Navigation – Plan du site

Práticas espaciais de jovens indígenas no cotidiano da cidade de Dourados (MS)

Pratiques spatiales des jeunes indigènes dans le quotidien de la ville Dourados (MS)
Daily life spatial practices of young indigenous people of the city of Dourados (MS)
Solange Rodrigues da Silva et Adriano Michel Helfenstein

Résumés

Dans ce texte, nous visons à promouvoir le dialogue entre certaines questions dont on comprend, devienent pertinentes pour la géographie, en particulier en ce qui concerne à l’importance que les questions liées aux peuples indigènes ont de nos jours. Notre réflexion est basée sur l’analyse de dessins réalisés par des étudiants indigènes, dans des activités réalisées aux cours de géographie. Dans ces activités, sont mis en évidence des situations d’invisibilité auxquelles les peuples autochtones résidant dans la municipalité de Dourados-MS, sont soumis quotidiennement. Les réflexions sur les dessins et les textes élaborés par les étudiants démontrent les (non) rencontres des peuples indigènes avec les autres habitants de la commune, marqués par des temporalités différentes qui coexistent dans cet espace.

Haut de page

Texte intégral

1A pretensão deste artigo é realizar uma análise acerca das práticas espaciais de jovens indígenas no cotidiano da cidade de Dourados-MS, em sua relação com o “Outro”, no intuito de compreender o processo de discriminação e preconceito em que vivem os povos indígenas deste município. Para tal, buscamos identificar e analisar através de textos e desenhos elaborados por alunos indígenas, as diferentes espacialidades vivenciadas pelos indígenas, nos (des) encontros com os demais moradores não indígenas da cidade de Dourados-MS.

2Os desenhos foram elaborados, por alunos do 7º Ano, nas aulas de Geografia, sob a supervisão da professora Alice Rosane Benites, na escola municipal indígena Agustinho, na Reserva Indígena de Dourados-MS. De acordo com a professora, os materiais produzidos pelos alunos, são utilizados em suas aulas como complemento ao livro didático, e estão em consonância com a proposta curricular da escola.

3Na atividade em questão, os alunos demonstraram sua visão sobre a maneira como acontecem os encontros entre os povos indígenas e os demais moradores do município, evidenciando, que apesar de parte significativa dos indígenas que vivem no estado de Mato Grosso do Sul (ver figura 1), residirem no município de Dourados, existe resistência e até mesmo negação da existência desses povos por parte dos moradores não indígenas de Dourados-MS.

Figura1: Distribuição da população indígena por município em Mato Grosso do Sul

Figura1: Distribuição da população indígena por município em Mato Grosso do Sul

Fonte: SILVA, 2018

4Diante deste quadro, entendemos que uma análise que vise tencionar os encontros dos povos indígenas com os demais moradores não indígenas do município, irá contribuir para os diálogos que envolvem a temática Geografia e Povos Indígenas na atualidade.

Breves considerações sobre o processo de criação da Reserva Indígena de Dourados

5O município de Dourados localiza-se na porção sul do estado de Mato Grosso do Sul. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Estatística (IBGE), estima-se que no ano de 2017 residiam no município aproximadamente 218.069 habitantes1. Existem no município duas áreas indígenas: Terra Indígena Francisco Horta Barbosa, mais conhecida como Reserva Indígena de Dourados e Terra Indígena Panambizinho.

6A Reserva Indígena de Dourados (RID) foi criada por meio do Serviço de Proteção ao Índio (SPI) que entre os anos 1915 e 1928 criou oito reservas indígenas

72designadas à população Guarani e Kaiowá, residente na atual porção do atual estado de Mato Grosso do Sul3,“dando início a um amplo processo de confinamento compulsório dos índios Kaiowá dentro das oito reservas de terras que lhe são destinados”. (BRAND, 1993, p. 69)

8Como analisa Brand (2004, p.2):

Essas reservas, demarcadas sob a orientação do Serviço de Proteção aos Índios, SPI, constituíram importante estratégia governamental de liberação de terras para a colonização e consequente submissão da população indígena aos projetos de ocupação e exploração dos recursos naturais por frentes não indígenas. Ignorou-se, na sua implementação, os padrões indígenas de relacionamento com o território e seus recursos naturais e, principalmente, a sua organização social.

9A análise acima corrobora com o pensar de Lourenço (2008, p. 59) que destaca que a escolha das áreas para construção das Reservas pelo SPI negligenciou a importância dos territórios de ocupação tradicional para (re) produção social do modo de vida Guarani e Kaiowá.

A escolha das áreas para a constituição da Reservas indígenas pelo S.P.I., em todo o sul do então estado de Mato Grosso, foi arbitrária, sem qualquer reconhecimento dos territórios de ocupação tradicional indígena. Em alguns casos houve a coincidência de serem áreas tradicionalmente ocupadas, o que não foi o caso da Reserva Indígena de Dourados. Tratava-se de uma área sem cabeceiras, ou minas de água em quantidade suficiente para o atendimento das necessidades vitais básicas, especialmente de uma população que tradicionalmente buscava regiões à beira de rios para o seu estabelecimento.

10Apesar de que em alguns casos a área escolhida para constituição das Reservas coincidir com a área de seus territórios tradicionais, este não acontecera com a RID. Criada no ano de 1917, por meio do Decreto n º 401 de 03/09/1917, recebeu o título definitivo de Reserva somente no ano de 1965, período em que a área reservada já havia perdido 61 hectares das terras a ela destinada.

11Atualmente, a Reserva possui uma área de 3.539 hectares e está localizada a Norte da cidade de Dourados, na Rodovia BR 156 (km 05), tendo seus limites territoriais próximo ao perímetro urbano deste município e, ao Sul da cidade de Itaporã, a uma distância de 15 km desta localidade. (ver figura 2).

Figura 2: Mapa de localização da Reserva Indígena de Dourados (RID)

Figura 2: Mapa de localização da Reserva Indígena de Dourados (RID)

Fonte: SILVA, 2013

12A Reserva é composta por 2 aldeias (Bororó e Jaguapiru) onde habitam aproximadamente 12.870 indígenas4 de três etnias: Guarani Ñandeva, Guarani Kaiowá e Terena, além dos não indígenas que ali são integrados, principalmente pela união conjugal com os indígenas, configurando uma expressiva densidade demográfica, o que dentre outros elementos, acaba por inviabilizar a exploração tradicional dos recursos naturais ainda existentes no interior na Reserva, e consequentemente sua relação com o território.

13Ao analisar os desdobramentos da política de aldeamento compulsório sofrida pelos Guarani e Kaiowá, Lourenço (2008) enfatiza a perda de muitos dos rituais tradicionais, realizados pelos rezadores, como o ritual de iniciação dos meninos Kaiowá, conduzido pelos antigos pajés/caciques, os quais tinham poderes sobrenaturais, necessários para carregar-se de energia místico-religiosa, requisito necessário para o reconhecimento da sociedade kaiowá. Além dos rituais tradicionais a autora destaca que:

A perda da terra e o deslocamento contínuo de famílias de seus territórios tradicionais provocaram como já explicitado, a superpopulação. Dentro das reservas, os índios passaram a disputar lotes de terra, que foram se tornando cada vez mais reduzidos, em função do crescimento das famílias. A necessidade do trabalho assalariado fora da Reserva atingiu em cheio a relação familiar e a e a produção agrícola e, gradualmente, foram alterando as práticas religiosas. Este grau de instabilidade que se estabeleceu nas Reservas, especialmente em Dourados, é que, em nosso entender, podemos qualificar de confinamento. (LOURENÇO, 2008, P.40)

14A transferência dos indígenas para dentro das reservas demarcadas vai acarretar profundas transformações para a vida dos Guarani e Kaiowá, que tiveram seus espaços bruscamente reorganizados, não respeitando os padrões tradicionais existentes até aquele momento no interior de seus tekoha; profundas mudanças na economia, por meio da imposição do trabalho assalariado como forma de subsistência; alterações no sistema de chefias com o surgimento e fortalecimento da figura do capitão acarretando na expressiva deteriorização da saúde e aumento da violência interna. (BRAND 1993)

15Soma-se a essas problemáticas, a composição étnica da RID, em que vivem em um mesmo espaço três etnias: Guarani, Kaiowá e Terena, com particularidades socioculturais e econômicas.

16Todas as questões aqui apresentadas, resultantes da situação de reserva sofrida pelos Guarani Kaiowá e Guarani Ñandeva, como a perda de seus territórios, forte densidade demográfica, violência, transformações econômicas advindas da inserção do trabalho assalariado como forma de subsistência, são fatores que vão influenciar diretamente na (re) produção do modo de vida dos Guarani e Kaiowá.

17A proximidade com o perímetro urbano é destacado por diversos pesquisadores (PEREIRA, 2007; TROQUEZ, 2006; SANTANA Jr. 2010) como fator de relevância, e, que faz com que a população indígena da RID busque alternativas de reprodução e existência, superando dificuldades na busca pelo alimento, pela sobrevivência diária, a partir da relação no interior ou fora da reserva, acarretando consequentemente na presença significativa de populações indígenas em contato cotidiano com os moradores não indígenas do município.

18Diante deste quadro, a seguir buscaremos identificar e analisar nos desenhos elaborados pelos alunos, o cotidiano de jovens indígenas na cidade de Dourados com especial atenção aos encontros e (des) encontros com os demais moradores não indígenas do município. É importante destacar que aos desenhos elaborados não cabem regras que estabeleçam relações explícitas entre a obra e a “re­alidade” que ela apresenta. “As “regras” do desenho são as estabelecidas pela cultura na qual cada desenhista está inserido e elas mergulham-nos na his­tória desta linguagem – do desenho.” (OLIVEIRA JR., 2011, p. 17)

Do outro lado: jovens indígenas na cidade de Dourados e seus (des) encontros com o outro

19Para iniciar nossa análise, é necessário esclarecer que há significativo desconhecimento por parte dos moradores de Dourados (MS) a respeito dos povos indígenas que vivem neste município, o que acaba por intensificar certo preconceito (majoritariamente advindo desse desconhecimento). Assim, nossa pretensão nesse artigo não é fazer pré-julgamentos acerca dos demais moradores do município em relação aos povos indígenas, mas, realizar uma análise acerca do olhar dos jovens indígenas que vivem essa situação de desconhecimento e, consequentemente, de preconceito, cotidianamente, nos mais diversos ambientes.

20O título proposto para este subitem “Do outro lado: Jovens indígenas na cidade de Dourados e seus (des) encontros com o outro”, resulta de observações realizadas pelos autores deste artigo, nas quais identificamos que os jovens e as crianças indígenas ao acompanhar seus familiares em diversas atividades, seja na área central, ou nas áreas mais periféricas da cidade de Dourados, permanecem do outro lado da rua5. Esta situação está presente em parte dos desenhos elaborados pelos alunos, como demonstra a figura 3.

Figura 3: Os (des) encontros de indígenas com os demais moradores do município de Dourados-MS

Figura 3: Os (des) encontros de indígenas com os demais moradores do município de Dourados-MS

Trabalho elaborado pelos alunos da Escola Agustinho, sob orientação da professora Alice. Acervo da professora Alice R. B. Benites, 2017.

21Chama atenção no desenho, à escala utilizada para atribuir destaque ao jovem indígena, o colorido de sua roupa, que se choca com o olhar triste, por sua situação de invisibilidade, aos olhos dos demais moradores presentes na imagem. Um indivíduo fora do mapa, excluído, “do outro lado da rua”. O Eu e o “Outro” não podem estar ao mesmo tempo nessa temporalidade, nesta espacialidade da cidade. (SKLIAR, 2003)

22Contudo, identificamos no texto (presente no canto inferior do desenho) uma tentativa de negociação deste espaço, ao atribuir a cidade como um “lugar “limpo”, com flores, ao contrário da aldeia onde a violência, a droga e a bebida destroem a vida do adolescente”.

23Há na fala do aluno um discurso muito difundido pela mídia local, que reforça o ideário atribuído a Reserva apenas como um lugar ruim, violento, desconsiderando, a riqueza de saberes existente nesse espaço. O aparato de poder colonial, seu saber, sua ciência, sua verdade, expresso principalmente por meio da produção de conhecimento pertencente originalmente ao colonizador, acaba mesmo de maneira lenta se transplantando para o colonizado. (SKLIAR (2003, p.106)

24É importante destacar, contudo, que ao mesmo tempo, que no texto da figura 2, o aluno evidencia a felicidade estar na cidade, essa “felicidade” é também justificada devido às mazelas vivenciadas, consequência da Situação de Reserva6 a que foram submetidos: “violência, bebida, drogas,... tudo é muito escuro”.

25É ao mesmo tempo um mundo que oferece muitas oportunidades, mas que as condiciona a uma estrutura na qual a presença do outro (nesse caso o indígena) não é idealizada nos pontos de realização do consumo de uma parcela mais privilegiada da cidade de Dourados, é como se os corpos dos indígenas transportassem a contradição da produção da riqueza e explicitassem as consequências do modelo produtivo que as gerou, causando na maioria das vezes desconforto que resulta na demonstração de comportamentos de descaso, ódio, mas também de solidariedade.

26Devido a expropriação das terras tradicionalmente ocupadas, e o desmatamento, que provocou a rápida passagem de alternativas variadas de subsistência (agricultura, caça, pesca, coleta), uma das alternativas utilizadas pelos Guarani e Kaiowá é cultivar pequenas roças na parte dos lotes que lhe restam (figura 4).

Figura 4: Roça Indígena

Figura 4: Roça Indígena

Trabalho elaborado pelos alunos da Escola Agustinho, sob orientação da professora Alice. Acervo da professora Alice R. B. Benites, 2017.

27Essas roças consistem basicamente na plantação de banana, mandioca, milho, cana de açúcar, abacaxi, feijão; e/ou pequenas criações de galinhas, patos, porcos e em alguns casos de gado, sendo excedente comercializado, muitas vezes vendido porta a porta nas casas e também nas ruas da cidade. “Mas, a vida na cidade também não é fácil!”. É nesses movimentos realizados cotidianamente que as relações entre os não índios e os indígenas ficam mais visíveis. Um exemplo dessa situação encontramos no desenho da (figura 5), que relata a experiência dos indígenas na comercialização desses produtos fora da reserva.

Figura 5: O dia-a-dia dos indígenas na cidade de Dourados-MS

Figura 5: O dia-a-dia dos indígenas na cidade de Dourados-MS

Trabalho elaborado pelos alunos da Escola Agustinho, sob orientação da professora Alice. Acervo da professora Alice Rosane B. Benites (2017)

28Na figura 5, chama atenção a forma como o aluno projeta seu desenho sempre posicionado distante da realidade que explicita, ou como na percepção dos autores desse artigo, do outro lado da rua. Nessa projeção, o aluno evidencia uma paisagem na qual a carroça é engolida pelas ruas e casas vazias de gentes, de acesso fechado por muros e portões, onde o constrangimento pela imagem é evitado ou artificializado pela voz vinda do interfone, que na maioria das vezes lhes diz não.

29A situação de preconceito, vivenciada pelos indígenas cotidia­namente em Dourados (MS) nos mais diversos ambientes, está expressa pelos alunos nos textos e nos desenhos elaborados. Nos textos das figuras 3 e 5 identificamos elementos que evidenciam a construção do indígena como o “outro”. Apesar de a diferença ser celebrada como fonte da diversidade, heterogeneidade e hibridismo (Woodward, 2009), neste caso identificamos que a mesma é construída negativamente, por meio da exclusão, ou da marginalização daquelas pessoas que são constituídas como os “outros”, neste caso os indígenas. Dividir o mundo social entre “nós” e “eles” neste caso significa classificar [...] Dividir e classificar sig­nifica também hierarquizar. Deter o privilégio de classificar significa também deter o privilégio de atribuir diferentes valores aos grupos assim classificados. (SILVA, 2009)

30Em alguns casos, o discurso produzido por parte dos moradores (não indígenas) da cidade, (reproduzidos pelos alunos) revela as concepções preconceituosas e intolerantes a que os Guarani e Kaiowá são submetidos (figura 6).

Figura 6: O indígena na cidade de Dourados-MS

Figura 6: O indígena na cidade de Dourados-MS

Trabalho elaborado pelos alunos da Escola Agustinho, sob orientação da professora Alice Rosane B. Benites (2017)

31Desta forma, na concepção dos alunos, aos olhos dos demais moradores do município, hora os indígena são considerados “atrasados”, hora são ignorados, invisibilizados e/ou remetem a sentimentos de negação, preconceito. A presença dos indígenas na cidade causa incômodo no sentido em que revela um choque entre temporalidades/espacialidades distintas que coexistem no mundo simultaneamente (MASSEY, 2004; 2008), evidenciadas tanto no meio de locomoção (carros e motos x carroças e bicicletas), como na fala do aluno que evidencia que há uma diferença entre a lógica urbana e a lógica estabelecida na aldeia.

32Observando a forma como o aluno retrata o indígena na cidade, identificamos o agenciamento de imagens, que ratificam que o preconceito também acontece devido a uma relação em que a presença de elementos simbólicos relacionados ao campo (chapéu e a carroça), provoca nas pessoas. A ideia de deslocamento de uma atividade que não deveria estar naquele espaço (cidade), fruto da lógica produtiva hegemônica capitalista que racionaliza a organização do espaço como conhecemos (separação cidade x campo), torna o indígena que está na carroça, um ser deslocado espacial e temporalmente para os não indígenas, assim ele acaba por simbolizar material e culturalmente um "entrave", sendo passivo de ofensas como as retratadas no desenho (figura 5)

33Estes discursos de intolerância revelam que para além do desconhecimento sobre o modo de vida – Guarani e Kaiowá existe, sobretudo, um discurso fundamentado pela legitimação da propriedade privada, ideologia do trabalho e acumulação de riqueza. Assim, aqueles sujeitos consi­derados como não cumpridores de certos contratos sociais devem ser reconhecidos como ignorantes, usuários de língua incorreta, preguiçosos, sujos, e consequentemente, não dignos de pertencimento àquele espaço.

34O entendimento dos diferentes significados de “trabalho” e consequentemente o tempo dedicado a esta atividade, para as diferentes culturas, é necessário, para a compreensão da maneira como tradicionalmente os Guarani e Kaiowá concebem as relações de trabalho. Na contramão do tempo do relógio, tradicionalmente os Guarani Kaiowá não trabalham para acumular riquezas, mas para sobreviver, e o tempo que lhes restam é destinado a outras atividades, que consideram importantes como a transmissão de conhecimento e saberes dos mais antigos, realizadas em conversas com os mais jovens à beira da fogueira (figura 7), o aprendizado sobre a história de sua aldeia, de sua geração passada, sua cultura (reza, dança, artesanatos, entre outras).

Figura 7: A família Indígena

Figura 7: A família Indígena

Trabalho elaborado pelos alunos da Escola Agustinho, sob orientação da professora Alice. Acervo da professora Alice Rosane B. Benites (2017)

35Temos que considerar, contudo, que a partir dos (des) encontros com os Karaí (não índios), as transformações socioterritoriais a que estes povos foram submetidos, acarretaram na criação de novas necessidades a vida dos Guarani e Kaiowá. Estas mudanças “traz para o mundo destas sociedades, novos processos de identificação de si e dos outros, costruindo novas fronteiras, construindo novos territórios que ampliam as territorialidades vividas no espaço-tempo, no/pelo encontro com o outro”. (MOTA, 2011, p.246)

36As inúmeras dificuldades que os Guarani e Kaiowá enfrentam cotidianamente para continuar sobrevivendo, frente às atuais condições e oportunidades impostas pelo mundo contemporâneo, também comparecem nos desenhos e nos textos elaborados pelos alunos (figura 8).

Figura 8: A presença dos indígenas na cidade de Dourados-MS

Figura 8: A presença dos indígenas na cidade de Dourados-MS

Trabalho elaborado pelos alunos da Escola Agustinho, sob orientação da professora Alice. Acervo da professora Alice Rosane B. Benites (2017)

37Mas, como (re) existir perante aos fenômenos de sobrevivência que se agenciam em outros referenciais de sociabilidade, em meio às forças dos processos econômicos “modernos” (as lojas os carros, os muros) que reprimem suas formas usuais de sobrevivência e resistência? (Figura 5, 6, 8).

38Apesar disto, os Guarani e Kaiowá, seguem lutando por seus direitos, hora resistindo, hora negociando, hora resignificando e reafirmando sua identidade. (PEREIRA, 2007)

Considerações Finais

39Neste texto procuramos demonstrar as problemáticas que marcam o cotidiano de jovens indígenas na cidade de Dourados-MS. Considerando as particularidades que caracterizam este município, especialmente na presença significativa de populações indígenas em contato cotidiano com os moradores não indígenas, identificamos que estes encontros são subsidiados pela marcação de diferenças.

40As práticas aqui descritas demonstram o complexo processo de negociação que permeia tais atividades, já que elas se realizam a partir de uma organização espacial na qual o indígena de forma geral, está posicionado de maneira periférica econômica e culturalmente.

41Essa assimetria de poder exige dos jovens indígenas negociações que lhes permitam transitar por espaços, a eles negligenciados. As relações sociais em que os indígenas estão inseridos são carregadas de simbolismos próprios, uma vez que estes resignificam inclusive o que lhes é imposto como contrato que permite, mas condiciona este contato, a lugares e formas específicas, que muitas das vezes invisibilizam esses sujeitos, contribuindo para a construção de estereótipos e consequente perpetuação do preconceito a que são submetidos.

42A análise ao material produzido pelos alunos indígenas, demonstra seu entendimento de que aos olhos dos outros, os povos indígenas se apresentam como sendo homogêneos, de uma identidade única e fixa, na qual prevalece o estereótipo do índio atrasado, preguiçoso. De maneira geral, ficou evidente que a identidade dos alunos, em sua relação com os moradores não índios, define-se em relação às diferenças, configurando-se enquanto um processo de produção social permeado por relações de poder. A distinção entre o “eu” e o “outro” pautada numa dada concepção de evolução ou cronologia temporal, demarca as principais diferenças entre os grupos ali presentes. Essa situação expressa à relação de conflito em que vive os indígenas e os demais moradores do município, que apesar do ir e vir entre as aldeias e o perímetro urbano reforçam a tese de Barth (1998, p.188) de que “as fronteiras persistem apesar do fluxo de pessoas que as atravessam”.

Haut de page

Bibliographie

BARTH, Fredrik. Grupos étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, Philippe; STREIFFFENART, Jocelyne. Teorias da etnicidade. Seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. Tradução de Élcio Fernandes. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998, p. 185-227.

BRAND, Antonio Jacó. O confinamento e o seu impacto sobre os Pai-Kaiowá. 1993. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

_________. Os complexos caminhos da luta pela terra entre os Kaiowá e Guarani no MS. Tellus, ano 4, n. 6, p. 137-150, abr. 2004 Campo Grande – MS.

CAVALCANTE, Thiago Leandro Vieira. Colonialismo, Território e Territorialidade: a luta pela terra dos Guarani e Kaiowa em Mato Grosso do Sul. 2013. Tese (Doutorado em História) – UNESP, Assis-SP.

LOURENÇO, Renata. A política indigenista do estado republicano junto aos índios da reserva de Dourados e panambilinho na área da educação escolar (1929 a 1968). Dourados: Ed. UEMS, 2008. 248 p.

MASSEY, Doreen Barbara. 2004. Filosofia e política da espacialidade: algumas considerações. Revista Geographia, 2004. 6, n.12.

______. 2008. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil

MOTA, Juliana Grasiéli Bueno. Territórios e territorialidades Guarani e Kaiowa: da territorialização precária na Reserva Indígena de Dourados à multiterritorialidade. 2011, 406, p. Dissertação (Mestrado em Geografia) - UFGD, Dourados - MS

______. Territórios, multiterritorialidades e memórias dos povos Guarani e Kaiowá: diferenças geográficas e as lutas pela Des-colonialização na Reserva Indígena e nos acampamentos-tekoha – Dourados-MS, 2015. 313 p. Tese (Doutorado em Geografia) – FCT, UNESP, Presidente Prudente -SP.

PEREIRA, Levi Marques. Mobilidade e processos de territorialização entre os Kaiowá atuais. Revista História em Reflexão: Vol. 1 n. 1 – UFGD - Dourados Jan/Jun 2007.

SILVA, Solange Rodrigues da. A Geografia na educação escolar indígena: limites e Possibilidades para a construção da educação Intercultural. 2013. 143 p. Dissertação (Mestrado em Geografia) – FCH, UFGD, Dourados-MS.

______. Ensino de Geografia e educação escolar indígena: da interculturalidade a outras imaginações espaciais. 2018. 329 p. Tese (Doutorado em Geografia) – FCH, UFGD, Dourados-MS.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença. E se o outro não estivesse aí? Rio de Janeiro: DP&A, 2003. 224 p.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura1: Distribuição da população indígena por município em Mato Grosso do Sul
Crédits Fonte: SILVA, 2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23567/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 256k
Titre Figura 2: Mapa de localização da Reserva Indígena de Dourados (RID)
Crédits Fonte: SILVA, 2013
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23567/img-2.png
Fichier image/png, 412k
Titre Figura 3: Os (des) encontros de indígenas com os demais moradores do município de Dourados-MS
Crédits Trabalho elaborado pelos alunos da Escola Agustinho, sob orientação da professora Alice. Acervo da professora Alice R. B. Benites, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23567/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 568k
Titre Figura 4: Roça Indígena
Crédits Trabalho elaborado pelos alunos da Escola Agustinho, sob orientação da professora Alice. Acervo da professora Alice R. B. Benites, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23567/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 412k
Titre Figura 5: O dia-a-dia dos indígenas na cidade de Dourados-MS
Crédits Trabalho elaborado pelos alunos da Escola Agustinho, sob orientação da professora Alice. Acervo da professora Alice Rosane B. Benites (2017)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23567/img-5.png
Fichier image/png, 402k
Titre Figura 6: O indígena na cidade de Dourados-MS
Crédits Trabalho elaborado pelos alunos da Escola Agustinho, sob orientação da professora Alice Rosane B. Benites (2017)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23567/img-6.png
Fichier image/png, 347k
Titre Figura 7: A família Indígena
Crédits Trabalho elaborado pelos alunos da Escola Agustinho, sob orientação da professora Alice. Acervo da professora Alice Rosane B. Benites (2017)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23567/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 584k
Titre Figura 8: A presença dos indígenas na cidade de Dourados-MS
Crédits Trabalho elaborado pelos alunos da Escola Agustinho, sob orientação da professora Alice. Acervo da professora Alice Rosane B. Benites (2017)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23567/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 674k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Solange Rodrigues da Silva et Adriano Michel Helfenstein, « Práticas espaciais de jovens indígenas no cotidiano da cidade de Dourados (MS) », Confins [En ligne], 42 | 2019, mis en ligne le 02 décembre 2019, consulté le 21 janvier 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/23567 ; DOI : 10.4000/confins.23567

Haut de page

Auteurs

Solange Rodrigues da Silva

Universidade Federal do Amapá - UNIFAP. Curso de Licenciatura Intercultural Indígena- Campus Binacional de Oiapoque.

Adriano Michel Helfenstein

Universidade Federal do Amapá - UNIFAP. Coordenador do Curso de Licenciatura em Geografia da Universidade Federal do Amapá- Campus Binacional de Oiapoque.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals