Navigation – Plan du site
Dossiê Balneomar

Rio de Janeiro e a Avenida Beira Mar: desejo de paisagem e cidade balneário nas primeiras décadas do século XX

Rio de Janeiro et l'avenue Beira Mar. Désir de paysage et la ville balnéaire dans les premières décennies du 20ème siècle
Rio de Janeiro and Beira Mar Avenue. Desire for landscape and the seaside city in the first decades of the 20th century
Rafael Winter Ribeiro

Résumés

Les interventions urbaines qui ont débuté sous l'administration du maire Pereira Passos (1902-1906) sont signalées comme une étape importante dans la construction de la modernité à Rio de Janeiro. Pendent cette période, l’ouverture de l’avenue Beira Mar, grand boulevard reliant le centre à la zone sud, au long de la baie de Rio, s’est consolidée en tant que vecteur d’occupation d’une population plus aisée. Dans sa configuration, elle offrait une grande visibilité à deux éléments consacrés comme définissant du paysage carioca: la mer et la montagne. Voir le paysage à partir d'espaces nés pour être considérés comme nobles met en évidence le désir de l'utiliser. Dans la même période, la ville a connu une croissance considérable des activités liées à la fonction baneaire et qui trouvent leur place dans la nouvelle avenue. Le besoin de contact avec des espaces ouverts et avec la nature etablie par l'activité balnéaire s'est répercuté sur une exposition massive de ce paysage qui dévoilait ces nouveaux points de vue. Quel est le lien entre l’avenue Beira Mar et le processus de construction du paysage de Rio de Janeiro? Quel est le rôle des pratique balneaires et ses spaces? Quels espaces ont participé à ce processus et comment? Ce sont quelques-unes des questions qui guident cet article. Les travaux soulignent comment la construction d'une infrastructure liée à l'idéal d'une ville balnéaire tout ao longo de l'Avenida corrobore cette relation: hôtels, casinos, bains de mer, sports, promenades et fêtes contribuent à forger cette association entre ville balneaire et consolidation du paysage carioca.

Haut de page

Texte intégral

1Da segunda metade do século XIX até a primeira metade do XX dois processos interferem significativamente na constituição de algumas cidades no mundo. A procura por espaços de balneário, lazer ligado ao contato com a natureza e de banho, levou a uma valorização de alguns espaços, especialmente os litorâneos e à construção de uma infraestrutura própria para esta prática: hotéis, casas de banho, cassinos, restaurantes, etc. relacionadas a uma ressignificação da relação das sociedades com os espaços litorâneos de uma maneira geral (CORBIN, 1989, ENKE, 2017). A popularização de espaços balneário transformou significativamente algumas cidades da Europa e, sobretudo a partir do início do século XX, influenciou o desenvolvimento no Rio de Janeiro de bairros como Glória, Catete, Flamengo e Botafogo e Copacabana.

2Nesse mesmo período, num processo mais amplo e amparado também pela ideia de contato com a natureza e preocupação estética, a paisagem emerge como um objeto de identidade, desejo e consumo que interfere significativamente tanto nas reformas urbanas quanto em projetos menores de intervenção e expansão urbana. Nesse contexto, os projetos de “embelezamento” das cidades passaram a ser um desejo de diferentes grupos e a paisagem urbana uma questão cada vez mais discutida por especialistas e um público mais amplo.

3Tal crescimento no interesse na paisagem em política urbana está relacionado ao processo que chamamos de “desejo de paisagem”, uma vontade de operacionalizar a categoria de paisagem de diferentes formas. Processo inerente à modernidade, ele se apresenta notadamente a partir de três grandes movimentos: 1) A utilização cada vez mais ampla do termo “paisagem”, o que inclui sua transformação em conceito científico, sua utilização pela literatura e senso comum e a construção de diferentes significados para o termo. 2) O desejo de paisagem também se apresenta através do crescente interesse na paisagem como objeto de usufruto, ligado ao lazer, ao status social, e ao consumo da paisagem de uma forma mais geral. 3) Por fim, manifesta-se no seu uso como marca identitária e como recurso político, a utilização de tipos de paisagem como parte da construção do nacional ou como recurso usado por diferentes grupos como distinção.

4É essa relação entre processos ligados à constituição de espaços e sociabilidades de balneário e da paisagem carioca que este artigo pretende discutir. O Rio de Janeiro é uma cidade que construiu a sua identidade em torno da relação entre objetos culturais e naturais. A “grandeza da natureza” do seu sítio, representada pelas montanhas próximas ao mar, os recortes de seu litoral e a vegetação luxuriante transformaram-se em marcas identitárias, apresentadas como a “paisagem da cidade”. Se esse deslumbramento com o quadro visual está presente desde os primeiros exploradores, foi necessário mais para que se transformasse em paisagem.

  • 1 Para que uma sociedade seja considerada paisagística, A. Berque enumera quatro fatores: 1) Represen (...)

5Concordamos com Berque (1995), Cauquelin (2007) e outros autores para quem a paisagem é, antes de mais nada, um artefato cultural caracterizado por uma determinada forma de ver e perceber, que não está necessariamente presente em todas as sociedades e em todos os tempos1. No Rio de Janeiro, apenas aos poucos o conjunto formado pelo mar e a montanha foi se constituindo enquanto paisagem.

6O Passeio Público, construído a partir de 1783 com o aterro da lagoa do Boqueirão da Ajuda, foi o primeiro jardim público e primeiro lugar de sociabilidade a céu aberto das elites da cidade. Sua localização, à beira mar, e tendo como espaço central o belvedere com bancos e um caminho de onde se descortinava a vista da Baía de Guanabara e das montanhas, fez dele a primeira intervenção na cidade que transforma a vista e o contato com a natureza em objeto de usufruto, interesse e consumo para um grupo mais amplo de pessoas. Naquele momento, a vista da orla já começava a virar paisagem (Figura 1).

Figura 1 – Belvedere do Passeio Público do Rio de Janeiro no século XIX

Figura 1 – Belvedere do Passeio Público do Rio de Janeiro no século XIX

Eugène Ciceri, 1854. Acervo Biblioteca Nacional

7Ao longo do século XIX esse interesse cresce e se manifesta sobretudo na viabilização do acesso a diferentes mirantes, especialmente aqueles localizados nos maciços da cidade. A construção da linha de bondes e a estrada de ferro do Corcovado viabilizaram um tipo de lazer, próprio também dos ideais românticos que se instalam ao longo daquele século: contato com a natureza e o usufruto de grandes panoramas que os mirantes ofereciam. Ao longo do século XX o Rio de Janeiro se firma como uma cidade com uma profusão de mirantes, que dirigem a construção de uma imagem da cidade (GOMES, 2015) e estruturam aquilo que se entende como sua paisagem (FERNANDES, 2014). A relação entre mar, montanha, floresta e cidade se constituiu desde então como um elemento central de uma identidade do Rio de Janeiro ancorada na paisagem, interferindo na formação de políticas públicas e se tornando o elemento central da inscrição da cidade na Lista de Patrimônio Mundial da Unesco em 2012 (RIBEIRO, 2013, 2016; ZAMANT, 2015).

8Essa valorização da paisagem da cidade, entendida como sua relação com a natureza na qual está inserida, fez com que ao longo do tempo também crescesse o discurso sobre o contraste entre uma natureza bela e cidade essencialmente feia e mal gerida. Esse discurso já estava presente desde o primeiro grande estudo para uma reforma urbana, realizado pela Comissão de Melhoramentos da Cidade do Rio de Janeiro de 1875/76 e que se materializa posteriormente na grande reforma urbana do início do século XX.

9Dentre as grandes intervenções da época, a Avenida Beira Mar se destaca. Por um lado, sua abertura obedece a mesma lógica de criação de vias de grande circulação daquele momento. A comunicação entre o Centro e a porção sul da cidade, então um dos espaços em franca expansão, era feita sobretudo pelo interior, através das Ruas do Catete e Marquês de Abrantes, até Botafogo. Alargar essas ruas corresponderia um custo bastante elevado, daí a opção de se aproveitar os terrenos até então pouco valorizados das bordas da baía que, em sua maioria, principalmente ao longo da Praia do Flamengo, eram fundos de quintais.

10A construção da avenida promoveu a redefinição de todo o litoral do Centro a Botafogo acabando com todas as praias de pequeno e médio porte que ali se localizavam, substituídas por uma avenida de 33 metros de largura em aterro, com uma murada que terminava diretamente no mar. Embora num primeiro momento imaginou-se que as práticas de banhos de mar, que estavam em plena popularização desde a segunda metade do século XIX, teriam fim naquela área, o que se observou foi a instalação de alguns hotéis balneários e novas casas de banho que exploravam a fina faixa de areia formada e pontes que levavam os banhistas diretamente ao mar. Além dos banhos de mar, uma série de práticas esportivas, de lazer e comemorativas passaram acontecer nessa nova orla. Assim, com a abertura da Avenida Beira Mar, há toda uma infraestrutura que vai se estabelecendo ligada à relação com a paisagem e às atividades de balneário: hotéis, jardins, belvederes, pavilhão de regatas e clubes. Ao mesmo tempo, a partir dessas infraestruturas, algumas práticas se estabelecem: banhos de mar, esportes (natação, remo), footing, paradas, carnaval, jantares e comemorações em geral.

11Analisar esta relação entre o processo que chamamos de desejo de paisagem e a construção de espaços e práticas de balneário a partir da abertura da Avenida Beira Mar é nosso objetivo neste texto. O artigo está dividido em três partes. Na primeira são discutidas as principais transformações da cidade no período em que ocorreram as grandes reformas, dando atenção à discussão sobre o papel das Avenidas Central e Beira Mar no projeto de cidade daquele momento. Na segunda parte serão descritos os processos de construção e de ocupação da Avenida Beira Mar. Por fim, discutimos as práticas que se estabelecem, notadamente aquelas de lazer, ligadas a uma cidade balneário e sua relação com a constituição da paisagem carioca – entendida como uma forma de olhar e de valorizar o espaço.

Uma cidade em transformação e em busca de seus bulevares

  • 2 De Paoli (2013) defende que tais argumentos foram construídos para justificar as obras e contesta s (...)

12O impacto das reformas urbanas no período da gestão de Pereira Passos já foi amplamente estudado (ABREU, 1987; ROCHA, 1986; PEREIRA, 1991; DE PAOLI, 2013; AZEVEDO, 2016). De maneira geral, as ações caracterizaram-se pelo aterro e construção de um novo porto para a cidade, abertura de avenidas visando o escoamento de pessoas e mercadorias, alargamento de ruas visando construir um sistema de circulação mais eficiente, saneamento da cidade e controle da população e expulsão de uma parte significativa dos mais pobres. Para isso, foi necessária a demolição e reconstrução de uma parte considerável do conjunto construído na área central, propalada pelos defensores das obras como insalubre, velha e feia2.

13Estudado desde meados do XIX, o plano para uma grande reforma foi anunciado em novembro de 1902 pelo presidente Rodrigues Alves. De 1903 a 1906, a cidade se viu às voltas com dois conjuntos de obras, um levado a cabo pela administração do Distrito Federal e outro pelo Governo Federal. Enquanto o Governo Federal ficava encarregado das obras de modernização do porto e das principais vias de acesso (hoje as avenidas Rodrigues Alves, Francisco Bicalho e Rio Branco), o governo do Distrito Federal estava responsável pelo alargamento de outras vias, a retinilização do litoral, o embelezamento e pelo novo código de posturas. Para a remodelação urbana a cargo do Distrito Federal, o prefeito nomeou a Comissão da Carta Cadastral. Sua chefia foi dada ao engenheiro Alfredo Américo de Souza Rangel, que publicou em 1903, em nome da Comissão, os planos de transformações que seriam então seguidos (Figura 2).

Figura 2 – Plano de Intervenções da Comissão da Carta Cadastral

Figura 2 – Plano de Intervenções da Comissão da Carta Cadastral

Fonte: Prefeitura do Districto Federal, 1903.

14Na verdade, embora uma parte da historiografia tenha dado destaque quase exclusivamente ao prefeito nomeado para coordenar uma parte dessas obras, Francisco Pereira Passos, ela é fruto de discussões, acordos e projetos de um conjunto muito maior de sujeitos. Lauro Muller, ministro da Indústria, Viação e Obras Públicas, colocou à frente da Comissão da Avenida Central o engenheiro Paulo de Frontin, e à frente da Comissão de Obras do Porto, Francisco Bicalho. Além da reforma material, também foi levada a cabo a tentativa de implantar novos usos e de transformar sociabilidades e práticas no espaço urbano, entre eles, talvez o mais conhecido seja o novo código de posturas municipais, mas também há tentativas de transformar as práticas esportivas, de recreação e até mesmo o carnaval. Por fim, mas não menos importante, os trabalhos de saneamento e combate às doenças foram entregues a um jovem sanitarista que havia chegado de um estágio no Instituto Pasteur em Paris e que, em poucos anos erradicaria a febre amarela da cidade: Oswaldo Gonçalves Cruz.

15Nos estudos sobre as intervenções no Rio de Janeiro no início do século XX, salta aos olhos o grande destaque dado à abertura da Avenida Central e a pouca atenção dispensada à Avenida Beira Mar, uma avenida com 5.200 metros (bem maior, portanto, do que os 1.800 da Avenida Central). Essas duas avenidas se complementam e representam os espaços de sociabilidades que os idealizadores dessa cidade transformada almejavam.

16A construção da Avenida Central, iniciada em fevereiro de 1904, provocou a demolição de 641 edifícios, muitos deles sobrados de dois andares e fachada estreita. Como uma via de ligação entre dois litorais, numa ponta ficava o porto e espaços associados a essa atividade e, na outra, o litoral voltado para a entrada da baía e suas montanhas, a Avenida Central recebeu então um zoneamento na implantação dos diferentes edifícios. Na parte inicial, próxima ao porto, se localizaram as atividades comerciais e financeiras; na área central as atividades ligadas aos usos das classes médias e altas, cafés, lojas, sedes de jornais, etc.; e na parte final os edifícios da administração estatal e de cultura: o Theatro Municipal, a Escola Nacional de Belas Artes, a Biblioteca Nacional, o Supremo Tribunal Federal, entre outros. (Figura 3).

Figura 3 – Avenida Central

Figura 3 – Avenida Central

Avenida Central, circa 1910. Acervo da Biblioteca Nacional.

17Embora a Avenida Central tenha se convertido na vitrine principal das obras e, por isso mesmo, acabou tendo um grande destaque nos estudos e avaliações das intenções e impactos da reforma do período Pereira Passos, a Avenida Beira Mar foi uma obra tão ou mais importante em vários sentidos. Esta avenida, já idealizada por Passos desde a Comissão de Melhoramentos de 1876, teria como característica central a relação com a natureza e a paisagem. Assim, enquanto a Avenida Central passava a representar uma tentativa de constituir uma civilização e estética aos moldes europeus, a Avenida Beira Mar acrescentaria um aspecto identitário único a este projeto: sua relação com a natureza tropical da cidade.

A reverência de Pereira Passos para com a tradição da cidade expressou-se também no respeito à constituição natural do Rio de Janeiro e à sua ligação histórica com o mar (...).

Cabe lembrar que a cidade do Rio de Janeiro tem o mar integrado à sua malha urbana não por força de sua natureza mas sim pelas decisões urbanísticas tomadas por Pereira Passos, que desde o plano de reforma urbana de 1876 pensou a incorporação da paisagem da baía de Guanabara à teia urbana da cidade de uma forma inclusive mais completa do que a assimilação do mar que a cidade apresenta nos dias atuais. (AZEVEDO, 2016, p. 181-182).

18Dentro do projeto da reforma urbana do início do século XX, as duas avenidas se complementam, cabendo à Avenida Beira Mar o papel de ser o grande bulevar que marcaria a relação da cidade com a sua paisagem única. Sua construção marca definitivamente a porção sul da cidade como aquela destinada aos grupos e práticas “mais civilizadas” e torna a paisagem um elemento central de desejo dessas classes, relacionando-a a uma série de práticas que então se firmaram naquela área.

Um bulevar entre o mar e a montanha

Bem sei que o prodigioso espetáculo natural que envolve e domina o Rio – suas enseadas, suas montanhas – existiu sempre. Faltava, entretanto, dar a esses elementos naturais e exuberantes o meio de nos tocar profundamente. Foi preciso encontrar a escala humana que pudesse servir de base de aplicação. Sem Passos, o Rio permaneceria uma agradável cidade de colônia. Com Passos... ingressou de vez no rol das grandes capitais do mundo: Rio, paisagem admirável, transformou-se em Rio, grande cidade... (Le Corbusier apud PEREIRA, 1991, p. 17).

19O Jornal El Diario, de Buenos Aires, ao anunciar a posse de Pereira Passos, em 31 de dezembro de 1902, comenta sobre os projetos para a cidade e, entre eles, estaria construção de uma avenida litorânea, passando pelo Pão de Açúcar e chegando até Copacabana. Embora a notícia tenha sido contestada pelo Jornal do Comércio do Rio de Janeiro, faz parte de um conjunto de ideias que já há algum tempo propalavam a retilinização daquela fração do litoral da cidade e seu aproveitamento com espaços de jardins e circulação para usufruto da população.

20A decisão da construção de uma avenida litorânea é sacramentada no relatório da Comissão da Carta Cadastral em 1903. O projeto inicial contemplava duas pistas de rolamento com 9 metros cada uma e 7 metros no canteiro central, com jardim. Posteriormente, o projeto seria alterado para dar lugar a uma avenida com 33 metros de largura, para igualar e dar continuidade à Avenida Central. Ela foi assim descrita no documento da Comissão:

A primeira necessidade que se impunha era dar um desafogo ao intenso movimento que se efetua entre a cidade e os bairros do Catete, Botafogo e adjacentes.(...) O litoral aí estava oferecendo campo para o lançamento de uma avenida à beira mar, por onde o trajeto se efetuasse de modo mais cômodo, com o frescor da brisa marítima e o encanto pitoresco da nossa baía. (PREFEITURA DO DISTRICTO FEDERAL, 1903, p. 4-5).

21Na verdade, a abertura da Avenida Beira Mar se fez também acompanhada da construção de vários jardins, destacando-se os jardins da Glória, no local do antigo mercado, e os da Praia de Botafogo (Figura 4). Embora a data oficial da inauguração seja 23 de novembro de 1906, sua construção, tanto da avenida propriamente dita quanto dos jardins que a circundam em diferentes setores, foi realizada em etapas e inaugurada em diferentes momentos. Em janeiro de 1903, o prefeito autorizou o diretor de jardins, Júlio Furtado, a apresentar projeto para embelezamento da praça da Glória e demolição do mercado no local. Em setembro do mesmo ano, o diretor apresentava ao prefeito as plantas dos jardins do “aterrado da Praia de Botafogo” (Jornal do Commercio, 16/09/1903) (Figura 4).

Figura 4 – Avenida Beira Mar e os jardins de Botafogo

Figura 4 – Avenida Beira Mar e os jardins de Botafogo

Foto Augusto Malta, 1907. Acervo da Biblioteca Nacional.

22O projeto da Avenida Beira Mar foi aprovado por Pereira Passos através do decreto 459 de 19 de dezembro de 1903 e o aterro foi feito com o entulho das demolições do Centro. Ela foi apresentada na imprensa da época como o grande bulevar que finalmente valorizaria os elementos naturais da cidade. Na verdade, durante a gestão de Passos há mais do que a transformação da paisagem em grande cidade, como relata Le Corbusier no trecho citado acima, o que há é de fato a incorporação do mar e da montanha à cidade, cidade e paisagem se integram.

O passeio à beira da baía, desde a Avenida Central até Botafogo, será igualmente uma maravilha do Rio de Janeiro. Do lado oposto, os picos da Serra dos Órgãos sobem para o céu, dominando Niterói, cujas casas formam uma cinta branca e vermelha, e do lado da cidade, a natureza resplandece em toda a sua beleza sobre a vertente das colinas, invadindo as alturas até o Corcovado (Jornal do Brasil, 08/06/1906).

23A construção da avenida provocou a destruição de diversas pontes de desembarque de mercadorias existentes ao longo da praia do Flamengo, o que resultou em protestos de diversos comerciantes em 1906 (Jornal do Brasil, 13/02/1906). Este não era mais o uso condizente com que se esperava para aquela parte do litoral. Na figura 5 vê-se a Glória antes do início das obras, ainda com o mercado que seria demolido ao fundo. O transporte de mercadorias em carroças, assim como os cais de desembarque vistos ao lado não seriam mais tolerados na nova Avenida (Figuras 5 e 6). Assim, não apenas as feições do litoral seriam objeto de transformação, mas também seus usos.

Figura 5 – Antigo litoral, na altura da Glória

Figura 5 – Antigo litoral, na altura da Glória

Foto Augusto Malta, 1904(?). Acervo da Biblioteca Nacional.

24Figura 6 – Avenida Beira Mar e Jardins da Glória

Foto Marc Ferrez, circa 1906. Acervo do Instituto Moreira Sales.

25No ano seguinte, com a avenida aberta ao trânsito, o próprio tráfego de veículos de cargas ou fúnebres seria proibido pelo Conselho Municipal, apontando que usos considerados mais nobres eram esperados para aquela área.

26Nos primeiros anos, as belezas da nova avenida e sua relação com a paisagem estão presentes em todo o material de propaganda da cidade. Durante a Exposição do Centenário da Abertura dos Portos, em 1908, o Jornal do Brasil narra o roteiro do visitante que chegaria à cidade a partir do porto e ressalta:

Percorrida a Avenida Central, admirados os seus belos edifícios, lançando um último olhar ao Pavilhão de S. Luiz e no Obelisco, o carro entrará em plena Avenida Beira Mar.

Para qualquer lado que o viajante se volte, verificará que as paisagens disputam a beleza. A esquerda, a Guanabara, ufana faz movimentar suavemente as suas águas. Do outro lado, o quadro muda a cada curva do caminho.

Verá, em primeiro lugar, o pequenino mas bonito Passeio Público, as edificações do Cais da glória, tendo no fundo o morro de Santa Tereza, dando a impressão de um colossal presépio.

Jardins sempre jardins, notará o viajante deparando com o jardim da Glória, depois de ter visto o do Palácio de S. Luiz, o Passeio Público e o começo do longuíssimo jardim que enfeita em toda a sua extensão um dos lados da Avenida Beira Mar.

O outeiro da Gloria com sua igrejinha em destaque, não deixará de provocar algumas exclamações de admiração e ele chegando ao Flamengo, onde o jardim se alarga e há algumas edificações dignas de serem vistas.

O morro da Viúva interceptará por alguns instantes a vista do mar, porém, depois percorrendo o trecho da Ligação, o visitante verificará que apenas trocou uma baía grande por outra baía pequena – e a enseada de Botafogo deixará ver todos os seus encantos.

Aí o jardim toma maiores proporções. Verá o viajante o Pavilhão Mourisco, com as suas cinco pontas douradas e os seus azulejos de cores variadas (Jornal do Brasil, 12/07/1908).

27Assim, pela primeira vez, aquilo que se constituiria como elemento central da paisagem da cidade, a relação da montanha com o mar, junto com os jardins e outros elementos construídos, passa a ser usufruída a partir de um longo caminho feito para isso. É nesse sentido que a abertura da Avenida Beira Mar consolida elementos do movimento que chamamos de desejo de paisagem no Rio de Janeiro e consolida a própria narrativa sobre a paisagem da cidade até hoje.

28A exigência do cuidado com os elementos construídos, diante de uma beleza natural marcante, era também preocupação constante para alguns na época. A despeito das belezas da natureza que eram vistas a partir da avenida, e dos jardins construídos, surgiram queixas com relação aos imóveis ali presentes. Como a Avenida Beira Mar não foi fruto de um trabalho de demolição de quarteirões como a Avenida Central, tampouco foi alvo de um concurso de fachadas, o contraste entre os jardins recém-inaugurados e as velhas construções de uma área antes menos valorizada e que, em sua maioria, eram fundos de quintais, foi notada pelos jornais da época e apontada pelo próprio prefeito Souza Aguiar em mensagem lida na sessão do Conselho Municipal de 04 de maior de 1907:

Na Avenida Beira Mar o mau afeito assinalável é mais notável, causando mesmo péssima impressão a quem a percorre pala primeira vez. A beleza sem rival dessa via pública é sobremaneira prejudicada pelo efeito de construções antiquíssimas em alguns pontos, em outros por longos muros de quintais pertencentes a casas que dão frente para outras ruas (Jornal do Brasil, 6 de maio de 1907).

29Na figura 7, vê-se o aterro para a construção da avenida no Flamengo, em contraste com a disposição original das construções existentes.

Figura 7 – Aterro para a Avenida Beira no Flamengo

Figura 7 – Aterro para a Avenida Beira no Flamengo

Foto Augusto Malta, 1906. Acervo Instituto Moreira Sales

30No entanto, em função da rápida valorização a partir da sua abertura, houve uma renovação paulatina de construções e usos e essa parte da cidade rapidamente se voltaria para o mar. Dentre essas novas construções, uma série de estabelecimentos e usos que se direcionaram para aquela área tinham como base de sua localização a relação com a paisagem e com atividades de balneário, como veremos adiante.

Atividade Balneária e transformações na cidade: espaços e sociabilidades

31Podemos dividir as atividades de balneário ao longo da Avenida Beira Mar naquelas associadas aos Hotéis e Casas de Banhos, as esportivas, notadamente o remo, mas também a natação e o mergulho, além dos passeios e comemorações à beira mar. Quase todas elas existiam antes da construção da avenida, mas a sua inauguração dá aquele espaço uma centralidade para estas atividades.

32Os banhos e os hotéis

33As transformações dos banhos de mar no Rio de Janeiro já foram bastante estudadas por diferentes autores. O final do século XIX e a primeira década do século XX é exatamente um momento de transição. Uma série de casas de banho já havia se instalado nas áreas próximas ao Centro, sobretudo na Praia de Santa Luzia, do Boqueirão e do Flamengo. Os aterros necessários para a retilinização do litoral e construção da avenida Beira Mar, assim como o início da ocupação de Copacabana, viriam a mudar definitivamente a geografia dos banhos de mar na cidade.

34Embora fosse uma atividade com bastante demanda, aparentemente o projeto inicial da Avenida Beira teria ignorado completamente, ou mesmo teria considerado indesejado, o banho de mar no local. A nova orla desenhada acabava com todas as praias e colocava um muro de cantaria adjacente ao mar. Uma preocupação com o destino das atividades de banho na área se fez presente em vários momentos nos jornais:

Pessoas, que por conselhos médicos ou por prazer facilmente compreendido na estação que ora atravessamos, fazem uso de banhos de mar nas praias do Flamengo, Boqueirão do Passeio e Santa Luzia, têm procurado a redação do Jornal do Brasil no sentido de lhes serem facilitados os meios de, como até há pouco acontecia, poder gozar dos benefícios e das delícias dos banhos de mar.

Na verdade, com a construção da Avenida a Beira Mar, desaparecerão, como desaparecidas já estão em grande parte, as escadas que conduzem até o mar e, a acreditar em informações que nos têm sido fornecidas, não mais serão elas abertas no cais em construção (Jornal do Brasil, 06/01/1905).

35Com todas as solicitações, ainda antes do final das obras, há oficialmente a autorização para que as casas de banho permaneçam funcionando no local:

Alegram-se os apreciadores dos tonificantes banhos de mar.

O dr. Prefeito acaba de permitir que continuem a funcionar os estabelecimentos de banhos de mar do Flamengo.

Na seção competente, foi publicado ontem, no Jornal do Brasil, o anuncio do High Life que, mesmo antes de terminados os trabalhos da Avenida Beira Mar, começou a funcionar, construindo uma ponte provisória (Jornal do Brasil, 06/02/1906).

36Tendo em vista a falta de informações nos projetos e as reclamações constantes nos jornais acerca do fechamento da orla pelas muretas, é possível questionar se as casas de banho da área, alvo de muitas reclamações, tais como roubo, estrutura deficiente, buracos nas paredes dos quartos para que as senhoras fossem espiadas ao trocar de roupa, estariam inicialmente entre os usos indesejáveis para a área no projeto de controle dos usos e práticas. Como vimos, uma série de regramentos foram impostos, seja retirando a infraestrutura que lhes permitia existir, seja proibindo-as expressamente. Na figura 8 é possível ver todo o trecho da Avenida Beira Mar no Flamengo concluído, sem nenhuma faixa de areia, o atracadouro diante do Palácio do Catete e, próximo a ele, apenas uma estrutura de acesso ao mar.

Figura 8. Avenida Beira Mar no Flamengo

Figura 8. Avenida Beira Mar no Flamengo

Foto Jorge Kifuri, 1917 (?). Acervo da Biblioteca Nacional.

37De qualquer forma, a demanda parece ter feito com que tal atividade fosse permitida e a proximidade aos banhos de mar permanece fartamente anunciada nos classificados de aluguel na região e objeto de valorização da área. O anúncio de pensões e aluguel de residências com “banhos de mar à porta” nas áreas da Glória e Flamengo é constante em todos os jornais do período.

38Com as melhorias no local e com a pressão de uma parte mais abastada da população de estar e usufruir aquele espaço, as casas de banho, muitas vezes improvisadas e sem infraestrutura cedem lugar para hotéis que procuram seguir a lógica e estrutura dos grandes espaços de balneário internacionais. É assim que edifícios com uma arquitetura típica de balneário são construídos na cidade, que culmina com o projeto para o Hotel Glória, contemporâneo ao projeto do Copacabana Palace, ambos do início da década de 1920.

39Um dos pontos centrais da prática de banhos na Praia do Flamengo era conhecido como High Life e um balneário com esse nome já existiria próximo à foz do rio Carioca desde fins do século XIX. Naquela área, com as obras da Avenida Beira Mar, foi aberto o Hotel Central. Com a demanda crescente, em 1917, este hotel se muda para um edifício ainda maior, distante poucos metros na mesma Avenida Beira Mar e o antigo prédio recebe então o Hotel Splendid. O novo edifício do Hotel Central dispunha de café e terraço onde se podia beber ou comer diante da paisagem (Figura 9)

Figura 9 – Terraço e restaurante do novo Hotel Central, 1917

Figura 9 – Terraço e restaurante do novo Hotel Central, 1917

Fonte: <http://riodejaneirofotosantigas.blogspot.com/​>. Acesso: 31/01/2019.

40O hotel localizava-se estrategicamente diante de uma pequena faixa de areia, a única restante no Flamengo após o aterramento da Avenida Beira Mar, provavelmente resultante dos sedimentos trazidos pelo rio Carioca, que, então canalizado naquela parte, desembocava bem ao lado, como é possível identificar na figura 10.

Figura10 – Banhistas em frente ao Hotel Central em 1917

Figura10 – Banhistas em frente ao Hotel Central em 1917

Fonte: Acervo de Aurelino Gonçalves, disponível em:

<https://cidadesportiva.wordpress.com/​2011/​08/​13/​o-hotel-central-e-os-banhos-de-mar/​>. Acesso: 31/01/2019.

41A administração de Carlos Sampaio (1920-22), preocupada com a preparação da cidade para a Exposição do Centenário da Independência, procura incentivar a construção de hotéis de luxo, mas sempre com uma recomendação, que incluíssem instalações balneárias. Para a autora, “confirma-se então a percepção e vontade política de consolidar uma outra imagem da cidade, litorânea e balneária num planejamento estratégico delineado nas obras de urbanização de novas áreas residenciais ao sul da Capital” (HERMES, 2007 p. 7).

42Carlos Sampaio deu início à construção da Avenida do Contorno, que margeava o morro da Viúva e oferecia uma ligação pelo litoral entre as duas partes da Avenida Beira Mar construídas por Pereira Passos. Também ali foi construído o hotel Sete de Setembro, empreendimento levado a cabo diretamente pelo poder público sob a justificativa de estar destinado a visitantes ilustres da exposição.

  • 3 O Hotel Copacabana Palace, igualmente projeto do mesmo arquiteto e que também tinha como objetivo a (...)

43Entre os hotéis da Avenida Beira Mar sem dúvida o mais importante seria o Hotel Glória. Projeto de Joseph Gire, primeiro Hotel 5 estrelas do Brasil, foi construído com o objetivo de atender os visitantes da Exposição Universal do Centenário da Independência em 1922 e inaugurado em 15 de agosto, mas aberto oficialmente aos hóspedes apenas em setembro3. O Hotel era dotado de infraestrutura típica de um Hotel Balneário, com teatro, cassino, salões de festas, 150 quartos, jardins e um terraço panorâmico no topo, além de empregar 250 pessoas (O Paiz, 16/08/1922).

As atividades esportivas e sua infraestrutura

44O início do século XX viu tornarem-se populares atividades esportivas a céu aberto. Houve uma transformação considerável na forma como corpo era encarado. De um lado, a preocupação com a “aeração” e atividades físicas que combateriam males respiratórios, inclusive a tuberculose, de outro, a valorização de corpos marcados pelo sol e pelos exercícios físicos. Esportes como o remo, a natação e o ciclismo ganham a atenção da juventude e depois de um público maior através da fundação de uma série de grêmios e clubes. Vários clubes de remo e regatas foram fundados na cidade: o Botafogo de regatas em 1894, o Flamengo em 1896, o Natação e Regatas e o Boqueirão do Passeio em 1897, o Vasco da Gama em 1898 e, em 1899, o Guanabara.

45Além de conferir centralidade e acessibilidade para a instalação dos clubes, a Avenida Beira Mar oferecia locais privilegiados para assistir às competições e com isso os barcos no mar passaram também a integrar a paisagem cotidiana de quem passava pela avenida. O remo, como esporte de uma elite saudável e progressista, fazia parte do projeto de cidade moderna que era almejado.

Passos e Rodrigues Alves, sempre atentos à necessidade de apoiar o desenvolvimento esportivo, também estabeleceram contatos com as instituições de outros esportes. Sua presença e seu apoio eram constantemente solicitados (e atendidos) pelos clubes de ciclismo, atletismo e turfe. Mas com o remo a relação era mais direta e mais constante, indubitavelmente pelo significado que esse esporte tinha para o projeto de modernidade de ambos e da burguesia nacional, ainda que houvesse sempre uma tensão constante entre os diversos setores das elites (MELO, 2006, p. 13).

46Foi nesse sentido que Prefeitura e Governo Federal passam a incentivar a prática na área, tanto através da construção de infraestrutura como com o apoio direto ou indireto aos clubes.

Em uma cidade em pleno processo de reforma e saneamento, incluir-se-iam a construção de instalações para o remo nos projetos de intervenção urbana. Se a construção da Avenida Beira-Mar era uma de suas prioridades, nada como celebrar tal avenida simbólica com um divertimento moderno e civilizado como o remo (MELO, 2006, p. 12).

47Essa associação entre os ideais de modernidade, culto ao corpo e o contato com a paisagem e a natureza, fez com que o remo obtivesse seus primeiros incentivos financeiros por parte do Estado brasileiro. Além disso, em 1905, a prefeitura construiu barracões que funcionariam como garagens para os clubes Botafogo e Guanabara. Da mesma forma, para a construção da Avenida B eira Mar foi necessário derrubar a sede de três clubes de remo que se localizavam na Travessa Maia, entre as ruas do Passeio e Santa Luzia: Boqueirão do Passeio, Vasco da Gama e Internacional. Desapropriados em 1905, tais clubes receberam um terreno em área próxima no ano de 1907.

48Passos também atendeu a uma das reinvindicações mais antigas, e a intervenção de maior visibilidade com relação a este esporte até aquele momento, com a construção de um local permanente para apoiar as regatas: o Pavilhão de Regatas na enseada de Botafogo. Sua inauguração ocorreu em 24 de setembro de 1905 e contou com a presença de Pereira Passos e Rodrigues Alves (Figura 11).

Figura 11 – Pavilhão de Regatas de Botafogo

Figura 11 – Pavilhão de Regatas de Botafogo

Fonte: <www.botafogo.com.br>. Acesso: 31/01/2019.

Mais do que servir somente às regatas, o Pavilhão rapidamente transformou-se em um centro de divertimentos para as elites. Possuindo coretos para duas bandas de música, área central para autoridades, duas arquibancadas no térreo, espaço para o buffet, além de situado em um local com bela e aprazível vista, já em 1906 estava dotado de luz elétrica (o que permitia que funcionasse até a madrugada) e inaugurara um bar com orquestra, uma casa de chá, além de oferecer excursões de barco pela Baía de Guanabara (MELO, 2006, p. 17).

49Os clubes de regatas eram também grandes organizadores de festas na nova orla:

Festa Veneziana. A chuva miúda e impertinente de domingo prejudicou muito a festa veneziana organizada pelo Club Internacional de Regatas.

A concorrência à Avenida Beira Mar foi diminuta, pois muita gente contava que, com o mau tempo, ela fosse transferida.

Os valentes rowers, entretanto, resolveram leva-la assim mesmo a efeito e, às 10 ½ horas da noite apresentaram-se eles tripulando as seis gingas, ornamentadas e iluminadas com gosto e arte.

O efeito era deslumbrante e mais imponente seria ainda se o mau tempo não estragasse a ornamentação.

À meia noite, em ponto, a minúscula artilheria do club saudou com uma salva de 21 tiros a entrada no ano novo e, momentos depois, a esquadrilha fez rumo para a garage, na praia de Santa Luzia.

E dessa forma, os estimados canotiers do Club Internacional celebraram condignamente o início do ano de 1906.” (Jornal do Brasil, 02/01/1906).

Os Passeios e atividades sociais a beira mar

50Após sua abertura, ou mesmo durante as obras, a Avenida Beira Mar tornou-se um grande espaço de visibilidade social. Na verdade, torna-se o local onde visibilidade social e visibilidade da paisagem se encontram. Inúmeras são as notícias de jornais que dão conta de diferentes eventos e performances que tinham lugar na avenida:

O Sr. Presidente da República acompanhado de suas Exmas. Filhas e de seu filho Dr. Alvaro Penna, passeou ontem à tarde em ‘landau’ descoberto pela Avenida Beira Mar (Jornal do Brasil, 16 de abril de 1907).

51O Jornal do Brasil, que publicava sugestões de atividades para a família durante o final de semana, sempre incluía o passeio na Beira Mar entre as atividades que deveriam ser seguidas pela família carioca em lazer:

FESTAS E DIVERSÕES – Programa para hoje: de manhã passeio à Copacabana e missa cantada na igrejinha, às 10 horas.

De tarde: pescaria de arrastão em Copacabana, às 2 horas. Ascenção do balão ‘Niteroi’ em Botafogo, às 4 horas. Passeio na Avenida Beira Mar e jantar no pavilhão Mourisco, das 6 às 7 horas. De noite: Cinematógrafo no Leme e, depois, festas na Igrejinha. Baile ao ar livre (Jornal do Brasil, 10/11/1907).

52Para completar essas atividades, a avenida ganhou o Pavilhão Mourisco em 1907, projeto de Alfredo Burnier, originalmente como um Music Hall, funcionou durante muito tempo como salão de chá e restaurante. Contava com três grandes terraços de frente para a baía e tornou-se rapidamente num ponto de encontro e no posto final para aqueles que faziam a caminhada pela avenida.

53A avenida também se transforma em local de desfiles cívicos, sobretudo em função de sua proximidade com a sede da Presidência da República, cujo palácio, construído antes da Avenida, está de costas para o mar.

54Na homenagem ao prefeito Pereira Passos, depois de terminado seu mandato, o préstito, detalhamente planejado, fez o caminho pela Avenida Central e Avenida Beira Mar, indo ao encontro do ex-prefeito no Pavilhão de Regatas em Botafogo.

Chegando à Avenida Beira Mar (praia de Botafogo) o préstito desfilará, como ontem dissemos, pelo lado direito da mesma avenida e, a proporção que forem afrontando o Pavilhão de Regatas, as bandas de música e clarin e filarmónicas irão abandonando o préstito, estendendo-se ao longo da alea destinada aos cavalheiros com a frente para o tablado em que se acharem o Sr. Dr. Pereira Passos e a comissão central.

Nessa posição aguardando as bandas de música a passagem do préstito pelo lado esquerdo da avenida.

Contornada assim a avenida de Botafogo, as bandas de música e clarins e as filarmônicas particulares executarão, todas ao mesmo tempo, o hino nacional, falando depois o orador oficial dos manifestantes e seguindo então o préstito em saudação ao Sr. Dr. Pereira Passos, dissolvendo-se em frente à rua Senador Vergueiro. (...)

Tanto esse pavilhão como a avenida de Botafogo serão ornamentados e iluminados a “giorno” (Jornal do Brasil, 25/11/1906).

55A avenida também se tornou o novo ponto central para o carnaval das classes médias da cidade:

A nota carnavalesca da segunda-feira gorda foi dada pelo bairro de Botafogo. Invejavelmente aparelhado para servir de moldura aos acontecimentos mundanos recamados de fausto, de elegância e de poesia.

A Avenida Beira Mar, prolongamento pitoresco da nossa artéria principal, oferece longa, variada e rica pista para o desenrolar dos cortejos magníficos, cuja beleza, graça e luxo reclamem um âmbito vasto e cheio de luz, uma modalidade de seu aspecto oferece ainda a diversidade de efeitos e o encanto de perspectivas aos que a perscrutam.

Todos os folguedos ali realizados gozam a vantagem extraordinária do local – recorte artístico da formosíssima Guanabara, faceira concepção da natureza que a mão do homem por fim aprimorou, fazendo refletir no espelho das águas a nossa pródiga vegetação. (...)

Botafogo, o bairro da elite ostentava os seus mais garridos atavios, bandos de formosas moças, qual delas a mais catita, estendiam-se pela longa Avenida Beira Mar em festa agitada por animada batalha de confete. (Jornal do Brasil, 23/02/1909)

56Nesse sentido, diferentes espaços e práticas ligados às atividades de lazer e balneário que se estabeleceram ao longo da avenida Beira Mar, em associação ao processo de desejo de paisagem, contribuíram para fundamentar a relação com a paisagem carioca que se consolidou na cidade.

Considerações Finais

57O ideal de cidade balneário em conjunto com aquilo que chamamos de desejo de paisagem têm uma responsabilidade importante nas transformações de espaços, sociabilidades e representações no Rio de Janeiro no início do século XX. As transformações espaciais que promoviam novas práticas oriundas da Europa, no Rio de Janeiro forjaram uma relação com a paisagem que persiste em muitos aspectos ainda hoje. O controle do litoral, a construção de jardins, toda a linha de costa em mureta valorizando a vista baía e das montanhas, os hotéis, cassinos e restaurantes, a infraestrutura para esporte ao ar livre, todas são transformações no espaço que, associadas às novas práticas e sociabilidades, corroboram a importância da relação entre o ideal de balneário e a constituição da paisagem como identidade, usufruto e consumo.

58Em 2012 a cidade foi inscrita na Lista de Patrimônio Mundial da UNESCO sob a designação de “Paisagens Cariocas: entre a montanha e o mar”. A declaração colocava ênfase nas intervenções e espaços públicos construídos que valorizaram essa relação entre cidade, montanha e mar. Trata-se de um outro momento do desejo de paisagem e sua apropriação por políticas de patrimonialização, mas é também o reconhecimento de uma narrativa para a paisagem da cidade que se consolidou ao longo do século XX. As intervenções do período Pereira Passos, em conjunto com a instalação de equipamentos e atividades de balneário no início do século, tiveram um papel importante nesse processo, promovendo o encontro entre a população e os elementos que seriam apontados como definidores da paisagem carioca internacionalmente.

Haut de page

Bibliographie

ABREU, Maurício de Almeida. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IPP, 1987.

AZEVEDO, André Nunes de. A grande reforma urbana do Rio de Janeiro: Pereira Passos, Rodrigues Alves e as ideias de civilização e progresso. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, 2016.

BERQUE, Augustin. Les raisons du paysage, de la Chine antique aux environnements de synthèse, Paris: Hazan, 1995.

CAUQUELIN, Anne. A invenção da paisagem. São Paulo: Martins, 2007.

CORBIN, Alain. O território do Vazio – a praia e o imaginário ocidental. São Paulo: Cia. Das Letras, 1989.

DE PAOLI, Paula. Entre relíquias e casas velhas. A arquitetura das reformas urbanas de Pereira Passos no Centro do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Rio Books, 2013.

ENKE, Rebecca Guimarães. “O cenário do vazio: a inserção do lazer no espaço litorâneo europeu”. Historiae, v. 8, n. 1, 2017, p. 169-188.

FERNANDES, Pedro Henrique S. “A transformação da cidade e a evolução da paisagem do Rio de Janeiro: as políticas públicas e os mirantes”. In: 3º Colóquio Ibero-Americano Paisagem Cultural, Patrimônio e projeto - desafios e perspectivas, 2014. Belo Horizonte: IEDS; MACPS; IPHAN, 2014.

GOMES, Paulo Cesar da Costa. “Rio de Janeiro, a cidade dos múltiplos mirantes”. Revista Espaço Aberto, PPGG – UFRJ, v. 5, n. 2, p. 143-164, 2015.

HERMES, Maria Helena da Fonseca. “O antigo Hotel Balneário Sete de Setembro: arquitetura eclética de tendência clássica”. 19&20, Rio de Janeiro, v. II, n. 3, jul. 2007.

MACHADO, Marcello de Barros Tomé. A modernidade no Rio de Janeiro: construção de um cenário para o turismo. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal das Culturas, 2008.

MELO, Victor Andrade de. Remo. “Modernidade e Pereira Passos: primórdios das políticas públicas de esporte no Brasil”. Esporte e Sociedade, 3, Jul-Out, 2006.

PREFEITURA DO DISTRICTO FEDERAL. Comissão da Carta Cadastral do Districto Federal. Melhoramentos da cidade Projectados pelo Prefeito do Districto Federal Dr. Pereira Passos. Rio de Janeiro, 1903.

RIBEIRO, Rafael Winter. “Nature et culture dans la liste du patrimoine mondial: l'expérience de Rio de Janeiro”. Vertig0 - La revue électronique en sciences de l'environnement, v. 16, p. 01, 2013.

RIBEIRO, Rafael Winter. Rio de Janeiro: paisagens cariocas entre a montanha e o mar / Rio de Janeiro: landscapes between the mountain and the see. Santos; Brasília: Ed. Brasileira; UNESCO, 2016, 204p.

ROCHA, Oswaldo Porto. A era das demolições. Cidade do Rio de Janeiro: 1870-1920. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1986.

ZAMANT, Véronique. “Rio de Janeiro e suas paisagens: entre perspectiva histórica e usos contemporâneos”. Revista Espaço Aberto, PPGG-UFRJ, v 5, n. 2, p. 143-164, 2015.

Haut de page

Notes

1 Para que uma sociedade seja considerada paisagística, A. Berque enumera quatro fatores: 1) Representações linguísticas, com uma ou mais palavras para dizer paisagem; 2) Representações literárias, orais ou escritas, cantando ou descrevendo as belezas da paisagem; 3) Representações picturais que tenham por tema a paisagem; 4) Representações em jardins, que traduzem uma apreciação estética da natureza. (BERQUE,1995, p. 34)

2 De Paoli (2013) defende que tais argumentos foram construídos para justificar as obras e contesta sua ampla aceitação pela historiografia mostrando que, ao longo do século XIX a área central teria passado por um movimento intenso de renovação e possuía um repertório arquitetônico relativamente novo para a época.

3 O Hotel Copacabana Palace, igualmente projeto do mesmo arquiteto e que também tinha como objetivo a Exposição do Centenário, só ficaria pronto um ano depois, em 1923.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Belvedere do Passeio Público do Rio de Janeiro no século XIX
Crédits Eugène Ciceri, 1854. Acervo Biblioteca Nacional
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18065/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 312k
Titre Figura 2 – Plano de Intervenções da Comissão da Carta Cadastral
Crédits Fonte: Prefeitura do Districto Federal, 1903.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18065/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 336k
Titre Figura 3 – Avenida Central
Crédits Avenida Central, circa 1910. Acervo da Biblioteca Nacional.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18065/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 1,0M
Titre Figura 4 – Avenida Beira Mar e os jardins de Botafogo
Crédits Foto Augusto Malta, 1907. Acervo da Biblioteca Nacional.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18065/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 1,4M
Titre Figura 5 – Antigo litoral, na altura da Glória
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18065/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 776k
Crédits Foto Marc Ferrez, circa 1906. Acervo do Instituto Moreira Sales.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18065/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 456k
Titre Figura 7 – Aterro para a Avenida Beira no Flamengo
Crédits Foto Augusto Malta, 1906. Acervo Instituto Moreira Sales
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18065/img-7.png
Fichier image/png, 1,1M
Titre Figura 8. Avenida Beira Mar no Flamengo
Crédits Foto Jorge Kifuri, 1917 (?). Acervo da Biblioteca Nacional.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18065/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre Figura 9 – Terraço e restaurante do novo Hotel Central, 1917
Crédits Fonte: <http://riodejaneirofotosantigas.blogspot.com/​>. Acesso: 31/01/2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18065/img-9.png
Fichier image/png, 355k
Titre Figura10 – Banhistas em frente ao Hotel Central em 1917
Crédits Fonte: Acervo de Aurelino Gonçalves, disponível em:
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18065/img-10.png
Fichier image/png, 91k
Titre Figura 11 – Pavilhão de Regatas de Botafogo
Crédits Fonte: <www.botafogo.com.br>. Acesso: 31/01/2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18065/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rafael Winter Ribeiro, « Rio de Janeiro e a Avenida Beira Mar: desejo de paisagem e cidade balneário nas primeiras décadas do século XX », Confins [En ligne], 39 | 2019, mis en ligne le 23 mars 2019, consulté le 18 avril 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/18065 ; DOI : 10.4000/confins.18065

Haut de page

Auteur

Rafael Winter Ribeiro

Professor do Departamento de Geografia / UFRJ, rafaelwinter2002@yahoo.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals