Navigation – Plan du site
Dossiê Sergipe Alagoas: território, diversidade temporal e ambiental

Mapeamento para o zoneamento ecológico do território de Alagoas, Brasil.

Cartographie pour le zonage écologique du territoire d'Alagoas
Mapping for the ecological zoning of the territory of Alagoas
Ajibola Isau Badiru, Nubia Dias dos Santos, Ronaldo Gomes Alvim et Alexandre Felipe de Vasconcelos

Résumés

Cet article présente les principaux segments naturels du territoire alagoien et présente une technique rationnelle qui représente le paysage dans un schéma sectoriel complet, basé sur la topologie. Au niveau de l'aspect écologique physique-naturel, peu d'études démontrent la modélisation de l'environnement hydrique des mini-bassins, qui constituent exactement le substrat qui montre la nature physiographique du lieu. Les bassins versants sont des éléments importants, en tant qu’unité territoriale de planification, car ils préconisent la relation entre les composantes de l’environnement et les activités anthropiques. L'écologie de ce paysage fait référence aux vecteurs morphologiques de la topographie, dessinés par le drainage, qui méritent d'être assimilés à la planification environnementale, basée sur des lignes de division de l'eau, à différentes échelles, du régional au micro. Ces travaux aboutissent à la synthèse spatiale des mini-bassins d’Alagoas et de leurs structures, basée sur une méthode spécifique de discrétisation. Le territoire d’Alagoas révèle des régions hydrographiques, ainsi que des parties morphologiques de l’espace aquatique, en tenant compte des schémas établis par le décodage hydrographique. Les segments prouvés par le résultat structurel physiographique sont importants en tant que prémisse pour la perception écologique et la compréhension intégrée du paysage.

Haut de page

Texte intégral

1Este artigo reporta os principais segmentos naturais do território alagoano. Apresenta uma técnica racional que retrata a paisagem em desenho compreensivo setorial, baseando-se na topologia. Pela ordem ecológica físico-natural, são rarefeitos os trabalhos sobre a modelagem do espaço hídrico das mini-bacias, as quais compõem o substrato espacial que evidencia a natureza fisiográfica do lugar. As bacias hidrográficas preconizam as relações ambientais e atividades antrópicas, são importantes unidades territoriais de planejamento ambiental.

2O território de Alagoas revela regiões hidrográficas, porções morfológicas do espaço hídrico, considerando os padrões desenhados pela decodificação da hidrografia. Os segmentos comprovados pelo resultado estrutural fisiográfico são premissas para a percepção ecológica e compreensão integrada da paisagem.

  • 1 Discretização: dividir ou particionar um todo em partes com menor complexidade, com a finalidade de (...)

3Baseou-se nas linhas divisoras de águas, em diferentes escalas, desde a regional no seu aspecto macro como micro. Como resultado, tem-se a síntese espacial de mini-bacias e seus padrões revelados por um método de discretização1. Nesse contexto, o espaço é lido sob a análise sistêmica e integrada, suporte para a associação dos componentes geoambientais e socioeconômicos que integram o território alagoano, como um grande sistema ambiental.

4Segundo Guerreiro (2002), existe uma ordem implícita na base física do espaço (solo, relevo, hidrografia), que emerge de baixo para cima. Independente da presença do homem, o espaço tem sua aptidão natural. Assim, foram adotadas bacias e sub-bacias hidrográficas, rios e lagoas, considerados os principais expressivos topológicos e da transformação do espaço urbano (Badiru, 2006). Nesse âmbito, o “conjunto” que envolve “subconjuntos” de águas e superfícies de drenagem respeita uma hierarquia natural, tanto para escalas continentais, quanto para as escalas locais. Por isso, vale salientar a mini-bacia, como campo de estudo ainda pouco explorado, onde deveria ser premissa em estudos ambientais e urbanos, por se tratar da menor unidade espacial de planejamento.

5A rede hidrográfica é um receptor das interferências naturais e antrópicas que ocorrem em sua área de delimitação, tais como: topografia, vegetação, clima, uso e ocupação do solo etc. A bacia hidrográfica recebe toda influência da região que a drena (Cazula e Mirandola, 2010). Vale lembrar da Lei Federal 9.433 de 8 de janeiro de 1997, que instituiu a Política de Recursos Hídricos e adotou a bacia hidrográfica como unidade de estudo da interação entre a rede de drenagem e as populações locais. Uma rede hidrográfica pode concretizar um estudo integrado e servir como instrumento para gerenciamento de recursos (Guerreiro, 2010; Hager, 2000). Suas características naturais a tornam uma unidade bem definida, capaz de proporcionar tomadas de decisões relevantes à proteção, conservação, recuperação, tratamento e preservação do meio ambiente.

6O estudo envolve o mapeamento do território, pelos quais, as fronteiras de águas (bacias e sub-bacias), exercem significativa influência. Também foram reveladas as suas principais zonas ecológicas. A unidade topológica do espaço, aqui intitulada de expressivo topológico das bacias, foi equacionada e sintetizada em esquemas setoriais racionalizados e mapas ecologicamente zoneados. Os resultados apresentados consistem na avaliação dos processos vinculados entre padrões e estruturas naturais, baseando-se nos conceitos da Ecologia da Paisagem (Naveh e Lieberman, 1989; Forman e Godron, 1986).

7O presente artigo está composto de quatro partes, além desta introdução. Na primeira, tem-se a abordagem sobre o território alagoano com os expressivos topológicos das suas bacias hidrográficas. Na segunda, são apresentados os procedimentos, materiais e métodos para a geração das mini-bacias, com as técnicas do geoprocessamento e do desenho racionalizado. Na terceira, são apresentados os resultados da racionalização do espaço desenhado pelas águas com o mapeamento da rede hídrica, em seguida abordam-se as considerações finais onde se destaca as principais análises da pesquisa, seguida das referencias bibliográficas e da lista de ilustrações.

O território alagoano

8A bacia do São Francisco apresenta um sentido de drenagem clara, desenhada pelas sub-bacias hidrográficas, mas, seu encontro com o mar no estado de Alagoas confirma que o oceano Atlântico participa fortemente na composição daquela paisagem. Alagoas está subdividida em dois ambientes contrastantes desde a foz ripária, traçando a natureza local, caracterizada pela direção dos rios e pela lógica do território também moldado também pela influência do Planalto da Borborema.

9Alagoas é um estado litorâneo situado na Região Nordeste do Brasil. É o segundo menor em extensão territorial, com 27.848,140 km², superando apenas Sergipe, com o qual faz divisa além de Pernambuco e Bahia. Pelo IBGE (Censo, 2010), a população perfazia 3.120.494 de habitantes, (112,05 hab./km²). Atualmente são 3.375.823 de pessoas (IBGE), considerado o estado mais populoso da região.

10Situado na faixa intertropical, entre as latitudes 9º34’16’’ sul e 36º46’55’’ oeste. São 2.200 a 2.600 horas de sol, por ano, o que resulta em um clima quente, com temperaturas anuais que variam entre 22ºC e 28ºC (Nascimento, 2016). O território é subdividido em 102 municípios e possui três mesorregiões: Agreste, Litoral e Sertão. (Figura 1).

Figura 1 - Localização do Estado de Alagoas na Região Nordeste do Brasil e suas Mesorregiões

Figura 1 - Localização do Estado de Alagoas na Região Nordeste do Brasil e suas Mesorregiões

FONTE: Ramos, 2012.

11A rede hidrográfica é composta por 16 Regiões principais, 53 Bacias e 1.694 mini-bacias (segundo a nossa discretização). Sugere-se uma arquitetura da rede consolidada da malha obedecendo certa ordem morfológica natural de domínios costeiro e ripário, pertencente à bacia do Atlântico Nordeste Oriental (leste) e a bacia do rio São Francisco (oeste), duas componentes das 12 regiões hidrográficas do território brasileiro, como mostra a Figura 2. Na mesma tem-se que as cinco maiores bacias alagoanas possuem suas nascentes no território pernambucano.

12O espaço natural alagoano é dominado pelo oceano Atlântico e o rio São Francisco, com bacias, sub-bacias, nascentes e drenagens próprias. O espaço hídrico foi determinante nessa modelagem territorial, onde a estrutura hidrográfica, em parceria com o relevo, passou a consolidar a simetria geográfica desse estado, sob a influência, também, de algumas bacias de origem Pernambucana.

Figura 2 - Mapa das regiões hidrográficas com as bacias hidrográficas - Alagoas

Figura 2 - Mapa das regiões hidrográficas com as bacias hidrográficas - Alagoas

FONTE: Autor, 2018. Banco de dados do SOTEPP (UNIT/AL), base da SEMRH/AL.

13As sub-bacias são limites de afluentes de um rio principal, podendo ser agregadas em uma mesma região hidrográfica. Todavia, uma região hidrográfica não necessariamente corresponde a um limite total de uma bacia, a exemplo da região hidrográfica do rio Mundaú e a região hidrográfica do rio Paraíba (Figura 2), respectivamente.

14A localização do Planalto da Borborema é um forte determinante da formação geológica e da simetria do limite territorial de Alagoas. As regiões hidrográficas regionais, com nascentes no território pernambucano comprovam essa afirmação.

O expressivo topológico das bacias hidrográficas de Alagoas

15Compreender o expressivo significa interpretar como a aptidão natural está desenhada no solo e pode nos permitir uma idealização do espaço orgânico. Tanto a função hídrica da drenagem, quanto a estrutura de rios são propriedades vivas e complementares. As fronteiras naturais são estruturas espaciais que podem ser representadas por linhas e/ou faixas, como expressões topológicas que estão associadas a componentes do Espaço. O ambiente hídrico de Alagoas foi detalhado desde à medida que ultrapassa seus limites territoriais, pela relação que mantém com os estados vizinhos.

16Segundo Badiru (2006), a evolução das fronteiras topológicas representa os diferentes processos inter-relacionados em diferentes escalas. Assim, na Ecologia da Paisagem, as variáveis: população, unidade da paisagem, unidade político-administrativa e unidade de acesso e uso da terra, estão associadas a determinados componentes que podem ser: eixos geográficos, limites municipais, rodovias, perímetros urbanos e bacias hidrográficas.

  • 2 Floresta-urbana: termo antigo que veio evoluindo com a gestão do território, voltada para a populaç (...)

17A compreensão conceitual dos expressivos topológicos integra a complexidade das múltiplas dimensões dos elementos da representação geográfica: demografia, fisiografia, limites político-administrativos, vias, manchas de florestas-urbanas2, etc., iremos abordar uma analogia compreensiva, considerando a fisiografia natural desenhada pelos rios. Neste caso, se observa o processo da drenagem como o expressivo mais importante dessa paisagem, onde o desenho dos rios se configura numa lógica estrutural mais dinâmica, porque sintetiza a fisiografia como um todo integrado em dois limites ripários: a “calha” do rio e a linha que divide as bacias, com suas correlações. O ambiente ripário e seus relevos representam a originalidade do comportamento fisiográfico, considerando a morfologia das bacias hidrográficas, para simplificar o meio ambiente em sua configuração sistêmica.

18O expressivo hidrográfico, no território alagoano, traçou limites e polígonos para o entendimento da estrutura sistêmica dos rios principais, que desembocam tanto no mar, como no rio São Francisco, porém, vale ressaltar como o meio ambiente se comporta, pois são reveladas três escalas, definidas pelos rios principais, afluentes e riachos, respectivamente: as bacias regionais, bacias e mini-bacias.

19Na Figura 3, verifica-se nas regiões hidrográficas do estado, três escalas pertencentes ao espaço natural: as regionais, (Bacia do Rio São Francisco e a Bacia do Atlântico Nordeste Oriental); sub-regionais (bacias dos rios principais) e locacionais (as mini-bacias intrínsecas nas sub-bacias).

Figura 3 – Localização e mapa das regiões hidrográficas com as mini-bacias - Alagoas

FONTE: a) ANA, 2006. b) Autor, 2018. Banco de dados do SOTEPP (UNIT/AL), base da SEMRH/AL.

20Pelo arranjo das linhas que formam polígonos, percebe-se que as regiões hidrográficas são irregulares em tamanhos e formas, umas convergentes e outras não, apresentando contrassenso em seus domínios hídricos (mar e rio). Neste sentido, os polígonos de 1 a 7 são sub-bacias da bacia do rio São Francisco, e os de 8 a 16 são sub-bacias da bacia do Atlântico Nordeste Oriental. As mini-bacias configuram-se como unidades de leitura, são subpolígonos sensíveis e apresentam dinâmica interativa e integrada, do ambiente hídrico, intrínseca no espaço natural.

Materiais e métodos

21Para a pesquisa, foram utilizados instrumentos de geotecnologias, geralmente aplicados em geoprocessamento e processamento de dados espaciais. Os dados coletados compuseram bancos, organizados e manipulados no ambiente visual do Quantum GIS (QGIS). As imagens de satélite (Landsat 8) da Missão Topográfica Radar Shutle (SRTM) subsidiaram a obtenção do DEM (Digital Elevation Model). Trata-se de uma representação matemática contínua da topografia do terreno, distribuída às variações de altitude, numa área baseada e definida sobre um plano cartográfico por um conjunto de coordenadas. Os dados hídricos, a hipsometria, faixas altimétricas e compartimento morfológico do terreno visam à melhor compreensão da natureza do espaço e a matriz fisiológica da paisagem (Moura, 2014).

22Na elaboração de planos de informação e produtos específicos, foram utilizadas as bases de dados e cartográficos dos arquivos digitais (shapefiles): da SEMARH/AL; SEPLAG/AL; do IBGE sobre Maceió e do site: dados.al.gov.br; dados raster (DEM SRTM de 30m) disponível no site americano de pesquisa geológica (USGS) Earth Explorer; e Mapas da caracterização territorial de Alagoas (dados.al.gov.br).

23A Análise Espacial é o método do trabalho, com a técnica da sobreposição de mapas, (McHarg, 1969), adotada para o geoprocessamento e para a leitura em múltiplas escalas, o que ofereceu a possibilidade de integrar e organizar as informações em diferentes planos.

24Os objetos de representação gráfica (pontos, linhas e polígonos) da imagem das cidades (Lynch, 2011) desenharam os padrões estruturais em diferentes escalas (municipal, regional e estadual), considerando as condições de conectividade, circularidade, uniformidade e centralidade das estruturas do espaço urbano, que neste caso foram reduzidos a dimensão hídrica da paisagem. O procedimento metodológico envolveu: (1) exploração da circularidade, com a configuração territorial de estruturas homogêneas agrupadas; (2) exploração dos padrões hidrológicos (bacias, sub-bacias e mini-bacias) da região de estudo; (3) identificação de pontos nodais, vetores, setores e zonas ecológicas.

Geração de mini-bacias e a técnica do desenho racionalizado

25Para a confecção das mini-bacias, foi utilizado um dado (raster) de MDE (DEM) com resolução espacial de 30 metros, (projeto SRTM da NASA), imagem de radar disponibilizada pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), na plataforma Earth Explorer. A partir da coleta desse dado, este foi processado fazendo uso do software de geoprocessamento ArcGIS.

26O MDE foi gerado a partir das curvas de nível e o seu processamento para a discretização automática das bacias hidrográficas de Alagoas em mini-bacias só foi possível com o uso do ArcGIS e auxílio da extensão Arc Hydro. Após a obtenção do MDE, o processamento foi iniciado com a montagem do mosaico. Foi necessário mais de uma imagem por se tratar da escala estadual e realizada a reprojeção para o sistema de coordenadas planas.

27Segundo Badiru e Santos (2016), o conceito de desenho racionalizado é aplicado para simplificar a forma dos arranjos ou fronteiras naturais que parecem confusas do ponto de vista geométrico. Essa técnica pode ser configurada pelo traçado de vetores sobre pontos nodais, formados pela interseção de linhas (bacias ou rios), classificados por uma hierarquia. Essa aplicabilidade é baseada em desenhos esquemáticos sobre elementos espaciais (pontos, vetores e planos) representados por figuras que ilustram áreas, zonas e setores. Apresenta a seguinte sequência de procedimentos: (1) classificação do espaço pela densidade da rede; (2) geração das mini-bacias; (3) identificação de pontos nodais; (4) classificação da hierarquia dos pontos; (5) conexão de linhas entre os pontos; (6) classificação das linhas de conexão; (7) racionalização da linearidade da rede; (8) racionalização da circularidade da rede; (9) classificação da hierarquia da paisagem (vetores e circuitos); (10) classificação de zonas ecológicas.

Mapeamento espacial do domínio hídrico

28A topologia configurada pelos limites das bacias hidrográficas mostrou que as características fisiográficas dessa região orientam o sentido de drenagem dos rios principais e seus afluentes, ora para o rio São Francisco, ora para o oceano. Além disso, as quatro maiores bacias de Alagoas têm suas nascentes no território de Pernambuco. Pelas linhas das bacias foi possível perceber alguns polígonos mais agrupados que surgem de baixo para cima e outras regiões que parecem afunilarem de cima para baixo, pela presença do Planalto da Borborema.

29A Figura 4 mostra o mapa do expressivo topológico das bacias alagoanas. Revela as regiões hidrográficas influenciadas pelo Planalto da Borborema, algumas de domínios ripário e marítimo, e uma zona mista, com seu eixo determinado pela Foz do rio São Francisco. Essa mistura regional é moldada pelas fronteiras hídricas. De um lado, pelo rio São Francisco (sudoeste), de outro, pelo oceano Atlântico (sudeste). Percebe-se o lado litorâneo mais fragmentado que o lado dominado pelo rio, com bacias avançando na direção noroeste.

30O mapa mostra as 4 zonas homogêneas: a primeira que emerge de cima para baixo sob influência do Planalto da Borborema e das nascentes em Pernambuco, e outras três de domínio aquático: rio, mar e ambos (mista), respectivamente. Destaca-se o fato da maior região hidrográfica, estar situada no lado oeste, onde se observa a região do rio Ipanema disputando parte do espaço natural de Alagoas com o rio São Francisco, no sentindo de cima para baixo. A participação das bacias que estão em Pernambuco também existe no lado do mar, mas em menor escala.

Figura 4 - Expressivo topológico das bacias hidrográficas - Alagoas

Figura 4 - Expressivo topológico das bacias hidrográficas - Alagoas

FONTE: Dados da SEMARH/AL, autoria de BADIRU (2017), elaborado pelo autor, 2017.

31Os “arranjos” de bacias são compartimentos morfológicos, que formam regiões ecológicas provenientes das forças dominantes, a partir do rio e do mar. Além de isolados, caracterizados por homogeneidade, centralidade, unidade e formações regionais próprias, os limites naturais podem formar vetores, na sua arquitetura inspirada por pontos. Os vetores lineares podem ser divisores regionais, enquanto os setores configurados pelos polígonos homogêneos são formadores de regiões e sub-regiões hidrográficas.

Território alagoano: a racionalização do espaço desenhado pelas águas e o Mapeamento da rede

32O mapeamento do território perseguiu o espacial hídrico racionalizado, baseando-se na configuração de pontos, linhas e polígonos, objetos de representação gráfica.

33Pelo ordenamento das bacias em estudo, pode-se perceber a divisão que separa os domínios hidrológicos do mar e do São Francisco. São ambientes contrastantes, onde o mar pressupõe exercer maior influência pela densidade dos arranjos formados entre bacias semelhantes e parece avançar mais na direção do continente. As bacias que também pertencem a Pernambuco ajudaram na identificação dos domínios aquáticos, onde a “zona mista” mostrada na figura anterior pode ser separada pelos respectivos dominantes.

34O mapeamento preliminar considerou a densidade dos limites naturais das sub-bacias, que inspiraram arranjos espaciais como expressivos particulares. Embora as bacias alagoanas estejam conectadas ao domínio de Pernambuco, existe um princípio espacial, a partir do Planalto da Borborema, no qual o território está dividido e subdivido entre o domínio ripário e oceânico. A Figura 5 mostra os dois grupos principais de domínio hídrico: as regiões sob influência do rio São Francisco e as regiões dominadas pelo Atlântico.

Figura 5 – Expressivo topológico das bacias hidrográficas - Alagoas

FONTE: Dados da SEMARH/AL, autoria de BADIRU (2017), elaborado pelo autor, 2017.

35A Figura 5, mostra o expressivo das bacias hidrográficas de Alagoas e a configuração de regiões homogêneas caracterizadas pelos domínios ripário (1,2 e 3) e marítimo (4 e 5). É curioso perceber que há uma certa simetria entre esses vetores, quando se considera o comprimento, o ângulo e a formação espacial entre ambos.

36Leitura das mini-bacias

37O processo de discretização das bacias hidrográficas em mini-bacias, possibilitou que o espaço natural de Alagoas pudesse ser lido de maneira integral. Toda a arquitetura da rede hidrográfica, pelo shapefile das mini-bacias, foi processada no ArcGIS, pela ferramenta de auto correlação espacial do índice de Moran, para validar o método da discretização. Tal processamento gerou o índice de 0,085917, como mostra a Figura 6.

Figura 6 – Estado de Alagoas - Processamento das Mini-bacias (shp) no ArcGIS

Figura 6 – Estado de Alagoas - Processamento das Mini-bacias (shp) no ArcGIS

FONTE: Processamento do shapefile das mini-bacias no ArcGIS por Badiru, 2019. Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2017.

38No estudo de Badiru e Santos (2016, p.116), para o zoneamento ambiental em Sergipe, são realizadas a correlação entre as mini-bacias e confirmam a validade da independência infinita muito próxima à zero, e como elas são espacialmente isoladas. Chamam a atenção que “a avaliação geral do Índice de Moran varia de –1 a 1. Ou seja, os valores próximos de zero, indicam a insignificante auto correlação espacial entre objetos explorados”

39Assim, o arranjo das mini-bacias como objeto de análise espacial se qualifica neste procedimento, para a validade da sua decodificação e recodificação morfológica territorial.

A natureza racional do território alagoano

40A morfologia estrutural das bacias foi decodificada por pontos, racionalizados por linhas retas e circulares e classificadas em setores e zonas ecológicas obedecendo uma hierarquia do gradiente costeiro e ripário da paisagem natural. As Figuras 7 e 8 mostram os pontos nodais estruturados pela interseção de linhas configuradas pela estrutura hídrica. A marcação de pontos foi feita sobre o encontro de áreas divisoras de águas, mas também pode ser complementada pela análise morfológica ripária, configurada por pontos que caracterizam o desvio de rios (Badiru e Santos, 2016).

Figura 7 – Expressivo topológico das bacias hidrográficas, no Estado de Alagoas

Figura 7 – Expressivo topológico das bacias hidrográficas, no Estado de Alagoas

FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2018.

Figura 8 – Mini-bacias de Alagoas

Figura 8 – Mini-bacias de Alagoas

FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2018.

41As mini-bacias se apresentam em arranjos mais ou menos densos e revelam pontos de interseção entre linhas com hierarquia variada. Cada rede hídrica apresenta uma estruturação específica. A classificação do espaço natural estudado, revela um padrão com pontos de encontro de até cinco linhas, tanto pela estrutura das bacias como na disposição das mini-bacias. O mapa das bacias mostra que o lado costeiro apresenta mais pontos nodais (47), sendo dois vermelhos, 26 pretos e 19 amarelos, contra 35 da região sob influência ripária, que apresenta dois pontos vermelhos, 18 pretos e 15 amarelos.

42A classificação das mini-bacias foi feita em dois níveis: pontos para destacar os centros de cruzamentos com cinco ou mais linhas de bacias, e, interseções para eixos de encontro de até quatro linhas. Esta escolha foi adotada pela complexa textura da rede na escala em referência. O mapa revelou que as regiões central e costeira apresentam maior número de pontos. A referida classificação pela hierarquia é fundamental, pois permite o delineamento racional do ambiente natural. Como se trata da conexão entre limites naturais essa aplicação pode ajudar na identificação de relevantes segmentos ecológicos.

43Em ambas as escalas, a partir do ponto de encontro entre três linhas de bacias é considerado um eixo mais simples, já na interseção de quatro linhas a importância do ponto aumenta e a área é considerada mais densa. Tal intervenção sobre o mapa já permite a identificação de regiões mais ou menos densas na paisagem, apenas pela diferenciação visual apresentada na legenda de cores.

44A Figura 9 mostra a identificação de pontos dos principais vetores limítrofes rio/território e mar/território, vetores secundários que se desenham sobre arranjos entre bacias menores e outro vetor mais ao interior do continente. Pelos traçados, ficam claras as duas forças que dominam a estrutura hídrica alagoana. A supremacia do mar se evidencia pelo número de pontos, desde a linha que divide a costa, reforçada pelos traçados à medida que outros vetores são configurados sobre pontos que caracterizam o avanço das bacias na direção noroeste, pelo continente adentro.

Figura 9 - Expressivo topológico das bacias hidrográficas de Alagoas

Figura 9 - Expressivo topológico das bacias hidrográficas de Alagoas

FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2018.

45Os vetores configurados entre os pontos, assim como os próprios pontos de interseção, também podem ser classificados como principais e secundários. A Figura 10 mostra o mapa das mini-bacias sob pontos classificados e vetores configurados sobre eles.

Figura 10 – Mini-bacias de Alagoas sob pontos e vetores

Figura 10 – Mini-bacias de Alagoas sob pontos e vetores

FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2018.

46No caso em referência, os vetores mais importantes são os próprios limites principais: mar/território e rio/território. A partir deles, outros vetores secundários são identificados em sentido quase paralelo aos principais, em seguida, outras linhas são traçadas em sentido perpendicular, passando pela interseção formada pelos primeiros vetores, conforme marcação feita pela ordem numérica (Figura 10).

47Assim, centros importantes do espaço natural são identificados pela interseção formadas pelos principais vetores sobre as mini-bacias, os quais encontram-se dentro da região das duas maiores cidades de Alagoas, Maceió e Arapiraca. Os principais setores configurados confirmam os eixos ecológicos mapeados pelos vetores na figura 10. A área central que corresponde a região no entorno de Arapiraca aparece junto com a RMM nos setores homogêneos que se destacam sobre a complexidade das mini-bacias.

48A Figura 11 mostra o mapa das mini-bacias com a sobreposição de vetores principais e porções formadas por estruturas com desenhos semelhantes. As interseções formadas pelo traçado dos vetores principais coincidem com o centro das porções destacadas, confirmando eixos de grande importância ecológica do espaço natural de Alagoas.

Figura 11 –Mini-bacias de Alagoas sob vetores e setores

Figura 11 –Mini-bacias de Alagoas sob vetores e setores

FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2018.

49Pela homogeneidade espacial das mini-bacias foram identificados arranjos entre bacias com características homogêneas que se destacam das demais, como mostra a Figura 12. Foram revelados 14 setores, dos quais três foram considerados principais, um próximo a Arapiraca e dois na Região Metropolitana de Maceió. Os circuitos na região de Maceió são concêntricos e o menor é uma formação inscrita. Esse quadro reforça o campo mais sensível do domínio hídrico, configurado pelo Complexo Estuarino Lagunar Mundaú Manguaba.

Figura 12 – Mini-bacias de Alagoas sob pontos e setores.

Figura 12 – Mini-bacias de Alagoas sob pontos e setores.

FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2018.

50O zoneamento territorial, a partir da integração dos vetores traçados pela conexão de pontos, resultou em quatro setores principais. A Figura 13 mostra os setores resultantes da racionalização dos principais vetores sobre as bacias, porém, os vetores secundários permitem que essas zonas principais possam ser subdivididas para orientar análises em diferentes escalas. Há clara demarcação de quatro zonas no território e seus respectivos domínios de influência: o oceano Atlântico, o rio São Francisco, uma zona intermediária sob domínio das duas primeiras (orientada pela foz do rio) e o Planalto da Borborema na parte Alta.

Figura 13 – Expressivo topológico das bacias hidrográficas destacando 4 zonas - Alagoas

Figura 13 – Expressivo topológico das bacias hidrográficas destacando 4 zonas - Alagoas

FONTE: Dados da SEMARH/AL, autoria de Badiru, elaborado pelo autor, 2017.

51As faixas ecológicas são resultantes da decodificação fisiográfica da paisagem traçada sobre duas escalas de análise, bacias e mini-bacias. Essa formação de zonas/faixas ecológicas sugere ser as principais características morfológicas desse espaço/território. As duas forças de domínios aquáticos são equiparadas, mas o lado do mar configurou seis faixas ecológicas enquanto três encontram-se sob domínio do rio, porém, as faixas do rio são mais espessas que as marítimas (Figura 14).

52Do cruzamento das faixas forma-se uma matriz ecológica que reflete as características da fisiografia desse lugar e se subdivide em segmentos sob domínio do rio, do mar e de ambos. Tanto o rio como o mar, fazem-se presente pela participação formal na configuração desse território, quando se observa a heterogeneidade ecológica ao logo do gradiente da paisagem alagoana.

Figura 14 - Zonas ecológicas do território de Alagoas

Figura 14 - Zonas ecológicas do território de Alagoas

FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2017.

Considerações finais

53Alagoas está formada pela interseção de dois principais vetores formando quatro macrozonas e nove faixas ecológicas, cada qual se desdobram em subzonas, como faixas contínuas, ou em segmentos, a partir do mar e do rio São Francisco. Todavia, o oceano está um passo na frente por ser favorecido por mais faixas, determinadas desde o início do procedimento, quando foram identificados mais pontos nodais e vetores.

54As fronteiras naturais de águas são fortes vetores da paisagem. O território de Alagoas é caracterizado pela formação de quatro zonas principais, inspiradas por três elementos: planalto da Borborema, rio São Francisco e oceano Atlântico. Suas subzonas correspondem a subdivisões dentre e entre os mesmos vetores.

55Pela vetorização dos principais pontos das bacias, foi possível perceber um traçado que revela gradientes de camadas ecológicas que partem das linhas limites das águas (rio e mar) com o território alagoano. A partir disso, concluiu-se que o lado marítimo exerce mais influência no espaço natural do que o lado ripário, apesar da simetria entre ambos.

56Pode-se reafirmar que as mini-bacias são mais expressivas pela configuração arquitetônica de seus padrões, como síntese espacial que representam a natureza do território alagoano. Nove vetores foram encontrados sobre a continuidade de linhas, entre os quais se destacam os paralelos como reforço de regiões e da divisão territorial. As mini-bacias também apresentam vetores derivados da racionalização de suas fronteiras e pontos principais, confirmando que os vetores seguem a mesma lógica, traçada pela vocação natural: alguns vetores são paralelos enquanto outros são contrastantes.

57O espaço natural de Alagoas, apresentou-se de maneira sicronizada nos dois domínios aquáticos, todavia, a partir do domínio do mar, nota-se um impacto maior de interação de forças que devem ser consideradas como condicionantes em diferentes dimensões. Assim sendo, a região costeira apresenta mais pontos principais, tal supremacia acontece desde os pontos notáveis que estão sobre os vetores mais importantes, os limites do rio e do mar. A despeito da diferença não ser tão expressiva, os divisores de águas das bacias também revelam a supremacia marítima. Apesar da interação costeira com o continente ser maior que a interação ripária, a grandeza do rio São Francisco não é menos importante, como força de domínio hídrico.

58Vale recomendar as considerações de estruturação ambiental que abrange o Planalto da Borborema no atual planejamento integrado e estratégico, pela relação espacial da rede que mantém ou conecta, tanto com a zona costeira, como com o semiárido alagoano.

Ramos, D. N. S. Mapeamento eólico do estado de Alagoas utilizando ferramentas computacionais e dados observados. Maceió, 2012. Dissertação (Mestrado em meteorologia) – Instituto de Ciências Atmosféricas - ICAT.

Haut de page

Bibliographie

Badiru, A. I. Floresta urbana: uma proposta metodológica no estudo do espaço hídrico e da configuração territorial de Registro, Região do Vale do Ribeira-SP. 2006. São Paulo. 2006. 182 f. Tese (Doutorado) - CQMA/IPEN/USP.

Badiru, A. I.; Santos, N. D. dos. “Zoneamento Ecológico dos Estados de Sergipe: contribuições para o planejamento do meio ambiente”. Interfaces Científicas – Humanas e Sociais, Aracaju, v.4, n.3, p. 111-124, fevereiro, 2016.

Cazula, L. P.; Mirandola-Avelino, P. H. “Bacia Hidrográfica – Conceitos e Importância como Unidade de Planejamento: um exemplo aplicado na bacia hidrográfica do Ribeirão Lajeado/SP-Brasil”. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros, Seção Três Lagoas/MG, n.12, ano 7, novembro, 2010.

Forman, R.T.T. and M. Godron. Landscape ecology. John Wiley & Sons, New York. 1986, 620 pp.

Guerreiro, M. R. P. O Território e a Edificação: O Papel do Suporte Físico Natural na Génese e Formação da Cidade Portuguesa. Lisboa, 2002. Dissertação (Mestrado em Desenho Urbano) – Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa – ISCTE.

Guerreiro, M. R. P. Urbanismo Orgânico e a Ordem Implícita: Uma Leitura Através das Geometrias da Natureza. Lisboa, 2010. Tese (Doutorado) – Instituto Universitário de Lisboa – ISCTE IUL.

Hager, F. P. V. Gestão integrada de recursos hídricos subterrâneos e superficiais: exemplos das sub-bacias Billings e Tamanduateí, Bacia do Alto Tietê, São Paulo. 2000. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo.

Lynch, K. A Imagem da Cidade. Tradução Jefferson Luiz Camargo. 3. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

McHarg, I. Design with nature. Philadelphia: Falcon Press, 1969.

Moura, A. C. M. Geoprocessamento na Gestão e Planejamento Urbano. 3. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2014.

Nascimento, M. C. Contribuição metodológica para seleção de indicadores de vulnerabilidade socioambiental por meio das geotecnologias à Região Metropolitana de Maceió. Rio Claro, 2016. 194 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, UNESP.

Naveh, Z.; Liberman, A. S. Landscape Ecology: Theory and aplications. New York: Spring Verlag, 1989. 356p. Série Environment Management.

Haut de page

Notes

1 Discretização: dividir ou particionar um todo em partes com menor complexidade, com a finalidade de facilitar cálculos. Termo da matemática, mas é muito utilizado na geografia para elucidar a divisão de bacias hidrográficas em segmentos menores.

2 Floresta-urbana: termo antigo que veio evoluindo com a gestão do território, voltada para a população urbana. Pode alcançar uma distância regional ou estadual, dependendo do movimento pendular da população urbanizada (exemplo: uma região metropolitana pode crescer até uma megalópole). (Badiru, 2006).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Localização do Estado de Alagoas na Região Nordeste do Brasil e suas Mesorregiões
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20705/img-1.png
Fichier image/png, 180k
Titre Figura 2 - Mapa das regiões hidrográficas com as bacias hidrográficas - Alagoas
Crédits FONTE: Autor, 2018. Banco de dados do SOTEPP (UNIT/AL), base da SEMRH/AL.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20705/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 364k
Titre Figura 4 - Expressivo topológico das bacias hidrográficas - Alagoas
Crédits FONTE: Dados da SEMARH/AL, autoria de BADIRU (2017), elaborado pelo autor, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20705/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 180k
Titre Figura 6 – Estado de Alagoas - Processamento das Mini-bacias (shp) no ArcGIS
Crédits FONTE: Processamento do shapefile das mini-bacias no ArcGIS por Badiru, 2019. Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20705/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 204k
Titre Figura 7 – Expressivo topológico das bacias hidrográficas, no Estado de Alagoas
Crédits FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20705/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 204k
Titre Figura 8 – Mini-bacias de Alagoas
Crédits FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20705/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 304k
Titre Figura 9 - Expressivo topológico das bacias hidrográficas de Alagoas
Crédits FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20705/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre Figura 10 – Mini-bacias de Alagoas sob pontos e vetores
Crédits FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20705/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 368k
Titre Figura 11 –Mini-bacias de Alagoas sob vetores e setores
Crédits FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20705/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 312k
Titre Figura 12 – Mini-bacias de Alagoas sob pontos e setores.
Crédits FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20705/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 324k
Titre Figura 13 – Expressivo topológico das bacias hidrográficas destacando 4 zonas - Alagoas
Crédits FONTE: Dados da SEMARH/AL, autoria de Badiru, elaborado pelo autor, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20705/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
Titre Figura 14 - Zonas ecológicas do território de Alagoas
Crédits FONTE: Dados da SEMARH/AL, elaborado pelo autor, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20705/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ajibola Isau Badiru, Nubia Dias dos Santos, Ronaldo Gomes Alvim et Alexandre Felipe de Vasconcelos, « Mapeamento para o zoneamento ecológico do território de Alagoas, Brasil. », Confins [En ligne], 40 | 2019, mis en ligne le 03 juin 2019, consulté le 19 septembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/20705 ; DOI : 10.4000/confins.20705

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals