Navigation – Plan du site
Dossiê Sergipe Alagoas: território, diversidade temporal e ambiental

Território alagoano (Brasil): contribuições à história e geografia de suas cidades

Territoire d'Alagoas (Brésil) : contributions à l'histoire et à la géographie de ses villes
Territory of Alagoas (Brazil) : contributions to the history and geography of its cities
Roberto Silva de Souza et Marcelo Góes Tavares

Résumés

Les catégories de temps et d'espace sont présentes dans les recherches urbaines en géographie, notamment en géographie historique urbaine. L'objectif de ce travail est d'indiquer la nécessité de mener des études sur les centres urbains d'Alagoas, dans les géographies du passé, en tant que mode de narration historique. Elle parts de réflexions théoriques rassemblant des auteurs traitant de ce type d’investigation. Il s’agit d’une recherche exploratoire qui a exigé, pour le moment, une recherche bibliographique (théorique et empirique). Il est conclu que l'étude de l'espace et du temps des villes d'Alagoas, à la lumière de la géographie historique, en utilisant des sources documentaires, des interviews, etc., peut révéler des processus sociaux aidant à renforcer leurs souvenirs, allant au-delà description simple des formes qui les composent pour les formations qui se sont produites dans le passé.

Haut de page

Texte intégral

1Dentre investigações realizadas por profissionais que participam da Geografia, observam-se práticas humanas ligadas ao tempo e ao espaço. Sob estas, pode-se debruçar sobre a Geografia Histórica Urbana, enquanto possibilidade metodológica de pesquisa que envolve, mais intimamente, tais dimensões na formação de núcleos populacionais.

2Em Alagoas há 102 cidades que apresentam formas espaciais constituídas, historicamente, se amoldando às passagens dos tempos e estratégias humanas. Tais núcleos podem ser vislumbrados, como expressou Santos (1989), como “gerações urbanas”, cidades “que se sucederam ao longo da História” sob “diferentes ideologias”, em cenários e sociabilidades que se reportam a diversas temporalidades, desde o período colonial brasileiro até o presente. Justifica-se a intenção de se estimular o estudo das formações dos núcleos alagoanos, sob a Geografia Histórica, por transformações sócio-espaciais.

3O objetivo do trabalho é indicar a necessidade da realização de estudos de núcleos urbanos de Alagoas, sob geografias do passado, enquanto modo de narrativas históricas. Especificamente, pretendeu-se: enfocar propostas metodológicas da Geografia Histórica (Urbana) na investigação de cidades alagoanas; abordar considerações acerca do território alagoano, anteriores à emancipação de Pernambuco; destacar aspectos de antigos núcleos populacionais alagoanos como estímulo a estudos de Geografia Histórica em todo o território.

4As reflexões aqui expostas partiram da seguinte questão: que particularidades podem ser observadas no desafio de se abordar dados do espaço e do tempo, de cidades alagoanas à luz da Geografia Histórica?

5O resultado deste artigo foi possível por intermédio de reflexões teóricas em diversos autores. Dados empíricos baseados em documentos como fotografias, censos colaboraram expondo processos pelos quais cidades atravessaram em sua formação. Alguns procedimentos foram imprescindíveis para a construção desta proposta: pesquisa bibliográfica (teórica e empírica), visitas ao site do IBGE e da ferramenta Google Earth.

6Inicialmente, situa-se o campo da Geografia Histórica urbana e suas possibilidades como aporte teórico-metodológico para compreensão histórica das cidades. Em seguida, se dispõe ao leitor algumas considerações sobre o território alagoano, considerando também histórias de alguns de seus núcleos populacionais. Por fim, destacam-se algumas propostas metodológicas para investigação do passado de cidades alagoanas, bem como algumas considerações acerca da pesquisa.

Breves reflexões sobre a Geografia Histórica Urbana como possibilidade de compreensão das histórias das cidades

7A Geografia Histórica (Urbana) pode se traduzir como aquela metodologia, ramo ou disciplina que fornece aportes à pesquisa que dialoga mais sutilmente com o tempo e o espaço na ciência geográfica. Nesse percurso de desenvolvimento de certa investigação da evolução de núcleos urbanos, as memórias e histórias das cidades vão sendo recuperadas, evidenciando formas geográficas antigas, sejam estas presentes, destruídas ou transformadas no espaço, tornando-se também fontes documentais para compreensão do espaço urbano, conforme expressa Abreu (2011) no seu estudo sobre a memória das cidades.

8Sob essa perspectiva, dá-se: a reconstituição de geografias do passado (Baker; Billinge, 1982); percebem-se as relações entre História e Geografia, bem como o tempo e o espaço na geografia do passado (Green, 1991); ou exploram-se os lugares e os tempos (Boulanger; Trochet, 2005). Para o Prof. Robin A. Butlin (1993, p. ix), a Geografia Histórica diz respeito ao “estudo das geografias de tempos passados, envolvendo a reconstituição imaginativa de amplo alcance de fenômenos e processos centrais para nosso entendimento geográfico do dinamismo de questões humanas [...]”.

9As cidades se apresentam como possibilidades de análise porque apontam várias características, como a da concentração de pessoas e da produção, bem como do controle social, territorial etc., evidenciando processos sociais e formas espaciais que indicam acumulação de tempos no espaço urbano (Abreu, 2016).

10Na investigação sobre a geografia histórica do Rio de Janeiro, Abreu (2010) elegeu uma escala temporal que correspondeu de 1502 a 1700, referindo-se a um lugar que não mais existia.

11O Prof. Paul Claval (2005) apontou o historiador como um especialista do tempo, lembrando que, em seus estudos, o divide em eras e períodos. Por sua vez, o geógrafo interferiria na reconstituição da geografia que corresponderia a cada uma das divisões, contribuindo com a compreensão de fisiografias e respectivos modos de uso dos espaços.

12Hall (1982) ao tratar acerca de métodos e fontes em Geografia Histórica admitiu que a utilização de fontes primárias é, fundamentalmente, diferente de como praticam os geógrafos que trabalham com ramos da Geografia.

13O Prof. Pedro de Almeida Vasconcelos (1999) vem contribuindo para a Geografia Histórica Urbana brasileira e fornece subsídios metodológicos para esse tipo de pesquisa que se dedica à investigação histórica de tais cidades. Por suas pesquisas acerca do espaço urbano de Salvador, ele lançou obra que tratou de transformações e permanências na cidade, entre os anos de 1549 e 1999 (Vasconcelos, 2016).

14Assim, métodos e técnicas observados, podem evocar a busca pela "memória urbana" ou "memória da cidade", termos considerados "imprecisos" por Abreu (2011), mas que ele utiliza e faz distinção: o primeiro reportaria ao "estoque de lembranças do modo de vida urbano per si" sem ter que, efetivamente, relacionar a uma base material ou um lugar; o segundo ("memória da cidade"), reportaria "lembranças a uma base material precisa, a um determinado lugar" (Abreu, 2011, p. 31).

15A história da cidade é aquela "dos processos sociais que se materializam de forma mais objetiva: a história dos transportes, a história da propriedade, da especulação, da habitação, do urbanismo, da centralidade." (Abreu, 2011, p. 32). Mas, a Geografia (Histórica) não deve, simplesmente, se reduzir "à recuperação das formas morfológicas" (Abreu, 2011, p. 35), mas relacioná-las àqueles que as produziram.

16Ao se considerar contribuições da ciência histórica, se reconhece que “a cidade torna-se simultaneamente artefato, produto da terra, ambiente, sistema, ecossistema, máquina, empresa, obra de arte, ou mesmo um texto onde podem ser lidos os códigos mais amplos de sua sociedade” (Barros, 2007, p.17).

17Percebe-se a complexidade de aspectos e dimensões que compõem o espaço urbano, reconhecendo-se, inclusive, que cada cidade possui sua singularidade histórica. Embora seja objeto dominante na disciplina e técnica urbanística, sendo ainda bastante pesquisado na História, para Abreu (2011) nada impede que a Geografia se debruce no tempo passado. Pode-se, no âmbito da Geografia Histórica Urbana se utilizar de análises que são realizadas no contexto atual da globalização, mas com "correções metodológicas" porque categorias de análise, operacionalizadas por conceitos e variáveis, não são historicamente datadas como estes o são.

Alagoas e o seu território: algumas considerações anteriores à sua emancipação da capitania de Pernambuco

18Alagoas, pelo último Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2015), contou com 3.120.494 habitantes, em uma área de 27.774,99 km².

19Praticamente, antes de serem fundadas vilas e cidades na porção portuguesa do continente sul-americano, o período colonial da história do Brasil foi dedicado a "uma exploração grosseira dos recursos naturais" - como enfatizou Reis Filho (1968, p. 30) -, originando algumas feitorias e agrupamentos de europeus, cuja maior parte era habitada por náufragos. Estes viviam sob a ameaça dos nativos que só depois seria exterminada. Foi por isso que Braudel (2005, p. 82) declarou que "no Brasil, o português aparece, e o índio primitivo retrai-se: cede o seu lugar."

20No início da colonização brasileira, com a criação das capitanias hereditárias, o substrato físico do território alagoano ficou inserido naquele da Capitania de Pernambuco, instituída em 1534.

Mapa 1 - Futuro território alagoano a se desmembrar de Pernambuco

Mapa 1 - Futuro território alagoano a se desmembrar de Pernambuco

Fonte: Andrade (1999). Execução e adaptação: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza

21Segundo Prado Júnior (1999), em obra do início da década de 1940, a "capitania" representava a maior unidade administrativa da colônia e se encontrava dividida em "comarcas" que eram compostas por "termos", cujas sedes eram representadas por "vilas" ou "cidades" que lhes diziam respeito. Os termos podiam ser repartidos por "freguesias" - divisões territoriais que formavam as paróquias - podendo estas, por sua vez, serem fracionadas em "bairros".

22No período da colonização, vivenciava-se o desenvolvimento do capitalismo mercantil e a porção alagoana se inseriria nas estratégias do empreendimento da Metrópole portuguesa (Andrade; Andrade, 1999), deixando de ser - no contexto das terras brasileiras, como apontou Moraes (2000, p. 412) -, apenas "[...] um pouso na Carreira da Índia, vivendo um quase esquecimento na geopolítica metropolitana [...]".

23No início dessa fase, marcada por táticas que se anteciparam à atuação portuguesa sobre o que viria a ser o território alagoano, os conquistadores puderam encontrar um meio físico que ainda não fora "atacado profundamente" (Lima, 1965) pelo homem. Antes da presença lusa e de outros europeus, havia povos que teriam sua vida social e econômica desorganizada, e, assim, "desfaz-se o equilíbrio nas relações do homem com o meio físico." (Freyre, 1999, p. 89).

24Os primeiros europeus que desbravaram o meio físico, localizado na então parte sul da Capitania de Pernambuco, puderam observar paisagens que muito se diferenciavam daquelas atuais, devido aos processos que se estabeleceriam pela intervenção do homem. Nesse período, até o evento da invasão holandesa a Pernambuco, em 1630, o território contava com os termos de duas vilas: Porto Calvo (1615) e Alagoas (1624). Quanto a Penedo, fundado como um povoado em 1560, Andrade (1995, p. 35) vai expor que, por aquele período da referida invasão, representava "um forte e uma povoação de alguma importância". De todo modo, é consagrado na historiografia, que essas três localidades ou povoações são os pontos iniciais de colonização do atual território alagoano.

25Vale lembrar que Espíndola (2001, p. 161) contesta a data de instituição da vila de Alagoas, negando aquela correspondente a 1624. Para ele, em 1633, os holandeses saquearam e incendiaram esse núcleo; apontou o dia 23 de abril de 1636 como sendo a data da elevação à categoria de vila, tanto de Porto Calvo, como de Alagoas e Penedo. Esses núcleos surgiram no contexto da produção capitalista (o colonialismo) sob o capitalismo mercantil. De qualquer forma, em 1636, porém, o território alagoano se constituía por termos de três vilas.

Mapa 2 - Vilas alagoanas e seus termos - 1636

Mapa 2 - Vilas alagoanas e seus termos - 1636

Fonte: Frigoletto (2005). Execução e adaptação: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza

26Foi há um pouco mais de dois séculos que o evento da fragmentação do território da capitania pernambucana, enquanto prática espacial, possibilitou um novo conteúdo à antiga Comarca alagoana, criada em fevereiro de 1711 (Pinto, 1979).

27Mas, ainda seriam necessários 105 anos para que o território alagoano se emancipasse e se transformasse em Capitania, fato que somente ocorreu em 16 de setembro de 1817 (Andrade, 1997). Carvalho (2015, p. 145) vai apontar que com a condição da emancipação alagoana "[...] surge um novo ambiente político influenciado pelas instituições criadas pelo estatuto da independência [...]." enquanto Lira (2014) salienta que, nesse momento, a Comarca contava com treze freguesias e oito vilas.

28Assim, os antigos termos de Porto Calvo e Alagoas, já do século XVII - como o de Penedo também o era -, haviam se fragmentado, dando origem a mais 5 congêneres: 1 de Porto Calvo (Porto de Pedras - 1815) e 4 de Alagoas (então Santa Maria Madalena da Lagoa do Sul, atual município de Marechal Deodoro), ou seja: 1) Maceió (1815), 2) Atalaia (1764),

293) Anadia (1801) e 4) Poxim ([?]). De Penedo não havia registro de fragmentação, permanecendo tal qual no século XVII. Acredita-se que tais termos se referissem àqueles de cidades, uma vez que o regime de capitanias hereditárias havia sido extinto, em 1759, pelo Marquês de Pombal, havendo apenas as capitanias reais (Lopez, 1997).

Mapa 3 - Termos de vilas e/ou cidades alagoanas – 1817

Mapa 3 - Termos de vilas e/ou cidades alagoanas – 1817

Fonte: Pereira (1995). Execução e adaptação: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza

30É, portanto, a partir da referida data de emancipação que se evidencia um território alagoano, em um Brasil em formação, que compreenderia, além dos cinco anos de capitania, a "província" - após o evento da Independência (1822), instituindo-se o Governo provincial e o Conselho Geral que, posteriormente, passaria à Assembleia Provincial (Carvalho, 2015). Apenas depois de sete décadas é que a província alagoana incorporará o status de "estado", com a proclamação da República (1889).

Mapas 4-7 Evolução do território alagoano

Mapas 4-7 Evolução do território alagoano

Fonte: inspirado em Pereira (1995). Andrade (1999). Execução e adaptação: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza

31Desse modo, das oito sedes de vilas e/ou cidades alagoanas, presentes no território, no período da emancipação, podem-se destacar práticas que foram realizadas pelos homens em contextos históricos que vivenciaram. Dentre tais práticas estavam a produção de núcleos urbanos que deixariam heranças morfológicas de tempos mais remotos para os habitantes atuais: templos, áreas residenciais, equipamentos de comércio etc. Tais legados podem estar materializadas no espaço ou em documentos que destacam dimensões do passado, revelando certas singularidades dos processos sociais vivenciadas pelas sedes municipais.

Aspectos de antigos núcleos populacionais alagoanos como estímulo a estudos de suas cidades sob a Geografia Histórica em todo o território

32O território alagoano conta com mais de três milhões de habitantes, tanto nos campos como nas cidades. Nestas o maior se concentra o maior número de indivíduos em relação ao campo. O quantitativo populacional de Alagoas, tem mantido certo crescimento, após o ano de 1940, quando se registrara uma queda, com relação a 1920.

Gráfico 1 - Estado de Alagoas: evolução do quantitativo populacional - 1940-2010

Gráfico 1 - Estado de Alagoas: evolução do quantitativo populacional - 1940-2010

Fonte: IBGE (1950; 2016). Elaboração: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza

33Essa constatação é importante para pesquisadores da Geografia Histórica Urbana, uma vez que, com maior concentração de pessoas, há maiores intervenções nas cidades que se transformam, conforme os processos que lhes atingem.

34Ao tomar como base alguns dados estatísticos daqueles oito "núcleos", presentes no território alagoano, em 1817, estabelece-se uma metodologia que permitirá dialogar com o tema aqui abordado a respeito da totalidade das cidades de Alagoas.

35Sobre resumos históricos e certas produções bibliográficas de alguns desses núcleos (Porto Calvo, Porto de Pedras, Atalaia, Maceió, Alagoas (atual Marechal Deodoro), Anadia, Coruripe (que abrangeu o município de Poxim) e Penedo, constantes no site do IBGE (2019a) e disponíveis em instituições de cidades, pode-se apreender fatos que dizem respeito a eventos que, por não se apropriarem de certa metodologia científica, seus autores não transmitem essências histórico-geográficas importantes para serem reveladas. Os escritos muitas vezes são simples exposições acerca das cidades sem atentarem para os processos sociais que criaram formas.

36Quanto aos conteúdos sociais das formas morfológicas presentes nas cidades, aquelas são materializadas nas paisagens que, juntamente com a sociedade que lhe dá movimento, revela o espaço geográfico. Para os oito municípios aqui tratados, pode-se exemplificar dados de variáveis do IBGE que revelam o material com o qual os domicílios foram produzidos: alvenaria com revestimento e sem revestimento, madeira aparelhada ou aproveitada, taipa revestida e não revestida e "outro material". Com esses dados se pode apreender expressões que formas morfológicas revelam no contexto do espaço, estimulando mapeamento temático.

37Os municípios de Maceió, Penedo, Porto Calvo, Porto de Pedras, Anadia, Atalaia, Coruripe e Marechal Deodoro, apresentam população absoluta diferenciada com disparidades que recrudescem quando comparadas, consequentemente, com a capital, Maceió. Esta possuía, pelo último Censo Demográfico (IBGE, 2010), uma população de 932.129 habitantes; por outro lado, o município de Porto de Pedras foi o que expôs menor população absoluta com um quantitativo de 8.429 habitantes.

Gráfico 2 - População absoluta dos municípios alagoanos em questão – 2010

Gráfico 2 - População absoluta dos municípios alagoanos em questão – 2010

Fonte: IBGE (2019b). Elaboração: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza

38O quantitativo populacional pode indicar certa complexidade de formas geográficas presentes no espaço urbano, principalmente no que toca às áreas residenciais, uma vez que as disparidades entre as classes sociais são expressivas. Como esse conjunto de núcleos urbanos incorporou a capital e cidades com portes diferenciados, a área do sítio urbano também varia.

39No Brasil, o fenômeno conhecido por "êxodo rural" fez com que muitas cidades aumentassem seus perímetros urbanos e, algumas delas tivessem decréscimos na população rural. Certos moradores de cidades pequenas, ainda com ocupação de mão de obra no campo (ou não), podem ter vínculo com a atividade agrícola, mesmo em terrenos urbanos. Quando eles migram para cidades maiores, estas práticas realizadas em lotes e áreas de potenciais empreendedores, podem se prestar à especulação imobiliária revelando processos sociais presentes em certo momento da história dos núcleos urbanos.

Gráficos 3-10 População urbana e rural em 2010

Gráficos 3-10 População urbana e rural em 2010

Fonte: IBGE (2019c). Elaboração: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza

40Com percentuais variando, os gráficos, presentes na figura acima, revelam que daqueles territórios sediados por núcleos de, no máximo, início do século XIX, a população urbana superou a rural, na maior parte deles. Na capital, Maceió, e em Marechal Deodoro essas taxas são as menores, bem como em Coruripe onde se encontra o núcleo do Poxim. Anadia, Atalaia e Porto de Pedras, são os que mais ostentam população rural, quase a metade dos habitantes. No que toca a Penedo e Porto Calvo, a população rural, grosso modo, se encontra compreendida por um quarto da população absoluta.

41Outro fato importante é aquele em que formas residenciais antigas passam por transformações de suas funções, ou seja, daquela de moradia, comportarão as de serviço ou comércio, sobretudo se localizado na área de centralidade desses núcleos.

42

Fotografia antigas de cidades alagoanas

Fotografia antigas de cidades alagoanas

Fonte: IBGE (2019a). Elaboração: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza

43As fotografias revelam consequências que contribuíram, para destruição, transformação e/ou inserção de novas formas-aparência (morfológicas), mantendo ou substituindo funções (conteúdos sociais). Elas representam uma fonte documental importante para a história por permitirem visualizar objetos materializados em uma paisagem geográfica atual ou pretérita. Houve novos propósitos específicos para certas formas geográficas que passaram a comportar novos conteúdos ou formas novas foram elaboradas com aniquilação total ou parcial de outras ou até implantadas em terrenos não ocupados, revelando novos momentos de organização social.

44Quanto a Maceió, de acordo com Pinto (1979), o documento mais antigo que revela seu sítio urbano é de 1611, tratando-se de uma "escritura de doação". O teor desse mesmo documento, conforme a autora, permite admitir que o Sr. Manoel Antonio Duro habitava essa área do objeto de doação, desde 1609. Após a expulsão dos holandeses, a fim de se resguardar a costa da capitania pernambucana, nesse trecho, Portugal, para combater o comércio ilegal do pau-brasil, determinou a fortificação do Porto de Jaraguá e o povoamento dessa porção litorânea. Ao trazer contribuições às histórias dos núcleos alagoanos, Espíndola (2001) indica que nos meados do século XVIII, ou seja, por volta de 1750, Maceió era um povoado.

45Os dados trazidos pelo exemplo de Maceió permitem evocar a contribuição de Vasconcelos (1997) quando refletiu acerca de "os agentes modeladores das cidades brasileiras no período colonial". Dentre tais agentes ele destacou, nesse processo, a Igreja (clero secular e clero regular); as ordens leigas (Irmandades da Misericórdia, Ordens Terceiras, outras irmandades); o Estado (Coroa e seus representantes, as Câmaras); os agentes econômicos (proprietários rurais, comerciantes e financistas, os artesãos e outros).

46No período Imperial brasileiro, destaca-se o envolvimento de fatos e agentes diversos, sobretudo nas capitais da Província, Alagoas e, depois, Maceió. Esse status possibilitava a obtenção de recursos do Governo Imperial ou de seus próprios sistemas de arrecadação que contemplassem obras públicas necessárias, conforme observou Silva (2008), tendo como objeto de estudo, outro estado da federação.

47Pelo que se constata, a transformação do núcleo maceioense foi ocorrendo não apenas na dimensão da escala local, mas de outras que abrangem até a esfera internacional. Sob essa constatação Santos (1996, p. 57) em "o presente e a totalidade" afirmou que "a geografia deve preocupar-se com as relações presididas pela história corrente." O autor ainda advertiu que não se deveria considerar o lugar em si mesmo como revestido de um potencial que explica tudo que aí ocorre. Para tanto, apontou que fosse destacada "[...] a história das relações, dos objetos sobre os quais se dão as ações humanas [...]".

48Quanto à cidade de Porto de Pedras, como mais um exemplo, podem ser observados dois momentos de um trecho do núcleo que conta com apenas 4.798 habitantes. Mesmo sendo uma cidade pequena, constatam-se transformações, ainda que não substanciais, se relacionado com aquelas de uma cidade de maior porte, como Maceió.

Fotografia 9 e 10 Aspecto antigo 19[??] et atual (2018) de Porto de Pedras

Fotografia 9 e 10 Aspecto antigo 19[??] et atual (2018) de Porto de Pedras

Fonte: IBGE (2019a), Google (2019). Adaptação: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza.

49Na fotografia mais antiga, pela própria característica da Igreja de Nossa Senhora da Piedade, observa-se um tempo mais distante em que se encontram ausentes certas infraestruturas urbanas, como a energia elétrica (constatada por postes e fiações que se diferenciam daqueles da foto mais recente), o asfalto, o abastecimento de água etc. Por sua vez, a foto recente denuncia posteamento e fiações (mais modernos), asfalto, bem como transformações no aspecto das edificações destinadas à moradia.

50Recuperar a história desse pequeno núcleo é se apropriar de momentos específicos do desenvolvimento de setores como o elétrico, por exemplo, demandando novos processos ao lugar. Outros exemplos de paisagens pretéritas que podem ser levantadas em arquivos públicos, bibliotecas etc. - poderiam ser aqui evidenciados, revelando o dinamismo dos processos sociais que se estabeleceram sob o diálogo do espaço e do tempo na formação de núcleos urbanos.

Considerações finais

51Por este trabalho, constata-se a imprescindibilidade de estudos de geografias do passado na formulação de narrativas históricas das cidades, expondo fenômenos no território. O aprofundamento do tempo, pela Geografia, estabelece escalas temporais que auxiliam recuperar a produção material que a sociedade legou, indo das formas às formações.

52Aqui se mostrou metodologias de investigação que podem ser aplicadas às cidades alagoanas, pela Geografia Histórica Urbana, baseada na apreciação do lugar/região e periodização, atentando-se aos processos sociais em suas evoluções. O leitor não deve se confundir com o modo como as cidades foram tratadas neste artigo. Na essência, não se trata de uma geografia histórica propriamente dita, mas aponta para o uso da metodologia enquanto desafio que demanda maior dedicação do que os estudos de fenômenos urbanos atuais.

53As pesquisas que, porventura, forem implementadas - inclusive acerca das oito cidades que foram colocadas em evidência neste trabalho -, promoverão acúmulo de informações sobre os núcleos alagoanos, que resultarão de coletas de referenciais bibliográficos, acesso a documentos em instituições arquivísticas locais, no Brasil ou no exterior. Além disso, entrevistas com moradores também auxiliam no conhecimento de transformação espacial de cada cidade, sobretudo para núcleos mais recentes, a depender da escala temporal adotada.

54Enfim, para responder à questão da pesquisa, coloca-se que o desenvolvimento de uma investigação, à luz da Geografia Histórica, deverá resgatar aquilo que se tem registro, em prol da memória das cidades alagoanas. Desse modo, alguns estudos poderão apresentar certos hiatos temporais se configurando como grandes desafios para o pesquisador. Além disso, mesmo para os núcleos urbanos que não apresentam uma longa duração, pode haver dificuldades por conta de acesso a fontes documentais, exigindo a alternativa de execução de entrevistas que abarquem o período trabalhado. Eis aí algumas particularidades que podem ser observadas no desafio de se abordar dados do espaço e do tempo de cidades alagoanas.

55Conclui-se que a investigação do espaço e do tempo de cidades alagoanas, à luz da Geografia Histórica, ao fazer uso, também, de fontes documentais, entrevistas etc., podem desvendar processos sociais que auxiliam no fortalecimento de suas memórias, indo além da simples descrição das formas que as compõem para as formações que ocorreram no passado.

Haut de page

Bibliographie

Abreu, Maurício de Almeida. "Construindo a geografia do passado: Rio de Janeiro, cidade portuária, século XVII". Revista GEOUSP, n. 7, 2000, p. 13-25. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/geousp/ article/download/123400/119716>. Acesso em: 11 ago. 2017.

Abreu, Maurício de Almeida. Geografia Histórica do Rio de Janeiro: 1502-1700. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio / Prefeitura do Município do Rio de Janeiro, 2010. Volumes 1 e 2.

Abreu, Maurício de Almeida. "Sobre a memória das cidades". In: Carlos, Ana Fani Alesandri; Souza, Marcelo Lopes de; Sposito, Maria Encarnação Beltrão. (Orgs.). A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2011. p. 19-39

Abreu, Maurício de Almeida. Prefácio. In: Vasconcelos, Pedro de Almeida. Salvador: transformações e permanências (1549-1999). 2.ed. Salvador: Edufba, 2016.

Andrade, Manuel Correia de. A questão do território no Brasil. São Paulo-Recife: Hucitec/Ipespe, 1995. (Geografia: Teoria e Realidade 29).

Andrade, Manuel Correia de. Pernambuco imortal: evolução histórica e social de Pernambuco. Recife: Cepe, 1997.

Andrade, Manuel Correia de. Itamaracá, uma capitania frustrada. Recife: Fidem/Centro de Estudos de História e Cultura Municipal (CEHM), 1999. (Coleção Tempo Municipal; 20).

Andrade, Manuel Correia de; Andrade, Sandra Maria Correia de. A federação brasileira: uma análise geopolítica e geo-social. São Paulo: Contexto, 1999. (Repensando a Geografia).

Baker, Alan R. H.; Billinge, Mark (Edit.). Period and Place: research methods in Historical Geography. Cambridge (UK): Cambridge University Press, 1982.

Barros, José D’Assunção. Cidade e história. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

Boulanger, Phillipe; Trochet, Jean-René (dir.) Où en est la géographie historique? Paris: L´Harmattan, 2005.

Braudel, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV-XVIII. Trad. Telma Costa. São Paulo: Martins Fontes, 2005. Vol. 1. As estruturas do cotidiano: o possível e o impossível.

Butlin, Robin Alan. Historical Geography: through the gates of space and time. London: Edward Arnold, 1993.

Carvalho, Cícero Péricles de. Formação histórica de Alagoas. 3. ed. Maceió: Edufal, 2015.

Claval, Paul. "Géographie et temporalités". In: Boulanger, Philippe; Trochet, Jean-René (Dir.) Où en est la géographie historique? Paris, L´Harmattan, 2005, p. 43-62.

Espíndola, Thomaz do Bom-Fim. A geografia alagoana. Maceió: Edições Catavento, 2001.

Freyre, Gilberto. Casa-Grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Rio de Janeiro: Record, 1999.

Frigoletto. Fragmentação do território político-administrativo de Alagoas. Disponível em <www.frigoletto.com.br/GeoAlagoas/municípios.htm>. Acesso em: 20 fev. 2005.

Green, D. Brooks, (Ed.) Historical Geography: a methodological portrayal. Maryland: Rowman & Littlefield Publishers, 1991 [1982].

Hall, C. "Private archives as sources for historical geography". In: Baker, Alan R. H.; Billinge, Mark (Edit.). Period and Place: research methods in Historical Geography. Cambridge (UK): Cambridge University Press, 1982. p. 274-280.

IBGE. Censo Demográfico de 1950. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/ visualizacao/periodicos/67/cd_1950_v1_br.pdf>. Acesso em: 26 mar. 2016.

IBGE. Censo Demográfico de 2010. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/al/anadia[atalaia, coruripe, marechal-deodoro, maceio, penedo, porto-calvo e porto-de-pedras]/panorama>. Acesso em: 29 jan. 2016.

IBGE. Banco de Dados Agregados. Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/ bda/popul/default.asp?t=3&z=t&o=25&u1=1&u2=1&u4=1&u5=1&u6=1&u3=24>. Acesso em: 26 mar. 2016.

IBGE. Brasil em síntese, Alagoas, Anadia [Atalaia, Coruripe, Marechal Deodoro, Maceió, Penedo, Porto Calvo e Porto de Pedras] história & fotos. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/al/anadia [atalaia, coruripe, marechal-deodoro, maceió, penedo, porto-calvo e porto-de-pedras]/historico>. Acesso em: 29 jan. 2019a.

IBGE. Censo Sinopse. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/al/ anadia [atalaia, coruripe, marechal-deodoro, maceió, penedo, porto-calvo e porto-de-pedras]/pesquisa/23/27652?detalhes=true / /historico>. Acesso em: 29 jan. 2019b.

IBGE. Censo Sinopse. População urbana e rural. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/al/ anadia [atalaia, coruripe, marechal-deodoro, maceió, penedo, porto-calvo e porto-de-pedras]/pesquisa/23/27652?detalhes=true / /historico>. Acesso em: 29 jan. 2019c.

Lima, Ivan Fernandes. Geografia de Alagoas. São Paulo: Editora do Brasil S/A, 1965. (Coleção Didática do Brasil - Série Normal; 14).

Lira, Sandra. Alagoas. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2014. (Estudos Estados Brasileiros).

Lopez, Luiz Roberto. História do Brasil colonial. 8. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1997 Revisão, 4).

Moraes, Antonio Carlos Robert. Bases da formação territorial do Brasil: o território colonial brasileiro no "longo" século XVI. São Paulo: Hucitec, 2000. (Estudos históricos; 41).

Pereira, Guilherme. Construindo Alagoas: estudos sociais. São Paulo: FTD, 1995.

Pinto, Geosélia da Silva. História de Alagoas. 2. ed. Maceió: [s. ed.], 1979.

Prado Júnior, Caio. Formação do Brasil contemporâneo. 23. ed. São Paulo: Brasiliense, 1999.

Reis Filho, Nestor Goulart. Evolução urbana do Brasil: 1500/1720. São Paulo: Livraria Pioneira/Edusp, 1968.

Santos, Milton. "O tempo nas cidades". Conferência em mesa-redonda [o tempo na Filosofia e na História]. São Paulo, USP, 29 mai. 1989. Disponível em: <http://www.laboratoriourbano. ufba.br/ arquivos/arquivo-71.pdf >. Acesso em: 17 mar. 2016.

Santos, Milton. Metamorfoses do espaço habitado. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1996.

Silva, Lígia Maria Tavares da. Esquecimento e urbanização na Parahiba (1882-1860). 2008. Disponível em: <http://www.ligiatavares.com/gerencia/uploads/arquivos/bbae2f0722 817b8edfeda97c1165155b.pdf>. Acesso em: 26 nov. 2015.

Vasconcelos, Pedro de Almeida. "Os agentes modeladores das cidades brasileiras no período colonial". In: Castro, Iná Elias de; Gomes, Paulo Cesar da costa; Corrêa, Roberto Lobato (Orgs.). Explorações geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997. p. 247-278.

Vasconcelos, Pedro de Almeida. "Questões metodológicas na Geografia Urbana Histórica". In: Vasconcelos, Pedro de Almeida; Silva, Sylvio Bandeira de Mello e (Orgs.). Novos Estudos da Geografia Urbana Brasileira. Salvador: Edufba, 1999, p. 191-201.

Vasconcelos, Pedro de Almeida. Salvador: transformações e permanências (1549-1999). 2.ed. Salvador: Edufba, 2016.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 - Futuro território alagoano a se desmembrar de Pernambuco
Crédits Fonte: Andrade (1999). Execução e adaptação: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20568/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Mapa 2 - Vilas alagoanas e seus termos - 1636
Crédits Fonte: Frigoletto (2005). Execução e adaptação: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20568/img-2.png
Fichier image/png, 71k
Titre Mapa 3 - Termos de vilas e/ou cidades alagoanas – 1817
Crédits Fonte: Pereira (1995). Execução e adaptação: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20568/img-3.png
Fichier image/png, 179k
Titre Mapas 4-7 Evolução do território alagoano
Crédits Fonte: inspirado em Pereira (1995). Andrade (1999). Execução e adaptação: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20568/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Gráfico 1 - Estado de Alagoas: evolução do quantitativo populacional - 1940-2010
Crédits Fonte: IBGE (1950; 2016). Elaboração: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20568/img-5.png
Fichier image/png, 40k
Titre Gráfico 2 - População absoluta dos municípios alagoanos em questão – 2010
Crédits Fonte: IBGE (2019b). Elaboração: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20568/img-6.png
Fichier image/png, 180k
Titre Gráficos 3-10 População urbana e rural em 2010
Crédits Fonte: IBGE (2019c). Elaboração: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20568/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Fotografia antigas de cidades alagoanas
Crédits Fonte: IBGE (2019a). Elaboração: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20568/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre Fotografia 9 e 10 Aspecto antigo 19[??] et atual (2018) de Porto de Pedras
Crédits Fonte: IBGE (2019a), Google (2019). Adaptação: Prof. Dr. Roberto Silva de Souza.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20568/img-9.png
Fichier image/png, 1,1M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Roberto Silva de Souza et Marcelo Góes Tavares, « Território alagoano (Brasil): contribuições à história e geografia de suas cidades », Confins [En ligne], 40 | 2019, mis en ligne le 03 juin 2019, consulté le 22 septembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/20568 ; DOI : 10.4000/confins.20568

Haut de page

Auteurs

Roberto Silva de Souza

Universidade Estadual de Alagoas, robertoprofessor1967@gmail.com

Marcelo Góes Tavares

Universidade Estadual de Alagoas, marce_goes@hotmail.com,

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals