Navigation – Plan du site

Análise cartográfica da eleição presidencial de 2018

Analyse cartographique de l'élection présidentielle de 2018
Cartographic analysis of the 2018 presidential election
Hervé Théry

Résumés

Les résultats de l’élection présidentielle du le 28 octobre 2018 sont analysés par le recours à la cartographie thématique. Après traitement de données de nature diverse, obtenues à partir de sources officielles et non officielles, variables et indicateurs traditionnels ou plus innovants. Des analyses multivariées (analyse factorielle et par clusters) sont utilisées pour l’élaboration de synthèses elles aussi cartographiques. Les cartes sont ensuite interprétées, commentées et liées aux structures élémentaires du territoire (Théry, 1986) encore valables car rien n’est plus résilient que ces structures fondamentales. Leur combinaison rend compte de la complexité observée et de sa dynamique, les contradictions et conflits territoriaux étant également identifiés lors de la spatialisation des données.

Haut de page

Texte intégral

1Jair Bolsonaro tomou posse no dia 1° de janeiro de 2019 como 38° Presidente da República Federativa do Brasil, tendo sido eleito no dia 28 de outubro de 2018. Um mês antes disso ele era tido como derrotado, em todas as sondagens de opinião, por todos os outros candidatos possíveis e a sua eleição foi uma surpresa para todos os observadores, tanto estrangeiros como brasileiros. Nove meses depois ainda é cedo para julgar os resultados de sua ação, mas pelo menos podemos tentar entender as razões dessa surpreendente eleição. Por isso, optamos por usar a cartografia como um meio de analisar os resultados dessa eleição.

2Estes serão representados por mapas, construídos após processamento de vários tipos de dados, obtidos de fontes oficiais e não oficiais, variáveis ​​e indicadores tradicionais ou mais inovadores. Análises multivariadas (análise fatorial e de cluster) foram usadas para a elaboração de sínteses cartográficas. Esses mapas são então interpretados, comentados e vinculados às estruturas elementares do território (Théry, 1986), ainda válidas porque nada é mais resiliente que essas estruturas fundamentais. A sua combinação dá origem à complexidade observada e à sua dinâmica, porque cada uma delas varia no espaço e no tempo, dependendo da intensidade e localização das forças subjacentes e da dinâmica territorial reforçada ou - mais raramente - reduzida das disparidades. Além disso contradições e conflitos territoriais são identificados durante a espacialização dos dados.

3Mapa e texto são indissociáveis, eles se apoiam mutuamente, porque um revela configurações territoriais invisíveis em uma tabela estatística, enquanto o outro explica a relação dessas configurações com os processos que as criaram (Théry 2003). Os processos sociais, seus atores e sua lógica não aparecem no mapa, mesmo quando o determinam, mas geralmente possuem uma dimensão espacial que o mapa revela, sendo o controle do território muitas vezes um dos objetivos e uma das dimensões essenciais das relações sociais. O texto é baseado nas imagens e destaca os mecanismos que as explicam.

Os resultados

O fim de um ciclo

4Observemos primeiro que, se a personalidade do eleito foi uma surpresa, esperava-se pelo menos uma derrota de seu principal oponente, Fernando Haddad, o representante do Partido dos Trabalhadores (PT), que estava no poder há treze anos e o país havia mostrado claramente, de diferentes maneiras, o cansaço com este período.

5O resultado marca o fim de um ciclo que é bem descrito por uma série de mapas que mostram qual candidato ficou em primeiro lugar em cada estado no primeiro turno das eleições realizadas de 1994 a 2018. A figura 1 retraça a conquista gradual do país pelo PT entre 1994 (onde ele havia vencido em apenas um estado) e 2002 (onde ele havia ganho em todos, menos dois), seu refluxo entre 2006 e 2014, quando ele manteve uma posição dominante apenas em um estado da Amazônia e no Nordeste, que lhe permaneceu fiel (com exceção do Ceará, reduto eleitoral de Ciro Gomes).

Figura 1 Histórico de eleições, resultados do primeiro turno

Figura 1 Histórico de eleições, resultados do primeiro turno

6O mapa construído a partir dos resultados do primeiro turno de 2018 mostra uma oposição muito clara entre dois conjuntos espaciais bem definidos, porque, com exceção de Minas Gerais e do Pará, todo o território é dividido entre os dois principais candidatos, um deles dominando o Norte e a maior parte do Nordeste, o outro o Sudeste, o Sul e o Centro-Oeste.

Figura 2 Os resultados do primeiro turno em 2018

Figura 2 Os resultados do primeiro turno em 2018

7O segundo turno (figura 2) reforçou essa oposição, com Haddad vencendo em 2.810 municípios (dos 5.570 que conta o país) e Bolsonaro em 2.760, o primeiro no Nordeste e na Amazônia, a segunda no Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Foi uma clara vitória já que obteve 57.797.847 votos (55,13% dos votos expressos) contra 47.040.906 (44,87%) para Fernando Haddad.

Figura 3 Os resultados do segundo turno

Figura 3 Os resultados do segundo turno

8Há, portanto, um nítido componente geográfico na distribuição dos votos, juntamente com um componente social.

Dois Brasis

9Uma primeira explicação dessa oposição geo-eleitoral encontra-se no forte contraste entre os níveis de desenvolvimento do Norte-Nordeste e Sul-Sudeste, mas também com o Centro-Oeste, que se desenvolveu muito desde a década de 1980. Esse contraste é tão forte que está presente na maioria dos mapas do Atlas do Brasil cuja terceira edição foi recentemente publicada (Théry e Mello Théry 2018) e podemos, em muitos casos, falar sobre dois Brasis: um Brasil mais desenvolvido e um Brasil ainda subdesenvolvido.

10A Figura 4 resume uma série de indicadores sociais econômicos e ilustra uma impressionante semelhança com os resultados das eleições, opondo – de um lado – a maior parte do Nordeste e da maior parte da Amazônia, de outro lado, o Centro-Sul, tradicionalmente mais desenvolvido, mas ao qual se juntou recentemente o Centro-Oeste e parte da Amazônia nos confins do Pará, Amapá e Roraima.

11Na escala das grandes cidades (São Paulo, Rio de Janeiro etc.) aparecem os mesmos contrastes eleitorais, com a mesma oposição entre centro e periferia, o primeiro votando em Jair Bolsonaro ou nos governadores e parlamentares que o apoiavam.

Figura 4 Síntese de indicadores sociais

Figura 4 Síntese de indicadores sociais

12Um segundo fator, obviamente correlacionado com o primeiro, é que as regiões mais pobres, e especialmente o Nordeste, foram os principais beneficiários das políticas sociais implementadas pelos presidentes petistas, Luíz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2016).

13O mais conhecido desses programas sociais é o Bolsa Família, que beneficiou em 2015 13,8 milhões de famílias (cerca de 50 milhões das 207 milhões de pessoas no país), metade delas na região Nordeste, a região mais pobre do país. O programa, resultante da integração de vários programas sociais (educação, saúde, energia e nutrição), era principalmente uma política de correção das desigualdades de renda e não uma política territorial, mas isso não significa que não houve repercussões territoriais, já que a pobreza, especialmente a pobreza rural, é territorialmente muito concentrada.

14Esses programas de luta contra a pobreza fizeram muito pela popularidade de Lula, principalmente no Nordeste, permitiu que ele fosse reeleito em 2006 e fizesse eleger Dilma Rousseff em 2010 e 2014. Mas em 2018 ele não pôde participar da eleição, tendo sido condenado por corrupção a doze anos de prisão, condenação confirmada em segunda instância, o que o tornou inelegível, embora as pesquisas de opinião lhe dessem quase 40% dos votos. A transferência de votos para Fernando Haddad não foi suficiente para elegê-lo, mas foi no Nordeste que ele também obteve seus melhores resultados.

15A evolução do número de famílias beneficiárias da Bolsa Família entre 2006 e 2014 segue na mesma direção: há um claro aumento em todas as regiões do Nordeste, Norte, Centro-Oeste e uma queda significativa no Sul e Sudeste, sendo em Minas Gerais nítida a clivagem: na parte mineira do “polígono da seca”, no Norte, a evolução é positiva, embora seja negativo no sul mais desenvolvido. A evolução negativa também aparece em algumas capitais do Nordeste, enquanto o número de beneficiários aumenta consideravelmente no Rio de Janeiro e em São Paulo, sem reverter a tendência política nessas cidades gigantescas.

Figura 5 Beneficiários do Bolsa Família

Figura 5 Beneficiários do Bolsa Família

16Os resultados da eleição presidencial foram menos um plebiscito a favor do PSL e do seu candidato, Jair Bolsonaro que uma rejeição ao PT e aos casos de corrupção que envolveram vários de seus membros. A explicação mais plausível para o sucesso de um candidato alguns meses antes quase desconhecido não é o seu programa (já que ele realmente nunca o apresentou) ou a força de seu partido (que ele tinha recentemente integrado, depois de passar por outros nove), não mais do que uma repentina virada para a direita de um país que, nas últimas quatro eleições presidenciais, elegeu presidentes de esquerda (duas vezes Lula e duas vezes Dilma Rousseff).

17Seu sucesso deveu-se essencialmente a uma rejeição maciça e visceral do PT por boa parte da opinião, porque sua passagem ao poder foi marcada por um abandono de suas promessas de reformas e um recurso maciço à corrupção. O fracasso em iniciar as reformas estruturais necessárias alienou o apoio de sua ala esquerda, e a corrupção o fez perder o respeito e o apoio da classe média, que dá alto valor à honestidade e ao mérito, que o partido dizia defender quando estava na oposição.

18Por que ele abandonou – na prática – estes valores? Principalmente por falta de vontade de confrontar a comunidade empresarial, cuja neutralidade e apoio financeiro ele desejava e porque achava essencial poder comprar deputados e senadores de pequenos partidos para garantir a maioria que não tinha sozinho. Esse fluxo de dinheiro sujo (bilhões de Reais, principalmente por meio da pilhagem da Petrobras) foi originalmente organizado “em justa causa” e porque “o fim justifica os meios”. Mas foi uma ocasião para alguns de seus membros se enriquecerem pessoalmente, como comprovado por uma série de ações judiciais que, com o apoio constante da opinião pública, condenaram muitos líderes políticos de vários partidos.

19Uma vez invalidada a candidatura de Lula, o caminho foi aberto para Jair Bolsonaro, que se beneficiou de vários fatores favoráveis. Primeiro, capitalizou o sentimento de insegurança que preocupa grande parte da população brasileira, não sem razão, uma vez que, com mais de 60.000 homicídios por ano, o país contou mais vítimas, nos últimos dez anos, que a Síria em sua guerra civil. As respostas que o candidato oferecia, como facilitar a venda e o transporte de armas, são certamente inaplicáveis, mas ele tinha o talento, como costuma ser o caso dos líderes populistas, de sentir os problemas que realmente preocupam a população.

20Ajudou no seu sucesso o fato de sua taxa de rejeição ter diminuído gradualmente no eleitorado feminino, que era mais hostil a ele, apesar das passeatas do dia 30 de setembro de 2018, organizadas contra ele por uma série de grupos feministas. Provavelmente, as preocupações com a insegurança – e a esperança de Bolsonaro corrigi-la – pesaram mais do que as declarações machistas do candidato. Por outro lado, um grupo de generais aposentados (incluindo aquele que se juntou a ele como candidato a vice-presidente) trabalhou para convencer os generais da ativa de que sua eleição seria aceitável. Ao mesmo tempo, a bancada parlamentar que representa os interesses rurais e, mais especificamente, os dos grandes proprietários de terras, tem sido muito ativa a seu favor. Depois deles, a comunidade empresarial abandonou seu candidato favorito, Geraldo Alckmin, e reuniu em volta da sua candidatura: no dia seguinte ao primeiro turno, a Bolsa começou a subir e o Dólar caiu quase 3%.

Os três « B »

21A rejeição do PT não é o único fator que explica esse sucesso, porque Bolsonaro também obteve apoio, de três setores decisivos, dos protestantes pentecostais, dos criadores de gado (ou, em geral, do agronegócio) e daqueles que advogam o uso da violência para reduzir a insegurança, alcançando assim, a seu favor, a aliança do que foi chamado “os três B” (Boi, Bíblia e Bala).

Boi

22Foi dito que o Brasil não possuía apenas uma, mas duas agriculturas, uma afirmação que é apoiada pelo fato de que até recentemente não havia apenas um ministério da Agricultura, mas dois: um que apoia a expansão do setor agroindustrial, enquanto o outro, o do desenvolvimento agrário, tratava da agricultura de pequena escala. A divisão do trabalho entre eles era tão clara que que, no governo de Michel Temer, que sucedeu a Dilma Rousseff após a sua destituição, o segundo ministério havia sido vinculado ao de Assuntos Sociais.

23Esta dicotomia entre dois sistemas é bem ilustrada pelo contraste entre a predominância de pequenas e muito pequenas fazendas no Nordeste e as muito grandes no Centro-Oeste (figura 6).

Figura 6 Latifundios et minifundios

Figura 6 Latifundios et minifundios

24Criou-se no centro do país um complexo de criação de gado tão poderoso que em muitas áreas o número de bovinos é muito maior do que o de humanos. A relação entre o número de humanos e o número de bovinos é mostrada na figura 7. No total, em nível nacional, o número de cabeças de gado é maior que o dos habitantes, mas a relação é diferente de região para região: em todas as microrregiões do Centro-Oeste o número dos primeiros é muito maior do que aquele dos segundos. A dinâmica espacial desse fenômeno é preocupante, uma vez que esse desequilíbrio está se movendo em direção ao norte e oeste do país, já além do rio Amazonas. O número de cabeças de gado nas fazendas está em constante evolução e o seu aumento está levando à conversão de ecossistemas e biomas florestais em pastagens.

Figura 7 Humanos e bovinos

Figura 7 Humanos e bovinos

Bíblia

25O segundo “B” representa o poder dos evangélicos, os protestantes pentecostais que apoiaram fortemente Bolsonaro. Tendo dado provas de simpatia ao ser “batizado” por imersão no Jordão por um de seus pastores, Jair Bolsonaro obteve o apoio de vários destes grupos religiosos cuja influência tem aumentado constantemente no país em detrimento da Igreja Católica (a um ritmo de cerca de 1% ao ano). Esta é uma das chaves para o seu sucesso, porque seus pastores não hesitaram em dar instruções de voto aos seus fiéis, que as seguem porque uma das razões do progresso dessas novas religiões é precisamente que eles encontram um quadro religioso, moral e político, que os tranquiliza.

26A dimensão religiosa do voto aparece claramente na figura 8, onde o Nordeste, reduto de eleitoral de Fernando Haddad, surge também como bastião da resistência do catolicismo, enquanto os pentecostais são particularmente dinâmicos no Centro-Oeste, conquistado há quarenta anos, pelo progresso da pecuária e da soja. Espírito pioneiro, protestantismo e capitalismo combinam bem com conservadorismo político, uma convergência estabelecida desde Max Weber e confirmada pela eleição de Donald Trump ...

Figura 8 Tipologia das religiões

Figura 8 Tipologia das religiões

27A figura 8 confirma a co-incidência (que não é uma coincidência) entre a votação a favor de Bolsonaro e o Centro-Oeste, uma espécie do Middle West brasileiro, mas com muitas características do Far West. E como este último, ele é muito marcado pela violência, embora esta esteja presente em todo o território nacional. E o terceiro pilar em que se baseia a candidatura de Jair Bolsonaro é o da “Bala”, dos defensores da repressão da violência pela violência.

Bala

28O artigo de Bruno Racouchot neste volume mostra a importância da insegurança no país e, portanto, bastará aqui contextualizá-la em escala global e nacional.

29Para os assassinatos, o Brasil é um dos piores países do mundo. De acordo com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, no último ano disponível em suas estatísticas para todos os países do mundo (2013), o país estava (com pouco mais de 40.000 mortos) no nível da Índia (cuja população é seis vezes maior), mas à frente de México, Etiópia, Indonésia, Nigéria e África do Sul. Se calcularmos o número de homicídios por 100.000 habitantes, ele ficou em 10º lugar, com uma taxa de 24,6, superado apenas por Honduras (74,6), El Salvador (64), 2), Venezuela (62), África do Sul (33) e Colômbia (27,9).

30Dados mais recentes são ainda mais preocupantes: de acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 58.000 pessoas foram mortas em 2015 no país (uma média de uma a cada nove minutos) e 59.080 em 2017. No total, mais pessoas foram assassinadas no Brasil entre 2010 e 2014 (279.000) do que na Síria (256.000), em plena guerra civil.

Figura 9 Número e taxa de homicídios em 2015

Figura 9 Número e taxa de homicídios em 2015

31O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) lançou em junho de 2017 o Atlas da Violência 2017, produzido em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), que analisa a distribuição regional de homicídios. O estudo se baseia em números absolutos de homicídios e na taxa dos mesmos por 100.000 habitantes (o indicador internacionalmente reconhecido para comparações) entre 2005 e 2015.

32Esses dados são assustadores. O Brasil registrou 59.080 homicídios em 2015, enquanto em 2005 eles eram “apenas” 48.136, um aumento de 22,7%. São 160 mortes violentas por dia, o equivalente ao número de passageiros de um Airbus A320 ou Boeing 727-100: imagina-se a consternação e as reações no país se um desses aviões cair todos os dias, matando todos os seus passageiros ...

33Para o Brasil como um todo, a taxa foi de 28,9, mas o Atlas detalha por região, estado federal e municípios de mais de 100.000 habitantes. Observemos primeiro que a violência está concentrada em certas partes do país, uma vez que 2% dos municípios (111 de 5.570) representavam em 2015 metade dos casos de assassinato no país, e 10% deles (557) representavam 76,5% de todas as mortes. E que a distribuição dos crimes está mudando rapidamente, da periferia das grandes cidades do Sudeste e do Sul do país para as suas periferias pobres, a Amazônia e, especialmente, o Nordeste.

34Os estados que mais que dobraram suas taxas de homicídios no período analisado estão todos localizados nas regiões Norte e Nordeste, sendo o pior caso o Rio Grande do Norte, com um aumento de 232% (44,9% em 2015 contra 13,5 em 2005). Seguem Sergipe (134,7%) e Maranhão (130,5%). Felizmente, também foram observadas evoluções mais favoráveis: Pernambuco e Espírito Santo reduziram suas taxas em 20% e 21,5%, mas as maiores reduções são no Sudeste, em São Paulo, a taxa caiu de 44,3% (21,9 a 12,2) e Rio de Janeiro de 36,4% (de 48,2 a 30,6).

Figura 10 Homicídios e mortalidade

Figura 10 Homicídios e mortalidade

Estes resultados e análises retrospectivas realizados, como analisar a situação atual?

Perspectivas

  • 1 Um morto durante a campanha eleitoral, contra mais de 130 na campanha do mesmo ano no México

35Nenhum comentarista ousa imaginar os efeitos reais das mudanças em andamento, mas já pode-se ter certeza de que esses quatro anos serão um período difícil, porque a eleição de Jair Bolsonaro resultou do apoio de diferentes grupos sociais. Mas essa convergência de interesses díspares, principalmente devida à rejeição do PT, levou a uma radicalização muito incomum na política brasileira, a uma violência pelo menos retórica, uma vez que gerou pouca violência física1. A única exceção foi o ataque ao próprio Jair Bolsonaro, uma facada no abdômen que quase lhe custou a vida. Mas, impedindo-o de participar dos debates do primeiro turno, ela provavelmente lhe evitou perder votos por causa das declarações agressivas que ele costumava fazer.

36Note-se, no entanto, que, além das especificidades brasileiras, essa eleição faz parte de uma série global marcada por uma tendência genérica a derrota de personalidades sobre as quais os profissionais de marketing político pensavam que elas seria facilmente eleitas, por exemplo, Hillary Clinton, François Fillon ou Matteo Renzi, e o surgimento de outsiders entre os quais os mais hábeis conseguiram se apresentar como candidatos “anti-sistema”, enquanto eles eram, na verdade, parte dele.

37Parece, portanto, lamentavelmente confirmado que o Brasil está engajado desde 1º de janeiro de 2019 em um período de instabilidade política, embora sua situação econômica tenha melhorado e os pontos fortes fundamentais do país permaneçam fortes. Talvez seja hora de lembrar o que dizia Pierre Monbeig (que viveu lá nas décadas de 1930 e 1940, quando ele participou da fundação da Universidade de São Paulo), relatando um ditado endossado pela sabedoria do povo na época: “O Brasil cresce à noite enquanto os políticos dormem”. E para manter uma nota mais positiva, podemos dizer que esta eleição marca, de certa forma, a conscientização da sociedade brasileira sobre a extensão da corrupção e da insegurança, à qual se resignava até então, uma evolução prometedora para o futuro a médio e longo prazo.

Haut de page

Bibliographie

Théry, Hervé, Brésil / Brasil / Brazil (un atlas chorématique), 88 pages, Fayard / Reclus, 1986.

Théry, Hervé et de Mello, Neli Aparecida, Atlas du Brésil, CNRS Libergéo - La Documentation Française, 2003, 304 pages

Théry, Hervé et Mello-Théry, Neli Aparecida, Atlas do Brasil, Disparidades e dinâmicas do território, Edições da Universidade de São Paulo EDUSP, São Paulo 3e édition 2018

Haut de page

Notes

1 Um morto durante a campanha eleitoral, contra mais de 130 na campanha do mesmo ano no México

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Histórico de eleições, resultados do primeiro turno
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20946/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 820k
Titre Figura 2 Os resultados do primeiro turno em 2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20946/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,5M
Titre Figura 3 Os resultados do segundo turno
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20946/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 2,5M
Titre Figura 4 Síntese de indicadores sociais
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20946/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 1,7M
Titre Figura 5 Beneficiários do Bolsa Família
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20946/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 1,6M
Titre Figura 6 Latifundios et minifundios
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20946/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 1,2M
Titre Figura 7 Humanos e bovinos
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20946/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 1,4M
Titre Figura 8 Tipologia das religiões
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20946/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 1,2M
Titre Figura 9 Número e taxa de homicídios em 2015
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20946/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 928k
Titre Figura 10 Homicídios e mortalidade
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/20946/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 1,7M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry, « Análise cartográfica da eleição presidencial de 2018 », Confins [En ligne], 501 | 2019, mis en ligne le 07 octobre 2019, consulté le 23 octobre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/20946 ; DOI : 10.4000/confins.20946

Haut de page

Auteur

Hervé Théry

CNRS-Creda, Paulo e USP-PPGH, hthery@aol.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals