Navigation – Plan du site
Projeto de pesquisa

Transformações socioespaciais na aglomeração urbana de Paris : princípios interpretativos e o léxico conceitual na compreensão da produção do espaço

Transformations socio-spatiales dans l’agglomération urbaine de Paris : principes interprétatifs et le lexique conceptuel dans la compréhension de la production de l’espace
Socio-spatial transformations in the urban agglomeration of Paris: interpretative principles and the conceptual lexicon in understanding the production of space
Juliana Nazaré Luquez Viana

Résumés

Les recherches développées à l'Université Paris-Sorbonne IV, sous la supervision du professeur émérite Paul Claval, ont pour objectif d'analyser et de discuter les utilisations et les significations des concepts visant à exprimer les transformations socio-spatiales par lesquelles la ville est en train de passer, ainsi que percevoir l'approche conceptuelle et la perspective méthodologique pour comprendre la réalité urbaine contemporaine. Notre intérêt à combiner l'approche théorique et la perspective méthodologique pour la construction de cadres conceptuels, cherchant à clarifier les transformations socio-spatiales dans le contexte de l'urbanisation en tant que processus historique, était de percevoir les différents rythmes de réalisation. Notre objectif principal tournait autour de la discussion nécessaire sur les concepts qui révèlent la nature et les méandres de la dynamique des transformations socio-spatiales, de nature métropolitaine.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 A pesquisa aqui apresentada cumpriu-se no período de 10 meses.

1A pesquisa desenvolvida na Universidade de Paris-Sorbonne IV, sob a supervisão do Professor Emérito Paul Claval, pretendeu analisar e discutir os usos e os sentidos dos conceitos que visam expressar as transformações socioespaciais pelas quais a cidade vem passando, buscando perceber a abordagem conceitual e a perspectiva metodológica para a compreensão da realidade contemporânea1. Essa realidade, cada vez mais urbanizada, torna-se metropolitana. Cada vez mais espacialmente complexa e conceitualmente obscura em termos explicativos, pois já não mais os mesmos conceitos dão conta de representar os diversos processos. Muitas vezes, e a partir de agora cada vez mais, tem-se feito necessária uma tentativa de explicação do real simultaneamente a uma revisão do arcabouço teórico que herdamos sobre os temas cidade e urbano, urbanização e industrialização, produção e reprodução do capital, metrópole e metropolização.

  • 2 De antemão destacamos alguns desses conceitos: periurbain, suburbanisation, banlieues et péripherie (...)

2Nosso objetivo principal girou em torno da necessária discussão acerca dos conceitos2 que revelam a natureza e os meandros das dinâmicas de transformações socioespaciais, de caráter metropolitano, na fase atual da acumulação do capital. Tal aprofundamento teórico contribuirá para uma visão mais ampla das complexidades metropolitanas contidas no objeto da tese de doutorado.

3Destacamos a importância desse projeto considerando que o ritmo da urbanização mundial vem acirrando o entendimento de pesquisadores, gestores, políticos, investidores, militantes e cidadãos em geral, sobre o tema cidade e urbano. Tema comum a várias áreas do conhecimento e de igual modo tão carente de atualização e constante debate sobre suas possibilidades e limites na prática social. O crescimento acelerado das aglomerações urbanas em vários lugares do globo e a ativação de processos socioespaciais constrangendo estruturas culturais e econômicas aparentemente consolidadas recoloca a todo o tempo o tema na agenda de preocupações teóricas dos pesquisadores.

4A geografia urbana, como campo interessado pela formação do tecido urbano e pelas complexidades do fenômeno urbano através da história, dedica-se a desvelar a multiplicidade das formas e das civilizações urbanas (CLAVAL, 1981). Esse esforço de compreensão da realidade urbana contribuiu para a construção de um léxico conceitual e em escolhas metodológicas diversas. Estamos, pois, interessados em analisar e discutir essa combinação da abordagem teórica e da perspectiva metodológica para a construção de arcabouços conceituais que buscam esclarecer as transformações socioespaciais no contexto da urbanização como processo histórico e com diferentes ritmos de realização.

La démarche

Faire l’histoire d’un mot, ce n’est jamais perdre sa peine. Bref ou long, monotone ou varié, le voyage est toujours instructif. Mais on compte, dans toute grande langue de culture, une dizaine de termes – jamais plus, souvent moins dont le passé n'est pas du gibier d'érudit. Du gibier d'historien, oui, dans toute la force du mot historien. Ces termes, dont le sens, plus ou moins grossièrement défini par les dictionnaires, ne cesse d'évoluer sous la poussée des expériences humaines, nous arrivent grossis, pour ainsi dire, de toute l'histoire qu'ils ont traversée. Seuls, ils permettent de suivre et de mesurer avec une exactitude un peu lente (le langage n'est pas un appareil enregistreur très rapide) les transformations d'un groupe de ces idées maîtresses que l'homme se complaît à croire immobiles, parce que leur immobilité semble garantir sa sécurité (FEBVRE, Lucien et al. apud. DESJARDINS et BEAURICE, 2017).

5Com essa mesma epígrafe Xavier Desjardins e Francis Beaurice (2017) iniciam o trabalho intitulado La ville prise aux mots. Nesse trabalho os autores apresentam como propósito de abordagem “la confrontation des textes vise à informer les débats qui président à toute réflexion sur la ville et à tout projet pour sa transformation” (p. 13). Desjardins e Beaucire convidam a repensar a questão urbana a partir das qualificações e adjetivações atribuídas ao conceito (ou a noção) de cidade. O interesse dos autores em contribuir no debate teórico do conceito de cidade parece surgir com a percepção de que “pas un auteur (ou presque) ne se risque (plus) à publier un ouvrage sur la ville sans l’assortir d’un qualificatif” (p. 10). Essa percepção produziu uma questão a ser analisada pelos autores: “de la ville à la ville sans qualités jusqu'à la ville assiégée de qualificatifs, que s'est-il passé?(p. 11).

6Para responder a essa questão os autores recorrem às pesquisas no domínio da geografia e da sociologia desde o final do século XIX até os dias atuais, identificando algumas rupturas importantes no tempo e no espaço acerca do pensamento sobre a cidade: os anos 1920, o período entre-guerras, os anos 1960, os anos 1990, e os trabalhos das duas primeiras décadas do século XXI (DESJARDINS e BEAURICE, 2017, p.10-11).

7A contribuição de Desjardins e Beaurice, nos coloca em diálogo não só com a literatura internacional sobre a cidade, o pensamento sobre a cidade e suas transformações, como também nos aproxima da obra do geógrafo francês Guy Burgel que, segundo os autores

La ville prise aux mots fait écho au chapitre que Guy Burgel a consacré à un siècle de pensée géographique sur la ville dans le Essais critiques sur la ville où, reprenant dans une partie consacrée aux mots et aux approches de la ville la façon dont les sciences sociales abordent le concept de ville, il relève « certainement que la ville est toujours plus riche que les mots qui la définissent, les explications qui la décrivent, les plans qui la projettent ».

8Burgel apresenta em seus trabalhos uma preocupação teórica sobre a cidade e a realidade urbana (1993, 2015a, 2015b). Para autor é preciso avançar para além dos temas e considerar que “la fameuse crise de la ville était avant tout une crise de nos idées sur la ville“, dessa forma, “il fait d’abord passer en revue, légitimer et relativiser les définitions classiques de la ville“ (2015b, p. 7).

9Para Burgel o período atual consiste em três modos de cidades que se sobrepõe na realidade concreta, tanto no Sul quanto no Norte, desde a metade do último século: la ville fermée, la ville réseau e la ville totale (idem, p. 8). A cidade e a realidade urbana são cada vez mais concretas, entretanto, precisam ser lidas “sur les representations de l’espace” (idem, p. 8). É, inclusive, nessas tentativas de leituras e abordagens sobre as representações do espaço que se abrem os caminhos teóricos, metodológicos, técnicos e de ações coletivas.

10Em contato com a obra de Burgel encontramos a mesma preocupação teórica que moveu os objetivos da pesquisa desenvolvida no seio do laboratório Espace, Nature et Culture (ENEC), vinculado ao Institut de Géographie da Université de Paris-Sorbonne IV, sob a supervisão do Professor Paul Claval, qual seja: analisar e discutir os usos e os sentidos dos conceitos tomados como princípios interpretativos para expressar as transformações socioespaciais pelas quais a cidade e a aglomeração urbana de Paris vêm passando.

11Buscamos perceber a abordagem conceitual e a perspectiva metodológica empregadas na compreensão da realidade urbana contemporânea cada vez mais espacialmente complexa e conceitualmente obscura em termos explicativos, pois já não mais os mesmos conceitos dão conta de representar os diversos processos, ou quando utilizados os mesmos conceitos já não são mais todos os processos revelados – e nem o poderiam ser, pois a realidade é sistematizada em abstrações objetivas e subjetivas.

12O desenvolvimento do pensamento sobre a realização histórica da sociedade não se faz sem uma necessária revisão do arcabouço teórico que herdamos. Para Sandra Lencioni “na medida em que o conceito é um reflexo do real e esse real está em permanente mudança, é lógico que ele [o conceito] também se modifique”, ou seja, “o conceito existe em movimento” (LENCIONI, 2008, p. 111).

13A necessária discussão acerca dos conceitos ou noções que revelam a natureza e os meandros das transformações ou mesmo das metamorfoses socioespaciais (nos diferentes níveis e dimensões da cidade e do urbano), consiste em reunir os termos que, tornados conceitos ou noções, buscam apreender os processos, dinâmicas e fenômenos que realizam a sociedade e se realizam através das relações sociais, analisar seus limites e repensar suas possibilidades reveladoras.

14A noção de transformação como possibilidade de interpretação histórica da sociedade vem sendo associada às dinâmicas da cidade e de sua aglomeração desde os primórdios. Contudo essa noção também se modificou ao longo do tempo nas abordagens e na construção de um léxico conceitual, especialmente no campo da investigação geográfica.

15Maurício Abreu em seu exaustivo artigo sobre o Estudo geográfico da cidade no Brasil (1994), destacou que, considerando a influência das escolas alemã e francesa percebemos que o estudo sobre a cidade se modifica já nos seus primórdios, quando os pesquisadores do tema ampliam o conceito/noção de posição ou situação para o de sítio, influenciados pelas obras de Ratzel e La Blache, respectivamente. E é nessa nova compreensão da cidade e do fenômeno urbano, ainda no final do século XIX, que a ideia de transformação parece ser introduzida ao debate e aos estudos urbanos. Isso porque, o conceito/noção de sítio insere-se nas pesquisas geográficas com uma abordagem naturalista, ressaltando que a cidade seria “mais um palco de demonstração da superioridade da vontade humana” e de “grandes vitórias humanas sobre o meio natural” (ABREU, 1994, p. 22-23). Em outras palavras, a cidade seria a expressão da capacidade transformadora do homem.

16As noções de crescimento e evolução do meio a partir da cidade e do fenômeno urbano alcançam outras elaborações teóricas e metodológicas com os estudos sistemáticos de Ecologia Humana da Escola de Chicago (Idem, 1994, p. 24). No Brasil, a Escola de Chicago e o pensamento moderno francês no domínio das ciências humanas e sociais influenciaram largamente a produção teórica dos estudos urbanos, especialmente entre as décadas de 1940 e 1950. Também nos anos 1950 e 1960 marcar-se a predominância dos estudos urbanos a partir do eixo urbano-regional e do planejamento territorial. Nos idos dos anos 1960 e 1970, a temática da metropolização inseriu-se nos debates e na produção acadêmica explicitando a escala metropolitana da questão urbana (Idem, 1994, p. 37-42).

17O nosso interesse, ao apresentar esse breve resumo de um longo percurso das pesquisas e estudos urbanos brasileiros, é sublinhar a importância de perceber que as diferentes abordagens, a partir das quais a cidade e o fenômeno urbano vêm sendo trabalhados, encontra-se na dimensão da compreensão das transformações socioespaciais. Em outras palavras, ressaltar que ao revisar o léxico conceitual e os princípios interpretativos, os quais formam a base teórica para a análise dos processos socioespaciais, estes também carregam um elemento essencial para a compreensão do real: o movimento.

18Desta forma, compreendido como movimento do real, nossa abordagem metodológica buscou evidenciar, a partir dos conceitos e noções, o movimento de realização da sociedade. Mas aquela sociedade anunciada por Henri Lefebvre como virtualidade nos anos 1970 e, na fase atual, realizando-se como resultado da urbanização completa da sociedade, a sociedade urbana.

Partiremos de uma hipótese: a urbanização completa da sociedade. Hipótese que posteriormente será sustentada por argumentos, apoiada em fatos. Esta hipótese implica uma definição. Denominaremos "sociedade urbana" a sociedade que resulta da urbanização completa, hoje virtual, amanhã real. (LEFEBVRE, 2008, p. 15)

19A hipótese proposta por Lefebvre possui uma dimensão teórica e uma dimensão prática. A primeira refere-se ao aprofundamento teórico como premissa do pensamento científico e que contribui para uma visão mais ampla das complexidades e possibilidades do real; mesmo ainda não concretizado, mas em curso. A dimensão prática, refere-se às ações “em que a busca das soluções e das modalidades próprias à sociedade urbana passará ao primeiro plano” (LEFEBVRE, 2008, p. 19).

A expressão "sociedade urbana" responde a uma necessidade teórica. Não se trata simplesmente de uma apresentação literária ou pedagógica, nem de uma formalização do saber adquirido, mas de uma elaboração, de uma pesquisa, e mesmo de uma formação de conceitos. Um movimento do pensamento em direção a um certo concreto e talvez para o concreto se esboça e se precisa. Esse movimento, caso se confirme, conduzirá a uma prática, a prática urbana, apreendida ou re-apreendida. (LEFEBVRE, 2008, p. 18)

20A importância de nossa abordagem pode ser justificada pelo fato dessa considerar a hipótese lefevriana sobre o ritmo da urbanização mundial não mais como virtualidade, mas como realidade, haja vista a relevância da problemática urbana nas últimas quatro décadas. O pensamento sobre a cidade e o urbano acirrou-se. O volume de trabalhos científicos, relatórios técnicos e de gestão é surpreendente. A preocupação de pesquisadores, gestores, políticos, promotores, investidores, militantes e cidadãos em geral cada vez mais estreita-se em pautas sobre a cidade e o urbano, e mais especificamente sobre as transformações e os caminhos da realidade urbana ainda não acabada, mas em plena realização.

21A problemática urbana nem está na moda nem tornou-se um clichê. Ela está na ordem do pensamento contemporâneo porquê a sociedade urbana se tornou real. O crescimento acelerado e planetário das aglomerações urbanas é o movimento da sociedade e carece de reelaboração teórica e prática, pois simultaneamente sobre ele paira uma ameaça

Essa extensão mundial não virá sem um grande risco de homogeneização do espaço e de desaparecimento das diversidades. Ora, a homogeneização se faz acompanhar de uma fragmentação. O espaço se divide em parcelas que se compram e se vendem. Seu preço depende de uma hierarquia. (LEFEBVRE, 1989).

22A geografia urbana, como campo interessado pela formação do tecido urbano e pelas complexidades do fenômeno urbano através da história, dedica-se a desvelar a multiplicidade das formas e das civilizações urbanas (CLAVAL, 1981). E esse esforço de compreensão do fenômeno urbano contribuiu para a construção de um léxico conceitual e escolhas metodológicas diversas (ABREU, 1994). Estamos, pois, interessados em analisar e discutir essa combinação da abordagem teórica e da perspectiva metodológica no campo dos estudos urbanos para que essa análise oriente-nos na adoção de um arcabouço conceitual revelador da gênese das transformações socioespaciais no contexto da urbanização como processo histórico.

23Reservamos para essa discussão os resultados da pesquisa que considerou analisar as transformações socioespaciais em Paris e sua aglomeração urbana a partir do léxico conceitual (conceitos/noções) e dos princípios interpretativos utilizados na compreensão da produção do espaço. Entre os conceitos e noções mais utilizados na literatura francesa sobre os estudos urbanos destacamos aqueles que consideramos essenciais para a compreensão da produção do espaço na perspectiva do movimento da realização da sociedade urbana. Porém, é importante frisar a linha tênue entre a definição de um termo e sua abordagem no campo da pesquisa acadêmica e no campo da execução política de projetos urbanísticos (quer de natureza econômica, cultural ou urbana).

  • Périurbain, périurbanisation (BERGER, 2004 ; STEINBERG, 2016 ; DONZELOT e MONGIN, 2013)

  • Banlieues (DEMANGEON, 1933 ; SOULIGNAC, 1993 ; BERTHO, 1997 ; GIBLIN, et al, 2009 ; BOYER, 2000 ; VIEILLARD-BARON, 1996, 2011a)

  • Restructuration des banlieues et périphérie (ALBECKER, 2014 ; 2015)

  • Métropolisation (CLAVAL, 1989 ; 2005)

  • Champs urbains (Idem, 1981)

  • Métropole régionales (HAUTREUX Jean ; ROCHEFORT, 1965), métropole d’équilibre et Villes nouvelles (MERLIN, 1991)

  • Recomposition ou restructurations territoriales (IAU-IdF, 2014)

  • Grand Paris (CARMONA, 1979 ; BASTIÉ, 1983 ; SUBRA, 2009 ; BÉHAR, 2009 ; DESJARDINS 2010, 2016 ; BOUDON, 2015)

  • Mixité sociale, ségrégation, gentrification (DONZELOT, 2006 ; 2009)

  • Rénovation urbaine (EPSTEIN, 2013)

  • Désindustrialisation et friche industrielle (EDELBLUTTE, 2011)

  • Patrimonialisation, requalification et renouvellement urbaine, réhabilitation urbaine (FOL e RAAD, 2014 ; GRAVARI-BARBAS et al, 2015)

24Esses conceitos e noções apreendem tanto a forma, a estrutura e a função nas quais o espaço se revela como produto, meio e condição de realização da sociedade em seu movimento histórico.

Objetivos e metodologia

25Atrelados a um objetivo mais ambicioso de investigação, qual seja, investigar e compreender as transformações socioespaciais e o movimento que as realiza, considerando-as como pistas para a identificação das rupturas no processo de produção do espaço das cidades, os objetivos da pesquisa de estágio no exterior foram:

26a. Compreender teórica e metodologicamente os conceitos que revelam a natureza e os meandros das dinâmicas de transformações socioespaciais, especialmente as de caráter metropolitano, na virada para o século XXI;

27b. Realizar uma atualização conceitual sobre os usos e os sentidos dados aos conceitos que buscam expressar as transformações socioespaciais de Paris e a contribuição desse léxico conceitual para a compreensão das dinâmicas espaciais;

28c. Discutir sobre as metodologias de investigação que, a partir dos usos e dos sentidos dos conceitos, buscam expressar as transformações socioespaciais da metrópole parisiense.

29Para o desenvolvimento dessa pesquisa, considerando os objetivos supracitados, no que se refere ao percurso da investigação, foram adotados os seguintes procedimentos:

30I. Levantamento bibliográfico em livros, artigos, dissertações e teses sobre a estruturação urbana (e metropolitana) de Paris e as consequentes transformações socioespaciais (estruturação-desestruturação-reestruturação);

31II. Pesquisa documental em arquivos públicos sobre registros iconográficos e projetos de reformas e operações urbanas – como, por exemplo o ambicioso projeto “Le Grand Paris” – que expressem as transformações socioespaciais as quais se refiram as bibliografias elencadas;

32III. Participação em eventos, seminários e debates sobre as reformas e transformações urbanas sofridas em Paris ou para ela idealizadas, especialmente na contemporaneidade.

33IV. Construção de roteiros e realização de trabalhos de campo que auxilie-nos na observação, descrição e análise das continuidades e rupturas do processo de metropolização no território parisiense e sua região de influência.

Sobre alguns resultados alcançados

34Entre les banlieues, périphéries et périurbains parisiens: aspectos teóricos e conceituais na compreensão das transformações socioespaciais da aglomeração urbana de paris

35A levantamento do léxico conceitual utilizado na literatura dos estudos urbanos na França nos levou imediatamente ao necessário reconhecimento das diferentes formas urbanas justapostas no tempo e no espaço de conformação (e recomposição) da aglomeração urbana de Paris. Os trabalhos de campo realizados durante a pesquisa – quadro apresentado a seguir – nortearam nossa análise empírica e contribuíram para a apropriação teórica dos conceitos utilizados na compreensão dos processos socioespaciais em curso na urbanização francesa.

36As dinâmicas espaciais da aglomeração urbana parisiense fazem sobressair a Metrópole Paris na sua relação com os territórios da urbanização. E nesses territórios manifestam-se formas, funções e estruturas urbanas que revelam as continuidades, as rupturas e os ritmos das transformações socioespaciais.

  • 3 A aglomeração urbana de Paris compreende três arranjos territoriais. A Paris intra-muros, que se re (...)

37Interessados em compreender tais continuidades, rupturas e ritmos numa perspectiva ainda mais sensível, recorremos à exposição Peindre la banlieue (Imagem 1) promovida pelo Musée Français de la Carte à Jouer, localizado em Issy-les-Moulineaux, commune da petite couronne de Paris3. Um percurso de 100 anos (1850-1950) pelos subúrbios e periurbanos de Paris através da arte impressionista nos revelara a simultaneidade da tríade forma-função-estrutura na compreensão do fenômeno urbano na região parisiense.

38Na tela de Paul Cézanne (1872-73) pode-se vislumbrar, entre o bucólico e a via, a força da representação dos subúrbios de Paris no final do século XIX: as estradas de ferro que comunicam os subúrbios à cidade, as estradas vicinais que comunicam as vilas e povoados às estações. O bucólico se apresenta nas formas de habitar e faz-nos confusos entre o domínio do rural face aos caminhos para o urbano. Na tela de Claude Monet (1872), a fumaça que se confunde com as nuvens de um dia nublado na commune de Argenteuil, parece representar esse importante elemento estruturante do espaço, as estradas de ferro. A urbanização na região parisiense não só irá acompanhar os trilhos dessa fumaça, como a ela se misturar.

Imagem 1 – Alguns aspectos e transformações socioespaciais da banlieue parisiense nas telas de pintores impressionistas

Imagem 1 – Alguns aspectos e transformações socioespaciais da banlieue parisiense nas telas de pintores impressionistas

Fonte: Musée Français de la Carte à Jouer. Peindre la banlieue, de Cornot à Vlaminck (1850-1950), catálogo (2017

39A escolha de Paul Signac (1933) pela aquarela para representar as 18 chaminés da Société d’Électricité de Paris às margens do Rio Sena em Saint-Denis, nos permite perceber as formas cada vez mais rígidas e racionais que as transformações da sociedade moderna imprimem sob o espaço. Finalmente, na tela de André Lhote (1937), destaca-se uma personagem que passa a representar a banlieue parisiense até meados do século XX: o operário. A figura do operário e suas relações sociais no contexto da vida moderna, urbana e industrial, permite-nos compreender as dimensões das transformações profundas que marcaram o processo de urbanização na França e no mundo depois dos anos 1950 (MARICONI-EBRARD, 1993).

40A partir dos trabalhos de Boyer (2000), Soulignac (1993), Bertho (1997), Vieillard-Baron (1997; 2011a), Berger (2004), Giblin (et al, 2009), Donzelot (2004; 2006), dentre outros autores, mergulhamos nas problemáticas teóricas e nas investigações empíricas da aglomeração urbana parisiense entre banlieues, périphéries et périurbains.

41De acordo com Vieillard-Baron, as primeiras definições de banlieue estão estreitamente ligadas à recursos institucionais e jurídicos da cidade na Idade Média. Entre os séculos XVII e o final do século XVIII, a banlieue conhece seu destino de transformações. Já consolidada como termo jurídico e histórico - no que se refere ao em torno de cidades das quais a banlieue dependesse (VIEILLARD-BARON, 1997). Segundo o autor, é no século XIX que a banlieue insere-se na dinâmica socioespacial francesa

  • 4 Texto original: « L’usage du mot se transforme sous la Restauration. La banlieue commence alors à s (...)

O uso da palavra é transformado sob a Restauração. Os subúrbios começam então a fazer parte de um sistema de valores que opõe Paris à província e, mais geralmente, à cidade contra tudo o que a rodeia. A palavra é responsável por apreciações qualitativas. Os princípios da hierarquia urbana e divisão social do espaço tornam-se mais claros.4 (VIEILLARD-BARON, 1997, p.13).

42A partir de Vieillard-Baron, podemos concluir que a divisão social do espaço é uma característica marcante do processo de urbanização da aglomeração urbana de Paris e que vai acompanhar todas as transformações socioespaciais futuras. Para o autor é nesse momento que o termo banlieue ganha o sentido de periferia urbana dependente, e dessa forma, a compreensão de sua relação com a cidade e com o fenômeno urbano também se modificam.

  • 5 Texto original: « En deux siècles, la banlieue a donc perdu son acception juridique pour prendre le (...)

Em dois séculos, os subúrbios perderam seu significado legal para tomar o sentido da periferia urbana dependente. Os subúrbios contemporâneos nasceram do aumento demográfico, do êxodo rural e especialmente da revolução industrial, com a evolução dos meios de transporte. Depois da estrada, a ferrovia traça as direções da urbanização. A partir do século XIX, Paris retorna aos subúrbios, a população que não pode mais acomodar, mas menos sistematicamente do que se costuma acreditar; e o campo envia os homens que não pode mais se alimentar para as grandes cidades. O subúrbio de Paris, que é o único reconhecido na época, tornou-se uma saída para atividades volumosas e poluentes: pedreiras fornecimento de materiais necessários para a construção ou obras em estradas (gesso, areia, argila, pedra silhar), locais militares, grandes oficinas, estações de triagem, reservatórios de água, estações de tratamento de esgoto, usinas a gás, usinas elétricas, aterros sanitários, etc. Muitos serviços relacionados à saúde e lazer lá se estabeleceram: hospitais psiquiátricos, asilos, lares de idosos, campos desportivos, hipódromos. Os cemitérios parisienses "fora dos muros" se desenvolvem sucessivamente: Ivry Bagneux, Saint-Ouen, Pantin-Bobigny, por exemplo. As formas de dependência que ligam a cidade ao espaço circundante estão em constante crescimento. (VIEILLARD-BARON, 1997, p.21)5.

43A conformação e as sucessivas transformações do espace banlieusard de Paris, podem ser também apreendidas segundo três definições que consideram o contexto histórico das transformações da própria sociedade francesa. Segundo Boyer, as definições seriam: a) banlieue como instrumento jurídico e administrativo dos territórios durante a Idade Média, b) a partir do século XIX, considera-se a banlieue como a área da urbanização que se estende para fora dos limites de Paris (ou no caso de outras importantes cidades da França, como Lyon, Toulouse, Lille e Boudoux), c) mais recentemente, nos anos 1980, a banlieue é resignificada a partir de características sociais, que transformam-a em um mosaico da estrutura socioeconômica da França (BOYER, 2000, p. 9-20).

  • 6 Texto original : « du juridique au spatial au social » (BOYER, 2000, p. 9).

44Boyer propõe compreender a banlieue francesa e parisiense a partir de uma tríade que permeia a noção do termo e carrega suas transformações históricas, qual seja: do jurídico ao espacial ao social6 (BOYER, 2000, p. 9). Para o autor as transformações ocorridas entre o século XIX o a segunda metade do século XX possuem uma dimensão espacial muito nítida, enquanto que as transformações dos últimos 30 anos adquiriram um componente social que levou a banlieue a uma “irruption du social” - o autor refere-se a dois marcos importantes da chamada Crise des Banlieues, conhecidos como Été 1981 e Émeutes de l’automne 2005; sua gênese pode ser encontrada, segundo Boyer (2000) e Bertho (1997), nas mudanças e intervenções políticas iniciadas nos anos 1980, onde as ações do Estado pareciam apresentar uma sutileza entre a política urbana e a politique de la ville, reforçando tensões e evidenciando atores e interesses.

45Através do trabalho organizado por Giblin (2009) nossa compreensão sobre a organização e as transformações socioespaciais da banlieue parisiense encontra a dimensão teórica a qual vimos prosseguindo: a problemática urbana pode ser compreendida a partir do movimento de estruturação-desestruturação-reestruturação, e no caso de Paris, esse movimento materializa-se entre les banlieues, périphéries et périurbains. Para Giblin essa porção do espaço apresenta várias características demasiadamente sobressalente da estrutura social parisiense e de sua dimensão espacial, como por exemplo

  • 7 Texto original: « […] forte densité de population, concentration de population étrangère, forte pro (...)

Alta densidade populacional, concentração de população estrangeira, alta proporção de menores de 25 anos, alta taxa de desemprego, taxa de inadimplência bem acima da média nacional, situação local onde a tensão entre diferentes grupos sociais é perceptível.7 (GIBLIN et al, 2009, p. 9).

46A perspectiva teórica e a abordagem metodológica dos trabalhos e pesquisas sobre a aglomeração urbana parisiense nos aproximam de uma inferência: a recomposição social produziu um espaço de desigualdade e transformou a problemática urbana em um desafio quase insuperável, no qual a periferização aparece muito mais com uma lógica de segregação do que como um processo inevitável do desenvolvimento desigual – e é, justamente, pela primeira que se torna o segundo.

47Através da obra do sociólogo Donzelot, construímos uma compreensão crítica sobre a aglomeração urbana de Paris, especialmente no que se refere aos domínios de sua banlieue e seu périurbain. Donzelot (2004), diferentemente de Boyer (2000), defende que a questão social, que expressa-se na violência, na delinquência juvenil, na alta taxa de desemprego entre os jovens, não é o fundamento da problemática urbana que envolve os espaços periféricos de Paris. Para Donzelot

  • 8 Texto original: D’autres, dont nous-mêmes, préfèrent parler de question urbaine, donc d’une mise en (...)

Outros, incluindo nós mesmos, preferem falar de uma questão urbana, portanto de um questionamento da cidade, das tendências que inspiram sua configuração e as transformações desta. [...] Nós estamos vivendo sempre o mesmo problema: o da conflitualidade das relações sociais de produção, da insuficiente proteção das classes trabalhadoras8. (DONZELOT, 2006, p. 34).

  • 9 Texto original : « une simple transposition des problèmes sociaux dans un espace » (DONZELOT, 2006, (...)
  • 10 Texto original: « Faire comme si l’urbain n’était qu’un paramètre secondaire dans l’expression d’un (...)

48O autor argumenta que tratar a questão social como fundamento dos problemas da banlieue em detrimento da questão urbana é o como considerar o urbano um reflexo do social e, assim, “uma simples transposição de problemas sociais para um espaço9 ou “fazer com que o urbano seja apenas um parâmetro secundário na expressão de uma questão social [...]”10 (DONZELOT, 2006, p. 34).

49Donzelot ainda nos ajuda a construir o percurso rumo a compreensão da produção do espaço da aglomeração urbana de Paris numa perspectiva ainda mais abrangente a partir da dimensão do urbano e das variadas formas espaciais configuradas na sociedade urbana. O autor parte da premissa que desde o século XIX o domínio espacial do urbano vem se alargando sobremaneira e que, após mais de um século, o modo de vida urbano absorveu toda a sociedade. Assim, a modificação de suas formas espaciais contém os fundamentos e as contradições da realização da sociedade urbana.

50O autor esclarece que a cidade compacta do século XIX, espacialmente limitada constrangia e confrontava ricos e pobres na sua forma ainda fechada e estreita. Posteriormente, e especialmente hoje, a forma urbana ganha seu plural e se modifica

  • 11 Texto original: « en raison de l’insécurité relative que les uns éprouvent au contact des autres, s (...)

Por causa da relativa insegurança que algumas pessoas experimentam em Contato com os outros, criando o surgimento de uma lógica de separação que faz com que os mais ricos fujam dos pobres e, ao fazê-lo, piorem a situação destes últimos11. (DONZELOT, 2006, p. 35).

51Os princípios interpretativos da cidade e do urbano para a compreensão da produção do espaço propostas por Donzelot nos leva as formas espaciais do processo de périurbanisation na aglomeração urbana de Paris: les périurbains. Donzelot e Mongin (2013) apresentam uma crítica contundente a esse processo, e as consequências dele advindas.

  • 12 Texto original: « Faire le choix du périurbain, c’est une manière de pouvoir disposer des avantages (...)

Fazer a escolha pelo periurbano é uma forma de ter as vantagens do centro da cidade, seus equipamentos e seus locais de prestígio, sem o inconveniente de ter que contribuir com o custo de sua manutenção, uma vez que a área periurbana deve pagar impostos apenas para os municípios que não são muito exigentes a este respeito. Sem dúvida, esta distância da cidade central é paga, em troca, por maiores despesas de viagem e uma alienação do carro, que é um dos principais fundamentos da cidade franqueada [relativo às franquias]. De fato, quem paga o preço, em termos de poluição, de seu incessante ir e vir, se não de toda a sociedade: nesta dupla manifestação de egoísmo, acrescentam o pecado do voto xenófobo, uma rejeição do outro, o imigrante das cidades, neste caso. E agora o debate público está mudando dos relegados das cidades aos esquecidos dos periurbanos! Dificilmente pode ser melhor demonstrado que a distância da cidade resulta na perda das qualidades consubstanciais a ela, que são a partilha do espaço, o respeito dos lugares e a tolerância dos outros12. (DONZELOT E MONGIN, 2013, p. 18-19).

  • 13 Texto original : « relégation-périurbanisation-gentrification » (DONZELOT, 2004).

52Donzelot (2004) considera que a cidade hoje se expande e se separa seguindo três ritmos que se complementam: relegação-periurbanização-gentrificação13 (DONZELOT, 2004). Para o autor esses três termos dão o ritmo, o movimento e as características da segregação socioespacial na produção do espaço no contexto da aglomeração urbana de Paris.

53Tomando como base o trabalho de Berger (2004), Les périurbains de Paris: de la ville dense à la métropole éclatée, fomos buscar o princípio interpretativo para a compreensão do processo de periurbanização na França e a concomitante reestruturação dos espaços perimetrais da região parisiense. A autora pretendeu nesse trabalho compreender as transformações socioespaciais na aglomeração urbana de Paris objetivando

  • 14 Texto original: « repérer dans l’évolution des formes urbaines et de modes d’habiter, les effets su (...)

Identificar na evolução das formas urbanas e modos de vida, os efeitos sobre as trajetórias sociais e espaciais de gerações de parisienses, em um contexto econômico em que sua cidade mudou escala e funções14. (BERGER, 2004, p. 12).

  • 15 Referente à região da Île de France.

54Berger nos apresenta outro princípio interpretação, o qual problematiza a reestruturação do sistema urbano franciliano15 a partir de um ponto de ruptura estruturante; antes o sistema sociopolítico, hoje o sistema socioeconômico. Nessa abordagem, a autora considera “analyser les traductions spatiales des recompositions sociales” (BERGER, 2004, p. 13).

55De acordo com Berger, a periurbanização é uma característica específica do processo de metropolização franciliana e possui fundamentos no fortalecimento de uma classe abastada, com boa qualificação, cuja categoria profissional destaca-se entre a executiva e a intermediária (funcionários superiores do setor público, profissionais da informação, jornalistas, alguns profissionais da classe artística, professores universitários e pesquisadores, professores dos níveis médio e primário, profissionais da saúde, profissionais administrativos do setor privado, são alguns exemplos).

  • 16 Conforme apresentas anteriormente a partir de LEFEBVRE (1989) e LENCIONI (2017).

56Nesse sentido, a ruptura que traz à tona as complexidades espaciais e as relações sociais de produção, possui um marco na estrutura urbana fundada e fortalecida pela lógica industrial e dominante na França até os idos dos anos 1960. Esse período marca o surgimento de formas urbanas mais complexas que dão simultaneidade às três características da produção do espaço, homogeneização-fragmentação-hierarquização16. Como exemplo, podemos citar os grandes conjuntos ou HLM (Habitations à Loyer Modéré) nas banlieues, a construção das villes nouvelles em eixos estratégicos da aglomeração urbana de Paris e os logements individuelles, emblemáticos nas áreas periurbanas parisienses.

  • 17 Texto orifinal: « relecture des relations entre villes et campagnes » (BERGER, 2004, p. 275).
  • 18 Texto original: « espaces appartenant à des cycles variés de production de l'urbain, inégalement en (...)

57Berger aprofunda sua problemática ao considerar que o periurbano se instala no campo impondo demandas urbanas, e assim, contribuindo para expansão do urbano sob as bases do rural contemporâneo e exigindo uma “releitura das relações entre cidade e campo”17 (BERGER, 2004, p. 275). O que é mais significativo nessa abordagem é perceber a astúcia dos agentes e atores envolvidos por interesses particulares ou coletivos na coexistência de “espaços pertencentes a vários ciclos de produção do urbano, engajados desigualmente no processo de recomposição ou então de reutilização ou revalorizações”18 (BERGER, 2004, p. 14).

58É, portanto, retornando a obra de Vieillard-Baron que encontramos os elementos para pensar as transformações socioespaciais e suas elaborações teóricas, como possibilidade e limite de compreensão da produção do espaço no contexto do movimento de sua realização. Em Banlieue et péripherie, des singularités françaises aux réalités mondiales (2011), o autor, consagrado nos estudos urbanos da banlieue parisienne e suas transformações no tempo e no espaço, lança mão de uma abordagem singular dos contextos histórico e político francês para refletir as realidades das periferias das grandes aglomerações urbanas mundiais.

59Vieillard-Baron afirma que não há um consenso nos termos utilizados para caracterizar as áreas periféricas à cidade ou à metrópole. A banlieue, enquanto noção conceitual, é uma particularidade da língua francesa, porém enquanto fenômeno urbano não é uma especificidade da urbanização na França. Resta-nos conhecer as particularidades e semelhanças, inclusive teórico-conceituais, das produções acadêmicas sobre o tema. O autor acrescenta que, devido a expansão do urbano, as conciliações dos padrões e modelos de urbanização e a comparação dos tipos de organização social das periferias metropolitanas devem permitir-nos abrir os horizontes das análises (VIEILLARD-BARON, 2011a).

60Nossa reflexão pretende extrapolar o contexto francês e surge-nos a questão: como relacionar as singularidades francesas e brasileiras para problematizar a realidade urbana total? Se tomarmos como princípio interpretativo o movimento de estruturação-desestruturação-restruturação do espaço, quais características, rupturas e continuidades seriam evidenciadas pelos períodos de transformação em ambos os quadros analíticos? Em se tratando de aglomerações urbanas e tomando como referência a Metrópole Rio e sua região, quais as noções/conceitos que evidenciam as características do processo de metropolização e a relação desse com a produção do espaço?

61Encontram-se no próximo item nossas reflexões decorrentes das questões aqui levantada.

Olhares cruzados. As aglomerações urbanas Parisiense e Fluminense: um ponto de vista para a problematização da realidade urbana contemporânea

62Inspirados na abordagem realizada por Kowarick na primeira parte de seu ensaio Viver em risco (2009), no qual o autor tem como objetivo discutir os conteúdos e contornos da questão social (no que se refere à vulnerabilidade e exclusão), suas perspectivas teóricas e sociopolíticas considerando as sociedades americana e francesa, vimos a importância de “cruzar olhares” em torno dos conceitos e problemáticas analíticas sobre a abrangência e as características gerais e especificas dos processos socioespaciais.

63A partir de Kowarick percebemos que “cruzar olhares” não é o mesmo que comparar as diversas realidades mundiais, nacionais ou regionais, e sim, ampliar a compreensão da riqueza das concepções teóricas, a complexidade do real e as diferentes respostas sociopolíticas dos processos que se manifestam simultaneamente em toda a sociedade. Não estamos interessados em um diálogo teórico com o trabalho de Kowarick, mas sim em sua contribuição metodológica. O autor anuncia o seu objeto de pesquisa e o percorre em três ambientes sociopolíticos diferenciados (os Estados Unidos, a França e o Brasil) e ainda busca analisá-lo a partir das nuances do pensamento em cada contexto específico.

64Dessa forma a questão social e a questão urbana se fundem na obra de Kowarick e podem ser analisadas e compreendidas simultaneamente. Resultado disso é o que o autor chamaria de espoliados da cidade e explorados no mundo do trabalho (KOWARICK, 2000). Essa simultaneidade é componente intrínseco do processo de produção capitalista. Logo, os grupos sociais não estão excluídos nem da produção do espaço nem das consequentes implicações dessa produção. Chamaríamos de grupos sociais urbanos, considerando a diferença entre os mais diversos componentes sociais do urbano e a classe social através da qual eles participam ativamente do processo de produção.

  • 19 Texto original: « recomposition des périphéries » (VIEILLARD-BARON, 2011a).

65Essa noção de componentes sociais do urbano evoca-nos à interpretação dada por Vieillard-Baron ao utilizar a ideia de recomposição de periferias19. Sendo a periferia uma forma urbana manifesta historicamente na organização espacial da cidade e cada vez mais dominante na conformação espacial da sociedade urbana mundial, é imprescindível pensar novos conceitos e novos métodos para se analisar o futuro das aglomerações (VIEILLARD-BARON, 2011a). Para o autor, toda generalização é questionável; contudo, fato é que a expansão do urbano nunca mais deitou de representar transformações profundas e imprimir ritmos frenéticos às áreas periféricas das aglomerações urbanas. Esse princípio interpretativo trabalha a simultaneidade dos conteúdos das relações sociais de produção, sobretudo de produção do espaço, com as potencialidades explicativas contidas na dinâmica do pensamento sobre a cidade e o urbano. Ele também nos permite pôr em evidencia os agentes sociais, no limite e nas possibilidades de suas ações.

66Alicerçados nesses argumentos encontramos na aglomeração urbana de Paris e na aglomeração urbana do Rio de Janeiro um recorte territorial que nos possibilitou amadurecer a problemática de pesquisa no que se refere a discussão da reestruturação do espaço, como processo e como conceito. São as cidades de Saint-Denis, ao norte de Paris, e a cidade de São Gonçalo, no eixo leste da aglomeração urbana do Rio de Janeiro (Imagens 2 e 3).

Imagem 2 Localização de Saint-Denis na petite couronne da aglomeração urbana de Paris

Imagem 2 Localização de Saint-Denis na petite couronne da aglomeração urbana de Paris

Elaboração: Juliana Luquez

Imagem 3 Localização de São Gonçalo na aglomeração urbana institucionalizada do Rio de Janeiro

Imagem 3 Localização de São Gonçalo na aglomeração urbana institucionalizada do Rio de Janeiro

Elaboração: Juliana Luquez

  • 20 As contribuições dadas através das reuniões de orientação com o Professor Paul Claval e dos textos (...)

67Por que tornou-se possível a análise relacional entre essas duas realidades urbanas?20

Tratam-se de duas áreas onde a ruptura entre a estrutura urbano-industrial e a metropolitano-financeira encontram representações nítidas

68A cidade de São Gonçalo favoreceu-se do desenvolvimento industrial na costa leste da Baía de Guanabara no período da plena industrialização e na nova conjuntura econômica fluminense (OLIVEIRA, 2008) baseada no novo ativo produtivo - a exploração do petróleo. O município também sofreu os efeitos da desindustrialização, especialmente com a saída das empresas instaladas e o consequente impacto para a classe operária.

69Dois fatores contribuem atualmente para compreender as transformações socioespaciais da cidade de São Gonçalo: a reorganização do seu sítio em torno das atividades terciárias e, devido a sua posição bastante central dentro da aglomeração do Rio de Janeiro, o destaque para os investimentos imobiliários que visam atrair parcelas mais abastadas da população metropolitana para os enclaves. Os vazios industriais permanecem presos ao jogo de desvalorização-revalorização que ainda não ativou interesses privados e não destaca-se na agente dos projetos de renovação urbana dos entes públicos, constituindo-se em territórios de reserva fundiária. Esses territórios de reserva fundiária podem revelar as tendências do movimento do processo de reestruturação do espaço no contexto de sua produção.

  • 21 Serão 200 km de linhas automáticas, 68 estações, duas linhas prolongadas do sistema já existente e (...)

70No que se refere a cidade de Saint-Denis, percorremos o caminho ao contrário. Ou seja, dos territórios da reestruturação do espaço sob os domínios do urbano aos nexos da estruturação como centro industrial da aglomeração parisiense, ainda no século XIX até a metade do século XX. A centralidade da área aumentou nos últimos cinquenta anos com a ampliação das vias de comunicação (ferroviária, metroviárias, fluviais e aerovias). E recentemente, a implantação do projeto Grand Paris Express21 (imagem 4).

Imagem 4 - Saint-Denis: futura instalação da Gare Grand Paris Express

Imagem 4 - Saint-Denis: futura instalação da Gare Grand Paris Express

Crédito: Juliana Luquez

71Este aumento de centralidade deveria ter facilitado o desenvolvimento da área, porém dois fatores devem ser considerados: 1. a desindustrialização levou à proliferação de terrenos baldios industriais que só poderiam ser reutilizados após altos custos de reabilitação; 2. as indústrias desenvolvidas no século XIX foram, na sua maioria, bastante tradicionais, atraindo mão-de-obra não qualificada, grande parte constituída por imigrantes. Assim, com o declínio do emprego industrial, o desemprego se estabeleceu particularmente entre os jovens, a insegurança aumentou diante dos conflitos instigados pelas fraturas sociais marcantes.

Apresentam grande concentração populacional no quadro estatístico de suas respectivas aglomerações, o que permite pensar os componentes sociais do urbano

72A cidade de São Gonçalo encontra-se no raio da maior densidade populacional da aglomeração urbana do Rio de Janeiro que, partindo do ponto central da Metrópole Rio, estende-se por até 28 km em direção à sua periferia. Possui a segunda maior concentração populacional do Estado do Rio de Janeiro, 1.049.826 habitantes, cujo perfil socioeconômico caracteriza-se por: baixa escolaridade nos níveis médio e superior (mesmo com a presença de diversas instituições públicas e particulares de ensino nos dois segmentos de qualificação profissional e acadêmica); renda média mensal de trabalhadores formais de 2 salários mínimos que ocupam os postos das atividades de serviço, comércio e indústria, respectivamente (IBGE, 2015-2017); três grupos predominantes na composição demográfica, a população natural da região, os imigrantes inter-regionais (oriundos dos estados do Espírito Santo, Minas Gerais e da Região Nordeste do Brasil) e os novos moradores (esse último grupo se subdivide entre os novos moradores de recentes comunidades ou favelas e os novos moradores dos condomínios fechados construídos estrategicamente como “enclaves fortificados”).

  • 22 Um território administrativo da aglomeração urbana de Paris no contexto das políticas de planificaç (...)

73A cidade de Saint-Denis dista 7 km da Gare du Nord de Paris, possui 108.284 habitantes (Plaine Commune Grand Paris, 2015) e constitui-se de um mosaico cultural extraordinário, mesclando moradores tradicionais, imigrantes plurinacionais e também os novos moradores de um contexto mais recente de recomposição social e espacial da região. Esse último aspecto, inclusive, destaca-se pelo fato de a região da Plaine Commune de Saint-Denis22, na qual se insere a cidade, possui 81% de sua oferta de emprego no setor terciário. Essa modificação da atividade produtiva na região seguiu-se de uma política de renovação urbana com promoção do mercado imobiliário de habitação e escritórios e favorecia pelos investimentos públicos em mobilidade (trens regionais e tramway, por exemplo).

  • 23 Texto original: « théorie du champ urbain » (CLAVAL, 1981).

74Vistas sob a ótica da teoria do campo urbano23 (CLAVAL, 1981), essas transformações reestruturaram o espaço urbano por meio de mecanismos fundiários e o refuncionarizaram a partir das demandas de mercado no contexto da globalização econômica e do papel das aglomerações urbanas na sua determinação.

75Nosso objetivo não é comparar números e sim relacionar as transformações socioespaciais características das áreas periféricas das aglomerações urbanas. Assim, a questão urbana, sob as lentes da reestruturação do espaço, apresenta-se como movimento da totalidade na sociedade urbana, mas com caminhos mapeados por princípios interpretativos que devem estar atentos às especificidades da história da urbanização mundial: no caso de Paris, relégation, périurbanisation e gentrification (DONZELOT, 2004); no caso do Rio, periferização, espoliação urbana e segregação socioespacial – esse item foi desenvolvido no capítulo três da tese de doutorado a qual o presente projeto de pesquisa esteve vinculado (VIANA, 2019).

São cidades importantes nas dinâmicas urbana e econômica das aglomerações às quais estão inseridas e na atuação de agentes públicos e privados nos territórios metropolitanos

  • 24 De acordo com o estudo "Arranjos Populacionais e Concentrações Urbanas do Brasil", realizado pelo I (...)

76A proximidade da cidade de São Gonçalo com a cidade de Niterói, o segundo núcleo urbano da aglomeração fluminense, contribui para um certo protagonismo da cidade nos arranjos territoriais das dinâmicas urbana e econômica do espaço. O intenso deslocamento intra e interurbano em direção aos locais de maior oferta de emprego e educação faz com que o eixo metropolitano São Gonçalo-Niterói seja o segundo maior do Brasil e o maior do Estado do Rio no que se refere ao fluxo diário de pessoas24.

  • 25 Referentes às ruas e autoestradas mal conservadas, alto preço do seguros devido aos altos índices d (...)

77São Gonçalo tem também a segunda maior frota de automóvel da aglomeração urbana institucionalizada, a Região Metropolitana do Rio de Janeiro – RMRJ (IBGE, 2015), o que contribui para diminuir a qualidade do ambiente urbano seja no aspecto ambiental ou no conforto das viagens de deslocamento. Esse é um fator que contribui para o aumento dos gastos médios do trabalhador; pois os custos de despesa e manutenção25 de um automóvel no Brasil está acima das médias salarias das periferias metropolitanas.

78Na atual fase de desenvolvimento econômico do Estado do Rio de Janeiro, a cidade de São Gonçalo destaca-se no mapa das necessidades infraestruturais mais urgentes para o apoio logística à atividade produtiva, tanto no setor voltado à extração do petróleo como no fortalecimento do setor de tecnologia de informação: transporte urbano de massa, como projetos de implantação do metrô nas áreas fora dos limites da Metrópole Rio; construção do Porto; ampliação da rede rodoviária no município; implantação de polos de formação técnico-profissional; etc.

  • 26 Sobre esse tema sugerimos ver nosso artigo “Os desafios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro n (...)

79O trabalho de campo realizado na cidade de Saint-Denis, sob a direção da pesquisadora Cécile Gintrac, nos apresentou a importância que a cidade tem na reafirmação de Paris como uma metrópole corporativa e global e transformação de territórios urbanos sob novas lógicas econômicas, tendo por exemplo, os megaeventos como promotores de oportunidades de mercado. Esse é um ponto pertinente na relação aqui proposta, pois trata-se de duas aglomerações sob às quais os impactos de grandes eventos produziram a necessidade de um balanço das transformações espaciais26. No caso de Paris, referimo-nos a Copa do mundo de 1998 e os Jogos Olímpicos a serem realizados em 2024. No primeiro caso, vimos no trabalho de campo a reprodução da Metrópole Paris em direção à sua banlieue ao norte através de uma explosão de infraestruturas relativas à produção e realização dos espetáculos. Nesse sentido, a reprodução da metrópole significou implantação e acesso as formas espaciais que dialogam com as determinações da estrutura metropolitano-financeira que, acreditamos, representar-se pela atual fase de reestruturações do espaço.

80No caso do Rio de Janeiro, os Jogos Panamericanos de 2007, a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 produziram oportunidade de reestruturação do espaço que foram realizadas com o intuído de fortalecer a centralidade da Metrópole Rio em relação à sua aglomeração urbana, concentrando todos os equipamentos urbanos nos limites territoriais da Metrópole, contribuindo, assim, para ampliar as desigualdades inerentes à produção do espaço nas áreas periféricas, uma vez que essas vão se reestruturando na explosão das contradições da Metrópole.

81A relação proposta entre as aglomerações urbanas de Paris e do Rio, com ênfase nas cidades de Saint-Denis e São Gonçalo, respectivamente, representa também uma adesão ao pensamento crítico de Gintrac (2014) que nos inspira à seguinte formulação: a cidade explodiu, bem como suas contradições, em formas espaciais cada vez mais dispersas, contudo apropriar-se da cidade é investir em possibilidades mais criativas e posturas mais contestáveis acerca do processo de reestruturação do espaço.

82A seguir apresentamos o quadro detalhado (Quadro 1) com todos os roteiros de campo realizados com vista a fundamentar empiricamente as bases teóricas da pesquisa que se desenvolveu como parte integrante do processo de doutoramento no âmbito Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana da Universidade de São Paulo (PPGH/USP), com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Quadro 1 – Trabalhos de campo na aglomeração urbana de Paris

Quadro 1 – Trabalhos de campo na aglomeração urbana de Paris

Elaboração: Juliana Luquez

Haut de page

Bibliographie

ABREU, Maurício. Estudo geográfico da cidade no Brasil: evolução e avaliação. Contribuição à história do pensamento geográfico brasileiro. In: RBG, Rio de Janeiro, n. 56, jan./dez. 1994, p. 21-122.

ALBECKER, Marie-Fleur [Thèse]. Recycler les premières couronnes des villes globales : politiques d’aménagement urbain et restructurations des banlieues industrielles de Paris et New York. (2014). Université de Paris I - Panthéon Sorbonne, doctorat en Géographie.

_______. Banlieues françaises (2005 – 2015). La banlieue parisienne, périphérie réinvestie ? In : Urbanités, octobre, 2015.

BASTIÉ, Jean. Géographie du Grand Paris. Paris : Masson, 1984.

BASTIÉ, Jean. ; DÉZERT, Bernard. La Ville. Paris : Masson, 1991.

BENEVOLO, Leonardo. História das Cidades. 5ª Ed. São Paulo: Perspectiva, 2011.

BERTHO, Alain. Banlieue, banlieue, banlieue. Paris : La Dispute, 1997.

BÉHAR, D. Le projet du grand Paris peut-il ignorer la question sociale ? Revue Esprit, 2009/12, p. 158-162.

BERGER, Martine. Les périurbains de Paris. De la ville dense à la métropole éclatée ? CNRS Éditions, 2004.

BRENNER, Neil. Reestruturação, reescalonamento e a questão urbana. Revista GEOUSP – espaço e tempo, São Paulo, n. 33, pp. 198-220, 2013.

BOUDON, Philippe. Ville et architecturologie, essai de conceptualisation d’une tâche aveugle. In : BERGEL, Guy (Org). Essais critiques sur la ville. Gollion : Infolio, 2015a.

BOYER, Jean-Claude. Les Banlieues en France. Paris : Armand Colin, 2000.

BURGEL, Guy. La ville aujourd’hui. Paris : Hachette, 1993.

_______. (Org). Essais critiques sur la ville. Gollion : Infolio, 2015a.

_______. Géographie urbaine. Vanves : Hachette, 2015b.

CARMONA, Michel. Le Grand Paris : l’évolution de l’idée d’aménagement de la Région Parisienne. Bagneaux, Girotypo, 1979. (Tome II).

CLAVAl, Paul. La logique des villes. Essai d’urbanologie. Paris : LITEC, 1981.

______. Espaço e Poder. Rio de Janeiro: ZAHAR Editores, 1979.

______. A Terra dos Homens: a geografia. São Paulo: Contexto, 2014.

______. Penser le monde en géographe : soixante ans de réflexion. Paris : L'Harmattan, 2015.

______. As dimensões funcionais e simbólicas da composição urbana no século XIX. In: ALMEIDA, Maria Geralda de; ARRAIS, Tadeu Alencar. (Org). É geografia, é Paul Claval. Goiânia: FUNAPE, 2013.

DESJARDINS, Xavier. La bataille du Grand Paris. Formation Géographique, 2010.

_______. Ce Grand Paris qui advient. Leçons pour la planification métropolitaine. Formation Géographique, 2016.

DEMANGEON, Albert. Paris, la ville et sa banlieue. Paris : Bourrelier, 1933.

DESJARDINS, Xavier. ; BEAURICE, Francis. La ville prise aux mots. Éditions de la Sorbonne : Paris, 2017.

DONZELOT, Jacques. La ville à trois vitesses : relégation, périurbanisation, gentrification. In : ESPRIT, mars-avril, 2004.

_______. Quand la ville se défait. Quelle politique face à la crise des banlieues ? Paris : Éditions du Seuil, 2006.

DONZELOT, Jacques. ; MONGIN, Olivier. Tous urbains, tous périurbains ! In : ESPRIT, mars-avril, 2013.

EDELBLUTTE, Simon. Que reste-t-il de l'industrie après la désindustrialisation ? De la négation au patrimoine industriel. In: Bulletin de l'Association de Géographes Français, 88e année, 2011-2.

EPSTEIN, Renaud. La rénovation urbaine. Démolition-reconstruction de l’État. Paris : Sciencies Po Les presses, 2013.

FOL, Sylvie ; RAAD, Lina. Les politiques de patrimonialisation comme support de la gentrification en banlieue rouge ? Le centre ancien de Saint-Denis. In: Djament-Tran, G. ; San Marco, Ph. (Org). La métropolisation de la culture et du patrimoine. Le Manuscrit, Paris, 2014, pp. 259-284.

GRAVARI-BARBAS, Maria et al. Contre la métropole créative ... tout contre. Les politiques patrimoniales et touristiques de Plaine Commune, Seine-Saint-Denis, Métropoles [online], n. 17, 2015.

GIBLIN, Beatrice. (Org). Dictionnaire des banlieues. Larousse, 2009.

GOTTDIENER, Mark. A Produção Social do Espaço Urbano. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1993.

HARVEY, David. Paris, capital da modernidade. São Paulo: BOITEMPO, 2015.

HAUTREUX Jean ; ROCHEFORT Michel. Physionomie générale de l'armature urbaine française, Annales de Géographie, t. 74, n°406, 1965. pp. 660-677.

INSTITUT D’AMÉNAGEMENT ET D’URBANISME ÎLE DE FRANCE – IAU-IdF. Vers des nouvelles restructurations intercommunales en Grande Couronne (Note Rapide Territoires), 2014.

LE GOFF, Jacques. Por amor às cidades: conversações com Jean Lebrun. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

LEFEBVRE, Henri. A Revolução Urbana. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

_______. Quand la ville se perd dans la métamorphose planétaire. Le Monde Diplomatique, mai de 1989.

LENCIONI, Sandra. Observações sobre o conceito de cidade e urbano. São Paulo: GEOUSP – Espaço e Tempo (USP), v. 24, p. 109-123, 2008.

LENCIONI, Sandra. Reestruturação: uma noção fundamental para o estudo das transformações e dinâmicas metropolitanas. In: Anais do VI Encontro de Geógrafos da América Latina, Buenos Aires, 1998, CD-ROM.

MARICATO, Ermínia. (Org). A produção capitalista da casa (e da cidade) no Brasil industrial. São Paulo: Alfa e Ômega, 1979.

MERLIN, Pierre. Les villes nouvelles en France. Paris : Presses Universitaires de France, 1991.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. São Paulo: Bertrand Brasil, 2008.

PEREIRA, Paulo César Xavier. Reestruturação Imobiliária em São Paulo (SP): especificidade e tendência. In: Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina, São Paulo, 2005.

ROLNIK, Raquel; FRÚGOLI, Heitor. Reestruturação Urbana da Metrópole Paulista: a Zona Leste como território de rupturas e permanências. In: Cadernos Metrópole, v. 6, São Paulo: 2001.

SMITH, Neil. Gentrificação, a fronteira e a reestruturação do espaço urbano. Espaço e Tempo, São Paulo, nº 21, pp 15-31, 2007.

SOJA, Edward W. Geografias Pós-Modernas. A reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

SOULIGNAC, Françoise. La banlieue parisienne : cent cinquante ans de transformations. Paris : La Documentation Française, 1993.

SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. Metropolização do espaço: cidades médias, lógicas econômicas e consumo. In: FERREIRA, Alvaro; RUA, João; MATTOS, Regina Célia. (Orgs). Desafios da Metropolização do Espaço. Rio de Janeiro: Consequência, 2015.

STEINBERG, Jean. La périurbanisation en France (1998-2002). GeoINova, nº 7, 2006, p. 75-86.

SUBRA, Philippe. Le Grand Paris. Paris : Armand Colin, 2009.

VIANA, Juliana Nazare Luquez. Rupturas e continuidades. A produção do espaço e o processo de reestruturação: um olhar a partir de São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio de Janeiro. 2019. 312 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

VIEILLARD-BARON, Hervé. Les banlieues. Paris : Éditions Flammarion, 1997.

_______. Banlieues et périphéries - Des singularités françaises aux réalités mondiales. Paris : Hachette Supérieur, 2011a.

_______. La Plaine Saint-Denis : un ancien territoire industriel au centre des contradictions métropolitaines. In : Bulletin de l'Association de Géographes Français, 88e année, 2011b.

Haut de page

Notes

1 A pesquisa aqui apresentada cumpriu-se no período de 10 meses.

2 De antemão destacamos alguns desses conceitos: periurbain, suburbanisation, banlieues et péripherie metropolitaines, restructuration ou recompositions socio-spatiales, gentrification, décentralisation, patrimonialisation et ségrégation, requalification des banlieues, rénovation urbaine, mixté urbaine, urbanité et espacialité, etc.

3 A aglomeração urbana de Paris compreende três arranjos territoriais. A Paris intra-muros, que se refere aos limites administrativos da cidade de Paris, no passado definido pelos muros que cercavam a cidade estruturada, atualmente definidos pelo anel viário Boulevard Périphérique. A petite couronne e a grande couronne. A primeira compreende 123 communes e constitui-se em uma zona de três departamentos administrativos limítrofes à Paris: Hauts-de-Seine, Seine-Saint-Denis e Val-de-Marne. Essa área também possui como característica histórica do o fato de que a administração de várias municipalidades era exercida pelo Partido Comunista Francês. A banlieue rouge, consolidada em 1930, vive, desde então, consecutivas e significativas perdas do poder da esquerda e, simultaneamente, uma recomposição da base social clássica para um “novo proletariado”, constituindo-se numa “réalité urbaine et un phénoméne géopolitique” (Giblin et al, 2009, p. 92). A grande couronne, compreende departamentos administrativos periféricos da Região da Île-de-France limítrofes à petite couronne, quais sejam: Seine-et-Marne, Yvelines, Essonne e Val-d'Oise (BRÈS e SANJUAN, 2011).

4 Texto original: « L’usage du mot se transforme sous la Restauration. La banlieue commence alors à s’inscrire dans un système de valeurs qui opposent Paris à la province, et, plus généralement, la ville à tout ce qui l’entoure. Le mot se charge d’appréciations qualitatives. Les principes de hiérarchie urbaine et de division sociale de l’espace se précisent. » (VIEILLARD-BARON, 1997, p. 13)

5 Texto original: « En deux siècles, la banlieue a donc perdu son acception juridique pour prendre le sens de périphérie urbaine dépendante. La banlieue contemporaine est née de l’augmentation démographique, de l’exode rural et surtout de la révolution industrielle, avec l’évolution des moyens de transport. Après la route, le chemin de fer trace les directions de l’urbanisation. A partir du XIXe siècle, Paris renvoie vers la banlieue la population qu’elle ne peut plus loger, mais moins systématiquement qu’on ne le croit souvent ; et la campagne envoie les hommes qu’elle ne peut plus nourrir vers les grandes agglomérations. La banlieue parisienne, parisienne, qui est la seule reconnue à l’époque, devient un exutoire pour les activités encombrantes et polluantes : carrières fournissant les matériaux nécessaires à la construction ou à la voirie (gypse, sable, argile, pierres de taille...), terrains militaires, gros ateliers, gares de triage, réservoirs d’eau, stations d’épuration, usines à gaz, centrales électriques, décharges, etc. De nombreux services liés à la santé et aux loisirs s’y installent : hôpitaux psychiatriques, hospices, maisons de repos, terrains de sport, hippodromes... Des cimetières parisiens « hors les murs » s’y développent successivement : à Ivry, Bagneux, Saint-Ouen, Pantin-Bobigny par exemple. Les formes de dépendance liant la ville à l’espace qui l’entoure ne cessent de s’amplifier. » (VIEILLARD-BARON, 1997, p. 21).

6 Texto original : « du juridique au spatial au social » (BOYER, 2000, p. 9).

7 Texto original: « […] forte densité de population, concentration de population étrangère, forte proportion de moins de 25 ans, taux de chômage élevé, taux de délinquance nettement supérieur à la moyenne nationale, situation locale où la tension entre les différents groupes sociaux est perceptible. » (GIBLIN et al, 2009, p. 9)

8 Texto original: D’autres, dont nous-mêmes, préfèrent parler de question urbaine, donc d’une mise en cause de la ville, des tendances qui inspirent sa configuration et les transformations de celle-ci. […] Nous serions censés vivre toujours le même problème : celui de la conflictualité des rapports sociaux de production, de l’insuffisante protection des classes laborieuses ». (DONZELOT, 2006, p. 34).

9 Texto original : « une simple transposition des problèmes sociaux dans un espace » (DONZELOT, 2006, p. 34).

10 Texto original: « Faire comme si l’urbain n’était qu’un paramètre secondaire dans l’expression d’une question sociale [...] » (DONZELOT, 2006, p. 34).

11 Texto original: « en raison de l’insécurité relative que les uns éprouvent au contact des autres, suscitant l’émergence d’une logique de séparation qui porte les plus aisés à fuir les plus démunis et, ce faisant, à aggraver la situation de ces derniers. » (DONZELOT, 2006, p. 35).

12 Texto original: « Faire le choix du périurbain, c’est une manière de pouvoir disposer des avantages de la ville centre, de ses équipements et de ses lieux de prestige, sans l’inconvénient d’avoir à contribuer au coût de leur entretien, puisque ledit périurbain ne doit verser des impôts qu’à des communes dortoirs peu exigeantes en la matière. Sans doute cet éloignement de la ville centre se paie-t-il, en retour, par des frais de déplacement plus élevés et une aliénation à la voiture qui est l’un des ressorts de « la ville franchisée. En effet, qui paie le prix, en termes de pollution, de leurs allers et retours incessants, sinon la société entière : à cette double manifestation d’égoïsme, ils ajoutent le péché d’un vote xénophobe, d’un rejet de l’autre, de l’immigré des cités, en l’occurrence. Et voilà que le débat public se déplace des relégués des cités aux oubliés du périurbain ! On ne peut guère mieux démontrer que l’éloignement par rapport à la ville se traduit par une perte des qualités consubstantielles à celle-ci que sont le partage de l’espace, le respect des lieux et la tolérance des autres. » (DONZELOT E MONGIN, 2013, p. 18-19).

13 Texto original : « relégation-périurbanisation-gentrification » (DONZELOT, 2004).

14 Texto original: « repérer dans l’évolution des formes urbaines et de modes d’habiter, les effets sur les trajectoires sociales et spatiales de générations de Franciliens, d’un contexte économique où leur ville changeait d’échelle et de fonctions. » (BERGER, 2004, p. 12).

15 Referente à região da Île de France.

16 Conforme apresentas anteriormente a partir de LEFEBVRE (1989) e LENCIONI (2017).

17 Texto orifinal: « relecture des relations entre villes et campagnes » (BERGER, 2004, p. 275).

18 Texto original: « espaces appartenant à des cycles variés de production de l'urbain, inégalement engagés dans la voie des recompositions sinon des réutilisations ou des revalorisations » (BERGER, 2004, p. 14).

19 Texto original: « recomposition des périphéries » (VIEILLARD-BARON, 2011a).

20 As contribuições dadas através das reuniões de orientação com o Professor Paul Claval e dos textos escritos por ele sobre as duas áreas nos foram úteis para desenvolver esse segmento.

21 Serão 200 km de linhas automáticas, 68 estações, duas linhas prolongadas do sistema já existente e mais quatro linhas novas serão acrescentadas. O Grand Paris Express é o maior projeto urbano da Europa e está proposto para ser executado em 6 fases. Essencialmente subterrâneo, o novo metrô atravessará os territórios do Grand Paris para conectá-los uns aos outros e à capital. O projeto surge como uma nova alternativa para o uso demasiado do automóvel individual e aponta benefícios para o meio ambiente. Conforme <https://www.societedugrandparis.fr/>.

22 Um território administrativo da aglomeração urbana de Paris no contexto das políticas de planificação e desenvolvimento territorial do Métropole du Grand Paris e que reforça a centralidade da cidade de Saint-Denis.

23 Texto original: « théorie du champ urbain » (CLAVAL, 1981).

24 De acordo com o estudo "Arranjos Populacionais e Concentrações Urbanas do Brasil", realizado pelo IBGE em 2015, o maior fluxo de pessoas para trabalhar e estudar ocorre entre os municípios de São Paulo e Guarulhos (146,3 mil pessoas/dia) e o segundo maior fluxo ocorre entre as cidades de São Gonçalo e Niterói, ambas integrantes do arranjo populacional e metropolitano do Rio de Janeiro (120,3 mil pessoas/dia). O terceiro maior fluxo no Brasil e o segundo do Estado do Rio de Janeiro se dá entre a capital fluminense e o município de Duque de Caxias.

25 Referentes às ruas e autoestradas mal conservadas, alto preço do seguros devido aos altos índices de violência urbana, combustível, etc.

26 Sobre esse tema sugerimos ver nosso artigo “Os desafios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro na promoção da mobilidade sustentável: perspectivas pós olímpicas” (LUQUEZ, J. MUNIZ, J. FREITAS, L. Revista GEOFRONTTER, set./2017). Disponível em: <https://periodicosonline.uems.br/index.php/GEOF/article/view/2129>.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Imagem 1 – Alguns aspectos e transformações socioespaciais da banlieue parisiense nas telas de pintores impressionistas
Crédits Fonte: Musée Français de la Carte à Jouer. Peindre la banlieue, de Cornot à Vlaminck (1850-1950), catálogo (2017
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19215/img-1.png
Fichier image/, 2,2M
Titre Imagem 2 Localização de Saint-Denis na petite couronne da aglomeração urbana de Paris
Crédits Elaboração: Juliana Luquez
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19215/img-2.png
Fichier image/, 259k
Titre Imagem 3 Localização de São Gonçalo na aglomeração urbana institucionalizada do Rio de Janeiro
Crédits Elaboração: Juliana Luquez
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19215/img-3.png
Fichier image/, 129k
Titre Imagem 4 - Saint-Denis: futura instalação da Gare Grand Paris Express
Crédits Crédito: Juliana Luquez
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19215/img-4.jpg
Fichier image/, 344k
Titre Quadro 1 – Trabalhos de campo na aglomeração urbana de Paris
Crédits Elaboração: Juliana Luquez
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19215/img-5.jpg
Fichier image/, 1,1M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Juliana Nazaré Luquez Viana, « Transformações socioespaciais na aglomeração urbana de Paris : princípios interpretativos e o léxico conceitual na compreensão da produção do espaço », Confins [En ligne], 40 | 2019, mis en ligne le 05 juin 2019, consulté le 21 août 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/19215 ; DOI : 10.4000/confins.19215

Haut de page

Auteur

Juliana Nazaré Luquez Viana

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS/Jardim), julianaluquez@usp.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals