Navigation – Plan du site
Dossiê aplicações em geografia, saúde e meio ambiente

Trabalhar na interface: coprodução de conhecimento entre cientistas e gestores públicos na saúde ambiental. O programa Vigiagua como estudo de caso em Santarém/PA

Interface Work: coproducing knowledge among scientists and public managers in environmental health. The Vigiagua program as a case study in Santarém / PA
Travailler à l'interface : coproduction de connaissances entre scientifiques et gestionnaires publics en santé environnementale. Le programme Vigiagua en tant qu’étude de cas à Santarém / PA
Louise Cavalcante et Stéphanie Nasuti

Résumés

La coproduction de connaissances est un moyen d'engager des acteurs universitaires et extra-universitaires dans la production conjointe de connaissances. Dans ce contexte, cette étude vise à examiner le potentiel du travail d’interface, une méthodologie approche, permettant de servir de médiateur à un processus de coproduction de connaissances entre chercheurs et gestionnaires publics municipaux. Pour stimuler les discussions sur ce processus, la qualité de l'eau d'une région amazonienne a été utilisée comme objet d'étude. Une partie des données a été obtenue par le biais d'entretiens, l’autre partie sont données secondaires issues de bases de données publiques. Les résultats indiquent qu'il existe des possibilités de coproduction de connaissances pouvant être utilisées tant par les chercheurs que par les gestionnaires. Ces connaissances d’un nouveau type pourraient permettre à la fois d’améliorer la gestion de l’eau à Santarém -et ainsi minimiser les risques de maladies à transmission hydrique, et être mises à profit par les chercheurs dans leurs activités. Dans ce cas d’étude, le processus se présente comme une relation gagnant-gagnant, mais la mise en œuvre effective de cette méthodologie présente toutefois certaines limites, notamment liées à la distance géographique entre les acteurs, au manque d’équipements et de laboratoires, aux conditions de transmissions des données et aux caractéristiques institutionnelles intrinsèques au monde universitaire et à la gestion publique.

Haut de page

Texte intégral

1Os modos de pensar e fazer ciência evoluíram nas últimas décadas, notadamente no que diz respeito à relação ao envolvimento de atores extra científicos. Diversos fenômenos contribuíram para a evolução na busca de novos modelos. A partir dos anos 1960, a crise ambiental suscitou a ideia de que novas posturas e estratégias epistemológicas eram necessárias para lidar com a complexidade da questão ambiental, exigindo a integração disciplinar para trazer uma visão holística sobre este tema (Ercumen; Gruber; Colford, 2014). Ao mesmo tempo, novas reflexões estavam se consolidando sobre a atuação do pesquisador frente aos desafios da sociedade, questionando as relações entre a ciência, a sociedade e a tomada de decisão, e as responsabilidades suscetíveis de serem assumidas por cada um destes atores nos processos de pesquisa (Hegger et al., 2012; Lengwiler, 2008).

2Nessa perspectiva, o presente trabalho parte do princípio de que a pesquisa científica dispõe de conhecimentos que poderiam ser colocados a serviço dos gestores públicos, e se propõe a debater as modalidades desta colaboração. Esse tipo de conhecimento é chamado na literatura de “conhecimento usável” (do inglês usable knowledge), ou seja, é o conhecimento produzido diretamente para a concepção de uma política ou para a solução de um problema público (Dilling; Lemos, 2011).

3Pensar na produção de um ‘conhecimento útil’ para a tomada de decisão implica em pensar em processos específicos, envolvendo as partes interessadas na produção deste conhecimento. Nesta perspectiva, esta pesquisa propõe debater o potencial de uma metodologia participativa, chamada trabalho de fronteira, para mediar um potencial processo de coprodução de conhecimento entre pesquisadores e gestores públicos municipais. O estudo de caso foi localizado em uma região rural do município de Santarém-Pará, o Lago Grande do Curuai (LGC), e a qualidade da água foi o parâmetro usado para estimular as discussões entre os acadêmicos e os tomadores de decisão.

4Essa escolha se justifica pelo fato da região Norte do Brasil ter o pior índice de acesso aos serviços de saneamento básico entre as cinco regiões do país. Com relação à água tratada, o município de Santarém aparece na sexta posição entre os dez piores municípios, com um indicador de apenas 45,34% de água tratada (Oliveira; Scazufca; Pires, 2017). O estado do Pará apresentou, em 2013, uma proporção de internação por doenças relacionadas com a água acima da média nacional (8,68% vs. 3,2%) e gastos para cuidar dos pacientes quatro vezes maiores do que a média nacional (4,32% vs. 0,99%) (Paiva; Souza, 2018). A região Norte do Brasil também é uma das que apresenta menores níveis de renda média e escolaridade em relação às demais regiões.

5É importante lembrar que as internações por doenças de veiculação hídrica (DDVH) estão associadas às condições de saneamento básico, escolaridade e cobertura por serviços de atenção básica. Os benefícios do investimento em saneamento para a saúde pública são bem consolidados na literatura, estudos comprovam que a ampliação da infraestrutura sanitária é uma solução capaz de diminuir a mortalidade infantil (Teixeira; Pungirum, 2005). As doenças relacionadas com a falta de saneamento adequado (DRSAI) representam custos altos para o SUS (FUNASA, 2010) e que a deficiência no abastecimento de água tratada está fortemente associada ao aumento das DDVH nas populações (Ercumen; Gruber; Colford, 2014). Diante desse contexto, é importante que sejam discutidos os meios de prevenção dessas doenças a nível local, pois elas representam altos custos para o Estado brasileiro, além de riscos graves para a população mais vulnerável, cujo acesso aos serviços básicos de saúde é limitado. Na região Norte, há ainda o agravante de que as pessoas enfermas precisam muitas vezes se deslocar de barco até a unidade de saúde mais próxima.

6Apesar da falta de infraestrutura física de saneamento básico nessa região, existem políticas públicas que preveem ações para assegurar o direito à água de qualidade e apoiar na prevenção de ocorrência das DDVHs. Destaca-se o Programa Nacional de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Vigiagua). Ele está inserido no Sistema Único de Saúde (SUS), no âmbito da vigilância em saúde ambiental, e atua em todo Brasil com o objetivo de verificar se a água consumida pela população atende a norma de potabilidade estabelecida pelo Anexo XX da Portaria de Consolidação GM/MS Nº5/2017 (Portaria de Potabilidade) e pela Diretriz Nacional do Plano de Amostragem da Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Brasil, 2016). A implementação do programa foi pensada para oferecer aos gestores locais condições de identificar e avaliar os fatores de risco à saúde associados às fontes de abastecimento de água, de modo que possam ser adotadas ações preventivas e corretivas antes que se apresentem problemas de saúde pública para a população. Isso mostra que a análise dos dados históricos das amostras de água é considerada como uma ação importante para a prevenção de riscos e a possibilidade de desenvolver ações de vigilância.

7Na região deste estudo de caso, o LGC, a problemática da qualidade da água foi abordada no âmbito de diversos projetos de pesquisa desde 1995. O LGC se insere na micro bacia do Tapajós, e é uma das muitas regiões de várzea que podem ser observadas ao longo da macro bacia do Rio Amazonas. Por sua representatividade das demais várzeas observadas ao longo do curso do Rio, essa região foi escolhida pelos pesquisadores. A grande maioria dos projetos de pesquisa ali desenvolvidos tinham como objetivo a coleta de dados biofísicos para gerar conhecimento sobre biodiversidade aquática e terrestre e sua dinâmica. Como parte da metodologia de campo havia coleta regular de amostras de água: duas vezes ao ano, no período de cheia dos rios (meses de março a junho) e no período de seca dos rios (setembro a novembro). O último projeto de pesquisa, nomeado Clim-Fabiam, trouxe pela primeira vez um componente social aos projetos na região, instigado pelos moradores locais, e em especial os Agentes Comunitários de Saúde (ACS), que passaram a se questionar sobre o estado da água consumida por eles.

8O que pode levar uma população a duvidar da qualidade da sua água? Como o fato de ter pesquisadores que coletam dados na região há 20 anos pode contribuir para o problema? Para pensar esta interface, optou-se por levar esta pesquisa ao nível da gestão pública municipal. A implementação do programa Vigiagua a nível local é parte das estratégias do Estado para garantir água de qualidade à população e, com isso, prevenir DDVHs. Usando esses elementos, esta pesquisa responde a seguinte pergunta: Como poderia se dar o processo de coprodução de conhecimento entre os pesquisadores e alguns gestores locais da cidade de Santarém? Para refletir sobre o processo, foi usada a abordagem do trabalho de fronteira, com a premissa que o conhecimento deve ser útil tanto para a gestão pública quanto para os pesquisadores.

9Assim, parte-se do princípio de que, na interface entre ciência e política, o conhecimento é simultaneamente produzido de maneira fluida e dinâmica (Tuinstra, 2008). É esse fluxo entre os dois lados que é chamado de ‘trabalho de fronteira’, segundo o modelo proposto pelo sociólogo Thomas Gieryn (1983). Essa prática é um mecanismo que permite criar ‘fronteiras’ permeáveis de conhecimento entre o que é reconhecido como ciência e o que não é reconhecido como ciência (Jasanoff, 1987). Com isso, a permeabilidade das fronteiras na construção do conhecimento é considerada como parte de um processo que envolve diferentes partes interessadas, que levam consigo suas características intrínsecas, influenciam e são influenciadas umas pelas outras.

  • 1 Daremos ênfase aos Projetos Clim-Fabiam e Bloom-Alert, os dois últimos projetos de pesquisa conduzi (...)

10De forma concreta, nesta pesquisa, de um lado encontra-se os pesquisadores1 e do outro lado, os gestores públicos, aqui entendidos como todos os entrevistados que trabalham nas secretarias visitadas, independentemente da hierarquia no cargo. Um outro grupo que teve um papel chave na pesquisa foram os ACS, atores com papel híbrido, que ora assumem o papel de morador da comunidade e ora o de representante do Estado. Para fins metodológicos, eles também são considerados como parte dos gestores públicos.

11O artigo propõe duas abordagens, uma de caráter analítico e outra de caráter metodológico. A primeira discute sobre as oportunidades de cooperação entre pesquisadores e gestores públicos para gestão da qualidade da água no contexto desse município. A segunda propõe uma metodologia para operacionalizar processos de coprodução que envolvam pesquisadores e gestores.

A coprodução como abordagem normativa e metodológica

12A definição de ‘coprodução de conhecimento’ varia entre os autores, mas a essência é a mesma: o engajamento de atores extra científicos na produção de conhecimento. A definição usada neste trabalho é “o processo colaborativo de reunir uma pluralidade de fontes e tipos de conhecimento para abordar um problema definido e construir uma compreensão integrada para o entendimento e solução desse problema” (Armitage et al., 2011, p. 996, tradução nossa).

13As justificativas para o envolvimento de atores extra científicos no processo de produção de conhecimento respondem a vários tipos de preocupações. A principais dizem respeito à necessidade de restaurar a confiança do público em geral na ciência; resolver problemas ambientais complexos e estender o princípio da democracia à produção de conhecimento (Bäckstrand, 2003). Balazs e Morello- Frosch (2013) apresentam exemplos concretos de como atores extra científicos contribuíram para o rigor, relevância e alcance do conhecimento científico. Para Van der Hel (2016), existem três lógicas distintas para a prática de coprodução de conhecimento: i) a primeira, a lógica da responsabilização como uma forma de aumentar a responsabilidade científica para com a sociedade; ii) a segunda, a lógica do impacto para assegurar a implementação do conhecimento científico na sociedade; e iii) a terceira, a lógica da humildade, para incluir o conhecimento, perspectivas e experiências de atores fora do ambiente acadêmico na produção do conhecimento científico.

14Outra justificativa é que, por meio da coprodução, é possível produzir um conhecimento passível de uso por gestores públicos em seu cotidiano de trabalho. É diante dessa premissa que emerge a noção de ‘ciência usável’, citada anteriormente, para definir o conhecimento produzido diretamente para a concepção de uma política ou para a solução de um problema público (Dilling; Lemos, 2011). A ‘usabilidade’ da informação varia de acordo com cada área de conhecimento, pois depende de vários fatores, como, recursos humanos e financeiros, apoio organizacional, institucional e oportunidade política. Cabe mencionar que este termo, ‘usável’, ainda não tem uma tradução institucionalizada em português, utilizando-se assim uma tradução livre a partir do termo inglês -usability. No entanto, não se adequa ao padrão culto da língua portuguesa; além disso transmite uma ideia de um conhecimento descartável. Por esse motivo optou-se, neste artigo, por usar a tradução como ‘conhecimento útil’.

15A coprodução de conhecimento deve também ser entendida como um processo colaborativo, respondendo por várias denominações: como pesquisa interativa (Lemos; Morehouse, 2005), ciência cívica (Bäckstrand, 2003; Clark; Illman, 2001), ciência comunitária (Carr, 2004), conferência de consenso (Chopyak; Levesque, 2002), transdisciplinaridade (Mitcham; Frodeman, 2003), produção de conhecimento conjunta (Hegger et al., 2012), e pesquisa participativa (Lengwiler, 2008). O diferencial da abordagem usada nesta pesquisa e em outras (Van der Hel, 2016; Balarz; Morello Frosch, 2013; Lemos; Morehouse, 2005; Clark; Illman, 2001; Carr, 2004) é o ato intencional de reunir e engajar os gestores públicos e pesquisadores na produção de conhecimento, desafiando as diferenças próprias a cada universo.

16Assim, como diferenças, além dos atores envolvidos, vale lembrar que os espaços de debate, os métodos, as linguagens e os horizontes temporais de atuação são distintos. Um universo é orientado pela busca do conhecimento, da verdade, com base em premissas de neutralidade e de objetividade, o outro pela acumulação e distribuição do poder (Leimona et al., 2015; Yarime, 2012; Edelenbos et al., 2011). Contudo, apesar de ciência e política constituírem universos diferentes, baseados em estruturas de governança distintas e muitas vezes com interesses políticos diferentes, a combinação dos dois mundos em processos participativos envolvendo tomadas de decisões é considerada positiva. Em uma meta-análise de 239 estudos de caso, Beierle (2002) concluiu que na maioria deles os gestores tomaram melhores decisões ao serem apoiados por informações científicas, contribuindo com novas informações, ideias e utilizando recursos técnicos em seus processos decisórios.

17O trabalho de fronteira é comumente mediado por ‘pessoas de fronteira’ (Cash et al., 2003), ‘organizações de fronteira’ (Parker; Crona, 2012) e ‘organizações ponte’ (Hahn et al., 2006). Esses indivíduos, grupos ou organizações, que devem ser percebidos como neutros e confiáveis pelas partes envolvidas no processo (Berkes, 2009), têm a função-chave de pedir colaboração em assuntos de interesse comum, criar espaços para aprendizado interinstitucional, construir confiança e resolver conflitos (Berkers, 2009; Guston, 2001).

18O papel dos mediadores do trabalho de fronteira tem três objetivos principais: facilitar a colaboração entre cientistas e não-cientistas, organizar o papel das instituições durante a condução do trabalho e garantir a geração de ‘objetos de fronteira’ (Guston, 2001). Tais ‘objetos’, produto do trabalho de fronteira, são, por exemplo, relatórios, projetos, mapas, indicadores. Esses produtos devem responder ao desafio de manter a identidade comum entre as partes, e ser ao mesmo tempo robusto, porém bastante flexíveis para se adaptar às necessidades das partes interessadas (Cash et al., 2003).

Metodologia

Área de Estudo

19O município de Santarém, situado na região Norte do Brasil, na mesorregião do Baixo Amazonas, é o centro polarizador da região oeste do Pará. A zona rural é delimitada por oito distritos, entre eles o distrito do Lago Grande que é um projeto de assentamento agroextrativista (PAE) criado em 2005 pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA).

20No PAE Lago Grande, existem cerca de 140 comunidades, nas quais residem cerca de 30 mil pessoas (Folhes; Aguiar; Junior, 2012) e por ser situado em área de várzea, as comunidades do PAE ficam relativamente isoladas da área urbana do município (Error: Reference source not found).

Figura 1: Área de Estudo

Figura 1: Área de Estudo

Fonte: Elaborado pelas autoras.

Percurso metodológico

21O passo inicial foi verificar a relevância da abordagem do trabalho de fronteira nesse contexto, onde, de um lado existem os dados de parâmetros de qualidade da água coletados pelos pesquisadores, e do outro, a implementação do programa Vigiagua na região rural de Santarém. A pesquisa foi conduzida em três etapas: na primeira, realizou-se um levantamento bibliográfico sobre as políticas públicas e programas do Brasil que lidam com a qualidade da água e com doenças de veiculação hídrica no âmbito local.

22A segunda etapa foi de coleta de dados primários e secundários. A coleta de dados primários contou com duas visitas à cidade de Santarém e à região rural do LGC: na primeira, em abril de 2016, foram feitos os contatos iniciais com gestores públicos da Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA), da Divisão de Vigilância Sanitária do Município de Santarém (DIVISA) e da Secretaria de Saúde Pública do Pará (SESPA) para apresentar informações sobre o projeto e sondar o interesse nesta pesquisa. Os primeiros contatos com a região rural foram realizados no mesmo período, com o objetivo de conhecer a dinâmica socioambiental do local de estudo. A segunda visita de campo ocorreu em setembro de 2016, nesta ocasião foram entrevistados oito ACS das três comunidades citadas, as entrevistas foram feitas em campo, com duração de aproximadamente uma hora e as respostas foram anotadas pela entrevistadora. As entrevistas conduzidas com os ACS tinham o objetivo de conhecer sua rotina de trabalho, suas percepções sobre o ambiente local e sobre as enfermidades mais comuns na região. A escolha de entrevistar os ACS foi devido ao vínculo que compartilham no que diz respeito ao campo das políticas públicas (do Estado brasileiro) e ao campo dos usuários (da comunidade). Os ACS são capazes de transformar e adaptar as práticas relacionadas com a saúde, levar e trazer informações, realizando uma conexão entre o Estado e a sociedade de maneira dinâmica (Lotta, 2014). Foram também entrevistados sete gestores de três secretarias - SEMSA, DIVISA e SESPA - localizadas na área urbana de Santarém. Algumas entrevistas duraram cerca de 40 minutos e outras menos, devido ao tempo limitado dos entrevistados e as respostas também foram anotadas. O objetivo dessas entrevistas foi conhecer a rotina dos gestores públicos que trabalham na implementação de políticas públicas relacionadas com a qualidade da água e com as doenças de veiculação hídrica. As perguntas também buscavam entender quais dados e informações deveriam ser acessados para conduzir o trabalho e tomar decisões, quais as informações de que os gestores públicos sentem falta e o quê eles gostariam de obter de pesquisadores. Nessa ocasião, também foi disponibilizado por um dos entrevistados, alguns dados do Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB) das três comunidades estudadas.

23Além das entrevistas com os gestores, foram entrevistados quatro pesquisadores que já trabalhavam na região nos projetos citados anteriormente, com o objetivo de levantar quais tipos de dados e informações eles coletavam na região e quais tipos de informações eles gostariam de obter dos gestores públicos para apoiar suas análises.

24A coleta de dados secundários foi feita por meio do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (SISAGUA). Esse sistema é o principal instrumento para o monitoramento e avaliação dos indicadores do programa Vigiagua.

25A terceira etapa da pesquisa foi a sistematização e análise das entrevistas realizadas em campo, que foram anotadas e organizadas por temas: rotina de trabalho, dados e informações usadas no cotidiano de trabalho, percepções sobre o meio ambiente local, doenças de veiculação e qualidade da água na região. Nesta etapa os dados secundários do SISAGUA foram analisados e também foi feita a compilação dos dados do SIAB.

Resultados

O potencial de coprodução de conhecimento entre gestores e pesquisadores

26O programa Vigiagua reúne um conjunto de princípios, ações e responsabilidades compartilhadas entre o Ministério da Saúde, Secretarias Estaduais e Secretarias Municipais. Segundo a Diretriz Nacional do Plano de Amostragem, o plano de amostragem básico deve ocorrer mensalmente nos três tipos de abastecimento de água (Sistema de abastecimento de água para consumo humano (SAA); Solução alternativa coletiva de abastecimento de água para consumo humano (SAC); Solução alternativa individual de abastecimento de água para consumo humano (SAI)) (Brasil, 2016).

27Na Vila Socorro o microssistema de abastecimento (SAA) localiza-se dentro da área da escola municipal, como mostra a Figura . Segundo os moradores, a parte superior da caixa é aberta, diante disso, fezes de aves e morcegos, bem como poeira e outros dejetos acabam se depositando na caixa d’água. Quando os moradores da comunidade não têm acesso à água do microssistema, eles pegam água de poços comunitários, como esse apresentado na Figura ou dos igarapés (Figura ) e armazenam em caixas d’água no domicílio (Figura ).

Figura 2- Microssistema de abastecimento em Vila Socorro.

Figura 2- Microssistema de abastecimento em Vila Socorro.

Fonte: Cavalcante, L.

Figura 3 - Poço comunitário nas comunidades. Pesquisador coletando água (outubro de 2016).

Figura 3 - Poço comunitário nas comunidades. Pesquisador coletando água (outubro de 2016).

Fonte: Cavalcante, L.

Figura 4 – Igarapé em uma das comunidades visitadas. Pesquisador coletando água (outubro de 2016).

Figura 4 – Igarapé em uma das comunidades visitadas. Pesquisador coletando água (outubro de 2016).

Fonte: Cavalcante, L.

Figura 5 - Armazenamento de água na casa de uma família na Vila Socorro

Figura 5 - Armazenamento de água na casa de uma família na Vila Socorro

Fonte: Cavalcante, L.

28Constata-se que existem problemas no abastecimento de água nos dois sistemas mais utilizados nas vilas. No primeiro (SAA), a água fornecida pela rede pública também tem qualidade duvidosa. No segundo (SAC), a água coletada dos poços e igarapés não é armazenada em reservatórios não devidamente limpos ou vedados (BRASIL, 2014). Essas evidências representam apenas parte da dimensão dos problemas relacionados à água que é consumida pela população, uma vez que na região não existe saneamento básico.

29No quesito tratamento de água, a maioria da água consumida não passa por nenhum tipo de tratamento, como pode ser visto no Gráfico . Em média, 36% da água consumida é ingerida sem tratamentos adequados. A cloração e filtração são feitas em 28% dos casos e fervura em 8% dos casos.

Gráfico 1 - Tipos de tratamento de água declarados pelos ACS.

Gráfico 1 - Tipos de tratamento de água declarados pelos ACS.

Fonte: Dados do Sistema de Informação da Atenção Básica disponibilizados pela SEMSA. Elaborado pelas autoras.

30Quando não há tratamento com cloro nos sistemas de abastecimento, a secretaria de saúde do município busca, por meio dos ACS e postos de saúde, distribuir e orientar os moradores sobre o uso do produto químico hipoclorito de sódio para tratamento caseiro da água. No entanto, não se pode afirmar que a população de fato utiliza este produto. Segundo os agentes de saúde, é comum que os moradores não usem essa solução como deveriam, como relata um dos entrevistados: “[eu] procuro orientar sobre uso do hipoclorito na água, pois a maioria das pessoas não sabe usar”, “Alguns jogam o hipoclorito no poço”, “usam até para lavar roupa”. Outro entrevistado relatou que “[o morador] faz cara feia quando falo sobre uso do hipoclorito. Assim, na percepção de outro entrevistado “a maioria das doenças de veiculação hídrica acontece por falta de cuidado da família”. Por outro lado, foi dito que alguns os moradores relatam desconforto com o produto, alegando que causa dor de estômago.

31Quando perguntado aos gestores sobre qual o percentual que as DDVH representam, em relação à outras doenças da comunidade, 40% responderam que elas representam 30% do total de doenças da região. Não houve consenso com relação a percepção sobre em que época do ano há a maior incidência das DDVH, 45% disseram que é entre épocas de transição, na vazante na enchente, segundo eles porque “a sujeira que estava no solo fica na água” (Tabela 1).

Tabela 1- Percepção sobre as DDVH na região

Tabela 1- Percepção sobre as DDVH na região

Fonte: Entrevistas realizadas em campo.

32O número de amostragens que devem ser realizadas no programa Vigiagua é determinado com base na população do município. No caso de Santarém, mensalmente deveriam ser realizadas 53 amostragens de água com o objetivo de avaliar os parâmetros básicos: coliformes totais (E. coli), turbidez, cloro residual livre e flúor. Após a coleta e análise desses parâmetros, os dados devem ser inseridos no SISAGUA e usado pelos gestores para identificar locais suscetíveis a doenças.

33De maneira geral, não existem dados de parâmetros básicos de qualidade da água no SISAGUA como mostra a Tabela 2. Dos quatro parâmetros obrigatórios, o de coliformes totais foi o único analisado. O seu quantitativo mínimo de amostras é 420 por ano, sendo que em um único ano, em 2014, foram feitas 461 amostras, 41 além do previsto (109,76% do mínimo de amostras). Enquanto não foram feitas análises nos anos de 2015, 2016 e 2018. No ano de 2017, foram feitas apenas 10 análises (2,38% do mínimo de amostras). Enquanto outros parâmetros não foram avaliados.

Tabela 2- Cumprimento da diretriz nacional do plano de amostragem – Parâmetros básico. Abrangência: Santarém – PA

Tabela 2- Cumprimento da diretriz nacional do plano de amostragem – Parâmetros básico. Abrangência: Santarém – PA

Fonte: Tabela elaborada pelas autoras, com base dos dados do SISAGUA http://sisagua.saude.gov.br/​sisagua/​login.jsf acessado em 07/mai/2018.

34Esses dados do sistema corroboram as informações relatadas durante as entrevistas com os gestores. Segundo um entrevistado da SESPA, “o Vigiagua só está 20% implementado nesta região”. Foram apontadas dificuldades no transporte de material, onde os meios disponíveis são inadequados em relação à distância e às condições de acesso às cidades. Um dos entrevistados relatou “para a amostra de água chegar a tempo de fazer as análises laboratoriais, teríamos que trazer a amostra de água de Novo Progresso de avião”, o município está localizado a 783km de Santarém. Ao nível municipal, o entrevistado também relatou as dificuldades técnicas laboratoriais e a falta de transporte para realização das coletas de amostras de água no município de Santarém (como buscar ilustrar a Figura ).

35 A falta de infraestrutura física, laboratórios e equipamentos, para a execução efetiva do programa foi outro gargalo apontado pelos entrevistados, tanto para realização das coletas de amostras de água, como para sua análise. Em contraponto, durante as entrevistas, mostramos uma fotografia da estrutura laboratorial móvel usada pelos pesquisadores dos projetos acima citados (Figura ). A resposta, inesperada, foi que “esse laboratório é mais equipado do que os laboratórios disponíveis” para eles.

Figura 6- Memorando interno da DIVISA solicitando transporte para coletas de água.

Figura 6- Memorando interno da DIVISA solicitando transporte para coletas de água.

Figura 7 - Laboratório usado pelos pesquisadores para análise das amostras coletadas em campo.

Figura 7 - Laboratório usado pelos pesquisadores para análise das amostras coletadas em campo.

Fonte: Cavalcante, L.

36Mais do que apontar para as condições limitadas das quais dispõem os técnicos e gestores, os resultados ainda almejam mostrar que existem dados coletados pelos pesquisadores que não são coletados no âmbito local e que poderiam apoiar os gestores públicos na implementação do programa Vigiagua. O Quadro 1 apresenta, de um lado, os parâmetros de água que são coletados pelos pesquisadores e, de outro lado, os parâmetros necessários para a implementação do Vigiagua a nível local. Em contraponto, existem dados produzidos pela gestão local que são de interesse dos pesquisadores, particularmente, os dados relativos à incidência de doenças de veiculação hídrica que poderiam, por exemplo, apoiar um estudo sobre a correlação da qualidade da água e a incidência dessas doenças.

37Esta percepção, aparentemente trivial, de análise do que já vem sendo produzido e quais são as lacunas, constitui o passo inicial do trabalho de coprodução de conhecimento que utiliza a abordagem do trabalho de fronteira. Esse passo é importante para que se avalie o que já vem sendo produzido pelas partes interessadas para que não seja proposta a produção de informações já passíveis de serem acessadas com os dados já existentes. Neste caso, foi confirmado a existência de informações de interesse mútuo dos pesquisados e dos gestores. Diante desta constatação, foi elaborado o Quadro 1, para ilustrar um potencial processo de troca de informações entre os dois grupos.

38Os dados produzidos pelos pesquisadores têm potencial para gerar informações sobre a origem antrópica da contaminação da água, tanto na área de várzea, como em poços, tornando possível descobrir as fontes responsáveis pela difusão de doenças de veiculação hídrica. No entanto, os pesquisadores não o fazem, pois extrapola os objetivos e as demandas do projeto de pesquisa. Por outro lado, estes dados seriam relevantes para os gestores, ao permitir identificar o tipo de contaminação para a priorização de ações na esfera territorial.

39Um estudo em potencial seria sobre a incidência de veiculação hídrica na região a depender da época do ano, cheia ou seca. Este tipo de informação poderia apoiar os gestores públicos a se anteverem a esses problemas, aproveitando para fazer campanhas educativas para sensibilizar os moradores a usarem o hipoclorito de maneira correta e a tomarem os cuidados necessários com a água antes de consumir.

Quadro 1 – Modelo de Fluxograma proposto para troca de informações relevantes entre os gestores públicos e os pesquisadores sobre a região Rural de Santarém.

Quadro 1 – Modelo de Fluxograma proposto para troca de informações relevantes entre os gestores públicos e os pesquisadores sobre a região Rural de Santarém.

Fonte: Elaborado pelas autoras

A análise do processo de coprodução de conhecimento

40 A metodologia do trabalho de fronteira foi testada neste estudo de caso, na região de Santarém, como mecanismo institucional para analisar as oportunidades de coprodução de conhecimento entre gestores públicos e pesquisadores A princípio, pensava-se que o processo de coprodução estaria completo após esse mapeamento e troca de informações. No entanto, foi visto que apesar dessa abordagem ser relevante neste contexto acadêmico-institucional, foi percebido que o trabalho empreendido constituía apenas o início do processo. De fato, o processo prático de engajamento entre atores tradicionalmente separados em instituições distintas é desafiador, requerendo engajamento de médio e longo prazo, assim como o envolvimento prático e ideológico dos atores. Vimos que o processo conduzido nesta pesquisa foi curto e pontual comparado ao que pode ser considerado como um verdadeiro processo de coprodução.

41 O processe precisa ser de médio e longo prazo, neste caso, existem algumas limitações para que as interações entre o grupo de pesquisadores e os gestores municipais sejam mais constantes. A primeira delas é a distância geográfica entre os pesquisadores e os gestores locais: os projetos de pesquisa se caracterizam por colaborações entre parceiros distantes entre si, e muitas vezes distantes do “campo de pesquisa”, como foi o caso nos projetos de pesquisa citados, onde os pesquisadores estavam baseados em Brasília-DF ou na França. Esta constatação aponta também para a necessidade de envolvimento de instituições locais de pesquisa, que tenham capacidade para construir uma relação não intermitente, baseada num conhecimento da realidade regional e de fácil mobilização.

42 A falta de neutralidade do agente de fronteira é outro ponto que limitou o processo. A justo título, a pesquisadora não é vista como um ator neutro pelos participantes da pesquisa porque, de fato, representa um dos lados. Como visto na teoria, a neutralidade impacta a relação de confiança que deve existir em processos de coprodução. Assim, não se pode esperar que estudantes ou pesquisadores atuem, ou sejam reconhecidos, como agentes de fronteira.

43Durante as atividades de campo, foi possível perceber que os gestores públicos e os comunitários da região amazônica não confiam nos pesquisadores: muitos têm experiências para contar em que se sentiram enganados pela falta de restituição dos resultados de pesquisas. É comum também a afirmação que os pesquisadores vão até as comunidades e nunca mais voltam. Isso contribui para alimentar “lendas” entre as pessoas da comunidade: um dos ACS entrevistados revelou que certos moradores acreditam que os pesquisadores vão até a Amazônia para roubar a água deles e vender fora. Na ocasião, e na tentativa de desmistificar esse pensamento, a pesquisadora levou o entrevistado até o barco para mostrar o laboratório e as atividades que eram feitas.

44 Assim, apesar do interesse compartilhado por ambos os lados no tema da qualidade da água, e no potencial interesse mútuo na troca de informações, as estruturas institucionais limitam essa experiência porque a ciência e as políticas públicas diferem em seus prazos, epistemologias, objetivos, metodologias, atores envolvidos, linguagens, horizontes de atuação e critérios para julgar a qualidade do conhecimento. Por causa dessas diferenças não foi possível planejar desde o princípio que tipo de conhecimento deveria ser gerado por meio da coprodução de conhecimento.

Discussão e Conclusão

45 Com a metodologia adotada, embasada na teoria sobre coprodução e o papel do trabalho de fronteira nesse processo, foi possível mapear as potenciais oportunidades de interações para a produção de um conhecimento comum entre os gestores públicos da cidade de Santarém e os pesquisadores que atuam na região. Foi confirmado que os dados coletados pelos pesquisadores são capazes de gerar informações necessárias aos gestores para uma tomada de decisão mais embasada e esclarecida sobre os possíveis problemas que as DDVHs podem trazer para a região. Esses dados se tornam ainda mais significativos em um contexto em que, apesar de haver uma infraestrutura política para a coleta de dados objetivando o provisionamento de água de qualidade para os cidadãos, as condições de trabalho no munícipio não garantem a disponibilidade destes dados. Em um estudo conduzido em municípios de Minas Gerais, também foram encontraram lacunas entre o que existem diferenças entre o que pressupõe a política no papel e as práticas adotadas apontando algumas dificuldades como à deficiência de instrumentos de trabalho e da desintegração entre setores responsáveis pela implementação da política (Queiroz et al., 2012).

46O objetivo de se apresentar esse processo é refletir sobre as trocas de dados, ideias e informações que podem ser feitas entre os dois grupos – pesquisadores e gestores públicos. Esse estudo de caso sobre a implementação do programa Vigiagua em Santarém reforçou a convicção de que um processo de coprodução de conhecimento tem outras etapas além desse primeiro “mapeamento de oferta e demanda” de dados e informações. Para que a coprodução de conhecimento entre pesquisadores e gestores possa acontecer é importante focar no processo e não apenas no resultado final. Por processo, se entendem todas as interações feitas entre os integrantes dos dois grupos. É justamente sobre este ponto que se encontram as principais lacunas na literatura e na experimentação metodológica. Nesse sentido, Durose (2017) argumenta que a literatura não disponibiliza bastante detalhes sobre os elementos que sustentam um processo de coprodução, por se debruçar demasiadamente no resultado final e não dar a devida importância às ações ocorridas durante o processo.

47A interação entre os atores poderia restaurar a confiança do público na ciência, pois as evidências sugerem que quando as pessoas estão intimamente envolvidas na produção de conhecimento, elas são mais propensas a ver o conhecimento resultante como confiável, importante e legítimo e, portanto, estão mais inclinadas a adotar esse conhecimento (Cash et al., 2003) -tornando a ciência potencialmente mais “útil” e acessível.

48Com todas as oportunidades e limitações citadas, a troca de conhecimento entre instituições distintas é complexa, desafiadora e muitas vezes caracterizada pela falta de entendimento mútuo do que seja o conhecimento confiável, relevante e legítimo. De forma geral, trata-se de um processo complexo devido às particularidades de cada grupo. O processo tem potencial para favorecer as duas esferas, contribuindo tanto para a gestão quanto para a produção de conhecimentos, cada vez mais em conexão com as demandas da sociedade atual. No entanto, esse tipo de atuação requer mudanças nos paradigmas tradicionais de produção da informação na ciência e de tomada de decisão, assim como na forma de trabalhar dos pesquisadores e na percepção que estes têm do seu papel na sociedade.

Agradecimentos

49Este artigo recebeu financiamento e suporte no âmbito de diferentes projetos e redes de pesquisa franco-brasileiros: os projetos Bloom-Alert e Sinbiose, ambos com recursos do programa Guyamazon, edição 2014-2015; o projeto ODYSSEA, aprovado pelo programa H2020 Marie Skłodowska-Curie da União Europeia (grant agreement nº 691053), e o INCT ODISSEIA, com financiamento CNPq/Capes/FAP-DF (INCT no16-2014).

Haut de page

Bibliographie

Armitage, D. et al. Co-management and the co-production of knowledge: Learning to adapt in Canada’s Arctic. Global Environmental Change, v. 21, n. 3, p. 995–1004, ago. 2011.

Bäckstrand, K. Civic Science for Sustainability: Reframing the Role of Experts, Policy-Makers and Citizens in Environmental Governance. Global Environmental Politics, v. 3, n. 4, p. 24–41, nov. 2003.

Balazs, C. L.; Morello-Frosch, R. The Three Rs: How Community-Based Participatory Research Strengthens the Rigor, Relevance, and Reach of Science. Environmental Justice, v. 6, n. 1, p. 9–16, fev. 2013.

Beierle, T. C. The Quality of Stakeholder-Based Decisions. Risk Analysis, v. 22, n. 4, p. 739–749, ago. 2002.

Berkes, F. Evolution of co-management: Role of knowledge generation, bridging organizations and social learning. Journal of Environmental Management, v. 90, n. 5, p. 1692–1702, 1 abr. 2009.

Brasil. Portaria de consolidação nº5, de 28 de setembro de 2017, Brasília, DF, set 2017 Disponível em: < http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/29/PRC-5-Portaria-de-Consolida----o-n---5--de-28-de-setembro-de-2017.pdf>. Acesso em: 11 fev. 2018

Brasil. Diretriz Nacional do Plano de Amostragem da Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano [recurso eletrônico] Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Saneamento domiciliar - Manual de instruções de uso das melhorias domiciliares. Brasília: Funasa, 2014.

Carr, A. J. L. Why do we all need community science? Society & natural resources, 2004.

Cash, D. W. et al. Knowledge systems for sustainable development. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 100, n. 14, p. 8086–8091, 8 jul. 2003.

Chopyak, J.; Levesque, P. Public participation in science and technology decision making: trends for the future. Technology in Society, v. 24, n. 1–2, p. 155–166, jan. 2002.

Clark, F.; Illman, D. L. Dimensions of Civic Science. Science Communication, v. 23, n. 1, p. 5–27, 2001.

Dedeurwaerdere, T. Transdisciplinary Sustainability Science at Higher Education Institutions: Science Policy Tools for Incremental Institutional Change. Sustainability, v. 5, n. 9, p. 3783–3801, 4 set. 2013.

Dilling, L.; Lemos, M. C. Creating usable science: Opportunities and constraints for climate knowledge use and their implications for science policy. Global Environmental Change, v. 21, n. 2, p. 680–689, maio 2011.

Durose, C. et al. Generating “good enough” evidence for co-production. Evidence & Policy: A Journal of Research, Debate and Practice, v. 13, n. 1, p. 135–151, 27 jan. 2017.

Edelenbos, J.; Van Buuren, A.; Van Schie, N. Co-producing knowledge: joint knowledge production between experts, bureaucrats and stakeholders in Dutch water management projects. Environmental Science & Policy, v. 14, n. 6, p. 675–684, out. 2011.

Ercumen, A.; Gruber, J. S.; Colford, J. M. Water distribution system deficiencies and gastrointestinal illness: a systematic review and meta-analysis. Environmental Health Perspectives, v. 122, n. 7, p. 651–660, jul. 2014.

Folhes, R. T.; Aguiar, A. P. D.; Junior, R. A. O. S. Cenários participativos de mudanças no uso da terra na Amazônia: o caso de Vila Brasil no Projeto de Assentamento Agroextrativista do Lago Grande, PA/participatory scenarios of land use change in the Amazon: the case of Vila Brasil in the Agro-extra.. Campo - Território: Revista de Geografia Agrária, v. 7, n. 14, 20 ago. 2012.

Fundação Nacional de Saúde. Impactos na saúde e no sistema único de saúde decorrentes de agravos relacionados a um saneamento ambiental inadequado. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2010.

Gieryn, T. F. Boundary-Work and the Demarcation of Science from Non-Science: Strains and Interests in Professional Ideologies of Scientists. American Sociological Review, v. 48, n. 6, p. 781, dez. 1983.

Guston, D. H. Boundary Organizations in Environmental Policy and Science: An Introduction. Science, Technology, & Human Values, v. 26, n. 4, p. 399–408, 1 out. 2001.

Hahn, T. et al. Trust-building, Knowledge Generation and Organizational Innovations: The Role of a Bridging Organization for Adaptive Comanagement of a Wetland Landscape around Kristianstad, Sweden. Human Ecology, v. 34, n. 4, p. 573–592, 1 ago. 2006.

Harris, F.; Lyon, F. Transdisciplinary environmental research: Building trust across professional cultures. Environmental Science & Policy, v. 31, p. 109–119, ago. 2013.

Hegger, D. et al. Conceptualising joint knowledge production in regional climate change adaptation projects: success conditions and levers for action. Environmental Science & Policy, v. 18, p. 52–65, abr. 2012.

Jasanoff, S. S. Contested Boundaries in Policy-Relevant Science. Social Studies of Science, v. 17, n. 2, p. 195–230, 1 maio 1987.

Ledford, H. Interdisciplinarity has become all the rage as scientists tackle society’s biggest problems. But there is still strong resistance to crossing borders. Nature, v. 525, p. 4, 17 set. 2015.

Leimona, B. et al. Boundary work: Knowledge co-production for negotiating payment for watershed services in Indonesia. Ecosystem Services, v. 15, p. 45–62, out. 2015.

Lemos, M. C.; Morehouse, B. J. The co-production of science and policy in integrated climate assessments. Global Environmental Change, v. 15, n. 1, p. 57–68, abr. 2005.

Lengwiler, M. Participatory Approaches in Science and Technology: Historical Origins and Current Practices in Critical Perspective. Science, Technology, & Human Values, v. 33, n. 2, p. 186–200, 1 mar. 2008.

Lotta, G. S. Agentes de implementação: uma forma de análise de políticas públicas. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 19, n. 65, 1 jul. 2014.

Maiello, A. et al. Public managers as catalysts of knowledge co-production? Investigating knowledge dynamics in local environmental policy. (Report). Environmental Science and Policy, v. 27, p. 141, 2013.

Ministério da Saúde. Portaria no 2.914/2011. Procedimentos de controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. . 12 dez. 2011.

Mitcham, C.; Frodeman, R. Extending Science, Technology, and Society Interdisciplinarity. Science, Technology, & Human Values, v. 28, n. 1, p. 180–183, 2003.

Nel, J. L. et al. Knowledge co-production and boundary work to promote implementation of conservation plans: Conservation Planning for Implementation. Conservation Biology, v. 30, n. 1, p. 176–188, fev. 2016.

Oliveira, G.; Scazufca, P.; Pires, R. Ranking do saneamento Instituto Trata Brasil 2017. São Paulo, SP: Instituto Trata Brasil, 1 fev. 2017.

Paiva, R. F. et al. Associação entre condições socioeconômicas, sanitárias e de atenção básica e a morbidade hospitalar por doenças de veiculação hídrica no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, n. 1, 5 fev. 2018.

Parker, J.; Crona, B. On being all things to all people: Boundary organizations and the contemporary research university. Social Studies of Science, v. 42, n. 2, p. 262–289, 1 abr. 2012.

Queiroz, A. C. L., Cardoso, L. S. de M., Silva, S. C. F. D., Heller, L., & Cairncross, S. Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental Relacionada à Qualidade da Água para Consumo Humano (Vigiagua): lacunas entre a formulação do programa e sua implantação na instância municipal. Saúde e Sociedade, 21, 465–478. 2012.

Scolobig, A.; Pelling, M. The co-production of risk from a natural hazards perspective: science and policy interaction for landslide risk management in Italy. Natural Hazards, v. 81, n. S1, p. 7–25, abr. 2016.

Swilling, M. Rethinking the science–policy interface in South Africa: Experiments in knowledge co-production. South African Journal of Science, v. 110, n. 5/6, p. 1–7, 2014.

Teixeira, J. C.; Pungirum, M. E. M. de C. Análise da associação entre saneamento e saúde nos países da América Latina e do Caribe, empregando dados secundários do banco de dados da Organização Pan-Americana de Saúde - OPAS. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 8, n. 4, p. 365–376, dez. 2005.

Tuinstra, W. European air pollution assessments: co-production of science and policy. International Environmental Agreements: Politics, Law and Economics, v. 8, n. 1, p. 35–49, mar. 2008.

Van Der Hel, S. New science for global sustainability? The institutionalization of knowledge co-production in Future Earth. Environmental Science & Policy, v. 61, p. 165–175, jul. 2016.

Weichselgartner, J.; Kasperson, R. Barriers in the science-policy-practice interface: Toward a knowledge-action-system in global environmental change research. Global Environmental Change, v. 20, n. 2, p. 266–277, maio 2010.

Yarime, M. Establishing sustainability science in higher education institutions: towards an integration of academic development, institutionalization, and stakeholder collaborations. Sustainability Science, v. 7, n. Supplement 1, p. 101–113, 2012.

Haut de page

Notes

1 Daremos ênfase aos Projetos Clim-Fabiam e Bloom-Alert, os dois últimos projetos de pesquisa conduzidos por essa rede de pesquisa no LGC.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Área de Estudo
Crédits Fonte: Elaborado pelas autoras.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23258/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 364k
Titre Figura 2- Microssistema de abastecimento em Vila Socorro.
Crédits Fonte: Cavalcante, L.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23258/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 196k
Titre Figura 3 - Poço comunitário nas comunidades. Pesquisador coletando água (outubro de 2016).
Crédits Fonte: Cavalcante, L.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23258/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 428k
Titre Figura 4 – Igarapé em uma das comunidades visitadas. Pesquisador coletando água (outubro de 2016).
Crédits Fonte: Cavalcante, L.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23258/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 724k
Titre Figura 5 - Armazenamento de água na casa de uma família na Vila Socorro
Crédits Fonte: Cavalcante, L.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23258/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 224k
Titre Gráfico 1 - Tipos de tratamento de água declarados pelos ACS.
Crédits Fonte: Dados do Sistema de Informação da Atenção Básica disponibilizados pela SEMSA. Elaborado pelas autoras.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23258/img-6.png
Fichier image/png, 11k
Titre Tabela 1- Percepção sobre as DDVH na região
Crédits Fonte: Entrevistas realizadas em campo.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23258/img-7.png
Fichier image/png, 14k
Titre Tabela 2- Cumprimento da diretriz nacional do plano de amostragem – Parâmetros básico. Abrangência: Santarém – PA
Crédits Fonte: Tabela elaborada pelas autoras, com base dos dados do SISAGUA http://sisagua.saude.gov.br/​sisagua/​login.jsf acessado em 07/mai/2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23258/img-8.png
Fichier image/png, 16k
Titre Figura 6- Memorando interno da DIVISA solicitando transporte para coletas de água.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23258/img-9.png
Fichier image/png, 722k
Titre Figura 7 - Laboratório usado pelos pesquisadores para análise das amostras coletadas em campo.
Crédits Fonte: Cavalcante, L.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23258/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
Titre Quadro 1 – Modelo de Fluxograma proposto para troca de informações relevantes entre os gestores públicos e os pesquisadores sobre a região Rural de Santarém.
Crédits Fonte: Elaborado pelas autoras
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23258/img-11.png
Fichier image/png, 103k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Louise Cavalcante et Stéphanie Nasuti, « Trabalhar na interface: coprodução de conhecimento entre cientistas e gestores públicos na saúde ambiental. O programa Vigiagua como estudo de caso em Santarém/PA », Confins [En ligne], 42 | 2019, mis en ligne le 30 novembre 2019, consulté le 28 janvier 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/23258 ; DOI : 10.4000/confins.23258

Haut de page

Auteurs

Louise Cavalcante

Centro de Desenvolvimento Sustentável (CDS), Universidade de Brasília (UnB) - Brasília-DF, Brasil. E-mail: csc.louise@gmail.com

Stéphanie Nasuti

Centro de Desenvolvimento Sustentável (CDS), Universidade de Brasília (UnB) - Brasília-DF, Brasil. E-mail: steph.nasuti@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals