Navigation – Plan du site

A pressão chinesa sobre o setor elétrico brasileiro

La pression chinoise sur le secteur brésilien de l'électricité
Chinese pressure on the Brazilian electricity sector
Lucas Coutinho Marcelino da Silva

Texte intégral

1Além dos chineses terem se tornado o principal parceiro comercial do Brasil desde 2009 e suas consequências desindustrializantes para a estrutura produtiva do país, a economia brasileira passa por mais um choque de privatizações, e nesse contexto o capital chinês aparece como um dos principais agentes interessados na compra da infraestrutura energética do Brasil.

2A política chinesa de estratégia econômica mundial “Go Out”, iniciada no final da década de 1990, tem como objetivo exportar capital chinês visando a obtenção de lucro em todas as partes do mundo, combinado a atender demandas das ambições chinesas de ocupação geopolítica do globo (MEDEIROS, 2015). O volume de saída de capital aumentou praticamente todos os anos, com inicio em 1999, chegando ao ano de 2018 ao patamar de quase 2 trilhões de dólares em 152 países (AEI, 2019).

3O Brasil está entre os países que mais receberam aplicação direta do capital chinês, ficando atrás apenas dos EUA (1º: U$ 182 bi), Austrália (2º: U$ 111 bi) e Inglaterra (3º: U$ 85 bi), estando em 4º, recebendo U$ 64 bilhões de dólares (AEI, 2019).

4Esses valores tem relação com as ambições econômicas da China sobre o mundo. Assim como o intercontinental projeto conhecido como nova rota da seda (Belt and Road Iniciative), a China possui um projeto de eletrificação para o mundo – o Global Energy Interconnection –, que pode ser observado no mapa abaixo.

Mapa do projeto Global Energy Interconnection

Mapa do projeto Global Energy Interconnection

Fonte: www.geidco.org

5Como é possível observar, este projeto tem como objetivo unificar as redes de transmissão estabelecidas ao redor do globo. Segundo Liu Zhenya, que liderou a State Grid por dez anos, afirma que este empreendimento conta com atenção próxima do atual presidente e secretário-geral do Partido Comunista da China, Xi Jinping, e já movimentaram 102 bilhões de dólares, mais anúncios de investimentos futuros que chegam a impressionantes U$ 452 bilhões (KYNGE e HORNBY, 2018).

6O resultado desses investimentos, somado ao contexto local brasileiro, tornam os chineses os maiores operadores não estatais no Brasil em apenas 5 anos (VALOR ECONÔMICO, 2016). Importante lembrar, estas empresas não são estatais do Brasil, mas são da China.

  • 1 A State Grid é atualmente a maior empresa de transmissão elétrica do mundo. Quase metade dos recurs (...)

7Do montante de capitais chineses que chegaram ao Brasil, U$ 24 bilhões (38%) foram para o setor elétrico, principalmente para as gigantes State Grid1, China Three Gorges e State Power Investment.

Figura 2 Localização das infraestruturas compradas pelas empresas chinesas.

Figura 2 Localização das infraestruturas compradas pelas empresas chinesas.

8Apesar das resistências em relação às empresas chinesas por parte dos governantes brasileiros há um forte assédio dos chineses sobre o setor elétrico brasileiro nos últimos anos. O presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil China, Charles Tang, afirmou em 2018 que há pelo menos seis outras grandes empresas elétricas chinesas avaliando negócios no país neste momento, e que o setor energético continua como principal interesse dos chineses no país (REUTERS, 2018a).

9Esse contexto vem gerando tensionamentos internos no Brasil, ao passo que esteve presente nos debates dos candidatos à presidente em 2018 (REUTERS, 2018b). Mas o aumento da presença chinesa na infraestrutura elétrica ainda é incerto, porque o presidente eleito, Jair Bolsonaro, em campanha afirmou energicamente que seu mandato iria frear o crescimento da China no país. Contudo negar que empresas chinesas possam competir nos processos de privatização vai na contramão do liberalismo econômico que dizem defender. A ironia: hoje políticos da China comunista defendem a livre concorrência e os capitalistas a intervenção do estado.

Haut de page

Bibliographie

AMERICAN ENTERPRISE INSTITUTE (AEI). China Global Investment Tracker. Washington/NW. USA. 2019.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Sistema de Informações Geográficas dos Estudos do Planejamento Energético Brasileiro – WEBMAP EPE. Ano base 2017 – Rio de Janeiro: EPE, 2018.

KYNGE, J. e HORNBY, L. La Chine électrifie le monde. Courrier intemational - Hors-série. Financial Times – extraits. 2018

MEDEIROS, C. A. Notas sobre o Desenvolvimento Econômico Recente na China. Coleção Documentos. IEA-USP. 2015.

REUTERS. COSTA, Luciano. Chinesa CEE quer expandir negócios em energia no Brasil e prevê fábrica. 2018.

_________. SAMOARA, Roberto. Bolsonaro promete limitar privatização de Eletrobrás e Petrobras e critica chineses. 2018.

VALOR ECONÔMICO. MAIA, Camila; POLITO, Rodrigo. Em cinco anos, gigantes chinesas tornam-se líderes. 2016.

Haut de page

Notes

1 A State Grid é atualmente a maior empresa de transmissão elétrica do mundo. Quase metade dos recursos captados pela empresa (44%) foram para aquisições no Brasil (AEI,2018).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa do projeto Global Energy Interconnection
Crédits Fonte: www.geidco.org
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21070/img-1.png
Fichier image/png, 553k
Titre Figura 2 Localização das infraestruturas compradas pelas empresas chinesas.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21070/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 370k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Lucas Coutinho Marcelino da Silva, « A pressão chinesa sobre o setor elétrico brasileiro », Confins [En ligne], 501 | 2019, mis en ligne le 08 septembre 2019, consulté le 21 octobre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/21070 ; DOI : 10.4000/confins.21070

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals