Navigation – Plan du site
Dossiê Sergipe Alagoas: território, diversidade temporal e ambiental

O território de circulação do carro de boi alagoano em feiras, festas e oficinas: perlengas de memória e esquecimento.

Le territoire de circulation de la charrette à bœufs alagoana dans les foires, fêtes et ateliers : comptines de mémoire et d’oubli.
The territory of circulation of the ox cart in fairs, parties and workshops in Alagoas State: battles of memory and forgetfulness.
Pedro Simonard et Walcler de Lima Mendes Junior

Résumés

Basé sur des témoignages de constructeurs et de conducteurs de charrettes à bœufs, cet article traite de l’éthos de la charrette à bœufs dans le sertão d’Alagoas et des relations sociales qui s’établissent autour de celle-ci. Nous discutons du processus de resignification qui cherche à résister aux conditions menant à sa disparition. Dans une première partie de cet article, le métier de constructeur est abordé en fonction des ateliers, des éléments constitutifs de la charrette et de la difficulté à acquérir les matières premières nécessaires à cette activité. Ensuite, est abordé le métier de conducteur de charrette à bœufs, les techniques de contrôle des animaux, les utilisations de la charrette à bœufs comme moyen de locomotion, de transport de fret et son utilisation dans des fêtes, des messes et des défilés qui se produisent dans les villes de l’état d’Alagoas. Nous abordons, aussi, le rapport entre tradition et culture populaire. Les données et photographies utilisées dans cet article ont été recueillies lors de travaux de terrain menés entre 2015, 2016 et 2017 dans l'agreste et le sertão d'Alagoas, qui permirent de recueillir des renseignements pour la réalisation du projet de Sauvegarde du patrimoine immatériel à Alagoas. Ce projet utilise la méthodologie Inventaire national des références culturelles (INRC), utilisée par l’Institut du patrimoine historique et artistique national (IPHAN). Des entretiens ont été menés pour remplir les formulaires de l'INRC. Des photographies ont été prises lors de cette recherche, dont une partie non significative fut utilisée dans cet article. Une partie du matériel collecté a abouti à l'élaboration de la cartographie culturelle de l’Alagoas.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Alagoas

Índice de palavras-chaves :

carreiros, festa, tradição, território, Alagoas
Haut de page

Texte intégral

1O carro de boi é uma referência cultural que corre risco de desaparecer. As tarefas que o carreiro desempenha com o carro de boi, hoje são mais eficientemente realizadas com motocicletas puxando carretas ou, no caso dos mais abastados, com potentes e modernas picapes. Contudo, o carro de boi ainda resiste, ressignificando seu uso de maneira a transformá-lo, também, em instrumento de lazer utilizados em festejos e desfiles.

2O carro de boi e as profissões a ele relacionadas – carreiro, construtor de carro de boi – fazem parte da cultura popular e das tradições rurais brasileiras e estão presentes em Alagoas, sobretudo no sertão deste estado. A tradição e a cultura popular necessitam de um território no qual elas possam se reproduzir, sobretudo por meio da transmissão da tradição entre as gerações. Um território se constrói, principalmente, assentado na “sua dimensão material, sobretudo no sentido econômico”, que é historicamente definida e geograficamente posicionada e “define-se a partir das relações sociais nas quais se encontra inserido, ou seja, tem um sentido claramente relacional” (Haesbaert, 2007, p. 45). O território é fonte de recursos simbólicos e materiais, fornecendo os meios materiais de existência, no caso em questão a madeira utilizada na construção do carro de boi, a carga a ser transportada, a clientela, os fabricantes e os condutores de carros de boi e os animais de tração. A madeira escasseou devido à exploração desmedida e ao controle dos órgãos de fiscalização; carga e a clientela migraram para meios de transporte mais modernos e eficazes. Restaram a mão de obra e os animais de tração. Estas alterações levaram o território do carro de boi a se transmutar de tal maneira que o carreiro se desterritorializou sem lograr se reterritorializar ou se reterritorializou no espaço das festas e cerimônias de uma maneira frágil que coloca em risco a existência do sistema simbólico carro de boi.

3 A metodologia utilizada foi o Inventário Nacional de Referências Culturais/INRC – que consiste em identificar, documentar e registrar bens culturais, de natureza imaterial, para atender a demanda pelo reconhecimento de bens representativos da diversidade e pluralidade culturais de grupos formadores da sociedade brasileira e apreender os sentidos e valores atribuídos ao patrimônio cultural pelos moradores da região inventariada, tratando-os como intérpretes legítimos da cultura local e como parceiros preferenciais de sua preservação. O INRC é uma metodologia que utiliza formulários que buscam classificar os bens materiais segundo quatro categorias: “festas e celebrações”, “formas de expressão”, “ofícios e modo de fazer” e “lugares” 1. Além das entrevistas semiestruturadas necessárias para preencher os formulários, foram registradas imagens fotográficas e videográficas. Parte do material coletado resultou na elaboração do Mapeamento Cultural de Alagoas2 (https://www.mapeamentoculturaldealagoas.com/​home). As entrevistas e descrições deste artigo foram colhidas durante a pesquisa de campo realizada pelo Grupo de Pesquisa Nordestanças para o projeto de Salvaguarda do Patrimônio Imaterial Cultural do Estado de Alagoas, a pedido do IPHAN, e executado entre os anos de 2015, 2016 e 2017. Esta fase da pesquisa correspondeu à varredura geral das referências culturais de 43 municípios das regiões do sertão, bacia leiteira e agreste do estado, tomando por base mapeamentos pré-existentes e bens identificados pelas populações locais. A equipe identificou, documentou e registrou bens de natureza imaterial e se concentrou nas ocorrências mais representativas da cultura alagoana, indicadas pelos próprios moradores. A equipe também se encarregou de captar e registrar a expressividade e a significância das tradições, dos saberes, dos lugares identificados e reconhecidos como tal. Entre essas inúmeras manifestações da cultura popular destacamos neste artigo o ethos e o território relativo ao uso, às festas e à fabricação do carro de boi, considerando suas distâncias, itinerâncias e deslocamentos em Alagoas. Este ethos expressa práticas e atividades relativas às quatro categorias, acima citadas, que compõem INRC, desenvolvido pelo IPHAN no sentido de estruturar e colaborar com ações de mapeamento cultural ou do patrimônio imaterial relativos à cultura popular. Partindo dessa classificação estruturada nas quatro categorias citadas, propomos nesse artigo um diálogo aberto com protagonistas do ethos do carro de boi, que se autonomeiam como “carreiros”, sujeitos de ofícios e festividades que se opõem aos “vaqueiros” de profissão.

4Na primeira parte deste artigo, a profissão de construtor é abordada tendo por base as oficinas, as peças constituintes do carro e a dificuldade em adquirir a matéria-prima necessária para esta atividade. Em seguida, abordamos a profissão do carreiro como condutor, as técnicas de controle dos animais e os usos do carro de boi como meio de locomoção, como transporte de carga e como protagonista nas festas, missas e desfiles que ocorrem em municípios do sertão alagoano. Por último, abordamos a relação entre tradição e cultura popular.

Carreiros: o ofício de construtor

5O primeiro carreiro a nos contar um pouco de sua história, chama-se Antônio Matias que na época desse contato reconhecia algumas melhorias na vida do sertanejo, produzidas por políticas sociais recentes, como aquelas relativas à aposentadoria do homem do campo e à instalação de cisternas para armazenamento de água em pequenas propriedades da zona rural do semiárido alagoano.

Figura 1 - Carro de boi transportando água no município de Inhapi-AL

Figura 1 - Carro de boi transportando água no município de Inhapi-AL

Fonte: INRC-AL, Grupo de Pesquisa Nordestanças, 2015.

6Em uma oficina de construção de carro de boi em Ouro Branco, Antônio Matias fala da profissão e das dificuldades de manter a tradição.

Aqui antigamente era um lugar muito sofrido, muito sofrido... Agora não: de uns tempos pra cá melhorou mais a coisa, porque o governo desenvolveu mais, entendeu? (...).Hoje não tá tudo bonzinho tá tudo bom, mas naquele tempo era difícil (Antônio Matias, fabricante de carro de boi, Ouro Branco, AL., 2016).

Figura 2 | Área de presença de oficinas de fabricação de Carros de boi no sertão e agreste alagoanos

Figura 2 | Área de presença de oficinas de fabricação de Carros de boi no sertão e agreste alagoanos

Fonte: INRC-AL, Grupo de Pesquisa Nordestanças, 2017.

7Na oficina amontoam-se caixas de ferramenta, discos de corte, serras, duas mesas de corte, uma moto atravessada no meio do espaço sendo consertada pelos netos do carreiro - trocam correias, desempenam aro, calibram pneu. Muita poeira, caixas de madeira, umas por cima das outras. Restos de corte de madeira se empilham pelos cantos do aposento. Nas paredes mais ferramentas e correias penduradas, duas maquitas, muitos serrotes e caixas de pregos. Antônio caminha pela oficina e mostra os equipamentos necessários para a fabricação do carro - o corte da madeira, as serras, a mesa – e reclama que não faz uma entrega há muito tempo, mas se orgulha de ter feito quatro carros que foram despachados de caminhão para um comprador de Rondônia.

Figura 3 | Oficina de Antônio Matias, fabricante de carros de boi no município de Ouro Branco, AL

Figura 3 | Oficina de Antônio Matias, fabricante de carros de boi no município de Ouro Branco, AL

Fonte: INRC-AL, Grupo de Pesquisa Nordestanças, 2015.

Esse comércio de carro de boi acabou-se, porque a criação acabou-se, acabou-se a função do carro de boi. (...) O derradeiro carro que fabriquei aqui foi um que foi pra Rondônia, eu fiz quatro carros de boi lá prá Rondônia (Antônio Matias, fabricante de carro de boi, Ouro Branco, AL., 2016).

8Manoel Vieira dos Santos, construtor de carro de boi em São José da Tapera, reclama da pouca procura pelo carro. Fala também do trabalho duro, da lida com madeiras e peças pesadas e resistentes. A oficina de Manoel parecia mais organizada, com mais espaço e luz para trabalhar. Um terreno ao lado serve de estacionamento para os carros prontos e em construção e depósito para as toras de madeira que serão utilizadas em futuros consertos ou encomendas. “Esse ano eu só fiz um novo o resto foi conserto. [A madeira utilizada] É braúna, quando encontra braúna” (Manoel Vieira dos Santos, São José da Tapera, 2016).

9Cícero Morais, no município de Maravilha, também possui uma oficina de carro de boi, onde trabalha por encomenda. Em comparação as duas anteriores é a mais organizada e espaçosa, com um amplo vão central que permite trabalhar o carro inteiro - mesa, rodas e “cabeçalho” - dentro da parte coberta protegido do sol e da chuva. Desde menino, Cícero se interessou pelo trabalho de marcenaria, corte e construção de carros de boi. Cícero é mais jovem e mais articulado que os outros construtores e possivelmente pertence à última geração de marceneiros a se dedicar ao ofício.

Isso eu aprendi com um amigo meu (...), e pra aprender ainda perdi dois dedos, né?, (mostra a mão direita faltando o mindinho e o anular). Eu perdi na base de curiosidade querendo aprender as coisas e aí o disco trepidou e cortou. (...) A gente compra madeira do Pará, porque essas madeiras daqui, tanto é proibido, como só se for madeira seca, alguma madeira seca a gente tira, mas não pode tirar madeira verde porque a lei está em cima. (...) É uns 15 dias pra ficar pronto. Isso fica como artesanal (Cícero Moraes, Maravilha, 2016).

10O cabeçalho que vai ao centro do carro alcança todo o seu comprimento e é feito de maçaranduba. A mesa se divide em cortes diferentes. Da extremidade para o centro os nomes são: “Cheda”, “cheio”, “subcabeçalho”, outro “cheio”, “cabeçalho”, que é a grande peça que marca o centro do carro, depois repete para o outro lado, de dentro para fora da mesa, “cheio”, “subcabeçalho”, “cheio” e a “cheda” na extremidade oposta. O tamanho e montagem dessas peças que variam pela largura na composição do corte, na feitura da mesa são resultado das experiências dos construtores buscando fazer uma mesa de carro resistente o suficiente para carregar toneladas de mantimentos e materiais de construção.

11As partes da roda se dividem, segundo o mesmo construtor, em “sacho”, “meião”, onde se encaixa o eixo bem no centro da roda, e a meia lua, na extremidade da roda.

Um rodeiro tem duas meias luas, dois sachos e um meião (...), pra formar o par são quatro meia lua, quatro sachos e dois meião e o eixo pra poder rodar e o ferro. Eu vim de Pernambuco pra aqui, e quando eu sair daqui ou parar de trabalhar não tem ninguém que trabalhe mais (Cícero Moraes, Maravilha, 2016).

12Na oficina do ferreiro Antônio Pereira Barros, em Ouro Branco, se fabricam as partes de ferro que compõem carroças e carros de boi, além das estruturas de ferro que reforçam os arreios dos animais. Antônio caminha pela oficina e mostra algumas das máquinas de bater e cortar ferro que ele mesmo inventou para driblar as limitações da idade.

13O artesão de couro José Severiano da Silva confecciona. “rabichola” ou “rabicho”, “taipa”, “reida” e “quaieira”, também chamada de “culeiro”. Também faz conserto de arreio de qualquer tipo de animal de carga e montaria, inclusive a “canga” do boi de carga.

Chama “quaieira” e vai no pescoço do animal, aquele lá (aponta pra outra peça), bota nas costas, chama “selote”, pra botar no espinhaço pra puxar (trata-se um objeto em forma triangular que se encaixa nas costas do animal para facilitar o comando e a tração do carro, também de estrutura de ferro com revestimento de couro). Essa aqui é a “cabeçalha”, vai ficando bonito, vai nos olhos, só que ele não vê, vai tapado, só vê pra frente, e tem a “rabichola” que é de botar atrás pra carroça ou o carro não ir pra frente (José Severiano da Silva, Ouro Branco, 2016).

14Nas entrevistas acima é possível identificar alguns outros elementos que, além da rapidez de deslocamento da mercadoria exigido pelos clientes, contribuem para colocar em risco a existência do carro de boi. Por exemplo, o controle rigoroso que os órgãos do governo responsáveis pela fiscalização e defesa do meio ambiente exercem sobre a origem da madeira utilizada. Tanto os órgãos federais quanto os estaduais que desempenham esta função visitam, com certa regularidade, as oficinas dos fabricantes de carros de boi para verificar qual tipo de madeira está sendo utilizada e se ela é certificada. Tal qual acontece com outras referências culturais - a produção de queijos artesanais e outros alimentos, por exemplo – a fiscalização governamental impõe tantas pré-condições para o fabrico e o manuseio desses produtos que acaba por inviabilizar a produção dos mesmos (Porro, Menasche e Neto, 2014). Outro elemento importante é a falta de interesse dos jovens em aprender tanto a profissão de construtor de carro de boi quanto a de carreiro por não permitirem a estes jovens inserirem-se no mercado de trabalho tendo por base uma profissão valorizada pelo mercado simbólico de profissões. O conhecimento tradicional, transmitido oralmente, desaparece um pouco com cada um dos construtores e dos carreiros que se aposentam ou morrem de velhice ou doença.

Carreiros: o ofício de condutor

15Geraldo Soares Melo é um sertanejo de Ouro Branco, um carreiro que lida tanto com o reparo e construção de peças do carro quanto com o comando do carro, seja para transporte de mantimentos da feira semanal até seu pequeno sítio no meio da aridez do sertão, seja para ir às festas de carro de boi em municípios circunvizinhos. Gosta também de descrever as partes do carro para que as pessoas entendam a dificuldade da construção de um carro, composto por diferentes cortes de madeira: a “cheda”, correspondente ao corte mais estreito na extremidade da “mesa”, o “cheio” que é o corte um pouco mais largo que o primeiro e no centro o “cabeçalho”, uma viga de madeira que pode alcançar mais de 7 metros, atravessando todo o comprimento do carro, desde a parte da mesa onde se acomoda a carga até a ponta onde se prendem os bois. Para ele a roda é o que dá mais trabalho e o eixo tem que cantar. “O que canta é o eixo, por causa dessas cantadeiras aí. (O senhor gosta dessas cantorias?) Eu acho bom, acho bom, carro pra mim botar o eixo e não cantar, eu arranco no outro dia” (G.S.M., Ouro Branco, 2016). Geraldo fala do trajeto de Ouro Branco a Santana do Ipanema por dentro do sertão.

16Voltando ao momento que antecede ao desfile, o ambiente é festivo. Uma música altíssima soa de carros de som e de um bar do outro lado da estrada, enquanto os carreiros contam casos e brincam uns com os outros. A música e a falação se misturam ao ruído dos animais. Alguns carreiros ornam seus bois e carros, enquanto outros dormem em redes instaladas sob as árvores do terreno, esperando a hora do desfile que começa por volta das 15h e termina com o pôr do sol. Uma fila de mais de mil carros de boi se forma na rodovia à entrada da cidade. A fila é intercalada por três carros de som, sendo um principal onde dois cantores puxam aboios e toadas à capela e ao vivo. Um locutor ao lado dos cantores vai dando as coordenadas da festa, agradecendo autoridades políticas, o prefeito, o padre e fazendeiros abastados que ajudam na organização. Depois de formada a imensa linha, com alguns carros de carneiros à frente e os grandes carros puxados, às vezes por quatro bois, em seguida, além das carroças de burro e jumento que vão mais atrás. Por último seguem os cavalos e ainda por último, ao final, fechando a fila, os motoqueiros. Todos começam a se mover lentamente, descendo a via principal da cidade, em um percurso de não mais que 5 quilômetros, fazem a volta em algumas ruas mais comerciais do centro e retornam pela mesma estrada principal pelo sentido oposto até chegarem de volta no terreno no qual se concentram os carreiros.

17Os locais onde as festas de carreiro ocorrem consagram-se como “territórios inscritos”, territórios nos quais a memória assume um papel preponderante na dinâmica identitária (Mello, 2012) dos carreiros.

Nos encontros dos carreiros em Santana (Município de Santana do Ipanema) é três, quatro dias que a gente passa lá, só carreiro por lá. Aí, quando dá o dia de ir embora, aí celebra a missa e vem simbora (...). Daqui pra Santana nós gasta um dia. Nós saimo daqui bem cedo, cinco horas nos tamo em Santana (Geraldo Soares de Melo, Ouro Branco, 2016).

Fonte: INRC-AL, Grupo de Pesquisa Nordestanças, 2017.

18A relação do homem com o animal de tração é de dependência e confiança que requer cuidados com as necessidades dos bois.

Boi é que nem gente, se o boi passar um dia de sede no outro dia se acaba, pode ser gordo como for, no outro dia fica seco, ressecado. (...) A gente anda com ele nas estradas, mas quando o caba topa com uma barragem assim na beira da estrada, nos tira do carro, damo água, aí o caba bota de novo e vamo simbora (Geraldo Soares de Melo, Ouro Branco, 2016).

19Em uma estrada de terra no município de São Jose da Tapera, um carreiro de profissão fala do ofício de transporte de carga com carro de boi.

Já veio através do meu paí, né? Meu pai se criou, criava a família com carro de boi, fazendo um fretinho pra um, frete pra outro e arrumando o dinheiro pra feira com carro de boi (...). E o emprego meu é esse, carro de boi, tô com 47 anos, nunca saí pra canto nenhum e vivo através de carro de boi. (...) [O frete] custa 40 reais, quatro horas de relógio (...) É pouco mas de qualquer maneira eu vivo as custas de carro de boi, (ri meio sem graça) (Geno Carvalho, São José da Tapera, 2016).

20Em outra estrada de terra no município de Dois Riachos, encontramos com o carreiro Rinaldo Mendes da Costa. Disse que desde criança dirige esse mesmo carro de boi que usa pra transportar ração pro gado, água e mantimentos da feira semanal para o povoado de Quixabeira. “Isso aqui é pra nós cuidar de dar ração pro animal e carregar alguma ração e uma água, e tudo pro animal” (Rinaldo Mendes da Costa, Dois Riachos, 2016)

21Antes de um desfile, em uma concentração de carros de boi, carreiros descansam da longa jornada até o município de Canapi, alto sertão alagoano. Dão de beber aos bois em grandes tonéis de água instalados em um terreno na entrada da cidade. Ali, preparam o café em fogareiros improvisados no chão, cozinham arroz com carne e manteiga de garrafa, bebem água de garrafas térmicas, leite, cachaça e alguma cerveja que fica na geladeira de uma casa simples que serve de sede para o encontro. Crianças brincam com pequenos carros de carneiro, jogam bola ou ajudam os adultos na lida com os animais. Souza (2009) enfatiza a importância da educação parental para a formação da criança. Ao reproduzirem situações cotidianas relacionadas à profissão de seus pais, as crianças estão introjetando, através do mimetismo e da repetição, estas situações, preparando-se para exercê-las no futuro, da mesma maneira que seus pais fizeram, mas em qual futuro se, como vemos nos depoimentos aqui apresentados, os próprios carreiros acreditam que sua profissão deverá desaparecer devido às modificações nas relações de produção e das condições históricas que permitiram seu surgimento e reprodução.

Fonte: INRC-AL, Grupo de Pesquisa Nordestanças, 2015.

22A ocorrência de “festas do carreiro” e desfiles de carros de boi perpassa todo o sertão e parte do agreste, com evidência de maior vulto em alguns municípios, que agregam carreiros dos municípios vizinhos. Durante a festa, uma música altíssima soa de carros de som e de um bar do outro lado da estrada, enquanto os carreiros contam casos e brincam uns com os outros. Alguns carreiros ornam seus bois e carros, enquanto outros dormem em redes instaladas sob as árvores do terreno, esperando a hora do desfile que começa por volta das 15h e termina com o pôr do sol. Uma fila de mais de mil carros de boi, intercalada por três carros de som, se forma na rodovia à entrada da cidade. Sobre o maior carro de som dois cantores puxam aboios e toadas à capela e ao vivo. Ao lado dos cantores um locutor dá as coordenadas da festa, agradecendo autoridades políticas, o prefeito, o padre e fazendeiros abastados que ajudam na organização. Depois de formada a imensa linha, com alguns carros de carneiros à frente e os grandes carros, às vezes puxados por quatro bois, em seguida, além das carroças de burro e jumento que vão mais atrás. Por último seguem os cavalos e ainda por último, ao final, fechando a fila, os motoqueiros. Todos se movem lentamente, descendo a via principal da cidade, em um percurso de não mais que 5 quilômetros. Passeiam por algumas ruas mais comerciais do centro e retornam, pela mesma estrada principal pelo sentido oposto, até o terreno no qual se concentram os carreiros.

Figura 6 | Ocorrência de Festas do Carreiro, que agregam carreiros de toda a região do sertão e agreste alagoanos

Figura 6 | Ocorrência de Festas do Carreiro, que agregam carreiros de toda a região do sertão e agreste alagoanos

Fonte: INRC-AL, Grupo de Pesquisa Nordestanças, 2017.

23O padre reza uma missa rápida abençoando os carreiros e os animais. A organização faz sorteios de eletrodomésticos e premiações valendo carros de boi e animais para os participantes mais votados nos quesitos dornos, vestimenta e controle dos carros e animais. Os municípios e povoados em que ocorrem desfiles de carro de boi são Santana do Ipanema, Inhapi – ambos respondem pelos maiores e mais tradicionais desfiles, organizados pelas respectivas prefeituras, contando com mais de dois mil carros em seus desfiles - Canapi, Tapuia, Maravilha, Poço das Trincheiras, Senador Rui Palmeira, Cacimbinha, Olivença, Quixabeira e Ouro Branco.

Figura 7 | Desfile de carro de boi em Canapi-AL

Figura 7 | Desfile de carro de boi em Canapi-AL

Fonte: INRC-AL, Grupo de Pesquisa Nordestanças, 2015.

24Sobre a festa de carro do boi, o carreiro José Betoso reconhece que é o grande momento de confraternização dos que lutam pela manutenção dessa tradição: “Essa festa é muito boa demais. É a nossa tradição é essa festa, nós passa de 8 dias no mundo de festa em festa”(José Betoso, Canapi, 2016).

25Sobre um carro de som do tamanho de um carro de trio elétrico de carnaval, dois cantores de aboio e toada, improvisam versos à capela nos microfones para animar o desfile. O som das vozes se funde com o som das rodas dos carros produzindo um efeito sonoro específico que ecoa na cidade construída no meio do vazio do semiárido. Os versos do aboio e da toada falam tanto ao homem na lida diária quanto aos animais, baseado na crença de que as notas longas e contínuas acalmam os bois.

Eu quero ver a boiada, lá no cercado pastando,

Ouvir os carro de bois, quando eles vêm cantando

São coisas do meu Nordeste, que hoje eu vivo lembrando (pausa pra nota prolongada)

Papai vou finalizar, leia com muita atenção

Enquanto eu escrevia, tomei essa decisão

Me espere brevemente, que voltarei pra o sertão... (Verso de aboio)

26Os bezerros são treinados desde pequenos para o oficio de tração do carro de boi: “A gente amansa de bezerro, emparelha. Com idade de três anos faz a primeira muda, aí fica, tem muita gente que vende novilho, não chega a capa, porque o boi mesmo é o boi capado” (Irineu Guedes da Silva, Canapi, 2016). A lida com os animais guarda uma relação de confiança entre o homem e o animal, exigindo meses, às vezes anos, de treinamento para que o transporte de toneladas de carga seja feito com segurança por estradas de terra entre regiões de serra, mata e caatinga, cruzando leito de rios, aclives e declives do terreno. Não é raro um animal assustado virar um carro perdendo desperdiçando a carga e levando o carreiro a morte. Um boi de tração pode trabalhar por mais de 12 anos em uma relação de total confiança com o sertanejo.

27Os municípios mais antigos do sertão alagoano foram quase todos fundados a partir de iniciativas de carreiros ao longo da primeira metade do século XX. Um sertão desbravado pela roda do carro de boi e por sertanejos empenhados em trajetos pela mata e caatinga e em atividades de extração e fixação podiam levar metade do ano, vivendo no meio da mata, sem comunicação com povoados, muito menos com a família. “Eu ficava de seis meses lá que não podia vir pra aqui, pra Canapi, Inhapi, com medo das onças, meu pai tendo que ir me buscar (...) minha mãe chorando aqui, diz, ‘meu filho as onças já comeu’” (Luis de Heitor, Canapi, 2016).

Tradição e cultura popular

28O processo de transmissão da tradição é um processo criador visto que aquele que transmite o conhecimento procura ensinar a “sua” tradição ou seja aquela que aprendeu com seu mestre na qual inseriu elementos mais “modernos” (uma matéria-prima diferente, uma ferramenta que facilita o trabalho de alguma maneira e permite desenvolver uma nova técnica de manuseio do material etc.) de maneira que a tradição caracteriza-se sempre como uma “atividade de seleção, valoração, interpretação e afirmação do acervo cultural legado pelo passado” (Coutinho, 2002, p. 1-2). A tradição desta maneira é sempre “inventada” (Hobsbawn e Ranger, 1997) e “reinventada” e concebe a cultura como um elemento ativo, histórico e processual. A tradição é quase sempre associada aos grupos sociais não hegemônicos que procuram explicar/reconstruir a realidade tendo por base a sua perspectiva.

29O local por excelência da tradição é a cultura popular, entendida aqui como aquela que emana das camadas sociais não hegemônicas, e esta sempre buscou resistir aos avanços das relações de produção capitalistas numa tentativa de contrapor a estas outras relações de produção, outra visão de mundo (HALL, 2003). Em sua luta contra as relações de produção capitalistas consideradas como modernas

(...) a cultura popular tem sido (...) associada às questões da tradição e das formas tradicionais de vida – e [este é] o motivo por que seu “tradicionalismo” tem sido tão frequentemente mal interpretado como produto impulso meramente conservador, retrógrado e anacrônico. Luta e resistência - mas também, naturalmente, apropriação e expropriação (Hall, 2003, p. 248).

30Contudo, as referências culturais sofrem o assédio das relações de produção capitalistas e muitas sofrem grande risco de desaparecerem. O carro de boi e as principais profissões a ele relacionadas – construtor de carro de boi e carreiro – estão entre estas. A demanda de carros de boi apenas para a participação em festas, cerimônias e outros eventos de cunho mais socioculturais, não proporcionam aos construtores de carro de boi e nem aos carreiros rendimentos necessários para sua reprodução social. O carro de boi vem sendo, rapidamente, substituído pelas motocicletas e pelos carros, entre os mais pobres, quando estes necessitam transportar pequenas cargas, e pelas picapes, para o transporte de grandes cargas. Os veículos automotores transportam as cargas de maneira mais rápida do que os carros de boi.

Considerações Finais

31A atividade da lida com carro de boi sempre foi regulada por um tempo cíclico formado por vários outros tempos cíclico: o tempo da criação, treinamento e utilização da parelha (pareia) de bois, o tempo de viagem necessário para que a carga fosse entregue, o tempo da vida útil do carro de boi, o estar em casa junto à família e o estar fora de casa, trabalhando com seus animais. As atividades relacionadas ao carro de boi entraram em declínio devido às alterações nas relações de produção para as quais a temporalidade do carro de boi tornou-o anacrônico. Contudo, concomitante a este processo, estas mesmas relações de produção permitem a ressignificação do carro de boi e do carreiro e os inserem no sertão contemporâneo segundos novos critérios. A partir desta ressignificação, um novo tempo cíclico começou a regular as atividades do carreiro o tempo das festas e cerimônias. Estas tornaram-se elementos de suma importância, dando novas referências, criando novas narrativas, estabelecendo novos padrões de comportamento e relacionamento para construtores e condutores de carros de boi.

32Diante dos depoimentos dos carreiros condutores percebe-se um certo desencanto com o futuro de sua profissão, mas pode-se, também, vislumbrar o germe que indica uma possível mudança que já aconteceu com o uso dos cavalos e dos jegues pelo sertanejo. Ambos estão rapidamente deixando de ser utilizados na lida diária seja nas atividades atreladas ao manejo do gado, seja naquelas ligadas ao transporte de passageiros ou de carga. O transporte de passageiros e de pequenas cargas e a lida com a boiada hoje são, basicamente, realizados por motocicletas, mais rápidas e de manutenção mais barata. Os jegues são abandonados a sua própria sorte e muitos são atropelados à beira das estradas. Outros são levados para abatedouros e têm sua carne exportada para a China. Quanto aos cavalos são utilizados nas atividades de lazer como pegas de boi, vaquejadas e cavalgadas. Estas duas últimas atividades movimentam mercados de milhões de reais e utilizam cavalos de raça que só aqueles que são abastados conseguem adquirir e mantê-los saudáveis.

33Como mostraram Mendes Junior (2017) e Simonard, Vital Brazil e Araújo (2017) o sertão continua contemporâneo, mas de uma contemporaneidade diferente daquela de algumas décadas atrás. Nele coisas surgem, se transmutam, desaparecem. O sertanejo agora usa celular, dirige uma motocicleta, tem tevê a cabo em sua casa, acessa à internet. Se os carros de boi vão sumindo da lida diária do sertanejo, ainda podem ser encontrados em grandes quantidades em desfiles e festas quando os carreiros se encontram para confraternizar, contar causos e lembrar dos tempos passados. As festas, nesta conjuntura de perda de importância do trabalho de carreiro, ganham importância devido

ao seu poder de mobilizar ou forçar as identidades a nível sócio-geográfico, já que seu significado profundo, suas manifestações, a liturgia do seu desenvolvimento, os discursos e os mitos a mantêm trabalhando de perto ou de longe a unidade e a identidade social (Bezerra, 2007, p. 72).

34Sendo assim, a festa permite àqueles desalentados com o futuro de sua profissão afirmarem sua identidade bem como a importância de suas atividades – o fabrico e/ou a condução de carros de bois – em vias de desaparecer, em suma afirmarem a importância social de suas profissões e, por que não, suas próprias importâncias sociais como aqueles que ao longo de muitos anos foram responsáveis pela geração de riqueza no sertão. As festas, que contam com o apoio das elites políticas locais e da Igreja Católica (é notável a ausência das diversas denominações evangélicas neste espaço) e este apoio afirma o reconhecimento dos “poderosos” aos carreiros, mesmo que seja só durante os curtos períodos de realização das festas.

35Contudo, veem-se poucos jovens nestas confraternizações o que mostra que os mesmos não se interessam nem pela profissão de fabricante de carros de boi nem pela de condutor dos mesmos. Sem jovens, sem transmissão da tradição e do conhecimento popular, não há referência cultural nem conhecimento que consiga transmitir-se e perpetuar-se.

Haut de page

Bibliographie

Bezerra, A. C. A. “Festa e identidade: a busca da diferença para o mercado de cidades”. In : Araújo, Frederico Guilherme Bandeira de e Haesbaert, Rogério. (Orgs.) Territórios e identidades: questões e olhares contemporâneos. Rio de Janeiro : Access, 2007, p. 69-92.

Coutinho, E. G. Velhas histórias, memórias futuras: o sentido da tradição na obra de Paulinho da Viola. Rio de Janeiro : EdUERJ, 2002.

Haesbaert, Rogério. “Concepções de território para entender a desterritorialização”. In : Santos, Milton et al. Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007. p. 43-71.

Hall, S. “Notas sobre a desconstrução do ‘popular’”. In : Hall, Stuart e Sovik, Liv. (Orgs.) Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília : Representação da UNESCO no Brasil, 2003. p. 247-264.

Hobsbawn, E. e Ranger, T. (Orgs.) A invenção das tradições. Rio de Janeiro : Paz e Terra, 1997.

Mello, M. M. Reminiscências dos quilombos: territórios da memória em uma comunidade negra rural. São Paulo : Editora Terceiro Nome, 2012.

Mendes Junior, W. de L. “Experiências de campo: rastros da pesquisa entre sertões”. In : MENDES JUNIOR, Walcler de Lima (Org.). Inter[e]ferências: referências culturais em perspectiva, Maceió : EdUFAL, 2017. p. 95-123.

Porro, N. M.; Menasche, R. e Neto, J. S. “Babaçu livre e queijo serrano: histórias de resistência à legalização da violação a conhecimentos tradicionais”. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 20, n. 41, p. 267-301, jan./jun. 2014.

Simonard, P., Vital Brazil, D. e Araújo, M. F. “Tradição e referência cultural: entre a rigidez dos registros e a fluidez das relações sociais”. In : Mendes Junior, Walcler de Lima (org.). Inter[e]ferências: referências culturais em perspectiva, Maceió : EdUFAL, 2017. p. 43-67.

Haut de page

Notes

1 Ver Inventário Nacional de Referências Culturais, INRC 2000, Manual de aplicação

2 Ver https://www.mapeamentoculturaldealagoas.com/home.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Carro de boi transportando água no município de Inhapi-AL
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20355/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 372k
Titre Figura 2 | Área de presença de oficinas de fabricação de Carros de boi no sertão e agreste alagoanos
Crédits Fonte: INRC-AL, Grupo de Pesquisa Nordestanças, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20355/img-2.png
Fichier image/png, 238k
Titre Figura 3 | Oficina de Antônio Matias, fabricante de carros de boi no município de Ouro Branco, AL
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20355/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 476k
Crédits Fonte: INRC-AL, Grupo de Pesquisa Nordestanças, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20355/img-4.png
Fichier image/png, 237k
Crédits Fonte: INRC-AL, Grupo de Pesquisa Nordestanças, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20355/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 432k
Titre Figura 6 | Ocorrência de Festas do Carreiro, que agregam carreiros de toda a região do sertão e agreste alagoanos
Crédits Fonte: INRC-AL, Grupo de Pesquisa Nordestanças, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20355/img-6.png
Fichier image/png, 240k
Titre Figura 7 | Desfile de carro de boi em Canapi-AL
Crédits Fonte: INRC-AL, Grupo de Pesquisa Nordestanças, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20355/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 248k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Pedro Simonard et Walcler de Lima Mendes Junior, « O território de circulação do carro de boi alagoano em feiras, festas e oficinas: perlengas de memória e esquecimento. », Confins [En ligne], 40 | 2019, mis en ligne le 31 mai 2019, consulté le 17 septembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/20355 ; DOI : 10.4000/confins.20355

Haut de page

Auteurs

Pedro Simonard

Centro Universitário Tiradentes - UNIT/AL, pedrosimonard@gmail.com

Walcler de Lima Mendes Junior

Centro Universitário Tiradentes - UNIT/AL, walclerjunior@hotmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals