Navigation – Plan du site

A morfometria da bacia hidrográfica do rio Mimoso, um sistema cárstico do Mato Grosso do Sul/ Brasil

La morphomètrie du bassin de rio Mimoso, un système karstique do Mato Grosso Sul/Brésil
The morphometry of the river basin of rio Mimoso, a karst system Mato Grosso do Sul/Brazil
Rafael Brugnolli Medeiros, André Geraldo Berezuk et Charlei Aparecido da Silva

Résumés

Cet article vise à analyser et à comprendre la morphométrie du relief du bassin de la rivière Mimoso - BHRM, situé dans la municipalité de Bonito / MS, système karstique de grande importance dans le Mato Grosso do Sul. L'étude a permis de déterminer la pente, la dissection horizontale et dissection verticale du BHRM. L'interpolation de ces composantes morphométriques a révélé l'énergie potentielle érosive du relief, sur la base des propositions méthodologiques de Spiridonov (1981) et Mendes (1993). Nous avons utilisé le modèle de terrain numérique - MDT / SRTM mis à disposition par le United States Geological Survey. La méthodologie a également consisté en des conférences d'informations obtenues sur des cartes in situ, à partir des inclinaisons, de la longueur et de l'altitude des rampes d'accès au terrain. Les résultats ont mis en évidence une grande diversité de classes de pentes, de dissections horizontales et verticales, mettant en évidence le potentiel d'énergie érosive de la zone d'étude allant des classes très faibles à moyennement moyennes dans les cours hauts et bas du BHRM en raison des pentes et des amplitudes altimétriques réduites. . Au cours moyen, des classes moyennes et modérément fortes ont été trouvées en raison des pentes marquées du relief montagneux ajoutées aux rampes étroites qui élèvent le potentiel érosif du bassin. En conclusion, les analyses démontrent la fragilité de ce système karstique qui subit de fortes pressions en raison de la récente expansion des zones agricoles pour la plantation de soja et de maïs pour les produits d'exportation.

Haut de page

Texte intégral

1O relevo possui uma grande diversidade de gêneses, formas e tipos, cada um possuindo dinâmicas diferenciadas e que provocam, ao meio natural e antrópico, uma série de manifestações que limitam ou potencializam possíveis impactos ambientais. Essa diversidade é provocada por fenômenos do passado e presente, onde sua dinâmica é o que esculturou o relevo que vemos atualmente (CUNHA e PINTON, 2013), apresentando assim, uma noção básica de que esse relevo encontra-se estático e que não existem relações entre seus componentes (ROSS, 2000). Contudo, a dinamicidade existente nas relações entre os componentes presentes no relevo de uma bacia hidrográfica, provocam inúmeras modificações que acarretam em processos erosionais.

2Partindo para a necessidade de compreender a morfometria, que segundo Christofoletti (1981), corresponde a forma do relevo com suas vertentes e rugosidades. Logo, é considerado um documento síntese, que segundo Martinelli (2018) deixam de envolver apenas aspectos analíticos, passando para um raciocínio de síntese. Logo, corrobora na compreensão das características desse relevo, identificando locais com maior inclinação, extensão dos comprimento das rampas do terreno e, consequentemente, áreas com maior energia erosiva.

3Diversos autores trabalham com a energia do relevo, como Sato e Cunha (2007), Machado e Cunha (2013) e Cunha e Pinton (2013) ou energia potencial erosiva do relevo como Gomes (2016) e Medeiros (2017). Mesmo que alterando sua nomenclatura, estes estudos provêm da mesma metodologia inicial de Spiridonov (1981), com adaptações de Mauro et al. (1991) e Mendes (1993). Essas metodologias traduzem, de maneira clara e didática, a relação existente entre a declividade (inclinação do relevo), dissecação horizontal (comprimento das rampas) e a dissecação vertical (altimetria dessas rampas).

4A relação existente entre esses componentes traz consigo a identificação da energia potencial erosiva do relevo (nomenclatura abordada nessa pesquisa), que procura identificar os locais com maior propensão a erosões, mediante a ação pluvial e da própria ação física natural das bacias hidrográficas. Até por esses fatores, utiliza-se a nomenclatura “potencial”, pois é uma avaliação mediante os dados adquiridos pelos documentos morfométricos, não levando em conta dados de precipitação, uso antrópico, solo, rochas, entre outros fatores que podem elevar ou reduzir os processos erosionais. Logo, a metodologia utilizada traduz, de maneira satisfatória, as áreas que possuem maior probabilidade de ocorrência de erosões, assoreamentos e impactos ambientais relacionados ao relevo. É necessário levar em consideração que sempre ocorrem modificações na metodologia utilizada, pois a mesma modifica-se mediante as características da área de estudo e aos objetivos da pesquisa, conforme sugere Troppmair (1970).

5Neste contexto, destaca-se a declividade, pois segundo Medeiros (2016), sua análise detecta áreas críticas às erosões, auxiliando em planejamentos ambientais e manejo das terras. Já com relação a dissecação do relevo, Cunha et al. (2003) afirmam que é um grande indicador da rugosidade topográfica, apontando como aliado na identificação da energia do relevo e que acaba determinando, o grau de entalhamento dos rios na superfície terrestre.

6A presente pesquisa busca, assim, mensurar e compreender a morfometria da Bacia Hidrográfica do Rio Mimoso – BHRM, sobretudo no que se refere à energia potencial do seu relevo, pois se constitui como importante bacia que disseca a Serra da Bodoquena, no estado do Mato Grosso do Sul, com crescente ocupação turística e agrícola e que necessita de estudos vinculados ao ordenamento do uso e manejos de suas terras.

7Devido seu relevo apresentar altos declives nos morros residuais, seus rios são cachoeirados, que proporcionam rica beleza cênica com áreas pouco ocupadas por causa do relevo acidentado, sendo recobertos por exuberante vegetação nativa, com exceção das áreas planas do planalto da serra da Bodoquena, que são utilizadas para a agricultura de exportação, seja da soja (durante boa parte do ano) e do milho (entressafras), no alto curso da BHRM.

8A Bacia Hidrográfica do Rio Mimoso localiza-se no município de Bonito, a leste do Mato Grosso do Sul, Figura 1, apresentando 250,93 km² dispostos em terrenos acidentados, com grandes declividades em ambientes cársticos e terrígenos, que traduzem, na paisagem, uma grande diversidade de gêneses formas e estruturas.

Figura 1 - Localização da BHRM, Bonito/MS.

Figura 1 - Localização da BHRM, Bonito/MS.

Materiais e Métodos

9A elaboração e análise da hipsometria, foi realizada como uma extensão à morfometria do relevo, pois apresenta os patamares altimétricos do sistema BHRM. Para tanto, o mapeamento foi realizado com auxílio do SIG ArcGis 10®, mediante a utilização do Modelo Digital de Terreno - SRTM, demonstrando o relevo em terceira dimensão, por meio da interpolação de valores altimétricos e da criação de triângulos entre um vetor e outro.

10A análise da energia potencial erosiva do relevo é realizada mediante a identificação de três documentos morfométricos. O primeiro deles está relacionado à declividade. Esta foi quantificada e espacializada mediante a utilização do Modelo Digital de Terreno – MDT/SRTM, disponibilizada pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos – USGS.

11Esses procedimentos foram realizados no SIG ArcGis 10®, onde foi utilizado o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos – SiBCS, definindo algumas limitações de uso antrópico em determinadas áreas com declives mais acentuados. Dessa forma, o mapeamento ficou determinado por seis classes, com intervalos variados, de acordo com a classificação do SIBCS. Assim, são determinadas as classes 0,00% a 3,00%; 3,01% a 8,00%; 8,01% a 20,00%; 20,01% a 45,00%; 45,01% a 75,00%; e >75,01%.

12Essas classes foram divididas posteriormente, para a elaboração dos pesos de energia potencial erosiva do relevo, levando em conta as metodologias de Mendes (1993), Medeiros (2016) e Gomes (2016), onde cada um dos autores utilizou pesos e classes variadas, de acordo com a área de estudo, demonstrando para o leitor, melhor visualização e compreensão dos objetivos da pesquisa.

13O segundo documento morfométrico analisado é a dissecação horizontal, que consiste basicamente na determinação do comprimento das rampas, ou seja, é feita a delimitação de todas as sub-bacias e microbacias com seus mananciais perenes, efêmeros e temporários. Após essa delimitação, são traçadas linhas retas formando ângulos de 90º com a hidrografia, sendo que são essas linhas que dividem e determinam as classes de dissecação horizontal.

14Nestas classes, trabalham-se com pesos definidos segundo Spiridonov (1981), onde a classe com maior comprimento da rampa tende a possuir um relevo mais aplainado e, consequentemente, possuidor de menor potencial erosivo. Esse mapeamento utiliza-se do MDT/SRTM, onde são traçadas todas as classes individualmente.

15Com relação ao terceiro e último documento morfométrico, referente à dissecação vertical, são traçadas as linhas que dividem as classes, a partir da intersecção da hidrografia com cada curva de nível existente. Os pesos são definidos, seguindo a ordem inversa da dissecação horizontal, ou seja, as classes mais altas possuem maior potencial erosivo, pois, segundo Medeiros (2016), quando mais distante do nível de base das bacias hidrográficas, maior será sua capacidade gravitacional de transporte de sedimentos.

16A análise desses documentos morfométricos identificam (espacializam) e quantificam a energia potencial erosiva do relevo, mediante a proposta metodológica de Mendes (1993). O procedimento para interpolação das informações, é realizado em ambiente SIG ArcGis 10®, onde é feita a interpolação dos documentos morfométricos, identificando os locais mais propensos a ocasionar erosões. As classes ficaram dispostas da seguinte forma (Tabela 1):

Tabela 1 - Classes de energia potencial erosiva do relevo, de acordo com a declividade, dissecação horizontal e dissecação vertical da BHRM, Bonito/MS.

Tabela 1 - Classes de energia potencial erosiva do relevo, de acordo com a declividade, dissecação horizontal e dissecação vertical da BHRM, Bonito/MS.

Resultados

17A análise dos resultados inicia-se com a identificação dos patamares altimétricos por meio da carta hipsométrica, detalhando, com curvas de nível de 40 em 40 metros, o relevo bastante diversificado da BHRM , Figura 2.

Figura 2 - Carta hipsométrica do sistema BHRM.

Figura 2 - Carta hipsométrica do sistema BHRM.

18A análise da hipsometria da BHRM demonstra algumas questões importantes e que possuem influência sobre os demais componentes analisados. A região central e oeste da bacia hidrográfica apresenta uma variação altimétrica mais elevada, podendo ser constatados morros residuais que, em alguns casos, atingem variações altimétricas acima de 100 metros.

19Existem extensos planaltos na região oeste que permanecem acima de 480 metros, sobretudo em áreas de relevo cárstico onde a área plana favorece as culturas de soja e milho, visto que, favorece a mecanização e plantio. Com isso, a análise do perfil transversal do alto curso demonstrou que as grandes variações ocorrem apenas nos morros residuais, tanto que, o próprio rio Mimoso não se encontra encaixado em meio ao relevo, esse encaixamento do rio ocorre apenas em seu médio curso.

20Na região central do sistema BHRM, ocorrem variações altimétricas devido à grande quantidade de falhas, fraturas, dobras e lineamentos estruturais, que traduzem um relevo mais acidentado, deixando o rio Mimoso encaixado em meio às escarpas, possuindo cachoeiras e uma velocidade de fluxo mais elevada. Entretanto, seu entorno, é formado por planaltos com relativa planura, sobretudo nas áreas próximas ao córrego Espírito Santo. Apenas em áreas próximas ao rio Mimoso é possível observar, pelo perfil transversal do médio curso, Figura 3, que existem consideráveis variações altimétricas na área da bacia, favorecendo a preservação, tanto da vegetação como do manancial.

Figura 3 - Rio Mimoso margeado por extensos e elevados morros residuais em seu médio curso.

Figura 3 - Rio Mimoso margeado por extensos e elevados morros residuais em seu médio curso.

21Na área do baixo curso foi constatada pouca variação altimétrica, principalmente por estar situada em superfícies aplainadas ou suave onduladas, além de rochas terrígenas e um latossolo vermelho distrófico, característico de relevo aplainado. Em seu perfil transversal essas evidências ficam comprovadas, sobretudo quando levado em consideração, que a maior cota encontrada é de 280 metros e a menor de 220 metros, ou seja, pouca variação para seus 4,51 km de extensão do perfil transversal.

22Para uma avaliação da morfometria do relevo, esta inicia-se com a análise das classes de declividade da BHRM, onde é possível identificar as classes encontradas, segundo o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos - SIBCS, além de apontar uma grande variedade de características na bacia hidrográfica, desde terrenos planos no baixo curso, com planícies, até terrenos extremamente acidentados no médio e alto curso, sobretudo devido à grande quantidade de morros residuais existentes, conforme a Figura 4 e Tabela 2.

Figura 4 - Declividade da BHRM, Bonito/MS.

Figura 4 - Declividade da BHRM, Bonito/MS.

Tabela 2 - Classes de declividade encontradas na BHRM, Bonito/MS.

Tabela 2 - Classes de declividade encontradas na BHRM, Bonito/MS.
  • 1 Região extremamente plana, originada da intensa dissolução do calcário.

23Os declives de 0,00% a 3,00%, que possuem, como principal limitação, a possibilidade de sofrerem alagamentos nas regiões mais baixas, sendo que foram encontrados em 36,94 km², sobretudo em áreas de planícies do rio Mimoso, córrego Barranco, córrego Espírito Santo e alguns afluentes do baixo curso da BHRM, Figura 4. Essas áreas ficaram caracterizadas por apresentarem um relevo extremamente plano, contudo, apenas pequenas áreas do rio Mimoso apresentam alagamentos, sendo estas áreas aptas para serem utilizadas nas atividades voltadas à aquicultura. Para as demais áreas que possuem esse relevo plano, estas pode ser utilizado para todos os fins, em especial as áreas de polje1, desde que, não adentrem as áreas de proteção ambiental, nas margens dos mananciais.

24A classe de 3,01% a 8,00% possui a maior área de abrangência cartografada, com 97,53 km², dispersa em manchas por toda a BHRM. Morfologicamente estas são caracterizadas por tipo de relevo que oscila de plano a suavemente ondulado, necessitando-se de controle erosivo, sobretudo para a agricultura, inclusive a mecanizada, não oferecendo grandes limitações de uso para estas áreas. Sua ocupação apontou para uma maior utilização para a pastagem e vegetação florestal nativa, e em menor proporção, na porção sudoeste da BHRM, com o cultivo comercial de soja e milho, aproveitando, os proprietários, da riqueza de carbonato de cálcio e matéria orgânica, que se traduz, em boa fertilidade natural do solo.

25Esta classe de 3,01% a 8,00% é margeada por declividades mais acentuadas de até 20%, morfologicamente abrangidas por morros residuais das formações Bocaina e Tamengo, propiciando classes de dissecações horizontal e vertical, atípicas, Figura 5 (evidenciada em todo o alto curso da bacia hidrográfica do rio Formoso, do qual o rio Mimoso é afluente).

Figura 5 - Declividade de 3,01% a 8,00%, além de rampas alongadas e patamares altimétricos elevados, a sudoeste da BHRM, Bonito/MS.

Figura 5 - Declividade de 3,01% a 8,00%, além de rampas alongadas e patamares altimétricos elevados, a sudoeste da BHRM, Bonito/MS.

26A classe de declividade de 8,01% a 20,00% é encontrada em todas as regiões da BHRM, sobretudo nas proximidades de morros residuais e em áreas próximas ao divisor de água das sub-bacias, somando área total de 89,74 km². Esses locais têm, como principal característica, maior fragilidade aos processos erosivos, sobretudo, se levar em consideração os demais elementos desse sistema hidrográfico (solo, geologia e dissecações). Nessas áreas, ocorre predomínio de patamares altimétricos mais elevados e que favorecem ao aumento da propensão às erosões regressivas que esculpem os morros residuais.

27A classe de 20,01% a 45,00% é a última classe em que é permitido o uso antrópico, segundo o Código Florestal (Lei 12.651/2012), pois acima de 45% as áreas devem ser de preservação permanente – APP. Essa classe é encontrada ao longo de toda a BHRM, sobretudo nas proximidades dos morros residuais e em patamares altimétricos mais elevados, próximo aos divisores de água, abrangendo área total de 24,42 km². Há a ocorrência das vertentes mais estreitas e sua rede de drenagem mais encaixada, em meio ao relevo ondulado.

28As classes de declividade de 45,01% a 75,00% e acima de 75% são recomendadas, como comentada anteriormente, à manutenção da vegetação original, pois suas encostas são íngremes, proporcionando alto potencial de escoamento e de erosão, onde a vegetação é o elemento protetor e de conservação desses ambientes. O relevo nessas classes já é de aspecto montanhoso a escarpado e seus declives classificados como fortes a muito fortes (EMBRAPA, 2013). Essa classe é encontrada nas encostas dos morros residuais, sobretudo no alto e médio curso da BHRM.

29O rio Mimoso corre extremamente encaixado em meio às rochas carbonáticas no médio curso, possuindo grandes cachoeiras, alcançando área total de 2,27 km² (45,01% a 75,00%) e 0,04 km² (acima de 75%). Logo, ao longo da análise da declividade, é possível identificar uma grande variedade de feições ao longo a BHRM, seja por seu ambiente cárstico no alto e médio curso, com relevo acidentado, e em alguns locais com muitos morros residuais, bem como ambientes terrígenos no baixo curso, onde predominam relevos planos a suavemente ondulados. Essas características trazem informações morfométricas importantes para o objetivo desta pesquisa, contudo, sua análise é complementada pelos processos de dissecação horizontal e vertical, visto que, o comprimento e altimetria das rampas do relevo, são essenciais para identificar a capacidade (potencial) deste relevo em acarretar erosões.

30No processo de dissecação horizontal, foram encontradas 13 classes de análise, de acordo com o comprimento das rampas do relevo, constatando que a grande maioria da rede hidrográfica se encontra entalhada em meio ao relevo ondulado e, em alguns casos, fortemente ondulado, como o caso do médio curso da BHRM. É possível também identificar, grandes áreas de planaltos onde os declives são reduzidos e os comprimentos de vertentes alongados, como a sudoeste da BHRM, Figura 6 e Tabela 3.

Figura 6 - Dissecação horizontal do relevo da BHRM, Bonito/MS.

Figura 6 - Dissecação horizontal do relevo da BHRM, Bonito/MS.

Tabela 3 - Classes de dissecação horizontal do relevo da BHRM, Bonito/MS.

Tabela 3 - Classes de dissecação horizontal do relevo da BHRM, Bonito/MS.

31A classe de 0 a 100 metros de comprimento de rampa é encontrada ao longo de toda a BHRM, sobretudo nas proximidades com os mananciais hídricos, seja nos principais (rio Mimoso e córregos Barraco e Espírito Santo), bem como nos afluentes efêmeros e intermitentes, principalmente do médio curso, que é onde o relevo apresenta-se mais acidentado e, em alguns casos, montanhoso nas proximidades do rio Mimoso. Essa classe mostra o grau de entalhamento dos rios, pois sua vertente estreita chega ao máximo de 100 metros de distância (em um ângulo de 90º) da hidrografia, apresentando assim, áreas com maiores declividades, contudo, não apresentam altos patamares altimétricos (referente à dissecação vertical), que acaba reduzindo a energia potencial erosiva do relevo.

32A classe de 100 a 200 metros também é possível de ser encontrada em toda a BHRM. Assim como em grande parte das classes, esta ficou disposta em todas as regiões da bacia hidrográfica, principalmente devido à variedade de feições do relevo existentes. Essa classe apresentou um total de 26,67 km², estando localizada, sobretudo, nas proximidades com os maiores afluentes do rio Mimoso. Por sua vez, a classe de 200 a 300 metros se apresenta nas áreas próximas aos afluentes de maior extensão da BHCM, com área total de 32,68 km². Como pode ser visto, não possuem grandes alterações nas áreas de abrangência das classes, principalmente, pois estão dispostas ao longo de toda a BHRM, mostrando que não existe grande área homogênea, com exceção feita a última classe de análise (> que 2.000 metros), pois apresenta grande área de planalto, com relevo extremamente plano.

33Na classe de 300 a 400 metros é possível identificar pequena mudança na declividade, onde passa a ser considerada como ondulada a fortemente ondulada, apresentando declives oscilando de 20,01% a 45,00%, com patamares, com ainda reduzida de dissecação vertical, abrangendo área total de 28,31 km². Já a classe de 400 a 500 metros apresenta relevo ondulado, com declives variando entre 20,01% a 45,00%, sendo encontrado em toda a BHRM, sobretudo em sub-bacias de maior área e com vertentes mais extensas.

34A classe de 500 a 600 metros caracteriza-se por patamares altimétricos mais elevados, no alto e médio curso, encontradas nas proximidades dos morros residuais e das montanhas, no médio curso da BHRM, abrangendo área de 25,02 km².Na classe de 600 a 700 metros é possível identificar os grandes morros residuais que deixam os patamares altimétricos elevados e, consequentemente, se eleva a dissecação vertical e a energia potencial erosiva do relevo, abrangendo área de 15,91 km², espalhadas por toda a BHRM.

35A elevação da extensão das áreas mais aplainadas começa a se tornar evidente na classe de 700 a 800 metros, totalizando área de 12,68 km². Esta classe é encontrada em todas as regiões da BHRM, contudo, é mais evidente no alto e médio curso, pois seus mananciais e sub-bacias são maiores.

36A classe de 800 a 900 metros já é considerada por apresentar relevo suavemente ondulado, ainda não sendo considerado plano, pois existem morros residuais em suas áreas, que elevam a dissecação vertical e sua energia potencial. Abrangem área total de 12,45 km², situados no alto e médio curso.

37A classe de 900 a 1.000 metros é encontrada ao longo de 11,28 km², sobretudo no alto e médio curso da BHRM, nas vertentes alongadas que evidenciam uma característica do relevo dessa região, que se constituem nos planaltos da serra da Bodoquena, sejam eles cársticos ou terrígenos. Esses planaltos estão se constituindo como áreas para cultivo de soja e milho, contudo, deve-se levar em consideração, a proximidade com os mananciais hídricos, visto que o principal atrativo dessa bacia hidrográfica, é a natureza e seus recursos hídricos.

38As classes de 1.000 a 1.500 metros, 1.500 a 2.000 metros e acima de 2.000 metros já são consideradas planas e apresentam extensas áreas de abrangência devido à suas rampas e vertentes alongadas que permitem que suas terras sejam utilizadas para determinados fins antrópicos sem qualquer tipo de limitação, como a agricultura comercial.

39A análise da dissecação vertical (Figura 7 e Tabela 4) é necessária, pois identifica os patamares altimétricos que estão as vertentes e as inclinações do relevo, sendo que, quanto mais elevado estiver o terreno, maior será sua propensão às erosões, pois está mais distante do nível de base, das sub-bacias e microbacias, e, portanto, maior será a força gravitacional para carreamento de sedimentos dos solos.

Figura 7 - Dissecação vertical do relevo da BHRM, Bonito/MS.

Figura 7 - Dissecação vertical do relevo da BHRM, Bonito/MS.

Tabela 4 - Classes de dissecação vertical do relevo da BHRM, Bonito/MS.

Tabela 4 - Classes de dissecação vertical do relevo da BHRM, Bonito/MS.

40No médio curso da BHRM, é possível a visualização da diminuição da rede de drenagem, assim, as sub-bacias e microbacias hidrográficas possuíram maiores áreas de abrangência, e consequentemente, a quantidade de curvas de nível em sua delimitação, tende a ser aumentada. Esse fator ficou evidente nas áreas a sudoeste e central da BHRM, onde as dissecações foram mais elevadas, não apenas à extensão das bacias, mas também, em alguns casos, devido ao aumento da declividade.

41Já no alto curso da BHRM, caracterizada por planaltos e com declive reduzido, gerou-se poucas curvas de nível e, consequentemente, reduziram-se as classes de dissecação vertical. Logo, as classes de 0 a 20 metros, 20 a 40 metros, 40 a 60 metros e 60 a 80 metros foram encontradas no alto e médio curso da BHRM, em sub-bacias de maior extensão, bem como, sub-bacias que possuem, em seus limites, morros residuais e, consequentemente, vertentes mais íngremes que elevam a dissecação vertical.

42A soma das demais classes não alcançou uma área maior do que 10 km² de extensão, sobretudo pela grande quantidade de mananciais hídricos existentes na BHRM, que acaba delimitando, de maneira detalhada, as sub-bacias e microbacias hidrográficas, não oferecendo grandes valores de dissecação vertical.

43Com essa análise aliado ao conhecimento da área de estudo, foi possível constatar que as maiores classes de dissecação vertical foram encontradas em ambientes cársticos com rochas carbonáticas, sobretudo devido ao seu relevo acidentado no médio curso, bem como aos planaltos cársticos com bacias de maior extensão da área da serra da Bodoquena, no alto curso da BHRM. Esses fatores evidenciaram e auxiliaram no entendimento dos processos erosivos que potencialmente podem afetar a BHRM.

44Deste modo, na etapa referente à obtenção da energia potencial erosiva do relevo, esta traz consigo uma melhor compreensão e espacialização dessas áreas potencialmente propensas aos processos erosivos. Por meio da junção dos documentos morfométricos do relevo, cada componente presente exerce um peso que determina o grau de sua fragilidade, seja pela inclinação do relevo, seja pelo comprimento das rampas ou pela altimetria das mesmas.

45As propostas metodológicas de Spidonov (1981), para as dissecações, e de Mendes (1993) para a junção destas em uma carta morfométrica, Figura 8 e Tabela 5, trouxeram importantes avanços no estudo do relevo da bacia, bem como fornecedora de informações, contribuindo com o planejamento e ordenamento preventivo, contra eventuais impactos ambientais.

Figura 8 - Energia potencial erosiva do relevo da BHRM, Bonito/MS.

Figura 8 - Energia potencial erosiva do relevo da BHRM, Bonito/MS.

Tabela 5 - Classes de energia potencial erosiva do relevo encontradas na BHRM, Bonito/MS.

Tabela 5 - Classes de energia potencial erosiva do relevo encontradas na BHRM, Bonito/MS.

46É possível constatar que não foram encontradas as classes forte e muito forte, pois, no processo de interpolação dos dados, não foram encontradas áreas que possuam maiores declives, rampas estreitas e altos patamares que proporcionariam estas classificações. Dessa forma, a diversidade encontrada mostrou se altamente influenciada pela declividade, onde as áreas com maiores declives foram classificadas com os maiores potenciais erosivos. Já as áreas com menor potencial erosivo foram encontradas nas classes de 0,00% a 8,00% de declividade, além da área das rampas alongadas e patamares reduzidos.

47A classe suavemente fraca abrange um total de apenas 0,05 km², pois são poucas as áreas em que possuam declives e patamares reduzidos e vertentes alongadas, encontradas apenas as margens da rodovia MS-178, a sudoeste da BHRM. A classe moderadamente suave está presente em 4,14 km², sendo encontradas em locais que possuem declive de 0,00% a 8,00% e, sobretudo, vertentes alongadas do médio curso, tanto ao norte, sudoeste e sul da BHRM. Essas vertentes estão ocupadas, em sua maioria, por pastagens, visto que, permite utilização livre e ampla das terras e ainda favorece a agricultura, pois são áreas que, potencialmente, apresentam pouca perda de solo e poucos processos erosivos.

48Os terrenos na classe de energia potencial erosiva suave englobam área de 24,41 km², constatando declives oscilando entre 3,00% a 8,00%, gerando vertentes mais íngremes, além da presença de patamares altimétricos variados dispersos por todas as sub-bacias da BHRM, com pequena predominância no alto e médio curso, nas margens da rodovia MS-178.

49A classe suavemente fraca abrangeu área de 44,59 km², caracterizada por vertentes estreitas e com declividades e dissecação vertical variada, não apresentando uma característica homogênea em sua gênese. Contudo, há de se destacar que se iniciam algumas limitações de uso das terras, visto que, apresentam, algumas áreas, do alto e médio curso, declives mais acentuados em patamares altimétricos mais elevados, necessitando do emprego de práticas de controle dos processos erosivos.

50As classes moderadamente fraca e fraca abrangem 65,77 km² e 62,79 km² respectivamente, sendo as maiores áreas de abrangência dentre todas as classes de energia potencial erosiva do relevo. Sendo assim, não apresentam uma característica definida e são encontradas ao longo de toda a BHRM, sobretudo nas proximidades dos morros residuais, em relevo montanhoso, no médio curso e presentes nos divisores de água em todas as sub-bacias.

51A classe suavemente média apresenta algumas características principais, que são as vertentes estreitas, mesmo que não possuam uma alta declividade, com rios encaixados, muito próximos com os divisores de águas da bacia. Esta classe já se encontra muito próxima da classe de alta energia do relevo, sendo necessárias diversas medidas de controle dos processos erosivos, principalmente, nas áreas de maior patamar altimétrico da BHRM. Desta última classe em diante, são maiores as probabilidades de ocorrerem impactos ambientais decorrentes do relevo, seja por sua inclinação, comprimento e altitude. Tanto que começa a se tornar mais localizada as áreas que abrangem essas classes. Com isso, as classes moderadamente média e média, também foram localizadas, em sua maioria, nas proximidades dos morros residuais do alto e médio curso e também na região montanhosa do médio curso, totalizando áreas de 14,13 km² e 1,31 km² respectivamente.

52Com relação à classe suavemente forte, a mesma está localizada de forma específica no médio curso, na região montanhosa onde estão localizadas grandes cachoeiras do rio Mimoso, estes correm entalhados na litológica calcária, que predominam nessa área da bacia, como mostra a Figura 9.

Figura 9 - Local com maior potencial erosivo da BHRM, Bonito/MS.

Figura 9 - Local com maior potencial erosivo da BHRM, Bonito/MS.

53Esse local em destaque está localizado em meio aos calcários da formação Tamengo, possuindo alta declividade, que alcançam até níveis maiores que 75,00%, em alguns pontos, apresentando também vertentes estreitas, que não chegam a 100 metros de comprimento, em relevo montanhoso. Essas áreas necessitando de controle das águas superficiais, para evitar forte ação erosiva, como a necessidade da manutenção da vegetação nativa que, por apresentar grande porte, não permite a desagregação do solo e reduz o escoamento superficial, reduzindo também, a possibilidade de ocorrer erosões.

54Explicadas as características de ordem morfológica da área, perante a metodologia proposta, para adequado fechamento dos resultados, convêm apresentar algumas informações referentes à atividade turística desta área de estudo. A bacia hidrográfica do Mimoso, afluente do rio Formoso, abarca uma das mais organizadas e estratégicas áreas turísticas do Brasil, marcadamente voltada ao turismo em nível internacional. Esta área apresenta, além de ainda significativas áreas florestais conservadas (em especial nas áreas mais próximas da Serra da Bodoquena), rios e córregos dotados de águas translúcidas e de excelente qualidade, graças a ação geológica direta das rochas carbonáticas que diminuem a quantidade de sedimentos em suspensão na água. A paisagem local, aliada à transparência das águas, fazem com que esta área seja especial em termos turísticos no Brasil.

55Todavia, a área de estudo também se encontra em um processo de progressiva mudança em seu padrão de uso das terras, com uma forte tendência de aumento das áreas de lavouras (RIBEIRO, 2017), que aumentam, diretamente, o risco de impacto ambiental negativo, tanto nas áreas com dossel vegetativo, quanto na conservação dos solos, quanto na conservação das características físico-químicas da água. A proliferação das áreas de lavouras para a produção para o mercado global de commodities é um processo pelo qual não somente a área de estudo passa, como também é vista em outras áreas do próprio estado do Mato Grosso do Sul (BEREZUK et. al., 2017).

56Deste modo, o turismo da área da BHRM, assim como o turismo de toda a região da Serra da Bodoquena (que está diretamente vinculado à questão da qualidade hídrica e da presença especial das rochas carbonatadas), encontra-se em risco devido ao próprio avanço da atividade de commodities, que impactando/suprimindo as áreas florestais, fatidicamente irão impactar na qualidade hídrica mundialmente reconhecida desta área, Figura 10.

57Figura 10 – Elevação significativa dos sedimentos em suspensão transportados pelo rio Mimoso, Bonito/MS.

58Estudos nas proximidades da área de pesquisa, como Lima e Silva (2017, p. 181 e 182) demonstram que em áreas potencialmente turísticas, é necessário estudos que prestigiem o planejamento, não para que estejam livres de impactos negativos, “mas que possa minimizar ao máximo as intervenções que a mesma possa vir a causar, e consequentemente buscando assim uma maior preservação das áreas naturais”.

59Este impactos já ocorrem e certamente ocorrerão através do aumento imediato dos níveis de material em suspensão na água logo após eventos de precipitação intensa. Quando este fenômeno ocorre regionalmente, as principais atrações turísticas da região são fechadas até que a água retorne aos níveis qualitativos aceitáveis para as práticas turísticas de alto nível. O prejuízo financeiro (em milhões de reais) e social (na eliminação de empregos diretos e indiretos), decorrente destes impactos, é substancialmente elevado.

Conclusões

60A contribuição do mapeamento e da análise da energia potencial erosiva do relevo é importante quando se objetiva realizar propostas de zoneamento ambiental e/ou planejamento ambiental ou mesmo a proposição de políticas públicas, os resultados mapeados apontam para áreas com maior potencial do relevo propenso aos processos erosivos, por exemplo, e, isso permite qualificar as proposições quanto a necessidade de medidads conservacionistas e preservacionistas. E que, se correlacionada ao uso e cobertura da terra, proporciona informações sobre suas limitações de usos e indicativos de técnicas e práticas de manejos conservacionistas, visando à redução da ação erosiva e consecutiva perda de solo e de recursos hídricos, quer por quantidade ou qualidade, condição das mais importantes frente as atividades econômicas desenvolvidas na área, essencialmente para o setor de Turismo, o qual depende efetivamente das d´águas para realização de suas atividades.

61No que se refere ao estudo realizado na BHRM a carta de declividade apontou a grande variação de classes percentuais dos declives, que existem ao longo de toda a bacia, predominando no alto curso o relevo aplainado, com declives acentuados apenas nas proximidades com morros residuais e dos divisores de águas. No médio curso, a declividade é elevada, devido ao relevo montanhoso e a grande quantidade de morros residuais existentes, deixando os declives em vários pontos, com valores acima de 45%. No setor do baixo curso do rio Mimoso, ocorre predomínio de relevo aplainado a suavemente ondulado, onde as declividades alcançam o máximo de 20%, não oferecendo grandes limitações de uso para essas terras.

62Somada à declividade, o mapeamento da dissecação horizontal se mostrou essencial na análise dos comprimentos das vertentes e na sua influência sobre o potencial erosivo dessa bacia. Sendo possível identificar vertentes alongadas apenas no médio curso, onde possui menos mananciais hídricos, que expressam um relevo aplainado ao sul e sudoeste da BHRM.

63A dissecação vertical evidencia algumas características do relevo, sobretudo no alto e médio curso da bacia, que são os morros residuais, que elevam os patamares altimétricos das rampas e as inclinações do relevo, bem como, os grandes planaltos da serra da Bodoquena, que possuem vertentes alongadas no alto e médio curso, que traduzem, na dissecação vertical, alto poder gravitacional de transporte de sedimentos.

64Com a interpolação e análise integrada entre os componentes morfométricos do relevo, é possível a identificação da energia potencial erosiva do relevo, que ficou caracterizada por apresentar variedade que segue a declividade, pois as áreas com maior potencial são exatamente as áreas que alcançaram classes de declividade maiores que 75%. Com isso, o potencial erosivo no médio curso se mostrou preocupante, possuindo diversas limitações de uso das terras.

65A área possui ainda predominância da vegetação nativa florestal, que auxilia na manutenção do equilíbrio dos ambientes e deixam o solo protegido contra a ação das águas pluviais. Todavia, o avanço do plantio comercial de soja e milho, commodities de exportação, em áreas de polje, sobre o tálus dos morros residuais, podem gerar processos erosicionais nas sub-bacias que correm dos topos dos morros residuais até essas pequenas planícies cársticas. Esses processos erosicionais e o uso inadequado das terras podem no futuro comprometer o frágil equlibrio dinâmico desse sistema carstico.

66No setor de Turismo, uma atividade importante para os municípios presentes na área da pesquisa, já se contabilizam perdas econômicas em função do comprometimento da qualidade das águas, isso por conta do excesso de sedimentos. O “barreamento das águas” desse ambiente cártisco, decorrente das chuvas ocorridas no verão de 2018/2019, associadas, ao avanço do plantio de soja para exportação de commodities, inclusive em áreas de preservação permanente, apresenta-se como um realidade.Há portanto a necessidade de se repensar com urgência os processos de uso e ocupação desse ambiente cártisto, o comprometimento do frágil equlibrio dinâmico desse sistema não é algo para ser pensado para o futuro e sim imediatamente.

Haut de page

Bibliographie

BEREZUK, A.G.; SILVA, C.A.; LAMOSO, L.P.; SCHNEIDER, H. Climate and Production: The Case of the Administrative Region of Grande Dourados, Mato Grosso do Sul, Brazil. Climate, 2017, 5, 49.

BRASIL. Código Florestal. Lei 12.651/2012 - http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651compilado.htm - Acesso em 22 de abril de 2019.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo, Edgard Blücher, Ed. da Universidade de São Paulo – USP. 1981.149p.

CUNHA, C. M. L.; MENDES, I. A.; e SANCHEZ, M. C. Técnicas de Elaboração, Possibilidades e Restrições de Cartas Morfométricas na Gestão Ambiental’, Geografia, v. 28, no. 3, p.415-429, 2003.

CUNHA, C. M. L.; PINTON, L. G. A Cartografia do Relevo como subsídio para a análise Morfogenética de Setor Cuestiforme. Mercator, Fortaleza, v. 12, n. 27, p. 149-158, jan./abr. 2013.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos – SIBCS. 3.ed. Brasília, 2013. 353p.

ESRI 2011. ArcGIS Desktop: Release 10. Redlands, CA: Environmental Systems Research Institute.

GOMES, W. M. Fragilidade potencial natural da bacia hidrografica do Córrego Moeda, Três Lagoas/MS. 2016. 131f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campus de Três Lagoas. 2016.

LIMA. B. S.; SILVA, C. A. . Serra de Maracaju: Potencialidades para o turismo de natureza como alternativa turística em Mato Grosso do Sul. Caderno de Estudos e Pesquisas do Turismo, v. 6, p. 166-183, 2017.

MACHADO, A. C. P.; CUNHA, C. M. L. A Influência das Características Morfométricas do Relevo na Morfodinâmica: em estudo da Alta Bacia do Rio Itanhaém/SP. Geociências, v. 32, n. 2, p.298-316, 2013.

MARTINELLI, M. Cartografia ambiental: um mapa de síntese, Confins [Online], n. 35, 2018.

MAURO, C. A. et al. Contribuição ao planejamento ambiental de Cosmópolis – SP. In: Encuentro de Geógrafos de América Latina, 3. Toluca, UAEM, v.4, 1991.

MEDEIROS, R. B. et al. Morfometria do Relevo da Bacia Hidrográfica do Córrego Moeda, Três Lagoas/MS. Revista Formação, v. 1, n. 24, p. 204 – 223, 2017.

MEDEIROS, R. B. Procedimentos Metodológicos para análise da Vulnerabilidade Ambiental em Bacias Hidrográficas com um Estudo de caso da Bacia Hidrográfica do Córrego Moeda, Três Lagoas/MS em 2014. 2016. 341f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campus de Três Lagoas. 2016.

MENDES, I. A. A dinâmica erosiva do escoamento pluvial na bacia do Córrego Lafon – Araçatuba / SP. 1993. 171f. Tese (Doutorado em Geografia Física). Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade e São Paulo, São Paulo, 1993.

RIBEIRO, A. F. N. Desafios e conflitos na produção do espaço no município de Bonito/MS: agricultura, turismo e apropriação da natureza. 2017. 182 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2017.

ROSS, J. L. S. Geomorfologia: ambiente e planejamento. 5 ed. São Paulo: Ed. Contexto. 2000. 85p.

SATO, S. E.; CUNHA, C. M. L. O uso de técnicas morfométricas em municípios litorâneos: o caso de Mongaguá (SP). Estudos Geográficos, v. 5, n. 2, p. 1-20, 2007.

SPIRIDONOV, A. I. Princípios de la metodologia de las investigaciones de campo y El mapeo geomorfológico. Havana: Universidad de la Havana, Faculdad de Geografia, 1981. 3v.

TROPPMAIR, H. Estudo Comparativo de mapeamentos geomorfológicos. Notícia Geomorfológica. n.10, p.3-11, 1970.

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY - USGS. Earth Explorer: Imagens de radar SRTM. Disponível em: <http://earthexplorer.usgs.gov>. Acesso em Março de 2016.

Haut de page

Notes

1 Região extremamente plana, originada da intensa dissolução do calcário.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Localização da BHRM, Bonito/MS.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-1.png
Fichier image/png, 499k
Titre Tabela 1 - Classes de energia potencial erosiva do relevo, de acordo com a declividade, dissecação horizontal e dissecação vertical da BHRM, Bonito/MS.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-2.png
Fichier image/png, 39k
Titre Figura 2 - Carta hipsométrica do sistema BHRM.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 2,8M
Titre Figura 3 - Rio Mimoso margeado por extensos e elevados morros residuais em seu médio curso.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-4.png
Fichier image/png, 2,3M
Titre Figura 4 - Declividade da BHRM, Bonito/MS.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-5.png
Fichier image/png, 727k
Titre Tabela 2 - Classes de declividade encontradas na BHRM, Bonito/MS.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-6.png
Fichier image/png, 47k
Titre Figura 5 - Declividade de 3,01% a 8,00%, além de rampas alongadas e patamares altimétricos elevados, a sudoeste da BHRM, Bonito/MS.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-7.png
Fichier image/png, 1,8M
Titre Figura 6 - Dissecação horizontal do relevo da BHRM, Bonito/MS.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-8.png
Fichier image/png, 944k
Titre Tabela 3 - Classes de dissecação horizontal do relevo da BHRM, Bonito/MS.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-9.png
Fichier image/png, 24k
Titre Figura 7 - Dissecação vertical do relevo da BHRM, Bonito/MS.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-10.png
Fichier image/png, 951k
Titre Tabela 4 - Classes de dissecação vertical do relevo da BHRM, Bonito/MS.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-11.png
Fichier image/png, 23k
Titre Figura 8 - Energia potencial erosiva do relevo da BHRM, Bonito/MS.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-12.png
Fichier image/png, 1,6M
Titre Tabela 5 - Classes de energia potencial erosiva do relevo encontradas na BHRM, Bonito/MS.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-13.png
Fichier image/png, 22k
Titre Figura 9 - Local com maior potencial erosivo da BHRM, Bonito/MS.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-14.png
Fichier image/png, 3,8M
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/19845/img-15.png
Fichier image/png, 7,2M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rafael Brugnolli Medeiros, André Geraldo Berezuk et Charlei Aparecido da Silva, « A morfometria da bacia hidrográfica do rio Mimoso, um sistema cárstico do Mato Grosso do Sul/ Brasil », Confins [En ligne], 40 | 2019, mis en ligne le 24 mai 2019, consulté le 17 septembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/19845 ; DOI : 10.4000/confins.19845

Haut de page

Auteurs

Rafael Brugnolli Medeiros

Universidade Federal da Grande Dourados, Faculdade de Ciências Humanas – UFGD/FCH. rafael_bmedeiros@hotmail.com

André Geraldo Berezuk

Universidade Federal da Grande Dourados, Faculdade de Ciências Humanas – UFGD/FCH. andreberezuk@ufgd.edu.br

Charlei Aparecido da Silva

Universidade Federal da Grande Dourados, Faculdade de Ciências Humanas – UFGD/FCH. charleisilva@ufgd.edu.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals