Navigation – Plan du site

Intronização de um "Trump tropical"

Intronisation d'un "Trump tropical"
Enthronement of a "tropical Trump"
Marion Aubrée

Résumés

Quels éléments peuvent fournir une explication pour l'élection de l'ancien capitaine et député fédéral Jair Bolsonaro? Basé sur l'expérience de l'auteure en tant qu'anthropologue travaillant au Brésil depuis plus de quarante ans sur les divers courants religieux qui informent les croyances et les opinions des habitants de ce pays, le texte met en lumière les transformations successives des mentalités religieuses et de l'imaginaire, ainsi que les conjonctures politiques favorisé ce résultat inattendu.

Haut de page

Texte intégral

1A última eleição presidencial no Brasil provocou uma grande perplexidade para todos aqueles que se interessam de perto a esse grande país. De fato, a chegada no poder de um ex-militar fascistoíde, ultraliberal, racista, machista, intolerante e homofóbico era a última coisa que se podia esperar num país onde, após mais de vinte anos de ditadura militar, tinha conseguido – faz uns trinta anos– através de protestos e negociações colocar de volta seu exército nos quartéis. Então, quais são os elementos capazes de fornecer uma explicação para esse fenômeno inesperado que colocou no poder, via eleição democrática, o ex-capitão e deputado federal Jair Bolsonaro, quem era quase desconhecido fora do Rio no começo do ano 2018? Como antropóloga trabalhando no Brasil há mais de quarenta anos sobre as diversas correntes religiosas que informam as crenças e opiniões dos habitantes desse país, me dedicarei nesse texto a salientar as sucessivas transformações das mentalidades e dos imaginários religiosos, assim como as conjunturas políticas que favoreceram esse desenlace impensado.

2Jair Bolsonaro que durante anos reivindicava um catolicismo não muito "liberado", se converteu ao evangelismo no ano de 2016 e decidiu uma ida a Israel para ser batizado, em forma espetacular, nas águas do Rio Jordão (maio 2016). Podemos considerar esse acontecimento como o primeiro momento de uma estratégia de conquista dos espíritos que iriam levá-lo ao cargo de presidente da República Federativa do Brasil que ele assume desde o 1° de janeiro de 2019.

Os pentecostais no campo político

  • 1 Nesse ponto me parece necessário precisar que essas duas cifras correspondiam ao número mínimo de p (...)

3No panorama religioso muito diversificado do Brasil, o fenômeno que marcou fortemente os últimos trinta anos é o refluxo do número de fiéis da igreja católica a favor da outra corrente cristã representada pelas diversas denominações ligadas à Reforma protestante ou aos seus distantes desdobramentos. Assim, no censo de 1980, 89,15 % dos cristãos declaravam ser "católicos", o que fazia então do Brasil o "maior país católico do mundo". Nessa época, as igrejas históricas do protestantismo (baptistas, metodistas, presbiterianos, luteranos, etc.) formavam 3,23 % da corrente reformada, enquanto as diversas denominações pentecostais e outras agrupavam 3,37 % dos fiéis. As duas modalidades da corrente espiritista (kardecista e afro-brasileira) representavam, respectivamente, 0,80 % e 0,37 % da população1. Os judeus (0,10), os orientais (0,25) e os "outros" (0,79) formavam cifras ínfimas ao mesmo tempo que os que se declaravam "sem religião" somavam 1,56 % da população total.

Figura 1 Catolicismo tradicional

Figura 1 Catolicismo tradicional

Crianças se preparam para participar de uma procissão da Semana Santa em Ouro Preto (Minas Gerais).

©Hervé Théry2006

  • 2 Pela análise detalhada dessa transformação e dos seus desdobramentos, ver M Aubrée : "La diffusion (...)

4Para dar uma ideia das mudanças ocorridas ao longo dos quase quarenta anos que acabam de passar, eu diria simplesmente que, para grande surpresa dos observadores, o número de "sem religião" atingiu 8 % em 2014 enquanto as diversas projeções feitas pela IBGE dão para o mesmo ano as cifras de 61 % de católicos e 28 % de "protestantes", juntando todas as correntes. Sob esse vocábulo geral é importante frisar que esse rápido aumento do volume de fiéis se deve essencialmente à corrente evangélica pentecostal, cujo crescimento exponencial registrou cifras inéditas. Seu desdobramento em neo-pentecostalismo, surgido ao princípio dos anos 1980 com a fundação da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), mudou os elementos fundamentais da relação com a divindade. Ou seja, fez passar o conjunto do movimento de uma visão comunitária, baseada na partilha de uma crença e de uma ética de salvação, até um modelo individualizante no qual cada crente estabelece uma espécie de "contrato de fé" com a entidade divina. A partir daí a divindade deverá lhe outorgar as suas graças, não mais como anteriormente por uma vida ascética mas tanto pela fé intensa que professa como pelas doações monetárias que ele faz à IURD, considerada como intermediária direta da divindade2.

Figura 2 Frente a frente

Figura 2 Frente a frente

De frente para o Templo de Salomão, construído pela Universal Igreja do Reino de Deus, a pequena igreja São João Batista

©Hervé Théry2016.

  • 3 Para as diferentes ondas do pentecostalismo ver P. Freston : « Pentecostalism in Brazil : a brief h (...)
  • 4 Sobre esse particular ver o livro de Ricardo Mariano : Neo-pentecostais, - Sociologia do novo pente (...)

5Por outra parte, a primeira forma dita "pentecostalismo clássico"3, representada sobretudo pelas Assembleias de Deus e Congregações Cristãs, enfocou a política, até os anos 1980, como o lugar da corrupção do qual era bom ficar o mais longe possível. Além disso, durante a ditadura (1964/1985) as hierarquias do pentecostalismo afirmavam que toda autoridade vem de Deus e, em consequência, se acomodavam muito bem com um regime político imposto pelos militares. Dois elementos novos acarretaram uma transformação de sua relação à política: por um lado, a redemocratização abriu um campo de liberdade de expressão assim como novas oportunidades para conquistar um espaço socio-político mais amplo; por outra parte, o surgimento do neo-pentecostalismo4 que não vacilava em utilizar o campo político para construir rapidamente seu Reino de Deus e, quebrando o tabu histórico da iconoclastía, entrava na competição com os bens simbólicos através da ferramenta televisiva, o qual lhe valia uma ampla audiência.

  • 5 Frase ouvida inúmeras vezes de parte dos pastores nos templos das A.D. da região metropolitana do R (...)
  • 6 Sobre essa ideia ver o "Manifesto antropofágico" publicado em 1928 por O. de Andrade e o artigo de (...)

6Já nas eleições de 1986, as denominações pentecostais apresentaram candidatos em todos os níveis do campo político (federal, estadual, municipal) ou incitaram seus fiéis a votar em candidatos oriundos de outras denominações evangélicas porque "são honestos e inspirados por Deus"5. Isto tomava uma importância maior ainda na medida em que os eleitos em nível federal participariam da redação da nova Constituição, o que era uma excelente forma de promover, na esfera política, a cosmovisão específica dessa corrente religiosa. Dita visão de mundo autoritária, exclusiva e intolerante, infringia a dinâmica cultural histórica de um país que, até então, se distinguia pela sua capacidade a misturar as tradições espirituais que lá tinham se implantado e a "digeri-las" numa síntese original que somente podia pertencer a ele6.

7Foi assim como surgiu no meio da Assembleia Constituinte uma "bancada evangélica", ou seja, o agrupamento a partir de critérios confessionais de deputados pertencendo a diversos partidos. Esse grupo não parou de crescer entre 1988 e 2003, passando de 32 à 70 deputados, em proporção direta do crescimento da corrente evangélica no conjunto da sociedade. Seu impacto foi importante na medida em que se uniram para votar leis "moralistas" ou para embargar propostas de leis novas (direito ao aborto, despenalização do homossexualismo, etc.). Porém, nas eleições de 1994, mandato de F.H. Cardoso, a bancada perdeu cinco deputados federais já por causa de corrupção.

8Após algumas dissensões entre eles durante a legislatura 2003-2006, a dita "bancada" mudou de apelação e se transformou na "Frente Parlamentar Evangélica" com um total de 64 deputados. É importante notar que, na legislatura seguinte (2007/2010), essa frente confessional registrou de novo uma queda importante no número de seus representantes. Com efeito, depois dos escândalos ditos "do mensalão" e "dos sanguessugas" (respectivamente os subornos distribuídos pelo PT aos eleitos de partidos pequenos para atingir uma maioria no Congresso e o escândalo das ambulâncias) 49 dos 70 deputados evangélicos anteriores não foram reeleitos, entre os quais 29 estavam implicados no escândalo das ambulâncias. Era importante para a credibilidade dos deputados evangélicos que, como foi dito, fundavam a legitimidade de suas campanhas sucessivas sob a corrupção dos outros e sua própria "honestidade transparente". Não obstante, nos anos seguintes, o crescimento numérico continuou até essa última eleição. Foi assim como em outubro 2018, os deputados federais evangélicos eleitos eram 84, ou seja 9 a mais do que em 2014, e contavam, além disso, com 7 Senadores, seja 4 a mais do que na legislatura anterior.

Dos imaginários políticos pentecostais e outros

9Depois dessa apresentação da situação objetiva das representações parlamentares do movimento evangélico, gostaria agora de analisar algumas das estratégias discursivas ou simbólicas usadas por essa corrente religiosa para conseguir eleger um ou outro dos seus candidatos. É bom lembrar, num primeiro momento, que o nome completo do novo presidente é Jair Messias Bolsonaro, o que é enfatizado por todos seus partidários. Num artigo anterior tinha mostrado como as hierarquias desse movimento escolhem para seus candidatos nomes sugestivos que lhes permitem atingir um imaginário cristão mais vasto do que o universo evangélico. Por exemplo, um número importante de candidatos levam entre seus nomes o nome de Jesus sem que seja feito menção do seu nome (ex. Antônio de Jesus : deputado federal de Pernambuco) ou, ao contrário, valorizam o nome de família em relação a uma tradição cristã mais geral. Assim, o vereador de Recife cuja cédula de votação menciona "Cordeiro de Deus" me explicou que tem toda legitimidade de usar essa expressão sugestiva porque sendo "crente" ele é "filho de Deus" e que Cordeiro é seu nome oficial. Nesse contexto podemos considerar que o nome "Messias" do presidente eleito jogou um papel importante nos olhos das massas evangélicas assim como entre muita gente cujo imaginário político parece procurar ainda o "homem providencial" ou um "salvador da pátria".

  • 7 Agrupação de latifundiários do Centro-Oeste (estados de Goiás e Mato Grosso) que criam gado (Boi), (...)
  • 8 Ele nomeou sete militares em total no seu primeiro governo : o vice-presidente mais seis ministros.

10Portanto, na medida em que Jair Bolsonaro ganhou a eleição com mais de 56 % dos votos e que os evangélicos pentecostais representam ao máximo 25 % da população, é necessário procurar a explicação do seu êxito muito além desse universo religioso. Durante a campanha suas várias declarações delinearam um programa, bastante confuso, no qual apareciam claramente, no plano econômico, uma adesão total ao ultraliberalismo e as privatizações, numa perfeita concordância com a visão de quem, formado nos USA, foi nomeado por ele Ministro da Economia desse primeiro governo, Paulo R.N. Guedes. A opção do presidente a favor dos ricos, talvez influenciado pela Teologia da Prosperidade, apreciada pelos pentecostais, lhe valeu muito cedo o apoio financeiro da FIESP para fazer campanha. Igualmente, suas declarações reiteradas a favor da liberação do porte de armas como forma de lutar contra a delinquência e restabelecer a ordem agradaram muito aos chamados BBB7. Por outro lado, sua tomada de posições a favor dos militares8 e contra o homosexualismo, seu desprezo afirmado pelas mulheres, pelos indígenas e afrodescendentes deveriam ter acarretado uma rejeição desses segmentos sociais, mas parece que certos setores da população aderiram a sua pessoa a partir de outros critérios não muito democráticos. Por outra parte, ele poupa a porção católica do país, ainda majoritária. Em efeito, ao contrário das declarações feitas em novembro por dois de seus pastores-assessores, segundo os quais na sua chegada no poder ele iria eliminar o patronato da Virgem de Aparecida sobre o Brasil, o presidente foi visitar no dia 30 de novembro o santuário Marial onde ele rezou e encontrou com o arcebispo do lugar. Em seguida, Bolsonaro (antes da sua posse) foi visitar a vizinha comunidade da Renovação Carismática, "Canção Nova", onde encontrou com o padre-fundador do movimento.

Figura 3 Orixá do culto afro-brasileiro no museu de Laranjeiras (Sergipe)

Figura 3 Orixá do culto afro-brasileiro no museu de Laranjeiras (Sergipe)

©Hervé Théry2018

  • 9 Cf. entre outros : La légitimité démocratique : impartialité, réflexivité, proximité, éd. Seuil, Pa (...)

11Nos vários ensaios que ele publicou sobre a deterioração geral da ideia de democracia9, Pierre Rosanvallon evidencia, entre outros, o surgimento de representações novas sobre o justo e o injusto e uma forte rejeição das desigualdades. Isso acarreta uma procura de bodes expiatórios para exorcisar os novos medos, favorecendo comportamentos que podem ser considerados como irracionais. Entre esses medos Rosanvallon salienta "o medo da desclassificação", o "medo do outro diferente" e, também, o "medo do futuro". Se aplicarmos esse raciocínio a situação brasileira aparece que, para uma maioria dos que votaram a favor de Bolsonaro, o bode expiatório era evidente: o Partido dos Trabalhadores que presidiu aos destinos do país de 2003 a 2016. Para alguém de fora fica difícil entender como um partido que melhorou a vida de 38 milhões de pessoas tirando-os da pobreza pode, a posteriori, provocar tanto ódio. Porque é disso que se trata, de um ódio visceral contra aquele partido político que, ao contrário do que tinha passado historicamente no Brasil, havía conseguido promover algumas leis que favoreceram muito os segmentos mais carentes da sociedade.

  • 10 Ver A. Buarque de Holanda : Pequeno dicionário brasileiro da língua portuguesa, São Paulo, éd. Civi (...)
  • 11 De B. Spinoza (Ética, Livro III, XIII) à A. Glucksman (Le Discours de la haine, éd. Plon, 2004 ) ou (...)
  • 12 O que J.P. Sartre já tinha notado na sua obra L'être et le Néant (1943) : "Basta que um só homem od (...)
  • 13 Cf. as denúncias feitas a partir do site The Intercept.

12Esse "ódio", que o dicionário define como "aversão a uma pessoa ou coisa, inimizade, raiva, rancor ou antipatia"10 é considerado pelos filósofos que o analisaram11 como um "sentimento ruim e violento" do qual surgem paixões múltiplas que vão todas no sentido da vingança e da destrutividade do objeto de ódio. Por outra parte, ao observar os acontecimentos políticos dos quatro últimos anos no Brasil podemos considerar que o "ódio" é uma doença social contagiosa12 porque o número de pessoas que passaram a odiar o PT e o seu maior representante, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, só fez aumentar, entre os diversos segmentos sociais, o que Le Cour Grandmaison definiu como a implacável lógica paixonal alimentada pela imaginação. Tudo isso levou até a acusação e subsequente prisão de Lula por motivos que, nos últimos meses, estão aparecendo cada vez mais como uma manipulação juridico-política13.

  • 14 Tentaram tres vezes apresentar leis de reforma tributária (anos 2003/2004 e 2008) mas, por falta de (...)
  • 15 Sobre esse particular ver o meu artigo "Jesus, l'Esprit-Saint et la couleur des fidèles", (in) Cahi (...)

13Em efeito, o PT talvez tenha falhado na conduta do país, por não ter feito algumas reformas estruturais necessárias (tributária, entre outras14) que teriam saneado as finanças do país e o teria projetado, em nível internacional, até o desenvolvimento real de suas enormes potencialidades. Mas se esse partido falhou não foi, nem mais nem menos, do que os outros governos democráticos que lhe antecederam. Então o ódio contra o PT deve ser procurado, relativamente nas classes médias, do lado de um "medo da desclassificação" numa faixa social que tinha gozado de um nível de vida favorecido o qual, até certas reformas promulgadas pelo PT (aumento do salário mínimo, sistema de quotas, etc.), os distinguia da massa das populações pobres, como a possibilidade de estudar nas universidades, de viajar num país tão vasto por avião em vez de ônibus e tantas facilidades a mais. Do lado dos pro-Bolsonaro, de forma mais amplo, observamos uma adesão às declarações racistas ou homofóbicas do tal presidente a partir de um "medo do outro diferente" que se aplica tanto aos indígenas quanto aos afrodescendentes ou aos homosexuais. Isto parece reforçado, no caso dos pretos, pelos ataques simbólicos, incessantes e violentos, contidos nas pregações dos pastores neo-pentecostais contra as divindades de origem africana15.

  • 16 En 2017, o Atlas da Violência 2018 (IPEA, São Paulo), publicado em junho passado, contabilizou 553. (...)

14Por fim, o conjunto da população se confrontou diariamente, nos últimos anos, a um medo para a vida própria, devido ao desenvolvimento exponencial em todos os centros urbanos de uma delinquência cada vez mais violenta, ligada ou não ao tráfico de drogas e que faz muitos mortos a cada dia16. Esse estado das coisas faz que muitas pessoas adiram cada vez mais à crenças religiosas de todos tipos e entram nas suas correspondentes instituições, que lhes servem de refúgios e lhes trazem o conforto de entidades, cristãs ou outras, capazes de dar um novo sentido ao seu presente, se não ao seu futuro.

Quatro anos para observar e analisar

15Os oito primeiros meses dessa legislatura nova trouxeram uma dose de surpresas, para todos, e de amarguras, para alguns. Jair Bolsonaro, o "Trump tropical" como foi apelidado já durante a campanha, tem a firme intenção de promover, a todo o vapor, as reformas que germinaram na sua mente e na mente dos seus parceiros políticos ao longo da campanha frouxa que ele fez. Ideias tão brilhantes quanto : liberar o porte de armas para terminar com a violência ; desistir do acordo de Paris sobre o clima ou mesmo se retirar da ONU ; privatizar as empresas públicas para melhorar a balança de pagamentos ; diminuir os direitos trabalhistas, baixar os impostos dos mais ricos e educar as crianças nos valores evangélicos para uma volta geral à sua ordem moral específica ; lutar ativamente contra os comunistas que ele chama de "marginais vermelhos" ou "esquerdistas fora da lei" e a quem ele propõe escolher entre o exílio ou o cárcere ; estabelecer a aposentadoria por capitalização e, por fim, reduzir a educação geral à aprendizagem das matemáticas, das ciências e do português para acabar de vez com a "ideologia" que, na sua estreita visão de mundo, se aplica somente às pessoas de esquerda.

16Justamente no domínio da educação o primeiro ministro titular da pasta, Ricardo Velez Rodriguez, foi um teólogo e pastor evangélico colombiano, que rapidamente renunciou (8/4/2019) e foi substituído pelo Pr. A. Weintraub, economista, executivo do mercado financeiro e professor na UNIFESP. Essa segunda nomeação foi justificada pelo presidente Bolsonaro em razão da "ampla experiência em gestão" do novo ministro. Logo da sua posse Weintraub decretou um "contingenciamento" de 30 % nas verbas não obrigatórias de algumas universidades federais consideradas como "subversivas" o qual, mais tarde, foi estendido a todas elas. Essas medidas provocaram protestos estudantis que continuam em várias partes do país e contra os quais o ministro está preparando uma "cartilha contra manifestações politico-partidárias nas universidades".

17Por outra parte, o ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos foi entregue à advogada e pastora evangélica, Damares Alves quem, num primeiro momento, fez várias declarações polêmicas ao redor da "ideologia de gênero", da educação de meninas e meninos e da comunidade LGBT. Por meio dessas declarações ela expressava convicções pessoais que correspondem a orientação pentecostal de boa parte do governo Bolsonaro. A zona de competência desse ministério também causou protestos porque lhe foi entregue a administração da FUNAI, criada em dezembro de 1967 para substituir o SPI (1910) e tradicionalmente ligada ao Ministério da Justiça. O pretexto dessa mudança administrativa foi o fato que Damares "adotou" (muitos dizem "sequestrou") uma menina indígena Kamayurá de seis anos, nascida em 1998. Isso se fez pelo intermediário de uma colega pastora que estava missionando no Xingu para a igreja do Evangelho Quadrangular e levou a menina até Brasília, supostamente para fazer um tratamento odontológico ; mas a família biológica denunciou que a moça nunca foi devolvida à sua tribo de origem e Damares admitiu que dita "adoção" nunca foi formalizada através da lei.

  • 17 Sabemos dos vários massacres de Sta Elmira (RGS, 1989) ou Eldorado do Carajás (Pará, 1996), assim c (...)

18Porém, um dos atributos importantes da FUNAI, quando ela dependia do Ministério da Justiça, era a identificação e a demarcação das terras indígenas, mas, Bolsonaro, por um decreto do 1° de janeiro de 2019, transferiu essa prerrogativa à Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina da Costa, quem era até recentemente liderança da bancada ruralista. Ou seja, fazendo isso o presidente entregou a demarcação das terras indígenas aos seus piores inimigos, os latifundiários que mantém na Amazônia uma luta incessante para se apropriar um máximo de terras, recorrendo há anos aos assassinatos de líderes camponeses ou indígenas17.

19Ninguém pode até hoje prever definitivamente as surpresas, boas ou ruins, que nos reserva esse governo durante os quatro anos do seu mandato. Porém vários dos seus membros, entre os quais o primeiro, já deram sinais de autoritarismo e intolerância, quando não de grosseria; todas coisas que riscam acentuar a fragmentação da população e, infelizmente, de inserir o Brasil no grupo, cada vez maior, das "democracias iliberais", sociedades nas quais o ódio de uns pelos outros vai dividindo a nação. Na sua época, Victor Hugo considerava o ódio como "o inverno do coração", tomará que a "primavera do coração" floresça de novo em breve no Brasil.

Haut de page

Bibliographie

Andrade, Oswald de : Manifesto Antropofágico, São Paulo, 1928.

Almeida, R. de & Montero, P. : "Transito religioso no Brasil", (in) Perspectivas (online), São Paulo,2001, vol. 15, n° 3, pp. 92-100.

Atlas da Violência - 2007/2018, Instituto de Pesquisa Económica Aplicada, São Paulo. 2019. Cifras do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Aubrée, Marion : “La diffusion du pentecôtisme brésilien en France et en Europe : le cas de l’IURD“, (in) C. Lerat et B. Rigal-Cellard (dir.) : Les mutations transatlantiques des religions, P.U.B., Bordeaux, 2000, pp. 149-157.

Idem : "Jésus, l'Esprit-Saint et la couleur des fidèles", (in) Cahiers du Brésil Contemporain, n° 49-50, Paris, 2002, pp. 125-134

Idem : ”Un pentecôtisme d’origine brésilienne entre les populations immigrées d’Europe de l’Ouest”, (in) Anthropologie et Sociétés, vol. 27, n° 1, Québec, 2003, pp. 65-84.

Idem : "Pentecôtisme brésilien : les transformations du rapport au politique" (in) N. Borgeaud-Garciandia, B. Lautier, R. Peñafiel et A. Tizziani (éds.) : Penser le politique en Amérique latine - La recréation des espaces et des formes du politique, éd. Khartala, Paris, 2009, pp. 337-347.

Birman, Patricia : "Cultos de possessão e pentecostalismo no Brasil : passagens" (in) Religião e Sociedade, n° 17/1-2, Rio de Janeiro, 1996.

Freston, Paul : « Pentecostalism in Brazil : a brief history », (in) Religion, vol. 25 (2), pp. 119-133, Elsevier ed., Amsterdam/Londres, 1995.

Glucksmann, André : Le discours de la haine, éd. Plon, Paris, 2004.

Le Cour Grandmaison, Olivier : Haine(s) - Philosophie et Politique, ed. PUF, Paris, 2002.

Mariano, Ricardo : Neopentecostais - Sociologia do novo pentecostalismo no Brasil, éd. Loyola, São Paulo, 1999.

Ortiz, Renato : "Du syncrétisme à la synthèse - umbanda une religion brésilienne", Archives des Sciences Sociales des Religions, n° 10, pp. 80-97, 1974. Esse texto foi publicado em português pelo mesmo autor como capítulo V do seu livro A consciência fragmentada, ed. Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1980.

Rosanvallon, Pierre : La légitimité démocratique : impartialité, réflexivité, proximité, éd. Seuil, Paris, 2008.

Rosanvallon, Pierre: La société des égaux, éd. Seuil, Paris, 2011.

Haut de page

Notes

1 Nesse ponto me parece necessário precisar que essas duas cifras correspondiam ao número mínimo de pessoas que assumíam publicamente uma ou outra crença e, em nenhum dos casos, ao conjunto dos "simpatizantes" que frequentavam os centros espíritas ou os terreiros das religiões afro-brasileiras. De fato, seu número real era sem medida com essas cifras já que os dois movimentos constituíam a maior parte da dupla ou tripla pertença religiosa, a qual foi analisada durante os anos 1990/2000 sob a designação de "transito religioso". Cf. P. Birman : "Cultos de possessão e pentecostalismo no Brasil : passagens" (in) Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, n° 17 (1-2), 1996, pp.90-109 et R. de Almeida et P. Montero : "Transito religioso no Brasil", (in) Perspectivas (on-line), São Paulo, 2001, vol. 15, n° 3, pp. 92-100.

2 Pela análise detalhada dessa transformação e dos seus desdobramentos, ver M Aubrée : "La diffusion du pentecôtisme brésilien en France et en Europe : le cas de l’IURD“, (in) C. Lerat et B. Rigal-Cellard (dir.) : Les mutations transatlantiques des religions, P.U.B., Bordeaux, 2000, pp. 149-157 et ”Un pentecôtisme d’origine brésilienne entre les populations immigrées d’Europe de l’Ouest”, (in) Anthropologie et Sociétés, vol. 27, n° 1, Québec, 2003, pp. 65-84.

3 Para as diferentes ondas do pentecostalismo ver P. Freston : « Pentecostalism in Brazil : a brief history », (in) Religion, vol. 25 (2), avril 1995, pp. 119-133, Elsevier ed., Amsterdam/Londres.

4 Sobre esse particular ver o livro de Ricardo Mariano : Neo-pentecostais, - Sociologia do novo pentecostalismo no Brasil, éd. Loyola, São Paulo, 1999.

5 Frase ouvida inúmeras vezes de parte dos pastores nos templos das A.D. da região metropolitana do Recife no ano de 1986.

6 Sobre essa ideia ver o "Manifesto antropofágico" publicado em 1928 por O. de Andrade e o artigo de R. Ortiz : "Du syncrétisme à la synthèse : umbanda ume religion brésilienne", A.S.S.R., n° 10, pp. 80-97, 1974.

Esse artigo foi publicado em português como capitulo V do livro do mesmo autor : A consciência fragmentada, ed. Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1980.

7 Agrupação de latifundiários do Centro-Oeste (estados de Goiás e Mato Grosso) que criam gado (Boi), defendem a liberdade do porte de armas (Bala) e são em maioria evangélicos (Bíblia).

8 Ele nomeou sete militares em total no seu primeiro governo : o vice-presidente mais seis ministros.

9 Cf. entre outros : La légitimité démocratique : impartialité, réflexivité, proximité, éd. Seuil, Paris, 2008 et La société des égaux, éd. Seuil, Paris, 2011.

10 Ver A. Buarque de Holanda : Pequeno dicionário brasileiro da língua portuguesa, São Paulo, éd. Civilização Brasileira, 2a ed., 1969, p. 862.

11 De B. Spinoza (Ética, Livro III, XIII) à A. Glucksman (Le Discours de la haine, éd. Plon, 2004 ) ou, mais recentemente, O. Le Cour Grandmaison (Haine(s) : Philosophie et Politique, PUF 2002).

12 O que J.P. Sartre já tinha notado na sua obra L'être et le Néant (1943) : "Basta que um só homem odeie um outro para que o ódio se espalhe entre todos."

13 Cf. as denúncias feitas a partir do site The Intercept.

14 Tentaram tres vezes apresentar leis de reforma tributária (anos 2003/2004 e 2008) mas, por falta de maioria no Congresso e interesses contrários entre governadores, não conseguiram que fossem votadas.

15 Sobre esse particular ver o meu artigo "Jesus, l'Esprit-Saint et la couleur des fidèles", (in) Cahiers du Brésil Contemporain, n° 49-50, Paris, 2002, pp. 125-134.

16 En 2017, o Atlas da Violência 2018 (IPEA, São Paulo), publicado em junho passado, contabilizou 553.000 mortes violentas em 11 anos, ou seja mais do que num país em guerra como a Síria. Para o ano 2017, que aparece como o pior, a cifra de 64.021 (Fórum Brasileiro de Segurança Pública) representa mais ou menos 7 assassinatos a cada hora. O mesmo Forúm registra uma queda de 10,4 % dos assassinatos em 2018.

17 Sabemos dos vários massacres de Sta Elmira (RGS, 1989) ou Eldorado do Carajás (Pará, 1996), assim como de tantas denúncias feitas pela Comissão Pastoral da Terra relativamente á morte de membros do MST e, mais recentemente de um líder Waiapí esfaqueado em julho de 2019 por garimpeiros quem, seguindo ao pé da letra os discursos de Bolsonaro, querem aproveitar as riquezas minerais das terras indígenas.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Catolicismo tradicional
Légende Crianças se preparam para participar de uma procissão da Semana Santa em Ouro Preto (Minas Gerais).
Crédits ©Hervé Théry2006
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/22349/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 1,0M
Titre Figura 2 Frente a frente
Légende De frente para o Templo de Salomão, construído pela Universal Igreja do Reino de Deus, a pequena igreja São João Batista
Crédits ©Hervé Théry2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/22349/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre Figura 3 Orixá do culto afro-brasileiro no museu de Laranjeiras (Sergipe)
Crédits ©Hervé Théry2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/22349/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 2,6M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marion Aubrée, « Intronização de um "Trump tropical" », Confins [En ligne], 501 | 2019, mis en ligne le 07 octobre 2019, consulté le 23 octobre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/22349 ; DOI : 10.4000/confins.22349

Haut de page

Auteur

Marion Aubrée

Antropóloga,(CRBC/CéSor - EHESS Paris)

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals