Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

A história da humanidade contada em 515 mapas

L'histoire de l'humanité racontée en 515 cartes
The history of humanity told in 515 maps
Confins

Entrées d’index

Index de mots-clés :

histoire, monde, cartes, Grataloup

Index by keywords :

history, world, maps, Grataloup

Índice de palavras-chaves :

história, mundo, mapas, Gratalou
Haut de page

Texte intégral

  • 1 Professor emérito da Universidade Paris Diderot, Christian Grataloup participou de várias publicaçõ (...)
  • 2 Atlas historique mondial, Christian Grataloup, introduction de Patrick Boucheron, Les Arènes, octob (...)

1Desde a sua criação, a revista L'Histoire publica artigos de historiadores descrevendo os últimos avanços em suas pesquisas, e esses textos geralmente são enriquecidos por um ou mais mapas. A partir deste fundo cartográfico excepcional, Christian Grataloup1 selecionou, recriou e comentou 515 mapas que contam a história do mundo, desde as origens da humanidade até hoje, hoje publicadas na forma de um atlas2. Selecionamos alguns dos seus mapas, acompanhados por os comentários do autor, e incentivamos nossos leitores a descobrir os outros no livro

Figura 1 Conquista e reconquista da Península Ibérica

Figura 1 Conquista e reconquista da Península Ibérica

Atlas historique mondial, p. 118-119

21) 711-715: a conquista muçulmana na Espanha

3Em 711, Tariq ibn Ziyad, com cerca de dez mil homens, na maioria berberes, chegou a Gibraltar. Quatro anos depois, apenas alguns territórios permaneciam independentes no norte (Pirineus) e no noroeste (Astúrias).

42) Século X: a era de ouro de Alandalus

5Sob Abd al-Rahman III e Al-Mansour, o califado de Córdoba, proclamado em 929, estava vivendo uma época de grande prosperidade. Sua capital era a segunda maior cidade do mundo islâmico, atrás de Bagdá. Os reinos cristãos do Norte garantiam ao califado submissão política e um viveiro de mercenários.

63) 1031: o desaparecimento do califado omíada e a criação de taifas

7Com a morte de Al-Mansour, uma guerra civil opôs berberes, árabes e mercenários cristãos. Terminou em 1031 com o desaparecimento do califado omíada, substituído por vinte principados independentes, as taifas, logo anexados pelos almorávidas.

84) 1085-1492: a reconquista

9O Islã ainda dominava no século XII o terço sul da península. Pondo fim ao desacordo entre castelhanos e aragoneses, o tratado de Cazola permitiu a vitória decisiva de Las Navas de Tolosa em 1212. Em 1266, os muçulmanos tinham apenas o reino de Granada, que caiu em 1492.

Figura 2 Tordesillas, primeiro compartilhamento do mundo (1494)

Figura 2 Tordesillas, primeiro compartilhamento do mundo (1494)

Atlas historique mondial, p. 250

  • 3 Hervé Théry, « Tordesillas, la bourgade où Castillans et Portugais se sont partagé l’Amérique », Ma (...)

10No século XV, os europeus tentaram encontrar novas rotas para o Oriente. Em 1434, os portugueses começaram a contornar a África. Em 1488, Diaz alcançou o Cabo da Boa Esperança, e em 1498 Vasco de Gama chegou a Calicut. Enquanto isso, financiado pela Espanha, Cristovão Colombo, com o mesmo objetivo, chegava à América. Em 1481, uma bula papal concedeu a Portugal todas as terras ao sul das Canárias. Em 1493, uma segunda bula compartilhou as descobertas ao longo de uma linha passando a 100 léguas do meridiano das Ilhas Cabo Verde. João II de Portugal, ao assinar o tratado de Tordesillas3 com os reis católicos, aumentou a distância para 370 léguas, o que permitiu que, em 1500, Cabral incorporasse o Brasil às terras portuguesas. As outras potências marítimas europeias contestaram esse tratado, e ingleses, holandeses e franceses se lançaram em explorações e conquistas no exterior.

Figura 3 O império português (séculos XV-XVI)

Figura 3 O império português (séculos XV-XVI)

Atlas historique mondial, p. 256

11Portugal teceu, no século XV-XVI, um império de pouca extensão territorial, mas rico em rotas e pontos de apoio. Entre o mundo mediterrâneo e o Atlântico, o país estava bem posicionado para deslocar as redes globais das antigas rotas do Oriente para o mar aberto. As novas descobertas e conquistas representaram uma mutação em relação à Reconquista e às cruzadas, expandindo a conquista para o sul. No entanto, essa globalização abrupta feita por um país com meios demográficos e econômicos muito modestos não pôde durar muito.

12A expansão começou em 1415 com a captura de Ceuta, no Marrocos. Continuou sob o Infante Henrique, o Navegador, que apoiou expedições distantes. O controle dos Açores e da Madeira foi decisivo. Os navegadores exploraram a costa africana e, uma vez passado o Cabo da Boa Esperança, fundaram feitorias em todo o Oceano Índico. O monopólio do comércio com a Índia e as ilhas de especiarias durou até o final do século XVI, quando as companhias das Índias Holandesas e Inglesas se apossaram do conhecimento náutico dos portugueses.

13Essa ciência do oceano havia permitido aos portugueses incorporar o Brasil ao seu império. A princípio objeto de predação de madeira preciosa, tornou-se o local das primeiras plantações de açúcar europeias no exterior, depois de minas de ouro. O enriquecimento de Portugal foi rápido (na era manuelina), mas efêmero.

Figura 4 As rotas da seda no meio do século VII

Figura 4 As rotas da seda no meio do século VII

Atlas historique mondial, p. 104

14O termo "Rota da Seda" foi criado no século 19 pelo geógrafo alemão Ferdinand von Richthofen. Ele designa as rotas comerciais que ligam, via Ásia Central, a China ao Mediterrâneo, especificamente a cidade de Chang'an (atual Xi'an) a Antioquia. Tradicionalmente, considera-se que foi aberto pelo general chinês Zhang no século II A.C. Mas o tráfego de caravanas comerciais existia muito antes dos impérios Han e Romano. Às vezes é chamada de "estrada de jade" no terceiro milênio A.C., logo após a domesticação do cavalo, e do camelo. O crescimento do comércio não cessou, especialmente quando recebeu proteção imperial. A China tentou controlar a rota mais ocidental possível, construindo uma rede de pontos de apoio em ambos os lados do deserto de Takla-Makan. Mas o controle do Fergana além da passagem de Tian Shan, abrindo para Ásia Central, só poderia ser ocasional. Isso é simbolizado pela derrota do rio Talas, onde o exército chinês enfrentou em 751 as tropas do império islâmico, reforçadas por contingentes tibetanos. Somente o Império de Gengis Khan, no século 13, foi capaz de controlar toda a estrada. O aumento gradual do tráfego (seda, papel, porcelana, jade de leste a oeste, objetos de metal ou vidro, tecidos de linho ou lã, metais preciosos de oeste a leste) permitiu que cidades intermediárias prosperassem. às vezes fabulosamente (Samarcanda). A organização de pontos protegidos, os caravanserais, permitiu a durabilidade dos eixos. O desenvolvimento de rotas marítimas a partir do século XV levou ao seu declínio.

Figura 5 As "novas rotas da seda chinesas (2019)

Figura 5 As "novas rotas da seda chinesas (2019)

Atlas historique mondial, p. 608

15Durante uma viagem ao Cazaquistão em 2013, o presidente chinês Xi Jinping formalizou o projeto de "novas estradas de seda". Esse rótulo, cujo nome evoca o conjunto de relações econômicas, culturais e científicas que uniram os povos da Eurásia, na verdade se refere a uma infinidade de projetos. O principal objetivo da China é de desenvolver dois corredores de tráfego, um terrestre e outro marítimo, para promover as exportações chinesas e abrir mercados para sua indústria da construção. Esse desafio é complementado por projetos para o desenvolvimento de áreas de produção e armazenamento e a criação de uma rede de fibra ótica.

16Enquanto a abertura da China a partir da década de 1980 foi centrada em seu litoral, pela criação de zonas econômicas especiais e a abertura dos principais portos, o país quer hoje reequilibrar seu desenvolvimento no interior e a Ásia Central é uma prioridade. Como parte da Organização de Cooperação de Xangai, Pequim se aproximou de Moscou e das antigas repúblicas socialistas da região e a China também está se voltando para o Oceano Índico: ela está buscando desenvolver uma rede de bases militares ("colar de pérolas") e está multiplicando as concessões de exploração comercial nos portos. Finalmente, os seus olhos também estão focados no Ártico e nas possibilidades oferecidas pela possível abertura de rotas polares.

Haut de page

Notes

1 Professor emérito da Universidade Paris Diderot, Christian Grataloup participou de várias publicações: Géohistoire de la mondialisation (Armand Colin, 2015). Faut-il penser autrement l’histoire du monde ? (Armand Colin, 2011), L’Atlas global (Arena, 2014 e 2016

2 Atlas historique mondial, Christian Grataloup, introduction de Patrick Boucheron, Les Arènes, octobre 2019, 670 pages, ISBN 978-2-7112-0184-6

3 Hervé Théry, « Tordesillas, la bourgade où Castillans et Portugais se sont partagé l’Amérique », Mappemonde [En ligne], 126 | 2019, mis en ligne le 06 novembre 2019, consulté le 29 novembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/mappemonde/1197

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Conquista e reconquista da Península Ibérica
Crédits Atlas historique mondial, p. 118-119
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23216/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 1,1M
Titre Figura 2 Tordesillas, primeiro compartilhamento do mundo (1494)
Crédits Atlas historique mondial, p. 250
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23216/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Titre Figura 3 O império português (séculos XV-XVI)
Crédits Atlas historique mondial, p. 256
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23216/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Titre Figura 4 As rotas da seda no meio do século VII
Crédits Atlas historique mondial, p. 104
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23216/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Titre Figura 5 As "novas rotas da seda chinesas (2019)
Crédits Atlas historique mondial, p. 608
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23216/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 194k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « A história da humanidade contada em 515 mapas », Confins [En ligne], 42 | 2019, mis en ligne le 29 novembre 2019, consulté le 19 janvier 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/23216 ; DOI : 10.4000/confins.23216

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals