Navigation – Plan du site
Resenhas

Uma síntese sobre a Amazônia brasileira

Une synthèse sur l’Amazonie brésilienne
A synthesis on the Brazilian Amazon
Confins
Référence(s) :

L'Amazonie, histoire, géographie, environnement, François-Michel Le Tourneau, CNRS Editions 2019

Texte intégral

  • 1 Centre National de la Recherche Scientifique, equivalente francês do CnPQ, com um corpo de pesquisa (...)
  • 2 Le Jari, géohistoire d’un grand fleuve amazonien, Rennes, Presses universitaires de Rennes, 2013, 2 (...)
  • 3 Em 2015 um levantamento da fronteira terrestre entre o Brasil e a Guiana (320 km a pé), em 2013 a e (...)

1François-Michel Le Tourneau, diretor de pesquisa do CNRS1, estava perfeitamente qualificado para escrever esta síntese sobre a Amazônia brasileira, uma vez que dedicou a ela toda a sua atividade científica desde sua tese, com um interesse particular pelas populações tradicionais e indígenas, e mais especificamente pela sua relação com seu território. Além de inúmeros artigos em revistas de geografia francesa e internacional, publicou três livros2 e organizou várias expedições em regiões isoladas da Amazônia ou da Guyane française3.

  • 4 Este é um dos raros erros do livro, pois que se utilize a légua métrica (4 km), a légua terrestre ( (...)

2As primeiras palavras de sua introdução (e da contracapa) são intrigantes: “A ‘Amazônia’ não existe”. Pode-se, portanto, se perguntar por que ele então lhe dedica 524 páginas a, mas esta observação paradoxal serve apenas para sublinhar que “a dimensão mítica e mitológica desta região, muitas vezes supera a realidade geográfica”, começando com o seu nome que “refere-se a uma lenda tirada da antiguidade grega, a mil léguas4 do contexto da floresta equatorial que os viajantes do século XVI haviam acabado de abordar ...”.

3Este ponto de partida é uma escolha porque, como afirma o autor na introdução, “esta série de interpretações errôneas sobre a natureza e o funcionamento da região pontuou a história do ‘aprimoramento’ ou ‘desenvolvimento’. da Amazônia brasileira, à qual este livro é dedicado”. Ele começa, portanto, dos mitos contrários que obscureceram a visão de observadores da Europa, conquistadores ou cientistas que se sucederam a partir do século XIX, o de “inferno verde” e o da “floresta virgem” ou dos “pulmões do planeta”, o que levou à introdução de modelos de gestão “em total inadequação com o seu ambiente, resultando em consequências dramáticas para os equilíbrios ecológicos, não só localmente, mas também regionalmente ou globalmente”. De lá segue-se em uma sequência lógica uma série de capítulos que não deixam de lado nenhum assunto importante: desmatamento, situação dos Ameríndios, conflitos fundiários, geopolítica, eixos de transporte, crescimento urbano, etc.

4A primeira parte do livro é dedicada a uma apresentação – muito clara – do ambiente físico e ecológico da Amazônia, e a “uma síntese do que sabemos hoje sobre a ocupação pré-colombiana de a Amazônia”, não menos clara. A segunda parte apresenta a evolução da região desde o período colonial até o final da Segunda Guerra Mundial, desde a destruição dos povos ameríndios até o boom da borracha, seguido de uma longa estagnação até os anos 1950. A terceira parte retraça os imensos esforços feitos para “desenvolver” a Amazônia, e depois afirmar uma política de proteção ambiental baseada no “socioambientalismo”. A última parte faz um balanço das questões que definem a Amazônia hoje: a busca pelo controle do desmatamento, mudanças no modelo econômico e questões sociais, territoriais e estratégicas. Porque “a Amazônia não é apenas um ambiente fascinante, mas ameaçado. Legado das políticas de desenvolvimento, tornou-se uma importante região econômica”.

5Esta parte é a mais inovadora e provavelmente a mais útil. Segundo François-Michel Le Tourneau, seu livro tinha “dois objetivos simultâneos”. O primeiro era desmontar as “interpretações errôneas” sobre as quais se fundaram as políticas de desenvolvimento da Amazônia, que trouxeram “dificuldades” (um bom eufemismo), porque a solução delas pressupõe "”uma verdadeira mudança de paradigma, uma redefinição de o que a Amazônia é a imaginação ocidental”, que, de acordo com a própria admissão do autor, “não parece realmente estar na agenda”. Ele é, portanto, um pouco otimista quando quer que o livro “ajude a mudar o aspecto exógeno que está no coração da maioria das políticas aplicadas à Amazônia”.

6O segundo objetivo, “propor uma síntese tanto quanto possível documentada das evoluções do período pré-colombiano até os dias atuais, bem como um quadro das questões contemporâneas”, é perfeitamente alcançado e François-Michel Le Tourneau tem razões para esperar que “os leitores [encontrem] nestas páginas uma fonte útil de informação, não só por textos e ilustrações, mas também nos temas que lhes interessam, seguindo às inúmeras referências bibliográficas”.

7É, portanto, uma síntese notável, que será rapidamente uma referência na França, no Brasil e em todos os países onde a palavra “Amazônia” faz sonhar, isto é, o mundo inteiro.

Alguns exemplos dos mapas do livro

Figura 1.3 Um espaço com dimensões continentais

Figura 1.3 Um espaço com dimensões continentais

Figura 7.4 Frentes de desmatamento

Figura 7.4 Frentes de desmatamento

Figura 8.4 Produção Agrícola

Figura 8.4 Produção Agrícola

Figura 8.11 A rede de transporte

Figura 8.11 A rede de transporte

Figura 9.6 IDH dos municípios

Figura 9.6 IDH dos municípios
Haut de page

Notes

1 Centre National de la Recherche Scientifique, equivalente francês do CnPQ, com um corpo de pesquisadores de mais de 10 000 pessoas.

2 Le Jari, géohistoire d’un grand fleuve amazonien, Rennes, Presses universitaires de Rennes, 2013, 248 p., Les Yanomami du Brésil, géographie d’un territoire amérindien, Paris, Belin, collection Mappemonde, 2010, 480 p. et L’Amazonie brésilienne et le développement durable, avec M. Droulers, Paris, Belin, 2010, 480 p.

3 Em 2015 um levantamento da fronteira terrestre entre o Brasil e a Guiana (320 km a pé), em 2013 a expedição Culari-Tampak, uma seção norte-sul da Amazônia rumo a Maripasoula, na Guyane française (700 km, dos quais 400 remando) e em 2011 a Expedição Maponi, subida do rio Jari em direção à Trijunção Brasil / Guiana / Suriname (1 500 km de distância ida e volta de voadeira

4 Este é um dos raros erros do livro, pois que se utilize a légua métrica (4 km), a légua terrestre (ou légua comum da França, o que equivale a 1/25 do grau do perímetro terrestre, isto é 4,4448 km ) ou a légua náutica (1/20 grau do perímetro terrestre, três milhas náuticas ou 5,556 km), eles estavam com bem mais de 4,000, 4,445 ou 5,556 quilômetros, das costas do Mar Negro, da Ásia Menor ou a Líbia, os lugares onde viviam - segundo fontes contraditórias - as míticas Amazonas ...

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1.3 Um espaço com dimensões continentais
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19279/img-1.jpg
Fichier image/, 608k
Titre Figura 7.4 Frentes de desmatamento
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19279/img-2.jpg
Fichier image/, 288k
Titre Figura 8.4 Produção Agrícola
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19279/img-3.jpg
Fichier image/, 216k
Titre Figura 8.11 A rede de transporte
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19279/img-4.jpg
Fichier image/, 184k
Titre Figura 9.6 IDH dos municípios
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19279/img-5.jpg
Fichier image/, 298k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « Uma síntese sobre a Amazônia brasileira », Confins [En ligne], 40 | 2019, mis en ligne le 23 mai 2019, consulté le 15 septembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/19279

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals