Navigation – Plan du site
Resenhas

Paisagens evanescentes da Amazônia

Paysages évanescents d'Amazonie
Evanescent landscapes of the Amazon
Confins
Référence(s) :

Paisagens evanescentes: estudos sobre a percepção das transformações nas paisagens pelos moradores dos rios Amazônicos , Émilie Stoll, Edna Alencar, Ricardo Folhes e Chantal Medaets.], (orgs.).-Belém, NAEA, 2019. ISBN 978-85-7143-183-6 (impresso), ISBN 978-85-7143-182-9 (e-book).

Texte intégral

1Reproduzimos abaixo trechos da introdução de Emilie Stoll, Edna Alencar, Ricardo Folhes e Chantal Medaets “Etnografar as "paisagens evanescentes" da Amazônia” e algumas das ilustrações do livro.

  • 1 Nessas regiões, os termos “caboclo”, “campesinato histórico” e “populações tradicionais” têm sido, (...)
  • 2 Apoio financeiro ODYSSEA Project, Unité Mixte de Recherche Patrimoines Locaux, Environnement et Glo (...)
  • 3 Termo usado para se referir às pesquisas que tomavam como universo de estudo pequenas cidades ou vi (...)

2Na segunda metade do século XX, grupos sociais que habitam as áreas rurais da Amazônia brasileira, especificamente aqueles situados às margens de rios e lagos, têm sido objeto de estudos que deixam evidentes os desafios de classifica-los a partir de conceitos estabelecidos, como o conceito de camponês e a variante “campesinato tradicional da Amazônia ribeirinha”, forjados no intuito de distingui-los de grupos de migração recente [...]1. Categorias analíticas como “caboclo” e “ribeirinho” também são utilizadas numa tentativa de estabelecer uma classificação dessas populações diante da diversidade de formas de organização social e interação com o ambiente e as paisagens. Nos diferentes estudos, grande ênfase é dada às características do ambiente, especialmente às várzeas e áreas ribeirinhas, como um fator para compreender as particularidades do modo de vida que ali se desenvolve [...] Esses trabalhos2 ampliaram os temas e métodos de abordagem desenvolvidos nas pesquisas pioneiras sobre populações estabelecidas nas proximidades dos rios da Amazônia realizadas por Charles Wagley (1977) e Eduardo Galvão (1976), que se situam, no campo da antropologia brasileira, nos “estudos de comunidade”3.

Figura 1 Localização dos estudos de caso de Alencar, Harris e Valentin.

Realização: Laurence Billault (IRD)

3Estudos mais recentes, desenvolvidos nos anos 1980-1990, tomaram a forma de reflexões temáticas sobre, por exemplo, a vida material e a economia doméstica [...] os cultos urbanos de possessão [...], a pajelança cabocla e suas entidades [...].

4No final dos anos 1990 e início dos anos 2000, alguns autores ampliaram as abordagens desses trabalhos ao apresentar análises bastante originais sobre processos de transformação das paisagens alagáveis da Amazônia (em áreas de várzea, beiradões, zonas estuarinas e costeiras) e sua relação com as identidades e práticas dos seus habitantes. Apontamos três autores cujos estudos consideramos particularmente instigantes: a brasileira Edna Alencar, o britânico Mark Harris e o francês Thierry Valentin, que mostraram a importância de se considerar as características dos ambientes e os modos de habitar e agir nas e com as paisagens para compreender a maneira como os habitantes constroem suas representações de mundo. Esses três autores realizaram pesquisa de campo na Amazônia brasileira nos anos 1990 e defenderam ou publicaram suas teses no início dos anos 2000. [...] Consideramos esses trabalhos como obras pioneiras, que analisaram a relação homem-paisagem na Amazônia num período em que a necessidade de questionar e qualificar a dicotomia sociedade-natureza torna-se central para a antropologia, como veremos adiante. Gostaríamos, portanto, neste livro, de dar destaque às pesquisas de Alencar, Harris e Valentin, considerando-as como um conjunto em que se pode observar, até certo ponto, uma coerência metodológica e conceitual. Faremos isso trazendo textos de dois desses autores, assim como a contribuição de outros pesquisadores que, baseados em estudos etnográficos, analisam a relação homem-paisagem na Amazônia, pensando seus termos como sendo coconstitutivos. Há, de fato, estudos desenvolvidos por uma nova geração de antropólogos [...] que integraram contribuições desses autores [...]. Assim, os textos dessa coletânea pretendem responder às seguintes perguntas: como os moradores das margens dos rios amazônicos percebem as transformações em suas paisagens? Num contexto de globalização e de ampla circulação de ideias, artefatos e pessoas, quais são os agentes percebidos como responsáveis por essas transformações? De que maneira o estudo das relações entre os coletivos (humanos, não humanos) e as paisagens nos permite apreender aspectos da socialidade na Amazônia?

Três estudos pioneiros da interação entre paisagens e identidade na Amazônia

5[...] Harris mostrou como a temporalidade (cíclica) que caracteriza a várzea do Parú influencia as relações sociais, e como esse modo de viver, tão marcado pela água, contribui para fabricar uma paisagem social e de trabalho particular (as comunidades de casas de palafitas, as plantações de ciclo curto, a criação de gado, a vida social contraída da estação chuvosa, etc.). A vida social sofre variações ao longo do ano, e, segundo Harris, há mais restrições de mobilidade na estação chuvosa, e maior mobilidade na estação da seca. Porém, o autor não trata o ambiente como um fator que determina totalmente a vida dos moradores dessa região, como se eles apenas “se adaptassem” a essa paisagem particular. Trata-se, como Harris explicita no texto que traduzimos para esta coletânea, de centrar a análise nas interações entre, de um lado, as pessoas, suas escolhas e hábitos, e de outro as paisagens em constante transformação. Com esse enfoque nas interações, Harris se distancia de uma literatura que apresentava as populações caboclas como o produto da adaptação dos homens a pressões externas, principalmente econômicas (demanda do mercado) e ecológicas (a Amazônia, um meio ambiente hostil).

Figura 2 Pontas ao redor do Lago de Arimum no rio Arapiuns

Figura 2 Pontas ao redor do Lago de Arimum no rio Arapiuns

Fotografia: Erik Jennings

  • 4 Na época, a autora integrava um projeto que tinha como objetivo conhecer o processo de ocupação hum (...)

6Em 1994, Thierry Valentin também esteve na região de Óbidos, antes de escolher fazer sua pesquisa de doutorado, entre 1999 e 2000, em comunidades costeiras da zona Bragantina, no litoral atlântico do estado do Pará, não muito longe do estuário do rio Amazonas. [...] Rio acima, Edna Alencar desenvolveu estudos em 1993 na região da várzea do médio Solimões4, com o objetivo de conhecer o processo de formação dos povoados e, com isso, ter acesso ao modo como as pessoas interagiam com o ambiente ao escolher os lugares para construir suas casas, roças etc. [...]. Essa autora foca seu olhar principalmente na convivência dos habitantes do povoado de São João, município de Uarini, Amazonas, com o fenômeno das terras caídas. [...] Harris, Valentin e Alencar descrevem a interação entre os humanos e o meio ambiente para ancorar suas etnografias. Esses trabalhos não se restringem apenas a um determinado contexto regional, pois se inscrevem em debates científicos mais amplos num período em que se consolidam as reflexões sobre as interações entre sociedades e o meio ambiente[...].

Novas pesquisas, novas trilhas para o estudo das paisagens “evanescentes”

7Os trabalhos de Alencar, Harris e Valentin abriram pistas que vêm sendo exploradas e prolongadas em trabalhos mais recentes. Com essa coletânea, quisemos dar visibilidade a esses trabalhos iniciais, retomando seus temas e convidando autores que trabalham nos mesmos lugares. Nesse sentido, o primeiro capítulo é uma versão revisitada e ampliada da tradução de um artigo de Mark Harris, inicialmente publicado em 1998 no The Journal of the Royal Anthropological Institute. Este artigo representou um marco fundamental para aqueles que se interessam sobre o tema; nele, o autor explicita a relação entre sazonalidade e socialidade, [...].

8Em seguida, a coletânea dá um passo à frente ao perguntar: como os habitantes da Amazônia dos rios percebem a evanescência constituinte do seu ambiente? Num mundo mais e mais globalizado, quais são os agentes, novos e antigos, da transformação das paisagens? Como a percepção da evanescência da paisagem está integrada nos discursos políticos dos grupos estudados, e como dialoga com o direito fundiário dessas populações? A coletânea propõe então, depois do capítulo inicial, dois textos sobre trajetórias e circulações de pessoas, roças e animais que respondem às mudanças sazonais e às transformações fortuitas das paisagens de várzea.

9No segundo capítulo, Edna Alencar revisita a região onde fez a pesquisa de sua tese de doutorado, na RDS Mamirauá (médio Solimões, estado do Amazonas) e relata a história da comunidade de São Francisco de Boia. Como é muito comum na região, as famílias desse povoado tiveram que se mudar várias vezes e reconstruir suas casas e roças à medida que o fenômeno de erosão – as terras caídas – avançava, destruindo os terrenos dos lugares habitados. Diante dessa situação, muitas famílias resolveram construir casas flutuantes, em substituição às casas em palafitas. Graças a elas, os habitantes podem permanecer em determinados lugares com os quais têm um vínculo forte. A autora mostra que as paisagens continuam vivas nas memórias das pessoas, mesmo quando não existem mais fisicamente. O fenômeno das terras caídas incita também as pessoas a ler constantemente e com grande atenção seu ambiente, buscando indícios que permitam antecipar uma transformação futura da paisagem, como a observação da evolução de uma praia ao longo dos anos e, dessa forma, poder agir estrategicamente e antecipar suas ações às ações do ambiente.

10No capítulo três, Ricardo Folhes descreve a prática de transumância do gado e dos moradores da região do Lago Grande de Curuai (município de Santarém, região do Baixo Amazonas). Buscando tirar proveito dos dois ecossistemas a que têm acesso, a várzea com suas terras férteis, mas alagáveis, e a terra firme que acolhe os animais durante a cheia, os moradores organizam o transporte do gado e outros animais menores de criação para terrenos situados em um ou outro ambiente, de acordo com o nível das águas. Distanciando-se de uma compreensão que reduz essa mobilidade sazonal a uma simples adaptação a padrões ecológicos e climáticos, Folhes mostra que levar em conta as relações de poder econômico e político entre os moradores é fundamental para entender a configuração atual do uso dos terrenos nos dois ecossistemas.

Figura 3 Valdenilson no igarapé

Figura 3 Valdenilson no igarapé

Fotografia: Débora Flor

11Os dois capítulos seguintes exploram o vínculo que os moradores constroem com o lugar em que habitam, através das interações entre humanos e não humanos, estes últimos sendo considerados os donos desses mesmos lugares. As autoras levam também em conta, em suas análises, o contexto político de reivindicação por um reconhecimento identitário, quilombola e indígena, respectivamente.

12No capítulo 4, Julia Sauma explora os meandros da história do povoamento do rio Erepecuru, um afluente do rio Trombetas (município de Oriximiná, estado do Pará, região do Baixo Amazonas), por populações quilombolas. O acesso à terra só se deu depois de uma transação com as cobras grandes encantadas donas daquele rio, que “abriram uma passagem para os negros fugidos se estabeleceram ali”. Até hoje, a permanência das famílias no lugar depende de um equilíbrio sutil entre as forças do corpo das pessoas, aquelas dos lugares onde moram e aquelas dos seres encantados que também residem ali. A paisagem é o reflexo da convivência harmoniosa entre os chamados filhos do Erepecuru, e entre estes e os encantados. [...].

13No capítulo 5, Émilie Stoll mostra como as interações malsucedidas entre as famílias que ocupam as margens do rio Arapiuns (último afluente do rio Tapajós, município de Santarém, estado do Pará, região do Baixo Amazonas) e os seres encantados que vivem no nível subaquático afetam as paisagens ribeirinhas. Para poder residir numa determinada ponta ou cabeceira, os humanos precisam negociar os termos de uma corresidência com os não humanos, já que estes últimos são considerados como os verdadeiros donos dos lugares. [...]

14O último conjunto de textos da coletânea trata das relações entre o rural e o urbano, num contexto marcado por mudanças rápidas nas paisagens do trabalho situadas nas periferias de duas metrópoles amazônicas. O capítulo 6 propõe uma reflexão de Edna Castro sobre as transformações, no decorrer do tempo, das paisagens da cidade ribeirinha Belém (capital do estado do Pará, no estuário do rio Amazonas) e das suas ilhas, à medida que chegam novos atores, novos empreendimentos vinculados ao mercado global e num contexto de urbanização crescente. A partir da reflexão crítica da teoria do desenvolvimento, a autora examina as relações rural-urbano e as contribuições de diferentes grupos sociais no processo de transformação das paisagens. As paisagens aparecem então como catalisadoras de diversas experiências culturais, políticas e sociais que se entrechocam.

15No capítulo 7, Véronique Isabelle e Flavio Silveira de Abreu propõem uma etnografia poética das paisagens de lama nas quais vivem as populações ribeirinhas de uma ilha do entorno da cidade de Belém, no estuário do rio Amazonas. [...].

Figura 4 Prática da pesca de gapuia com Madalena, Adinair e Valdemir Alves Rodrigues, na companhia de Véronique Isabelle

Figura 4 Prática da pesca de gapuia com Madalena, Adinair e Valdemir Alves Rodrigues, na companhia de Véronique Isabelle

Fotografia: Débora Flor

16O capítulo 8, assinado por Raquel Salgado Marques e Elenise Faria Scherer, encerra a coletânea com uma descrição das formas de trabalho precário na paisagem urbano-fluvial do porto do Cacau Pirêra (município de Iranduba, em frente à cidade de Manaus, médio rio Amazonas). Com a construção da ponte sobre o Rio Negro, a paisagem mudou, bem como os fluxos de consumidores da feira que ali acontece. Novas oportunidades emergem enquanto outras se fecharam. As autoras mostram como a construção da ponte fez emergir um novo território de trabalho e produziu uma série de mudanças na paisagem do porto e dos bairros periurbanos.

Uma contribuição amazônica para um debate mais amplo

17Esperamos assim oferecer ao leitor interessado na relação homem-paisagem um panorama de pesquisas amazônicas recentes que aceitaram o desafio de pensar essa relação de maneira dinâmica, como um entrelaçamento no qual nenhum dos elementos determina totalmente o outro, mas ambos se constroem e reconstroem juntos. [...].

18As perguntas levantadas nessa coletânea e os exemplos etnográficos apresentados entram em ressonância com trabalhos desenvolvidos em outras paisagens “evanescentes”, localizadas em outros lugares do mundo e em outros ecossistemas: a vida “anfíbia” no rio Keli na Finlândia (KRAUSE, 2010) e no delta McKenzie no Canadá (KRAUSE, 2017), as trilhas de gelo dos Inuit durante o inverno canadense que desaparecem no verão, transformando os eixos de circulação das pessoas e das renas (APORTA, 2002; 2009; 2011), as caminhadas dos índios Pataxó nas paisagens “em transe” do Nordeste brasileiro (CARDOSO, 2016) ou, ainda, as interações entre os índios Q’eros e os agentes não humanos responsáveis pelo derretimento dos glaciares nos Andes peruanos (COMETTI, 2015).

19No vasto escopo dos trabalhos antropológicos sobre as relações entre o homem e o ambiente, observamos hoje um campo de pesquisa em curso de delineamento. Os autores deste campo interessam-se por paisagens dinâmicas, apreendidas etnograficamente como processos contínuos de interações entre coletivos. As paisagens são construídas e se reconstroem ao mesmo tempo que seus habitantes se deslocam nelas, seguindo trilhas que remetem a grandes desafios sociais ao longo do tempo (crescimento populacional, sedentarização, conflitos armados, gestão de recursos que se tornam escassos, etc.). As paisagens evoluem sempre, são muitas vezes “evanescentes” (como as apresentadas neste volume) ou “contestadas” [...]. Com esta coletânea queremos destacar uma vertente da antropologia amazônica que vem atualmente crescendo e que participa plenamente dessas discussões.

Haut de page

Notes

1 Nessas regiões, os termos “caboclo”, “campesinato histórico” e “populações tradicionais” têm sido, no entanto, aplicados para fazer referência aos grupos que combinam elementos do campesinato (família como unidade de produção e consumo, relação com mercado, etc.) com os usos múltiplos de recursos naturais, baseados no extrativismo vegetal e animal, na agricultura e, em alguns casos, na pequena pecuária.

2 Apoio financeiro ODYSSEA Project, Unité Mixte de Recherche Patrimoines Locaux, Environnement et Globalisation (PALOC), Institut des Amériques. Apoio institucional: Projeto CAPES-COFECUB n°Sh811-14, Unité de Recherche Migrations et Société (URMIS), Universidade Federal do Pará (UFPA).

3 Termo usado para se referir às pesquisas que tomavam como universo de estudo pequenas cidades ou vilas da zona rural.

4 Na época, a autora integrava um projeto que tinha como objetivo conhecer o processo de ocupação humana de uma parte da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (RDS Mamirauá), onde foram realizados os estudos pioneiros visando à implementação dessa Unidade de Conservação (AYRES; MOURA; LIMA-AYRES, 1994; LIMA; ALENCAR, 2001; LIMA; ALENCAR, 2000).

Haut de page

Table des illustrations

Crédits Realização: Laurence Billault (IRD)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21729/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 384k
Titre Figura 2 Pontas ao redor do Lago de Arimum no rio Arapiuns
Crédits Fotografia: Erik Jennings
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21729/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 496k
Titre Figura 3 Valdenilson no igarapé
Crédits Fotografia: Débora Flor
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21729/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 684k
Titre Figura 4 Prática da pesca de gapuia com Madalena, Adinair e Valdemir Alves Rodrigues, na companhia de Véronique Isabelle
Crédits Fotografia: Débora Flor
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21729/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 740k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « Paisagens evanescentes da Amazônia », Confins [En ligne], 41 | 2019, mis en ligne le 14 septembre 2019, consulté le 22 janvier 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/21729

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals