Navigation – Plan du site

Editorial do número 40

Editorial of issue 40Éditorial du numéro 40
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Traduction(s) :
Editorial du numéro 40

Texte intégral

1Esta edição da Confins tem o número 40 e - sem cair em alguns delírios da numerologia - nós pensamos que seria uma boa ocasião para explorar os significados e conotações deste numeral.

  • 1 Uma suposição muito arriscada, que resultou em muitos acreditarem que o termo se refere a uma idade (...)

2Alguns oferecem poucas perspectivas para uma revista franco-brasileira de geografia. Em matemática, é a soma das quatro primeiras potências de 3 (3 na potência 0 + 3 na potência 1 + 3 na potência 2 + 3 na potência 3 = 40). O CAC 40 é o índice dos 40 valores mais importantes da Bolsa de Valores na França. A lei canônica definia que um clérigo somente poderia contratar uma empregada, sem se arriscar a ceder às tentações de seu encanto1, a partir do momento que ela completasse quarenta anos, por isso definida como a “idade canônica”.

3No tênis é a pontuação marcada no terceiro ponto de um jogo, e quem atinge esta marca está próximo da vitória (esperamos que este seja o nosso caso). Por outro lado, esperamos evitar as interpretações ruins, como os dos “ruidosos quarenta”, as latitudes batidas por ventos violentos situadas entre os paralelos 40º e 50º no hemisfério sul.

4Nas tradições judaica, cristã e muçulmana “quarenta dias e quarenta noites” é o período do dilúvio de Noé, durante o qual a chuva caiu sem parar. O Êxodo dos hebreus no deserto, e cada um dos três períodos da vida de Moisés, duraram quarenta anos. São Joaquim jejuou por quarenta dias no deserto. Nos Evangelhos, a tentação de Cristo dura quarenta dias, e é também o número de dias da Quaresma, quarenta dias antes da Páscoa.

5Ali Babá e os quarenta ladrões não são um exemplo a seguir para nós, e provavelmente os quarenta “Imortais” da Academia Francesa de Letras (ou da sua irmã brasileira) são muito ilustres para nos referirmos a eles. Também ilustre demais – e dotado de poderes que não são nossos - o Conselho dos Quarenta de Veneza (estabelecido em 1179) - o órgão judicial de apelação da República de Veneza, assim chamado porque originalmente compreendia quarenta membros.

6Mais perto de nós no tempo, o famoso discurso de Napoleão Bonaparte ao exército do Egito, em 21 de julho de 1798, “Soldados, lembrem-se de que, do topo destas pirâmides, quarenta séculos estão contemplando vocês”. A conquista de “quarenta horas” (de trabalho semanal) na França em 1936 nos traz de volta a um dos nossos dois países de referência (embora atualmente tenhamos leitores no mundo todo, como destacamos no editorial do número 39).

  • 2 40.690.000 para a França e 41.165.289 para o Brasil, de acordo com seus respectivos censos.
  • 3 Exatamente 66.362.000 habitantes no dia 1° de janeiro de 2016, dentro dos limites territoriais dos (...)
  • 4 Em 2018 de acordo com a estimativa anual do IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

7Uma última referência a esse numeral 40, esta ainda muito mais próxima de nós porque o contém três vezes, diz respeito a ambos os países e é muito fácil de lembrar: em 1940, Brasil e França tinham quase a mesma população, perto de 40 milhões de habitantes2. É difícil imaginar que hoje a França tem 66 milhões3 e o Brasil 208 milhões4, mas é precisamente a observação, muitas vezes comparativa, das respectivas dinâmicas dos dois países, que é o principal objeto da revista e sua razão de ser.

A igreja Sainte-Marie de Quarante, município de Quarante (Hérault)

A igreja Sainte-Marie de Quarante, município de Quarante (Hérault)

8https://fr.wikipedia.org/​wiki/​Quarante_(H%C3%A9rault)#/​media/​File:Eglise_Sainte-Marie_de_Quarante_-_01.JPG et http://www.les-godillots-baladeurs.com/​2018/​02/​rando-a-quarante-7-fevrier-2018.html

9Quanto ao conteúdo deste número 40, ele traz uma reminiscência do nome de um restaurante perto de Calvi, na Córsega, chamado “Le Pas Pareil” (“Tudo desparelhado” ou “Nada igual”): sua decoração é muito original, ele é apropriadamente chamado, já que nele nada se repete, mesas, cadeiras, pratos, copos e talheres (todos encontrados em brechós), são todos diferentes de uma mesa para outra e até na mesma mesa. Este é o caso deste número, onde nenhum agrupamento de artigos entre eles faria sentido, tão grande é a sua variedade.

10Alguns tratam corajosamente de assuntos franceses, seguindo assim uma das prioridades da revista , “dada aos artigos comparativos e os artigos de brasileiros sobre a Europa”, como " O complexo industrial da saúde no território francês: uma análise do circuito espacial produtivo de biomedicamentos”, de Ricardo Mendes Antas Jr. e “As estratégias da logística contemporânea como instrumento de ordenamento territorial na reconversão em Nord e Pas-de-Calais”, de Mauricio Aquilante Policarpo e Rita Cássia Martins de Souza. Alguns tratam de notícias recentes - e trágicas - como “Mineração em Geossistemas Ferruginosos e Questões de Geoética: o Caso do Rompimento da Barragem de Córrego do Feijão, Minas”, de Ursula de Azevedo Ruchkys, Paulo de Tarso Amorim Castro e Marcos Paulo Souza Miranda, enquanto “Onde estavam as freguesias goianas até 1783?” de Vinicius Sodré Maluly leva-nos de volta a um passado distante.

11O Nordeste está presente não apenas com o dossiê Alagoas-Sergipe, mas também diretamente pelos artigos “Condicionantes climáticos e socioeconômicos na espacialização da dengue em período epidêmico e pós-epidêmico na cidade de Fortaleza-CE”, de Gledson Bezerra Magalhães, Maria Elisa Zanella, Ana Paula Santana e Ricardo Almendra, “Mercado da cultura popular e economia urbana: o brega recifense”, de Cristiano Nunes Alves, e indiretamente com “Migrantes Nordestinos na Região Metropolitana de São Paulo: características socioeconômicas e distribuição espacial”, de Maria das Neves Medeiros de Melo e Wilson Fusco. A Amazônia não foi esquecida com os “Aspectos socioeconômicos dos batedores de açaí dos municípios de Macapá e Santana no estado do Amapá”, de Lidiane de Vilhena Amanajás Miranda, Sérgio Barbosa de Miranda e Viviane Vanessa de Vilhena Amanajás.

12Tanto a geografia física como a geografia humana e social estão representadas, por um lado, por “A morfometria da bacia hidrográfica do rio Mimoso, um sistema cárstico do Mato Grosso do Sul/ Brasil”, de Rafael Brugnolli Medeiros, André Geraldo Berezuk e Charlei Aparecido da Silva e por outro pelo “Agronegócio sucroenergético e desenvolvimento no Brasil”, de Eduardo Paulon Girardi.

13Por fim, outros artigos se concentram nas questões socioambientais, com o "Proambiente na região do Bico do papagaio" - principais contribuições ", de Clara Soler Jacq e Neli Aparecida de Mello-Théry, “A Proteção da Natureza e do Patrimônio da Humanidade pela Beleza Cênica da Paisagem”, de Lucimar de Fátima dos Santos Vieira e Roberto Verdum", seguidos dos que analisam questões urbano-ambientais com “Cidades e parques sustentáveis: reflexões teórico-conceituais”, de Marcos Antônio Silvestre Gomes e “Análise aspectos demográficos e socioambientais para a elaboração de um índice de segregação espacial urbana”, de Marcos Roberto Martines, Rúbia Gomes Morato, Fernando Shinji Kawakubo, Ricardo Vicente Ferreira e Rogério Hartung Toppa.

14O edição continua com um texto muito original e estimulante de François Moriconi-Ebrard, “Uma Geografia do Brasil em 3 dimensões”, o dossiê Alagoas-Sergipe apresentado por Núbia Dias dos Santos, Celso Donizete Locatel et Ajibola Isau Badiru em sua introdução “Sergipe Alagoas: território, diversidade temporal e ambiental”, a posição da pesquisa (que também segue a prioridade já citada), “Transformações socioespaciais na aglomeração urbana de Paris: princípios interpretativos e o léxico conceitual na compreensão da produção do espaço”, de Juliana Nazaré Luquez Viana e a crônica de campo feita sobre “Direito à cidade em São Paulo: atores, usos e conflitos”, de Martin Coy e Tobias Töpfer.

15As imagens comentadas também são diversas, “Chafarizes de Paris”, de Gustave Fulgence, “Imagens do produto interno bruto dos municípios em 2016” e “Circulação, consumo global de carne e obesidade: coincidências ou co-incidências?” de Hervé Théry e Patrick Caron. E o número termina com um grupo de resenhas também muito “pas pareil”, “A difusão de políticas brasileiras para a agricultura familiar”, de Carolina Milhorance, “Uma síntese sobre a Amazônia brasileira”, “GeoSeade: geoportal para o Estado de São Paulo”, de André de Freitas Gonçalves e “Provas do Enem em geografia, 2009-2018”.

16Boa leitura a todos.

Haut de page

Notes

1 Uma suposição muito arriscada, que resultou em muitos acreditarem que o termo se refere a uma idade muito maior.

2 40.690.000 para a França e 41.165.289 para o Brasil, de acordo com seus respectivos censos.

3 Exatamente 66.362.000 habitantes no dia 1° de janeiro de 2016, dentro dos limites territoriais dos municipios, validos a partir de 1º de janeiro de 2018, conforme dados oficiais e autenticados pelo Decreto nº 2018-1328 de 28 de dezembro de 2018.

4 Em 2018 de acordo com a estimativa anual do IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Haut de page

Table des illustrations

Titre A igreja Sainte-Marie de Quarante, município de Quarante (Hérault)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20215/img-1.jpg
Fichier image/, 6,1M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 40 », Confins [En ligne], 40 | 2019, mis en ligne le 04 juin 2019, consulté le 16 septembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/20215

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals