Navigation – Plan du site
Dossiê Sergipe Alagoas: território, diversidade temporal e ambiental

Dossiê Sergipe Alagoas: território, diversidade temporal e ambiental

Sergipe Alagoas: territoire, diversité temporelle et environnementale
Sergipe Alagoas Dossier: territory, time and environment diversity
Núbia Dias dos Santos, Celso Donizete Locatel et Ajibola Isau Badiru

Texte intégral

1Os estados de Sergipe e de Alagoas (Figura 1), com exceção do Distrito Federal, compõem as duas menores unidades da República Federativa do Brasil, correspondendo à 0,26% e 0,33% do território nacional, respectivamente. Estes dois estados, localizados na região Nordeste do País, possuem uma população um pouco acima de 5 milhões de habitantes e uma situação geográfica muito complexa, que reflete a própria formação econômica e social (FES) do Brasil, alicerçada na dinâmica do capital.

Figura 1. Localização dos Estados de Sergipe e de Alagoas, Brasil.

Figura 1. Localização dos Estados de Sergipe e de Alagoas, Brasil.

2A expressão situação geográfica é decorrente, segundo Silveira (1999), de um conjunto de forças, ou seja, de eventos geografizados, por tornarem-se materialidade e normas. Para a autora, “ao longo do tempo, os eventos constroem situações geográficas que podem ser demarcadas em períodos e analisadas na sua coerência” (Silveira, 199, p. 22). Já a categoria de formação econômica e social, expressa a unidade e a totalidade das esferas econômica, social, política e cultura de uma sociedade, logo, trata-se de um modelo fundado na totalidade (Santos, 2005). É nessa perspectiva que o Dossiê Sergipe e Alagoas ganha unidade e relevância.

3A formação econômica e social dos estados de Sergipe e de Alagoas apresenta similaridades, e remonta ao período colonial, baseado em um sistema latifundiário, monopolista, escravista e mercantil, socialmente assimétrico e sistemático. De modo geral, tais formações permitem conhecer uma sociedade em sua totalidade, mas, de modo especifico, entende-se que o espaço organizado consiste em três categorias interdependentes: modo de produção, formação social e espaço, que sinalizam, respectivamente, para uma correlação indissociável a três instâncias determinantes: a econômica, a jurídico-política e a ideológica como destacadas por Castells (1999; Santos, 2012, p.67).

4Como salienta Santos (2004, p. 73), as relações sociais resultam das relações econômicas, representadas por uma lógica desigual e contraditória da organização do espaço. Assim, a formação econômico-social é uma totalidade social concreta, o modo de produção é uma totalidade social abstrata. (Santos, 2012)

5Com base nesta concepção teórico-metodológica e no fato de haver expressiva produção cientifica sobre os territórios destes dois estados, resultado de investigações desenvolvidas por grupos de pesquisa das Instituições de Ensino Superior, em especial aqueles vinculados aos programas de pós-graduação do PRODEMA; PROFCIAMB e PPGEO, no âmbito da UFS, além do IFS; o SOTEPP, no Centro Universitário Tiradentes em Alagoas, UFAL, a UNEAL e a IFAL, ao mesmo tempo em que se encontra poucas publicações que abrangem ainda essa escala territorial, surgiu a motivação para a produção deste dossiê.

6O projeto do dossiê começou a ser esboçado em 2017, a partir do Estágio Pós-Doutoral realizado pela Professora Núbia Dias dos Santos (uma das organizadoras), no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, ocasião em que surgiu o convite para a articulação de pesquisadores que tem como foco de seus trabalhos os dois estados. No ano de 2018, duas atividades oficializam a adesão da UFS e do Centro Universitário Tiradentes, na organização do Dossiê, o 1º Ciclo de Debates Interdisciplinar: o estado da ciência do espaço território de Sergipe”, e a 4ª Jornada Interdisciplinar. 2° Zumbido: “O estado da ciência do espaço-território de Alagoas”.

7A partir dos estudos contidos neste dossiê, a Geografia é apresentada como ciência que agrega as dimensões econômica, social, política, cultural e ambiental de forma integrada, ou seja, numa perspectiva de totalização. Da mesma forma, a compreensão do espaço não se realiza dissociada do tempo, pois o espaço geográfico resulta da acumulação de diferentes tempos históricos. Este primeiro dossiê de Sergipe e Alagoas está composto por oito artigos, a saber:

  1. Temas sobre o Estado de Sergipe: Infraestruturas de Transportes e Desenvolvimento Econômico: uma análise do Modal Rodoviário no Estado de Sergipe; Unidades de Conservação e Conflitos Ambientais no Litoral Sergipano; Bacias Hidrográficas e os Conflitos pelos usos das águas no Estado de Sergipe, Brasil; Configuração Espacial da Geografia dos Alimentos em Sergipe.

  2. Temas sobre o Estado de Alagoas: O Território de Circulação do Carro de Boi Alagoano em Feiras, Festas e Oficinas: Perlengas de Memória e Esquecimento; Território Alagoano (Brasil): desafios para Contribuições à história e a Geografia de suas Cidades; Territórios Fabris no ramo têxtil em Alagoas e fisiografias Urbanas em Maceió (1857-1943): histórias e representações; Mapeamento para o Zoneamento Ecológico do Território de Alagoas

8Entre os estados de Sergipe e Alagoas, pode-se destacar como similaridades: a importância do Oceano Atlântico (Figura 2); a presença do rio São Francisco (Figura 3) e a influência do Planalto da Borborema. As duas capitais Aracaju (Figura 4) e Maceió, são banhadas pelo Oceano Atlântico e exercem intensa primazia no arranjo espacial dos seus respectivos estados. As atividades canavieiras ainda exercem forte influência na dinâmica desses estados e contribuem para a monopolização do território e a territorialização do capital, na concentração das terras, da renda e do poder político e econômico.

Figura 2. Vista Parcial do Oceano Atlântico, na Cidade de Maceió, Alagoas, Brasil.

Figura 2. Vista Parcial do Oceano Atlântico, na Cidade de Maceió, Alagoas, Brasil.

Fonte: Acervo de Wesley Menegari. : https://maceioatlantic.com/​praias-urbanas-maceio-jatiuca-ponta-verde-pajucara/​

Figura 3. Vista parcial do Rio São Francisco, entre os Estados de Sergipe e de Alagoas, Brasil.

Figura 3. Vista parcial do Rio São Francisco, entre os Estados de Sergipe e de Alagoas, Brasil.

Fonte: Ajibola Isau Badiru, 2012.

Figura 4. Vista Aérea parcial da cidade de Aracaju e do Oceano Atlântico.

Figura 4. Vista Aérea parcial da cidade de Aracaju e do Oceano Atlântico.

Fonte: https://www.brasil-turismo.com/​sergipe/​aracaju.htm

9O litoral é o território em disputa, entre pescadores, coletoras de mangaba e demais extrativistas, com os promotores imobiliários, proprietários fundiários. Interessam a exploração das belezas naturais e atividades turísticas nos territórios ocupados pelos povos originais e áreas de APAS. Sergipe e Alagoas são registros vivos do avanço do processo cultural; guardam singularidades e similaridades na história, no povo, na produção agropecuária, na ocupação do litoral ao sertão. A diferença decorre da intensidade de como cada processo se materializa. Tudo isso justifica a preparação do segundo dossiê sobre os estados de Sergipe e Alagoas, previsto para ser publicado no número 41 da Revista Confins.

Haut de page

Bibliographie

Castells, M. O Poder da Identidade. 2ª ed., v.II. Tradução Klauss Brandini Gerhardt. São Paulo: Paz e Terra, 1999. (A era da informação: economia, sociedade e cultura; v2).

Santos, M. Pensando o Espaço do Homem. 5ed. São Paulo: Edusp, 2004. (Coleção Milton Santos, 5).

Santos, M. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

Santos, N. D. dos. Pelo Espaço do Homem-Camponês: estratégias de reprodução social no sertão dos Estados de Sergipe e Alagoas. São Cristóvão: PPGEO/UFS (Tese de Doutorado em Geografia), 2012, 291f.

Silveira, M. L. “Uma situação geográfica: do método à metodologia”. Revista Território, ano IV, nt1 6, jan./jun. 1999.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1. Localização dos Estados de Sergipe e de Alagoas, Brasil.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20555/img-1.jpg
Fichier image/, 32k
Titre Figura 2. Vista Parcial do Oceano Atlântico, na Cidade de Maceió, Alagoas, Brasil.
Crédits Fonte: Acervo de Wesley Menegari. : https://maceioatlantic.com/​praias-urbanas-maceio-jatiuca-ponta-verde-pajucara/​
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20555/img-2.jpg
Fichier image/, 160k
Titre Figura 3. Vista parcial do Rio São Francisco, entre os Estados de Sergipe e de Alagoas, Brasil.
Crédits Fonte: Ajibola Isau Badiru, 2012.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20555/img-3.jpg
Fichier image/, 160k
Titre Figura 4. Vista Aérea parcial da cidade de Aracaju e do Oceano Atlântico.
Crédits Fonte: https://www.brasil-turismo.com/​sergipe/​aracaju.htm
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20555/img-4.jpg
Fichier image/, 269k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Núbia Dias dos Santos, Celso Donizete Locatel et Ajibola Isau Badiru, « Dossiê Sergipe Alagoas: território, diversidade temporal e ambiental », Confins [En ligne], 40 | 2019, mis en ligne le 03 juin 2019, consulté le 20 août 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/20555 ; DOI : 10.4000/confins.20555

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals