Navigation – Plan du site
Dossiê Sergipe Alagoas: território, diversidade temporal e ambiental

Territórios fabris no ramo têxtil em Alagoas e fisiografias urbanas em Maceió (1857-1943): histórias e representações

Territoires de fabrication dans le secteur textile à Alagoas et physiographies urbaines à Maceió (1857-1943) : histoires et représentations
Manufacturing territories in the textile sector in Alagoas and urban physiographies in Maceió (1857-1943): histories and representations
Marcelo Góes Tavares

Résumés

Cet article se propose d'analyser historiquement la constitution des territoires de fabrication dans le secteur textile dans l'État d'Alagoas au Brésil et les physiographies urbaines que sa capitale, Maceió, a connues dans le cadre de la modernisation et des effets de la révolution industrielle. Les notions de territoire et d'espace sont exploitées analytiquement comme des constructions dynamiques, marquées par le temps, constitutives de physiographies multiples et dialectiques, et sous les effets du pouvoir. Un exemple de cet univers est la zone industrielle de Fernão Velho à Maceió-AL, où l’ancienne Companhia União Mercantil est située. C’est un territoire qui a permis la production capitaliste simultanément au contrôle et à la présence des travailleurs sur le lieu de production, délimitant un territoire productif complexe formé par Fábrica et Vila Operária. Dans ce récit, j'utilise des cartes et des photographies, ainsi que la visibilité d'autres représentations. D'un point de vue méthodologique, je travaille avec les notions de territoire et d'espace de Michel Foucault et Michel de Certeau, abordant le territoire industriel comme un espace disciplinaire.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Alagoas
Haut de page

Texte intégral

1Consideremos como ponto de partida, a compreensão de que a categoria território possui um conteúdo geográfico preenchido por fisiografias ambientais e físico-materiais, configurando espaços diversos. Para compreensão desses espaços, acrescento distintas temporalidades e experiências sociais nas suas configurações. Para Certeau (2009, p.184), “o espaço é o efeito produzido pelas operações que o orientam, o circunstanciam, o temporalizam [...]”. Os espaços se tornam cenários onde a história humana acontece, ou seja, receptáculos de eventos que se alojam e desenrolam (Albuquerque,2008).

2Tempos e espaços, portanto, se articulam na percepção e definição do que seja um território, ensejando a identificação de referências produtoras de representações e sentidos que se materializam por meio de discursos, imagens, mapas, entre outras formas de memórias. Além do que, o território é uma categoria que emite uma noção jurídica e política (Foucault, 1982a), cujo controle dos espaços nele configurado é exercido por certo tipo de poder (Foucault, 1982b).

3Proponho analisar nesse artigo, algumas referências, representações e práticas de poder que nos permitem situar o universo fabril-têxtil alagoano e seus múltiplos territórios na intensidade, duração e atualização do tempo. Esses territórios fabris com suas fábricas e vilas operárias não são meros espaços descritivos, mas indicativo de um tempo cujo conteúdo é emissor de significados e experiências históricas, ampliando a percepção de suas geografias e histórias.

4O que torna pertinente narrar a constituição de territórios fabris têxtei em Alagoas. Tratam-se de empreendimentos que se concatenam com processos de modernização na cidade de Maceió, expressando realizações econômico-produtivas e simbólicas no âmbito do desenvolvimento capitalista. Tomo como recorte temporal o período entre 1857 – ano da instalação da primeira fábrica têxtil no estado – e início da década de 1940. Um período de expressivos investimentos e políticas de fomento aos empreendimentos fabris.

5Em Alagoas os espaços fabris podem ser identificados como locus de experiências empresariais e do trabalho, do delineamento de territórios que constituem complexos produtivos formados por fábricas com vilas operárias. Entre estes, destaco a Companhia União Mercantil em Fernão Velho, na cidade de Maceió. Trata-se da primeira fábrica têxtil em Alagoas. E assim como esta, outras fábricas seguiram semelhante modelo de organização da produção e gestão, assegurando investimentos financeiros, a fixação e o controle da força de trabalho em seus domínios territoriais e de poder.

As fábricas têxteis em Alagoas

6A história da produção fabril e trabalho operário no ramo têxtil no Brasil remete ao século XIX (Stein, 1979). No ano de 1857 foi instalada a Companhia União Mercantil em Fernão Velho, Maceió, foi uma das primeiras no país, a pioneira no estado. Monopolizou a produção fabril alagoana no ramo têxtil até 1888 (Tavares, 2016). Até o fim do século XIX, outras fábricas têxteis foram instaladas no estado.

7A localização próxima à Maceió facilitava o escoamento da produção através dos atracadouros, e depois, Porto do Jaraguá. Em Santa Luzia do Norte, fundou-se a Fábrica Cachoeira em 1888. No município de Pilar, instalou-se a Companhia Pilarense de Fiação e Tecidos em 1892 (Marroquin, 1922/2000). Com o desmembramento territorial desse município, essa fábrica passou a ser localizada na cidade de Rio Largo a noroeste de Maceió. Somando-se à Fábrica Companhia Progresso Alagoano (1892), as duas formaram a Companhia Alagoana de Fiação e Tecidos (Paiva Filho, 2013). Na região do Rio São Francisco, no município de Penedo, deu-se a presença da Companhia Industrial Penedense (1895). Formava-se em Alagoas uma rede industrial têxtil com cinco fábricas em distintos municípios e regiões do estado criadas até o final do século XIX, atraindo novos investidores.

Mapa 1: Distribuição territorial de fábricas têxteis em Alagoas, período 1857-1900.

Fonte: Elaboração própria, 2015. Para elaboração deste mapa, tomou-se como referência: Marroquim, 1922/2000.

8Em 1885, o Brasil já contava com um número de 48 fábricas de tecidos. Entre essas, 33 se encontravam nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais (Stein, 1979). Houve um deslocamento do eixo industrial brasileiro, que, pouco tempo antes, em 1866, se concentrava no Nordeste com as fábricas da Bahia e Alagoas. Registrou-se também o surgimento de fábricas em Pernambuco e Maranhão. Observa-se a descentralização do processo de industrialização no Brasil, não sendo este restrito ao eixo sul-sudeste.

9O Brasil no início da República era um país de frágil economia, situação que influenciava nas condições de vida da população. Além dos afortunados, as cidades atraíam uma população carente, quando não miserável. Esta população migrante em Alagoas quase sempre era oriunda de áreas rurais (Tavares, 2016). E passou a compor um expressivo contingente de trabalhadores que poderia ser empregado nas fábricas, contudo, muitas vezes criminalizados como pobres, vadios e desempregados passíveis de se reeducarem por meio do labor. “Os empresários tinham a visão, amplamente difundida, de que os pobres eram uma classe dada à indolência se não fosse coagida a trabalhar” (Stein, 1979, p.66). A ocupação, portanto, poderia ser também uma estratégia de contenção de revoltas e sublevação diante do estado de pobreza dessa população.

10À proporção que as demandas produtivas aumentavam, um contingente maior de trabalhadores era mobilizado e absorvido. Ao mesmo tempo, desfigurava-se o próprio mundo social e cultural por meio dos efeitos do mundo tecnológico, fabril e econômico. Trata-se daquilo que o filósofo Karl Marx designa como uma relação social definida e estabelecida entre homens, e que “assume a forma fantasmagórica de uma relação entre coisas” (Marx, 1980, p.81). Um processo de alienação capaz de transformar o homem em mercadoria e em objeto integrante do processo produtivo, submetido aos mandos e às necessidades do patrão.

11Após a 1.ª Guerra Mundial, retomou-se de forma mais significativa a produção industrial brasileira (Arias Neto, 2011). Sob pressão de comerciantes e industriais, o governo brasileiro autorizou emissão de moedas e financiamento para a produção de modo a suprir as demandas nacionais diante do novo cenário do comércio internacional. Posteriormente, “de 1921 a 1927, entrou no país grande quantidade de máquinas de fiação, tecelagem, estamparia e outros acessórios” (Stein, 1979, p.119), modernizando a produção.

12Essa importação renovando o maquinário da indústria nacional ocorreu em virtude de alguns fatores preponderantes: aumento da demanda consumidora por produtos de algodão expressando, inclusive, atendendo ao crescente número de fábricas; substituição de antigas e rudimentares máquinas por novas mais eficientes; e facilidades de financiamento e parcelamento na aquisição do maquinário. Um cenário favorável à ampliação da rede têxtil, inclusive em Alagoas.

13Segundo Marroquim (1922/2000, p.186), ao apresentar um recenseamento do ano de 1920 em Alagoas, evidencia-se um expressivo capital empregado no setor têxtil-algodoeiro, até superior ao das usinas de açúcar. Nesse período já se registrava a existência de 12 fábricas em Alagoas, totalizando um capital empregado de 24.828 contos de réis, enquanto as 15 usinas de açúcar somavam 12.064 contos de réis. Esses números sinalizam quanto o setor têxtil tinha se tornado atrativo economicamente, ampliando-se o parque industrial no estado.

Mapa 2: Distribuição territorial de fábricas têxteis em Alagoas, período 1857-1949

Mapa 2: Distribuição territorial de fábricas têxteis em Alagoas, período 1857-1949

Fonte: Elaboração própria, 2015. Para elaboração deste mapa, tomou-se como referência, MARROQUIM, 1922/2000.

14Correlata a essa produção e expansão de fábricas têxteis, em 1920 havia ainda em Alagoas 79 indústrias de beneficiamento de algodão espalhadas por todo o estado (Marroquim, 1922/2000).

15Dados econômicos e estatísticos geralmente eram disponíveis ao público. Eram publicados balanços financeiros das fábricas e as atas de suas assembleias de acionistas, tornando-se uma prática comum durante a primeira metade do século XX. Era uma forma de tornar público as realizações do empreendimento, assim como as decisões de seus acionistas. As informações sobre esses empreendimentos eram de interesse social, sobretudo diante dos impactos que suas produções e dificuldades poderiam gerar na economia e população. Além disso, investidores acompanhariam o desenvolvimento econômico e produtivo das fábricas, podendo, munido de informações, ter interesse em comprar ou vender ações, quer seja ele já integrante sócio dessas empresas, quer não.

16O mercado interno brasileiro exigia a diversificação da produção industrial. No âmbito do setor têxtil, foram produzidos novos tecidos em acordo com demandas da moda então vigente, tais como tecidos para camisas, calças, meias, paletós, blusas, saias, roupas íntimas, suprindo até 75% do consumo nacional de artigos de algodão (Stein, 1979). O tecido grosso, muito usado para ensacamento ou no século XIX para vestir escravos, foi substituído por tecidos finos e também de uso geral da população, podendo até ser para exportação.

17As fábricas do Nordeste contavam com o fato favorável de estarem em uma região produtora de algodão, reduzindo o custo e tempo de acesso à sua matéria-prima. E Alagoas era um estado produtor de algodão. Suas lavouras se espalhavam pelo agreste e sertão alagoanos, conforme podermos observar no mapa a seguir, considerando os municípios produtores de algodão representados na cor branco. Muitos destes também dispunham de fábricas para o beneficiamento do algodão.

Mapa 3: Municípios alagoanos com registros de produção algodoeira (1920)

Mapa 3: Municípios alagoanos com registros de produção algodoeira (1920)

Este mapa é uma adaptação, utilizando-se como base o Mapa de domínio público intitulado “Divisão política municipal de Alagoas em 1920” publicado pelo Governo do Estado de Alagoas no site <http://dados.al.gov.br/​dataset/​mapas-historicos-do-estado-alagoas/​resource/​17e43b9a-f8b5-4e67-b7f8-5d486e595422>.

18Em 1925, correlata à produção fabril-têxtil, foi ainda publicado no Diário Oficial de Alagoas, a relação dos descaroçadores de algodão existentes no estado nesse ano. Um mapeamento que representa a expressividade da produção algodoeira, assim como a preocupação estatal ao fazer funcionar o Serviço do Algodão do Estado de Alagoas. Contabilizou-se um total de 142 empresas de beneficiamento do algodão. Seis anos antes, esse número era de 79. Os municípios com maior quantidade de registros em 1925 foram Anadia (10), Palmeira dos Índios (19), Pão de Açúcar (9), Santana do Ipanema (16), Viçosa (18) e Quebrangulo (21) (Alagoas, 1925).

19No ano seguinte, 1926, relata-se a instalação de fazendas de sementes no estado para o incremento da produção nesse setor (Serviço, 1927), visando, em grande medida, atender às demandas de exportação do produto e das próprias fábricas têxteis. Segundo estimativas produzidas pelo Serviço do Algodão do Estado de Alagoas informando o consumo e estoque da matéria-prima no estado pelas fábricas têxteis em 1927, a Companhia União Mercantil somente nesse ano consumiu um total de 1.077.343 toneladas de algodão (Alagoas, 1928), seguido pela Fábrica Cachoeira, que alcançou número próximo a esse montante no município de Rio Largo.

20O setor têxtil e algodoeiro alagoano se destacava, apesar das sucessivas crises políticas e econômicas nos anos 1920 no Brasil. As fábricas receberam investimentos de seus grupos empresariais, resultando na instalação de novos maquinários, ampliação das seções das fábricas, construção de casas para operários e até mesmo a construção de novos complexos fabris, a exemplo de Saúde com Companhia de Fiação e Tecidos Norte de Alagoas. Essa fábrica fazia parte dos empreendimentos dos mesmos gestores da Companhia Fiação e Tecidos de São Miguel no município de São Miguel dos Campos (Lessa, 2013). Além do que, a presença permanente da força de trabalho era outra vantagem, tornando mais barata comparada com o Sudeste (Neri, Saldanha, 2011), seja para o plantio do algodão ou para compor o trabalho operário nas fábricas.

21Na década de 1930, essa ampliação do parque produtivo tomou rumo diferente. Os historiadores Gustavo Neri e Alberto Saldanha (2011) sustentam que a situação favorável às indústrias do Nordeste em virtude da facilidade de acesso à matéria-prima e barata força de trabalho provocou reação dos industriais do Sudeste. Estes últimos teriam defendido boicote às importações de novas máquinas em 1928, alegando risco de superprodução. Com a crise de 1929, essa disputa parece ter ficado mais evidente prolongando-se na década de 1930 e exigindo intervenção estatal. O Decreto n.º 19.739 de 7 de março de 1931 restringia por três anos a importação de novos maquinários, o que favoreceria a região Sudeste, já consolidado industrialmente. Além de estabelecer a restrição, era um instrumento capaz de fomentar maior controle do setor, exigindo envio de inventário de máquinas das fábricas ao Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio. A importação somente seria permitida mediante a comprovação de que seria para substituir máquinas danificadas e inoperantes.

22Empresários nordestinos têxteis se viram com grandes restrições para a aquisição de novas máquinas, muito embora alguns tentassem driblar os efeitos desse decreto intensificando sua produção. Ampliaram horas de trabalho ou mesmo se valeram de suas relações políticas e econômicas nacionais para trazer maquinários modernos já existentes no Sudeste para o Nordeste (Mello, 2012). É o caso de Othon Lynch Bezerra de Mello nas suas fábricas têxteis localizadas em Pernambuco. Ou mesmo a própria Fábrica Paulista dos Lundgren, que com sua rede de lojas espalhadas pelo Nordeste, possibilitaram dar vazão ao consumo de suas mercadorias. A vigência do decreto foi prorrogada até 31 de março de 1937.

23Com a 2.ª Guerra Mundial, a tese econômica de superprodução foi superada tendo em vista o escoamento do excedente do mercado interno para os países em guerra na Europa. A produção industrial no ramo têxtil novamente se intensificou (Simonsen, 1973), influenciado também por uma posição mais incisiva do Estado brasileiro no comando sobre o avanço do capitalismo, com intervenção e regulação econômica (Draibe, 2004).

24Nesse cenário, foram fomentadas as políticas de incentivo à industrialização, expressando a modernização econômica e produtiva do país. O governo, na liderança de Getúlio Vargas e seguindo uma lógica de controle produtivo e energético, criava conselhos e companhias nacionais (Leopoldi, 2011). Além disso, no âmbito do setor têxtil, foi criada a Comissão Executiva Têxtil (Cetex). Tratava-se de um órgão estatal composto por empresários industriais atuantes no país. Esse órgão visava avaliar as condições de exportação e consumo interno da produção têxtil, tornando-se também balizador de políticas voltadas ao setor (Loureiro, 2006). O setor têxtil em Alagoas dividia com a produção açucareira a primazia de principais atividades econômicas no estado, e em algumas situações, disputas.

Fisiografias: o território fabril em Fernão Velho e a cidade de Maceió

25Nas primeiras décadas do século XX, foram produzidas diversas imagens sobre Alagoas, circulando-as como cartões-postais, coleções fotográficas e almanaques. A fotografia produzida pelo fotógrafo Luiz Lavenère Wanderley (1868-1966), tomando Fernão Velho como enquadramento, faz parte de uma série de registros fotográficos que realizou sobre Maceió. Trata-se de uma vista parcial e panorâmica dessa área da cidade, utilizando a Fábrica, um tabuleiro e a Laguna Mundaú como referências.

Fotografia 1: Fernão Velho, Alagoas.

Fotografia 1: Fernão Velho, Alagoas.

Fonte: Acervo de fotografias do Arquivo Público de Alagoas. Autor: Luiz Lavenère Wanderley, [1911].

26Observando-se a fotografia acima, na margem esquerda, identifico o tabuleiro. Neste, podemos ainda perceber a predominância da vegetação remanescente de mata atlântica nas encostas que emolduram as margens esquerda e inferior. À direita, indico a Laguna Mundaú. Em seu mesmo nível e abaixo do tabuleiro, indica-se a localização de Fernão Velho já como um território fabril.

27Nessa fotografia, a cidade tem como limite a Laguna Mundaú, que em comunicação com a Laguna Manguaba, formam um complexo lagunar e lacustre com múltiplos sistemas de canais. Esse complexo lagunar se conecta com o mar, possibilitando um intermitente fluxo de navegação, e circulação de pessoas e produção entre os municípios que dele fazem parte e influenciam uns aos outros. Além de Maceió, os municípios de Marechal Deodoro, Pilar, Coqueiro Seco e Santa Luzia do Norte fazem parte dessa região. Esse ambiente, por suas características ambientais, proporciona para a população nele residente um sistema geográfico altamente produtivo como fonte de alimentos, seja pelos recursos pesqueiros, seja pela condição de clima tropical que favorece a agricultura. A navegação na Laguna Mundaú permitia ainda o deslocamento de pessoas, seja para o bairro da Levada, seja para outras localidades próximas a Fernão Velho, além de produção alimentar.

28Há também nessas fotografias a tentativa de produzir outra visualidade para a cidade, nesse caso, a modernidade. Um tempo marcado pelos efeitos da revolução industrial e do comércio, capazes de promover a aceleração da vida e intensificação da produção capitalista, a exemplo da produção industrial, exposta na fotografia seguinte.

Fotografia 2: Companhia União Mercantil, nova seção de tecelagem.

Fotografia 2: Companhia União Mercantil, nova seção de tecelagem.

Fonte: Acervo fotográfico do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas, Pasta 07, Col. Postais de Maceió. Postal n.º 177.Autor desconhecido, [192?].

29No início da década de 1920, outro conjunto de imagens foi produzido sobre Fernão Velho, publicado no livro Terra das Alagoas (Marroquin, 1922/2000). Trata-se de um almanaque que expõe uma síntese histórica, política, econômica e social de Alagoas. Este faz referência aos municípios alagoanos existentes na época. Descreve-os, tentando dar visibilidade às suas fisiografias. Elabora ainda informações sobre temas específicos, como economia e indústria. Nele, foi exposto um mapeamento das fábricas alagoanas então existentes, fomentando representações que significavam positivamente o setor têxtil como expressão de progresso. A fábrica Companhia União Mercantil ganhou destaque sendo apresentado um conjunto de fotografias.

Fotografias 3 a 8: Sequência de fotos publicadas sobre Fernão Velho em 1922.

Fotografias 3 a 8: Sequência de fotos publicadas sobre Fernão Velho em 1922.

Fonte: MARROQUIM, 1922/2000, p. 201-204. Acervo da Biblioteca do Instituto Histórico Geográfico de Alagoas

30As fotografias foram publicadas de forma sequenciada nas páginas do livro Terra de Alagoas (Marroquim, 1922/2000), expondo diferentes situações em Fernão Velho e sua Fábrica Companhia União Mercantil. Essa sequência funcionava como um guia para o leitor, conduzindo-o até a última, que encerra a matéria. A fotografia nº03 apresenta uma imagem panorâmica do território fabril destacando a vila e a fábrica em funcionamento com sua chaminé emanando fumaça. Ela também circulou em forma de cartão-postal, um dos que compuseram a coleção produzida nas primeiras décadas do século XX. A fotografia nº 04 toma como cena a praça com edificações diversas, algumas poucas pessoas e a igreja ao fundo. A de nº 05 ressalta o Colégio São José como uma das realizações da Fábrica, expondo alunos e educadores, além da organização e disciplina para composição da imagem, ensejando que também ocorria no cotidiano. Nas de nº 06 e nº 07, deu-se prioridade ao interior da fábrica, em especial as seções de tecelagem e de geração de energia. Ambos indiciários de modernidade e efetivação dos avanços da Revolução Industrial. Por fim, a fotografia nº 08, registrando a fábrica e presença dos seus operários, como se estivessem formando um só corpo. Nessa ultima fotografia é ainda possível visualizar no canto inferior esquerdo um pequeno detalhe de linha férrea.

31A linha férrea existente desde o século XIX em Alagoas e com uma estação construída em Fernão Velho em 1884, interligava o local da fábrica ao centro de Maceió, facilitando o acesso ao maquinário importado e o abastecimento de matéria-prima, nesse caso o algodão. A ferrovia tinha como uma de suas funções ampliar a capacidade de escoamento da produção em direção aos portos do comércio marítimo mundial, interligando as regiões de produção algodoeira e fabril-têxtil no estado com o Porto do Jaraguá, fortalecendo a condição de Maceió como centro exportador (Maciel, 2009).

32Nesse sequenciamento de fotografias, Fernão Velho tornara-se exemplo de um território privado, de eficientes ações empresariais e atividades econômicas, controladas tecnicamente por práticas e estratégias de poder que visavam atender aos interesses capitalistas. Produzia positiva propaganda sobre a Fábrica, o que poderia atrair novos investimentos e sócios, ou até mesmo a venda do território fabril para um novo grupo empresarial, fato esse que ocorreu em 1943 quando o território fabril de Fernão Velho foi vendido a Othon Lynch Bezerra de Mello, um empresário que já detinha outras fábricas nos estados de Pernambuco, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Sob sua gestão, a Companhia União Mercantil foi renomeada como Fábrica Carmen. Além do que, essas representações emanavam signos de modernidade, expressando uma fisiografia fabril para a cidade de Maceió e que se somava e dialogava com outras cenas urbanas.

33O próprio espaço urbano de Maceió era outro no início do século XX. “A cidade também estava pontilhada de pequenos estabelecimentos fabris que abrigavam sapatarias, carpintarias, fundições e fábricas de vinagres, óleos, gelo, cera, sabão e cigarro” (Maciel, 2009, p.64). Já se encontrava marcada pela intensificação das atividades econômicas e fluxos comerciais, pelos movimentos migratórios que adensavam a concentração populacional, pela modernização simbolizada na sua estética, na existência de diversas fábricas, na presença dos bondes e rede ferroviária, da chegada da energia elétrica, da existência de diversos jornais noticiando um dinâmico cotidiano de múltiplos costumes e do tempo marcado pela produção.

34Para o historiador Oswaldo Maciel (2009), Maceió constituía-se como centro comercial e político do estado desde a primeira metade do século XIX, atraindo comerciantes, firmas estrangeiras, pequenos e grandes agricultores. A capital do estado atraía também os filhos das elites agrárias e coronéis do estado, buscando educação formal, e até mesmo fixando-se na cidade como funcionário público. As teias do patronato político ampliavam-se para além das fazendas e engenhos. Adentravam o espaço urbano em simbiose com sua nova experiência histórica no início do regime republicano, inclusive com novos direcionamentos de investimentos financeiros para as atividades econômicas reconhecidas como modernas, mas mantendo-se também a produção vinculada ao mundo agrário. Fortalecia-se a imagem de uma nascente república com compromissos entre as oligarquias regionais em diferentes agendas políticas, econômicas e sociais. Os latifundiários fortaleceram suas imagens como homens de negócios, diversificando investimentos. “Seu capital seria utilizado tanto para adquirir novas fazendas como para construir estradas de ferro, instalar algumas fábricas ou mesmo participar da fundação de algum banco” (Foot, Leonardi, 1982, p.94).

35No recenseamento de 1890, contabilizou-se em Maceió uma população de 31.498 habitantes (Diégues Jr., 1981). A cidade fora aceleradamente transformada de forma concomitante à economia do estado. Em Alagoas, o setor têxtil com suas cinco fábricas passou a dividir com o açúcar, o destino de investimentos para empreendimentos e financiamentos.

36A cidade de Maceió vivenciava ainda uma série de intervenções urbanas como expressão de modernização e desenvolvimento capitalista. Novas ruas eram abertas, outras ampliadas e recebiam calçamento. Pontes foram construídas. Relógios públicos estavam presentes em diversos locais da cidade. Algumas praças surgiram, outras foram remodeladas com projeto paisagístico incluindo jardins e até espelho d’água. A oferta de energia elétrica, além da transformação da estética noturna da cidade, possibilitava novos hábitos e usos do espaço urbano, ou até mesmo ampliando o horário de funcionamento do comércio até a noite. A cidade que até meados do século XIX lembrava feições coloniais, gradativamente tornava-se outra, marcada pela intensificação da produção capitalista e pelos efeitos da Revolução Industrial no Brasil. Destacava-se como uma cidade comercial, portuária, industrial.

37Maceió estava dividida em três distritos, os quais abrangiam bairros e localidades distintas. O Primeiro Distrito era composto pelos bairros do Centro, Farol, Bebedouro e o território fabril de Fernão Velho. Já o Segundo Distrito, abrangia os bairros do Jaraguá, Pajuçara e Poço. O Terceiro Distrito era composto pelos bairros da Levada, Trapiche da Barra e Pontal da Barra (Alagoas, 1915). Cada um dos distritos também abrangia, com seus bairros e localidades, temporalidades e características distintas na expansão urbana da capital.

38Essa divisão, ao mesmo tempo, era uma forma de segmentar socialmente a ocupação do espaço urbano, destinando os subúrbios à moradia de trabalhadores e operários. Em Maceió, os bairros do Poço, Levada, Trapiche da Barra, o Vale do Reginaldo e as fábricas onde estavam sendo construídas vilas operárias, como em Fernão Velho e Bom Parto (Fábrica Alexandria), atendiam a essa função. Em 1920, a população maceioense alcançou o montante de 74.166 habitantes (Diégues Jr., 1981, p. 199.). As vilas operárias na cidade, a exemplo de Fernão Velho, concentravam grande número de trabalhadores que atuavam nas fábricas têxteis e compunham esse contingente populacional.

Algumas considerações finais

39Consideremos o território como uma categoria construída historicamente e geograficamente por relações de poder, sendo composto por múltiplos espaços articulados no e com o tempo. Não se tratam de espaços cujas representações são fixas. Ao contrário, quando imersos no tempo, tornam-se fecundos, móveis, dialéticos, abertos a atualizações e ressignificações. Esse deslocamento na condição dos espaços é útil na medida em que percebo o território fabril de Fernão Velho e outros em Alagoas, como integrante de enunciado geográfico permeado por saberes, discursos, imagens e práticas de poder, gestão governamental (a exemplo das preocupações e ações do Estado com a industrialização e produção algodoeira), são extremamente dinâmicas.

40Aliás, essa é uma das características que atribuem inteligibilidade aos territórios fabris no Brasil como conceito historiográfico (Lopes, 1988; RAGO, 1997; Correia, 1998), sendo este pautado na existência de um complexo produtivo formado por fábrica com vila operária, e todo seu conjunto arquitetônico quadriculado em espaços com funções distintas, sob vigia panóptica, com foco na eficiência produtiva e efeitos de poder. É nessa noção que me apoio para compreender de que maneira os território fabris em Alagoas foram sendo constituídos historicamente, seja como experiência econômica, produtiva, social, cultural e territorial.

41Ao mesmo tempo, compõe uma geografia alagoana indiciária de modernidade apontando novos tempos, os dos efeitos da Revolução Industrial. Trata-se de uma geografia marcada pela presença de diversas fábricas têxteis, lavouras de algodão em todo o estado, e pequenas, mas numerosas fabricas para o beneficiamento dessa matéria-prima essencial para a indústria têxtil.

42Uma geografia em diálogo com a história que permite, inclusive, vislumbrar outras formas de praticar e ocupar os espaços através do trabalho, seja ele operário nas e/ou campesino. Fomentam novas fisiografias que de certo modo rompem com um passado econômico-social, espacial e identitário marcado pela prevalência da cana-de-açúcar. E simultaneamente, promove aceleração nos processos de mudanças dos espaços que compõe o estado de Alagoas, apontando atualizações nas passagens dos tempos desses territórios fabris, suas vilas operárias e cidades nas quais estão localizadas. O tempo, portanto, torna-se intensivo, duração, enquanto o espaço se torna resultado de relações, um lugar praticado, pertencente a tramas, constituinte de cenários para acontecimentos cujas ocorrências se dão no âmbito histórico-social.

Haut de page

Bibliographie

Alagoas. Governo do Estado. Diretoria Geral do Serviço Sanitário. Annuário demográfico 1914: população da cidade de Maceió e subúrbios. Diário Official de Alagoas, Maceió, 29 jun. 1915.

_________. Serviço do Algodão. Quadro demonstrativo de consumo e stock (em kilos) de algodão nas fábricas de tecidos... Anexo n.º 16-17. Diário Official de Alagoas, Maceió, 22 abr. 1928.

_________. Serviço do Algodão. Relação dos descaroçadores existentes em 25 de fevereiro de 1925... Diário Official de Alagoas, Maceió, 25 mar. 1925.

Albuquerque Jr., Durval Muniz de.Nos destinos de fronteira. História, espaços e identidade regional. Recife: Edições Bagaço, 2008.

ARIAS NETO, José Miguel. “Primeira República: economia cafeeira, urbanização e industrialização”. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves. O Brasil republicano: o tempo do liberalismo excludente. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

BENJAMIN, Walter. “Paris, a capital do século XIX: exposé de 1935”. In: _____. Passagens. São Paulo: Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2006.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. 16º Ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

CORREIA, Telma de Barros. Pedra: plano e cotidiano operário no sertão. Campinas, SP: Papirus, 1998.

DIÉGUES JR.. “Evolução urbana e social de Maceió no período republicano”. In: COSTA, Craveiro. Maceió. Maceió: Sergasa, 1981.

DRAIBE, Sônia. Rumos e metamorfoses: Estado e industrialização no Brasil, 1930-1960. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004. p. 37.

FOOT, Francisco; LEONARDI, Victor. História da indústria e do trabalho no Brasil: das origens aos anos vinte. São Paulo: Global, 1982.

FOUCAULT, Michel. “A governamentalidade”. Curso do College de France, 1 de fevereiro de 1978. In: Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. 5. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982a.

_________. “Sobre a geografia”. In: Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. 5. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982b.

LESSA, Golbery Luiz. “Trama da memória, urdidura do tempo”. In: TENÓRIO, Douglas Apratto; LESSA, Golbery Luiz. O ciclo do algodão e as vilas operárias. Maceió: Sebrae, Edufal, 2013.

LEOPOLDI, Maria Antonieta P. “A economia política do primeiro governo Vargas (1930-1945): a política econômica em tempos de turbulência”. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves. O Brasil republicano: o tempo da experiência democrática. V.3. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

LOPES, José Sérgio Leite. A tecelagem do conflito de classes na cidade das chaminés. São Paulo: Marco Zero; Brasília: Editora da UnB, 1988.

LOUREIRO, Filipe Pereira. Nos fios de uma trama esquecida: a indústria têxtil paulista nas décadas pós-Depressão (1929-1950). São Paulo, 2006. Dissertação de Mestrado (Mestrado em História Econômica) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo

MACIEL, Oswaldo Batista Acioly. Trabalhadores, identidade de classe e socialismo: os gráficos de Maceió, 1895-1905. Maceió: Edufal, 2009.

MARROQUIM. Terra das Alagoas. 1922/2000.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro 1: o processo de produção do capital. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

MELLO, Juçara da Silva Barbosa de. Fios da rede: industrial e trabalhadores na criação e expansão de um grupo empresarial (1920-1949). Rio de Janeiro, 2012. Tese de doutorado (Doutorado em História Social da Cultura) - Centro de Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

NERI, Gustavo; SALDANHA, Alberto. “A indústria têxtil, o Decreto n.º 19.739 e a legislação trabalhista”. In: SALDANHA, Alberto (Org.). A indústria têxtil, a classe operária e o PCB em Alagoas. Maceió: Edufal, 2011.

PAIVA FILHO, Arnaldo. Rio Largo: cidade operária. Maceió: Senai, 2013.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar: Brasil 1890-1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

SIMONSEN, Roberto Cochrane. Evolução industrial do Brasil e outros estudos. São Paulo: Editora Nacional; USP, 1973.

STEIN, Stanley J. Origens e evolução da indústria têxtil no Brasil, 1850-1950. Rio de Janeiro: Campus, 1979.

TAVARES, Marcelo Góes. Do tecer da memória ao tecido da história: operários, trabalho e política na indústria têxtil de Fernão Velho (1943-1961). Recife, 2016. Tese de doutorado (Doutorado em História) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco.

TENÓRIO, Douglas Apratto; LESSA, Golbery Luiz. O ciclo do algodão e as vilas operárias. Maceió: Sebrae, Edufal, 2013.

PINHEIRO, Paulo Sérgio; HALL, Michael M. A classe operária no Brasil: condições de vida e de trabalho, relações com os empresários e o Estado. São Paulo: Brasiliense, 1981.

SERVIÇO do Algodão. Diário Official de Alagoas, Maceió, 22 abr. 1927.

Haut de page

Table des illustrations

Crédits Fonte: Elaboração própria, 2015. Para elaboração deste mapa, tomou-se como referência: Marroquim, 1922/2000.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20309/img-1.png
Fichier image/png, 511k
Titre Mapa 2: Distribuição territorial de fábricas têxteis em Alagoas, período 1857-1949
Crédits Fonte: Elaboração própria, 2015. Para elaboração deste mapa, tomou-se como referência, MARROQUIM, 1922/2000.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20309/img-2.png
Fichier image/png, 517k
Titre Mapa 3: Municípios alagoanos com registros de produção algodoeira (1920)
Crédits Este mapa é uma adaptação, utilizando-se como base o Mapa de domínio público intitulado “Divisão política municipal de Alagoas em 1920” publicado pelo Governo do Estado de Alagoas no site <http://dados.al.gov.br/​dataset/​mapas-historicos-do-estado-alagoas/​resource/​17e43b9a-f8b5-4e67-b7f8-5d486e595422>.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20309/img-3.png
Fichier image/png, 1,5M
Titre Fotografia 1: Fernão Velho, Alagoas.
Crédits Fonte: Acervo de fotografias do Arquivo Público de Alagoas. Autor: Luiz Lavenère Wanderley, [1911].
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20309/img-4.png
Fichier image/png, 610k
Titre Fotografia 2: Companhia União Mercantil, nova seção de tecelagem.
Crédits Fonte: Acervo fotográfico do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas, Pasta 07, Col. Postais de Maceió. Postal n.º 177.Autor desconhecido, [192?].
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20309/img-5.png
Fichier image/png, 892k
Titre Fotografias 3 a 8: Sequência de fotos publicadas sobre Fernão Velho em 1922.
Crédits Fonte: MARROQUIM, 1922/2000, p. 201-204. Acervo da Biblioteca do Instituto Histórico Geográfico de Alagoas
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20309/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 121k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marcelo Góes Tavares, « Territórios fabris no ramo têxtil em Alagoas e fisiografias urbanas em Maceió (1857-1943): histórias e representações  », Confins [En ligne], 40 | 2019, mis en ligne le 31 mai 2019, consulté le 18 septembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/20309 ; DOI : 10.4000/confins.20309

Haut de page

Auteur

Marcelo Góes Tavares

Docente na Universidade Estadual de Alagoas – UNEAL, marce_goes@hotmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals