Navigation – Plan du site

Editorial do número 41

Editorial of issue 41Éditorial du numéro 41
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Traduction(s) :
Editorial du numéro 41

Texte intégral

  • 1 A iniciativa de lançar esses dois dossiês foi tomada por Raimundo Nonato Júnior, que também diagram (...)

1Esta edição número 41 de Confins contém um dossiê reunindo uma segunda série de artigos sobre os estados de Alagoas e Sergipe, intitulada “Espaço-território, escalas, ambientes e diversidades”, coordenada por Nubia Dias dos Santos, Celso Donizete Locatel e Ajibola Isau Badiru1.

  • 2 .

2Esta publicação é uma boa ocasião para recordar os dossiês anteriores que reuniam artigos que têm em comum se relacionar com um Estado brasileiro, medir seu impacto e pensar nos seguintes. No passado, Confins publicou os seguintes dossiês “regionais”2 e temáticos:

3- Número 10 (2010) Conhencendo a Amazônia: Mato Grosso:

4- Número 23 (2015) São Francisco

5- Número 27 (2016) Paraná: olhares sobre as regionalizações

6- Número 29 (2016) Rondônia, espaço de grandes transformações

7- Número 32 (2017) Rio Grande do Norte

8- Número 33 (2017) Paraná em suas diversas escalas

9- Número 34 (2018) Cartografias ambientais do Rio Grande do Norte

10- Número 40 Sergipe Alagoas: território, diversidade temporal e ambiental

11Esses dossiês contribuíram amplamente para aumentar o número de artigos dedicados à divulgação de situações desses estados brasileiros. A Figura 1 mostra claramente que, onde os colegas tomaram a iniciativa de organizá-los, os círculos proporcionais ao número de menções do nome do Estado no índice geográfico de Confins são maiores do que os dos estados que não foram beneficiados: os círculos do Paraná e do Rio Grande do Norte são comparáveis com aqueles do Rio de Janeiro; os de Mato Grosso e Rondônia são maiores que os de outros estados da região norte e os de Alagoas e Sergipe aumentarão consideravelmente com a publicação deste número 41.

12Pode-se notar que o número de menções de estados é equilibrado entre aqueles que estão ao norte e ao sul da capital, Brasília, e que ele é maior nas regiões Norte e Nordeste (em proporção) e Sul (em total). Os artigos estão bem distribuídos entre as principais regiões e realidades naturais (litoral, floresta, cerrados, bacias hidrográficas, sertão), posições geográficas (próximas à costa ou no interior do país) e situações sociodemográficas (metrópoles, cidades médias ou grandes áreas naturais de baixa ocupação humana).

13No que diz respeito às latitudes, as menções dos estados cobrem a maior parte da federação brasileira, de Roraima e Amapá, no norte, até o Rio Grande do Sul, no limite sul do país. No que diz respeito às longitudes, observamos que os estados sobre os quais dossiês foram publicados estão próximos tanto dos limites do país ao leste, como o Rio Grande do Norte, como ao oeste, como Rondônia. Em suma, os arquivos representam uma grande diversidade geográfica, na ótica da geografia regional, com diferentes abordagens teóricas e metodológicas.

14Dossiês e menções de estados no índice geográfico de Confins

15Outros dossiês sobre estados já estão incluídos na programação, até dezembro de 2021, das seguintes edições da revista (Amazonas, São Paulo e Goiás).

16Além disso, publicamos dossiês “temáticos”:

17- Número 15 Portos, cidades e regiões

18- Número 31 Migração européia para o Brasil, século XIX e início do século XX

19- Número 26 O Brasil, potência em questão Número 36 Imagens plurais da cidade, séculos XIX e XXI

20- Número 37 Geografia, saúde e ambiente: Uma abordagem da complexidade dos problemas atuais na saúde.

21- Número 38 Políticas urbanas, sustentabilidade e governança

22- Número 39 Balneomar

23- Número 39 Dinâmicas Territoriais e Gestão de Políticas Públicas

24Se colegas planejarem propor outros, saibam que consideraremos cuidadosamente suas propostas e, não desanimem pelo extensão do prazo anunciado. A gênese de um dossiê, desde a chamada inicial até a publicação, é longa, pois inclui não apenas a elaboração dos artigos, mas também a avaliação cruzada pelos autores que contribuíram para o dossiê, pelos coordenadores, por pares externos e depois pelo comitê editorial. Essas avaliações e sua incorporação não são apenas a prática normal de uma revista científica, mas sobretudo são a melhor maneira de aprimorar os artigos. Todos os autores reconhecem isso, uma vez passado o (pequeno) momento de inevitável desânimo na leitura de críticas e pedidos de correções contidos nas avaliações.

25Esta edição 41 contém, além desse dossiê já mencionado, que seus coordenadores apresentam no texto “Dossiê Sergipe e Alagoas: espaço-território, escalas, ambientes e diversidade” que vão da geografia histórica - ou melhor, pré-histórica - à atual, do crime, mapeado pelas técnicas mais modernas. Nossos leitores também encontrarão análises da geografia helenística; da produção de cana-de-açúcar e dos seus impactos nos territórios indígenas e em seus próprios trabalhadores; do estilo de vida de uma comunidade quilombola e das realidades uma grande bacia de petróleo; e de políticas públicas, de fronteiras e de compensação ambientais. Uma grande diversidade de assuntos, portanto, mas que têm em comum de ser tratados sempre em uma perspectiva geográfica, de colocar em primeiro plano o território e o modo como ele é vivido e modelado permanentemente por seus habitantes.

26Neide Barrocá Faccio abre a edição, voltando longe no tempo, com uma análise de “A complexidade dos sistemas de assentamentos ameríndios no Planalto”. Um pouco mais perto de nós, no tempo, Antonio Carlos Vitte e Marcio Mello Pereira nos apresentam “A ciência geográfica no helenismo: I - as mitografias de Gaia”.

27Os dois artigos a seguir são, pelo contrário, muito contemporâneos e bastante críticos, eles se referem a “ A expansão do setor sucroenergético em território indígena no sul de Mato Grosso do Sul-Brasil”, de Marine Dubos-Raoul e “ A vigência do medo, sofrimento e sobrecarga física para o trabalhador no corte da cana de açúcar no estado de São Paulo ”, de Iracimara Anchieta Messias.

28Os dois próximos tratam de contextos econômicos e sociais muito diferentes, o “Modo de vida e territorialidade quilombola da comunidade Ressaca da Pedreira – Macapá, Amapá”, de Roni Mayer Lomba e Roberto Júnior de Almeida Campos e a “Bacia urbano-regional do petróleo: a zona costeira do Espírito Santo associada ao estado do Rio de Janeiro”, de Claudio Luiz Zanotelli, Ednelson Mariano Dota, Francismar Cunha Ferreira e Rennan Moraes Rodrigues.

29O ponto comum dos próximos dois artigos é a avaliação dos efeitos das políticas públicas, “Política pública e Compensação Ambiental no Brasil: o caso da Usina Hidrelétrica de Santo Antônio do Jari na Amazônia”, por Rafael Oliveira Fonseca, “Políticas públicas na faixa de fronteira do Brasil: PDFF, CDIF e as políticas de segurança e defesa”, de Camilo Pereira Carneiro Filho e Lisa Belmiro Camara.

30Os dois últimos são também relacionados com políticas públicas ao lidar com indicadores que permitem fundamentá-las: “Mapeamento de Crimes: Usando a Geografia para Planejar o Policiamento”, de Wellington Clay Porcino Silva (seguido por sua tradução para o inglês) e “Percepção ambiental na proposição de indicadores para avaliação de impactos ambientais de parques eólicos”, de Andréia Castro de Paula Nunes, Gerda Lucia Pinheiro Camelo, Gesinaldo Candido Ataíde e Robson Garcia da Silva.

31As “Imagens comentadas” desta edição são as de “Marc Ferrez, um fotógrafo que testemunhou as mutações do Brasil” e em uma “crônica de campo” bastante incomum Mônica Raisa Schpun relata sua experiência com “O fogo de Notre Dame de Paris”.

32Por fim, as resenhas são “Quadros do pensamento, quadros no pensamento: uma resenha a partir das abordagens localistas na história da geografia”, de Rafael Augusto Andrade Gomes, “Bússola e mapa”, de Gerson de Freitas Junior e do livro “Paisagens Evanescentes da Amazônia”.

33Boa leitura a todos

Haut de page

Notes

1 A iniciativa de lançar esses dois dossiês foi tomada por Raimundo Nonato Júnior, que também diagramou o mais recente

2 .

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 41 », Confins [En ligne], 41 | 2019, mis en ligne le 17 septembre 2019, consulté le 23 octobre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/22289

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals