Navigation – Plan du site

O Nordeste desconstruído ou reconstruído?

Le Nordeste déconstruit ou reconstruit ?
The Nordeste deconstructed or rebuilt ?
Eustógio Wanderley Correia Dantas

Texte intégral

1Os elementos relativos à construção do imaginário social coletivo do Nordeste brasileiro foram postos antes mesmo de sua configuração como região, nos termos da política de divisão regional implementada no Brasil a partir da segunda metade do século XX (Figura, 1). A dinâmica de regionalização empreendida, além de culminar na construção da região (esboço do final dos anos 1960 e revalidada no final dos anos 1980, como uma categoria objetiva e concreta, alvo das ações das políticas públicas de planejamento), suscitou uma ambiência propícia ao reforço de sentimento de pertencimento (regionalismo) impar no país e ainda vigente, mesmo com transformações de ordem política empreendidas na segunda metade do século XX e no início do século XXI.

Figura 1 – Esboços de regionalização do país no século XX

Figura 1 – Esboços de regionalização do país no século XX
Na segunda metade do século XX, assentadas em um discurso regionalista, as elites locais (maior peso políticas) são embaladas em movimento de desconstrução de conjunto de representações diversas do Nordeste, explicito em nível de complexidade a envolver variáveis múltiplas: de caráter natural, econômico e político.

2A citada desconstrução se deu a partir do Governo dos Militares (1964 a 1985), com adoção de estratégia a: i. suplantar limite de representação associado à escala dos estados (das antigas Capitanias Hereditárias); ii. adequar elementos simbólicos preexistente (do passado) à configuração espacial hodierna da região.

3Como uma construção da segunda metade do século XX, nos perguntamos se ela ainda persiste no adentrar do século XXI. Primeiro face aos desdobramentos da Crise do Estado Moderno, especificamente o empoderamento dos Estados Locais na Reforma Constitucional (1989). Segundo em relação aos governos que se sucederam nos últimos anos.

4Trabalharemos, neste sentido, com um recorte arbitrário, a lidar com elementos representativos de uma construção atinente à: i. Quinta República – instauração da Ditadura Militar no país, de 1964 a 1985; ii. Sexta República – movimento de redemocratização iniciado em 1985 (com o Movimento Diretas Já) e consolidado na contemporaneidade em contraponto à representação do Nordeste no recorte temporal anterior.

Quinta República

5Na Quinta República, a política de homogeneização-pasteurização idealizada rompe com imagem de um Nordeste diverso, vislumbrada em síntese construída por Manuel Correia de Andrade em “A Terra e o Homem do Nordeste” (1ª edição 1963). Ao partir da noção Lablachiana de Região Geográfica ele soube caracterizar conjunto de sub-regiões (Figura 2) a denotar níveis de complexidade na configuração espacial da região.

Figura 2 – Regiões geográficas do Nordeste brasileiro

Figura 2 – Regiões geográficas do Nordeste brasileiro

Fonte: Adaptado de Andrade (1964 apud DANTAS, 2000).

6Na apreensão de dinâmicas atinentes à Zona da Mata e ao Sertão, Andrade dialoga com cronistas do passado e possibilita vislumbre de elementos construtivos de imaginário social coletivo diverso, a cotejar embate (pela hegemonia política na região) entre as áreas mais dinâmicas do Nordeste. No primeiro caso, a Zona da Mata, representativa de uma construção simbólica encabeçada por Gilberto Freire em “Casa Grande e Senzala” (1ª edição 1933), a remeter a uma ambiência natural, de terra roxa fértil, validada em ambiência social e econômica a justificar uma elite política hegemônica (ator principal Senhores de Engenho) dependente da produção de açúcar para o estrangeiro e pautada no trabalho escravo. No segundo caso, o Sertão, a apresentar outra imagem concebida por Djacir de Menezes em “O Outro Nordeste” (1ª edição 1937), a descrever uma ambiência natural semi-árida (caatinga) em relação à qual se assentava uma sociedade cujo ator principal era o Coronel em convivio com os moradores das fazendas, em uma economia diferenciada, inicialmente de caráter regional (produção de carne seca) e a adentrar, na segunda metade do século XIX, no sistema mundo como fornecedora de algodão às industrias inglesas.

7A desconstrução desta imagem diversa implica na indicação de um outro Nordeste, marcado pela oligarquia do Sertão, que se estabelece graças à tomada do controle político regional, arrancando-o lenta e gradualmente das mãos da oligarquia do Nordeste da Cana de Açúcar (Zona da Mata) (OLIVEIRA, 1981). Tal passagem é possível apreender nas interpretações romanescas. Elas desenham uma realidade concreta cujos elementos permitem a constituição de um imaginário social a tornar compreensível os simbolismos representativos das relações entre os homens e dos homens com o meio, subjacentes, além das representações, aos discursos regionalistas. A citada caracterização resulta da extensão dos limites espaciais do Sertão ao do Nordeste inteiro (DANTAS, 2000), posto sertanejo (Habitante do Sertão) tornar-se sinônimo de Nordestino. Assim, a noção de pobreza vinculada à de semiaridez é generalizada a partir da delimitação do Polígono das Secas (curva das isoietas) pela lei nº 1348 (10/02/1951) (Figure 3).

Figure 3 – Polígono das Secas

Figure 3 – Polígono das Secas

Source: ANDRADE, Manuel Correia de (2006). Sertão ou Sertões. In: SILVA, J.B.; DANTAS, E.W.C. ; ZANELLA, M.E.; MEIRELES, A. J. A. Litoral e Sertão. Fortaleza: Expressão Gráfica.

8E a partir da premissa acima que a natureza, « fundamento geográfico da produção », adquire importância como base material da construção do imaginário sociopolítico e recurso ideológico favorável a certos atores (CASTRO, 1996). Nasce assim uma oligarquia agrária muito influente na escala regional e nacional, graças ao estabelecimento de acordos com outras elites regionais do Centro-Sul, inicialmente com a oligarquia e posteriormente com a burguesia industrial.

9A inserção pautada em discurso regionalista suscita o delineamento de um sistema socioespacial dependente das ajudas e subvenções do governo federal a permitirem: i. a construção de vias promotoras da integração do Sertão ao Mercado: as ferrovias e as estradas; ii. o estabelecimento de organismos públicos federais no Nordeste e sobretudo nas capitais: organismos públicos diversos (universidades, bancos públicos, especificamente o Banco do Nordeste do Brasil - BNB) e organismos públicos de planejamento (DNOCS e SUDENE) ; iii. a política de industrialização dos anos 1960.

10Nestes termos, a tônica da crítica passa a repousar nas crises climatéricas seguidas (Secas), consideradas responsáveis pelo desmonte da base de produção agropecuária e a justificar adesão das elites locais à política de industrialização do país e conforme orientações da SUDENE, associadas ao ideário do combate aos desequilíbrios regionais no país.

11Grosso modo, o desdobramento de tal política, apoiada em seus primórdios em subsídios públicos, suscitou resultados controversos. De um lado, não resta dúvida que sua consolidação implicou em nível de modernização sem precedentes na Região, com consequente ampliação da classe média e constituição de uma elite urbana associada não somente ao setor primário, mas também ao secundário e terciário. De outro lado, não conseguiu lidar com desafios apresentados, relativos aos desequilíbrios regionais e à resolução de problemas sociais.

12No primeiro domínio, dos desequilíbrios regionais, ainda se vislumbra concentração das indústrias, no século XXI, favorável a outras regiões do país e, paradoxalmente, a política implementada gerou outro nível de desequilíbrio e a denotar quadro de concentração das indústrias na Zona Costeira e, principalmente, nos núcleos urbanos de Salvador, Recife e Fortaleza e suas regiões metropolitanas (Figura 4).

Figura 4 – Distribuição de Empresas Industriais no Brasil

Figura 4 – Distribuição de Empresas Industriais no Brasil

Fonte: THERY; DE MELLO-THERY (2018).

13No segundo domínio, problemas sociais, considerando a série histórica de concentração de renda no grupo dos 1% mais rico do país, vislumbra-se aumento do volume de concentração da riqueza, a atingir os patamares mais elevados da curva histórica (MARRERO, 2015) (Gráfico 1).

Gráfico 1 –  Série histórica da concentração de renda nas mãos do 1% mais rico da população do Brasil (1925/2015)

Gráfico 1 –  Série histórica da concentração de renda nas mãos do 1% mais rico da população do Brasil (1925/2015)

Fonte: Marreiro (2015) - Adaptação do autor a partir de estudo feito por Pedro Ferreira de Souza, pesquisador do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e da UnB, com base na Receita Federal e órgãos predecessores, Ministério da Fazenda, IBGE e outros.

Sexta República

14Em virtude da falência do modelo de estado moderno no Brasil, na segunda metade dos anos 1980, as políticas públicas de planejamento indicadas anteriormente se mostraram inapropriadas. Com a reforma constitucional de 1989, o modelo centralizador e ditatorial de governo é substituído por modelo democrático reforçado em política de descentralização do poder.

15A reforma constitucional permite, de um lado, a transferência de recursos controlados pelo governo central para os estados e municípios e, de outro lado, a possibilidade de captação direta de recursos financeiros no estrangeiro. Estes dois aspectos são basilares na constituição de lógica na qual os estados brasileiros passam a estruturar e assegurar as políticas locais de desenvolvimento. Significa fim de modelo representativo de uma articulação dependente das escalas local e regional à escala nacional, na medida em que a reforma constitucional permitiu o estabelecimento de relações mais amplas, integrando a escala internacional e a permitir estabelecimento de parcerias dos governos locais/organismos regionais (notadamente o Banco do Nordeste) com os organismos internacionais de financiamento, principalmente o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

16Tal nível de inserção implica no abalo do imaginário da seca como tragédia e consubstancia novos espaços de produção, um espaço econômico, social e político fundado na agricultura irrigada e no turismo, a evidenciar novos atores regionais: i. segmento importante da elite política, notadamente os detentores de grande poder de assimilação e reprodução; ii. pequeno número de empreendedores privados e funcionários da administração pública (CASTRO, 1996).

17Os atores supracitados são agentes e depositários de novo discurso, veiculado no meio empresarial por revistas e jornais que exploram: aspectos ligados às possibilidades oferecidas pelo Nordeste aos investimentos privados, tanto seus recursos naturais como sua localização (proximidade) em relação ao mercado internacional. Nestes termos, indica discurso de caráter técnico associado ao semiárido e a versar sobre: a) a ausência de chuvas e as taxas de insolação elevadas como dado importante e positivo no desenvolvimento da agricultura irrigada; b) a paisagem litorânea e o clima como importantes mercadorias turísticas.

18Da imagem de região habitada por miseráveis converge-se à de uma região rica em oportunidades e a dispor de uma natureza excepcional, totalmente adaptada a uma demanda internacional de alimentos (grão nobres e frutos tropicais) e de ambiências turísticas nas praias, restando algumas questões a resolver: acesso à água e construção e reforço da infraestrutura de transporte terrestre e aéreo.

19Do posto vislumbra-se uma fragmentação da região, convergindo dos gêneros de vida representativos das relações entre os homens e destes com seu meio a políticas de desenvolvimento econômico [Silva, 1999], responsável da constituição de um Nordeste do Agronegpócio e de um outro do Turismo, o primeiro assentado nas zonas de várzea, nos platôs e cerrado e o segundo na zona costeira. (Figure 5).

Figure 5 – Fragmentação do Nordeste

Figure 5 – Fragmentação do Nordeste

Nordeste do Agronegócio

20A produção de grãos nobres e de frutas se encontra em crescimento no Nordeste, reforçando especialização da região em produtos valorizados no mercado internacional. A partir de financiamentos gerenciados pelo Banco do Nordeste do Brasil (BNB), dez polos são criados no Nordeste (cf. la Figure 6). Nestes termos, a região retoma sua posição como produtora de alimentos na escala internacional, especificamente grãos (soja) e frutas tropicias (abacaxi, banana, côco, goiaba, limão, mamão, manga, melancia, melão e uva).

21O desdobramento desta racionalidade é indicado em documento do Plano Nacional de Ordenamento Territorial do Ministério da Integração Regional (PNOT, 2006): i. a denotar forte presença da soja na região e a justificar mudança de lógica de produção de grãos, na qual o citado produto ocupa 74,3% da superfície cultivada e assegura 2/3 da produção de grãos nos polos; ii. a caracterizar os polos de irrigação como produtores de frutos, existindo dentre eles polos de produção mista, como registrado nos polos 3, 4 e 6; iii. a explicitar destinação, sobretudo, à exportação, permanecendo uma parte da produção no mercado local.

22Os desdobramentos no nível de ordenamento do território tem forte incidência no redimensionamento da estrutura urbana no campo, em processo de urbanização a favorecer fortalecimento das cidades médias (concentradoras de volume de serviços e bens necessários à pujante economia do agronegócio), bem como intensa e precária urbanização de pequenos núcleos urbanos, a concentrar contingente populacional no entorno das áreas de produção (ELIAS, 2006).

O Nordeste do Turismo

23No final dos anos 1980, a atividade turística recebe especial atenção nas políticas de desenvolvimento adotadas pelos estados nordestinos, destoando do quadro de ordenamento do espaço preexistente.

24A espacialização dos investimentos nos programas de desenvolvimento do turismo (PRODETUR I e PRODETUR II) nos levam a compreender a essência das políticas públicas. Voltados à disponibilização de infraestrutura, é implementada uma racionalidade diferenciada da anterior e que convidava o sertão a se abrir. À lógica anterior, se estabelece uma logística pautada no aeroporto e articulada às vias litorâneas, instituindo uma racionalidade de ocupação paralela à zona costeira. Os investimentos na construção de vias litorâneas e de aeroportos, inclusive reformas, modifica plenamente a dinâmica urbana da região. Nela as capitais se instituem como lócus de recepção e de distribuição dos fluxos turístico na zona costeira e de preferência nos municípios litorâneos das principais regiões metropolitanas do Nordeste: Fortaleza, Natal, Recife e Salvador (DANTAS, 2013).

25Do apresentado, vislumbra-se tônica de modernização das metrópoles nordestinas e respectivas regiões metropolitanas, pautada em padrão de urbanização dispersa, marcada pela: i) linearidade - ditada por dinâmica a acompanhar paralelamente a zona costeira, e com largura ínfima; ii) fragmentação - representativa de uma urbanização não contínua e, consequentemente, focada em algumas parcelas do território metropolitano; iii) sazonalidade – derivada da natureza da atividade turística, focada na alta estação, e a suscitar uma problemática em relação à qual a instituição da vilegiatura marítima e dos esportes náuticos e aquáticos é vislumbrada como complementar (DANTAS, 2013).

26As políticas de desenvolvimento indicadas acima forma, grosso modo, implementadas no governo de Fernando Henrique Cardoso (FHC), do PSDB, no período de 1995 a 2003, aproveitando-se de reformas econômicas, políticas e administrativas delineadas, principalmente, pelos governantes do PMDB: José Sarney (1985 a 1989) com a reforma da constituição e Itamar Franco (1992 a 1995) com o Plano Real, respectivamente ações de caráter político/administrativo e econômico).

27Impossível questionar o quanto ao Nordeste foi acrescentada uma imagem positiva, derivada da capacidade das elites locais estabelecerem alianças no sentido de modernizar seus estados. O regionalismo é assim fragilizado e a temática da gestão, capacidade organizacional dos estados locais, ocupa espaço principal no cenário político e a denotar conjunto de estados dinâmicos em contraponto a estados a vivenciarem problemas de ordem diversas, a impedir honrar seus compromissos em relação aos organismos internacionais e ao estado central.

28Entretanto, a tônica imposta dispôs de um viés conservador, a não lidar devidamente com os problemas sociais existentes. Não por acaso acompanhamos a persistência de temas clássicos na agenda política nacional, como o da fome, a justificar slogan do primeiro governo do PT (Lula) (2002-2010), e o da participação política da sociedade civil organizada no governo.

29No primeiro domínio, de combate à fome, se justifica implementação de conjunto de programas, com destaque ao Bolsa-Família (2004), carro-chefe dos programas sociais, criado com reformulação e fusão de programas já existentes e a beneficiar famílias em situação de pobreza; ii. Programa Cisternas, política de acesso à água, principalmente, à população do campo. No relativo ao primeiro programa, Thery e Mello-Thery (2012) são enfáticos ao externalizar importância do mesmo em relação às demais regiões do país, “atingindo entre 150 e 260 beneficiários em cada mil habitantes” (Figura 6). Quanto ao segundo e vis-à-vis a existência de índices elevados de insegurança hídrica a afetarem as populações menos abastadas no semiárido, foram entregues mais de 1 milhão de tecnologias sociais de acesso à água, sendo 877 mil cisternas de placas para o consumo humano, 143 mil para a produção de alimentos e 4 mil cisternas escolares.

Figura 6 – Beneficiários da Bolsa Família

Figura 6 – Beneficiários da Bolsa Família

Fonte: THERY; DE MELLO-THERY (2018).

30Concomitantemente, as políticas de modernização no domínio da infraestrutura hídrica, viária e aeroportuária associada direta e indiretamente ao domínio do agronegócio e do turismo, foram continuadas: i. Programa de Aceleração do Crescimento; ii. Transposição do Rio São Francisco; iii. TransNordestina, projeto de infraestrutura ferroviária.

31No segundo domínio, da participação política da sociedade civil organizada no poder, o governou focou em política de reforço do judiciário e das instâncias de representação popular no governo. No país fica evidente o processo de fortalecimento do judiciário, ênfase dada ao Ministério Público, e instituição de lógica de composição dos Conselhos de Instituições e Organismos Públicos com membros da sociedade civil organizada.

32Entretanto, as ações não se fizeram sentir como esperado. De um lado a temática da fome ainda permanece na ordem do dia, mesmo considerando maior amplitude dada as políticas sociais no governo do PT (Lula e Dilma Roussef). De outro lado, o fortalecimento do judiciário e a mudança de orientações políticas em relação à participação popular convergem ao trato de problemas estruturais persistentes no país: corrupção na “máquina pública” e priorização dos interesses econômicos em relação aos da sociedade.

33A construção do Nordeste do Agronegócio e do Turismo (sobretudo no domínio socioeconômico), bem como as ajudas direcionadas aos menos abastados, não possibilitaram eliminação da fome na região.

34O Nordeste ainda é a região mais afetada, com os dados de segurança alimentar mais baixos do país. A região permanece ainda na última posição (Gráfico 1), se considerarmos os dados de 2004 (à esquerda) e 2013 (à direita) com nível de segurança alimentar de 46,4% (2004) e 58,1% (2013).

Source: IBGE: Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílio – PNAD, 2004 et 2013.

35Com o judiciário (autônomo) fortalecido, práticas de corrupção a envolver inúmeros partidos políticos e figuras públicas são investigadas e atingem até o PT, com desdobramentos impensados à época: impeachment de Dilma Rousseff, aprisionamento de Lula após julgamento em segunda instância. Vivencia-se, nestes termos, uma crise política cujos desdobramentos culminaram na fragilização de partidos consolidados no país: de um lado, PMDB, PSDB e DEM (com menor representatividade no Congresso e Senado após a eleição de 2018 e se comparada à eleição anterior) e, de outro, o PT (a não eleger candidato à presidência da república, perdendo assim para o PSL, partido pelo qual Jair Bolsonaro concorreu e a dispor, hoje, da segunda maior bancada do Congresso).

36O inusitado neste domínio é que independente da minimização dos discursos regionalistas vigentes no Nordeste e vis-à-vis a região fragmentada a se conformar no fortalecimento dos estados locais, a leitura da mídia nacional, reforçada por bom número de especialistas e políticos, retoma a ideia do Nordeste homogêneo e, no caso em foco, último baluarte do PT, isto mesmo face a existência de um comportamento médio de votação a externalizar também comportamento destoante do universo dicotômico (PT-PSL) apresentado e a indicar uma terceira via, a do candidato do PDT, Ciro Gomes (ex-governador do Ceará).

Figura 8 – Eleições 2018, 1º Turno

Figura 8 – Eleições 2018, 1º Turno

Fonte: GAZETA DO POVO, 2018.

37Embora a participação da sociedade civil organizada nos conselhos consultivos e deliberativos tenha impactado enormemente na cultura das instituições publicas brasileiras, lhes dando uma nova dinâmica, a referida se deparou com grandes dificuldades em fazer valer seus interesses em detrimento dos de magnitude econômica.

38É possível vislumbrar a questão acima no concernente à Questão Ambiental e independente dos avanços registrados, se comparado a um passado relativamente recente. Na ação dos governos dos estados locais há, predominantemente, uma adesão quase cega à dimensão econômica, tornando difícil o atingimento de metas ambientalistas de redução do carbono, a título de exemplo. No estado ainda se apresenta possibilidade de atuação pelas vias judiciárias e a contar com a parceria do Ministério Público. Nas próprias comunidades tradicionais a luta se torna cada vez mais difícil e posto em seu interior existirem indivíduos seduzidos pelo ideário das políticas de modernização voltadas a seus territórios tradicionais.

39Paradoxalmente, vislumbramos a convivência de uma prática do passado (ambientalmente incorreta) com lógica contemporânea de valoração das questões ambientais no cenário nacional e a coadunar com o internacional. De uma região, dada sua densidade histórica, afetada por processo intenso de degradação do semiárido com práticas agropastoris, vislumbra-se sua ampliação aos cerrados (adquirindo proporções similares aos fronts de modernização da agricultura em escala nacional) e, em movimento ímpar, às zonas de praia.

40Na última zona, a deixar marcas na paisagem litorânea da região metropolitana, representa processo cujas proporções evidenciam problemática social e ambiental sem precedentes na região, com reforço de fenômeno de expulsão das populações tradicionais (CAVALCANTE, 2012), do desmonte de dunas, aterro de rios e lagoas (a culminar intensificação do processo erosivo e a ameaçar o patrimônio construído) (MEIRELES, 2011; CARVALHO; MEIRELES, 2008). 

Considerações Finais

41No recorte temporal aqui evidenciado, vislumbra-se claramente como as mudanças políticas, econômicas e sociais pelas quais passou a região não suscitou suplantação plena das imagens negativas do Nordeste. Grosso modo é ela que permeia (ainda) uma primeira aproximação dos desavisados (principalmente de boa parte dos políticos). Difícil ainda para os mesmos o vislumbre do Nordeste fragmentado e virtual, explicado, em parte, por se constituir em uma construção relativamente recente.

42Face ao concebido e construído no Nordeste fragmentado, principalmente pelos governantes do PSDB e do PT, lamentavelmente ainda é frequente o apego dos representantes do governo atual (Jair Bolsonaro do PSL) à máxima da “Região Problema”.

43Governo eleito em substrato de um partido novo e cuja política pública a implementar é, no mínimo, desconhecida, vislumbra-se ações voltadas a questões consideradas chaves e em relação às quais idealizam atuar, especificamente a Reforma da Previdência e o Combate à Corrupção. As demais questões, dentre elas a “Questão Nordeste”, somente podemos vislumbrar a partir de alguns pronunciamentos a enfatizarem a problemática da água, fazendo apelo à necessidade de importação de tecnologias de Israel.

44Retomam um conceito obstáculo do passado, da semiaridez, sem a consequente preocupação em dar continuidade, aprimorar ou redimensionar as ações adotadas em um passado relativamente recente. Aparentemente não percebem o quanto as políticas públicas adotada na Sexta República mudaram o cenário da região. A integração das Bacias Hidrográficas (na escala dos estados e apontamento da regional) e ações no micro (como a política de construção de cisternas) transformaram a região. Ela consolidou-se como produtora de alimentos e as populações do campo e das cidades (principalmente suas metrópoles) não são mais tão duramente afetadas, como no passado, pelas secas. O problema deixou de ser a existência de água e atualmente se volta à do consumo, em relação à quem se destina, com prioridade dada aos habitantes das grandes cidades em detrimento das média e pequenas, e aos empreendedores do agronegócio, vis-à-vis a agricultura familiar.

45O viés reformista do atual governo, conectado com padrão estabelecido em vários países na escala mundial, impossibilita vislumbrar o como, no tempo: i. a tônica de concentração de renda no país impõe pensar em ações paliativas direcionadas às populações menos abastadas; ii. a estruturação de conselhos consultivos e deliberativos impactaram na cultura política do país e permitiram a retomada de discussões balizadas, focadas em temas diversos e segundo interesses múltiplos e, obviamente representativo de um Nordeste diverso.

Haut de page

Bibliographie

ALMEIDA, M. G. de. Turismo no Ceará. Caderno Norte Rio-Grandense de Temas Geográficos, v. 8, n° 1, 1994.

ANDRADE, M. C. de (1986). A Terra e o Homem no Nordeste. Editora Atlas. [1ere édition : 1963]. 

ANDRADE, M. C. de (2006). Sertão ou Sertões. In: SILVA, J.B.; DANTAS, E.W.C. ; ZANELLA, M.E.; MEIRELES, A. J. A. Litoral e Sertão. Fortaleza: Expressão Gráfica.

CARVALHO, R. G., de; MEIRELES, A. J. A. (2008). Dinâmica ambiental como critério para o zonemaneto do litoral leste de Fortaleza/CE. Mercator, v. 14, p. 167-178.

CASTRO, I. E. de (1992). O mito da necessidade. Rio de Janeiro : Ed. Bertrand Brasil.

CASTRO, I. E. de (1997). Imaginário político e território. In : Castro, I. E. de et al (sous la direction de). Explorações geográficas. Rio de Janeiro : Bertrand Brasil.

CASTRO, I. E. de (1996), Seca versus seca, novos interesses, novos territórios, novos discursos no Nordeste. In: Castro, I.E. de et al (sous la direction de), Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

CAVALCANTE, E. O. de (2012). Modernização seletiva do litoral. 2012. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Ceará. Fortaleza.

CAZES, G. (1999). Les littoraux en proie au tourisme, Hérodote, n° 93.

CORREIA DANTAS, E. W. (2008) Les mutations du Nordeste du Brésil, Hérodote 4, n° 131, p. 137-155.

CUNHA, E. da (1983). Os Sertões, vol. I et vol. II. Porto : Lello & Irmão – Editores. [1ère édition, 1902].

DANTAS, E. W. C. (2016) Coastal Geography in Northeast Brazil. Springer.

DANTAS, E. W. C. (2013). Metropolização Turística em Região Monocultora Industrializada, Mercator, v. 12, Número Especial, p. 65 - 84.

DANTAS, E. W. C. (2000). Fortaleza et le Ceará. Essai de géopolitique d’um espace de colonisation tardive. Paris: Tese de Doctorat, Paris IV – Sorbonne.

ELIAS, D. (2006). Pensando os espacos agrícolas luminosos do Nordeste brasileiro. In: Elias, D.; Pequeno, R. (Org.). Difusão do agronegócio e novas dinâmicas socioespaciais. Fortaleza: BNB, p. 9-18.

FREYRE, G. (1998). Casa-Grande e Senzala. Rio de Janeiro: Editora Record. [1ere édition : 1933]. 

GAZETA DO POVO (2018), Eleições 2018. https://especiais.gazetadopovo.com.br/eleicoes/2018/resultados/resultados-eleicoes-presidenciais-desde-1989/. Acesso 01/02/2019.

IBGE (2013). Atlas Geográfico Escolar. Rio de Janeiro: IBGE. https://atlasescolar.ibge.gov.br/images/atlas/mapas_brasil/brasil_distribuicao_industrias.pdf

KALAORA, M. (2011) Variations Littorales. Administration, n.230, p.24-32

MARREIRO, F. Série inédita brasileira mostra salto da desigualdade no começo da ditadura. In: El País, 04/11/2015. https://brasil.elpais.com/brasil/2015/10/29/economia/1446146892_377075.html

Ministério da Integração Nacional. Documento base para a definição da Política Nacional de Ordenamento Territorial - PNOT (Versão preliminar), 2006. http://www.fau.usp.br/docentes/depprojeto/c_deak/CD/5bd/2br/3plans/2006pnot/PNOT-v-preliminar.pdf

MEIRELES, A. J. A.(2011). Danos socioambientais originados pelas usinas eólicas nos campos de dunas do Nordeste brasileiro e critérios para definição de alternativas locacionais. Confins (Paris), v. 11, p. 1-23.

MENEZES, D. (1995). O Outro Nordeste. Fortaleza : UFC. [1ere édition : 1937].

OLIVEIRA, F. de (1981). Elegia Para uma Re(li)gião. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

RAMOS, G. Vidas secas, Col. Ib 331 [1ère édition, 1938].

SILVA J. B. da (1999), Pelo retorno da região: desenvolvimento e movimentos sociais no Nordeste contemporâneo. In: EGLER, C., CASTRO, I. E., MIRANDA, M. (dir). Redescobrindo o Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

THÉRY, Hervé e DE MELLO-THÉRY Neli Aparecida de Mello-Théry, Atlas do Brasil, Disparidades e dinâmicas do território, Edições da Universidade de São Paulo EDUSP, São Paulo 3é ed. 2018

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Esboços de regionalização do país no século XX
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21089/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Figura 2 – Regiões geográficas do Nordeste brasileiro
Crédits Fonte: Adaptado de Andrade (1964 apud DANTAS, 2000).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21089/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figure 3 – Polígono das Secas
Crédits Source: ANDRADE, Manuel Correia de (2006). Sertão ou Sertões. In: SILVA, J.B.; DANTAS, E.W.C. ; ZANELLA, M.E.; MEIRELES, A. J. A. Litoral e Sertão. Fortaleza: Expressão Gráfica.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21089/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Figura 4 – Distribuição de Empresas Industriais no Brasil
Crédits Fonte: THERY; DE MELLO-THERY (2018).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21089/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 736k
Titre Gráfico 1 –  Série histórica da concentração de renda nas mãos do 1% mais rico da população do Brasil (1925/2015)
Crédits Fonte: Marreiro (2015) - Adaptação do autor a partir de estudo feito por Pedro Ferreira de Souza, pesquisador do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e da UnB, com base na Receita Federal e órgãos predecessores, Ministério da Fazenda, IBGE e outros.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21089/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Figure 5 – Fragmentação do Nordeste
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21089/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Figura 6 – Beneficiários da Bolsa Família
Crédits Fonte: THERY; DE MELLO-THERY (2018).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21089/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 1,6M
Crédits Source: IBGE: Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílio – PNAD, 2004 et 2013.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21089/img-8.png
Fichier image/png, 16k
Titre Figura 8 – Eleições 2018, 1º Turno
Crédits Fonte: GAZETA DO POVO, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21089/img-9.png
Fichier image/png, 95k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Eustógio Wanderley Correia Dantas, « O Nordeste desconstruído ou reconstruído? », Confins [En ligne], 501 | 2019, mis en ligne le 08 septembre 2019, consulté le 22 octobre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/21089 ; DOI : 10.4000/confins.21089

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals