Navigation – Plan du site
Crónica de campo

O incêndio de Notre-Dame de Paris

L'incendie de Notre Dame de Paris
The fire of Notre Dame de Paris
Mônica Raisa Schpun

Texte intégral

1Foi por acaso, em um final de dia quente e ensolarado, que assisti de perto ao incêndio da Catedral Notre-Dame de Paris. Por volta das 18h, naquela segunda-feira 15 de abril, passando a pé pelas proximidades, ao voltar do trabalho, deparei-me com grupos de pessoas que, nas esquinas do boulevard Saint-Germain, na altura de Maubert-Mutualité, olhavam na mesma direção, com seus telefones alçados, fotografando. Girando meu olhar no mesmo sentido, vislumbrei a fumaça branca que se elevava. Pelo número de curiosos que seguiam a cena, e pela espessura e altura alcançadas pela fumaça, percebi logo que se tratava de algo singular.

2Bifurquei então, atravessando o boulevard e seguindo pela estreita Rua Frédéric Sauton, até desembocar no Quai de Montebello. Quanto mais me aproximava, mais gente via, concentrando-se no local. O fogo começara pouco antes, como pude confirmar mais tarde, ao ouvir os noticiários no rádio e ao ler a imprensa. Naquele momento, porém, fui absorvida pela visão hipnótica e extremamente envolvente do fogo que ardia.

3Coloquei-me em uma posição geográfica “privilegiada”, apoiando-me em um stand de bouquiniste fechado, nas margens do Sena, e ali fiquei durante mais de duas horas, sem perceber a passagem do tempo. A polícia só veio nos desalojar muito depois, ao cercar um perímetro de segurança. Como para tantos outros, meu reflexo imediato foi o de registrar um evento claramente marcante, pela sua dramaticidade e singularidade, com os meios de que dispunha: meu celular. Tal reflexo tem um fundo ingênuo, pois as imagens produzidas com câmeras mais potentes, que invadiram imediatamente a mídia do mundo todo, tornavam irrisórias as inúmeras fotografias amadoras que pude fazer. Mesmo assim, eu as mostrei em primeira mão aos familiares, mais tarde, pois testemunhavam não somente do que eu vira, mas do próprio fato de que eu vira.

4Contudo, não vira sozinha, mas com a multidão que se aglutinou progressivamente na região, como pude verificar ao longo daquelas horas, e também depois, ao me afastar, já descolada da imagem das chamas. Todos aqueles que, como eu – ainda que nem sempre tão “bem localizados” –, viram o incêndio acontecer compunham, porém, uma extrema minoria dentre os demais, imensamente mais numerosos, que tiveram acesso, no mundo inteiro, às imagens produzidas e difundidas aos quatro cantos do planeta.

5Poucos dias depois, extraí as fotografias de meu celular e as guardei em um arquivo que talvez nunca mais consultasse. Até que as mostrei a Hervé Théry, interessado pelo fenômeno dos dois incêndios próximos no tempo, do Museu Nacional brasileiro e de Notre-Dame de Paris. O primeiro, enfrentando enormes dificuldades para ser reconstruído; a segunda, tendo sido alvo de doações milionárias em poucas horas. Hervé copiou minhas imagens, fez uma seleção e decidiu publicá-las. Essa utilidade e difusão inesperadas foram acompanhadas pela encomenda de um curto testemunho, também inesperado.

6Hervé me disse, então, que meu texto entraria numa sessão da revista que permite um tom mais “pessoal”, que assumo aqui. E, também, que eu deveria escrever em português: “les impressions d’une Brésilienne face à cette perte qui n’est pas que française”.

7Termino, então, esse breve testemunho, por um terceiro aspecto inesperado dessa dramática aventura. De fato, a encomenda provoca: tendo vivido mais da metade da minha vida na França, para onde imigrei há 30 anos, tendo aqui criado meus dois filhos, já adultos, voltei a ser “brasileira” diante do incêndio de Notre-Dame. Será que os olhos que testemunharam de tão perto a catedral ser devorada pelas chamas naquele dia eram “brasileiros”? É verdade que um dos privilégios de um imigrante é o de poder olhar o mundo com uma certa distância, por pertencer a mais de um espaço, por multiplicar suas pertenças ao longo dos deslocamentos. Porém, no caso do incêndio de Notre-Dame, dominou sem sombra de dúvidas a empatia. Empatia de todos, como disse Hervé (“cette perte qui n’est pas que française”), empatia minha, em particular, não obrigatoriamente enquanto francesa, que sou, mas enquanto parisiense. Arrisco, assim, dizer que, para além do drama evidente, do patrimônio consumido, contou, naquele momento, a experiência de um evento urbano de monta, compartilhado com não poucos, em primeira mão, na minha cidade de eleição.

© Mônica Raisa Schpun 2019

© Mônica Raisa Schpun 2019

© Mônica Raisa Schpun 2019

© Mônica Raisa Schpun 2019

© Mônica Raisa Schpun 2019

© Mônica Raisa Schpun 2019

Haut de page

Table des illustrations

Crédits © Mônica Raisa Schpun 2019
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21248/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 3,6M
Crédits © Mônica Raisa Schpun 2019
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21248/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 2,9M
Crédits © Mônica Raisa Schpun 2019
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21248/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 4,2M
Crédits © Mônica Raisa Schpun 2019
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21248/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 2,0M
Crédits © Mônica Raisa Schpun 2019
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21248/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 3,4M
Crédits © Mônica Raisa Schpun 2019
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21248/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 10M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Mônica Raisa Schpun, « O incêndio de Notre-Dame de Paris », Confins [En ligne], 41 | 2019, mis en ligne le 09 septembre 2019, consulté le 17 janvier 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/21248 ; DOI : 10.4000/confins.21248

Haut de page

Auteur

Mônica Raisa Schpun

EHESS, directrice éditoriale de Brésil(s). Sciences humaines et sociales, moschpun@ehess.fr

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals