Navigation – Plan du site

Mercado da cultura popular e economia urbana: o brega recifense

Le marché de la culture populaire et l’économie urbaine: la musique brega à recife
The market of popular culture and urban economy: the brega music in recife
Cristiano Nunes Alves

Résumés

Une métropole marquée par un intense mélange culturelle associé à une inégalité territoriale aiguë, Recife se distingue comme un refuge vigoureux pour la production musicale brega. Armés d'une enquête bibliographique et documentaire sur le sujet; et grâce à la collecte d'informations primaires, sur la base de visites techniques et d'entretiens semi-structurés, nous opérons sur la notion de circuit, en recherchant la jouissance, une minutie du territoire dans sa boussole avec le marché et l'économie politique de la ville. L'article montre comment, dans la banlieue de Recife, le travail culturel est organisé par de petits investissements, indépendants des grands médias ou du pouvoir public. On voit que le circuit est collant, un élément d'épaisseur considérable dans la dynamique de la métropole contemporaine, basé sur une myriade d'activités de faible portée, qui permettent la survie de la majorité des citoyens pauvres, sujets pour lesquels le chômage, plus que le fruit d'une crise, fait partie des histoires de vie.

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

Territoire, économie, culture, Recife.

Index by keywords :

Territory, economy, culture, Recife.

Índice de palavras-chaves :

Território, economia, cultura, Recife.
Haut de page

Texte intégral

1Sons pautados em ritmos acelerados e dançantes, oriundos das periferias urbanas, demonstrando o anseio por diversão, mas também por sobrevivência, lucratividade e inserção no mercado cultural; aspectos que, em larga medida, parecem definir a música brega (Fontanella, 2005; Lemos & Castro, 2008; Tozi, 2010; Gomes et al., 2010).

2Grosso modo desde os anos 1990, a aglomeração do Recife - capital do Pernambuco –, metrópole marcada por intenso imbricamento cultural associado a uma aguda desigualdade territorial (Andrade, 1979; Araújo, 2005), destaca-se por ser um vigoroso abrigo para o brega.

3Ressaltando o concreto pensado (Silveira, 2006) embutido no presente alvitre de trabalho, lembramos Isnard (1978, p. 6), para quem, substituir a necessidade pela intencionalidade é o maior legado da “aventura humana sobre a terra” cabendo ao geógrafo preocupar-se com o espaço organizado como projeção da sociedade no solo por meio da ação humana.

4Igualmente nessa via, ressaltando Santos (1997, p. 232) quando este afirma que “a utilização do território pelo povo cria o espaço”, produção unificada demandas materiais e imateriais, propomos uma análise do brega a partir da noção de circuito.

5Examinando a dinâmica do território a partir da noção de circuito, buscamos melhor compreender a situação concreta em torno do brega, resultante do processo de espacialização de normas, materialidades, ações e formas, constituintes do território usado (Santos, 1997) no Recife.

6Objetivamos aqui uma minúcia do território em seu compasso com o mercado e com a economia política da cidade, reflexão, amparada na teoria dos circuitos da economia urbana (Santos, 1979).

  • 1 As informações primárias aqui sistematizadas em torno da música brega compõem a tese de doutorado e (...)

7Substanciamos nossa metodologia de pesquisa por meio: i) do levantamento bibliográfico e documental sobre a temática; ii) da reunião de informações primárias, a partir de visitas técnicas a lugares conformados e apropriados por agentes do circuito brega recifense, tais quais estúdios fonográficos, emissoras de rádio, duplicadoras de mídias, entre outros; entrevistas semiestruturadas, diálogos com os sujeitos diretamente ligados à temática: músicos, produtores de eventos musicais, produtores fonográficos, Djs, divulgadores, radialistas, jornalistas, agentes do poder público, entre outros. Tais informações primárias, manifestas nos relatos de nossos interlocutores, aparecem no texto, acompanhadas de um asterisco*1.

8Estruturamos o nosso argumento do seguinte modo: partimos do delineamento de uma problemática, apresentando em linhas gerais as bases de nossa reflexão sobre a economia política da cidade e uma panorama geral do brega recifense. Em um segundo momento, abordamos a produção do brega, destacando a tipologia-topologia dos estúdios fonográficos acionados pelo circuito. Na sequência, destacamos a circulação no circuito, apresentando os pormenores da distribuição, do comércio e da divulgação do brega. Em um quarto momento, apresentamos apontamentos sobre a dimensão econômica e técnica associada aos eventos musicais do circuito brega. Por fim, pomos em relevo as receitas financeiras circuito recifense, demonstrando como a drenagem de capitais ocorre em favor dos proprietários das bandas.

9Problematizando-se o tema da economia política da cidade a partir do circuito brega, busca-se erigir pontes entre a teoria e a concretude de objetos e ações, o empírico em suas contradições, possibilidades e lutas políticas (Ribeiro, 2003), refletindo sobre o trabalho na metrópole contemporânea.

Apresentando a problemática: da economia política da cidade aos contornos do circuito brega recifense

10O brega é chamado entre os seus agentes (produtores, músicos e público) de som da favela, do subúrbio, que fala do amor, da traição, da intriga, que fala do povão, uma música que incita a dança.

  • 2 Numa abordagem da dinâmica econômica territorial nos países do terceiro mundo, Santos (1979, p. 42) (...)

11Inquieta-nos o desvelamento dos modos de organização dos circuitos da economia local dinamizados no circuito brega, sublinhando os mecanismos de drenagem de capital associados. Tal modo de trabalho, aponta para características do circuito inferior da economia urbana (Santos, 1979)2, manifesto, entre outros, no trabalho intensivo, no alto grau de improviso e criatividade, na produção reduzida e matizada, e no tímido uso de publicidade.

12Acerca da dinâmica do circuito inferior, Silveira (2011, p. 39) explica que na metrópole, os pobres, sem deterem os conhecimentos técnico-científicos instrumentais ao circuito superior, participam “das variáveis da época”, devido a fatores como o abrigo em áreas centrais deterioradas, o fluxo de pessoas e de informação e as horizontalidades embutidas na trama das negociações econômicas.

13Propondo operacionalizar a análise dos circuitos da economia urbana relacionados ao circuito brega, lembramos Silveira (2011, p. 40) ao falar da importância de identificar para quem a aglomeração é abrigo e para quem ela é “um empecilho para a fluidez de seus processos”, análise rumo “à elaboração de uma economia política da cidade.” Apresentadas as premissas que permearão o nosso argumento, cumpre agora, expor os contornos do brega recifense.

14Esclarecimento inicial deve-se ressaltar que o brega na capital pernambucana tem como característica uma grande proximidade do circuito do chamado “forró eletrônico”, por vezes confundindo-se ambos os ritmos em sua dinâmica, razão pela qual, em nossa abordagem, malgrado o foco no brega, partimos, de uma análise conjunta.

15No brega os grupos têm donos: produtores que drenam a maior parte das receitas em torno do circuito. Por outro lado, de modo semelhante ao observado por Lemos & Castro (2008, p. 54) sobre o circuito do tecnobrega em Belém-PA, no circuito do brega em Recife tem-se um “sistema de divulgação baseado nos reprodutores não autorizados e a ausência de remuneração por direitos autorais.” Ou seja: a única propriedade que parece vigorar no circuito é a dos donos sobre os grupos.

16Difícil estimar com alguma precisão o número de grupos de brega/forró existentes na Região do Recife. Nossos interlocutores* ofereceram estimativas conflitantes a respeito: fala-se em duzentos, trezentos grupos. Conseguimos estimativas minimamente confiáveis sobre alguns bairros, como o Alto do Céu, que é abrigo para cerca de 10 bandas de brega.

17No circuito brega/forró as apresentações ocorrem em dois formatos: MC (mestre de cerimônias) com vocalistas acompanhando uma base gravada, ou com banda, tendo as bandas de forró um instrumental mais vasto e consequentemente um maior número de integrantes, por vezes não cabendo todos em determinados palcos dos subúrbios, sendo necessário improvisar arranjos e formações durante as apresentações. Enquanto as bandas de forró chegam a ter cerca de dez integrantes, a formação convencional de um grupo de brega tem em torno de sete integrantes (4 músicos e 3 vocalistas).

18Outra diferença entre o brega e o forró tem a ver com a distinta escala de atuação de cada um dos gêneros: “A gente investe em Pernambuco, os forrozeiros investem no nordeste” propõe o produtor de brega Giovanni*. Os grandes grupos de forró são conhecidos por versões de músicas estouradas no circuito brega, tais quais o Grupo Aviões do Forró: “estourou uma música no brega, ele (o Grupo) vai e cata” afiança um de nossos interlocutores*.

19Aspecto importante é que Pernambuco e o Recife têm uma tradição na produção de um brega hoje chamado “original”, caracterizado por canções românticas e “cafonas”, remetendo-se a figuras respeitadas entre os produtores, críticos e músicos das mais diferentes formações e orientações, tal como é o caso do cantor “Rei” Reginaldo Rossi.

20A partir desse brega, considerado “espontâneo”, como propõe jornalista e crítico musical José Teles*, entre outros de nossos interlocutores, ter-se-iam formado vertentes oportunistas, baseadas na diluição do gênero. Assim sendo, em Recife, o brega teria como peculiaridade a proximidade e a fusão com outros gêneros e estilos como o forró, o funk carioca, o pagode baiano, o tecnobrega do Pará ou a suingueira (mistura de samba-reggae e pagode), entre outros.

21Segundo o produtor Henrique* (Água Fria), o brega abarca inúmeros subgêneros, configurados de acordo com a batida (ritmo), compreendendo variantes tais qual o tarracha (da Angola) ou o arrocha (da Bahia). Ao conjunto de bandas sob a mesma variante brega, a denominação “bonde” tem cada vez mais sido usada entre os produtores, numa referência ao termo utilizado pelo funk carioca.

22Não é nossa intenção estabelecer as diferenças entre cada um dos “subgêneros” do brega, mas apenas destacar que por vezes a crítica ao estilo não se funda em seu núcleo, mas nos aportes de outras tendências, tais quais as letras de duplo sentido da suingueira ou o vocabulário de baixo calão do funk carioca, que têm se tornado corolário do brega do Recife num período recente.

23Tal aspecto implica em menções ao pagode ou ao axé em Recife, quando na verdade as referências dizem respeito ao brega do Recife, mesclado a esse universo musical considerado “oportunista” por boa parte de nossos interlocutores.

24Esta é a posição do produtor Tostão Queiroga* do Estúdio Luni (Casa Forte), ao afirmar que os envolvidos com o axé e o pagode não se preocupam com a cultura mais sim com o lucro, situação na qual a produção cultural se transforma em uma espécie de “caça-níquel.”

25Já para o músico Neílton* (Banda Devotos) faltaria veracidade ao brega, música ajustada à temática do igual onde “nem a batida muda.” No brega a adoção de um formato musical, assim como a sua manutenção, têm menos a ver com o purismo dos músicos do que com a aposta numa fórmula assinalada pelo êxito mercadológico. Nessa via, o produtor de brega Henrique* destaca: “queria montar um Bonde da Tarracha, pois é o que vende.”

26Por seu turno, o músico Eduardo* (Alto do Mandú), agente do brega, aborda o tema: “Se a gente tentar reharmonizar o brega, vai deixar de ser brega e não vai vender, o pessoal não vai aceitar não (...) O brega é isso, dentro da nossa cultura é a nossa visão do que é o ideal para o mercado, não vai adiantar a gente se formar na ideia de tocar jazz que não vai ganhar dinheiro”.

27Trata-se sem dúvida de um gênero com um circuito bem estruturado e autônomo com relação ao sistema de incentivos públicos à cultura ou à grande mídia.

28Um dos motivos para a grande autonomia do circuito brega, propõem seus agentes, é o tamanho de seu mercado consumidor, bem mais amplo, por exemplo, que o rap (música da cultura hip hop), outra manifestação característica das periferias urbanas. Sobre a autonomia do circuito o músico Eduardo* é enfático: “Se a grande mídia não abre espaço pra gente entrar a gente cria o espaço da gente e vende (...) A gente não precisa de SESC, de prefeitura, de fundação nenhuma.”

29Nesse sentido, gestores culturais como Evandro Sena* (Secretaria de Cultura-Prefeitura Municipal do Recife-PMR) e Rafael Cortes* (Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco - FUNDARPE) avaliam que, de modo semelhante ao circuito evangélico, no brega, um circuito “cada vez mais organizado e estruturado”, desenvolve-se uma espécie de “mercado paralelo” dinamizado por agentes que “procuram muito pouco o governo” em busca de qualquer tipo de incentivo. De acordo com Rafael Cortes* a questão central com relação ao brega é a organização do circuito, se destacando em virtude de seu modelo de baixo investimento, ainda assim, fazendo com que mesmo artistas efêmeros, proponentes de “sucessos de estação”, consigam circular o seu produto “reproduzindo a música que é do outro que fez sucesso ou colocando uma música dele que de repente até estoura.”

30Além da autonomia, o circuito parece ter pouca articulação com outros circuitos recifenses, caso em especial da Cena Manguebit, difundida no Brasil e no mundo, sobretudo a partir do início dos anos 1990, alicerçada na proposta de fusão da música elétrica com ritmos percussivos como o maracatu ou o afoxé, e movimentada por bandas como Mundo Livre S/A ou Chico Science & Nação Zumbi (Araújo, 2004; Alves, 2015). A esse respeito, destacamos mais uma vez o instrumentista recifense Eduardo, notório pela sua técnica apurada, e, que mesmo sendo conhecedor do circuito de instrumentistas de São Paulo, afirma* desconhecer figuras centrais da cena manguebit do Recife, como Renato L (então secretário de cultura) ou Fred 04 (Banda Mundo Livre S/A).

A produção do brega na Região do Recife: os estúdios fonográficos e o registro sonoro nas periferias da metrópole

31Inventariamos 18 estúdios gravando o brega na Região do Recife, conhecidos pelos diferentes subgêneros de brega que produzem (um estilo mais moderno, com influências do tecnobrega, entre outros) concentrados em especial nos morros da Zona Norte do Recife (Foto 1/Figura 1). A esse respeito declara o produtor de brega Henrique*: “tudo que sai de banda, sai daqui da Zona Norte”

Foto 1 – Alto do Mandu, um dos redutos do brega na zona norte do Recife

Foto 1 – Alto do Mandu, um dos redutos do brega na zona norte do Recife

Fonte: Cristiano Nunes Alves, julho de 2011.

32Os bregas que mais emplacam são os produzidos nos estúdios caseiros, trata-se de um consenso entre nossos interlocutores: “Quando você escuta o som, você não acredita que saiu de um estúdio desses” salienta o DJ Preá*, figura icônica do brega recifense. O produtor Cacau* (Estúdio Somax) nos fala mais a respeito:

“não têm nome os estúdios. Tem muito na casa das pessoas: o cara faz em casa com o tecladinho dele, já mixa ali no computador e já manda (para os DJs). Os tecladistas hoje em dia eles têm um estudiozinho home. Por que essas bandas de brega, elas são sampleadas, essas pequenas mesmo, safadas. Então o cara vai ali pro show com um laptopzinho e já tá pronto por que é remix (pré gravado)...”

33Ao que tudo indica, o conhecimento da existência desses estúdios se resume aos agentes diretamente ligados ao brega e aos moradores do entorno imediato. Outro aspecto a ser destacado, os estúdios trabalham relativamente independentes uns dos outros, ainda que os produtores se conheçam: a cooperação entre os agentes de tais fixos é menor em relação a outras cenas e circuitos da música por nós estudadas nas periferias do Recife. A estrutura de um estúdio de brega tem como principais agentes o produtor, os instrumentistas e os cantores (Quadro 1).

Elaboração : Cristiano Nunes Alves, 2014. Fonte: campo de informação primária

34Pensando numa possível tipologia para os estúdios de brega, apresentamos a dinâmica de trabalho de dois dos fixos responsáveis pela gravação do gênero no Recife: o estúdio Henri Som, de pequeno porte e o estúdio de Giovanni, com uma estrutura mais desenvolvida para os padrões do circuito brega.

35Considerado um estúdio de pequeno porte no circuito brega, surgido em 2010, o Estúdio Henri Som situado no Alto do Mandu é dirigido pelo produtor Henrique, que divide as suas funções no estúdio com o trabalho de maqueiro num hospital da Região.

36Como a maior parte dos fixos onde se realizam as gravações do brega do Recife, trata-se de uma parte da residência do produtor refuncionalizada para receber as atividades de um estúdio, gravando apenas bandas, não elaborando vinhetas ou qualquer outro fonograma publicitário.

37Segundo Henrique* o investimento total para a instalação do estúdio foi da ordem de R$ 8.000,00, um lento processo no qual os equipamentos e instalações foram sendo adquiridos pouco a pouco, de acordo com as receitas disponíveis.

38Em seu projeto, o produtor esclarece* ter como função procurar e acolher quem está fazendo um som em seu entorno, para daí realizar gravações baseadas em vocais, acompanhados de linhas de guitarra e baixo, com os demais instrumentos (em geral bateria, teclado e metais), gravados eletronicamente a partir de um teclado, com um custo médio de R$ 80,00 por faixa gravada.

39Por outro lado, visitamos em Água Fria o Estúdio do produtor Giovanni, que sinaliza para uma estrutura de médio porte entre os responsáveis por registrar o brega na aglomeração recifense. Funcionando desde 2005, de modo semelhante a quase todos os estúdios do circuito brega, o fixo foi instalado em parte da residência do produtor, dono, entre outros, da banda Pank Brega.

40O instrumentista Eduardo*, colaborador do estúdio, apresenta os aspectos que implicaram na instalação do estúdio de Giovanni. A descrição merecer atenção, pois, apesar de tratar de um fixo específico, traz em linhas gerais aspectos comuns a instalação dos estúdios de brega no Recife:

“Há seis anos (2005) ter um computador era uma coisa difícil e ter uma placa de áudio era algo mais difícil ainda. Como a família deu a ele (Giovanni) a condição de ter um computador, ele correu atrás e tal, e conseguiu a placa (de som). Tem um espaço na casa e como ele já vem de família que tem uma estrutura legal, ficou fácil para construir um estúdio, numa época que contribuía pra ele ampliar o mercado dele e hoje ele (Giovanni) é o centro comercial do brega.”

41Ora, numa cidade de usos do território agudamente desiguais, o fato de se ter um computador e um pequeno espaço em casa pode significar um grande diferencial para a instalação de um serviço fonográfico, no caso de um estúdio.

42Hoje, para o estúdio de Giovanni convergem grupos de vários lugares da Região do Recife: Areias (Recife), Maranguape (Paulista), Muribeca (Jaboatão), entre outros. O vaivém de pessoas na frente do estúdio (onde várias motos ficam estacionadas) e dentro do fixo dá ideia do volume de trabalho ali concentrado (Fotos 2 e 3).

Foto 2 – Frente da residência/estúdio de Giovanni, Água Fria

Foto 2 – Frente da residência/estúdio de Giovanni, Água Fria

Foto: Cristiano Nunes Alves, julho de 2011

Foto 3 – Trabalho no estudio de Giovanni – médio porte no brega

Foto 3 – Trabalho no estudio de Giovanni – médio porte no brega

Foto: Cristiano Nunes Alves, julho de 2011

43Torna-se difícil estabelecer qual é a proporção do circuito que grava nesse fixo, mas pela análise dos cartazes de apresentações de brega na cidade, sabe-se que boa parte dos nomes ligados ao brega “doidão” influenciado pelo funk carioca passam ou passaram pelo estúdio “Nesse estilo doidão que os caras tão fazendo, se não fizer aqui não fica legal não e não pega não” avalia um dos músicos em gravação no fixo*.

44As músicas começam com as chamadas “doideiras” geralmente expressões de baixo calão “que a galera (um produtor ou amigo) diz: que merda é essa? Isso tu vende porra ...é o que o povo quer” sinaliza um dos MCs no Estúdio em Água Fria*. Nessa via, boa parte de nossos interlocutores* entende que o circuito brega já esteve mais forte no Recife sendo a “mina de dinheiro” como sugere o músico Sombra* (Banda Plugins), e que o modismo recente de associar a batida do tecnobrega às letras inspiradas no funk carioca, deve-se a uma tentativa de “reerguer” o circuito.

45As gravações de uma faixa são relativamente rápidas, realizadas em aproximadamente duas horas (segundo apuramos, em média, 20% do tempo necessário para a gravação de um frevo-canção), custando de R$ 80,00 a R$ 100,00. Metade do tempo é utilizado para a inserção de vocais, predominando boa parte da gravação realizada via digital, exceção para as cordas, sobretudo o baixo.

46Isto, pois, como explica o baixista/guitarrista Eduardo*, integrante das bandas Vício Louco e Pank Brega e colaborador do estúdio, as linhas do baixo e em menor proporção as frases de guitarra, são responsáveis pelo “conteúdo informativo musical do brega” um “groove flutuante” responsável por tornar “real” uma dinâmica de gravação na qual boa parte dos instrumentos são gravados de modo digital.

Distribuição, comércio e divulgação: a circulação no circuito brega do Recife

47Sem dúvida um dos aspectos que mais chama a atenção no circuito do brega, é que ao contrário de outros gêneros musicais, este é marcado pela distribuição gratuita de CDs, nos mais diversos lugares: desde terminais de ônibus, até escolas.

48Para Gilmar Bola 8* (Banda Nação Zumbi), uma banda que “caminha pelos subterrâneos não interessa” daí a operação massiva de distribuição de CDs característica do circuito brega. O problema pontua o músico, é que esta exposição massiva faz com que se acredite no entorno que essa é a música que deve ser ouvida: “Os caras fazem uma musiquinha e distribuem mil discos com as carrocinhas e ficam tocando na comunidade, ela pensa que isso é a última coisa em música e tem que comprar...” A esse respeito Neílton* aborda a facilidade em fazer com que o “povão” acredite que não existe nada além do que se expõe incessantemente nas periferias.

49Intentando garantir visibilidade, a temporada de lançamentos do brega ocorre após o carnaval, para que não haja competição com os gêneros que vêm a tona durante os festejos de momo, caso, entre outros, do frevo.

50Um investimento de R$ 70,00 para cada 100 cópias confeccionadas compõe a tática de se fazer conhecido, criar demanda e nutrir a agenda de apresentações ao vivo. Expomos a seguir a descrição do músico Eduardo* a respeito:

“Não existe comércio fonográfico, eu nunca vi... a (arti)manha é essa: produzir o CD e jogar na rua, sair dando a todo o mundo, em barzinho, em show; chegar na estação de ônibus tá todo mundo largando do trabalho, como na estação da (rodovia) PE-15... que vem gente de toda a Região do Recife. O cara chega de seis horas com uns quinhentos CDs dentro de um ônibus daquele, você distribui para grande parte de Recife (...) A ideia é todo mundo ouvir aquela música ao mesmo tempo. Por que todo o mundo ouvindo aquilo se torna moda e ai curtindo o dono da casa de show vai ter que botar a banda pra tocar.”

51Outra tática utilizada pelas bandas é a distribuição de CDs em rádios livres da Região do Recife. Como a propina (jabá) para se tocar durante um mês em emissoras como a rádio Recife, segundo nosso campo de informação primária, custa cerca de R$ 5 mil, a opção dos agentes do brega é recorrer às rádios livres. Duas vantagens básicas ajudam-nos a entender essa opção: os pagamentos são módicos, no sentido de uma ajuda de custo, entrega de cestas básicas ou auxílio com equipamentos para a emissora, além do que, nas rádios livres as músicas podem ser exibidas em horários estratégicos, de grande audiência, ao passo que nas rádios comerciais, por vezes, a música tem parte de sua execução relegada às madrugadas.

52Apenas as músicas que se tornam “sucesso” criando uma demanda começam a ser vendidas. Nesse momento do circuito figura outro agente: o vendedor de CDs e DVDs.

53Os vendedores de CDs não têm relação com as bandas, “são trabalhadores ai na luta” destaca um produtor de brega*. No esquema de divulgação entrega-se, por exemplo, 500 cópias de CDs para o vendedor, o carroceiro, com a seguinte recomendação: “fique com uns vinte pra você, distribua o resto e deixe a música tocando (na carrocinha) de um lado pro outro” explica DJ Preá*.

54Como se vê no circuito brega o comércio e a divulgação confundem-se, sendo importante ter a música difundida pelas ruas da cidade por meio dos carroceiros. Em entrevista concedida a Revista Continente (n° 99, Março de 2009), o radialista Alexandre Beleza, agente do brega recifense, afirma que na cidade existem mais de mil carroças de CDs (construídas com um investimento que vai de R$ 500,00 a R$ 1.000,00), circulando divididas em áreas, ou fixas em determinados locais de comércio (Foto 4).

Foto 4 – Vendedores e carroça de CD genéricos, São José

Foto 4 – Vendedores e carroça de CD genéricos, São José

Foto: Cristiano Nunes Alves, janeiro de 2011.

55Em média o CD custa R$ 2,50, sendo R$ 1,50 de lucro destinado ao vendedor e o restante (R$ 1,00) para os chamados “pirateiros” responsáveis por fornecerem as cópias dos CDs aos vendedores, que chegam a lucrar R$ 1.350,00 mensais, caso trabalhem diariamente.

56Ainda sobre o tema, cada vez mais um produto oferecido pelas bandas de brega são os DVDs onde apresentações ao vivo são gravadas, especialmente quando realizadas em clubes de maior porte. Para a elaboração desses DVDs empenham-se entre R$ 5 mil e R$ 20 mil, um investimento válido, pois, segundo nossos interlocutores*, um produto dessa natureza dá visibilidade rápida ao grupo, entre outros, aumentando o cachê das apresentações,

57Curiosamente, a grande quantidade de DVDs genéricos estaria acarretando prejuízos para bandas de grande porte, já estabelecidas como a banda Calypso ou Aviões do Forró. A maioria de seus shows têm sido filmados sem autorização dando origem a tais DVDs.

58Pudemos apurar* que, além do Recife, na rede urbana do sertão de Pernambuco e dos estados vizinhos como a Paraíba, os televisores mostrando os DVDs com shows dos grupos de forró ou brega estão em diversos lugares públicos: em rodoviárias, lanchonetes ou parques é comum se deparar com tais apresentações.

59Por sua vez, no que se refere à divulgação, agente importante no circuito brega, o Dj é responsável por apresentar a produção fonográfica brega nos bailes abrigados na urbe, destacando-se no Recife Djs como Preá, Val, Jesus, Ivson, Galego, Sidney, Fão, Sandro, Luciano Silva, Charles, Grande, Bola Mix, Remixon ou Mão Branca.

60O esquema funciona da seguinte maneira: o dono da casa que abrigará o show contrata a banda e o Dj; este último negocia com uma série de bandas para inserir em seu repertório determinados fonogramas. O preço para essa inserção é extremamente variável, dependendo da influência e do renome do Dj, alguns deles, inclusive patrocinados por empresas, como bem lembra Filipe Beltrão*, coordenador do curso de produção fonográfica das Faculdades AESO (Olinda).

61Interessante a relação entre a banda e o DJ: este cobra para veicular a música da banda, todavia, na medida em que uma música se torna conhecida, o fato do Dj tocá-la em suas coletâneas nos bailes contará a seu favor, aumentará a sua autoridade no circuito, como o portador da novidade. Trata-se de uma “pirataria consentida” (F. Fontanella, 2005: 26), havendo intrincada simbiose na qual “O Dj divulga as bandas, mas ele também precisa das bandas” sintetiza o instrumentista Eduardo*.

62Nessa via destacamos, ainda, que nos foram relatadas* certas animosidades entre donos de bandas/músicos e Djs, sendo diversas as opiniões sobre o papel e competência destes últimos no circuito brega. Um de nossos interlocutores* chegou a utilizar a expressão “complô de Djs” para se referir à dificuldade dos produtores mais novos em penetrar nesse momento do circuito responsável pela difusão do fonograma.

  • 3 Consultando nossas anotações de campo em Recife, um trecho escrito na madrugada de 9 de janeiro de (...)

63Um dos pioneiros nos bailes de brega no Recife é o Dj Preá, residente no Alto Vasco da Gama. Conhecido por “fazer estourar” bandas e artistas desconhecidos e considerados poucos promissores tendo, entre outros, participado do lançamento da Banda Calypso e do Garota Safada (ambas de grande expressão no circuito brega) e mais recentemente do cantor Gerônimo “Do Gato”, que até então tocava pela cidade em troco de gorjetas3.

64O Dj Preá organizou os primeiros bailes bregas no Recife na segunda metade dos anos 1980, como a “Primeira Noite Brega” realizada em Olinda na Casa de shows Fina Flor, localizada então na Avenida Presidente Kennedy.

65Para o Dj Preá a profusão de DJs no período atual, ocorre pois a grande parte destes trabalha apenas com uma lista de músicas programadas sem se utilizar dos sistemas e objetos técnicos que realmente caracterizam um DJ: as pick ups (dupla de toca discos), os vinis ou os microfones.

Apontamentos sobre os eventos musicais do circuito brega.

66Refletimos sobre o evento musical enquanto evento geográfico (Santos, 1997), capaz de reorganizar os lugares, sua economia e sua vida de relações, tornando realidade as possibilidades trazidas pelo circuito brega, demonstrando o seu movimento e a sua reprodução.

67Quando se consegue fazer sucesso com uma música no circuito brega, o cachê repentinamente aumenta, como no caso das bandas que, segundo nossos interlocutores, têm tido maior notoriedade desde o final de 2013: Banda Torpedo, Banda Kitara e Musa do Calypso. Em média o cachê de cada uma dessas bandas após o “estouro” em Recife, subiu de R$ 3 mil para R$ 50 mil, em questão de alguns dias.

68Todavia, lembra o produtor Hélio Rozemblit do estúdio Somax*, os altos cachês pagos a um grupo de brega do Recife duram pouco tempo, apenas enquanto circula o seu sucesso, caso de Dj Sheldon, “estourado” no verão de 2011 no Recife, com cachês que podiam chegar a R$ 8.000,00.

69Como fato associado e esses sucessos temporários disseminam-se no Recife festas reunindo diversos grupos de brega, sendo que a maior parte do cachê fica para duas ou três atrações principais “estouradas” enquanto os outros grupos, de destaque inferior, ganham cachês suplementares, segundo especula-se, entre R$ 300,00 e R$ 500,00.

70É comum ainda ocorrer a associação entre as grandes bandas e as pequenas por meio de um mesmo “dono” patrocinando artistas com alcance de público diverso, organizando um evento musical com atrações principais e bandas de abertura, por exemplo.

71O produtor Cacau do Estúdio Somax*, ligado aos circuitos do brega e do forró, afiança que os cachês de uma banda brega, fora o período de arroubo de um grupo “estourado”, variam entre R$ 500,00 e R$ 5.000,00 de acordo com a projeção do artista ou em função do lugar onde ocorrerá a apresentação. Por vezes na negociação, explicam artistas e produtores, vale a pena diminuir o cachê e acertar pacotes de shows ou mesmo realizar apresentações em troca de divulgação do trabalho da banda. Isto, pois o prestígio das bandas de brega da Região do Recife aumenta no interior de Pernambuco, daí os cachês serem mais elevados nessa região, conforme indica o produtor Cacau*, falando de um evento por ele organizado com as Bandas “Metade” e “Só Brega” em Gravatá-PE, por um cachê de R$ 2.500,00: “Uma festa com duas bandas pequenas, só que você chega ao interior ali os caras são um fenômeno.”

72Ainda sobre o circuito de eventos musicais brega de pequeno e médio porte, apuramos que o investimento necessário para realizar uma apresentação dessa natureza gira em torno de R$ 10 mil, sendo R$ 2.500,00 o cachê para a banda, R$ 2.500,00 para gastos com a estrutura e divulgação da festa e R$ 5.000,00 destinados à compra e armazenagem de bebidas.

73Segundo o produtor Hélio Rozemblit*, iniciar a atuação num lugar marcado pelo trabalho de outro organizador de eventos musicais, implica que este, geralmente com uma reserva financeira, até mesmo realize um show gratuito em data coincidente apenas para impedir o êxito de um novo concorrente. Desse modo tanto se pode ganhar, quanto se pode perder todo um investimento, dependendo da ação de terceiros, arremata o produtor Cacau*, envolvido em diversas etapas do circuito, como agenciamento de bandas ou aluguel de som:

“você ganha... Mas guarde o dinheirinho viu? Por que também quando você leva uma, viu? É feito jogo: quando você tá entrando no mercado do cara, ele bota de graça (um show) só pra lhe quebrar. Ele tem dinheiro guardado, chama a banda e diz: podem entrar, é de graça. Ai quebrou a sua festa.”

74A informalidade, o improviso e a transitoriedade em torno dos bares, bailes ou casas de show que abrigam as apresentações de brega e forró na Região do Recife dificultam a obtenção de uma estimativa confiável a respeito. Contudo, entre nossos interlocutores fala-se em cerca de 60 locais recebendo apresentações desses circuitos na aglomeração recifense. No caso recifense, ao contrário do observado por Lemos & Castro (2008) a respeito do circuito brega de Belém-PA, não existem as aparelhagens: grandes sistemas de som e luz de alta densidade técnica embutida, utilizados nas apresentações dos grupos no Pará.

75Por outro lado, observa-se que no Recife o brega antes restrito a apresentações nas periferias da cidade, se insere na programação dos grandes clubes, muitos deles considerados de elite, como o Internacional (Madalena), Gigante do Samba (Arruda), o Chevrolet Hall (Salgadinho), o Português (Graças) ou ainda de clubes médios como o Dona Carolina (Boa Viagem): “Clubes elitistas são hoje todos clubes de pagode e brega”, sentencia o jornalista José Teles*.

76Boates conhecidas por abrigarem as novidades do circuito de bandas da Região como o Uk PUB, hoje abrigam eventos de brega como a “Noite das Novinhas”. No Recife Antigo, outro tipo de brega, por vezes estilizado, mais ligado às raízes do gênero, anima bailes em casas noturnas com grande presença de jovens universitários.

77Também sobre certo modismo arrogado a determinadas produções bregas lembramos a ascensão de João do Morro, artista do Alto da Conceição, tido como um brega “cabeça, elaborado”, ou o fato de Gaby Amarantos, referência do tecnobrega paraense ter se apresentado em Recife no Festival RecBeat de 2010, considerado um evento musical de vanguarda.

Do trabalho ao capital: as receitas financeiras no circuito brega

78Ninho*, vocalista da Banda Suave Veneno desde 2006, divide o trabalho na banda com a função de guardador de carros próximo ao Estádio da Ilha do Retiro. Ele nos conta que por mês ganha com a banda cerca de R$ 375,00 e guardando carro outros R$ 400,00 totalizando a sua receita mensal de R$ 775,00. Como os shows ocorrem de sexta a domingo, nesses dias, seu irmão o substitui como guardador de carros.

79Segundo Ninho*, com sua banda anterior, a Tecnolipso, ele conseguia obter maiores somas, chegando a fazer quatro shows por dia; contudo, a chegada de grupos cantando a chamada “baixaria” do funk carioca atrapalhou o trabalho dos que não aderiram à nova moda.

80A maior parte do agenciamento de eventos musicais da Suave Veneno hoje consiste na entrega das gravações para um DJ, que negocia os shows com a banda. De acordo com Ninho a gravação de cada faixa num estúdio custa em média R$ 120,00. Todavia, ressalta Ninho, a opção da banda tem sido gravar durante os próprios shows, ocasião no qual ocorre ainda a venda dos CDs do grupo por R$ 5,00.

81O grupo Suave Veneno é composto por 8 integrantes (baterista, guitarrista, baixista, Dj, violonista e três vocalistas) tocando músicas próprias e “sucessos” do brega e da suingueira, sendo responsáveis em cada apresentação por trazerem os instrumentos e os equipamentos periféricos, cabendo a casa oferecer a aparelhagem de som.

82Como podemos observar (Tabela 1), um dos principais problemas para a receita do grupo é o fato de metade dos rendimentos mensais serem destinados ao seu empresário, sendo a outra metade destinada à banda, dividida pelos oito integrantes. Assim sendo, Ninho* afirmou na ocasião da entrevista que o Grupo estava em vias de abrir mão do empresário e iniciar apresentações experimentais com três vocalistas, acompanhando um som mecânico gravado num computador; “a mesma quantia e fica a mesma coisa” propunha o vocalista*.

Tabela 1

Tabela 1

Elaboração : Cristiano Nunes Alves, 2014. Fonte: campo de informação primária

83O cantor de brega Ninho* nos fala do prazer em tocar e da importância do esforço para fazer com que a banda seja conhecida do grande público “tem que correr atrás (...) se bater na boca do povo, já era.” Segundo o cantor, entre as bandas de brega menores, poucos integrantes mantêm-se apenas com as receitas da música, e quando o fazem vivem com dificuldades, caso de um companheiro em sua banda “Ele fica meio lascado, mas vive só da banda.”

84Outra esfera se desvela quando se aborda os grupos de brega/forró de grande porte: estruturas e cachês vultosos dinamizam-se em torno desse momento do circuito. Todavia o que mais chama a atenção é a drenagem de capitais por parte dos donos das bandas e de seus cantores. No que se refere aos cachês das bandas de forró e brega de maior porte, eles variam de R$ 5.000,00 a R$ 1.20.000,00 (Tabela 2).

Tabela 2

Tabela 2

Elaboração: Cristiano Nunes Alves, 2014. Fonte: campo de informação primária

85Grupos como o Garota Safada atraem grandes públicos, em regra se apresentam em eventos musicais para 15 a 20 mil pessoas: “Aonde Garota (Safada) vai ele bota muita gente” sentencia o produtor Cacau*. Com ingressos em média a R$ 30,00 e um público de 10 mil pessoas, levando-se em consideração a meia-entrada, teríamos ainda assim uma receita em torno de R$ 250 mil obtida na bilheteria. O cachê médio varia de acordo com o evento musical, todavia em geral cabe a banda de 40 a 45% do valor da bilheteria.

86O restante da receita da bilheteria (de 55 a 60% do valor total) se destina ao organizador do evento musical, que conta ainda com a receita obtida pela venda de comes e bebes, contudo, sendo responsável pela divulgação, estrutura do local e segurança do show, ficando a cargo da banda a instalação da aparelhagem de som e do sistema de iluminação.

87Nessa via, chama à atenção a divisão do cachê entre a banda, cabendo ao dono e ao cantor, aproximadamente metade da receita, em torno de 30% e 20% para cada um respectivamente. Por outro lado, o restante dos músicos recebem quantias módicas, que representam em torno de 0,12 % a 0,15 % do cachê total. Tem-se tornado cada vez mais comum os donos das bandas se associarem aos cantores lhes oferecendo 10% dos cachês por apresentação.

88Não importam as formas de pagamento por nós apuradas, seja via pacotes de shows, teto de shows ou valor mensal fixo, o montante destinado aos músicos das bandas é irrisório perto dos valores movimentados em cada apresentação (Tabela 3).

Tabela 3

Tabela 3

Elaboração : Cristiano Nunes Alves, 2014. Fonte: campo de informação primária

89Ao que parece, o verificado no campo de informação primária se aproxima da afirmação de Gomes et al. (2010, p. 67): “A aniquilação da autonomia estética do artista em benefício da autonomia comercial do empresário e dos produtores” é um aspecto importante do brega, um dado “altamente complexo do universo das bandas, pois relega os músicos e cantores a um plano inferiorizado de contrato de trabalho que resulta muitas vezes em uma exploração intensa e até mesmo perversa.”

90Daí o músico Cannibal* (Banda Devotos) afirmar que o problema do brega são os donos das bandas, que, longe de empresariá-las, as exploram, implicando em pequenos rendimentos para os músicos, e numa constante mudança em suas formações.

Considerações finais

91A análise do circuito brega mostra como nos subúrbios do Recife, se organiza o trabalho cultural por meio de pequenos investimentos, de modo independente da grande mídia ou do poder público, praticamente alheio aos demais circuitos abrigados na cidade, em um contexto no qual a estética do bem cultural atrela-se a possibilidade deste implicar em retorno financeiro.

92Registrada especialmente em estúdios fonográficos caseiros, abrigados nos morros da periferia norte do Recife, a produção do brega demonstra, entre outros, as tênues gradações intra classes sociais. Os sujeitos periféricos com uma melhor estrutura familiar, redundando na possibilidade de investir em objetos técnicos relativamente pouco sofisticados, caso de uma placa de som, podem, com o tempo, e o emprego de trabalho intensivo, fazer convergir para si, parcela dessa produção e de suas receitas.

93Importa no circuito fazer-se conhecido, criando uma demanda por eventos musicais, intento buscado por meio de uma série de táticas de circulação, tais quais a distribuição de CDs de modo gratuito em lugares de grande fluxo ou a divulgação realizada pelos Djs.

94As bandas próximas do circuito do forró, funcionam de modo semelhante a empresas, de distintos portes, elas podem ser pequenas, mais ligadas aos circuitos inferiores da economia, possibilitando o sustento ou parte do sustento para uma série de habitantes das periferias do Recife, ou de maior porte, estas, marcas rentáveis, cujas receitas, são, todavia, drenadas em sua maior parcela pelos “donos” das bandas, em detrimento dos músicos, tornados meros operários do setor cultural.

95Por outro lado, ao que tudo indica mesmo os grupos de maior porte mantém uma estrutura de produção e circulação em larga medida alternativa à grande indústria do disco.

96Vê-se que se trata o circuito brega, de um elemento intimamente ligado aos circuitos inferiores da economia urbana, parte da dinâmica da metrópole contemporânea pautada em uma miríade de atividades de pequeno alcance, que permitem a sobrevivência da maior parte dos pobres urbanos, sujeitos para quem o desemprego, mais que fruto de uma crise, faz parte das histórias de vida.

Haut de page

Bibliographie

ALVES, C. N. Os circuitos e as cenas da música na cidade do recife: o lugar e a errância sonora. Tese (doutorado em geografia) – IG - Universidade Estadual de Campinas, 2014.

ALVES, C. N. Recife, dinâmica urbana e cena manguebeat. Ra'e Ga: o Espaço Geográfico em Análise, v. 35, p. 95-125, 2015. Pp. 95-125.

ANDRADE, M. C. Recife – Problemática de uma metrópole da região subdesenvolvida. Recife: Editora Universitária – UFPE, 1979.

ARAÚJO, F. Da lama à academia, 10 anos depois. Continente Multicultural. IV (46): 73-77, outubro 2004.

ARAÚJO, T. B. A dinâmica regional brasileira e o Recife In REYNALDO, Amélia (Org). Metrópole estratégica – Região Metropolitana de Recife. Recife: Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco, CONDEPE/FIDEM, Prómetrópole, 2005. (pp. 21-37).

FONTANELLA, F. I. A estética do brega: cultura de consumo e o corpo nas periferias do Recife. Mestrado, Comunicação, Universidade Estadual de Pernambuco. Recife, 2005.

GOMES, I.; TROTTA, F. & LUSVARGHI, L. Fora do eixo: indústria da música e mercado audiovisual no nordeste. Recife: Ed. UFPE, 2010.

ISNARD, H. O espaço do geógrafo In: Boletim Geográfico. Rio de Janeiro. N°. 258/259, jan./dez. 1978, Pp.05-17.

LEMOS, R. & CASTRO, O. Tecnobrega: o Pará reinventando o negócio da música. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2008.

RIBEIRO, A. C. T. Pequena reflexão sobre categorias da teoria crítica do espaço: território usado, território praticado. In SOUZA, M. A. de. (et al). Território Brasileiro: usos e abusos. Campinas: Edições Territorial, 2003. Pp. 29-40.

_______________. O desenvolvimento local e a arte de ‘resolver’ a vida. In LIANZA, S. & ADDOR, F. Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005. Pp. 109-120.

SANTOS, M. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: F. Alves, 1979 [1978].

______________. A natureza do espaço. São Paulo: Hucitec, 1997.

SILVEIRA, M. L. O espaço geográfico: da perspectiva geométrica à perspectiva existencial. Geousp, n° 19, 2006. Pp. 81-91.

______________. Economia Política e ordem espacial: circuitos da economia urbana. In Território e ação social: sentidos da apropriação urbana. SILVA, Catia Antonia da. Rio de Janeiro: Faperj/Lamparina, 2011. Pp. 35-51.

TOZI, F. Meio técnico, tecnologia e tecnobrega: a cidade e a pirataria como possibilidades. Tamoios, v. 6, n° 2. 2010. Pp. 17-28.

Haut de page

Notes

1 As informações primárias aqui sistematizadas em torno da música brega compõem a tese de doutorado em geografia por nós defendida (Alves, 2014), trabalho este substanciado por cerca de 120 entrevistas e aproximadamente 180 visitas técnicas, realizadas na cidade de Recife e no estado de Pernambuco como um todo, no período entre 2010 e 2013.

2 Numa abordagem da dinâmica econômica territorial nos países do terceiro mundo, Santos (1979, p. 42) afiança que circuitos superiores e inferiores da economia se movimentam conjuntamente na cidade, ambos resultados do processo de incompleta modernização tecnológica, definidos a partir do “conjunto das atividades realizadas em certo contexto” e do “setor da população que se liga a ele essencialmente pela atividade e pelo consumo”, sendo variáveis essenciais na análise o capital, a tecnologia e a organização envolvidos. Desdobramento direto das modernizações no território, o circuito superior é marcado, entre outros, pela tecnologia importada de “capital intensivo” (Santos, 1979, p. 43), grandes volumes de mercadorias, uso de publicidade e acumulação de capital. Por sua vez resultado indireto do processo de modernização no território, o circuito inferior, caracteriza-se pela tecnologia de “trabalho intensivo e frequentemente local” (Santos, 1979, p. 41), um grande potencial criativo, trabalho com pequenas quantidades, pouca ou nenhuma publicidade, áreas contínuas de influência, subsistência como objetivo primeiro, constituindo-se por serviços “não modernos e de pequena dimensão” (Idem).

3 Consultando nossas anotações de campo em Recife, um trecho escrito na madrugada de 9 de janeiro de 2011 remetia-se a Gerônimo do Gato, todavia apenas em 2014, durante uma conversa com Dj Preá tomaríamos ciência de quem era a pessoa que nos havia chamado atenção outrora: “Um cara muito louco com um triângulo entra no ônibus da madrugada, o bacurau, saindo de São José. Ele raspa o metal do triângulo contra o piso do ônibus. As ranhuras intercaladas pela batida do triângulo produzem um som alto e bem executado. A maioria das pessoas no coletivo, voltando do lazer noturno gostam, uns poucos se chateiam com o barulho (saídos do trabalho?).”

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19433/img-1.jpg
Fichier image/, 236k
Titre Foto 1 – Alto do Mandu, um dos redutos do brega na zona norte do Recife
Crédits Fonte: Cristiano Nunes Alves, julho de 2011.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19433/img-2.png
Fichier image/, 579k
Crédits Elaboração : Cristiano Nunes Alves, 2014. Fonte: campo de informação primária
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19433/img-3.png
Fichier image/, 40k
Titre Foto 2 – Frente da residência/estúdio de Giovanni, Água Fria
Crédits Foto: Cristiano Nunes Alves, julho de 2011
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19433/img-4.jpg
Fichier image/, 108k
Titre Foto 3 – Trabalho no estudio de Giovanni – médio porte no brega
Crédits Foto: Cristiano Nunes Alves, julho de 2011
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19433/img-5.jpg
Fichier image/, 64k
Titre Foto 4 – Vendedores e carroça de CD genéricos, São José
Crédits Foto: Cristiano Nunes Alves, janeiro de 2011.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19433/img-6.jpg
Fichier image/, 180k
Titre Tabela 1
Crédits Elaboração : Cristiano Nunes Alves, 2014. Fonte: campo de informação primária
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19433/img-7.png
Fichier image/, 27k
Titre Tabela 2
Crédits Elaboração: Cristiano Nunes Alves, 2014. Fonte: campo de informação primária
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19433/img-8.png
Fichier image/, 24k
Titre Tabela 3
Crédits Elaboração : Cristiano Nunes Alves, 2014. Fonte: campo de informação primária
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19433/img-9.png
Fichier image/, 25k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Cristiano Nunes Alves, « Mercado da cultura popular e economia urbana: o brega recifense », Confins [En ligne], 40 | 2019, mis en ligne le 24 mai 2019, consulté le 21 août 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/19433 ; DOI : 10.4000/confins.19433

Haut de page

Auteur

Cristiano Nunes Alves

Professor Adjunto – DHG – CECEN – Universidade Estadual do Maranhão. cris7cris7@yahoo.com.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals