu potencial balneário, como também estâncias distantes do litoral foram construídas, influenciadas por modelos balneários apropriados pela elite moderna contemporânea.

4Inspirados em modelos nacionais, como o Rio de Janeiro, e internacionais, como os balneários franceses, os planejadores que atuaram na cidade de Poços de Caldas, em Minas Gerais, viram nas águas termais o potencial para construir um novo balneário. O objetivo central do presente artigo é, portanto, compreender a circulação de práticas e ideias balneárias entre o litoral e a estância termal de Poços de Caldas. Nesse sentido, a ideia de circulação se associa a uma análise da mobilidade das ideias, dos valores e dos imaginários, no tempo e no espaço (ESPAGNE, 2013; MARTIN, 2011).

5O presente trabalho debruça-se sobre o acervo de uma das principais revistas de circulação nacional do Brasil: O Cruzeiro (1928-1985). Responsável por apresentar em textos e imagens os costumes da época, a revista ajudou a construir, além de um imaginário social do Brasil do século XX, parâmetros de distinção social, que ela representava em suas páginas.

6Este trabalho está dividido em três partes. Na primeira delas, fazemos um debate sobre a construção do balneário de Poços de Caldas. Trazemos indicativos que sugerem relações transatlânticas, as quais inspiraram a criação de balneários não litorâneos, tal qual Poços de Caldas, no final do século XIX e começo do século XX. Em seguida, apresentamos os procedimentos metodológicos a partir de um levantamento realizado na revista O Cruzeiro, o que possibilitou a interpretação e análise das ocorrências em reportagens. Na terceira parte, apresentamos a circulação de práticas e ideias inspiradas nos ideais modernos franceses, pautados na modernidade, e como isso ajudou a consolidar a estância balneária de Poços de Caldas. Ao final do texto, trazemos algumas reflexões e questões que emergiram a partir de nossa análise.

A circulação dos modos de vida e das ideias balneárias no início do século XX

7Os trabalhos sobre as transformações dos espaços balneários têm gozado de especial interesse dos pesquisadores que se dedicam aos estudos urbanos. Esses estudos tratam, com frequência, dos temas da cultura balneária como uma prática de lazer, o desenvolvimento dos balneários e as novas relações entre a sociedade e o estilo de vida balneário (BAPTISTA, 2007; BARICKMAN, 2014; 2016; CARDOSO, 2010; FARIAS, 2006; O’DONNELL, 2013).

8Pensar em uma cultura e em um modo de vida balneário no Brasil não representa um fato espontâneo como pode parecer. Esse tipo de espaço relacionado aos modos de vida foi concebido a partir de suas águas, consideradas medicinais. Nas áreas litorâneas, o banho de mar e o banho de sol eram frequentemente receitados para o tratamento de enfermidades. Assim como nas estâncias termais, mais distantes dos litorais, a ingestão, o mergulho e repouso em águas quentes eram considerados tratamentos de saúde para os enfermos. Essas atividades existiam desde o final do século XVIII e constituíam uma prática corrente de vida das elites.

9Tanto a expansão para a região oceânica do Rio de Janeiro, quanto o crescimento e o remodelamento de cidades para se tornarem balneários não litorâneos, tal qual Poços de Caldas, repercutem a moda balneária da Europa começada anos antes. Mais especificamente, os primeiros banhos de mar e a construção de de balneários nos remetem à cidade de Brighton, na Inglaterra ainda no final do século XVIII. De acordo com Andreatta (et al, 2009), essa cidade na beira do Canal da Mancha introduziu o banho de mar como um passatempo de verão. Essa primeira ideia serviu de base para a futura prosperidade da cidade e também para a atividade que viraria um estilo de vida no mundo inteiro e um objeto de desejo 150 anos mais tarde.

10Para compreender a relevância de Poços de Caldas como um dos maiores balneários termais do Brasil no século XX, é preciso falar sobre a descoberta das fontes e as práticas de banho desde o final do século XVIII. Em sua etimologia a palavra Caldas vem do latim calidus, que significa águas quentes. A história da cidade de Poços de Caldas com suas águas aquecidas nos remete a 1786, quando foram descobertas suas fontes termais (MARRICHI, 2015). Desde então, a cidade passou a receber os banhistas à procura da cura pelas águas. Muitas pessoas se dirigiam à região em busca das águas para se banharem ou beberem.

Os visitantes levantavam cabanas de palha e couro, se alimentavam com provisões e caça e se banhavam em tinas ou em buracos escavados ao redor das fontes. Quando os banhistas partiam, os alojamentos eram desfeitos ou incendiados pelos moradores com medo de contágio das doenças (POZZER, 2001, p. 17)

  • 1 Cabe esclarecer que o balneário assume mais de um significado: um mais geral que se refere ao fenôm (...)

11A partir do século XIX, o desenvolvimento dessa região será marcado pela ação de agentes planejadores e formuladores de projetos para a reestruturação dessas cidades. Em 1826, seguindo a determinação do governo mineiro, são feitos estudos com o objetivo de estudar o aproveitamento das águas termais. Em 1873, o governo mineiro concedeu à empresa privada Termas de D. Pedro II a exploração das águas termais, que em 1880 foi substituída pela Sociedade Anônima Empresa Balneária, a qual assumia o compromisso de construir um hotel e um balneário1. Em 1904, as estâncias mineiras que compunham o chamado "Circuito das Águas" receberam uma atenção especial e foram transformadas em municípios. Em 1909, o Congresso de Minas Gerais aprovou um empréstimo de quatrocentas mil libras para serviços de remodelação e embelezamento (MEGALE, 1990).

  • 2 A Companhia Mogiana de Estradas de Ferro foi uma companhia ferroviária brasileira sediada na cidade (...)

12Além desses agentes planejadores, o desenvolvimento de Poços de Caldas foi largamente influenciado por sua situação geográfica, considerando a acessibilidade que se desenvolveu na cidade nesse período e também pela conjuntura histórica, com o desenvolvimento da cultura cafeeira da época. Em princípio, as pessoas utilizavam cavalos e carros de boi como meios de transporte, mas o grande número de visitantes e a introdução da cultura cafeeira na região fizeram com que a Companhia Mogiana de Estradas de Ferro2 implantasse um ramal até a localidade. A estrada de ferro, além de facilitar o acesso de banhistas, transformou o povoado num polo aglutinador da cultura cafeeira da região.

13Ademais, em 1917, o Brasil declara-se em estado de guerra contra a Alemanha, o que inviabilizava as temporadas na Europa. A oligarquia nacional, em busca da segurança, encontra naquela bucólica estância uma opção para o ócio. A viagem entremeada por paradas em sítios, fazendas e estações ferroviárias apresentava um Brasil redesenhado pelo café. Paralelamente, esse é um dos períodos mais dinâmicos em melhoramentos da cidade: reforma dos serviços de energia elétrica e iluminação pública, reforma geral da rede de esgotos e captação dos mananciais, calçamento, construção de parques e jardins, recaptação das fontes hidrominerais e construções de novas edificações, como hotéis e cassinos (POZZER, 2001).

14A cidade é, portanto, o resultado desse esforço de criação de uma estância cobiçada e aprazível. Nas décadas seguintes, ainda encontramos exemplos desse processo de construção da infraestrutura da cidade (Figura 1), como a instalação do aeroporto (Ed. 24/1939: 24) e da barragem, assim considerada na revista O Cruzeiro: “é uma curiosidade digna de ser apreciada por quem visita aquella estancia balnearia, pela importancia do seu conjunto." (Uma grande obra de engenharia, Ed. 14/1936, p. 42).

Figura 1: Obras de engenharia de Poços de Caldas relatada como atração na revista O Cruzeiro.

Figura 1: Obras de engenharia de Poços de Caldas relatada como atração na revista O Cruzeiro.

Fonte: Biblioteca Nacional

15É somente no começo do século XX que os benefícios terapêuticos das águas dividiram espaço com as práticas dos banhos lúdicos e das atividades de lazer, o que transformou o turista em veranista da cidade balneária. Pretendida como um fragmento da Europa em terras brasileiras, a cidade situada no contexto rural e "caipira" do sul de Minas, poderá assim materializar uma série de práticas e ideais da Belle Époque.

16A construção do balneário de Poços de Caldas abriu caminho para novas maneiras de ser e estar no espaço urbano. As práticas da cura e do lazer, promovidas pelos novos modelos de cidade que surgem no Brasil no começo do século XX, se constituíram a partir de novas noções de corpo, prazer e saúde que povoaram o imaginário do Brasil (MARRICHI, 2015) e ajudaram a formar a identidade social da elite naquele período. Essas noções estavam associadas ao corpo semidesnudo no espaço público, às questões de bronzeamento da pele, à inserção do tempo de lazer e ócio como um direito do cidadão - promovida principalmente a partir da conquista das férias pagas -, e também à ideia de que a felicidade do indivíduo estava atrelada ao tempo do lazer, se possível, em outra cidade.

17O encanto da burguesia, que fez a cidade se remodelar a partir dos anos 20 estava pautado, segundo Marrichi (2015), na importação de comportamentos sociais europeus do final do século anterior. A nova modernidade burguesa enxergava um valor na mobilidade do corpo para outros lugares do país:

[…] com a inauguração do espaço balneário de Poços de Caldas, tem-se o início de uma prática cultural do deslocamento na forma das viagens de repouso (culminando mais tarde com a organização do turismo interno no país), onde o indivíduo moderno sentia-se motivado a conhecer um espaço urbano que não prometia mais do que o próprio cuidado corporal e o que oferecia os melhores serviços balneários trazidos exclusivamente das principais cidades balneárias francesas. (MARRICHI, 2015, p. 48) Grifos nossos.

18Nos anos 30, o Brasil almejava a consolidação das cidades balneárias tal qual existiam na Europa desde o final do século XIX. O então governo mineiro tentava transformar Poços de Caldas no primeiro balneário não litorâneo do Brasil, aproveitando-se de uma cultura da elite que começava a se instituir como um novo padrão social. De acordo com Marrichi (2015, p. 7):

Em 1931, as três grandes obras que haviam sido pensadas e construídas por uma comissão renomada de médicos, engenheiros e arquitetos, apareciam no cenário nacional e internacional como símbolos de um lugar civilizado e moderno que representava realmente Poços de Caldas como a primeira cidade balneária da América Latina.

19O que ainda era necessário para efetivar Poços de Caldas como lugar privilegiado de veraneio, dentre balneários brasileiros no começo do século XX, era a frequência de seus visitantes. A Revista Fon-Fon, em 1930, traz um conto bastante interessante para compreender essa dinâmica da importância das visitas à já balneária Poços de Caldas. No conto, a filha tenta insistentemente convencer a mãe a visitar a cidade. Naquele período, a visita já delimitava a posição social de seus frequentadores. Como apresenta o conto, deslocar-se uma ou duas vezes ao ano para a cidade, qualificava as pessoas como pertencentes a uma classe privilegiada.

20Nesse sentido, as revistas possuíam um papel fundamental na construção e na consolidação desse balneário. Seus frequentadores eram parte integrante da mobilidade que se construía a partir dos novos parâmetros da modernidade. De acordo com Grisolio (2014), a revista O Cruzeiro será a condutora desse novo estilo de vida moderno, ao qual o Brasil se lançava no começo do século XX. Meses após sua primeira edição, a revista O Cruzeiro já havia se tornado um dos maiores veículos informativos do Brasil. Por isso nossa escolha por seu acervo.

O Cruzeiro em números: fonte e métodos de pesquisa

21Mesmo antes de começar a circular, em 10 de novembro de 1928, a revista O Cruzeiro já se autoqualificava como um veículo moderno de informações e, sob o slogan “compre amanhã O Cruzeiro, a revista contemporânea dos arranha-céus”, prometia um editorial diferenciado. Os editores conseguiram realizar o lançamento da edição número 1 da revista em todas as capitais simultaneamente, o que garantiu à O Cruzeiro o pioneirismo em termos de abrangência nacional e de circulação da informação.

22Em pouco tempo, O Cruzeiro se tornou um título de grande destaque no mercado editorial brasileiro. As tiragens semanais tiveram crescimentos vertiginosos ao longo dos anos e a revista obteve sucesso de público por décadas, até quase seu fechamento em 1985. Mesmo com o surgimento de sua maior concorrente, Manchete (1952), O Cruzeiro se manteve praticamente absoluta até meados dos anos 60.

23A revista O Cruzeiro é geralmente alçada à posição de referência na história do jornalismo. Primeiro, por conta do pioneirismo de sua distribuição nacional, segundo, por ter difundido no Brasil o modelo de fotorreportagem, no qual a fotografia transcende a função ilustrativa ou de simples registro de ocorrência (GAVA, 2005). Elas tornaram-se parte de um todo homogêneo no qual a busca por impactos visuais era mais constante.

24A revista representou, ainda em meados do século XX, a maior aproximação com as novas ideias modernas. O Brasil era uma nação com “(…) uma economia dependente e com uma cultura sempre de olhos bem abertos para movimentações externas.” (GAVA, 2005, p. 135). O grande desafio da revista, na época, era o de buscar acertar o relógio histórico do país com o tempo dos grandes centros econômicos mundiais. É nesse contexto, que a relevância da revista se destaca. Um dos princípios utilizados pelos seus idealizadores era a construção de um país moderno, próximo dos parâmetros de civilidade internacionais. De acordo com Gava (2005, p. 136),

Com relação ao domínio artístico/cultural, a revista se manteve atenta e suscetível à série de eventos que lançaram suas bases estéticas nos anos 50. Ao folhear a revista o leitor era apresentado a uma trama de imagens e ideias emblemáticas de um país que pretendia ser moderno e inovador. […] No momento em que o país surgia aos olhos das camadas médias como um país do futuro, a revista não só refletiu, mas também reforçou e amplificou as noções de modernidade em seu mais amplo sentido, o que se deu por intermédio não só de matérias escritas, mas também ao longo de experimentos visuais e diagramações alternativas.

25Daí advém a relevância da revista para a sociedade da época, que queria ver representados seus hábitos e ideias. O Cruzeiro se propunha a ser um veículo formativo e informativo de ideias modernas; produtora e reprodutora de visões de mundo. Nesse sentido, justificamos a escolha da revista como nosso referencial para a análise das circulações balneárias no século XX, quando esse modelo se concretiza no Brasil e passa a ser referência moderna de um novo formato editorial.

26É importante destacar que a facilidade do acesso às edições de O Cruzeiro foi fundamental. Todas as edições da revista estão disponíveis na Hemeroteca Digital, uma das bases de dados da Biblioteca Nacional Digital (Fundação Biblioteca Nacional) e são de amplo e livre acesso. Outra facilidade é que todo acervo da revista O Cruzeiro na base da Biblioteca Nacional está indexado.

27Foi feita uma busca pela plataforma a partir do nome da cidade “Poços de Caldas”, o que resultou em um total de 373 registros. Dentre essas ocorrências, muitas se reportam à mesma reportagem, de endereço de leitores em suas cartas à redação ou de publicidades que se repetem ao longo de várias edições. Desconsideramos esses casos, o que resultou em um universo de 211 reportagens ou publicidades relacionadas à cidade de Poços de Caldas; as quais foram base para o tratamento quantitativo contido na Figura 2.

Figura 2: As ocorrências de “Poços de Caldas” em O Cruzeiro.

Figura 2: As ocorrências de “Poços de Caldas” em O Cruzeiro.

Fonte: Hemeroteca da Biblioteca Nacional, organização própria.

28Não são todas as reportagens sobre Poços de Caldas que se referem à cidade como estância balneária. Na análise qualitativa, enfocamos principalmente o aspecto balneário. Quando se analisa quantitativamente a ocorrência do termo “Poços de Caldas” na revista O Cruzeiro, há um grande número de citações entre os anos de 1931 e 1945; uma menor frequência na década de 1946 até 1955; outro aumento de frequência nas duas décadas seguintes (1956 a 1975); e uma queda brusca na última década (1976 a 1985). A Figura 2 recorta períodos de maior e menor visibilidade da estância. A análise qualitativa apresentará o que é visibilizado dentro desses recortes e será apresentada na seção seguinte do artigo.

Circulação de práticas e ideias balneárias: Poços de Caldas e a revista O Cruzeiro

Vá passar o seu verão em Poços de Caldas. (...) Terá o verão mais doce e mais agradavel do mundo. É a propria Suissa, encravada no Brasil. Isto affirmava, em voz alta, o ultimo suisso que esteve no Grande Hotel. (Publicidade do grande Hotel, Ed. 10/1935).

29Inicialmente, a reputação de Poços de Caldas se referia à ideia do poder curativo das águas, muito forte no discurso médico da época e em sintonia com as concepções europeias da crenologia (FRANCO, 2014): "Poços de Caldas, a grande cidade de aguas, cuja fama já atravessou nossas fronteiras, o que se justifica de ha decenios, por suas virtudes curativas e pela habilitação profissional de seus clinicos, offerece aos seus frequentadores as mais variadas diversões” (Ed. 14/1939, p. 20).

  • 3 Eufemismo utilizado para designar prostitutas.

30Para além das águas, a fama da cidade passou a atrair políticos, escritores, artistas famosos, a burguesia emergente, a classe média, jogadores e "mulheres de vida alegre"3. Esse novo impulso está intimamente relacionado à proliferação das casas de jogos como modelo de sociabilidade e lazer. É possível perceber, em diversas passagens de O Cruzeiro, como os cassinos, surgidos no começo do século XX, constituem uma rede pela qual circulam espetáculos nacionais e internacionais e variados tipos de manifestações artísticas. Exemplo dessa circulação, é o caso da artista América Glória, que, segundo a reportagem, estava sem papel em Hollywood; recebeu convite de cassinos brasileiros para se apresentar, tendo recebido inclusive proposta para outro filme em Hollywood: “A jovenzinha Glória Warren estêve por aqui em julho-agôsto, cantando no "grill-room" do Cassino (Encantado) Atlântico (...). Depois atuou em Poços de Caldas e Guarujá" (As imaginações, Ed. 09/1945, p. 25).

  • 4 Madeleine Rossay foi a primeira bailarina do Brasil a receber o título de Primeira-Bailarina, com q (...)

31Os espetáculos de dança foram uma das manifestações artísticas que se beneficiaram da circulação pelos cassinos. Segundo a revista, a circulação pelos cassinos permitia o desenvolvimento de artistas e de novas formas de expressão artística, como é o caso de Madeleine Rossay4:

Foi Madeleine quem introduziu nos famosos Cassinos do Rio o ballado clássico. Está agora prestes a terminar seu terceiro ano de contrato, como dansarina típica, no Cassino da Urca. [...] Madeleine voltava de uma temporada feita no novo cassino de Poços de Caldas, Minas Gerais, cassino este feito nos mesmos moldes da Urca do Rio, e que apresentava em seus 'shows' bailados clássicos por ela dirigidos (O 'ballet' no Brasil, Ed. 15/1944, p. 70).

32Em outra passagem, destaca-se a performance de uma famosa dançarina, apresentadora de ‘ballet’ que foi uma das grandes atrações do Palace Hotel, em Poços de Caldas, naquela temporada (Margareth dança Chopin, Ed. 22/1946, p. 23). Os artistas do rádio também faziam grande sucesso nesse circuito:

Marion está realizando uma temporada em Poços de Caldas. Aliás, a estação d'águas mineira convocou nessa temporada uma porção de astros do radio. Os granfinos gostam de ver a olho nu um artista de microfone. Orlando Silva, Dorival Caymi fizeram sucesso e divertiram os "aquáticos". Leonora Amar também está lá sem compromisso... E vocês dizendo que ela embarcara para Hollywood de novo?! (Notas Radiofônicas, Ed. 20/1944, p. 25)

33Nesse primeiro período desenhado pelas reportagens da revista O Cruzeiro (1931 a 1945), nota-se a densidade de práticas e a importância desse balneário na circulação da elite nacional. Várias reportagens descrevem os frequentadores das temporadas de inverno ou verão, as celebridades e destaques dos teatros. A presença constante de figuras da alta sociedade marca as colunas sociais de O Cruzeiro. Nesse período, a cidade recebe o título de principal estância termal da América do Sul e atrai nomes como o presidente Getúlio Vargas, que visitou a estância várias vezes ao longo da década de 1930 (Ed. 04/1934, Ed. 18/1937, Ed. 23/1938):

Poços de Caldas termina presentemente a sua estação de verão, que foi talvez uma das mais animadas, não só pelo numero consideravel de bellos dias de sol, permitindo passeios encantadores aos aquaticos, como pela presença do sr. presidente Getulio Vargas, e sua brilhante comitiva, honrando sobremaneira a mais bella estancia hydro-mineral das Americas. Outros hospedes illustres estiveram tambem em Poços de Caldas, citando-se entre elles o sr. Armando de Salles Oliveira, ex-presidente do Estado de São Paulo; Fabio Prado, prefeito da capital bandeirante; Juracy Magalhães, presidente do Estado da Bahia, e muitos outros" (Em Poços de Caldas, Ed. 26/1937, p. 8-9).

34O eixo da sociabilidade da cidade centrou-se em torno dos prédios do Palace Hotel, da Termas Antônio Carlos e do Palace Cassino, interligados por um parque ajardinado e dotado de pergolado, pavilhão de chá, fonte luminosa e coreto (Figuras 3 e 4).

Figura 3: Projeto do Parque Municipal

Figura 3: Projeto do Parque Municipal

Fonte: Museu Histórico e Geográfico de Poços de Caldas (apud Pozzer, 2001)

35Esse formato não é aleatório, o modelo de cidade balneária esteve em voga na Europa e baseou reformas em várias cidades brasileiras do período. A vilegiatura em Poços de Caldas significava uma saída da cidade em direção ao campo, que, contudo, não deveria ser selvagem ou rude, mas local de um contato romântico com a natureza. Na nova paisagem criada, a composição dos jardins representou um elemento de fundamental importância no conjunto proposto:

Poços de Caldas é também um dos encantos mais ricos mostruários dos encantos e caprichos da Natureza. Festa permanente da luz, das côres e dos sons. Aguas caprichosas, creadoras dos mais seductores scenarios artisticos. Parques e jardins maravilhosos, onde se casam as alegrias do colorido com as sombras vetustas e meditativas (Ed. 20/1939, p. 26).

Figura 4: Palace Hotel e Termas Antônio Carlos

Figura 4: Palace Hotel e Termas Antônio Carlos

Fonte: Museu Histórico e Geográfico de Poços de Caldas (apud POZZER, 2001)

36A sociabilidade das cidades balneárias, portanto, abrange muito mais do que o banho em si; nas boas estâncias há uma densidade de atividades de entretenimento e de lazer. O fluxo de atividades aprazíveis é ininterrupto: passeio pelos parques e alamedas, atividades lúdicas e esportivas, shows e festas (Figura 5). Sendo uma cidade no campo, ela disponibiliza ainda a contemplação e o contato maior com a natureza (Uvas e figos em Poços de Caldas, Ed. 21/1939, p. 17). Os esportes variados constituem outra forma de passatempo e diversão:

Engana-se quem imagina que Poços de Caldas é uma cidade que vive apenas nos salões dos grandes hoteis, em festas continuas, propria para exhibições de toilettes e impropria para férias e repouso. Muito pelo contrario, Poços de Caldas offerece aos seus visitantes grandes opportunidades para a pratica dos sports ao ar livre, estando as festas em recintos fechados, se bem que sempre maravilhosas, por sua frequencia e elegancia, em minoria. Centro de vida e de saúde. Sol de montanha. Clima de altitude. E os corpos readquirem vida, nas suas piscinas e pelouses; nos passeios, nas sestas e nos banhos incomparaveis das Thermas. E todos se entregam ás delicias dos sports. Corpos solicitados a um esforço novo e salutar. Espiritos libertos e dilatados para as emoções agradaveis que proporcionam as paizagens do Valle Maravilhoso. Poços de Caldas é a estancia completa. Ao milagre curativo de suas aguas ella sabe accrescentar, aos seus milhares de visitantes, alegrias e contentamentos sempre renovados. Ali se aprende, novamente, a viver! (Vida esportiva em Poços de Caldas, Ed. 19/1939, p.15)

Figura 5: As atividades burguesas do balneário Poços de Caldas, 1936

Figura 5: As atividades burguesas do balneário Poços de Caldas, 1936

Fonte: Biblioteca Nacional

37Além disso, novos empreendimentos são inaugurados constantemente para ampliar e renovar a oferta de atrações. Esse é o caso do Poços de Caldas Country Club, digno de ser relatado pela revista: "Poços de Caldas, que ao pé da mais maravilhosa paysagem da montanha já possuia a mais completa e confortavel instação de ‘cidade de aguas’, acaba de ter o seu apparelhamento de sedução completado”. O empreendimento é uma iniciativa do “distincto sportsman e gentleman paulista dr. Guilherme Prates” e se destina a ser um ponto de atração do mundanismo e a dedicar-se a esportes elegantes por excelência: o golfe, o polo, o tênis e a equitação (Poços de Caldas Country Club, Ed. 28/1932, p. 26).

38A expressão Belle Époque designa, na Europa, um período de cultura cosmopolita. Considerada uma era de ouro da beleza, inovação e paz, foi um período de efervescência representado por uma cultura urbana de divertimento. Em vários sentidos, pode-se dizer que Poços de Caldas viveu uma Belle Époque na década de 1930 (MARRICHI, 2015). Há ali grande apreço pelas manifestações culturais, pelo divertimento e pela beleza. Esses ideais e imagens são alguns dos que mais circulam e conectam a estância com outras cidades do Brasil e do mundo. As exposições da cidade feitas por Elza Marzullo, colunista de O Cruzeiro, revelam com bastante clareza esse espírito:

O primeiro balneário da cidade data de pouco mais de um século. Entretanto, hoje, o desenvolvimento da estancia já atinge o esplendor europeu, de antes da guerra, de Aix, Vichy e Luchon. Com a suntuosa imponencia de suas termas, Poços se inscreve entre os principais centros hidro-minerais do mundo. Milhares de turistas aquí vêm todos os anos, certos de que, melhor do que remedios e regimes, é uma estação na maior, mais bela e mais confortavel estancia de cura e de repouso da América do Sul.

Ao par de suas largas avenidas, de suas ruas retas e bem calçadas, de seus monumentos, de seus edifícios, de seus hoteis, Poços possue ainda o encanto agreste e atraente de seus recantos pitorescos, da Cachoeira das Antas e da Cascata, o mais belo rincão destas alturas... E é neste ambiente que a natureza engalana que se operam aqueles milagres dos banhos sulfurosos, aquela hidroterapia infalivel em tantos males que enfeiam e aflingem a humanidade... (De Poços de Caldas por Elza Marzullo, Edi. 29/1943, p. 74)

39Em outro momento, Elza Marzullo destaca a notoriedade e o “cunho de extraordinária elegância” dos frequentadores, figuras ilustres e de relevo social, o que equipararia aquela estância em prestígio aos grandes centros termais europeus (Poços de Caldas, Ed. 16/1936, p. 40-41). A colunista discute as férias e as várias formas de desfrutá-las: “Encarnando uma variedade enorme de sabores, o significado da palavra férias é imensamente heterogêneo, percorrendo todos os graus e modalidades dos substantivos prazer, descanso e alegria, e oscilando, é bem verdade, dentro dos limites das posses de cada um”. Dentre outras possibilidades, destacamos o significado que a colunista atribui às férias passadas em litorais e em estações de águas.

Assim é que, uma grande parte da população acha adorável e só compreende ter gozado devidadente seus dias de repouso quando, tingindo de marrom vermelho e roxo e quaimando a pele até descascar como o amendoim torrado, numa praia, de papa pro ar, sem preocupação de horas, pode passar tôdas as manhãs e tardes. A formidável sensação de encataplasmar narizes com a pomada branca destinada a proteger proeminências nasais contra os rigores solares, um mergulho delicioso nas ondas copacabanenses depois de um volei na areia, completando integralmente o quadro feliz dos que fazem suas delícias à beira-mar, representa, juntamente com a inefável satisfação de estrear o novo maiô bikine ou o "short dernier cri", o edem de muita gente boa, neste planêta. Uma pequena minoria favorecida pela sorte, tendo a bôlsa mais recheada que a média geral, eleva seus sonhos até as Alterosas. Nos clássicos 21 dias que passam nas estações de águas, freqüentando os hotéis de Caxambu, S. Lourenço e Poços de Caldas, a fina flor de nossa sociedade, limpando o fígado e gastando cruzeiros, se deleita sorridente, no máximo gôzo de sua movimentada dançante e aquática temporada. E depois, que oportunidade deliciosa para exibir tôda uma lindíssima coleção de "toilettes" feitas exclusivamente a propósito, diante de uma platéia elegante e bem competente para admirá-las..." (Férias, Ed. 3/1949, p. 3).

40Os exemplos da sobreposição da estação de águas com a ideia de elegância e beleza são numerosos, destacamos a publicidade da famosa marca de cosméticos Elizabeth Arden (Figura 6), sinônimo de status social, a qual dizia: "Em sua estação de aguas em Poços de Caldas, ou de repouso em Petrópolis, Elizabeth Arden estará sempre consigo” (Publicidade de Elizabeth Arden, Ed. 14/1945, p. 127).

Figura 6: Cosméticos Elizabeth Arden, com referência a Poços de Caldas nas páginas de O Cruzeiro

Figura 6: Cosméticos Elizabeth Arden, com referência a Poços de Caldas nas páginas de O Cruzeiro

Fonte: Biblioteca Nacional

  • 5 Disponível em: http:// www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-9215-30-abril-1946 (...)

41Apesar de proibições a outros tipos de jogos, as “estações de cura” funcionavam normalmente, oferecendo divertimento, festas e jogos de azar em clubes e cassinos. É fundamental, nesse sentido, o Decreto Nº 5.886/1933, que modifica a legislação relativa aos jogos permitidos em cassinos de praias, de balneários e de estações de água e aos jogos esportivos. O Decreto-Lei Nº 9.215/19465, por seu turno, determina a proibição da prática ou exploração de jogos de azar em todo o território nacional.

42À proibição do jogo no Brasil, em 1946, se atribui o principal fator de decadência do turismo nas estâncias termais. Além disso, após a Segunda Guerra Mundial, a indústria farmacêutica desenvolveu fármacos para o tratamento de doenças anteriormente tratadas pelo termalismo. Inicia-se o período de declínio de visibilidade apontado pelos dados da revista O Cruzeiro (1946-1955), sendo que, das 29 ocorrências desse período, apenas um terço é significativa na projeção da cidade como estância balneária. Ainda assim, estas últimas consistem principalmente em publicidades ou trazem pouca novidade sobre a cidade.

43A matéria "Clandestino ou regulamentado o jôgo está feito" (Ed. 33/1967) expõe as razões que levaram o presidente Eurico Gaspar Dutra a fechar os cassinos (campanhas de órgãos da imprensa contra escândalos nesses estabelecimentos, juntamente com pressões de parcela da sociedade e da Igreja Católica) e indica as consequências danosas da proibição do jogo (casas clandestinas e dispersão dos turistas).

Proibido o jôgo no Brasil, os cassinos dos países fronteiriços - principalmente da Argentina e do Uruguai - passaram a acolher os jogadores que até então, engrossavam grandes levas de turistas, atraídos pela fama das nossas casas de jôgo, especialmente nas épocas de festas populares e de importantes acontecimentos social-desportivos, como o carnaval, o Grande Prêmio Brasil, etc. O próprio GP Brasil teve sua procura estrangeira quase que restrita aos proprietários dos cavalos internacionais inscritos, em busca do prêmio." (Ed. 33/1967, p. 9)

44Os países vizinhos se beneficiaram da proibição do jogo, abrindo cassinos com shows de artistas brasileiros para brasileiros. Uma matéria sobre uma lua-de-mel em Caxambu ilustra o impacto do fechamento dos cassinos nas estâncias termais:

O dr. Lisandro foi um bom prefeito. Procurou melhorar a cidade. Deu-nos o campo de aviação enorme, que o senhor certamente não conhece. Fêz muita coisa mesmo. Teve entretanto, a fase pior de tôda a vida desta cidade. Mal assumiu, o governo fechou os cassinos. Os hóspedes ricos, que vinham tratar do fígado e arriscar na roleta, no bacará e na campista, passaram a freqüentar Punta del Leste. O dinheiro deixou de circular em Caxambu, em S. Lourenço, em Poços de Caldas, fugindo de Minas. Ah, que saudade dos tempos em que vinham os paulistas dos cafezais deixar o dinheiro nestas montanhas de Minas. Gente do Rio, fazia o ouro circular e o ouro era o asfalto destas ruas, alimentava nossas pequenas industrias" (Lua-de-mel em Caxambu, Ed. 24/1951, p. 102).

45No terceiro período delimitado pelas ocorrências em O Cruzeiro (1956-1975), a cidade apenas aparentemente reencontra uma alta visibilidade como cidade balneária. Foram 92 ocorrências, 47 das quais relacionadas a esse tema. Essas reportagens, contudo, já indicam uma reconfiguração da cidade; poucas tratam efetivamente da estância e os dois principais destaques desse período são a concentração da Seleção Brasileira na cidade para a Copa do Mundo de Futebol de 1958 (Ed. 30/1962: 30) e as disputas de Miss (Embaixatriz do turismo do Brasil, Ed. 07/1961; Ed. 10/1959, p. 87; Ed. 03/1959, p. 111), recebidas ou sediadas ali.

46As atividades de lazer e esportivas não têm relevância ou densidade como no primeiro período. Outras matérias versam sobre temas diversos que ocorrem em Poços de Caldas, como o caso da possível filha do Czar Nicolau II que viveria na cidade ou um congresso de reumatismo que ocorreu ali (O mistério Anastásia, Ed. 09/1963, p. 8-12; Ed. 38/1958, p. 53).

47A reconfiguração urbana, através da mineração de bauxita e materiais radioativos, também já se expressa nesse período. Mesmo quando as matérias estão relacionadas à atividade balneária da cidade, elas têm um tom de memória de tempos passados, principalmente a sequência de matérias com Ary Barroso (Eds. 15, 34, 38 e 40/1963) ou as memórias do político Benedito Valadares escritas em forma de romance (Benedito Valadares à cata do inacessível, Ed. 28/1962, p. 72). No último período (1976-1985), das 13 últimas ocorrências, 9 estão relacionadas ao complexo mineiro-industrial de urânio, apenas uma se relaciona ao aspecto balneário, o que nos encaminha, finalmente, para o fim da estância enquanto um balneário de destaque no contexto brasileiro.

Considerações finais

48Pode-se dizer que os modelos balneários litorâneo e termal são complementares. As elites circulavam por ambos os modelos, assim como circulavam os espetáculos e atrações disponíveis neles. Também quanto à morfologia, encontramos algumas coincidências, o modelo utilizado tanto para o embelezamento das cidades litorâneas como das cidades balneárias no início do século XX. Os cassinos ocupavam uma posição de destaque em ambos os modelos, durante o curto período em que foram permitidos no Brasil. Eles faziam circular entre as várias cidades, os shows, as celebridades e as atrações que tanto distinguiam os prazeres da elite brasileira. Se o impulso inicial das estâncias balneárias foi dado pelo discurso médico e a crença em seu poder de cura, também nos balneários litorâneos desenvolveu-se um discurso sobre o valor dos banhos de mar e as propriedades terapêuticas do sol.

49Notamos, portanto, que ambos os modelos participam, por muito tempo, de uma mesma circulação de práticas, ideias, objetos, imagens e legislações. Tal circulação mobilizou esses elementos não somente dentro do Brasil, mas também a partir dos modelos europeus de termalismo e balneário. O estudo de caso de Poços de Caldas, do qual acompanhamos o apogeu e a decadência, constitui um exemplo privilegiado para essa comparação pela notoriedade dessa localidade durante um largo período de tempo no século XX. O modelo termal, contudo, sofreu um duro golpe a partir do fim dos cassinos, enquanto o modelo litorâneo ou "sol e praia", apesar do duro golpe, tornou-se a principal referência do turismo no país. Sugeriríamos que a proibição dos jogos é apenas uma última perda para essas estâncias, que já haviam perdido o suporte da crenologia, abandonada pela medicina. Além disso, com o desenvolvimento do transporte aéreo e a consequente expansão do turismo, emergiu a possibilidade de a elite passar férias na Europa e nos Estados Unidos. Todos esses fatores tiraram das estâncias seu dinamismo nas conexões balneárias.

50Por fim, destacamos que a categoria de cidade balneária no Brasil ajudou a qualificar e distinguir esses espaços, que passaram a ser um objeto de desejo e diferenciação social, principalmente a partir da segunda década do século XX. Essa diferenciação também é espacial, afinal, à medida que determinadas condições se apresentam, a forma litorânea e a forma não litorânea revezam como “paradigma” do próprio processo de balnearização das cidades brasileiras.

Haut de page

Bibliographie

BAPTISTA, P.D. Rumo à praia: Théo Filho, Beira-mar e a vida balneária no Rio de Janeiro dos anos 1920 e 30. Dissertação de Mestrado em História, Rio de Janeiro, UFRJ, 2007.

BARICKMAN, B. Medindo maiôs e correndo atrás de homens sem camisa: a polícia e as praias cariocas, 1920-1960. Recorde, Rio de Janeiro, v. 9, n.1, p. 1-66, jan/jun, 2016.

BARICKMAN, B. Tourism and history of beach-going in twentieth-century Rio de Janeiro. Journal of Tourism, v. 6, n. 2-3, 223-241, 2016.

CARDOSO, E. D. Estrutura urbana e representações: a invenção da Zona Sul e a construção de um novo processo de segregação espacial no Rio de Janeiro nas primeiras décadas do século XX. GeoTextos, v. 1, n. 6, p. 73-88, 2010.

ESPAGNE, M. La notion de transfert culturel. Revista Sciences/Lettres, v. 1, p. 1-9, 2013.

FARIAS, P. Pegando uma cor na praia. Relações raciais e classificações de cor na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 2006.

FRANCO, A. C. Os primeiros registros do uso de águas termais e a formação das estâncias hidrominerais no Brasil. Cad. Naturol. Terap. Complem, v. 3., n. 5, p. 29-40, 2014.

MARTIN, L. Contribution à l’étude des circulations culturelles transnationales. Histoire@Politique, v. 15, 2011.

MARRICHI, J. M. O. Vilegiaturas de prazer e a formação de uma cultura burguesa na cidade balneária de Poços de Caldas entre os anos de 1930 e 1940. Campinas, 2015. Tese de doutorado (Doutora em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Unicamp.

MEGALE, N. B. Memórias históricas de Poços de Caldas. Poços de Caldas: Sulminas, 235 p., 1990.

O’DONNELL, J. A invenção de Copacabana: culturas urbanas e estilos de vida no Rio de Janeiro (1890-1940). Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

POZZER, C. E. Poços de Caldas: A construção da paisagem urbana. Campinas, 2001. Dissertação de mestrado (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

SILVA, A. V. da. Contribuição para uma história do jogo no Brasil. Revista Inteligência Empresarial, cidade, n.37, p. 28-36, 2013.

Lista de documentos consultados

« Poços de Caldas Country Club ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 14.05.1932. p. 24.

« Às águas ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 12.01.1935. p. 40.

« Uma grande obra de engenharia ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 08.02.1936. p. 42.

« Poços de Caldas ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 22.02.1936. p. 40-41.

« Férias presidencial em Poços de Caldas ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 06.03.1937. p. 5.

« O presidente Getúlio em Poços de Caldas ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 13.03.1937. p. 25-26.

« Em Poços de Caldas ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 01.05.1937. p. 8-9.

« Villegiatura presidencial ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 09.04.1938. p. 38-39.

« Hipismo em Poços de Caldas». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 04.02.1939. p. 18-19.

« Vida esportiva em Poços de Caldas ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 11.03.1939. p. 15-16.

« A natureza em Poços de Caldas ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 18.03.1939. p. 30.

« Uvas e figos em Poços de Caldas ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 25.03.1939. p. 18-19.

« De Poços de Caldas por Elza Marzullo ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 15.05.1943. p. 75.

« O ‘ballet’ no Brasil ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 05.02.1944. p. 70.

« Notas Radiofônicas ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 11.03.1944. p. 25.

« Back Ground: As imaginações ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 22.12.1945. p. 25.

« Elizabeth Aden ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 26.01.1946. p. 66.

« Back Ground: Margareth dança Chopin ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 23.03.1946. p. 23.

« Férias ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 08.01.1949. p. 3.

« Lua de Mel em Caxambu ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 31.03.1951. p. 108.

« Brotinhos “made in” Poços de Caldas ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 31.10.1959. p. 115.

« A embaixatriz apresentou credenciais ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 19.12.1959. p. 87.

« Embaixatriz do turismo no Brasil ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 25.11.1961. p. 149.

« O remédio mágico: merticotizona ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 28.06.1958. p. 53.

« Benedito Valadares à cata do inacessível ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 21.04.1962. p. 80.

« A “aquarela do do Brasil” foi um protesto contra as tragédias do samba ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 19.01.1963. p. 38.

« “Vai com fé” trouxe má sorte e “Marta” mostrou bom pianista ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 01.06.1963. p. 20.

« Primeira fila não gostou da febre azul do Ary ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 29.06.1963. p. 36.

« Quarteto de Belém assassinou a aquarela do Ary ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 13.07.1963. p. 31-32.

« Ressurge em Poços de Caldas o mistério Anastásia ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 07.12.1963. p. 8-12.

« Clandestino ou regulamentado o jôgo está feito ». O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 13.05.1967. p. 6-9.

Haut de page

Notes

1 Cabe esclarecer que o balneário assume mais de um significado: um mais geral que se refere ao fenômeno do aproveitamento da água como um todo e um mais específico que faz referência a um recinto para banhos, como aparece no referido parágrafo.

2 A Companhia Mogiana de Estradas de Ferro foi uma companhia ferroviária brasileira sediada na cidade de Campinas (SP) e criada em 1872. O Ramal Caldas que ligava a cidade de Aguaí a cidade de Poços de Caldas foi concluído em 1886. A criação da companhia está relacionada ao processo de expansão da cultura do café e foi um dos motivos da construção do ramal.

3 Eufemismo utilizado para designar prostitutas.

4 Madeleine Rossay foi a primeira bailarina do Brasil a receber o título de Primeira-Bailarina, com quinze anos de idade. Após deixar a carreira em 1949, participou dos primórdios da televisão. (Cf. https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Madeleine_Rosay.

5 Disponível em: http:// www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-9215-30-abril-1946-417083-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 18 de dezembro de 2018.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Obras de engenharia de Poços de Caldas relatada como atração na revista O Cruzeiro.
Crédits Fonte: Biblioteca Nacional
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17985/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Figura 2: As ocorrências de “Poços de Caldas” em O Cruzeiro.
Crédits Fonte: Hemeroteca da Biblioteca Nacional, organização própria.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17985/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Figura 3: Projeto do Parque Municipal
Légende Fonte: Museu Histórico e Geográfico de Poços de Caldas (apud Pozzer, 2001)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17985/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Figura 4: Palace Hotel e Termas Antônio Carlos
Crédits Fonte: Museu Histórico e Geográfico de Poços de Caldas (apud POZZER, 2001)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17985/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Figura 5: As atividades burguesas do balneário Poços de Caldas, 1936
Crédits Fonte: Biblioteca Nacional
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17985/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 6: Cosméticos Elizabeth Arden, com referência a Poços de Caldas nas páginas de O Cruzeiro
Crédits Fonte: Biblioteca Nacional
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/17985/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 49k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Lohanne Fernanda Gonçalves Ferreira et Rogério Silva-Júnior, « A circulação de práticas e ideias balneárias: a estância termal de Poços de Caldas (MG) », Confins [En ligne], 39 | 2019, mis en ligne le 23 mars 2019, consulté le 18 avril 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/17985 ; DOI : 10.4000/confins.17985

Haut de page

Auteurs

Lohanne Fernanda Gonçalves Ferreira

Doutoranda em Geografia (PPGG-UFRJ, lohannefernanda@gmail.com

Rogério Silva-Júnior

Doutorando em Geografia (PPGG-UFRJ, roge.silva.br@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals