Navigation – Plan du site

AccueilNuméros30Sistemas agrícolas e sistema de i...

Sistemas agrícolas e sistema de indicadores: avaliação do impacto das alterações climáticas sobre a segurança alimentar numa bacia de inundação da Amazônia

Systèmes agricoles et système d’indicateurs: évaluation de l’impact du changement climatique sur la sécurité alimentaire dans un bassin d’inondation amazonien
Agricultural systems and indicator system: assessing the impact of climate change on food security in an Amazonian flood basin
Marie Flore Doyen, Anne Elisabeth Laques, Helen Gurgel et Lucas Garcia
Traduction de Tradução de Anna Carolina Teles (UFRGS) e revisão de Patrícia Reuillard (UFRGS)
Cet article est une traduction de :
Systèmes agricoles et système d’indicateurs: évaluation de l’impact du changement climatique sur la sécurité alimentaire dans un bassin d’inondation amazonien

Résumés

En Amazonie, le changement climatique se traduit principalement par un dérèglement du régime des crues, perturbant les systèmes agricoles des populations riveraines de l’Amazone et les rendant potentiellement sensibles à l’insécurité alimentaire. Afin de faciliter l’analyse des systèmes agricoles de la zone étudiée (le Lago Grande de Curuaï), une typologie a été effectuée via la matrice de Bertin, permettant d’identifier quatre systèmes types : les systèmes agro-forestier, agricole spécialisé, agro-pastoral et pisci-pastoral. A partir des informations relatives aux systèmes agricoles et ayant pour principale base deux piliers de la sécurité alimentaire (la disponibilité et l’accès aux denrées alimentaires), un système d’indicateurs a été créé suivant la méthode « Principe, Critères, Indicateurs ». Un principe, trois critères et sept indicateurs ont évalué la sécurité alimentaire à l’échelle des systèmes agricoles types et ce, suivant deux scénarios : avec ou sans survenance d’évènements extrêmes. Une dégradation de l’état de la sécurité alimentaire est observée avec la survenance d’évènements extrêmes et c’est le système agro-pastoral qui est le plus affecté par ces crises.

Haut de page

Texte intégral

Os trabalhos de investigação que deram origem a este artigo foram financiados pelo projeto francês Clim-Fabiam da Fundação de Pesquisa de Biodiversidade (FRB) e pelo Laboratório francês Misto Internacional (LMI) – Observatório das Mudanças Climáticas do Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD), supervisionados por Marie-Paule Bonnet. A autora agradece ao Laboratório de Geografia, Ambiente e Saúde (LAGAS) da Universidade de Brasília (UnB) por tê-la acolhido em suas missões, bem como Anne Elisabeth Laques, Helen Gurgel, Lucas Garcia, Eudes Bonfim e Julie Roussel pelo apoio e pelas informações fornecidas. Merecem igualmente os agradecimentos da autora: Antonio Oliveira, presidente da Federação das Associações de Moradores e Comunidades do Assentamento Agroextrativista da Gleba Lago Grande (FEAGLE), e as famílias de Terra Preta, Piraquara, Piedade e Soledade, por me darem informações e me acolherem durante minha pesquisa de campo (junho e setembro de 2015). A autora agradece igualmente a Hervé Brustel por seus conselhos na redação deste trabalho.

1Durante a Conferência de Lima, em 2014, as partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (CQNUMC) reconheceram o impacto da mudança climática sobre a segurança alimentar e suas consequências dramáticas para as populações já vítimas da fome. A insegurança alimentar e a mudança climática são duas problemáticas que caminham lado a lado. Em 2015, José Francisco Graziano da Silva, Diretor-Geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), estava feliz pelo acordo assinado em Paris no quadro da COP21, que reconhece “a prioridade fundamental de preservar a segurança alimentar e erradicar a fome, assim como a vulnerabilidade própria dos modos de produção alimentar, dos efeitos da mudança climática” (FAO). A segurança alimentar é composta por quatro pilares: a disponibilidade dos gêneros alimentícios, sua acessibilidade, sua utilização e sua estabilidade temporal e espacial.

2Na Amazônia, as populações ribeirinhas, que vivem majoritariamente da agricultura e da pesca, são as primeiras a serem afetadas pela mudança climática. Elas são confrontadas com o risco de quebra de safra, de perdas de rebanho e disponibilidades reduzidas de produtos haliêuticos, aquícolas e florestais (Painel de Alto Nível de Especialistas em Segurança Alimentar e Nutricional – HLPE, 2012). Para as populações fortemente voltadas para o autoconsumo de suas produções, com acesso aos mercados alimentares ainda limitado, a problemática da segurança alimentar é particularmente pertinente. A avaliação da sensibilidade dos sistemas agrícolas das populações locais frente as mudanças climáticas permite determinar o grau de risco da segurança alimentar e compreender os pontos vulneráveis dos sistemas de produção, quando estão sujeitos a eventos extremos.

3O objetivo deste estudo é apontar, por meio de um sistema de indicadores, o impacto dos eventos extremos, em grande parte relacionados à mudança climática, sobre a segurança alimentar de quatro comunidades da bacia de inundação Lago Grande do Curuai. Após uma breve apresentação da zona estudada e de seu contexto, o estudo se decomporá em três momentos (Figura 1): em um primeiro momento, uma tipologia dos sistemas agrícolas é elaborada, a fim de compreender suas dinâmicas. Em um segundo momento, um sistema de indicadores é elaborado segundo o método Princípios, Critérios e Indicadores, o que permite avaliar a segurança alimentar das populações nos sistemas agrícolas decorrentes da tipologia. Finalmente, a utilização de um sistema de ajuda para simulação, baseado no sistema de indicadores, permite estabelecer inúmeros cenários que comparam o estado de segurança alimentar com a presença ou ausência de eventos extremos.

Figura 1: Esquema metodológico.

Figura 1: Esquema metodológico.

O Lago Grande do Curuai, uma planície de inundação ameaçada por eventos climáticos extremos

Um transecto norte-sul para compreender as diferentes realidades das comunidades da planície de inundação

4O Lago Grande do Curuai é uma planície de inundação situada a cerca de 100 km de Santarém, Pará (GARCIA, 2015). Ele pode ser dividido em duas partes distintas: a planície de inundação ou várzea, sistema complexo de mais de 30 lagos interconectados com saída para o rio Amazonas, que inundam anualmente durante três a seis meses, e a terra firme, que jamais inunda (BOURGOIN et al., 2007).

5A partir de um transecto norte-sul, quatro comunidades foram escolhidas para a finalidade deste estudo, localizadas em diferentes pontos da planície, a fim de contemplar a diversidade dos sistemas agrícolas. Duas delas ficam em terra firme (Terra Preta e Soledade), uma é limítrofe entre terra firme e zona de inundação (Piraquara) e a outra se encontra em uma várzea (Piedade) (Figura 2). Uma rodovia no sentido norte-sul liga as duas comunidades e cruza a principal rodovia de sentido leste-oeste (Translago) que, por sua vez, liga os dois principais centros urbanos, Curuai (20 mil habitantes) e Juruti (53 mil habitantes). O acesso à cidade Santarém, centro econômico e administrativo da região, é fluvial. A exemplo de Lago Grande, as comunidades analisadas têm um acesso limitado a telefonia, serviços administrativos e bancários, infraestrutura de saúde, assistência técnica.

6Figura 2: Apresentação da zona de estudo: o Lago Grande do Curuai e as quatro comunidades do transecto, Piedade, Piraquara, Soledade e Terra Preta.

Figura 2: Apresentação da zona de estudo, o Lago Grande do Curuai, e as quatro comunidades de seu transecto, Piedade, Piraquara, Soledade e Terra Preta

Figura 2: Apresentação da zona de estudo, o Lago Grande do Curuai, e as quatro comunidades de seu transecto, Piedade, Piraquara, Soledade e Terra Preta

Source : Garcia, 2015

Os sistemas agrícolas locais já fragilizados por eventos extremos

7A agricultura local é afetada pelas mudanças climáticas que desregulam o regime de cheias (HAENTJENS, 2014). Observou-se (BONNET, 2015) um aumento dos níveis médios e máximos de água durante as cheias (diferença de mais de um metro entre 1984 e 2014) e também da duração da inundação. Alguns autores (HAENTJENS, 2014; ROUSSEL, 2015) e recentes pesquisas de campo realizadas na região (projeto Clim-Fabiam) apontam que, no passado, os solos de várzea, férteis e ricos em nutrientes, eram usados para horticultura; hoje isso não é mais possível, pois o período de estiagem é muito curto. O aumento do período de inundação reduziu o tempo de disponibilidade das pastagens de várzea, o que, para alguns criadores de gado, representa a perda de um mês de engorde. Nota-se uma intensificação da criação de gado para compensar o aumento da mortalidade de animais e uma pressão de pastejo mais intensa. Com a saturação do terreno de terra firme que resulta na elevação do custo de arrendamento de pastagens, os habitantes são obrigados a abrir novos campos nas florestas.

8Em solo de terra firme, a força das secas, o atraso das primeiras chuvas, assim como a intensificação das precipitações, põem em risco a cultura da mandioca, já fragilizada pelos baixos preços. Além disso, muitos agricultores e criadores de gado diversificam suas atividades voltando-se para a pesca, onde recebem o seguro (bolsa destinada aos pescadores); a quantidade de pescadores aumenta regularmente ano após ano. Devido à pesca industrial e às cheias mais longas e intensas, os rendimentos da piscicultura tendem a diminuir, sobretudo quando o nível da água está alto.

9A maior parte da população depende de suas atividades agrícolas para se alimentar. A fragilização dos sistemas agrícolas pode impactar negativamente em sua segurança alimentar. Os habitantes têm duas fontes distintas de alimentação, mas de igual importância: a possibilidade de autoconsumo de sua produção (farinha de mandioca, frutas e legumes, peixe) e a compra no comércio local (arroz, açúcar, produtos processados). Ademais, a subsistência dos habitantes, na maioria dos casos, depende diretamente dos recursos agrícolas. Desse modo, a disponibilidade dos gêneros alimentícios, mas também o acesso a eles são fragilizados pelos eventos extremos que perturbam os sistemas agrícolas (HLPE, 2012).

Análise dos Sistemas Agrícolas através de uma Tipologia

10Como a interconexão entre alimentação e atividades agrícolas é importante no Lago Grande do Curuai, este estudo volta-se, na primeira parte, para os sistemas agrícolas presentes na zona estudada. A fim de facilitar a análise, a classificação e o estudo desses sistemas, uma tipologia foi criada a partir das informações coletadas junto às populações locais. Ela é composta por dez indicadores que permitem determinar quatro sistemas agrícolas típicos.

A Coleta de Dados

11As informações foram coletadas por meio de entrevistas semiestruturadas com agentes locais das comunidades estudadas. Duas categorias de agentes foram selecionadas: os colaboradores chave, pessoas com um conhecimento profundo da vida das comunidades (chefes de comunidades e o presidente da FEAGLE – Federação das Associações de Moradores e Comunidades do Assentamento Agroextrativista da Gleba Lago Grande) e os colaboradores alvo (famílias produtoras, comerciantes e um profissional da saúde) (inspirado em FISCC, 2005).

12A escolha dos colaboradores alvo foi feita de acordo com a amostragem em bola de neve. Esse método consiste em solicitar aos primeiros atores entrevistados, neste caso os colaboradores chave, que indiquem outros informantes potenciais de avançar a questão posta, ou seja os colaboradores alvo (BERTHIER, 2006).

  • 1 Nenhuma entrevista pôde ser aplicada em Piedade. As informações sobre essa comunidade vêm de conver (...)

13Trinta e duas entrevistas foram feitas: quatro com os colaboradores chave (o presidente da FEAGLE e os chefes das comunidades de Piraquara, Soledade e Terra Preta1) e 28 com os colaboradores alvo (23 com as famílias agricultoras, quatro com comerciantes e uma com um profissional da saúde) (Figura 3).

Figura 3: Entrevistas conduzidas com os colaboradores chave e alvo, de acordo com a amostragem de bola de neve.

Figura 3: Entrevistas conduzidas com os colaboradores chave e alvo, de acordo com a amostragem de bola de neve.

Tipologia dos Sistemas Agrícolas

14A elaboração das tipologias é um dos métodos mais utilizados para compreender a organização e o funcionamento da agricultura em sua grande diversidade (DEFFONTAINES e PETIT, 1985; PERROT e LANDAIS, 1993; COCHER e DEVIENNE, 2006). A tipologia dos sistemas agrícolas busca identificar diferenças entre os sistemas, assim como sua organização em tipos semelhantes, que apresentem um funcionamento e uma combinação de atividades similares (SOUSA, 2006).

15Para construir a tipologia, os indicadores e os valores-limite foram definidos a partir das principais atividades agrícolas observadas. Os indicadores, relativamente simples, baseiam-se em elementos estruturais e nas principais orientações de produção dos agricultores. Os valores-limite, adaptados ao Lago Grande do Curuai, são definidos com base nas informações obtidas nas entrevistas e, em seguida, são classificados em três categorias: forte, médio e fraco (TRITSCH, 2008) (Tabela 1).

Tabela 1: Categorias de agregação dos indicadores escolhidos e dos valores-limite utilizados

Valores-limite

Atividade

Indicador

Forte

Médio

Fraco

Agricultura

Área total de plantações de mandioca

< 2 ha

1-2 ha

> 1 ha

Regularidade da venda da farinha de mandioca

Muitas vezes por mês

Muitas vezes por semestre

Muitas vezes por ano

Força de trabalho dedicada para a cultura da mandioca

Casais + filhos

Casais

Apenas um do casal

Criação

Rebanho

> 60 cabeças

10-60 cabeças

< 10 cabeças

Área de pastagens em terra firme

> 20ha

5-20 ha

< 5ha

Número de cabeças vendidas por ano

> 10 cabeças

3-10 cabeças

< 3 cabeças

Caça

Regularidade da caça

Muitas vezes por semana

Muitas vezes por mês

Muitas vezes por ano

Colheita

Regularidade da colheita

Muitas vezes por semana

Muitas vezes por mês

Muitas vezes por ano

Pesca

Regularidade da pesca

Muitas vezes por semana

Muitas vezes por mês

Muitas vezes por ano

Regularidade da venda da pesca

Muitas vezes por semana

Muitas vezes por mês

Muitas vezes por ano

16Após a definição dos indicadores e dos valores-limite que permitem distinguir as principais atividades agrícolas, as informações relativas a cada família entrevistada são inseridas na tabela. Para cada uma das famílias um identificador foi associado (de zero a 23). A atribuição dos agricultores a um sistema agrícola típico é feita através da semiologia gráfica e da matriz ordenável de Bertin (BERTIN, 1980). Esse método já foi utilizado para a elaboração de uma tipologia dos sistemas agrícolas amazonenses (TRITSCH, 2008). Uma cor é definida para cada dado qualitativo: o vermelho para o forte, o laranja para o médio e o amarelo para o fraco. Uma cor foi atribuída para cada indicador em todas as enquetes. As famílias agricultoras semelhantes, cujos indicadores têm cores similares, são, em seguida, reagrupadas segundo as variáveis visuais de Bertin.

17A visualização gráfica da tipologia (Tabela 2) permite definir quatro grandes tipos de sistemas agrícolas: o sistema de piscicultura diversificada (35% das famílias produtoras), o agroflorestal (26%), o agropastoril (22%) e o de agricultura especializada (13%).

Tabela 2: Visualização gráfica da tipologia dos sistemas agrícolas pela matriz ordenável de Bertin.

Tabela 2: Visualização gráfica da tipologia dos sistemas agrícolas pela matriz ordenável de Bertin.

Sistema de indicadores da segurança alimentar adaptado aos sistemas agrícolas do Lago Grande do Curuai

18A partir das informações coletadas junto aos atores locais e dos indicadores da tipologia dos sistemas agrícolas, um sistema de indicadores da segurança alimentar foi elaborado. Seu objetivo é mensurar, através de uma nota, a segurança alimentar nos sistemas agrícolas definidos. Ele é baseado no conceito de segurança alimentar, mas é adaptado à zona de estudo, tendo em mente, principalmente, os pilares da disponibilidade e do acesso, traduzidos sobretudo pela capacidade de autoconsumo e de compra de gêneros alimentícios. Os critérios e os indicadores propostos fundamentam-se em referências bibliográficas sobre segurança alimentar (em especial, FISCC, 2005; Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas – PMA, 2005; ACF, 2010; PMA, 2009; Food Security cluster, 2014). Eles são, porém, adaptados à realidade do Lago Grande do Curuai.

Avaliação Segundo o Método PCI

19O sistema de indicadores é elaborado segundo o método Princípio, Critérios, Indicadores (VALETTE et al., 2010) – meio de coleta, de hierarquização e de organização de informações que visa facilitar a avaliação e divulgação de um objeto complexo dado (MANDONZA e MACOUN, 2000; FNCIVAM, 2008). É um método usado para a avaliação da durabilidade de práticas em aquicultura (VALETTE et al., 2010), para a gestão de florestas (MANDONZA e MACOUN, 2000; LESCUYER, 2002), assim como para a avaliar a durabilidade dos recursos naturais do Lago Grande do Curuai (BOMFIM, 2016). Neste estudo, ele é adaptado à segurança alimentar, considerando-se as condições e particularidades da zona em questão.

20A base do método Princípio, Critérios, Indicadores é o encadeamento lógico do(s) princípio(s), dos critérios e dos indicadores. Um princípio é descrito como uma fundamentação que legitima os critérios e os indicadores. Os critérios precisam a significação e o sentido do princípio, sem, no entanto, serem uma medida real. Eles são níveis intermediários que integram a informação fornecida pelos indicadores, e o princípio constitui o ponto final dessa integração. Os indicadores correspondem às variáveis ou componentes do sistema estudado. Eles veiculam uma única informação que agrega um ou mais desses dados, os quais chamaremos de parâmetros (MANDONZA e MACOUN, 2000; LESCUYER, 2002; VALETTE et al., 2010).

21O princípio escolhido é: a mudança climática influencia os sistemas agrícolas que impactam sobre a segurança alimentar (DRAPEAU et al., 2011; HLPE, 2012; FAO, 2008; SALAS e MELIA, 2015) (Figura 4). Desse princípio, decorrerão três critérios:

22As disponibilidades alimentares dependem dos sistemas agrícolas e alimentares;

23O acesso aos gêneros alimentícios depende da capacidade econômica e de autoconsumo dos indivíduos;

24O consumo alimentar depende dos sistemas agrícolas e alimentares.

25Desses critérios, decorrerão os indicadores, resultantes de uma análise multicritérios para classificação, que permite separar os indicadores escolhidos de acordo com sua pertinência, sua facilidade de cálculo e sua adaptabilidade à zona de estudo. São sete:

26Disponibilidade de farinha de mandioca;

27Disponibilidade de frutas e legumes;

28Disponibilidade de proteínas animais;

29Alimentação na renda familiar;

30Acesso ao mercado;

31Acesso aos recursos;

32SCA.

33Os parâmetros utilizados para a elaboração dos indicadores vêm, em geral, da tipologia dos sistemas agrícolas.

Figura 4: Mudança climática e sistemas agrícolas

Figura 4: Mudança climática e sistemas agrícolas

Um Princípio, Três Critérios e Sete Indicadores

Critério 1: A disponibilidade alimentar depende dos sistemas agrícolas e alimentares

34Segundo o PMA, “as disponibilidades alimentares são os alimentos à disposição, na zona estudada, oriundos da produção interna em todas suas formas, das importações e do auxílio-alimentação” (2009). No contexto da zona estudada, a produção local e as importações de alimentos são especialmente levadas em conta. O primeiro critério considera a disponibilidade de três elementos essenciais da nutrição: os carboidratos, as fibras e as proteínas. As principais fontes desses elementos são identificadas (a farinha, as frutas e legumes e o peixe) durante as entrevistas, assim como sua quantidade disponível ou sua presença nos meios observados (doméstico e comercial). O auxílio-alimentação e os estoques não são considerados, pois não são significativos.

Indicador 1: Disponibilidade da Farinha de Mandioca

35A farinha de mandioca é um alimento de base presente nas refeições da grande maioria dos habitantes e é amplamente autoconsumida. Esse indicador busca determinar se a produção doméstica de farinha é suficiente para atender às necessidades da família produtora – a produção se reflete em um rendimento anual familiar. Ele mensura a quantidade de farinha disponível para o autoconsumo durante um ano, além de sua disponibilidade nos comércios locais.

Indicador 2: Disponibilidade de Frutas e Legumes

36No decorrer das entrevistas, a falta desses alimentos e as carências ligadas a ela foram evidenciadas pelos habitantes da zona de estudo. A disponibilidade de frutas e legumes é avaliada em dois níveis: a produção doméstica e sua importação pelo comércio local, fonte principal desse gênero alimentício na região. Para a produção doméstica, o indicador mostra se a disponibilidade existe (plantações de legumes, pomares, hortas, regularidade da prática de colheita) e se ela é estável durante todo o ano. Para o comércio local, o indicador mostra se os produtos disponíveis são diversificados e se estão presentes durante todo o ano. Assim, esse indicador revela se existe uma variedade de frutas e legumes de maneira regular na zona de estudo.

Indicador 3: Disponibilidade de Proteínas de Origem Animal

37Como para o indicador anterior, a disponibilidade de proteínas de origem animal é avaliada pela produção doméstica e comercial. A produção doméstica é medida pela regularidade das atividades de caça e pesca e pelos rendimentos do peixe, fonte proteica importante para todas as famílias. A regularidade de autoconsumo é igualmente considerada. Quanto ao comércio, o indicador mostra se os produtos disponíveis são diversificados e se seu abastecimento é frequente.

Critério 2: O acesso aos gêneros alimentícios depende da capacidade econômica e de autoconsumo

38Ainda de acordo com o PMA, “Acesso de qualquer um aos recursos necessários para poder adquirir os alimentos essenciais para um regime alimentar nutritivo. Esses recursos podem compreender tanto os recursos monetários, quanto os direitos de acesso necessários para a produção dos alimentos.” (2009). O segundo critério leva em conta o acesso monetário, o acesso físico e a possibilidade de produção com o acesso aos recursos, que parecem os mais bem adaptados à zona de estudo. O acesso monetário é indispensável para alguns produtos; o acesso físico remete à falta de infraestrutura e à dificuldade de deslocamento; finalmente, a possibilidade de produção refere-se à possibilidade de autoconsumo e venda (FAO, 2002).

Indicador 4: A Parte da Alimentação no Orçamento

39A parcela da alimentação no orçamento permite avaliar se os gêneros alimentícios são financeiramente acessíveis para as famílias. No Brasil, assim como na França, ela ocupa cerca de 16% (INPEA, 2007; INSEE, 2006) e fica entre 30 e 50% no caso das famílias abaixo da linha de pobreza (CAILLAVET et al., 2006). Nos países em desenvolvimento, a partir de 75% pode ser sinônimo de insegurança alimentar (PMA, 2014). Esse indicador permite avaliar se os gêneros alimentícios são financeiramente acessíveis para as famílias. A precisão do sistema de cálculo permite levantar a variação de muitos parâmetros, como o preço de certos tipos de alimento ou a quantia de animais vendidos.

Indicador 5: Acesso ao Comércio Local

40Esse indicador visa destacar a acessibilidade ao comércio para a compra e venda em função da qualidade das infraestruturas e do preço do transporte. De mesmo modo, identifica a variabilidade do preço da farinha e das proteínas animais conforme a estação. A possibilidade de venda da produção a compradores externos é também relacionada.

Indicador 6: Acesso aos Recursos

41O indicador de acesso aos recursos possibilita avaliar se as famílias produtoras têm acesso suficiente aos recursos necessários para produzir gêneros alimentícios para autoconsumo. Os recursos que permitem uma atividade agrícola são equivalentes, nesse indicador, à terra (área agrícola disponível calculada pelo tempo de pousio e o tempo de cultivo em terra firme disponível), às áreas de atividade agrícola (espaços comunitários ou privados, regulamentação) e à tecnologia, crédito e especialização. A terra está no centro desse indicador por ser um dos recursos mais importantes para a agricultura, enquanto a limitação de acesso à terra é, frequentemente, agente de insegurança alimentar (FAO, 2002). Com a ausência de irrigação, o parâmetro de acesso à água não pode ser considerado.

Critério 3: O consumo alimentar depende dos sistemas agrícolas e alimentares

42O consumo alimentar retoma os conceitos de salubridade, de nutrição e de hábitos socioculturais ligados à alimentação (PMA, 2009). Sendo esse critério um dos pilares da segurança alimentar, ele é aqui considerado através do indicador SCA (do francês, Escore de Consumo Alimentar).

Indicador 7: SCA

43O SCA é um indicador utilizado pelo PMA (PMA, 2009) que leva em conta o valor nutricional dos alimentos consumidos pela família. Ele é calculado a partir dos grupos de alimentos e da frequência com que são consumidos em uma semana (PMA, 2009). O SCA baseia-se na diversidade do regime alimentar (número de grupos de alimentos consumidos por uma família em um período de referência), na frequência de consumo (número de dias durante o qual um grupo de alimentos determinados foi consumido em um período de referência) e na importância nutricional relativa a diferentes grupos de alimentos. Contudo, o escore relaciona apenas o consumo de uma semana e não reflete as variações sazonais (NDDIAYE e VAM, 2014).

44Foram aplicadas 23 entrevistas diretivas de cerca de dez minutos nas comunidades de Piraquara, Soledade e Terra Preta para investigar diretamente o consumo alimentar das famílias.

Uma escala de valores combinando os indicadores para avaliar a segurança alimentar

45O objetivo do sistema de indicadores é propor uma nota para a segurança alimentar de uma família agricultora. Essa nota permite visualizar facilmente o estado de segurança alimentar em que se encontra a família estudada, ao considerar, em especial, os pilares da disponibilidade e do acesso aos gêneros alimentícios.

46Cada indicador recebe uma nota; a nota final da segurança alimentar, por sua vez, é obtida através da média das notas dos indicadores. Nenhuma ponderação complementar é feita, porque se considera que todos os indicadores têm a mesma importância. Entretanto, uma ponderação é feita automaticamente no nível dos critérios, que não são todos compostos pelo mesmo número de indicadores. Os critérios que tratam da disponibilidade e do acesso aos gêneros alimentícios têm, cada qual, três indicadores, enquanto o que aborda o consumo alimentar tem apenas um. O consumo alimentar não é o objeto principal deste estudo e é apenas representado pelo SCA. A nota final é apresentada em uma escala discreta de zero a oito, elaborada por peritos (Tabela 3).

Tabela 3: Escala de percepção avaliativa da segurança alimentar de zero a oito

Tabela 3: Escala de percepção avaliativa da segurança alimentar de zero a oito

47A escala escolhida, numérica, é composta por nove pontos e, em comparação com escalas contendo menos pontos (cinco ou sete), permite uma maior precisão na avaliação. Além disso, tem a vantagem de dividir a avaliação em três classificações equilibradas: insegurança alimentar, sensibilidade à segurança alimentar (requer uma vigilância especial) e segurança alimentar sólida. Zero significa insegurança alimentar severa, enquanto oito, segurança alimentar e 4, neutralidade.

48Essa escala de medida permite, de forma ímpar, posicionar o estado de segurança alimentar de maneira neutra na medida mediana da escala. Uma cor é associada a cada número, com um dégradé vermelho de zero a três e um azul de cinco a oito, o que possibilita uma divisão visual e simplifica a compreensão da escala de valores.

De um sistema de indicadores à criação de um sistema de ajuda para a simulação de cenários evolutivos

49O sistema de indicadores é composto de inúmeras variáveis que influenciam as notas obtidas por eles e assim a nota final de segurança alimentar. Cenários foram imaginados com o objetivo de utilizar a grande maleabilidade do sistema de indicadores, assim como de ressaltar a importância de certas variáveis e as consequências induzidas pelos eventos extremos na segurança alimentar. A fim de facilitar a produção de cenários, um sistema de ajuda para simulação, baseado no sistema de indicadores, foi criado.

50Dois cenários foram estudados: o da continuidade e o com importantes eventos extremos. O primeiro cenário dá conta do estado atual do Lago Grande do Curuai. As informações próprias a cada família agricultora entrevistada foram inseridas no sistema de ajuda para simulação, conforme foram observadas (práticas agrícolas, terreno, situação econômica, etc.). Desse modo, para cada ator foi atribuída uma nota da segurança alimentar segundo a escala de valores apresentada (de zero a oito), ilustrando a situação observada no estudo de campo. O cálculo é feito para cada família e, em seguida, comunicado ao sistema agrícola graças à tipologia.

51O segundo cenário destaca a ocorrência de eventos climáticos e antropogênicos extremos (secas, cheias intensas e sobrepesca). As mudanças levadas em consideração provêm de dois estudos sobre a percepção das mudanças agrícolas induzidas pela mudança climática (HAENTJENS, 2014; ROUSSEL, 2015), assim como informações coletadas durante as entrevistas (sobretudo com os chefes das comunidades) (Tabela 4). Esse cenário visa demonstrar o impacto de eventos extremos ligados à mudança climática (a sobrepesca se deve a dificuldade dos agricultores em praticar a agricultura e a criação de gado, voltando-se para a pesca (ROUSSEL, 2015)) sobre a segurança alimentar. Ele objetiva também compreender quais são os sistemas agrícolas mais afetados e por quê.

Tabela 4: Principais mudanças efetuadas no cenário 2

Mudanças

Bibliografia

Diminuição de 10% dos rendimentos da mandioca

HAENTJENSE, 2014; entrevistas de campo

Impossibilidade de cultivar hortas familiares

HAENTJENSE, 2014

Aumento de 30% da mortalidade de vacas causada pela diminuição da disponibilidade de pastagem

HAENTJENSE, 2014

Diminuição de 30% dos rendimentos da pesca

ROUSSEL, 2015

Aumento de 100% do preço do peixe

Entrevistas de campo

Aumento de 30% do preço da pastagem artificial

HAENTJENSE, 2014

Aumento de um mês no tempo de presença do rebanho em terra firme

HAENTJENSE, 2014

Fonte: Haentjens, 2014; Roussel, 2015; Entrevistas de campo.

Avaliação do impacto da mudança climática sobre a segurança alimentar

52O cenário de continuidade externo a eventos extremos

53O sistema de indicadores, de mesmo modo que o sistema de ajuda para a simulação, foram nivelados para a família agricultora. Para obter uma nota da segurança alimentar dos sistemas agrícolas, a média das notas das famílias produtoras que compõem o sistema típico é calculada. A primeira simulação permite obter uma nota da segurança alimentar, sem a presença de eventos extremos, para quatro sistemas agrícolas identificados. As notas variam de 4,5 a seis, com um desvio-padrão de 0,44, o que demonstra uma fraca dispersão das notas (Tabela 5).

  • 2 µ = mediano; s.d. = desvio-padrão.

54Os sistemas agroflorestais (µ2 = 4,74 s.d. 0,40), de agricultura especializada (µ = 4,52 s.d. 0,16) e agropastoril (µ = 4,80 s.d. 0,30) são classificados pelo sistema de indicadores com tendência à segurança alimentar. O sistema agroflorestal, voltado principalmente para a produção de mandioca, caracteriza-se por ampla disponibilidade de farinha (µ = 8,00) e média disponibilidade de frutas e legumes (µ = 3,67 s.d. 0,44). A disponibilidade de proteínas animais é, porém, fraca (µ = 1,83 s.d. 0,83), dado o distanciamento do lago. A parcela da alimentação na renda familiar é mediana (µ = 3,50 s.d. 1,67 correspondente a 45-55%), significando rendimentos médios. O acesso ao comércio local é o pior dos quatro sistemas agrícolas (µ = 3,00 s.d. 1,00) e o acesso aos recursos é relativamente bom (µ = 5,17 s.d. 0,56).

55O sistema de agricultura especializada recebe a nota µ = 4,52 s.d. 0,16. Segundo a tipologia, esse sistema é voltado sobretudo para as produções vegetais, especialmente a mandioca. No entanto, nota-se que o indicador da disponibilidade em farinha de mandioca não atinge uma nota elevada (µ = 3,00 s.d. 3,33). O alto desvio-padrão sugere disparidades entre as agriculturas e nuança a fiabilidade da nota. A disponibilidade de frutas e legumes, oriundos unicamente do comércio, é mediana (µ = 4,00), assim como a parte da alimentação na renda familiar (µ = 4,67 s.d. 1,11), o acesso ao comércio (µ = 4,33 ; s.d. 0,44). O acesso aos recursos é relativamente bom (µ = 5,33 s.d. 1,11).

56O sistema agropastoril, por sua vez, recebe a nota µ = 4,80 s.d. 0,30. Uma disponibilidade muito boa de farinha é observada (µ = 8), mesmo que seja nuançada por um desvio-padrão elevado (σ = 3,33). As notas dos outros indicadores são medianas e o acesso às proteínas de origem animal é relativamente fraco (µ = 2,20; s.d. 0,44), em razão do distanciamento do lago. Já o sistema de piscicultura obtém a nota mais elevada dos quatro sistemas agrícolas, com µ = 5,86 s.d. 0,82, o que o coloca, de acordo com o sistema de indicadores, em princípio de segurança alimentar. Sua disponibilidade de proteínas animais é a mais significativa µ = 5,86 s.d. 0,82 devido ao forte autoconsumo de peixe vindo da pesca. O indicador sobre o espaço da alimentação na renda familiar recebe uma boa nota (µ = 5,88 s.d. 1,68 para 14 a 25%), demonstrando melhores rendimentos do que outros sistemas. As famílias que os compõem são, em sua maioria, originárias de Piraquara, a comunidade mais desenvolvida e que conta com a maior parte do comércio local, com um bom acesso a ele (µ = 6,75 s.d. 1,87).

Tabela 5: Notas dos indicadores obtidos no cenário 1 em função dos sistemas agrícolas resultantes da tipologia

Tabela 5: Notas dos indicadores obtidos no cenário 1 em função dos sistemas agrícolas resultantes da tipologia

57Todos os sistemas agrícolas típicos são afetados pelos eventos extremos (-9% para os sistemas agroflorestal e de agricultura especializada; -8% para o sistema de psicultura). O sistema agropastoril, porém, é o mais afetado (-16%) (Tabela 6).

58A nota do indicador sobre a disponibilidade de frutas e legumes diminuiu para os quatro sistemas agrícolas (entre -17 e -28% com um desvio-padrão de σ = 0,04). A disponibilidade de proteínas animais diminuiu mais significativamente para o sistema de agricultura especializada (-43%) e para o sistema agropastoril (-27%). Estes não têm acesso nem à pesca, nem à caça para suprir suas necessidades proteicas e são dependentes da compra de peixe. Com a diminuição dos rendimentos da pesca, eles podem ter dificuldades.

59A parte da alimentação na renda familiar é bastante afetada nos quatro sistemas (-24% para o agroflorestal; -29% para o de agricultura especializada; -56% para o agropastoril; -28% para o de psicultura). A principal fonte de renda das famílias dos sistemas agroflorestal e de agricultura especializada é a produção de mandioca, a qual é pouco afetada pelos eventos extremos (essa raiz é muito resistente à seca). A diminuição da nota desse indicador vem do aumento do custo alimentar (o peixe particularmente) e não de uma baixa nos rendimentos. Em contrapartida, para o sistema agropastoril, a diminuição do tempo de pastagem disponível em terra firme obriga a maioria dos criadores a arrendar outras pastagens com preços altos durante muitos meses. Esse ônus extra, associado à alta nos preços do peixe, explica o forte aumento da parte da renda dispensada à alimentação (de 45-55% a 65-75%). No fim do ano, a totalidade dos criadores veem suas atividades no negativo, o que influencia bastante sua renda e, portanto, sua capacidade de comprar comida. Para o sistema de piscicultura, a baixa na produção não é compensada pelo aumento do preço do peixe, explicando uma maior oneração da renda familiar pela alimentação (de 25-35% a 45-55%). O subsistema piscipastoril é duplamente afetado pela crise e assim amplifica o impacto dos eventos extremos sobre o sistema de piscicultura diversificada.

60Por fim, para o sistema agropastoril, que depende do acesso ao comércio local para seu rendimento anual, esse indicador é afetado pela baixa generalizada das rendas das famílias produtoras (-30%).

Tabela 6: Evolução das notas dos indicadores obtidas a partir dos cenários um e dois, em conformidade com os sistemas agrícolas provenientes da tipologia

Tabela 6: Evolução das notas dos indicadores obtidas a partir dos cenários um e dois, em conformidade com os sistemas agrícolas provenientes da tipologia

Conclusão

61Há uma relação real entre os sistemas agrícolas e alimentares do Lago Grande do Curuai. As entrevistas feitas com os atores locais mostraram que as famílias produtoras dependem dos recursos naturais para sua sobrevivência através da pesca, da caça e da colheita e para sua capacidade de produzir gêneros alimentícios, muito mais destinados a seu próprio consumo do que à venda. A fim de melhor compreender o funcionamento dos sistemas agrícolas, uma tipologia foi elaborada. Ela permitiu identificar quatro sistemas típicos: o sistema agroflorestal, o agropastoril, o de agricultura especializada e o de piscicultura diversificada.

62Por efeito das informações coletadas na zona de estudo, um sistema de indicadores da segurança alimentar foi elaborado, seguindo o método PCI, que se baseia principalmente em dois pilares da segurança alimentar: a disponibilidade e o acesso aos gêneros agrícolas. Simulações realizadas através de um sistema de ajuda para simulação, inspirado no sistema de indicadores, mostraram que os eventos extremos, sobretudo os de ordem climática, impactam negativamente o estado de segurança alimentar nos sistemas agrícolas analisados. O estudo aponta que o sistema agropastoril, ligado à criação bovina, é o mais afetado pelos eventos extremos. Os custos gerados pelo arrendamento de pastagens em terra firme dificilmente estão dentro das possibilidades dos criadores, interferindo muito em seus rendimentos e, desse modo, em sua capacidade de comprar comida.

63Porém, mesmo com eventos extremos acentuados e com coocorrência, os agricultores dos sistemas agrícolas típicos encontram-se sempre em estado de segurança alimentar, mais ou menos sensível. A diversidade de recursos (lago, floresta, terras agrícolas), mas também as atividades remuneradas (comércio, serviço público, criação de gado, cultura de vegetais, pesca, subsídios, entre outros) proporcionam uma certa solidez aos sistemas. A renda das famílias produtoras depende, em geral, de muitas atividades agrícolas, como a pesca, a criação de gado e a cultura de mandioca. Poucos agricultores são especializados em algum tipo de produção, o que lhes permite diminuir os riscos para casos de eventos extremos. Notemos que essa diversidade de recursos e de atividades remuneradas pode compensar a real fragilidade da criação de gado.

64Se o Lago Grande do Curuai pode ser considerado como um excelente laboratório para testar a perenidade da abordagem metodológica, a questão de sua representatividade persiste. Esse local foi escolhido por ser uma das maiores planícies de inundação da Amazônia e por ser acompanhado pela comunidade científica há muito tempo, fornecendo inúmeros dados (imagens de satélite, amostras da biodiversidade, questionários e relatórios notadamente). Por fim, os conhecimentos adquiridos no local através de pesquisas sucessivas permitiram validar a pertinência dos resultados metodológicos, sem, contudo, confirmar a representatividade dos comportamentos locais no que tange à segurança alimentar em relação às regiões vizinhas.

65A continuidade da avaliação da segurança alimentar (água inclusa) é possível, já que compreende um domínio ainda pouquíssimo estudado nessa região amazonense sujeita à mudança climática. Essa questão da segurança alimentar deve ser entendida em paralelo com as mudanças no modo de vida que sofrem as populações locais (chegada da eletricidade, em 2008, no Lago Grande do Curuai, construção da Rodovia Translago, etc.), em um contexto, cada vez mais, marcado pela globalização e pela industrialização (chegada de alimentos do tipo fastfood e produtos alimentares muito modificados por exemplo). A agricultura de exportação, de criação extensiva, assim como a indústria de minérios têm, mais e mais, consequências nocivas sobre a agricultura familiar de subsistência, sobretudo por meio do acesso imobiliário e da poluição dos recursos naturais, o que pode repercutir na segurança alimentar dos habitantes. A coexistência desses dois modelos continua sendo possível na Amazônia?

66O seguimento a este estudo pode levar à realização de ações concretas por parte de ONGs, ou a um estímulo do envolvimento do governo brasileiro no apoio aos pequenos agricultores familiares de planícies de inundação amazonenses, mostrando quais são os elementos frágeis dos sistemas de produção atuais.

Haut de page

Bibliographie

A.C.F. Evaluation de la sécurité alimentaire et des moyens d’existences, guide pratique pour le terrain. Paris, ACF International, 279p., 2010.

Berthier N. Les techniques d’enquête en sciences sociales. Paris, Armand Colin Editions, 352p., 2006.

Bertin J. « Traitements graphiques et mathématiques. Différence fondamentale et complémentarité ». Mathématiques et Sciences Humaines, Paris, n.72, p. 60-71, 1980

Bomfim E., Bonnet M.P., Boaventura G.R., Santos Mulholland D., Nogueira I., Peres L.G.M., Ratie G., Garnier J., Marques D.M., Laques A.E./ IRD. « Trophic state index validation against phytoplankton functional groups in Amazonian floodplains lakes: a preliminary step towards a satellite-based monitoring system. » [Document interne à l’IRD]. 26p., 2016.

Bonnet M. P./ I.R.D. Resultados do projeto Clim-Fabiam - Hidrologia : tendências nos últimos 30 anos. [Document interne à l’IRD]. 22p., 2015.

Bourgoin M. L., Bonnet M. P., Martinez J. M., Kosuth P., Cochonneau G., et alii. « Temporal dynamics of water and sediment exchanges between the Curuaï floodplain and the Amazone River, Brasil ». Journal of Hydrology, n.335, p. 140-156, 2007.

Caillavet F., Darmon N., Lhuissier A., Regnier F. « L’alimentation des populations défavorisées en France, synthèse des travaux dans les domaines économiques, sociologique et nutritionnel ». In : ONPES. L’alimentation des populations défavorisées comme dimension spécifique de la pauvreté en France. Paris : Les Travaux de l’Observatoire, 2006. pp. 279-322.

Cochet H., Devienne S. « Fonctionnement et performances économiques des systèmes de production agricole : une démarche à l’échelle régionale ». Cahiers Agricultures, n.15, p. 578-583, 2006.

Deffontaines J.P., Petit M. « Comment étudier les exploitations d’une région ». In : Présentation d’un ensemble méthodologique - Etudes et recherches. Montpellier : INRA Editions, 1985, pp 47-53.

Drapeau G., Mering C., Ronchail J., Filizola N., « Variabilité hydrologique et vulnérabilité des populations du Lago Janauaca (Amazonas, Brésil) ». Confins, n.11, (2011) http://confins.revues.org/6904
DOI : 10.4000/confins.6904

F.A.O. Agriculture, alimentation et nutrition en Afrique : un ouvrage de référence à l’usage des professeurs d’agriculture. Rome, FAO Editions, 411p., 2002.

F.A.O. « Climate change, water and food security ». In : FAO. High-Level Conference on World Food Security: the Challenges of Climate Change and Bioenergy, Rome : FAO Edition, 2008.

F.A.O. « L’Accord décisif sur le climat reconnaît la sécurité alimentaire comme une priorité ». F.A.O., Rome, 12.12.2015. http://www.fao.org/news/story/fr/item/358438/icode

F.I.S.C.C. Comment évaluer la sécurité alimentaire ? Guide pratique pour les sociétés nationales africaines. Genève, FISCC, 76p., 2005.

F.N.C.I.V.A.M. Indicateurs de résultats en agriculture durable. Mesures et indicateurs en agriculture durable. Paris, CIVAM Editions, 10p., 2008.

Food security cluster, Indicateurs de base proposés par le Cluster sécurité alimentaire. Rome, FSC Editions, 4p., 2014.

Garcia L. Dinâmicas da paisagem no bioma Amazônia: ecologia de paisagens e geografia como ferramentas de análise e compreensão. Qualificação de estrada. Brasilia : Universidade de Brasilia, 56p., 2015.

Haentjens E. Transition vers une gestion durable des ressources des plaines inondables du bassin amazonien. Mémoire de fin d’études d’Ingénieurs. Cergy, 2014. Mémoire de fin d’étude d’Ingénieur, Istom., 2014.

H.L.P.E. « Sécurité alimentaire et changement climatique ». In : HLPE. Rapport du Groupe d’experts de haut niveau sur la sécurité alimentaire et la nutrition du Comité de la sécurité alimentaire mondiale. Rome : HLPE Editions, 2012.119p.

I.N.P.E.A. Gasto e consumo das familias brasileiras contemporâneas. Brasilia, INPEA Editions, 552 p., 2007.

I.N.S.E.E. « Consommation : l’alimentation en tête pour les plus modestes, le transport pour les plus aisés ». Economie de la Réunion, n.133, p. 20-23, 2009.

Lescuyer G. « Versunsystèmemondial de PrincipesCritèresIndicateurspourlagestionforestière ». Bois et forêts des tropiques, n.272, p. 2, 2002.

Mendoza G., Macoun P. « Application de l’analyse multicritère à l’évaluation des critères et indicateurs ». In : CIRAD, CIFOR. Manuel de critères et indicateurs pour la gestion durable des forêts. Montpellier : CIRAD Editions, 2000. pp 80-84.

Nddiaye M., Vam O. « Indicateurs de la sécurité alimentaire ». In : PAM. Intégrer les programmes de nutrition et de sécurité alimentaire en situation d’urgence et pour le renforcement de la résilience, Atelier Régional de Formation, Saly, 10-12 Juin 2014. Saly : PAM Editions, 27p.

P.A.M. Manuel d’évaluation de la sécurité alimentaire en situation d’urgence. Rome, ODAN Editions, 210p., 2005.

P.A.M. Manuel d’évaluation de la sécurité alimentaire en situation d’urgence, deuxième édition. Rome, PAM Editions, 358p., 2009.

P.A.M. Enquête de mise à jour des indicateurs de la sécurité alimentaire au Mali. Rome, PAM Editions, 49p., 2014.

Perrot C., Landais E. « Exploitationsagricoles : pourquoipoursuivrelarecherchesurlesméthodestypologiques ». Les cahiers de la Recherche-Développement, n.33, p. 13-23, 1993.

Roussel J. La modélisation d’accompagnement : outil pour scénariser les évolutions de la qualité de l’eau, et de la population de poissons d’une plaine d’inondation. Cergy, 2015. Mémoire de fin d’études d’Ingénieur - Istom.

Salas y melia D. « Pourquoi le climat change-t-il ? » Biofutur, n.371, p. 20-25, 2015.

Sousa W.P. A dinâmica dos sistemas de produção praticados em uma unidade de conservação de uso direto na Amazônia: a reserva extrativista do rio Cajari no Estudo do Amapa. Belem, 2006. Thèse de master - UFPA, 167p.

Tritsch I. La conservation des forêts tropicales et le maintien des systèmes de production agro-extractivistes. Etude de cas : le PAE Chico Mendes, Acre, Brésil. Toulouse, 2008. Mémoire de fin d’étude d’Ingénieur - E.I. Purpan.

Valette H.R., Clement O., Mathe S., Lazard J., Chia E. « Quelques postulats relatifs aux indicateurs de développement durable : l’exemple de l’aquaculture ». Natures Sciences Sociétés, n.18, p. 253-265, 2010.

Haut de page

Annexe

Anexo 1: Sistema de classificação dos indicadores qualitativos de acordo com os valores-limite (forte, médio, fraco) e origem das informações.

Legenda: Cores conforme a origem das informações utilizadas na construção dos indicadores.

Anexo 2: Sistema de classificação dos indicadores quantitativos e origem das informações

Legenda: Cores conforme a origem das informações utilizadas na construção dos indicadores.

Haut de page

Notes

1 Nenhuma entrevista pôde ser aplicada em Piedade. As informações sobre essa comunidade vêm de conversas com os habitantes e de dados coletados pelos membros da equipe do projeto Clim-Fabiam.

2 µ = mediano; s.d. = desvio-padrão.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Esquema metodológico.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19151/img-1.png
Fichier image/png, 500k
Titre Figura 2: Apresentação da zona de estudo, o Lago Grande do Curuai, e as quatro comunidades de seu transecto, Piedade, Piraquara, Soledade e Terra Preta
Crédits Source : Garcia, 2015
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19151/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Figura 3: Entrevistas conduzidas com os colaboradores chave e alvo, de acordo com a amostragem de bola de neve.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19151/img-3.png
Fichier image/png, 61k
Titre Tabela 2: Visualização gráfica da tipologia dos sistemas agrícolas pela matriz ordenável de Bertin.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19151/img-4.png
Fichier image/png, 372k
Titre Figura 4: Mudança climática e sistemas agrícolas
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19151/img-5.png
Fichier image/png, 156k
Titre Tabela 3: Escala de percepção avaliativa da segurança alimentar de zero a oito
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19151/img-6.png
Fichier image/png, 38k
Titre Tabela 5: Notas dos indicadores obtidos no cenário 1 em função dos sistemas agrícolas resultantes da tipologia
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19151/img-7.png
Fichier image/png, 137k
Titre Tabela 6: Evolução das notas dos indicadores obtidas a partir dos cenários um e dois, em conformidade com os sistemas agrícolas provenientes da tipologia
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19151/img-8.png
Fichier image/png, 163k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19151/img-9.png
Fichier image/png, 100k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19151/img-10.png
Fichier image/png, 9,8k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19151/img-11.png
Fichier image/png, 47k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marie Flore Doyen, Anne Elisabeth Laques, Helen Gurgel et Lucas Garcia, « Sistemas agrícolas e sistema de indicadores: avaliação do impacto das alterações climáticas sobre a segurança alimentar numa bacia de inundação da Amazônia », Confins [En ligne], 30 | 2017, mis en ligne le 31 mars 2019, consulté le 30 novembre 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/19151 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.19151

Haut de page

Auteurs

Marie Flore Doyen

École d'ingénieurs de Purpan (Toulouse) et Institut de recherche pour le développement, mf.doyen@gmail.com

Anne Elisabeth Laques

UMR ESPACE-DEV, IRD, anne-elisabeth.laques@ird.fr

Helen Gurgel

LAGAS/Dept de géographie, UnB, helengurgel@unb.br

Articles du même auteur

Lucas Garcia

LAGAS/Dept de géographie, UnB,  lucasgarciamp@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search