Navigation – Plan du site
Dossiê aplicações em geografia, saúde e meio ambiente

Dossiê Temático sobre aplicações em geografia, saúde e meio ambiente

Helen Gurgel et Anne-Elisabeth Laques

Texte intégral

1A ampliação do debate sobre o conceito de saúde e também sobre o campo da saúde passa a reforçar a convicção de que a saúde não é um assunto só para médicos (e pacientes). Sendo que em 1986 a Carta de Ottawa produzida durante a I Conferência Internacional sobre Promoção de Saúde no Canadá declara que “A paz, a educação, a habitação, a alimentação, a renda, um ecossistema estável, a conservação dos recursos, a justiça social e a equidade são requisitos fundamentais para a saúde”. Desta forma, estudos que compreendam as relações entre as questões de saúde e o contexto geográfico onde elas ocorrem passam a ser uma importante contribuição para apoiar as ações em saúde.

2Devemos destacar que uma das formas de olhar a relação entre a saúde e o seu contexto geográfico perpassa pelo lugar, que é a porção ou parte do espaço em que vivemos e onde se desdobra a nossa vida cotidiana e onde vivenciamos as nossas diferentes experiências. Os espaços podem ser vistos como conjuntos de territórios e lugares onde fatos acontecem simultaneamente, e, suas repercussões são sentidas em sua totalidade de maneiras diferentes. O reconhecimento deste conjunto é um passo básico para a caracterização da população e de seus problemas de saúde, bem como para avaliação do impacto dos serviços sobre os níveis de saúde dessa população. Além disso, o território tem a capacidade de congregar informações de múltiplas fontes e de múltiplas disciplinas. Devemos destacar que no território é onde as coisas acontecem: onde as pessoas vivem, trabalham, se divertem, adoecem e se recuperam. Enfim, é no território que as políticas públicas se aplicam e é onde as decisões se tornam realidades.

3Diante deste contexto, o objetivo principal desse dossiê é de divulgar aplicações em geografia, saúde e meio ambiente, através de exemplos práticos, resultado de estudos realizados em diversos territórios e nas mais variadas escalas geográficas. Após uma chamada junto à comunidade franco-brasileira que desenvolvem pesquisas em geografia e saúde. Recebemos diversas contribuições e após a análise de revisores, selecionamos oito artigos que tratam de diversas temáticas nas relações entre saúde e ambiente no Brasil e na África. Estes foram selecionados por evidenciar como os diversos olhares sobre o território favorecem uma melhor compreensão das diversas dinâmicas espaciais que influenciam a saúde.

4Um dos artigos discute sobre a dinâmica da violência e a importância de pesquisas nessa temática que se voltem para o seu reflexo na saúde pública, exemplificando através de uma análise longitudinal dos fatores associados a epidemia/endemia de homicídios nas capitais brasileiras. A fim de oferecer subsídios para as políticas públicas setoriais envolvidas na gestão de risco de desastres no Brasil, outro artigo ilustra as inundações e o desastre da Vale, decorrente do rompimento de barragem de rejeito de minério em Brumadinho/MG.

5As doenças transmissíveis por vetores foram contempladas por três artigos. Um que discute a importância de conhecermos a experiência do combate a arboviroses em outros lugares do mundo e como elas podem apoiar na luta contra essas doenças no Brasil. Outro que mostra como técnicas de estimativa populacional, baseados em imagens de satélites e no censo demográfico podem ser úteis para calcular a incidência da dengue em períodos intercensitários em unidades espaciais não tradicionais do planejamento urbano do distrito federal. Permitindo assim conhecer de forma mais detalhada a dinâmica da doença no espaço urbano da capital do Brasil. O terceiro artigo mostra como o conhecimento do contexto geográfico da Tripanossomíase Africana Humana, transmitida pela mosca tsé-tsé no Níger, ajudou a definir os vilarejos que deveriam ter um estudo médico mais detalhado. De modo a auxiliar na erradicação da doença no país, que segundo proposta da Organização Mundial da Saúde (OMS) deveria ocorrer até 2020.

6Por fim, três artigos trazem questões ligadas a produção do conhecimento em saúde e ambiente. Um artigo ilustra como as aulas de geografia podem contribuir para a sensibilização e o estímulo de estudantes na compreensão de como é possível melhorar as condições de vida do lugar que habitam e as possibilidades de mudança desse lugar com vistas as ações de promoção à saúde. Exemplificando como isso ocorreu em uma escola de Olinda – Pernambuco. Um segundo artigo discute como a coprodução de conhecimento é uma maneira de engajar atores acadêmicos e extra acadêmicos na produção compartilhada de conhecimento. A partir de estudo realizado em Santarém no Pará sobre a gestão da água pelo setor saúde. As autoras mostram que o novo conhecimento produzido pela troca de conhecimento entre os diversos atores que atuam no território teria o potencial de melhorar tanto a gestão da água, e assim, minimizar os riscos das doenças de veiculação hídrica, quanto apoiar os pesquisadores em suas atividades na região de estudo. Um último artigo também aborda uma doença ligada a questão hídrica, a partir de um estudo sobre as relações entre as internações causadas por diarreias e a dinâmica do clima nas 27 capitais brasileiras. Como resultado principal destacam a importante variabilidade intra-anual que ocorrer nas distintas regiões do Brasil. Indicando que as ações de saúde preventivas às diarreias devem ocorre distintamente ao longo do ano, dependendo da localização de cada cidade.

7Os artigos deste dossiê nos levam desta forma a ampliar o conhecimento científico sobre as relações entre geografia, ambiente e saúde através de exemplos práticos que envolvem diversas formas de olhar a saúde. Evidenciando como o contexto geográfico pode ser utilizado para melhor compreender as diversas dinâmicas que impactam a saúde humana tanto no Brasil como na África. Além de como esse conhecimento pode ser usado para apoiar as políticas públicas setoriais que tem impacto tanto direto como indireto na saúde da população.

8Destacamos que esse dossiê é uma iniciativa do projeto JEAI-GITES (Jovem Equipe Associada ao IRD - Gestão, Indicador e Território: Ambiente e Saúde no Brasil) que coordenamos entre 2015 e 2019. O Programa JEAI (Jeunes Equipes Associées) é uma iniciativa do IRD (Institut français de Recherche pour le Développement) voltada para o surgimento ou fortalecimento de equipes de pesquisa de países do Sul, no âmbito de parcerias científicas com unidades de pesquisa do IRD. O JEAI GITES-Brasil teve como objetivo desenvolver métodos, ferramentas e indicadores para entender de forma integrada as disparidades espaciais em condições de saúde com a dinâmica socioambiental dos territórios.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Helen Gurgel et Anne-Elisabeth Laques, « Dossiê Temático sobre aplicações em geografia, saúde e meio ambiente », Confins [En ligne], 42 | 2019, mis en ligne le 29 novembre 2019, consulté le 19 janvier 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/22814 ; DOI : 10.4000/confins.22814

Haut de page

Auteurs

Helen Gurgel

Laboratório de Geografia, Ambiente e Saúde (LAGAS), Departamento de Geografia, Universidade de Brasília (UnB). E-mail: helengurgel@unb.br

Articles du même auteur

Anne-Elisabeth Laques

UMR ESPACE-DEV, Institut de Recherche pour le Développement (IRD). E-mail: anne-elisabeth.laques@ird.fr

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals