Navigation – Plan du site
Dossiê Balneomar

“Uma Copacabana Perdida nos Confins suburbanos”: a ideia de balnearização do bairro de Ramos/RJ (anos 1920-1940)

“Une Copacabana perdue dans les confins suburbains”: l’idée de balnéarisation du quartier de Ramos (Rio de Janeiro, années 1920-1940
“A Copacabana lost in the suburban confines”: the idea of balnearization of the district of Ramos (Rio de Janeiro, 1920s-1940s)
Maria Isabel de Jesus Chrysostomo

Résumés

Dans cet article nous discutons des modalités d’intériorisation dans la métropole de Rio de Janeiro d’une habitude qui est devenue une marque carioca : se baigner, exposer son corps sur la plage et pratiquer les sports maritimes. Nous montrerons comment les quartiers suburbains de Rio ont absorbé et adapte ce modèle, à partir de l’analyse du quartier de Ramos qui, entre les années 1920 et 1940, a implanté un lotissement avec une sorte d’Avenida Beira-Mar. “Perdue dans les confins suburbains” la pittoresque plage de Ramos, vendue comme principal attribut de ce lotissement, devient à la fois un lieu de loisir et de résidence.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Tal subúrbio, como discutido em inúmeros trabalhos, se constituiu como desdobramento da instalação (...)
  • 2 De acordo com Soares (1995), a designação de subúrbio se tornou comum no século XIX quando, então, (...)
  • 3 A extensão do modelo constituído pela tríade saúde, limpeza e beleza, considerado por alguns como e (...)

1Quando falamos de espaços balneários na cidade do Rio de Janeiro, logo imaginamos as praias da Zona Sul, mas especialmente a de Copacabana, que se tornou ícone de um modelo de balnearização. O que almejamos explorar nesse texto é a maneira como as áreas suburbanas da cidade iriam também participar desse processo, apresentando o caso inédito de Ramos1, que se transformou, entre os anos 1920 e 1940, na praia representativa do subúrbio carioca2. As propostas de transformar essa região em modelo de balnearização dos subúrbios inscreve-se no longo processo de democratização do lazer às classes populares. Neste contexto, o estímulo ao banho de mar não mais estava ligado a fins curativos como outrora, mas à prática de esporte e à exposição ao sol3. Inserindo-se nos processos de construção da identidade suburbana, o espaço-praia foi forjado a partir da negociação de uma cultura balneária que buscava se consolidar em outros rincões da cidade.

  • 4 Além disso, de maneira não tão enfatizada, foram pensadas políticas de provisão de moradias “barata (...)

2Afinal, ao criar uma atmosfera emocional favorável, o sucesso desse espaço balneário servia também para popularizar o presidente Getúlio Vargas e sua controversa política de proteção aos pobres. “Pão e Circo”: fórmula bastante empregada pelos governos para controlar emoções, iria trazer à tona dois conflitantes projetos de uso e ocupação da região da Leopoldina: o primeiro, ligado à integração ao centro da cidade do Rio de Janeiro através da implantação de novas vias, incremento dos meios de transporte de massa e instalação de indústrias4. Acopladas à vontade de transformar a região em espaço privilegiado para o fluxo econômico, tais propostas entravam em concorrência com a ideia de balnearização da praia de Ramos. O segundo, relacionava-se à ideia de inventar atrativos turísticos nos “confins suburbanos”, impulsionando o consumo de novos bens e o cultivo de novos hábitos. Nessa medida, a “infantilização” do banho, ancorada pela forte propaganda governamental e da mídia carioca, buscava transformar a praia de Ramos em mais uma das modas lançadas na capital. Revelando-se, portanto, como um projeto de caráter cultural, este desejo apoiava-se numa estratégia de convencimento da população de que o banho em Ramos representava uma imersão no pitoresco subúrbio carioca, devendo ser tão apreciado como o realizado na zona sul. Portanto, ao criar dispositivos que visavam “sincronizar emoções”, grupos ligados ao Estado e associações civis (algumas territorializadas nos bairros da Leopoldina) transformaram a praia de Ramos, entre os anos 1930-1950, em um dos eventos mais importantes do calendário oficial do carnaval carioca.

3A valorização desse balneário nos anos 1930 instiga-nos, portanto, a pensar o seu caráter plural e ao mesmo tempo singular: pensado para contemplar classes médias e populares em uma Metrópole em franco crescimento, ele é revelador de um modelo de difusão do lazer que leva o urbano até as praias. Assim, a balnearização ilustra uma das facetas do processo de reestruturação do espaço urbano, ao criar novos objetos de consumo e disseminar formas de apropriação dos espaços até então “vazios” ou com usos considerados inadequados. Nessa senda, a faixa que separa o mar do continente pode ser lida como uma nova fronteira urbana, sobretudo por criar a ideia, renovada a cada contexto, de recuo de uma natureza virgem, selvagem ou inapropriada em um espaço salubre, habitável e prazeroso. A ideia que muitas vezes floresce, especialmente quando são acionados os termos “confins” e “pitoresco” é que a praia dos subúrbios se constituía em um novo sertão, prestes a ser desbravado e colonizado. Podemos dizer, então, que a imagem pintada de progresso, associada à de pitoresco, presente nesse percurso rumo ao desbravamento da faixa litorânea de Ramos, construiu novos sentidos e práticas sociais em toda região da Leopoldina.

  • 5 Um esclarecedor exemplo de difusão de modelos pode ser apreciado em Schossler (2011), no artigo “ba (...)

4Tal estudo de caso pode ser estendido e comparado com outros lugares do Rio de Janeiro, Brasil, América Latina e Europa em diferentes contextos5. Exemplifica processos de difusão de modelos de lazer associados às políticas de tipo nacionalista e popular, sempre produtoras de paisagens impositivas. Ilustrando historicamente o desejo de controle visual e tátil dos grupos que possuem em suas mãos a capacidade de intervir sobre o destino de uma localidade, os processos de balnearização criam figuras espaciais que se distinguem nas paisagens não só pela implantação de ícones arquitetônicos mas pelo papel revolucionário de transformar o sol em “território” e a água em “brinquedo urbano”.

5Partindo dessas considerações, a balnearização de Ramos será discutida em duas partes. Na primeira, iremos suscintamente expor o nascimento das práticas de banho na região no começo do século XX. A seguinte ilustrará os projetos de aproveitamento do “beira-mar” durante o Estado Novo, em um contexto no qual o significado da praia adquire outra dimensão cultural e política. Demonstraremos, nesse momento, alguns aspectos dos planos de urbanização para a região na qual se encontra o bairro Ramos.

O banho de mar nos arrabaldes da cidade: a praia Maria Angú

  • 6 O acesso à área antes da chegada do trem era feito por meio de caminhos e picadas, sendo um deles d (...)
  • 7 A área na qual se situam vários bairros da região da Leopoldina, a exemplo de Ramos, fazia parte no (...)

6A partir de um contexto medicinal no qual recomendava-se o uso da praia em função de sua capacidade de cura, é que se deflagrou a prática do banho em Ramos no começo do século XX. Essa região era frequentada por famílias que desciam de trem da serra de Petrópolis para usufruírem da diagnosticada capacidade terapêutica das areias monazíticas6. Partindo de diferentes cidades em direção ao recôncavo de Inhaúma7, que abrigava à época várias praias, foi, então, o deslocamento (por meio da Estrada de Ferro Norte e Leopoldina) que se instaurou o hábito dos moradores em se banhar nas diversas praias da região, como a de Inhaúma, Ponta da Pedra e Apicú (Ramos).

Mapas 1 e 2: a região de Ramos (em 1875 e 1907)

Mapas 1 e 2: a região de Ramos (em 1875 e 1907)
  • 8 A praia do Apicú e a enorme pedra do mesmo nome, significa em tupi-guarani “brejo de água salgada”. (...)
  • 9 Segundo Fraiha e Lobo (2006), o coronel era secretário da Academia Militar da Corte. A ocupação ind (...)

7Batizada anteriormente com os nomes indígenas de Apicú e Mariangu e/ou Maria Angú8, como aparece registrado em mapas do final do século XIX e início do XX, a praia de Ramos teve seu primeiro projeto de ocupação associado aos interesses do capitão Luiz José Fonseca Ramos9 e seu descendente. Este, no ano de 1886, fez um acordo com os acionistas da Estrada de Ferro Norte para que os trilhos da companhia passassem pelas suas terras, o que deu nascimento à estação de Ramos e às primeiras ocupações de caráter urbano na região.

  • 10 A ideia de urbanismo empresarial é explorada por Andreatta, Chiavari, Rego (2006). Para as autoras (...)
  • 11 Intentava, também, resolver os problemas internos de habitação, agudizados pela instalação de imigr (...)

8Sintonizadas com as doutrinas de eficiência e de progresso - que internacionalizavam pessoas, produtos, valores e ideias -, a implementação de planos de urbanização e expansão de ferrovias na cidade do Rio de Janeiro resultou da fúria modernizadora que fez circular diversos modelos de intervenção urbana. Nesse contexto, marcado pela fartura de oportunidades e escassez de recursos (devido à crise da economia cafeeira), é que se desenrola a grande reforma urbana na capital da República. A proposta de intervenção na cidade, marcada por uma vertente empresarial de urbanismo10, entre outros quesitos, visava integrar à cidade ao mercado externo, o que exigia uma nova organização do seu espaço11.

9Associada à necessidade de fortalecer a função portuária do Rio de Janeiro, permitindo a melhoria da circulação de mercadorias, com recursos da União, realizou-se um conjunto de obras que afetaram diretamente a região da Leopoldina, constituída por um grande manguezal, e onde estavam assentadas diversas comunidades de pescadores. Em curso desde meados do século XIX, durante a gestão de Pereira Passos/Rodrigues Alves, a região de Ramos foi alvo de sucessivos aterros e da instalação moderna do Porto de “Maria Angú”; obra que ligaria o bairro da Penha à Praça XV, com conexão para a Ilha do Governador. Entrelaçando as propostas de regeneração e modernidade, a região seria também modificada pela disseminação de novos hábitos culturais vinculados ao uso das praias.

Imagem 2 – Pescadores no Porto Maria Angú , começo do século XIX

Imagem 2 – Pescadores no Porto Maria Angú , começo do século XIX

Revista: O Malho (RJ) , 1928

  • 12 Jornal A Epoca, 8/03/1915, p.5.
  • 13 Composta de 7 itens, a proposta do Automóvel Clube deixa claramente demarcado as intenções de um se (...)

10Dando vazão àquilo que passou a se constituir como um dos elementos centrais da identidade carioca – a sua vocação balneária – o espaço-praia passa a ser “foco principal do lazer e uma extensão natural dos quintais e das salas” (Sevcenko, 1998, p.571). Nessa linha, as reformas urbanas, associadas ao desenvolvimento de uma cultura de lazer e esporte, ao produzirem um novo cenário urbano serviram para adaptar “corpos e mentes” às novas demandas tecnológicas. Com a inauguração da Avenida Beira Mar e a construção do Pavilhão de Regatas, situado no bairro do Flamengo, tais espaços passaram abrigar desfiles de carros, competições e comemorações às mais diversas. Símbolos de uma nova cultura identificada com o estilo carioca, a disseminação desse modelo de divertimento, seria responsável pelo nascimento de diversos clubes de regatas. Fruto desse movimento, em 1906 instituía-se o primeiro regulamento responsável por organizar o funcionamento dos balneários na cidade (Sevcenko, 1998). Atentos a esta nova tendência, diversos atores econômicos começam a se pronunciar, como, por exemplo, o Automóvel Clube do Brasil, que lança em 1915 um projeto de construção e instalação de um balneário moderno em Copacabana. Na matéria “Quando teremos um estabelecimento balneário modelo?, em que tal iniciativa é divulgada, intitulada12” ressaltava-se que o Automóvel Club não tinha intuito “especulativo ou ganancioso” mas sim o de presentear o Rio de Janeiro, “cidade marítima por excelência”, com um espaço adequado ao banho “aos moldes dos grandes balneários europeus”. O apelo feito à prefeitura do Distrito Federal não deixaria dúvida sobre a “incontestável” necessidade de legitimar Copacabana como principal espaço balneário e de consumo de novos objetos de lazer13.

A necessidade de um estabelecimento balneário, com todas as regras de higiene moderna, impõe-se com urgência. Os banhos de mar e o ar puro (hydro-acrotherapia) são, em uma cidade como a nossa, um dos principais fatores da saúde pública. Com o desenvolvimento que estão entre nós os “sports” como o remo e a náutica, lutamos igualmente com a falta de instalações adequadas; e o bem-estar e a segurança, indispensáveis para a população, fazem da criação de um balneário um dos principais problemas da cidade (...)” (A Época, 8/03/1915, p.5)

11Inserida nos ideais de banhos e passeios higiênicos, tais modelos aparecem insinuados em outras propostas de balnearizacão da cidade, entre as quais a que foi divulgada em 1908 no jornal O Suburbio. Visando potencializar a praia situada na ilha de Paquetá, o jornal propunha ligar a cidade do Rio de Janeiro àquela ilha, que além de possuir uma belíssima paisagem, abastecia o continente de diversos itens. É interessante observar que a ideia de balnearização surgia como alternativa ao desaparecimento das praias existentes na área central e na enseada de Inhaúma. Em síntese, ao propor a ligação da ilha ao continente, por meio de uma linha de carris de tração elétrica, buscava-se integrar Paquetá à Freguesia, na qual existia “a afamada praia de banhos”, até o Engenho da Pedra em Inhaúma (O Subúrbio, 1908, ed. 39, p.2).

  • 14 O crescimento do Distrito de Inhaúma é fenômeno associado ao deslocamento expressivo da população d (...)
  • 15 Tal propriedade pertencia ao padre David Semeão de Oliveira - “preto criado e educado pela testamen (...)
  • 16 A família Ferreira Vieira, além de ser responsável pela manutenção de uma escola (Escola Gerson) - (...)

12Reivindicações à parte, a disseminação da moda nos balneários iria integrar a região de Ramos, de uma certa maneira, não aos projetos de balnearização em curso, mas as novas demandas de aceleração dos fluxos embutidas nas reformas urbanas do começo do século XX. Assim, a despeito das pessoas ainda frequentarem a “afamada praia de banhos”, devido às enunciadas técnicas terapêuticas, a inserção da enseada de Inhaúma nos planos de melhoramentos da cidade, tinham como intuito principal ampliar o espaço de produção e circulação de mercadorias tanto interna quanto externamente. Deixando de lado os antigos balneários do centro e da região Leopoldina, “que estavam desaparecendo”, um outro aspecto que caracterizou as reformas Passos/Rodrigues Alves foi a crescente demanda de moradia de caráter urbano nas freguesias rurais; movimento acompanhado pelo fracionamento dos sítios e chácaras14. Tal processo explica a alienação das terras pertencentes à família Ramos, da qual fazia parte o sítio Bambu, vendido à família Teixeira Ribeiro; responsável pela abertura de ruas, calçamento, iluminação e esgotamento. Por volta de 1910, alguns dos terrenos ainda não ocupados, e cuja propriedade era de um dos herdeiros da antiga fazenda Nossa Senhora do Bonsucesso15, passaram a integrar o patrimônio do coronel Joaquim Vieira Ferreira e sua esposa Ruth Ferreira16. É dessa família, composta de médicos, advogados e militares, ou seja, de membros da elite local, que nasce alguns anos mais tarde a ideia de replicar o modelo “Beira Mar” no subúrbio.

  • 17 Nome batizado em homenagem a seu filho primogênito falecido, que exercia o cargo de tenente telegra (...)
  • 18 A exemplo do Jornal do Brasil, Correio da Manhã, O Paiz, O Jornal, O Imparcial, Jornal do Commercio(...)

13Ao utilizar engenhosamente os atributos da paisagem marítima para calibrar seus interesses imobiliários no florescente mercado de terra, o propositor desse projeto fez uma grande aposta na região: tornar Ramos numa espécie de capital do subúrbio. Assim, como iremos apresentar mais adiante, antes mesmo da abertura do famoso loteamento chamado “Villa Gerson”, ocorrida nos anos 1930, desde os anos 1920 o coronel Vieira anunciava terrenos e imóveis para venda, próximos à praia de Ramos, no local onde residia e que também denominava Villa Gerson17. Em colunas de diversos jornais e revistas18a antiga Villa Gerson, que era também emprestava nome a um clube de futebol patrocinado por sua família, era anunciada como um local onde havia terrenos disponíveis com “água, luz e ótima praia de banhos”. Além disso existiam dezenas casas modernas e um belo prédio de dois pavimentos, onde funcionava uma escola pública (Correio da Manhã, 21/07/1929, p.14).

Subúrbio e balnearização: o loteamento da Villa Gerson

  • 19 Nesta mesma reportagem, a Villa Gerson era apresentada da seguinte forma: 10 mil metros quadrados e (...)
  • 20 Apresenta-se na reportagem o cinema, a escola e outros bens arquitetônicos que davam a Ramos um asp (...)

14Podemos dizer que se a praia Ramos não foi contemplada nas grandes reformas do início do século com propostas de transformação do uso de sua orla, a intenção de torná-la mais uma opção de lazer e moradia no Distrito Federal foi inventada pelos grandes proprietários de terras da região. Desfrutando de grande prestígio social, tais grupos, liderado pelo coronel Vieira e por membros de associações que lutavam em prol de melhoramentos na área, começam a esboçar esse desejo ao, pouco a pouco, associar as vendas de imóveis em Ramos em função da proximidade com a praia e de sua articulação com a área central. Ligada, portanto, aos interesses imobiliários de Ferreira Vieira, aparentemente um dos maiores proprietários de terras na região, entre 1920 e 1929, o bairro e a Villa Gerson (área de sua propriedade) aparecem de duas maneiras: a) em matérias dedicadas a reivindicar melhorias para o subúrbio b) nas colunas voltadas à venda de terrenos e imóveis na cidade. As primeiras, que compõem um conjunto menor de matérias, são devotadas a publicizar as mazelas enfrentadas pelos moradores dos subúrbios, a exemplo de uma na qual existia um abaixo assinado reivindicando melhorias para área. Nesta, além de serem ressaltados os “progressos no emergente centro suburbano que transformaram em breve período uma zona selvática em um aglomerado citadino”, foram apontados os problemas de infraestrutura e a necessidade de um maior investimento do governo para ligar a Villa Gerson19 à praia de Apicú. A extensa reportagem, inserida no Suplemento Suburbano do Jornal do Brasil em 1927, ao pintar positivamente a “florescente cidade de Ramos”, ilustrando-a com imagens e um texto recheado de informações sobre a área20, chamava atenção para as carências no local, entre as quais a irregularidade dos transportes que ligava Ramos ao centro da cidade. Visando diminuir “as agruras e dolorosas vicissitudes por que passam os seus habitantes, em sua maioria operários e homens do comércio, na faina ingente de transportes”, tal matéria constitui-se em um importante documento político que colocava em cena o poder de barganha do coronel Vieira Ferreira e seus projetos de modernização na região (Jornal do Brasil, 24/07/1927, p17).

Mapa 3: A região de Ramos em 1927

Mapa 3: A região de Ramos em 1927
  • 21 Chamamos atenção para o primeiro anúncio de aluguel de casas na Villa Gerson publicado no ano de 19 (...)
  • 22 Os abaixo-assinados publicados no Jornal do Brasil e no Correio da Manhã em 1927 ilustram as afirma (...)

15Na realidade, o que se percebe nas publicações é que as propostas de modernização de Ramos estiveram associadas diretamente ao melhoramento da Villa Gerson. Esta estratégia, no entanto, se delineia em dois momentos: no primeiro, que começa nos anos de 1920, caracteriza-se pela venda terrenos e lotes próximos ao logradouro onde residia do coronel21 e no segundo, que consiste em promover os atributos artificiais e naturais da paisagem do então Distrito de Ramos. Nessa segunda fase nota-se uma preocupação maior em exibir imagens do bairro e sua relação com a ideia de pitoresco22. Assim, ao expor a proposta de integrar Ramos à cidade e a Villa Gerson à praia de Ramos, materializa-se de forma concreta o desejo de balnearização dos subúrbios.

16Na chegada dos anos de 1930, marcados pelo impacto da depressão de 1929, de conflitos internos (revoltas mineiras e paulistas), ascensão do comunismo, mas também de movimentos culturais bastante expressivos, os aspectos que caracterizavam Ramos eram o seu perfil industrial, uma expressiva população proletária e a carência de infraestruturas.

17É nesse ambiente social, cultural e econômico, em que se popularizava a ideia de banho como atividade de lazer e a necessidade de prover moradias para uma população crescente, que o coronel Vieira Ferreira lançava a proposta de criar um loteamento com acesso à praia de Ramos. Detentor de grande gleba de terras, que se estendiam até a praia, ou seja, com capacidade e poder de intervir na mudança espacial da região, sua proposta privada de ocupação da orla circunscreve-se ao modelo de balnearização pensado para a zona sul. Tal perspectiva estava presente em seu plano de urbanização que previa a venda de lotes nas margens da Avenida Guanabara, paralela à praia de Ramos, imitando a existente em Copacabana. A fama de seu empreendimento concorreu à época para que a imprensa apelidasse a Villa Gerson de “Copacabana dos Subúrbios”.

18

Imagem 2 - Plano de Urbanização de Ramos

Imagem 2 - Plano de Urbanização de Ramos

Fonte: Revista Municipal de Engenharia, 1935.

19Noticiada em diferentes jornais e algumas revistas, principalmente entre os anos 1930 e 1940, tal investimento se notabilizou pelo seu plano arrojado de modernização de toda zona da Leopoldina. Sua proposta, ao direcionar um tipo de uso para a área, intentava transformar o estilo de vida dessa região, oferecendo à pequena classe média, um bairro que era “pitoresco, moderno e higiênico”. Ressaltamos que a antiga Villa Gerson, divulgada no começo dos anos 1930, possuía nada mais que 10.000 m2; área muito inferior a Nova Villa Gerson, que apresentava 200.000 m2. As propagandas de tal Villa em jornais e revistas durante pelo menos duas décadas, inclusive na Revista Municipal de Engenharia no ano de 1935, denotam a relevância desse projeto de balnearização privada do subúrbio feito pelo coronel. Tal aspecto pode ser visualizado nos extratos retirados de três diferentes jornais nos anos 1930.

Imagem 3 – Propagandas de Venda de Lotes

Imagem 3 – Propagandas de Venda de Lotes
  • 23 Ver Fraiha, Silvia, Lobo, Tiza (2004).

20A nova Villa Gerson, divulgada em diversos meios como uma obra valorosa para o subúrbio e um importante passo para o progresso da região, é noticiada com grande entusiasmo no Almanaque Suburbano de 1941. Neste informava-se que já no ano de 1931, tal vila estava situada em um dos melhores bairros residenciais do Rio de Janeiro, dispondo de modernas acomodações residenciais e uma excelente praia de banhos. No ano desta publicação, o Almanaque assinalava a existência de 160 prédios, dos quais destacavam-se sobrados com construção sólida, moderna e elegante. Ademais, propagandeava a existência de comércio variado e de locais para diversão.23

Imagem 4 - Praia de Ramos (anos 1930)

Imagem 4 - Praia de Ramos (anos 1930)

Fonte: Revista de Engenharia, 1935

  • 24 Ver B. J. Barickman (2009): “Passarão por Mestiços”: o bronzeamento nas praias cariocas, noções de (...)

21O empreendimento do coronel anunciava, também, a construção de clubes e cassinos: estabelecimentos que atrairiam o público para o consumo de um tipo de lazer muito apreciado. Associando a ideia de ócio à de divertimento, as propagandas da área ao colocarem em primeiro plano a praia, os banhistas, os imóveis e as intervenções urbanas, isto é, ao construírem um cenário “encantado” da paisagem de Ramos (Figuras 2 e 3), ilustram como o local era uma fonte de possibilidades: a) para repouso e apreciação da pitoresca paisagem da praia de Ramos e à prática de bronzeamento (estimulada pelos médicos e integrada à moda naquele contexto)24; b) para apreciar as oportunidades de diversão (as festividades, os clubes e os famosos banhos de fantasia promovidos durante o carnaval); c) e, finalmente, para investir em novas moradias (a proximidade do mar, o acesso aos meios de transporte e a ligação rápida ao centro da cidade constituíram-se em atrativos consideráveis).

22Portanto, a existência de uma larga Avenida (Guanabara) facilitando o acesso à praia e a instalação de cabines higiênicas, à época grande novidade, integrava o loteamento ao moderno estilo de viver dos cariocas.

Imagem 5 – Propaganda da Villa Gerson

Imagem 5 – Propaganda da Villa Gerson

Fonte: Revista de Engenharia, 1935

23A concretização do plano do coronel dependia, no entanto, de sua capacidade de sensibilização de figuras públicas e privadas em relação à relevância de seu empreendimento, assim como a captação de recursos junto ao mercado financeiro. Portanto, não foram poucos os meios utilizados por Ferreira para convencer o público sobre a viabilidade de sua proposta. Ao compor um repertório diversificado de instrumentos para destacar a Villa Gerson, como os insistentes apelos às autoridades para auxiliar seus negócios, o coronel, durante os anos 1930, promoveu diversas cerimônias com esse fim, tais como: doações de terrenos, festejos, cortejos, reivindicações, ou seja, o emprego de vários dispositivos para colocar em destaque sua proposta. As táticas de teatralização envolvendo um cenário (o loteamento) podem ser vistas nas notícias abaixo que ilustram essa sanha do coronel.

Imagem 6 – Doações de terrenos a figuras ilustres

Imagem 6 – Doações de terrenos a figuras ilustres

A Batalha, 14/01/1934, Correio da Manhã, 04/02/1936 e Correio da Manhã, 28/02/1930

  • 25 “Os proprietários e moradores da Villa Gerson, nesta capital, que compartilham das festivas homenag (...)

24Inserido em redes de poder, como o Clube Militar e a Associação Brasileira de Imprensa, Ferreira manteve-se atuante ou pelo menos teve conhecimento privilegiado em algumas decisões do governo sobre as principais obras a serem realizadas no Distrito Federal. Através da imagem, bem acolhida pela imprensa, de benfeitor da área, era pronunciado nas reportagens uma gama de atividades promovidas por Ferreira que beneficiava não só Ramos, mas toda Leopoldina. Este aspecto é notado em algumas reportagens, como é o exemplo da que tinha por título: “As crianças de Villa Gerson Receberão Cadernetas e Cofres da Caixa Econômica”25. A matéria destaca a presença do presidente da Caixa Econômica que, ao som de uma banda de música, é convidado a participar de uma celebração promovida pelo coronel. No ano seguinte, na matéria intitulada “Outro Banho, a fantasia em Ramos”, o jornalista divulgava que durante a festa organizada na praia de Ramos pelo Centro de Cronistas Carnavalescos, um documento valioso do Coronel Vieira Ferreira seria entregue ao Interventor do Distrito Federal.

Um documento importante acaba de ser enviado pelo ilustre Coronel Joaquim Vieira Ferreira (...) proprietário na importante zona leopoldinense ao Dr. Pedro Ernesto, Interventor no Distrito Federal. Esse documento está assim redigido: Exmo. Sr. Interventor do Distrito Federal – O Coronel Joaquim Vieira Ferreira, proprietário dos terrenos denominados Villa Gerson, em Ramos, abrangendo entre outras a área existente entre a rua das Missões e a praia de banhos, vêm à V. Ex., em nome de justiça e da população local e ainda no de algumas dezenas de milhares de pessoas que frequentam essa praia de banhos, pedir a V. Ex. determine seja a rua Gerson Ferreira, melhorada imediatamente no trecho compreendido entre a Estrada do Apicú e a praia” (Jornal do Brasil, 9/01/1934, p.25)

  • 26 Sobre os problemas financeiros do coronel, ver as informações fornecidas pelas matérias publicadas (...)

25O que nos chama atenção nessa matéria são as contrapartidas negociadas pelo coronel para viabilizar seu pedido, ao governo, de melhoria de acesso nas principais ruas que alcançavam a praia, ou seja, aquilo que poderíamos chamar hoje de uma modalidade de operação urbana. À época, devido aos publicizados problemas financeiros do coronel, esse mecanismo e os das doações às diferentes entidades de peso constituíram-se, talvez, nos seus principais recursos para dar continuidade ao projeto de transformar Ramos em um importante balneário da cidade26.

  • 27 A doação dos terrenos, como publicado no Jornal do Brasil em matéria intitulada “mais um terreno pa (...)

26Outro aspecto a ser destacado nas reportagens é como os mecanismos de troca de favores foram se esboçando entre o coronel e os grupos contemplados com seus “atos de bondade”. Utilizando códigos próprios, formas de obrigação de caráter moral ficavam explícitas entre os grupos que se relacionavam com Ferreira. Servindo, portanto, para colocar em evidência esse ator social, as festas e homenagens prestadas ao coronel fortaleceram sua imagem de homem público, ao se pintar a ideia de defensor dos interesses dos moradores da Leopoldina. Tal perspectiva pode ser apreciada em matéria publicada no Jornal do Brasil em 1935 na qual se anunciava uma homenagem prestada ao Coronel Vieira Ferreira na praia de Ramos. A honraria, organizada pelo Clube dos Cronistas Carnavalescos, constituía-se em uma forma de agradecimento à doação de terrenos feita pelo capitão ao Clube27. Respondendo aos membros Clube, o coronel declarava o seguinte:

Nada, nada em absoluto fiz, doando ao valoroso e prestigioso Centro de Cronistas Carnavalescos, uma pequena área desses terrenos, quando reconheço e toda população sabe, que o progresso da localidade deve-se ao C.C.C (...) que tudo tem feito pela prosperidade e da encantadora praia de banhos que orla os terrenos de minha Vila.

Assim, o bem-estar e a alegria dos suburbanos leopoldinenses são fruto da dedicação e do trabalho do C.C.C e do esforço do Departamento de Turismo, instituição que tudo faz para engrandecer nossa Guanabara (...)

Os reais serviços que o C.C.C tem prestado aos subúrbios de Ramos, valorizando essa localidade e a ótima praia de banhos da Vila Gerson, são tão importantes que centenas de automóveis para aí conduzem inúmeras famílias e milhares de pessoas frequentam essa belíssima praia, verdadeiro encanto dos subúrbios” (Jornal do Brasil, e/12/1934, p. 22)

A popularização do banho de mar em Ramos: o papel dos Centro de Cronistas Carnavalescos

  • 28 Ver Cáceres, Gonzalo e Sabatini, Francisco, 2003.
  • 29 Associação, criada em 1925, tinha a finalidade de intermediar as relações entre o poder público e o (...)

27O então “uso festivo do mar”, que deu vazão ao chamado ócio moderno28, tema popularizado nos principais jornais cariocas desde os anos 1920, assumiu um caráter particular na década seguinte tanto por compor parte do calendário oficial das festas quanto por ser uma das atividades turísticas que propiciava o consumo de novos bens. A estratégia de Getúlio Vargas, apoiada pela imprensa, e, em particular, pelo Centro de Cronistas Carnavalescos29 era conquistar as camadas populares, valorizando os grupos responsáveis por organizar a festa de carnaval nos subúrbios cariocas. Obviamente que no calendário oficial de comemorações da cidade estavam presentes as festas carnavalescas realizadas na orla das praias mais famosas da cidade, assim como em clubes e cassinos da zona sul. No entanto, a novidade nesse contexto é que regiões do subúrbio são colocadas como opção de diversão, dado o seu caráter pitoresco. Essa abordagem é percebida na matéria que noticiava o programa de festas carnavalescas discutida no gabinete de Pedro Ernesto, interventor do Distrito Federal no ano de 1932. Com a participação de diversas celebridades e associações, O “Centro dos Chronistas Carnavalescos”, comunicava que:

No dia 5 de fevereiro (...) seria organizado um grande programa na estação do Meyer, a chamada capital dos subúrbios (...) No dia 12 de fevereiro (...) devera ser efetuado um banho de mar à fantasia na pitoresca praia de Ramos, afim de oferecer aos habitantes da vasta zona servida pela Leopoldina uma oportunidade, que nunca tiveram como sucede com os moradores de Copacabana, Ipanema, Flamengo, Botafogo, etc. de tomar parte em um dos mais interessantíssimos números festivos do carnaval carioca. Na noite do mesmo dia, terá lugar do “Dia dos Blocos Suburbanos”, em Bom Successo (...) Nesse certamen tomarão parte as pequenas sociedades suburbanas da Central do Brasil e da Leopoldina (...)” (Correio da Manhã, 1932, 13 de nov. p.2)

28Alguns atores se notabilizaram neste novo contexto cultural da cidade do Rio de Janeiro, destacando-se o Rotary Club, Automóvel Club, Associação dos Artistas Brasileiros, Ranchos e Blocos, Federação das Sociedades Carnavalescas, Atlético Clube, Clube das Caiçaras, Praia Club, Beira Mar, Club Miramar, Centro dos Chronistas Carnavalescos, entre outros. Frisamos, no entanto, a importante função assumida por este último: integrado à Associação Brasileira de Imprensa, o Centro ficou responsável pela organização das festas de carnaval desde a década de 1930, assumindo um papel central na divulgação das realizadas nos subúrbios cariocas. No caso da região, essa função ficou nítida ao colocar tanto o banho em Ramos no calendário oficial da cidade como o de celebrar os feitos do coronel. Não à toa ter recebido de Ferreira um terreno na praia de Ramos para instalação de sua sede. Revelando mecanismos de cooptação e favorecimento, que se tornaram comuns à medida que o Centro ganhava maior importância nas políticas culturais e turísticas da cidade, a atuação desse grupo, tanto no plano local como regional, foi central no processo de mediação de interesses envolvendo grupos carnavalescos, governo, imprensa, agentes imobiliários e políticos locais. Não obstante, ao participarem de um processo que elegia as paisagens mais festivas da cidade, tal grupo foi responsável por forjar um tipo de imagem do subúrbio e da cultura popular carioca.

Imagem 7 – Praia de Ramos: Banho a Fantasia (1934)

Imagem 7 – Praia de Ramos: Banho a Fantasia (1934)

Fonte: Revista Careta, 20/01/1934, p.16

Imagem 8 – Primeiro Banho à Fantasia, 1935

Imagem 8 – Primeiro Banho à Fantasia, 1935

Fonte: Revista Careta, 12/01/1935, p.22

Imagem 9 – Banho de Mar (1938)

Imagem 9 – Banho de Mar (1938)

Revista Careta, 22/01/1938, p. 29

29Para finalizar, ressaltamos que a visibilidade adquirida pelo bairro de Ramos durante estas duas décadas e de forma mais contundente nos anos 1930 , consagrou um tipo de imagem do subúrbio. Lapidada engenhosamente pelos olhares de determinados grupos sobre a paisagem, a ideia de converter Ramos em balneário não escapou aos processos de fetichização. Alguns personagens como o coronel Vieira, a imprensa, o governo (em diferentes esferas) foram centrais. Ao pintar Ramos como um espaço moderno e prestes a ser uma segunda Copacabana, durante algum tempo Ferreira soube muito bem acionar as características naturais e sociais do bairro para dar visibilidade aos seus projetos de modernização. Hábil na política e inserido em diversas redes sociais, soube representar a região para o governo e demais atores de poder como espaço de moradia e diversão sui generis dos cariocas. Esse percurso pode ser visto na reportagem a seguir publicada pela Revista Carioca em 1935, na qual se menciona a necessidade de conhecer as praias situadas nos confins suburbanos, pois havia na cidade:

Outras praias, menos conhecidas pela gente que habita nos bairros elegantes ou que reside no centro urbano. Praias modestas, sem fóruns da aristocracia, sem tradições sociais, mas cheias também de movimento colorido, de animais e, ainda, com uma nota de pitoresco (Revista Carioca, 1935, n°3, p.13).

Imagem 10 - Praia de Ramos: uma Copacabana perdida nos confins suburbanos

Imagem 10 - Praia de Ramos: uma Copacabana perdida nos confins suburbanos

Revista Carioca, 1935.

30No entanto, mesmo que apoiado inicialmente por Henrique Dodsworth, prefeito da cidade em 1937, o complexo urbanístico proposto pelo coronel não obteve aprovação final: as terras próximas ao mar onde se situavam seu empreendimento, de propriedade da Marinha, foram resgatadas pelo governo e, em parte, utilizadas para a construção da Avenida Brasil. Ademais, como declarava-se em alguns jornais, é possível que Ferreira não tivesse mais possibilidade de dar continuidade aos seus investimentos imobiliários devido à existência de muitas dívidas.

31O que desejo sublinhar neste momento, é que pouco a pouco desaparece a imagem do coronel como “prefeito” de Ramos e se legitimam figuras ligadas ao governo de Vargas como representantes dos interesses dos moradores daquela região. Esse aspecto pode ser notado na construção, entre os anos 1930, pelo corpo de engenharia do governo, das ideias de planejar um bairro proletário e nas políticas de erradicação das favelas. No entanto, ao rediscutir as propostas do Plano de Alfredo Agache que visava a estender a rede de transporte no Distrito Federal, uma das ideias expostas pelo governo era a de também valorizar as novas praias situadas em aglomerações satélites. Tal perspectiva, enunciada mais claramente nos anos 1940, coloca em xeque dois importantes projetos elaborados para a região nessa década: a construção da Avenida Brasil e do moderno e monumental balneário de Ramos. Mas isso é uma outra história.

Conclusão

32Se estamos de acordo que o subúrbio da Leopoldina, enquanto um espaço particular que compõe a geografia carioca, se reconfigurou após a abertura da Avenida Brasil, não podemos deixar de mencionar a maneira como se forjou a figura do suburbano. Fruto da organização política das classes médias e populares, isto é, do maior poder de barganha das associações de bairro desde o começo do século, a invenção de seu espaço político e cultural, deve ser levada em conta ao analisarmos os projetos de balnearização pensados para os subúrbios cariocas. Ao colocarem na ordem de prioridades a importância da praia de Ramos, esses atores foram figuras centrais no modelo de uso que se forjou nas praias cariocas.

33Com esta perspectiva defendemos que a ideia de transformar Ramos num espaço balneário esteve diretamente associada aos processos de afirmação de uma identidade suburbana. Uma identidade construída em contraste ao estilo de vida “cosmopolita” da zona sul, como espaço geográfico privilegiado do operariado, e, finalmente, como local onde se forjava um tipo de cultura popular, conquanto necessária a própria identificação da cidade do Rio de Janeiro.

34Partindo desse ponto de vista, a disseminação do lazer popular na praia de Ramos pode ser lida de duas formas: de um lado, como um projeto de modernização que se processava por meio do consumo de novos produtos, a partir da produção simbólica de imagens espaciais (positivas ou negativas) atiçadas pela mídia. Por outro, pela construção de uma imagem de ausências e de urgências, tornando o lazer mais um item nas lutas pelo direito à cidade. A resignificação do espaço-praia, que redundou mais tarde na construção do balneário de Ramos em 1948, resultou, portanto, da mistura desses dois ingredientes.

35Mas a ideia de lazer, âmbito do cotidiano não ignorado nos processos de reprodução social, iria ser confrontada a força transformadora dos planos econômicos pensados para a região. Inseridos aos processos de industrialização da cidade, Ramos e toda região da Leopoldina seriam negativamente impactados pelas redes de comunicação e a manutenção de processos especulativos, não tardando muito para se multiplicarem as favelas.

36Assim, se antes, a paisagem vendida como “pitoresca” serviu para naturalizar os conflitos de poder, criando uma imagem de balnearização que angariou muitos adeptos, as dinâmicas de produção do espaço urbano logo produziram novas imagens. Estas, representando as novas ideologias de planejamento urbano, passaram a retratar a região da Leopoldina como espaço de múltiplas possibilidades econômicas, conectando-a a outras escalas de poder. Nesse jogo de representações e ações, embora a praia de Ramos continuasse a ser opção de lazer popular, a ideia de transformar o bairro de Ramos em uma espécie de Copacabana dos subúrbios foi abandonada.

Haut de page

Bibliographie

Fontes Primárias:

Jornal do Brasil (RJ) - 1930-1939

Jornal do Commercio (RJ) 1930 -1939

A Época (RJ) 1930-1939

Correio da Manhã (RJ)- 1930-1949

O Jornal (RJ) - 1930-1949

O Paiz - 1920-1929

Diário Carioca (RJ)- 1920-1929

O Radical (RJ) - 1920-1929

Gazeta de Notícias (RJ) - 1920-1929

Jornal “O Suburbano” (RJ) -1940

Jornal A Manhã – (RJ) 1940

Revista O que há – 1920-1929

O Malho (RJ) , 1909-1929

Revista Careta – 1946

Revista Carioca - 1946

Revista Municipal de Engenharia, 1933-1948

Fontes Secundárias

Abreu, Mauricio de A. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (IPLANRIO), 1997.

Almeida, Paula Cresciulo de. « O carnaval na imprensa carioca (1932-1935) ». Disponível em:<www.encontro2012.rj.anpuh.org/resources/anais/15/1337974352_ARQUIVO_OCarnavalnasImprensasCariocas.pdf>Acessado em 12/01/2019.

Andreatta, Verena. « Rio de Janeiro, cidades quadradas paraísos circulares: os planos urbanísticos do Rio de Janeiro no século XIX ». Rio de Janeiro: Mauad, 2006.

Andreatta, Verena; Chiavari, Maria Pace; Rego, Helena. « O Rio de Janeiro e a sua orla: história, projetos e identidade carioca – SMU/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro ». PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Secretaria Extraordinária de Desenvolvimento. Nº 20091201 Dezembro - 2009 Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos COLEÇÃO ESTUDOS CARIOCAS

Besse, Jean-Marc. « Ver a Terra - Seis Ensaios Sobre a Paisagem e a Geografia » - Col. Estudos. São Paulo: Perspectiva, 2006.

Besse Jean-Marc. « O gosto do mundo: exercícios de paisagem ». Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014. 234 p.

Barickman, B. J. « “Passarão Por Mestiços”: O Bronzaemento nas praias Cariocas, noções de cor, raça e ideologia racial, 1920-1950 ». Afro-Ásia 40, 2009, p.173–221.

Bernardes, Lísia. Soares, Maria Therezinha de Segadas. « Rio de Janeiro: Cidade e Região ». Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro- Secretaria Municipal de Cultura, 1995.

Cáceres, Gonzalo e Sabatini, Francisco. «Para entender la urbanización del litoral: el balneario en la conformación del Gran Valparaíso (siglo XIX y XX) », ARQ, n. 55 Juegos / Playing, Santiago, diciembre, Ensayos Y Documentos, 2003.

Fraiha, Silvia; Lobo, Tiza, Ramos, de Olaria e da Penha, Rio de Janeiro: Editora Fraiha, 2006.

Gonçalves, Renata de Sá. «Cronistas, folcloristas e os ranchos carnavalescos: perspectivas sobre a cultura popular ». In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro. n. 32, 2003, p. 89·105. Disponível em http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/viewFile/2202/1341. Acessado em 20/01/2019

Kessel, Carlos. « A Vitrine e o Espelho: O Rio de Janeiro de Carlos Sampaio ». Coleção Memória Carioca Secretaria das Culturas, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro –, vol. 2. Rio de Janeiro, 2001.

Lima, Evelyn Furkim Werneck. « Avenida Presidente Vargas: uma drástica cirurgia ». Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, Biblioteca Carioca Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, 1990.

Martins, Paulo Henrique « A sociologia de Marcel Mauss: Dádiva, simbolismo e associação ». Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 73 | 2005, colocado online no dia 01 outubro 2012, criado a 27 fevereiro 2019. URL : http://journals.openedition.org/rccs/954 ; DOI : 10.4000/rccs.954

Medeiros, Marília S. Falci ; Vieira, Maurício. « Lazer Popular: Práticas e Desenvolvimento Local ». Confluências (Niterói) , v. 6, p. 01-68, 2006.

Miyasaka, Cristiane Regina. «Viver nos subúrbios: a experiência dos trabalhadores de Inhaúma (Rio de Janeiro, 1890-1910) ». Campinas, SP : [s.n.], 2008.

Prefeitura da Cidade Do Rio De Janeiro – GRUPO EXECUTIVO DE ESTUDOS DOS PLANOS URBANOS. Planos Urbanos: Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos. 2008

Santos, Milton. « A Natureza do Espaço: técnica e tempo, razão e emoção ». São Paulo: EDUSP, 2002.

Schossler, Joana Carolina. «Balneários na América Latina e Transformação da Paisagem». Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, 2011.

Sevcenko, Nicolau. « A capital irradiante: técnica, ritmos e ritos do Rio ». In: História da Vida Privada no Brasil, v.3: República - da Belle Époque à era do radio. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

Silva, Pedro Sousa da. « A Trajetória da Revista Municipal de Engenharia, o Planejamento Urbano e a Circulação de Novas Ideias Urbanistas no Rio de Janeiro (1930-1945) ». Dossiê Intelectualidade Latino – Americana, Cultura e Política no Século XX. In: Revista Cantareira. Edição 26/jan-jun, 2017. Disponível em http://www.historia.uff.br/cantareira/v3/?p=36

Haut de page

Notes

1 Tal subúrbio, como discutido em inúmeros trabalhos, se constituiu como desdobramento da instalação de várias linhas férreas, a exemplo da Estrada de Ferro Leopoldina.

2 De acordo com Soares (1995), a designação de subúrbio se tornou comum no século XIX quando, então, as freguesias rurais passaram a ser integradas à cidade por meio dos caminhos de ferro. No entanto, o conceito de subúrbio carioca sofre uma pequena modificação nos anos 1930 ao ser associado às áreas servidas pela Avenida Brasil. A ideia de subúrbio, segundo a autora, se relacionaria tanto às mudanças de ordem material (isto é, aos efeitos da política de infraestrutura viária, que permitiu a articulação e expansão do povoamento de áreas longínquas ao centro), quanto de uma imagem de paisagem cuja marca seria a de carência e ausência de políticas de alocação de infraestrutura.

3 A extensão do modelo constituído pela tríade saúde, limpeza e beleza, considerado por alguns como eugênico e excludente, foi resignificado com a Revolução de 1930. Os pobres, cuja existência populacional e política não poderia ser mais ignorada com a expansão dos subúrbios, passam a ser enxergados como capazes de absorver as benesses da modernidade, especialmente pela força que adquiriu a cultura popular, que transfigura-se, no caso do Rio de Janeiro, com a ideia de mestiçagem (Sevcenko, p. 580).

4 Além disso, de maneira não tão enfatizada, foram pensadas políticas de provisão de moradias “baratas e higiênicas” e a instalação de equipamentos de lazer.

5 Um esclarecedor exemplo de difusão de modelos pode ser apreciado em Schossler (2011), no artigo “balneários na América Latina e transformação da paisagem”, no qual discute como a introdução de plantas exóticas nos balneários produziram paisagens marítimas muito similares em toda América Latina.

6 O acesso à área antes da chegada do trem era feito por meio de caminhos e picadas, sendo um deles denominado Caminho Mariangu (Miyasaka, 2008).

7 A área na qual se situam vários bairros da região da Leopoldina, a exemplo de Ramos, fazia parte nos tempos coloniais de duas sesmarias: a de Inhaúma, que fora doada à época pela Coroa ao português Antônio da Costa (capitão da frota do governo) e a de Irajá cujo donatário denominava-se Antônio França. A, então, conhecida fazenda da Pedra, integrada na sesmaria de Inhaúma, e cuja sede encontrava-se no atual bairro de Bonsucesso, estendia-se por toda área dos atuais bairros de Manguinhos, Bonsucesso, Ramos e Penha. Em torno de 1620 quase toda extensão dessas terras foi adquirida pela família Souto Maior (Miyasaka, 2008).

8 A praia do Apicú e a enorme pedra do mesmo nome, significa em tupi-guarani “brejo de água salgada”. Mariangu, como foi também batizada, é o nome indígena da ave abundante na orla marítima. (Fraiha e Lobo, 2006).

9 Segundo Fraiha e Lobo (2006), o coronel era secretário da Academia Militar da Corte. A ocupação induzida por tal coronel é que iria dar o nome a região.

10 A ideia de urbanismo empresarial é explorada por Andreatta, Chiavari, Rego (2006). Para as autoras é preciso buscar inspiração desse modelo nas noções de eficiência advindas dos Estados Unidos, notadamente às disseminadas durante a Exposição de Chicago de 1903. Nesta, se consagrou o modelo de cidade planejada, concebida e administrada por grupos privados.

11 Intentava, também, resolver os problemas internos de habitação, agudizados pela instalação de imigrantes estrangeiros e a abolição da escravatura

12 Jornal A Epoca, 8/03/1915, p.5.

13 Composta de 7 itens, a proposta do Automóvel Clube deixa claramente demarcado as intenções de um setor econômico de oferecer a classe média a possibilidade de se integrar à modernidade importando modelos de lazer.

14 O crescimento do Distrito de Inhaúma é fenômeno associado ao deslocamento expressivo da população do centro com menor poder aquisitivo devido a oferta de terrenos mais baratos, ou seja, é mais um caso que ilustra a dinâmica geográfica da economia urbana mercantil. Tal processo, marcado via de regra, pela transformação do estatuto jurídico dos lugares, teve desdobramentos na região, que de freguesia rural foi transformada em Distrito.

15 Tal propriedade pertencia ao padre David Semeão de Oliveira - “preto criado e educado pela testamenteira”. Dona Leonor Mascarenhas de Oliveira, que era solteira, herdou a Fazenda Nossa Senhora do Bonsucesso, deixando em seu testamento treze lotes, entre os quais dois, deixados para seus filhos adotivos (Fraiha e Lobo, 2006).

16 A família Ferreira Vieira, além de ser responsável pela manutenção de uma escola (Escola Gerson) - fundada pelo coronel e sua esposa em 1911 - oferecia as crianças pobres cursos de tipógrafos, marceneiros e carpinteiros. Era, também, uma das proprietárias do jornal O Cosmopolita; um dos primeiros da região, e que circulou entre os anos de 1912 a 1917 (Fraiha e Lobo, 2006).

17 Nome batizado em homenagem a seu filho primogênito falecido, que exercia o cargo de tenente telegrafista (Fraiha e Lobo, 2006).

18 A exemplo do Jornal do Brasil, Correio da Manhã, O Paiz, O Jornal, O Imparcial, Jornal do Commercio e na Revista O que há. Entre os anos 1920 e 1929, a menção à Villa Gerson aparece com maior frequência no Jornal do Brasil (20 vezes), seguida pelo Correio da Manhã (16 vezes).

19 Nesta mesma reportagem, a Villa Gerson era apresentada da seguinte forma: 10 mil metros quadrados e contando com cerca de 30 habitações “confortáveis e higiênicas” que muito valorizam aquela zona. Não obstante a deficiência de luz e água, as habitações da Villa Gerson, quando podem têm a sua iluminação a contento” (Jornal do Brasil, 24/07/1927, p17, Adaptado).

20 Apresenta-se na reportagem o cinema, a escola e outros bens arquitetônicos que davam a Ramos um aspecto de uma “cidade” moderna.

21 Chamamos atenção para o primeiro anúncio de aluguel de casas na Villa Gerson publicado no ano de 1921 no Jornal Correio da Manhã no qual esse perspectiva está assinalada.

22 Os abaixo-assinados publicados no Jornal do Brasil e no Correio da Manhã em 1927 ilustram as afirmações mencionadas.

23 Ver Fraiha, Silvia, Lobo, Tiza (2004).

24 Ver B. J. Barickman (2009): “Passarão por Mestiços”: o bronzeamento nas praias cariocas, noções de cor e raça e ideologia racial, 1920-1950”.

25 “Os proprietários e moradores da Villa Gerson, nesta capital, que compartilham das festivas homenagens prestadas (…) ao Sr. Francisco Solano da Cunha, presidente da Caixa Econômica do Rio de Janeiro, por ocasião de sua visita a referida vila, receberam para seus filhos de menor idade, como incentive e ensinamento altamente valiosos e lembrança que ficará gravada em seus corações, uma Caderneta da Caixa (…) Os duzentos e oitenta e quarto cofres e cadernetas foram distribuídos pelo Coronel Joaquim Vieira Ferreira, às crianças da localidade (…) (Jornal do Brasil, 5/12/1933, p.8)

26 Sobre os problemas financeiros do coronel, ver as informações fornecidas pelas matérias publicadas no jornal O Commercio entre os anos 1930 e 1940. Nestas, em tom apelativo Ferreira divulga seu esforço em honrar o pagamento das dívidas contraídas.

27 A doação dos terrenos, como publicado no Jornal do Brasil em matéria intitulada “mais um terreno para A.B.I.” será formalizada em cerimonia na sede da instituição no ano de 1936 (Jornal do Brasil, 5/03/1936).

28 Ver Cáceres, Gonzalo e Sabatini, Francisco, 2003.

29 Associação, criada em 1925, tinha a finalidade de intermediar as relações entre o poder público e os foliões; tarefa que passou a desempenhar principalmente a partir dos anos de 1930. Nesse contexto, o discurso de valorização da cultura nacional colocava em destaque o carnaval como expressão legítima do povo brasileiro. Fazendo parte do conjunto de atores sociais que passou a atuar como mediadores políticos, tanto os Cronistas Carnavalescos, como os folcloristas exerceram papel significativo nesse contexto de afirmação dos grupos populares (ALMEIDA, 2012).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapas 1 e 2: a região de Ramos (em 1875 e 1907)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18086/img-1.png
Fichier image/png, 2,3M
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18086/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 2,6M
Titre Imagem 2 – Pescadores no Porto Maria Angú , começo do século XIX
Crédits Revista: O Malho (RJ) , 1928
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18086/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 204k
Titre Mapa 3: A região de Ramos em 1927
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18086/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 4,2M
Titre Imagem 2 - Plano de Urbanização de Ramos
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18086/img-5.png
Fichier image/png, 979k
Titre Imagem 3 – Propagandas de Venda de Lotes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18086/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 404k
Titre Imagem 4 - Praia de Ramos (anos 1930)
Crédits Fonte: Revista de Engenharia, 1935
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18086/img-7.png
Fichier image/png, 620k
Titre Imagem 5 – Propaganda da Villa Gerson
Crédits Fonte: Revista de Engenharia, 1935
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18086/img-8.png
Fichier image/png, 4,3M
Titre Imagem 6 – Doações de terrenos a figuras ilustres
Crédits A Batalha, 14/01/1934, Correio da Manhã, 04/02/1936 e Correio da Manhã, 28/02/1930
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18086/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Imagem 7 – Praia de Ramos: Banho a Fantasia (1934)
Crédits Fonte: Revista Careta, 20/01/1934, p.16
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18086/img-10.png
Fichier image/png, 852k
Titre Imagem 8 – Primeiro Banho à Fantasia, 1935
Crédits Fonte: Revista Careta, 12/01/1935, p.22
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18086/img-11.png
Fichier image/png, 802k
Titre Imagem 9 – Banho de Mar (1938)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18086/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 832k
Titre Imagem 10 - Praia de Ramos: uma Copacabana perdida nos confins suburbanos
Crédits Revista Carioca, 1935.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18086/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 103k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Maria Isabel de Jesus Chrysostomo, « “Uma Copacabana Perdida nos Confins suburbanos”: a ideia de balnearização do bairro de Ramos/RJ (anos 1920-1940) », Confins [En ligne], 39 | 2019, mis en ligne le 23 mars 2019, consulté le 17 juin 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/18086 ; DOI : 10.4000/confins.18086

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals