Navigation – Plan du site
Dossiê Balneomar

O arrastão vai à praia: gentes, redes e visibilidades no balneário carioca

L’arrastão va à la plage: personnes, réseaux et visibilités au balnéaire carioca
The arrastão goes to the beach: people, networks and visibilities in Rio de Janeiro seaside resort
Ana Brasil Machado et Mariana de Oliveira Santos

Résumés

Au début des années 90, les arrastões ont été connus à Rio de Janeiro comme des événements au cours desquels des vols ont été commis par des gangs de jeunes, particulièrement sur les plages, marquant de manière significative l’expérience vécue dans ces espaces et modifiant l’imaginaire des pratiques balnéaires de la ville de Rio de Janeiro. Cet article propose de comprendre, à partir de l'analyse de articles de journaux, le débat public qui a précédé la stabilisation du contenu relatif à l’arrastão et son emplacement sur les plages du front de mer de la zone sud de Rio. Remontant au début des années 1980, lorsque les arrastões avaient lieu dans d’autres quartiers de la ville, l’étude se poursuit jusqu’à "l'été de l’arrastão" (1991-1992), lorsque cette pratique est définitivement associée au front de mer carioca et a été profondément requalifiée. L'article cherche également à mettre en évidence, outre les définitions mêmes de la pratique et des acteurs impliqués, les éléments constitutifs de la spatialité de ce phénomène, en mettant l'accent sur la centralité et la visibilité des espaces publics, ainsi que sur les relations et les connexions entre les différents espaces de la ville.

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

arrastão, plages, funk, Rio de Janeiro

Index by keywords :

arrastão, beaches, funk, Rio de Janeiro

Index géographique :

Rio de Janeiro

Índice de palavras-chaves :

arrastão, praias, funk, Rio de Janeiro
Haut de page

Texte intégral

Afficher l’image
Crédits : H.Théry 2015

1Janeiro de 2015, verão na cidade do Rio de Janeiro. Os jornais noticiam que um espaço reservado a crianças na Praia de Ipanema passará a fechar mais cedo nos finais de semana e feriados. Trata-se do “efeito arrastão”. No entanto, o comandante do 23º Batalhão da Polícia Militar (BPM), localizado no bairro do Leblon, nega que os últimos acontecimentos na orla da Zona Sul carioca pudessem ser identificados como arrastões, tratando-se de “furtos localizados”. Nas suas palavras, “- Arrastão é quando um grupo de bandidos passa roubando todos na praia. Isso não tem acontecido. O furto ocorre e, na hora em que a vítima corre, todos se assustam” (O Globo, 21/01/2015).

2Para coibir arrastões, furtos e outras formas de violência, a Polícia Militar do Rio de Janeiro realiza, desde os anos 1990, a Operação Verão. Em 2015, a Operação incluía a observação da movimentação na orla a partir de duas torres no Arpoador, monitoramento por câmeras, rondas de helicóptero e “blitzes em ônibus com destino à Zona Sul e na saída das praias” (O Globo, 21/01/2015) (figura 1).

Figura 1: Jovens são retirados do ônibus que seguia em direção à Zona Sul para serem revistados por policiais militares

Figura 1: Jovens são retirados do ônibus que seguia em direção à Zona Sul para serem revistados por policiais militares

Fonte: O Globo, 21/01/2015 (foto de Gustavo Stephen)

3A associação entre a ocorrência de arrastões e as praias, sobretudo aquelas da Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro, é inegável. Os arrastões participam na construção do imaginário das praias cariocas. Organizam as escolhas de ir ou não à praia e de onde e a que horas ir. A praia, por sua vez, não entendida apenas como uma feição geomorfológica, mas como um conjunto que articula o litoral, obras de intervenção, a construção da orla, comportamentos adequados e interditados, e significações, continua a funcionar como um símbolo da cidade, como uma espécie de metonímia carioca. O maior afluxo para as praias, tais como Copacabana, Arpoador, Ipanema e Leblon, durante o verão constitui, então, a relação entre praia, verão e arrastão.

4Ainda que fortemente vinculados às praias, os arrastões ocorrem e ocorreram para além dos bairros da orla marítima da Zona Sul do Rio de Janeiro. Centro, bairros da Zona Norte e da Zona Oeste da cidade, e mesmo outros municípios da Região Metropolitana foram palcos da prática. O arrastão da praia, no entanto, parece povoar mais intensamente o imaginário da cidade.

5Comumente, o marco inicial de tal fenômeno é atribuído ao mês de outubro de 1992, seja no senso comum, seja por estudiosos do tema e outros correlatos. Se, por um lado, os arrastões ganharam maior destaque, mesmo que a posteriori, a partir de 1992, por outro lado, pode-se verificar que o uso do termo “arrastão” com significado similar ao encontrado atualmente data dos anos 1980. Nota-se, portanto, que os esforços de compreensão do fenômeno partem de um momento onde a sua definição já se apresentava bastante estável e o conhecimento sobre ele já era consideravelmente difundido e impregnado no imaginário carioca.

6Os momentos que antecedem a essa maior fixação no ano de 1992 parecem ter sido ofuscados e, portanto, não se converteram em material de análise para os estudos sobre a cidade. Todavia, o período de quase uma década, de 1983 a 1992, mostra-se particularmente interessante uma vez que é em seu transcurso que pode ser observado um debate público que intenta compreender e estabelecer as causas, os padrões de ocorrência, os atores e as formas de combater o arrastão. Em outras palavras, trata-se de um momento no qual o arrastão é definido como um problema público, nos termos propostos por Cefai (2018).

7Como problema público ancorado em um espaço público de grande visibilidade, essa definição é também forjada por uma espacialidade ou por uma leitura do jogo de posições que constitui o próprio fenômeno. Neste sentido, o objetivo aqui delineado é investigar a definição do problema público “arrastão” como uma prática que têm lugar nas praias cariocas e que por elas é qualificado, ganhando novas características e visibilidade. Assim, considerando a escala intraurbana e tomando como referência a orla marítima da Zona Sul da cidade, procurou-se compreender a(s) espacialidade(s) dos arrastões atentando para as noções de “localização”, “posição”, “situação”, “conexão”, “descontinuidade”, “distâncias” (Balneomar, 2018), através do acompanhamento do debate inscrito nas notícias de jornal de então, bem como as ações realizadas e propostas por eles.

Cercando o arrastão

8O tema dos arrastões já foi significativamente explorado por diferentes campos das ciências humanas. Na bibliografia a respeito do tema, predominaram abordagens acerca da violência juvenil na metrópole, da relação entre democracia e violência e da relação entre os bailes funk e os arrastões, a partir dos campos da Sociologia, da Antropologia, do Direito e da Comunicação Social.

9Mendonça (1999) utiliza os arrastões de 1992 e 1993 nas praias cariocas como um exemplo para demonstrar o “caráter ideológico” do discurso jornalístico. Embora esta abordagem nos pareça demasiadamente simplificadora dos arrastões e da própria imprensa, o autor destaca as diferentes acepções do termo “arrastão” e tece relações entre ele e o funk, a segregação racial e o “medo social”, que discutiremos adiante como “ansiedade social”. Já Francisco (2003) voltou-se para a análise de notícias veiculadas por jornais, limitando-se ao final do mês de outubro de 1992, quando da ocorrência do que ele considerou o “primeiro arrastão nas praias”. Seu objetivo era analisar o discurso nestas notícias associados aos discursos dos então candidatos à Prefeitura.

10Peralva (1997), ao discutir as relações entre democracia e violência, compreende os fenômenos de violência juvenil como um “esforço de participação em uma sociedade de consumo emergente”. Atribuindo papel de destaque às recém-inauguradas linhas diretas de ônibus entre a Zona Norte e a Zona Sul, a autora compreende que os arrastões mobilizavam uma violência que não era instrumental, posto que poucos furtos seriam realizados. Além disso, punham “em cena, não uma juventude miserável e ‘excluída’, mas uma juventude pobre, em situação de mobilidade social e espacial” (Peralva, 1997, p. 16). Esta questão da mobilidade espacial nos parece fundamental na conexão entre os diferentes grupos sociais e lugares que se encontrarão na cidade e, sobretudo, em suas praias.

11Vianna, por sua vez, parte da premissa de que “o conflito é parte constitutiva da vida social” (Vianna, 2000, p. 179). Tal ideia nos é cara uma vez que compreendemos que os espaços públicos, onde os arrastões terão lugar, são espaços de diálogo e negociação de conflitos oriundos da diversidade de visões e interesses (Gomes, 2012). No intuito de investigar a relação entre o funk e a percepção da violência, Vianna identifica o arrastão ocorrido em 18 de outubro de 1992 como um marco. Para o autor, o “arrastão foi o ‘operador lógico’ que subitamente transformou o funk exótico num funk familiar” (Vianna, 2000, p. 183), permitindo, por conseguinte, que o funk, em vez de “doméstico”, se tornasse “selvagem”. Para Herschmann (2005), os arrastões de 1992 e 1993, embora não fossem os primeiros, teriam acelerado o processo de popularização do funk e do hip-hop e colocado “em discussão o lugar do pobre no debate político e intelectual do País” (Herschmann, 2005, p. 19).

12Segundo Silveira de Farias, em obra acerca das relações raciais e classificações de cor no Rio de Janeiro, “o arrastão, para o circuito das galeras funk, foi uma rearrumação de forças (...) em torno dos pontos de praia” (Silveira de Farias, 2003, p. 182). Para ela, “o fato de Ipanema ocupar um lugar de destaque no imaginário sobre os bairros e as praias cariocas faz com que ela se torne um ícone e espécie de exemplo a ser seguido” (Silveira de Farias, 2003, p. 183), uma vez que o termo “arrastão” passou também a ser empregado em praias da Zona Oeste da cidade.

13Por fim, afirma que apesar de seus conteúdos de conflitos inter-classes e inter-racial, o arrastão constituiu um signo novo, “tanto por sua conformação quanto pelo espaço em que se deu – a praia, local pensado como imune a conflitos sérios” (Silveira de Farias, 2003, p. 186). Note-se aqui o reconhecimento de que os espaços públicos gozam de diferentes graus de publicidade e de que o caráter inovador dos arrastões residiria justamente em sua “situação de ocorrência”.

14Gomes da Cunha (2002) analisa leituras diversas sobre os arrastões, especialmente aquela da imprensa e as de jovens moradores de Vigário Geral, bairro da Zona Norte. Para a autora, os arrastões haviam abalado as regras da sociabilidade nas praias cariocas e incluíam muitas “noções de território”, embora prescindissem “da apropriação física de territórios”, mas não de seus “registros simbólicos”. Argumentamos, todavia, que os arrastões se inscrevem no espaço através dos corpos em movimento e dos objetos que são manejados, mesmo que de forma efêmera.

15No campo da Geografia, foram identificados apenas três trabalhos. O primeiro, de 2001, é um ensaio que compara a prática dos casseurs, em Paris, aos arrastões cariocas, chamando atenção para a espacialidade de ambos os fenômenos (Gomes, 2001). Para o geógrafo, a abertura de túneis e a implementação de linhas diretas de ônibus entre as Zonas Norte e Sul da cidade é fundamental para a compreensão dos arrastões. O autor chama atenção para a “estratégia territorial invasiva e agressiva”, em decorrência das disputas territoriais entre turmas funk sobre o espaço da praia, e para o caráter “publicizante” dos conflitos de que este goza:

“Compreendemos, portanto, o embaraço causado pelo fenômeno do arrastão, pois ele desorganiza, invade e ameaça o complexo mosaico de grupos territorializados sobre a areia. Esses grupos, que se auto-organizam, revivem algumas fraturas e composições sociais sobre um espaço urbano valorizado, ganham publicidade e o reconhecimento, na medida em que se estabelecem sobre um espaço público de primeira ordem. As galeras que promovem o arrastão também procuram de certa forma um reconhecimento, um espaço para divulgar as suas fraturas, seus conflitos, e para isso se impõem sobre esse valorizado espaço público” (Gomes, 2001, p. 227, grifos no original).

16O segundo trabalho, publicado em 2002, ao discutir relações de classes nas praias do Rio de Janeiro, compreende os arrastões como protestos, tendo o primeiro grande deles ocorrido em outubro de 1992. Para o autor, naquela ocasião, os três mitos fundantes da sociedade carioca haviam sido tensionados: a praia revelou-se como não democrática, as pessoas não eram cordiais e o racismo pululava. Tratava-se, portanto, de um evento que tensionara a pretensa democracia harmoniosa sobre as areias da Zona Sul (Freeman, 2002). É possível, no entanto, argumentar que um espaço de enorme visibilidade como a praia traz à baila uma discussão (ou várias delas) advinda da própria co-presença, característica fundamental dos espaços públicos na democracia (Gomes, 2012).

17O terceiro e último trabalho do campo da Geografia sobre o tema discute a presença dos corpos negros masculinos na praia de Ipanema. Para Brisson (2017), o tratamento midiático conferido aos arrastões foi o meio privilegiado para a construção de um discurso hegemônico sobre a masculinidade negra, identificando os jovens negros como os culpados típicos. Tal tratamento pode ser entendido à luz do conceito de “pânico moral”, uma vez que os jovens negros encarnam uma ameaça para o resto da sociedade e permite a definição de fronteiras entre aquilo que é moralmente tolerado ou não (Brisson, 2017, p. 99).

18Os arrastões podem também ser definidos como um problema público (Cefai, 2018) e, portanto, devem ser analisados em sua trajetória, com atenção às mudanças cognitivas que participam de seu processo de publicização. Tais mudanças resultam das atividades dos atores envolvidos os quais procuram determinar suas condições de partida, as fases de seu desenvolvimento e suas consequências (Cefai, 2018). As atividades significativas na trajetória de um problema público são aquelas de investigação (tentativa de estabelecer as variáveis e os meios que permitem definir, mensurar e acompanhar a evolução de um problema público), de experimentação (que inclui a formulação, o teste e a comparação de propostas relativas ao problema público em questão) e de discussão pública.

19Ainda que pouco explorados em termos de sua espacialidade, os arrastões suscitam questões geográficas. Trata-se de eventos recorrentes há, pelo menos, trinta anos na cidade do Rio de Janeiro, ocorrendo em “lugares marcados” e com forte sazonalidade. Ademais, compõem o imaginário das praias cariocas, figurando, inclusive, em guias de turismo com dicas sobre como proceder. Podem, portanto, ser definidos como um verdadeiro problema público, uma vez que se observam esforços para defini-los, para elaborar formas de coibi-los, bem como o intenso debate público que o cerca.

20Assim, no intuito de investigar esta prática característica das praias cariocas, o artigo tem como objetivo compreender o arrastão a partir de sua dimensão espacial, considerando os lugares onde ocorrem, as ações e seus significados. Para tanto, parte-se do pressuposto de que esta categoria é constituída e se transforma ao longo do tempo, sendo necessário, portanto, identificar as ações ou táticas desenvolvidas que tenham sido nomeadas como arrastão, os sujeitos participantes dos arrastões, tanto seus praticantes como suas “vítimas”, incluindo as respostas demandadas ao Estado, e os locais de ocorrência, bem como outros elementos de sua espacialidade.

21A fim de compreender o debate público anterior à estabilização dos conteúdos e lógicas espaciais dos arrastões, o que ocorre entre 1992 e 1993, o recorte temporal aqui adotado tem como marco inicial a primeira notícia sobre os arrastões como uma modalidade de assalto, e, como marco final, o fim do “verão do arrastão” (março de 1992). Para tanto, este trabalho está baseado em uma pesquisa hemerográfica, utilizando como fonte o acervo do jornal O Globo. A análise do conteúdo das notícias que apresentam e discutem os arrastões foi estruturada segundo variáveis como o local de ocorrência, os atores mencionados e suas ações e demandas, a descrição do evento, e outros elementos de sua espacialidade e foi apresentada segundo as “situações de ocorrência” dos arrastões.

No princípio, era a praia

  • 1 O termo “arrastão” nem sempre foi empregado no sentido a ser explorado aqui, ou seja, nem sempre es (...)

22Boa parte dos trabalhos acadêmicos acerca dos arrastões localizam a emergência do fenômeno em outubro de 1992, na orla de Ipanema1. Outros trabalhos apresentam um momento mais recuado sem, contudo, dedicar especial atenção ao período que precede os eventos de 1992. Embora não se trate aqui de revelar a ocorrência do primeiro arrastão, foi possível localizar um acontecimento ainda mais recuado no tempo. Este exercício nos parece fundamental porque o momento anterior a 1992 constitui justamente o momento de investigação do problema público. É neste momento em que os atores envolvidos são múltiplos, suas motivações diversas e os locais de ocorrência transitam entre diferentes regiões da cidade, antes que incorporem as praias da Zona Sul como cenário paradigmático.

23A primeira notícia de um “arrastão”, considerando o acervo do Jornal O Globo, é veiculada em 14 de novembro de 1983 no Caderno Ipanema, com o título “Polícia montada e cães amestrados para enfrentar o verão”. O título, bem como o conteúdo principal da matéria, apresenta as estratégias do poder público para lidar com as questões de segurança do bairro, as quais eram demandadas em função da chegada do verão, quando as praias recebem maior afluxo de pessoas. São destacados ainda quatro pontos críticos em relação à segurança no bairro de Ipanema: Praça General Osório, Arpoador, Rua Antônio Parreiras e Praça Nossa Senhora da Paz. É no Arpoador que o “arrastão” aparece com a conotação aproximada da que atualmente conhecemos.

24Segundo a matéria,

“Depois do Tiroteio ocorrido nas areias da praia do Arpoador, há oito dias a vigilância foi ampliada. Seja na areia ou no calçadão, no trecho compreendido entre o início da Avenida Francisco Bhering e o final da praia do Arpoador, os assaltantes agem diariamente. Moradores da área e banhistas acreditam que o corredor ao lado do Parque Garota de Ipanema, que liga a praia à Rua Francisco Otaviano, é o principal local de fuga dos assaltantes. Por ali, bandos de pivetes passam após promoverem a operação ‘arrastão’, roubando dos banhistas até mesmo calções e sandálias” (O Globo, 14/11/1983, grifos nossos).

25Notam-se aí dois elementos que marcarão o debate e a própria definição dos arrastões, quais sejam: os atores participantes (“pivetes” em “bando”) e a localização dos eventos na praia, especialmente a do Arpoador.

Arrastões em outras paragens

26Se os arrastões parecem ter sido noticiados primeiramente nas praias ou nos bairros da orla marítima da Zona Sul, a sua ocorrência não se limitou a essa porção da cidade. Uma situação que se destaca é a do entorno do Estádio Jornalista Mário Filho, mais conhecido como Maracanã, situado no bairro homônimo, na Zona Norte da cidade. Os eventos ocorriam nas imediações do estádio e, segundo as notícias veiculadas em O Globo, eram definidos como “assaltos em que grupos de pivetes atacam pedestres e passageiros de ônibus ao fim dos jogos” (O Globo, 29/07/1987). A estratégia consistia em cercar uma pessoa e “tomar tudo o que conseguiam” (O Globo, 24/06/1985).

  • 2 Estes grupos são descritos pelos gerentes de três estabelecimentos localizados em Ipanema e em Copa (...)

27Outra situação bastante recorrente aos arrastões é associada ao comércio de rua, particularmente nos bairros de Ipanema e Copacabana, na Zona Sul da cidade, e da Tijuca, na Zona Norte. A matéria intitulada “Comerciantes de Ipanema vão se organizar contra ‘arrastão’” destaca os prejuízos causados por furtos, assaltos e pela “nova modalidade de roubo, já chamada de arrastão” (O Globo, 10/09/1987), na qual “grupos de pivetes invadem as lojas, recolhem as mercadorias das vitrines e prateleiras, saem correndo em várias direções e dificilmente são alcançados” (O Globo, 04/10/1987) (figura 2). Cabe destacar, no entanto, que estes grupos eram fundamentalmente constituídos por “mulheres” e travestis” e não apenas por homens jovens, como nas outras situações aqui apresentadas2.

Figura 2: Charge que ilustra os arrastões em lojas em Ipanema e em Copacabana

Figura 2: Charge que ilustra os arrastões em lojas em Ipanema e em Copacabana

Fonte: O Globo, 04/10/1987

28Os arrastões integrariam uma “operação de guerra desencadeada contra o comércio da Zona Sul” e as “zonas críticas” foram localizadas em um croqui (figura 3). Além de demandarem por maior policiamento, a matéria apresenta algumas estratégias adotadas pelos lojistas e seus funcionários, tais como a contratação de seguranças e o posicionamento de vendedores na entrada das lojas, “impedindo o acesso dos grupos”.

Figura 3: Croqui de localização das “zonas críticas” relacionadas aos arrastões em lojas em Copacabana e Ipanema

Figura 3: Croqui de localização das “zonas críticas” relacionadas aos arrastões em lojas em Copacabana e Ipanema

Fonte: O Globo, 04/10/1987

29Já em dezembro de 1991, uma série de notícias apresenta os arrastões e seus efeitos sobre o comércio na Tijuca. Destaca-se a região da Praça Saens Peña, cujo entorno possui uma grande oferta de serviços e comércio. Os boatos sobre arrastões na área fizeram com que lojas fechassem ao público antecipadamente e que houvesse “corre-corre”, além de produzirem um reforço no policiamento. Os grupos a que são atribuídos a possível ocorrência de arrastões tem origem no Morro do Salgueiro, também localizado no bairro da Tijuca. Os moradores do Salgueiro, no entanto, “ficaram revoltados (...) e disseram que jamais houve qualquer combinação no morro para um saque organizado nas lojas” (O Globo, 22/12/1991).

30Os boatos e seus efeitos constatáveis, como o reforço do policiamento e a queda nas vendas das lojas na Tijuca, bem como a classificação dos arrastões como uma forma de “terrorismo urbano” (O Globo, 24/12/1991) apontam para a produção de uma ansiedade social mais ou menos difusa na relação com o fenômeno, o que poderá ser verificado novamente na construção do “verão do arrastão”, onde a praia desempenha papel fundamental. Outro elemento marcante que emerge desta situação específica é a identificação da “origem geográfica” dos atores responsabilizados pelos arrastões, o que se tornará recorrente em outras situações. No caso específico da Tijuca, destaca-se que esta origem é bem próxima, uma vez que o Morro do Salgueiro se encontra no mesmo bairro e, portanto, a alteridade estabelecida se dá em torno do binômio bastante consolidado na cidade do Rio de Janeiro, qual seja, favela e asfalto.

  • 3 Favelas localizadas em Bangu e Realengo, também na Zona Oeste.

31Os ônibus e a saída de bailes nas Zonas Norte e Oeste figuram também como situação para a prática dos arrastões. A matéria “Bangu vai à festa. Sem ‘arrastão’” (O Globo, 07/08/1988) trata os arrastões na saída de bailes e festas promovidas por clubes como algo recorrente, sendo considerado “o maior problema de segurança da região”, conforme ilustra a figura 4. A partir de entrevistas com os assaltantes e seus pais, por iniciativa do 14º BPM, averiguou-se que os menores de idade representavam 80% dos participantes dos arrastões e que o faziam por lazer, “só por recreação”. Já os adultos, liderando as ações, “ficavam com o que era obtido [na] operação criminosa”. É nesta notícia em que se menciona, pela primeira vez, a origem geográfica dos participantes do arrastão. Em Bangu, eram moradores da Vila Kennedy, da Vila Aliança e da Vila Vintém3 quem promoviam os arrastões.

Figura 4: Charge de Aroeira veiculada na matéria “Bangu vai à festa. Sem ‘arrastão’”

Figura 4: Charge de Aroeira veiculada na matéria “Bangu vai à festa. Sem ‘arrastão’”

Fonte: O Globo, 07/08/1988

  • 4 Tais bailes ocorriam em clubes do subúrbio, como o Mackenzie, o Vitória, o Club Municipal, o Maxwel (...)
  • 5 O bairro da Tijuca também se destacava pela ocorrência de arrastões nas saídas dos bailes funk e do (...)

32A matéria “Gangues de rua aterrorizam o subúrbio” aponta que os arrastões seriam decorrentes da rivalidade entre gangues frequentadoras de bailes funk, realizados em clubes do subúrbio, oriundas das favelas4 (O Globo, 20/05/1990). O texto informava ainda que os participantes queriam “voltar para casa com algum dinheiro ou joias, e relógios” para que pudessem trocar por tóxico”. A figura 5, veiculada pela mesma matéria, constitui a primeira descrição fotográfica daqueles que seriam os praticantes dos arrastões. Já em fevereiro de 1992, a matéria “‘Arrastões’ violentos em Irajá e Madureira” (O Globo, 02/02/1992), destaca que “[m]uito antes da imprensa carioca divulgar os “arrastões” nas praias da Zona Sul e Barra, o fato já ocorria nos dois bairros do subúrbio5. Os “pontos críticos” seriam as cercanias de clubes onde eram realizados bailes, além de ônibus e pontos de ônibus.

Figura 5: Primeira descrição fotográfica dos “praticantes dos “arrastões”

Figura 5: Primeira descrição fotográfica dos “praticantes dos “arrastões”

Nota-se, ao fundo, o ônibus da Linha 917 (Bonsucesso). A seguinte legenda acompanhava a fotografia de Marco Antônio Teixeira: “formadas, em sua maioria, por menores, as gangues de rua saem após os bailes e praticam atos de vandalismo”.

Fonte: O Globo, 20/05/1990

33Observa-se aqui a primeira relação estabelecida pelo Jornal O Globo entre o gênero musical funk e os frequentadores de seus bailes com os arrastões, muito embora estudiosos do “mundo funk”, tais como Vianna (2000) compreendam que esta relação se deu ao final do ano de 1992, a partir dos arrastões nas praias da Zona Sul. Trata-se de uma questão de graus diferentes de visibilidade: o funk no subúrbio seria menos visível que o funk (ou os seus adeptos) nas areias da Zona Sul. Finalmente, para além da possibilidade de “ganho” com os assaltos, os arrastões também estariam associados à rivalidade entre gangues, ao vandalismo, ao prazer do confronto e ao uso de drogas.

  • 6 “Às vezes, simulavam uma briga, para então partir para o “arrastão”, metendo as mãos nos bolsos dos (...)

34O Centro da cidade volta a ser palco dos arrastões em fevereiro de 1992, mas não mais dos protagonizados por camelôs, grevistas e por policiais da “Operação Arrastão”. A matéria intitulada “Tarde violenta no Centro da cidade” noticiou que, ao longo da Avenida Rio Branco, uma das principais vias do Centro, um grupo composto por dez a quinze “pivetes” “comandados por uma mulher grávida, negra, de 30 anos presumíveis” (O Globo, 29/02/1992) realizou um arrastão6. A prática dos arrastões também esteve relacionada aos festejos carnavalescos no Centro, quando “grupos formados por jovens com no máximo 20 anos” (O Globo, 04/03/1992) se aproveitavam da distração dos foliões, sobretudo de mulheres desacompanhadas e turistas (O Globo, 06/03/1992).

“Verão do arrastão”: praias, funks e boatos

35Em junho de 1986, o Jornal o Globo publicou a reportagem “Ipanema precisa desses anjos?”. Trata-se da primeira notícia localizada com o significante “arrastão” que se dedica aos grupos que “fazem justiça com as próprias mãos”. Os “anjos” teriam atuação restrita ao bairro de Ipanema, com papel destacado da praia (onde treinavam e agiam), além dos ônibus e pontos de ônibus, o que nos faz supor que seus alvos fossem concebidos como provenientes de outros bairros da cidade.

  • 7 Os “anjos” eram “católicos praticantes, admiradores incondicionais de Bruce Lee, que usa[vam] as lu (...)
  • 8 “Aproveitando a irritação dos líderes do morro com essa invasão indevida em seu território, sugere- (...)

36Os “anjos”7, apresentados na figura 6, patrulhavam as praias, ruas e ônibus em Ipanema “[m]unidos de material de pronto-socorro, estetoscópios, algemas e o bastão do Bruce Lee, o nunchku (uma corrente com duas pontas de madeira, como um cassetete) (...) à cata de assaltantes, sobretudo, a “turma do arrastão”” (O Globo, 16/06/1986). Já em 1991, a coluna de Affonso Romano de Sant’Anna intitulada “O arrastão e os samurais” (O Globo, 06/11/1991) propunha a organização de um “contra-arrastão” capitaneado pelos “marginais dos morros da Zona Sul” contra o “inimigo que vem do Norte”8.

Figura 6: “Anjos” contra os arrastões em Ipanema

Figura 6: “Anjos” contra os arrastões em Ipanema

A legenda original informava: “um grupo de “anjos” exibindo as suas armas – algemas e o ‘nuncahku’, corrente com duas pontas de madeira – à beira da praia, onde sempre atuam”.

Fonte: O Globo, 16/06/1986

  • 9 “Em grupos de até cem, ratos de praia vêm fazendo arrastões na areia, no calçadão e nos pontos de ô (...)

37Já no verão de 1990, o jornal noticiou a detenção de oito menores suspeitos de integrarem “um grupo de arrastão’ na rua Rainha Elizabeth (Arpoador). À violência, incluindo os arrastões, é atribuída a responsabilidade pela diminuição do fluxo de turistas para o Rio de Janeiro (O Globo, 27/01/1990). Foi em outubro do mesmo ano que um evento importante ocorreu nas praias de Ipanema e Arpoador, também sendo relacionado à piora “da imagem do Brasil no exterior”, o que teria gerado uma queda de 30% no fluxo de turistas americanos para o Rio9.

38Os praticantes dos arrastões, denominados “ratos de praia”, seriam distintos dos “frequentadores da Praia de Ipanema, na altura da Rua Farme de Amoedo, e da Praia do Arpoador” que, por sua vez vinham vivendo um “verdadeiro pesadelo nas últimas semanas”. Além de atuar diretamente no confronto entre as gangues, a Polícia Militar realizou uma ação direta com os banhistas que formavam filas nos pontos de ônibus que voltavam em direção à Zona Norte, supondo que, além da origem nos morros das cercanias, os “punguistas” eram provenientes também de bairros mais distantes da cidade, sobretudo da Zona Norte.

39Já em 11 de novembro de 1991, duas matérias tratam do início da “Operação Verão” que havia sido antecipada devido à ocorrência de “arrastões” (O Globo, 11/11/1991). Segundo a reportagem, o caso mais grave teria ocorrido “há 15 dias em Ipanema” (domingo, 27 de outubro de 1991) e teria derivado de uma disputa entre “gangues rivais” por espaço “para a prática do arrastão”. A operação, como parte de um processo de experimentação para a lida com tal problema público, incluía o aumento no efetivo policial, a abertura da Avenida Atlântica para o tráfego de veículos da Polícia Militar, um micro-ônibus,

“nove barracas na praia, cada uma delas com um rádio-transmissor e três policiais militares; policiamento ostensivo nas ruas do bairro, inclusive com um Bugre; e uma patrulha tático-móvel (Patamo) exclusiva para a Avenida Atlântica” (O Globo, 11/11/1991).

40Segundo matéria de 25 de novembro de 1991, graças à ação policial, o carioca teria desfrutado de um domingo tranquilo, sem arrastões. O texto relata ainda a realização de revistas no “corredor da morte” – rua de pedestres que liga a Rua Francisco Otaviano à Avenida Francisco Bhering, ao lado da Praça Garota de Ipanema”, retomando a localização descrita pela primeira notícia acerca dos arrastões aqui analisados.

  • 10 Como sugere a modelo entrevistada para a matéria: “- A moda no verão vai ser não levar bolsa, óculo (...)

41Em matéria intitulada “Um verão ‘heavy-metal’”, veiculada na seção de Comportamento (O Globo, 30/11/1991), o verão que se aproximava, o de 1991-1992, era nomeado como “verão do arrastão”, dentre outras denominações, tais como “verão da crise” e “verão da recessão”. “Rotulando ou não, algumas pessoas creem que a Zona Sul vai ser invadida por hordas de suburbanos e favelados” (O Globo, 30/11/1991), o que ocasionaria, inclusive, um impacto nos objetos que deveriam ser levados para as praias10.

42A capa da edição de 15 de dezembro, apresentou a musa do verão de 1991-1992, a atriz Letícia Sabatella, como a musa do “verão do arrastão”, “que tem como marca registrada os arrastões - preocupação de 41,03% dos entrevistados”. No mesmo dia, a matéria “Pesquisa: vem aí o verão do arrastão” exibiu um gráfico com o resultado, conforme a figura 7.

Figura 7: Gráfico apresenta o “verão do arrastão”

Figura 7: Gráfico apresenta o “verão do arrastão”

A pesquisa realizada pela Coordenadoria de Pesquisa do Departamento de Marketing do GLOBO apontou que 41,03% os 300 entrevistados consideravam que o verão em questão seria “do arrastão”.

Fonte: O Globo, 15/12/1991

43O título de “verão do arrastão”, no entanto, foi questionado, e uma nova alcunha foi sugerida: “verão dos boatos”, envolvendo justamente os arrastões (ou boatos sobre eles) (O Globo, 23/12/1991). Um artigo que “passava o verão em revista”, de Luiz Henrique Romanholli, intitulado “Rio em brancas nuvens”, incluiu os arrastões entre as promessas que não haviam “colado”. “As previsões apocalípticas de que seria impossível ir à praia sem ser assaltado não se confirmaram. Claro que o Rio não vive numa harmonia celestial, mas ainda vive” (O Globo, 28/02/1992).

44A última notícia sobre os arrastões veiculada pelo jornal em 1991 trazia, contudo, a informação de que a frequência à Estrada das Paineiras, com suas quedas d’água, havia aumentado “depois que as praias foram invadidas por vibriões, arrastões e canteiros de obra” (O Globo, 27/12/1991). Ainda no “verão do arrastão”, mas já em 1992, uma matéria apresenta uma sequência de agressões e roubos por parte do grupo identificado como oriundo da favela do Jacarezinho, Zona Norte da cidade, que rivalizavam com moradores de Cordovil. Os atos teriam envolvido o apedrejamento de um ônibus que conecta a Zona Norte à Zona Sul, da linha 460 (São Cristóvão-Leblon) e a tentativa de arrastão na Praia do Leblon (O Globo, 24/02/1992).

  • 11 Apesar disso, um levantamento da PM indicava que aquele verão havia sido “mais tranquilo”, tendo o (...)

45“No último domingo de verão, a Praia de Ipanema voltou a ser palco da marca da estação em 1992: o arrastão, ontem praticado por um grupo com cerca de 30 jovens na altura do Posto 8” (O Globo, 16/03/1992). Tal ocorrência confirmaria, segundo o texto, a fama daquele verão como estação do arrastão11. Os “frequentadores do Posto 8, na Praia de Ipanema” teriam corrido amedrontados para o calçadão. Segundo uma das pessoas que estava na praia: “Eles passaram em grupo levando bolsas, máquinas fotográficas e tudo mais que viam pela frente”. De acordo com outra entrevistada, no entanto, “o que aconteceu foi uma briga de gangues. Rapazes do Morro do Alemão, em Olaria, teriam se desentendido com uma turma do Morro do Merendiba, do mesmo bairro” (O Globo, 16/03/1992). Tal discordância indica a persistência da discussão acerca das motivações para a realização dos arrastões.

46A edição de 22 de março, com três matérias dedicadas aos arrastões, apresentou um dossiê elaborado pela 2ª Seção do Estado Maior da Polícia Militar que identificava os participantes dos arrastões como “frequentadores dos bailes funk”. As 500 “galeras” teriam “origem nas áreas carentes, onde a presença de traficantes de drogas é marcante” e seriam integradas também por “mulheres e camelôs, encarregados de receber os objetos roubados a fim de evitar o flagrante” (O Globo, 22/03/1992). Já os “meninos de rua” atuavam apenas no Centro e nas estações das barcas na Praça Quinze e em Niterói.

47Além de explicar que em um baile os funkeiros oriundos de favelas territorializadas pelo Comando Vermelho e pelo Terceiro Comando ficavam em lados opostos, como em uma batalha, foi apresentada uma imagem (figura 8) que localizava e associava os arrastões, os redutos de gangues e os bailes funk.

Figura 8: Localização dos arrastões, dos redutos das gangues e dos bailes funk

Figura 8: Localização dos arrastões, dos redutos das gangues e dos bailes funk

Fonte: O Globo, 22/03/1992

  • 12 São apresentadas duas entrevistas. A primeira com um menino de 13 anos, morador do Sapê, em Rocha M (...)

48Segundo o mesmo relatório, a atuação dos grupos “é eclética: vai da Baixada Fluminense à Zona Sul, passando pelo Centro, Niterói e São Gonçalo”, sendo a “orla marítima da Zona Sul e os ônibus que circulam nos horários de saída dos bailes” os locais preferidos. Por fim, a edição de 23 de março, no encerramento do dito “verão (dos boatos) dos arrastões” discorre sobre a ação da polícia nas praias da Zona Sul, em uma espécie de “arrastão contra os arrastões” e “aprofunda” a discussão acerca da relação entre o funk e o fenômeno ora em tela12.

49De volta às praias, as notícias aqui discutidas chamam atenção para as ações do poder público no combate aos arrastões e para a organização de grupos de “justiceiros” ou “anjos”. Os favelados da Zona Sul não são mais identificados com os praticantes dos arrastões. Estes residem em áreas mais distantes, dirigindo-se à praia, invadindo um território que não lhes pertenceria, criando uma forte oposição entre as Zonas Sul e Norte da cidade e não mais apenas entre “asfalto” e “favela”.

50Para o território da praia, são “arrastadas” lógicas que lhe são estranhas, oriundas das dinâmicas dos bailes funk, das favelas da Zona Norte e do tráfico de drogas que nelas tem lugar. Constata-se ainda a ocorrência não apenas de arrastões, mas também boatos acerca desses eventos, o que foi suficiente, no entanto, para que o verão de 1991-1992 fosse denominado o “verão do arrastão”, mesmo que o verão do ano seguinte pareça ter sido mais marcante no imaginário que constitui a experiência das praias cariocas.

Considerações finais

51A partir da análise de conteúdo das notícias veiculadas acerca do arrastão, foi possível observar um grande esforço de definição do fenômeno nestes “primeiros tempos” dos arrastões, os quais correspondem a um período de investigação, conforme Cefai (2018). Tal esforço denota a novidade e mesmo a instabilidade da noção. O que parece unifica-la é a ideia de que os arrastões são praticados por grupos em movimento. Os atores praticantes, embora predominantemente identificados como jovens do sexo masculino, também o foram, mesmo que pontualmente, como “mulheres” e “travestis”, sobretudo quando os arrastões ocorriam em lojas da Zona Sul da cidade. A relação com o “mundo do funk” parece também ter contribuído nesta estabilização, uma vez que, nas praias cariocas, os praticantes seriam componentes das “galeras funk”, provenientes das favelas da Zona Norte. Com esta associação, que antecede o marco adotado por outros autores (outubro de 1992), se consolida uma discussão em torno dos fins de tal prática. Como fenômeno complexo que é, e considerando a sua evolução ao longo do período estudado, os arrastões eram motivados por fins econômicos, mas também por vontade de exibição pública, disputas territoriais e “recreação”.

52A desconcentração no tecido urbano é outro elemento a ser destacado. Embora os arrastões estejam comumente relacionados às praias da Zona Sul carioca, foi possível constatar uma importante dispersão desses eventos na cidade. Em um primeiro momento, anterior a 1992, quando ganham destaque, os arrastões ocorrem em “butiques” de Ipanema e Copacabana e em outros bairros como a Tijuca e o Centro, em ônibus e seus terminais, e nas imediações de clubes que promoviam bailes. Já no ano de 1992, os arrastões “desembarcam”, definitivamente, no imaginário e nas areias das praias da Zona Sul, quando o sentido de “disputa territorial” se fortalece, muito embora já tivesse sido exposto na situação de saída dos bailes e na atuação nos ônibus.

53A associação com as “galeras funk” incorpora o sentido de deslocamento das disputas territoriais dos bailes à praia. Os ônibus que ligam os “subúrbios” à Zona Sul jogaram também papel fundamental na construção dos arrastões pela imprensa, sendo alvo de ações policiais até os dias de hoje. De maneira geral, podemos dizer que os arrastões cariocas produzem, necessariamente uma “rede de lugares”, criando, reforçando e conectando espaços dentro da cidade do Rio de Janeiro. Cabe destacar que, na praia, a origem dos praticantes dos arrastões é “mais distante” social e, sobretudo, espacialmente: trata-se moradores das favelas da Zona Norte que invadem as praias da Zona Sul. Em outras situações, os “inimigos” têm origem mais próxima, geralmente de favelas do mesmo bairro onde são praticados os arrastões, o que denota a maior centralidade de praias como Arpoador e Ipanema, uma vez que a sua “área de influência” é maior do que a de outros espaços públicos.

54O “verão do arrastão”, que associa a ocorrência de arrastões à estação e às praias da Zona Sul da cidade, demonstra a importância destes espaços e a sua capacidade de dar visibilidade aos conflitos. Sendo um espaço central da sociabilidade carioca, as praias são lugares disputados, seja entre “tribos” distintas que se organizam em “faixas de areia”, seja em termos de seu aproveitamento econômico, o que pode ser verificado pela considerável densidade normativa sobre a orla marítima da cidade. Os arrastões que aí têm lugar mobilizam debates e imagens sobre a violência urbana e, por conseguinte, sobre a própria imagem da cidade. O que acontece nas areias de Ipanema parece reverberar intensamente para além dos seus limites.

55Desta maneira, os “arrastões” podem ser considerados como uma das práticas que conformam este espaço balneário, entendido como síntese de uma morfologia e uma cultura específicas (Balneomar, 2018), marcando sobremaneira o imaginário e a vivência cotidiana para habitantes ou visitantes, delimitando atores e práticas mais ou menos “desejáveis”. Se as cidades balneárias podem atuar como centros irradiadores de práticas culturais particulares (Balneomar, 2018), podemos afirmar que a orla marítima da Zona Sul, além de “lançar modas”, é um espaço de extrema centralidade na vida da cidade, que qualifica e confere visibilidade a comportamentos, a novos atores e impulsiona o debate público que nela é produzido e que, por conseguinte, a requalifica.

56Por fim, destacamos que tão intensos foram os debates sobre os arrastões que os boatos acerca de sua ocorrência foram capazes de mobilizar discursos, ações individuais ou de empresas e operações policiais. Os arrastões produziram ( e ainda hoje produzem) uma espécie de “ansiedade social” mesmo que não ocorressem. Como um “acontecimento ausente”, os elementos “arrastados” ao longo de sua evolução parecem prescindir de eventos “reais”, uma vez que as operações de combate e o temor dos arrastões organizam, até os dias de hoje, a experiência de frequentar as praias da Zona Sul, sobretudo nos finais de semana.

Haut de page

Bibliographie

Balneomar – Villes Balnéaires / Cidades Balneárias. Projeto de pesquisa CAPES/COFECUB – 2018/2021. Disponível em: https://balneomar.com. Acessado em: 27/01/2019.

Brisson, C. “Masculinité(s) noire(s): Géographies d’un stigmate sur la plage d’Ipanema”. Les annales de la recherche urbaine, n.112, p. 96-105, 2017.

Cefai, D. “Público, Socialização e Politização: reler John Dewey na companhia de George Herbert Mead”. In: Corrêa, D. et al (org.). Crítica e pragmatismo na Sociologia: diálogos entre Brasil e França. São Paulo: Annablume Editora, 2018, pp. 57-88.

Francisco, D. “Arrastão mediático e racismo no Rio de Janeiro”. In: Anais do INTERCOM –XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Belo Horizonte, 2003.

Freeman, J. “Democracy and danger on the beach: class relations in the public space of Rio de Janeiro”. Space and Culture, v. 5, n. 1, p. 9-28,2002.

Gomes, P. C. C. “Rio-Paris-Rio: ida e volta com escalas”. In: A condição urbana: ensaios de geopolítica da cidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001, pp. 192-230

Gomes, P. C. C. “Espaços públicos: um modo de ser do espaço, um modo de ser no espaço”. In: Castro I., Gomes, P., Corrêa, R. (org). Olhares geográficos: modos de ver e viver o espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012. pp. 19-41.

Gomes da Cunha, O. "Bonde do Mal: Notas sobre território, cor, violência e juventude numa favela do subúrbio carioca". In: Maggie, Y. Rezende, C. B. (org.). Raça como retórica: a construção da diferença. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. pp. 83-154.

Herschmann, M. “Os arrastões”. In: O funk e o hip hop invadem a cena. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2000, pp. 15-34.

Mendonça, K. “A onda do arrastão: produção de sentidos na mídia impressa”. Discursos Sediciosos, Rio de Janeiro, v. 1, n.7/8, 1999, pp. 267-282

Peralva, A. “Democracia e violência: a modernização por baixo”. Lua Nova, n. 40/41, 1997, p. 217-240.

Silveira de Farias, P. Pegando uma cor na praia: relações raciais e classificação de cor na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal das Culturas, Departamento geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 2003.

Vianna, H. “O funk como símbolo da violência carioca”. In: Velho, G. e Alvito, M. (org.) Cidadania e violência. Rio de Janeiro: EdUFRJ/ Ed. FGV, 2000. pp. 179-188

Haut de page

Notes

1 O termo “arrastão” nem sempre foi empregado no sentido a ser explorado aqui, ou seja, nem sempre esteve associado a uma tática de roubo em grupo ou aos “tumultos” decorrentes de confrontos entre grupos de jovens rivais. Os primeiros registros do uso da palavra o caracterizam como uma modalidade de pesca ou um tipo de rede. Foi possível localizar também as “meias-arrastão”, os “blocos de arrastão” (modalidade de festejo de Carnaval, bem como a nomeação de Escolas de Samba, tais como o Grêmio Recreativo Escola de Samba Arrastão de Cascadura). Outro sentido é produzido no âmbito de operações policiais conhecidas como “batidas” visavam a normatizar o comércio e o trânsito da cidade. Observa-se ainda o emprego do termo para designar a ação de grevistas.

2 Estes grupos são descritos pelos gerentes de três estabelecimentos localizados em Ipanema e em Copacabana: “seis pessoas – cinco mulheres e um travesti -, que fingem fazer compras, recolhem as mercadorias e saem correndo”; “12 mulheres aproveitaram a hora do almoço, quando o movimento é menor, para invadir a loja e recolher peças de roupa”, e “oito mulheres que apanharam peças de roupa no salão e correram para a rua” (O Globo, 04/10/1987).

3 Favelas localizadas em Bangu e Realengo, também na Zona Oeste.

4 Tais bailes ocorriam em clubes do subúrbio, como o Mackenzie, o Vitória, o Club Municipal, o Maxwell, o Garnier, o Magnatas, o Maran, o Guadalupe Country, o Piedade e o Centro de Comércio de Pilares (O Globo, 20/05/1990).

5 O bairro da Tijuca também se destacava pela ocorrência de arrastões nas saídas dos bailes funk e dos cinemas. Para um soldado da Polícia Militar, no entanto, a denominação “arrastão” só passou a ser utilizada quando um grande evento assim identificado ocorreu no Arpoador (ele se referia, provavelmente, ao evento ocorrido em 27 de outubro de 1991).

6 “Às vezes, simulavam uma briga, para então partir para o “arrastão”, metendo as mãos nos bolsos dos pedestres, além de arrancar relógios e o que as vítimas estivessem carregando” (O Globo, 29/02/1992).

7 Os “anjos” eram “católicos praticantes, admiradores incondicionais de Bruce Lee, que usa[vam] as lutas marciais difundidas pelo ator para fazer justiça pelas próprias mãos, proteger a comunidade e colaborar com a polícia” (O Globo, 16/06/1986).

8 “Aproveitando a irritação dos líderes do morro com essa invasão indevida em seu território, sugere-se que as bases marginais dos morros da Zona Sul se organizem para defenderem a circunvizinhança ameaçada pelos predadores de outras paragens (...). A tropa do Pavão/Pavãozinho assumindo sua unidade, exerceria uma superioridade sobre o inimigo que vem do Norte, pois seu armamento é bem mais moderno. Há muito que deixaram o pau e a pedra. Com sua alta tecnologia poderiam dizimar os bárbaros que vêm das estepes da periferia” (O Globo, 06/11/1991).

9 “Em grupos de até cem, ratos de praia vêm fazendo arrastões na areia, no calçadão e nos pontos de ônibus próximos à praia, furtando bolsas, relógios e outros pertences dos banhistas, especialmente dos turistas. Em sua maioria, são punguistas que moram nos morros do Cantagalo e do Pavão-Pavãozinho, na divisa de Ipanema e Copacabana. Ontem, em um desses arrastões, chegou a haver troca de tiros entre quadrilhas rivais” (...). Por volta das 13h, aconteceu o conflito entre as quadrilhas dos morros do Cantagalo e do Pavão-Pavãozinho, em frente ao Posto 8, na Rua Farme de Amoedo. A presença de policiais na praia fez com que os grupos rapidamente se dispersassem, indo para o Posto 7, no Arpoador, onde tentaram um arrastão (O Globo, 28/10/1991, grifos nossos).

10 Como sugere a modelo entrevistada para a matéria: “- A moda no verão vai ser não levar bolsa, óculos, chapéu ou canga para a praia. Por causa do “arrastão”, as pessoas estarão mais despojadas, com o mínimo possível” (O Globo, 30/11/1991).

11 Apesar disso, um levantamento da PM indicava que aquele verão havia sido “mais tranquilo”, tendo o número de arrastões sido reduzido, em decorrência de sua atuação na orla e nos pontos de ônibus, onde se presume a chegada dos participantes do arrastão e onde estes também o realizam.

12 São apresentadas duas entrevistas. A primeira com um menino de 13 anos, morador do Sapê, em Rocha Miranda, identificado como um praticante de arrastões no Posto 8, em Ipanema, e em ônibus. A segunda, com um representante de galera funk que afirmou que “o pessoal briga por brigar e arrasta para poder ir bem vestido ao baile seguinte (...)” (O Globo, 23/12/1992).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Jovens são retirados do ônibus que seguia em direção à Zona Sul para serem revistados por policiais militares
Crédits Fonte: O Globo, 21/01/2015 (foto de Gustavo Stephen)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18302/img-1.png
Fichier image/png, 293k
Titre Figura 2: Charge que ilustra os arrastões em lojas em Ipanema e em Copacabana
Crédits Fonte: O Globo, 04/10/1987
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18302/img-2.png
Fichier image/png, 134k
Titre Figura 3: Croqui de localização das “zonas críticas” relacionadas aos arrastões em lojas em Copacabana e Ipanema
Crédits Fonte: O Globo, 04/10/1987
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18302/img-3.png
Fichier image/png, 152k
Titre Figura 4: Charge de Aroeira veiculada na matéria “Bangu vai à festa. Sem ‘arrastão’”
Crédits Fonte: O Globo, 07/08/1988
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18302/img-4.png
Fichier image/png, 187k
Titre Figura 5: Primeira descrição fotográfica dos “praticantes dos “arrastões”
Légende Nota-se, ao fundo, o ônibus da Linha 917 (Bonsucesso). A seguinte legenda acompanhava a fotografia de Marco Antônio Teixeira: “formadas, em sua maioria, por menores, as gangues de rua saem após os bailes e praticam atos de vandalismo”.
Crédits Fonte: O Globo, 20/05/1990
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18302/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 260k
Titre Figura 6: “Anjos” contra os arrastões em Ipanema
Légende A legenda original informava: “um grupo de “anjos” exibindo as suas armas – algemas e o ‘nuncahku’, corrente com duas pontas de madeira – à beira da praia, onde sempre atuam”.
Crédits Fonte: O Globo, 16/06/1986
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18302/img-6.png
Fichier image/png, 277k
Titre Figura 7: Gráfico apresenta o “verão do arrastão”
Légende A pesquisa realizada pela Coordenadoria de Pesquisa do Departamento de Marketing do GLOBO apontou que 41,03% os 300 entrevistados consideravam que o verão em questão seria “do arrastão”.
Crédits Fonte: O Globo, 15/12/1991
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18302/img-7.png
Fichier image/png, 663k
Titre Figura 8: Localização dos arrastões, dos redutos das gangues e dos bailes funk
Crédits Fonte: O Globo, 22/03/1992
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/18302/img-8.png
Fichier image/png, 334k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ana Brasil Machado et Mariana de Oliveira Santos, « O arrastão vai à praia: gentes, redes e visibilidades no balneário carioca », Confins [En ligne], 39 | 2019, mis en ligne le 25 mars 2019, consulté le 18 avril 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/18302 ; DOI : 10.4000/confins.18302

Haut de page

Auteurs

Ana Brasil Machado

Departamento de Geografia e Meio Ambiente da PUC-Rio, anabrasil@puc-rio.br

Mariana de Oliveira Santos

Departamento de Geografia e Meio Ambiente da PUC-Rio, os.marianaoliveira@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals