Navigation – Plan du site

AccueilNuméros41Dossiê Sergipe AlagoasDistribuição dos casos de infecçã...

Dossiê Sergipe Alagoas

Distribuição dos casos de infecção por vírus Zika vírus (ZIKV) na Região Metropolitana de Maceió

Distribution of cases of infection by Zika Zirus (ZIKV) viruses in the Metropolitan Region of Maceió
Répartition des cas d'infection par le virus Zika (ZIKV) dans la région métropolitaine de Maceió
Lorena Sampaio Almeida, Letícia Alves de Araújo, Ana Lídia Soares Cota et Diego Freitas Rodrigues

Résumés

Comment la distribution spatiale de l'infection à ZIKV s'est-elle comportée dans la région métropolitaine de Maceió (RMM)? Cet article a pour objectif d'analyser la distribution spatiale des cas de ZIKV dans le RMM de 2016 à 2017. Il s'agit d'une étude quantitative avec un plan écologique transversal. La population étudiée comprend les cas signalés de ZIKV. L'unité d'analyse est la notification des cas d'infection à ZIKV dans la région RMM, avec ses indicateurs démographiques, sociaux et économiques dérivés de l'agrégation d'informations provenant des secteurs de recensement de l'Institut brésilien de géographie et de statistique (IBGE). Certains indicateurs de santé environnementale ont également été pris en compte: présence d'eaux usées sanitaires; collecte des déchets et des déchets déposés dans les zones urbaines. Pour la zone macro-urbaine présentant le plus grand nombre de cas d’infection par le ZIKV, la distribution spatiale a été réalisée en fonction de ses régions administratives. Sur un total de 3474 cas dans la municipalité de Maceió, 165 ont été enregistrés en tant qu'ignorés / blancs, ce qui met en évidence le problème de la sous-déclaration sur le territoire, ce qui peut masquer les données et empêcher la direction des actions. Les trois quartiers qui ont présenté le plus grand nombre de cas d’infection par le ZIKV sont les quartiers Tabuleiro dos Martins, Clima Bom et Jacintinho, qui présentent des caractéristiques communes, telles que la répartition de la population, sont des quartiers peuplés, avec une population de plus de 36 000 habitants, les revenus, l'approvisionnement en eau et les services d'assainissement favorisent la reproduction vectorielle.

Haut de page

Texte intégral

1O Zika vírus (ZIKV) é um arbovírus transmitido pela picada do mosquito Aedes Aegypit, vetor de diversas doenças virais na América do Sul, como a Dengue e a Chikungunya. O ZIKV foi identificado em humanos pela primeira vez em 1952 na Uganda, continente africano. Posteriormente, na década de 70, foi constatada a primeira evidência da expansão do vírus para outros continentes, sendo identificado na Indonésia, continente asiático, em 2014 na América, e no ano de 2015 no Nordeste do Brasil (Pinto Junior et al, 2015).

2O Aedes aegypti é responsável pela transmissão urbana de arboviroses no Brasil, e isso ocorre quando ele pica uma pessoa doente, após a ingesta do sangue infectado é necessário em média de 10 dias para se tornar um vetor e poder infectar novos hospedeiros. Esse mosquito deposita seus ovos em água parada e seu desenvolvimento ocorre, geralmente, sob temperaturas entre 30°C e 32°C, sendo raro o desenvolvimento em temperaturas abaixo de 16°C, o que justifica o alto número de infectados no território brasileiro (Xavier et al., 2017).

3As formas de controle das arboviroses são direcionadas ao combate deste vetor, uma vez que a vacina encontra-se em fase de teste em humanos, sendo que a proliferação do A. aegypty no ambiente urbano está fortemente relacionada ao processo de urbanização desordenada, ocorrendo em regiões com alta densidade demográfica e que possuem déficits no abastecimento de água e limpeza urbana (Lima-Camara, 2016)

4Entre os meses de janeiro e dezembro de 2016, foram notificados 215.319 casos prováveis de infecção por ZIKV no Brasil. Destes, 6.874 estavam localizados no estado de Alagoas, o que representa uma incidência de 205,8 casos a cada 100 mil habitantes. Quantidade elevada quando comparada com outros estados, Sergipe por exemplo, tem notificado 220, e Pernambuco apresenta 391 casos notificados como prováveis no mesmo período (Brasil, 2017).

5A infecção por ZIKV e as demais arboviroses foram negligenciadas pelo poder público durante muito tempo, até que uma consequência catastrófica foi registrada. No segundo semestre de 2015 houve um aumento da incidência de microcefalia em recém-nascidos no Brasil e muitos pesquisadores sugeriram a relação causal entre os dois eventos, embora não existissem evidências clínicas ou experimentais que apoiassem tal informação (Polonio et al., 2017).

6Assim, devido a esse aumento da ocorrência de registros de microcefalia em recém-nascidos no país, possivelmente associados ao agravo o ZIKV, observa-se a necessidade de entender cada vez mais como isto se comporta na Região Metropolitana de Maceió, Alagoas, especificamente, já que os estudos sobre tal enfermidade e seus impactos ainda são incipientes no Brasil e analisar se este evento tem relação significativa com a situação econômica e territorial das famílias envolvidas, de acordo com a distribuição espacial dos casos.

7Desta forma, o objetivo geral desta pesquisa é analisar a distribuição espacial dos casos de ZIKV na Região Metropolitana de Maceió no período de Fevereiro de 2016 a Fevereiro de 2017 afim de identificar o comportamento da infecção.

Procedimentos Metodológicos

  • 1 O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível S (...)

8Este artigo consiste em estudo quantitativo com delineamento ecológico transversal, ou seja, as informações foram organizadas e analisadas segundo agregados espaciais em momentos determinados1.

9Para exemplificar melhor, no estudo ecológico o intuito não é observar o indivíduo, mas sim um grupo populacional. Sendo assim, compara-se a ocorrência de uma determinada doença e a exposição de interesse entre grupos de indivíduos para verificar se existe uma associação entre elas (Lima-Costa e Barreto, 2003).

10A população do estudo foram os casos notificados pela Secretaria Estadual de Saúde de Alagoas (SES) de Infecção por ZIKV na população em geral no período de Fevereiro de 2016 a Fevereiro de 2017. Para as zonas Macro-Urbanas que apresentaram maior relação entre os casos de infecção por ZIKV registrados foi realizada a distribuição espacial de acordo com suas regiões administrativas.

11O período de estudo proposto inicialmente foi de novembro de 2015 (momento em que a ligação entre ZIKV e microcefalia foi efetuada) até o ano de 2016, porém a notificação obrigatória do agravo só foi exigida a partir de 17 de fevereiro de 2016, com a publicação da Portaria n° 204/2016 realizada pelo Ministério da Saúde (Brasil, 2016).

12Como o estudo não envolveu a identificação dos indivíduos, somente utilizou dados secundários, não foi necessária a elaboração de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) ou a submissão ao Comitê de Ética em Pesquisa. Salienta-se que o sigilo foi mantido, os endereços não foram reconhecidos pela forma de apresentação do trabalho com mapas, logradouros ou pontos.

13A análise espacial foi realizada utilizando-se o software Quantum GIS (QGIS) que consiste em um programa de Sistema de Informação Geográfica com código aberto e licenciado sob a Licença Pública Geral e oferece análise espacial por áreas e análise padrão de pontos.

14Análise espacial é definida como um estudo quantitativo dos fenômenos ocorridos no espaço, e com ela é possível realizar uma análise simultânea de vulnerabilidades e determinantes e assim identificar padrões. Já a técnica de Kernel ou mapa de calor foi utilizada para detecção de aglomerados. A estimativa de Kernel é uma técnica estatística de interpolação, não paramétrica, exploratória que gera uma superfície de densidade com identificação visual de “áreas quentes”, ou seja, de aglomerados (Brasil, 2007).

Perfil dos Casos de infecção por ZIKV na Região Metropolitana de Maceió (RMM)

15A RMM foi criada em 1998 pela Lei Complementar n°18 e posteriormente reformulada para acréscimo dos Municípios de Atalaia e Murici. Desta forma esta região compreende os municípios: Maceió, Marechal Deodoro, Barra de São Miguel, Pilar, Coqueiro Seco, Santa Luzia do Norte, Satuba, Rio Largo, Messias, Paripueira, Barra de Santo Antônio, Atalaia e Murici, como é possível verificar na Figura 01 a seguir (Alagoas, 1998; Alagoas, 2013).

Figura 01 – Municípios pertencentes a Região Metropolitana de Maceió – RMM.

Figura 01 – Municípios pertencentes a Região Metropolitana de Maceió – RMM.

Fonte: Elaboração própria (2019). Shapefile: IBGE (2010); Alagoas em dados (2015).

16Durante o período analisado foram notificados 5272 casos de infecção por ZIKV nessa região, dos quais, 65,9% (3474) ocorreram na capital do Estado, município de Maceió e 21,5% dos casos ocorreram na cidade vizinha, Rio Largo, com 1137 casos, sendo 12,5% dos casos ocorridos nos demais municípios.

17Os dados coletados demonstram que infecção por ZIKV é passível de atingir toda a população, em suas diferentes faixas etárias. Entre os 20 e 34 anos houve 1691 casos (32%), seguida pela faixa de 35 a 49 anos com 1179 casos (22%).

18Na RMM foram notificados 1901 casos de infecção por ZIKV em homens e 3371 em mulheres, o número elevado em mulheres serve como um alerta devido as possíveis consequências em caso de uma gestação, mas já se sabe que há outras formas de infecção e que assim o vírus poderia estar amplamente distribuído entre os sexos.

19Além da transmissão vetorial, tem sido considerada a possibilidade de transmissão do ZIKV por via sexual, por transfusão sanguínea e perinatal (Luz, Santos e Vieira, 2015). A transmissão por via sexual foi evidenciada em dois pesquisadores norte-americanos do sexo masculino, que foram a uma área endêmica no Senegal para recolher amostras de mosquitos, e um deles relatou hematospermia (presença de sangue no sêmen) e sua esposa, que não tinha saído de sua residência (Colorado) apresentou artralgia e exantema, sendo comprovada a infecção por ZIKV posteriormente. Quanto à transfusão sanguínea, no Brasil foi detectado o ZIKV em pacientes que receberam transfusão sanguínea de um doador assintomático. E a transmissão perinatal, de mãe para criança no interior do útero, fica evidenciada pela síndrome congênita e suas consequências (Silva e Souza, 2016).

20Porém, ainda precisa-se estudar esses modos de transmissão na infecção no país, visto que pelo Brasil ser endêmico no que diz respeito a presença do mosquito transmissor, torna difícil a investigação de outras formas de transmissão (Luz, Santos e Vieira, 2015).

21Ao analisar sexo e faixa etária mais acometida pela infecção por ZIKV observa-se o quanto a síndrome congênita pelo ZIKV pode aumentar, visto que o período da vida da mulher compreendido entre 15 e 49 anos é conceituado, internacionalmente, como o da “idade fértil”. No entanto, no Brasil, este intervalo necessitou alteração, devido à ocorrência de óbitos maternos em mulheres menores do que 15 anos. Assim sendo, o período da idade fértil situa-se entre 10 e 49 anos em nosso país (Brasil, 2009).

22Então, tem-se uma análise: 3.406 (64,6%) casos estavam no período considerado fértil, o que se constitui um risco de transmissão por via perinatal. O ZIKV tornou-se um tormento e um risco vivo para as mulheres em idade reprodutiva e, principalmente para as que estão grávidas (Diniz, 2017).

23Quanto ao grau de escolaridade, tem-se dados bem diversificados, o que de certa forma acompanha os estudos já existentes sobre outra arbovirose, a dengue, que é transmitida pelo mesmo vetor. Provavelmente pelas diferentes maneiras de categorização, porém, em estudos asiáticos a prevalência da infecção por dengue tem sido notificada em níveis de escolaridade mais elevados (Koyadun et al., 2012), já em estudos brasileiros a prevalência de infecção por dengue associa-se tanto a uma maior (Vasconcelos et al., 1999; Braga et al., 2010) quanto à menor escolaridade (Siqueira et al., 2006).

24Quanto aos dados referentes a raça dos casos de infecção por ZIKV na RMM a característica “parda” se sobrepõe, com 2372 casos, seguido por 293 casos de raça branca, 105 da raça preta, 13 indígenas e 9 amarela (SES, 2017). Tais dados destoam de estudos presentes até o momento sobre a síndrome congênita do ZIKV e a infecção em si. Diniz (2017, p.10) afirma que tais casos são “majoritariamente adolescentes ou mulheres muito jovens, negras e indígenas, com pouca escolaridade e integralmente dependentes das políticas sociais cada vez mais frágeis no país”.

Distribuição espacial dos casos de ZIKV na Região Metropolitana de Maceió

25O crescimento da população em ritmo acelerado intensificou a urbanização. Nos países em desenvolvimento, a urbanização é sinônimo de aglomeração intensa, grandes porções de pessoas vivendo em espaço reduzido, e assim gera-se saneamento inadequado, no que diz respeito ao abastecimento de água e destino de resíduos sólidos; habitação precária; falta de infraestrutura urbana e agressão ao meio urbano (Lima-Camara, 2016).

26A análise espacial da distribuição das doenças e dos riscos ambientais está sendo cada vez mais utilizados pelos gestores na área da saúde afim de possibilitar um auxílio nos planos e nas avaliações, o que possibilita a análise da distribuição dos dados das patologias no espaço e no tempo para identificar os fatores e mapear as áreas de risco, através dos Sistemas de Geoprocessamento (Barcellos e Bastos, 1996; WHO, 2009). É o que será feito nesse momento da discussão, a distribuição espacial dos casos de infecção por ZIKV em um determinado tempo, para identificar possíveis fatores/áreas de risco.

  • 2 Risco ambiental baseia-se na possibilidade do acontecimento de um certo processo ou fenômeno, e a a (...)

27O risco ambiental2 encontra-se associado a proliferação do vetor Aedes aegypti, áreas abandonadas pela construção civil, terrenos baldios, construções desabitadas, dentre outros podem intensificar a transmissão de patologias causadas por este vetor e ao identificar tais áreas, ações podem ser realizadas para reduzir surtos e epidemias da doença (WHO, 2009).

28A presença intensa das arboviroses relaciona-se diretamente aos processos de crescimento demográfico, globalização, intensificação do deslocamento humano e mudanças climáticas (Galati et al., 2015). O nível de cobertura vegetal do local, as alterações antrópicas presentes no ambiente e a infraestrutura urbana são fatores relacionados à distribuição do vetor e as infecções ocasionadas por este, e isso pode ser notado na distribuição espacial a seguir (Lounibos et al., 2016). Assim, através da distribuição espacial e visita aos bairros com maior número de casos, houve, na prática, a tentativa de se identificar tais fatores de risco.

29Os casos foram distribuídos nos bairros de Maceió, que segundo o Plano Diretor, configura-se em oito regiões administrativas que englobam cinquenta bairros como consta na Figura 02 a seguir (Maceió, 2005).

Figura 02 – Bairros do município de Maceió, AL.

Figura 02 – Bairros do município de Maceió, AL.

Fonte: Disponível em: <http://www.bairrosdemaceio.net/​bairros/​>

30Para entender como ocorreu o processo de urbanização em Maceió, em 1960 a população urbana do estado era de 420.436 habitantes e o censo do IBGE de 2010 revela que este número passou para 2.298.091 habitantes, um crescimento de 81,7% da população urbana em 50 anos (FIBGE, 1986; IBGE, 2010). Esse processo de urbanização acelerada acarretou uma ocupação urbana desorganizada e uma implantação de infraestruturas sem o adequado planejamento, tendo em vista que a cidade não estava preparada para receber essa quantidade de pessoas na forma em que se deu este processo.

31Desta forma, Maceió foi habitada por uma população em que a desigualdade imperava, onde a classe alta detinha os melhores e mais caros locais e com consequente melhor infraestrutura e os pobres residiam em locais cujo custo era menor, porém também ofereciam reduzida infraestrutura.

32Entender o quanto o processo de urbanização de Maceió ocorreu de forma repentina e sem organização e/ou planejamento prévio acarreta uma certa compreensão do porquê Maceió se tornou endêmica do vetor Aedes e como esta infecção está amplamente distribuída na cidade, como consta na Figura 03.

Figura 03 – Distribuição espacial dos casos de infecção por ZIKV em Maceió, AL. 2016.

Figura 03 – Distribuição espacial dos casos de infecção por ZIKV em Maceió, AL. 2016.

Fonte: SES, 2017. Elaborada por Almeida et al, 2019.

33De um total de 3474 casos no município de Maceió, 165 foram registrados como ignorado/branco. Os três bairros que mais apresentaram casos de infecção por ZIKV foram: Tabuleiro dos Martins e Clima Bom, localizados na sétima região administrativa de Maceió, e o bairro do Jacintinho, localizado na quinta região administrativa. Esses bairros possuem características em comum, que serão analisadas de forma mais detida posteriormente, mas é possível destacar que essas semelhanças se enquadram na distribuição populacional, ou seja, são bairros com alta densidade demográfica, com população acima dos 36.000 habitantes, como pode-se verificar na Figura 04 a seguir.

SEMPLA, 2010. Disponível em: < http://www.sempla.maceio.al.gov.br/​planejamentourbano.htm>

34Quanto à densidade demográfica, o bairro do Jacintinho consegue apresentar ainda mais habitantes por quilômetro quadrado (hab/km²), com 23.382,16 hab/km², estando assim em primeiro lugar no que diz respeito a densidade demográfica (Figura 05), estudar tal distribuição dos locais para avaliar fatores endêmicos permite um planejamento maior, visto que a densidade demográfica ou populacional compreende a relação entre o número de habitantes e a área do território, que pode ser expressa em quilômetros quadrados ou habitantes por hectare (IBGE, 2010).

Figura 05 – Densidade demográfica dos bairros de Maceió, AL. 2010.

Figura 05 – Densidade demográfica dos bairros de Maceió, AL. 2010.

Fonte: SEMPLA, 2010. Disponível em: <http://www.sempla.maceio.al.gov.br/​planejamentourbano.htm>

35Considera-se uma área como superpovoada quando as necessidades da população excedem ou ameaçam a capacidade de suporte do meio ambiente, no que diz respeito, por exemplo, a disponibilidade de recursos naturais, ou ainda a capacidade da infraestrutura ofertada. Acioly (1998) afirma que quanto mais elevada a densidade, melhor será a utilização e maximização da infraestrutura e do solo urbano, porém, reconhece que aglomerados humanos com alta densidade podem sobrecarregar o solo urbano, contribuindo para a “saturação de infraestrutura e serviços urbanos”, o que pode produzir um meio ambiente superpopuloso e inadequado ao ambiente humano, o que nota-se ao caminhar pelo bairro do Jacintinho, áreas com características que geram impactos na saúde humana, seja lixo depositado em área domiciliar, esgoto a céu aberto próximo a população e áreas de risco.

36O bairro que mais apresentou casos de infecção por ZIKV foi o do Tabuleiro dos Martins, com 427 casos, localizado na sétima região administrativa, esse bairro caracteriza-se pela topografia plana com altitude média de 80 metros; solos com bons parâmetros físicos para fundações; e disponibilidade de água subterrânea de boa potabilidade e baixos custos, o que fez com que a expansão da cidade de Maceió ocorresse predominantemente para essa região, com a implementação de grandes conjuntos habitacionais, indústrias e atividades econômicas (Neto, Santos e Lima, 2004).

37Devido a deficiência no esgotamento sanitário e sistema de coleta de lixo é comum visualizar esgotos a céu aberto e pequenos lixões, principalmente na proximidade de conjuntos habitacionais (Neto, Santos e Lima, 2004), o que pode então auxiliar na formação de locais propícios para reprodução do vetor, depósitos de lixos, água parada, ambos capazes de possibilitar a criação de mosquitos e consequentemente mais casos de infecção por ZIKV.

38O segundo bairro, o Clima Bom, possui o maior número de casos de infecção por ZIKV, com 242 casos, também pertencente a 7° região administrativa. Apresenta uma infraestrutura não planejada, sem equipamentos públicos como centro de assistência social, postos de saúde, lazer e esportes. No quesito saneamento básico, é um dos bairros mais desprovidos, o esgoto e resíduos das residências escoam pelas ruas, ocasionando diversos surtos e comprometendo a qualidade de vida das pessoas, além de que, quando há chuvas, as ruas alagam facilmente (Marroquim, 2007).

39O terceiro bairro em número de casos de infecção por ZIKV consiste no Jacintinho, com 225 casos, participa da 5° região administrativa. Esse bairro abriga a maior porção das favelas do complexo do Vale do Reginaldo no total de doze, no seu espaço quase não existem áreas verdes, as poucas áreas estão localizadas em grotas e encostas, sendo comum o acúmulo de lixo em ruas e calçadas (Silva, 2011).

40O nível socioeconômico da população também se destaca, tendo em vista que as famílias que ali residem apresentam os piores indicadores sociais e econômicos, muitas sem abastecimento de água ou esgotamento sanitário, o que pode ter elevado o número de ocorrências de infecção por ZIKV no bairro (Silva, 2011).

41Essa posição dos bairros quanto ao nível de infecção por ZIKV pode-se associar ao desenvolvimento da região, pois os que possuem o menor Índice de Desenvolvimento Humano – Municipal (IDH-M) são bairros com serviços urbanos escassos (como coleta regular de lixo) e infraestrutura (reduzido alcance de saneamento básico, quando existente), o que possibilita concluir que essa associação nefasta é positiva, ou seja, empiricamente observada.

42Maceió se encontra na posição 1266° de 5565 municípios brasileiros com a média do IDHM de 0,721, um IDH considerado alto. É município com o maior IDHM e o único nessa faixa do Estado de Alagoas. No entanto ainda está um pouco abaixo da média do Brasil que é de 0,727. Entre 2000 e 2010, IDHM de Maceió passou de 0,584 para 0,721, crescendo, em números absolutos, de 0,137 (um percentual de crescimento de 23,46%) (Atlas Brasil, 2015).

43O IDH do bairro do Tabuleiro dos Martins é de 0,507, do Clima Bom é de 0,645 e o do Jacintinho é de 0,418, que se mostram dados muito inferiores quando comparados aos índices dos bairros que apresentam maiores IDHMs, Ponta Verde apresenta o IDHM de 0,956, Pajuçara, Jatiúca e Farol apresentam o mesmo IDHM de 0,939 (Atlas Brasil, 2015).

44Além dos aspectos relacionados a infraestrutura inadequada, há também as atitudes de risco por parte da população, que ou desconhecem as medidas de prevenção ao mosquito ou sabem e ainda assim apresentam ações que proporcionam a formação de focos para a reprodução de vetores, não é incomum ao andar nas ruas visualizar objetos armazenados de forma inadequada predispondo a multiplicação do mosquito, já que os criadouros do Aedes aegypti geralmente são recipientes artificiais, abandonados a céu aberto, ou ainda que servem para armazenamento de água com fim doméstico (Sousa, 2013; Zara et al., 2016).

45A população, junto com os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e Agentes de Combate a Endemias (ACE), são responsáveis pela prevenção do vetor Aedes, que se dá através do controle mecânico e químico do mosquito, ou seja, encontrar e destruir qualquer tipo de reservatório para os ovos do Aedes, sendo a promoção de ações educativas introduzidas em todos os momentos, afinal conhecimento é poder (Zara et al., 2016).

46Porém, para uma prevenção eficiente é necessária a cooperação de outros setores além da saúde, visto que saneamento básico, manejo apropriado de resíduos sólidos e de lixo, abastecimento regular de água, educação em saúde, vigilância de fronteiras, turismo e intensa movimentação de pessoas influenciam no número de infectados e devem ser priorizados (Marcondes e Ximenes, 2015).

47Mapeamento de risco é também utilizado como medida preventiva, visto que ao identificar áreas de risco elevado para transmissão de arboviroses em determinados ambientes, atividades podem ser mais bem direcionadas. O mapeamento possibilita então análises mais precisas de situações de risco, o que auxilia na otimização de recursos, como consta na Figura 06, um mapa de calor dos casos de infecção por ZIKV (Zara et al., 2016).

Figura 06 – Mapa de calor dos casos de infecção por ZIKV em Maceió, AL. 2016.

Figura 06 – Mapa de calor dos casos de infecção por ZIKV em Maceió, AL. 2016.

Fonte: SES, 2017. Elaborado por Almeida et al, 2019.

48Os mosquitos são isonômicos; eles picam tanto os ricos como os pobres, porém, embora se saiba que os insetos não possuem consciência de classe, a situação é que a crise da infecção pelo ZIKV apresentou impactos bem diferentes em cada classe ou grupo social, tornando-se então mais um indicador da desigualdade que persiste no Brasil (Lesser e Kitron, 2016).

49Assim, a fim de identificar esta geografia intrínseca a infecção por ZIKV na Figura 07 a seguir há a distribuição dos casos concomitante a disposição dos aglomerados subnormais, que consistem em um conjunto de 51 ou mais unidades habitacionais caracterizadas por ausência de título de propriedades e pelo menos umas das características a seguir: “irregularidades das vias de circulação e do tamanho e forma dos lotes” e/ou “carência de serviços públicos essenciais (como coleta de lixo, rede de esgoto, rede de água, energia elétrica e iluminação pública)” (IBGE, 2010, n.p).

Figura 07 – Distribuição espacial dos casos de infecção por ZIKV e os aglomerados subnormais em Maceió, AL. 2016.

Figura 07 – Distribuição espacial dos casos de infecção por ZIKV e os aglomerados subnormais em Maceió, AL. 2016.

Fonte: SES, 2017. Elaborado por Almeida et al, 2019.

  • 3 Áreas conhecidas por diversos nomes, como favela, comunidade, vila, grotão, mocambo, dentre outros, (...)

50Os aglomerados subnormais urbanos3 têm sido mais um desafio enfrentado pelo município de Maceió, que vivencia um crescimento populacional desenfreado, com déficit de saneamento básico e elevada concentração de criadouros, favorecendo uma transmissão rápida da doença, cuja intervenção foi realizada intersetorialmente, bem como a mobilização da comunidade nas ações para combate. Assim verifica-se uma distribuição dos casos mais acentuada ao entorno dessas áreas.

51A formação dessas áreas socialmente vulneráveis se deu devido à forte especulação imobiliária e fundiária e também ao espraiamento territorial do tecido urbano, carência de infraestruturas, número elevado de domicílios, fazendo com que outra opção de crescimento fosse utilizada, levando então à periferização da população e a busca de imóveis em locais cada vez menos valorizados pelo setor imobiliário e fundiário (IBGE, 2010).

52Desta forma, a concentração dos casos de infecção por ZIKV nos bairros marginalizados relaciona-se ao fornecimento irregular de água, pois a pressão das tubulações é reduzida conforma a distância das centrais de distribuição, que diversas vezes ficam longe da periferia. Essa situação pode ser agravada pela seca, em alguns lugares, o que força cada família ter sua caixa d´água para armazenamento de água, uso na cozinha e higiene pessoal.

53Esses reservatórios geralmente são recipientes redondos de plástico, com média de um metro de diâmetro, são preenchidos nos dias em que o bairro é abastecido. Se esses reservatórios não estiverem em bom estado ou não forem devidamente fechados, as caixas d’água podem representar ótimos locais para a reprodução do Aedes aegypti (Lesser e Kitron, 2016).

54Ao contrário dos bairros de classes mais privilegiadas, que recebem água regularmente e a manutenção dos tanques onde é armazenada é feita com frequência, geralmente por funcionários dos condomínios. Além da questão do abastecimento, há a coleta de lixo, que não acontece de forma regular em muitos bairros do Brasil, e após uma chuva, itens como sacos plásticos, vasilhames descartáveis tornam-se foco para reprodução do vetor do ZIKV.

Considerações Finais

55Os casos de infecção por ZIKV estão amplamente distribuídos na RMM, sendo destaque em locais com alta densidade demográfica e infraestrutura inadequada, o que fica nítido na figura 07, em que é possível visualizar, com poucas exceções, um aumento de casos em locais que há aglomerados subnormais, que geralmente estão acompanhados de coleta de lixo inapropriada, abastecimento de água e esgotamento sanitário ineficazes.

56Estudos como esse permitem subsídio para investimento, seja ele de ordem financeira ou educacional, visto que o modo de infecção se dá por um vetor que pode ser evitado através de mudanças urbanas e costumes diários, visualizando os locais que mais se concentram os casos, melhor direcionamento ocorrerá.

Haut de page

Bibliographie

ALAGOAS. « Lei Complementar n° 18, de 19 de Novembro de 1998 ». Governo do Estado de Alagoas. 1998.

ALAGOAS. « Lei Complementar n° 38, de 14 de Junho de 2013 ». Governo do Estado de Alagoas. 2013.

ACIOLY, C. Densidade urbana: um instrumento de planejamento e gestão urbana. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

ATLAS BRASIL. « Atlas do Desenvolvimento Humano nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Baixada Santista, Campinas, Maceió e Vale do Paraíba ». – Brasília: PNUD, Ipea, FJP, 2015. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/download/. Acesso em: 17 jul. 2015.

BARCELLOS, C; BASTOS, FI. « Geoprocessamento, ambiente e saúde: uma união possível? » Cad.Saúde Pública, Rio de Janeiro, n. 3, p. 389-397, 1996.

BRAGA, C. et al. « Seroprevalence and risk factors for dengue infection in socio-economically distinct areas of Recife, Brazil ». Acta Tropica, v.113, n.3, p.234-240, 2010.

BRASIL. « Guia de vigilância epidemiológica do óbito materno ». Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. « Mapeamento de Riscos em Encostas e Margem de Rios ». Brasília: Ministério das Cidades: Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, 2007.

BRASIL. « Informe Epidemiológico n° 57 – Semana epidemiológica (SE) 52/2016 (25 a 31/12/2016) Monitoramento dos casos de microcefalia no Brasil ». Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. « Portaria n° 204 de 17 de Fevereiro de 2016. Diário Oficial da União » Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

CARVALHO, CN; DOURADO, I; BIERRENBACH, AL. « Subnotificação da comorbidade tuberculose e AIDS: uma aplicação do método de linkage ». Rev. Saúde Pública, São Paulo, n. 3, vol. 45, 2011.

DINIZ, D. « Zika em Alagoas: a urgência dos direitos ». Brasília: Letras Livres, 2017.

FIBGE, Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. « Estatísticas históricas do Brasil: séries econômicas, demográficas e sociais de 1550 a 1985 ». Rio de Janeiro, 1986.

GALATI, EAB. et al. « Mudanças climáticas e saúde urbana » In: Saúde Urbana: Doença nas metrópoles – qual o ônus a ser pago por viver nas grandes cidades? SUPERINTENDÊNCIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA UNIV. DE SÃO PAULO (orgs.). Revista USP, São Paulo, v. 107, p. 79-90. 2015.

IBGE. « Censo 2010: Aglomerados Subnormais – Informações Territoriais ». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010.

IBGE. « Séries estatísticas & Séries históricas ». Disponível em: http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/series.aspx?no=10&op=0&vcodigo=PD335&t=populacao-residente Acesso em 21 de Maio de 2016.

KOYADUN, S. et al. « Ecologic and Sociodemographic Risk Determinants for Dengue Transmission in Urban Areas » Thailand. Interdisciplinary Perspectives on Infectious Diseases, v.2012, p.1-12. 2012.

LESSER, J; KITRON, U. « A geografia social do zika no Brasil » Estud. av, São Paulo,. v. 30, n. 88, p. 167-175. 2016.

LIMA-CAMARA, TN. « Emerging arboviruses and public health challenges in Brazil » Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 50; n.36, 2016.  

LIMA-COSTA, M. F.; BARRETO, S. M. « Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento » Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 12, n. 4, p. 189-201, 2003.

LOUNIBOS, LP. et al. « Coexistence of Aedes aegypti and Aedes albopictus (Diptera: Culicidae) in Peninsular Florida two decades after competititive displacements » Journal of Medical Entomology, v.0, n.0, p. 1-6, 2016.

LUZ, KG; SANTOS, GIV; VIEIRA, RM. « Febre pelo virus Zika » Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 24; n.4; p. 785-788, 2015.

MACEIÓ. « Lei n. 5.486, de 30 de dezembro de 2005 - Plano Diretor de Maceió ». Prefeitura Municipal de Maceió. Secretaria de Desenvolvimento Territorial e Meio Ambiente. 2005.

MARCONDES, CB; XIMENES, MFFM. « Zika virus in Brazil and the danger of infestation by Aedes (Stegomyia) mosquitões » Rev. Soc. Bras. Med. Trop. Vol. 49, n. 1, p. 4-10, 2016.

MARROQUIM, FMG. Avaliação pós-ocupação de unidades residenciais modificadas de um conjunto habitacional em Maceió-AL: Flexibilidade, dimensionamento e funcionalidade dos ambientes. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2007.

NETO, JVF; SANTOS, RJQ; LIMA, RCA. « Os Recursos Hídricos da Área do Tabuleiro do Martins – Maceió/AL ». In: ARAÚJO, Lindemberg Medeiros de. (Organizador): Geografia: espaço, tempo e planejamento. Maceió: Editora Edufal, 2004.

PINTO JUNIOR, V. L. et al. « Vírus Zika: revisão para clínicos » Acta Médica Portuguesa, Lisboa, v. 28, n. 06, p. 760-765, 2015.

POLONIO, CM. et al. « Zika virus congenital syndrome: experimental models and clinical aspects » J. Venom. Anim. Toxins incl. Trop. Dis, v. 23,  n. 41. Botucatu, 2017.

SILVA, JDN. Urbanização e Saúde em Maceió, AL: o caso dos bairros Vergel do Lago, Jacintinho e Benedito Bentes. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2011.

SILVA, MRH. Distribuição espacial e sazonal de Aedes aegypti e Aedes albopictus (Diptera: Culicidae) no Parque Municipal do Piqueri, São Paulo. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

SILVA, LRC; SOUZA, AM. « Zika virus: what do we know about the viral structure, mechanisms of transmission, and neurological outcomes? » Rev. Soc. Bras. Med. Trop. v. 49, n. 3, pp. 267-273. Uberaba, 2016.

SIQUEIRA, JB. et al. « Dengue and dengue hemorrhagic fever, Brazil, 1981-2002 » Emerg Infect Dis, v.11, n.1, p.48-53, 2006.

SOUSA, EPP. Influência das variáveis climáticas em casos de dengue nas cidades da Baixada Santista (sudeste do Brasil) e Cingapura (sudeste asiático). Tese (Doutorado) – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Programa de Patologia. São Paulo, 2013.

VASCONCELOS, PFDC. et al. « Inquérito soro-epidemiológico na Ilha de São Luis durante epidemia de dengue no Maranhão » Rev. Soc. Bras. Med. Trop., v.32, p.171-179. 1999.

XAVIER, AR. et al. « Clinical and laboratory diagnosis of Zika fever: an update » J. Bras. Patol. Med. Lab.  v. 53, n. 4, p. 252-257. Rio de Janeiro, 2017.

ZARA, ALSM. et al. « Estratégias de controle do Aedes aegypti: uma revisão » Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 25, n. 2; p. 391-404, 2016.

WHO. « Dengue: guidelines for diagnosis, treatment, prevention and control -2009 »World Health Organization. Geneva.New edition. 2009.

Haut de page

Notes

1 O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (CAPES) - Código de Financiamento 001 e a Fundação de Amparo de Pesquisa de Alagoas (FAPEAL).

2 Risco ambiental baseia-se na possibilidade do acontecimento de um certo processo ou fenômeno, e a amplitude de danos ou consequências econômicas e/ou sociais em um possível elemento, grupo ou comunidade. Tal conceito segue interligado a vulnerabilidade, quanto maior a vulnerabilidade, maior o risco (BRASIL, 2007).

3 Áreas conhecidas por diversos nomes, como favela, comunidade, vila, grotão, mocambo, dentre outros, e que segundo o IBGE consiste no conjunto constituído por 51 ou mais unidades habitacionais caracterizadas por ausência de título de propriedade e pelo menos uma das características: irregularidade das vias de circulação e do tamanho e forma dos lotes e/ou; carência de serviços públicos essenciais (como coleta de lixo, rede de esgoto, rede de água, energia elétrica e iluminação pública).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 01 – Municípios pertencentes a Região Metropolitana de Maceió – RMM.
Crédits Fonte: Elaboração própria (2019). Shapefile: IBGE (2010); Alagoas em dados (2015).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21976/img-1.png
Fichier image/png, 183k
Titre Figura 02 – Bairros do município de Maceió, AL.
Crédits Fonte: Disponível em: <http://www.bairrosdemaceio.net/​bairros/​>
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21976/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Figura 03 – Distribuição espacial dos casos de infecção por ZIKV em Maceió, AL. 2016.
Crédits Fonte: SES, 2017. Elaborada por Almeida et al, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21976/img-3.png
Fichier image/png, 179k
Crédits SEMPLA, 2010. Disponível em: < http://www.sempla.maceio.al.gov.br/​planejamentourbano.htm>
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21976/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 241k
Titre Figura 05 – Densidade demográfica dos bairros de Maceió, AL. 2010.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21976/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 268k
Titre Figura 06 – Mapa de calor dos casos de infecção por ZIKV em Maceió, AL. 2016.
Crédits Fonte: SES, 2017. Elaborado por Almeida et al, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21976/img-6.png
Fichier image/png, 338k
Titre Figura 07 – Distribuição espacial dos casos de infecção por ZIKV e os aglomerados subnormais em Maceió, AL. 2016.
Crédits Fonte: SES, 2017. Elaborado por Almeida et al, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/21976/img-7.png
Fichier image/png, 194k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Lorena Sampaio Almeida, Letícia Alves de Araújo, Ana Lídia Soares Cota et Diego Freitas Rodrigues, « Distribuição dos casos de infecção por vírus Zika vírus (ZIKV) na Região Metropolitana de Maceió »Confins [En ligne], 41 | 2019, mis en ligne le 15 septembre 2019, consulté le 20 janvier 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/21976 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.21976

Haut de page

Auteurs

Lorena Sampaio Almeida

Centro Universitário Tiradentes - UNIT/AL, lorenasampaioalmeida@hotmail.com

Letícia Alves de Araújo

Centro Universitário Tiradentes - UNIT/AL, arj.leticia@gmail.com

Ana Lídia Soares Cota

Centro Universitário Tiradentes - UNIT/AL, ana.cota@uol.com.br

Diego Freitas Rodrigues

Universidade Tiradentes - UNIT/SE, diegofreitasrodrigues@outlook.com 

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search