Navigation – Plan du site

Valores e circunstâncias do pensamento geográfico francês (parte um): a “Nouvelle Géographie” segundo os testemunhos de Henri Chamussy e Roger Brunet

Valeurs et circonstances de la pensée géographique française (première partie): la Nouvelle Géographie selon les témoignages d’Henri Chamussy et de Roger Brunet
Values and circumstances of French geographical thought (part one): the New Geography according to the testimonies of Henri Chamussy and Roger Brunet
Dante F. C. Reis Junior

Résumés

Motivés par l’objectif de rassembler et de comparer des versions sur les significations et les implications du tournant méthodologique chez la Géographie, entre les années 1960 et 1970, nous présentons ici un échantillon de témoignages recueillis auprès de trois importants protagonistes du changement scientifique en France. Nous comprenons que la valeur de ces représentations personnelles à propos des épisodes de l’époque réside dans le fait que, bien qu’elles résultent d’expériences singulières et possiblement idiosyncratiques, vue qu’elles découlent d’une appréciation réflexive a posteriori (c’est-à-dire, déjà éloignée de la période en question), elles sont très utiles pour démontrer les caractéristiques générales du changement de paradigme (via confluence de leurs impressions), aussi bien que pour attester des ambiguïtés inhérentes (via virtuelle discordance). Dans cette première partie, nous présentons les témoignages d’Henri Chamussy et de Roger Brunet, lesquels incarnent deux dispositions particulières: l’une, impliquant un esprit en relatif dilemme; l’autre, semblant indiquer un génie résolument transgressif.

Haut de page

Texte intégral

Introdução: definindo uma agenda de pesquisa e seu fundamento teórico-metodológico

1É sempre elucidativo comparar episódios de eclosão e desenvolvimento de novas tendências científicas. Por exemplo, o caso da chamada “Geografia Teorética e Quantitativa” (GTQ) no Brasil e na França – cuja comparação ajuda a diagnosticar pontos em comum e especificidades. No caso brasileiro, a “New Geography” foi assimilada e retransmitida a partir de dois visíveis polos: via IBGE (com o papel protagonista de Speridião Faissol, 1923-1997) e desde a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro, atual UNESP/RC (de reputação muito devida aos feitos de Antonio Christofoletti, 1936-1999). No epicentro carioca ficaria exemplificada a utilidade dos modernos recursos matemático-estatísticos para o tratamento de temas urbano-regionais; enquanto que no paulista, a boa serventia das técnicas quantitativas e da modelagem sistêmica para os estudos agrários e geomorfológicos. Que idiossincrasias se manifestariam, por sua vez, no território francês?

2Seduzidos pelo desafio de uma análise comparada, a partir do ano 2010 procuramos tomar conhecimento da história da “Géographie Théorique et Quantitative” – estimando que o movimento de renovação metodológica haveria de ter experimentado notáveis resistências na, por assim dizer, “terra das abordagens vidalianas”. Resultam dessa investigação gradativa duas historiografias: uma, sobre o Groupe Dupont (GD) e seus seminários Géopoint; outra, acerca dos colóquios Théo Quant. Tais exames, executados a partir de coleta de documentos textuais e registro de entrevistas in loco (Avignon e Besançon), insinuam não só o caráter “geográfico” das iniciativas transformadoras – aliás, tema bem tratado por pesquisadores atentos a esse viés da dinâmica científica (Cuyala, 2014) –, mas também que a esses lócus de reunião tendem a convergir “personagens-chave”, militantes da causa renovadora: sejam os “Enfants Dupont” (Jean-Paul Ferrier, Henri Chamussy, André Dauphiné, entre outros), reunidos predominantemente na porção sudeste; sejam os pioneiros “bisontins” (Jean-Philippe Massonie e Jean-Claude Wieber), que logo compreenderam os préstimos das matemáticas e estatísticas (Reis Junior, 2012; 2014).

3No ano de 2010 tivemos a oportunidade de conhecer H. Chamussy (1935-2015). Em Grenoble, sua cidade de residência, no dia 28 de Janeiro, registramos o relato desse interessante personagem. E foi graças à intermediação de Joël Charre (cujas entrevistas constituem a segunda parte deste artigo) que logramos ter um encontro com Roger Brunet. Este, que é um dos emblemáticos protagonistas no giro epistemológico da Geografia, aceitou nos receber em sua residência, na cidade de Tours, no dia 5 de Abril de 2018, para uma conversa acerca de sua trajetória.

4Nesse âmbito dos estudos historiográficos sobre ciência, uma opção metodológica é o recurso a procedimentos que mesclam tendências ligadas à linha da história oral e a técnicas de desenho de biografias (mediante a captura de “recollections”, por exemplo). O célebre historiador da ciência George Sarton (1948) considerou ser possível buscarmos por elementos atemporais na ciência se, precisamente, tentarmos “reviver as personalidades”; isto é, em vez de fazer aquilo que os manuais de história já fazem: enumerar suas descobertas, simplesmente. Por conseguinte, intui-se com razão que, em se tratando de uma análise sobre episódios relativamente recentes, pode ser bastante esclarecedor somar ao tradicional exame de arquivos e documentos textuais também o conteúdo intrínseco aos depoimentos de personagens que tenham vivenciado esses referidos episódios.

5Os personagens praticantes da ciência têm uma voz relevante, na medida em que possam ter tomado parte em circunstâncias de exercício de poder e influência. Alguns ganham notável visibilidade, recebem financiamentos, tornam-se famosos. E essa dimensão sociológica de suas práticas tende a deixar uma “trilha” a ser explorada e que não necessariamente se encontra documentada em papel. E mesmo que se encontre, de algum modo, insinuada em periódicos e livros, no mais das vezes ela estará “despersonalizada e comprimida” (Weiner, 1988). Acrescente-se a isso o obstáculo, há bastante tempo percebido e comentado pelos historiadores, a ver com a eventual ausência de documentação tradicional (por perda, destruição); ou mesmo com a insuficiência de publicações diretamente associadas à questão. Por isso, o registro de narrativas de recordação é um expediente que, a exemplo de outros, encerra vantagens e imperfeições. Logo, o historiógrafo está livre para ponderar o quanto o risco das segundas autoriza, ainda assim, uma aposta nas primeiras.

6Num já datado artigo a respeito da relevância dos trabalhos de pesquisa à base de “oral history”, o historiador da ciência americano Saul Benison (1962, 114) expunha algumas medidas determinantes para executa-los de modo proveitoso. Sendo assim, uma vez que definiu seu entrevistado, o “historian-interviewer” deverá: (i) municiar-se de “documentos de apoio” – por exemplo, fontes primárias e secundárias existentes –, a fim de poder estimar a “fragilidade da memória” ou os graus de compatibilidade entre o documentado e o falado; (ii) de porte de um gravador, estar preparado a estimular a memória do depoente, acerca dos eventos relevantes do passado; e (iii) favorecer a que no produto final (memoir) o entrevistado tenha dito o que realmente quis dizer.

Many oral historians rush to interview Participants and Witnesses of historical events, especially when these people are aging and will soon die. The hope is that these individuals may possess privileged information, powerful stories, and useful details. (Bernstein, Nourkova e Loftus, 2008, 177).

7Não são inconsistentes, por outro lado, as reticências que certos autores têm diante dessa modalidade de captura de informações. É que as mencionadas testemunhas oculares poderiam, com chances equipotentes, também “omitir” ou “embelezar”. Adulterar, portanto. A ressalva ao procedimento pode estar, inclusive, bem fundamentada em teoria e em repetidas pesquisas experimentais conduzidas por psicólogos. Como é o caso de Bernstein, Nourkova e Loftus (2008), que nos advertem: a memória tanto preserva a “essência” do que o narrador diz ter experimentado (o que estimula a modalidade), quanto distorce a “verdade” – a qual parecerá, então, cambiante de uma geração à outra. Isso porque a memória pessoal de um evento não teria obrigatoriamente que coincidir com a memória coletiva dele. Ainda que se possa concluir que há por trás da formação de toda “falsa memória” (não importando mais se ela é pessoal ou coletiva/histórica) um mesmo mecanismo psicológico operante. Ademais, é difícil evitar a impressão de que, se a narrativa das representações é, para todo sujeito, algo tão natural e espontaneamente cotidiano, usa-la no âmbito de uma pesquisa que se pretende científica instaura uma atmosfera de suspeição. Nesse sentido, a narrativa seria “suspeita” para falar de “eventos reais” pelo fato dela predominar nos discursos que, de mesmo modo, são capazes de engendrar ficções (White, 1984). Não é que os discursos imaginários sejam forçosamente menos verdadeiros; porém, nunca estaríamos seguros acerca da confiabilidade do papel jogado pelo depoente e a ação de suas faculdades imaginativas.

8Além disso, existem riscos e contratempos quando, especialmente, se deseja tratar da história de eventos que figurem como sendo mais “contemporâneos” que antigos. Mas poderíamos, ainda assim, nos perguntar se esses problemas de fato diminuem se nos debruçássemos sobre episódios ocorridos em períodos mais remotos. Parece, afinal, que é a disponibilidade de materiais (somada, é claro, à natureza das preocupações do investigador) que define as boas chances de capturarem-se dados confiáveis. E aí talvez não importe tanto se o foco de interesse situa-se mais no passado que no presente. Porque o clássico receio em torno da “perturbação do sistema” sempre estará pairando sobre os estudos. E, sendo assim, não estamos obrigados a aquiescer que, se o depoente nos relata o que viveu algumas décadas atrás, então esse material obtido é, fatalmente, de objetividade menos confiável do que seria se fôssemos interpretar acontecimentos de séculos atrás, a partir de textos distanciados no tempo. “We ‘disturb the system’ by selectivity in the past, as well as the present, and by our presence in the present. Are we any more neutral or objective about the past than we are about the present?” (Weiner, 1988, 559).

9Para nossos diálogos com os personagens, utilizamos como “documentos de apoio” amostras de publicações dos entrevistados; lidas previamente. No momento interativo dispúnhamos de trechos selecionados, os quais guardavam estreita conexão com as questões a serem colocadas ao depoente. Importante ressaltar que a segunda entrevista foi realizada cerca de oito anos após a primeira. E que, portanto, cada uma delas respondia a um interesse específico ao momento. Nosso encontro com Chamussy tinha a ver com uma estada na cidade de Avignon, em que objetivávamos, especialmente, conhecer a origem do GD e examinar anais de colóquios. Enquanto que a conversa com Brunet se enquadrava no objetivo geral de nosso então pós-doutoramento junto ao IHPST, Institut d’Histoire et de Philosophie des Sciences et des Techniques, da Universidade de Paris 1: compreender as relações entre as geografias clássica e teorética com os sistemas de pensamento positivistas tradicional e lógico. Então, se a entrevista com este segundo respondia a um interesse especial em filosofia da ciência; a que realizamos com aquele primeiro relacionava-se mais com uma “geografia da ciência”. De todo modo, algumas questões-chave colocadas a um e outro guardavam suficiente sintonia, posto que ambos testemunharam (e cooperaram a) uma atmosfera de anseios de transformação. Na Figura a seguir sintetizamos a estrutura geral de questionamentos que guiou nossas conversas. Nela são salientados os elementos comuns e específicos a cada entrevista. Sem que tivéssemos realmente deliberado, o desenho de questões estipulado para a experiência de 2010 (mobilizadas por um interesse em incitar, no entrevistado, souvenirs de prises de connaissance) configurava-se já como um protótipo a ser replicado nos “experimentos” de 2017 e 2018 – as conversas com Charre e Brunet.

Figura 1 – Protótipo de questões-chave para entrevista em estudos historiográficos

Figura 1 – Protótipo de questões-chave para entrevista em estudos historiográficos

[organização nossa]

10Como itens técnico-instrumentais empregamos, para a entrevista com Chamussy, um gravador de áudio “Digital Voice Tracer” (Philips, modelo LFH7650) e uma máquina fotográfica digital “Easy Share” (Kodak, modelo Z740); e, para a entrevista com Brunet, um smartphone com funções de câmera e dictafone (iPhone 4, modelo A1397).

11Por fim, cabe esclarecer brevemente a opção de empregar as expressões “valores” e “circunstâncias” no título do artigo. Na verdade, já as havíamos utilizado para nomear dois textos dedicados às contribuições dadas pela dupla de personagens brasileiros mencionada antes – Faissol e Christofoletti. O intuito, portanto, é o de reproduzir a ideia que esteve presente naquelas ocasiões precedentes: o sujeito que tenha jogado um notável papel na promoção de ideários e/ou instrumentos (por ele concebidos ou retransmitidos) naturalmente merece a insígnia de “valor” – como se presume, no sentido de “talento” (e de uma possível e consequente reputação). No entanto, em se tratando de estudos de história da ciência, judicioso é sempre associar esse virtual ganho de crédito ou reconhecimento a um contexto e seus fatores de conjuntura; o que significa pontuar os aspectos de época que devam ter provavelmente estimulado o engajamento e a performance do sujeito. E isso é o que vem a constituir as referidas “circunstâncias”, dentro das quais o personagem logrou operar ações transformadoras em seu campo disciplinar.

12Faremos, primeiramente, uma caracterização geral de cada um dos dois personagens deste artigo. Em seguida, no decurso do texto, a fim de pontua-lo por uma lógica de tópicos-chave, ambos aparecerão de modo mesclado – e precisamente para que esteja favorecido o contraste ou a consonância de visões.

A amostra de personagens

13Quando, explorando a escala diacrônica, examinamos os modos pelos quais os campos disciplinares são produzidos e praticados, logo avistamos os papéis salientes que determinados sujeitos desempenham para robustecê-los ou para contribuir a transforma-los. São indivíduos que – vindo ou não a merecer destaques ou menções honrosas em historiografias futuras – nos demonstram arestas de contato entre as histórias da ciência, das ideias e dos intelectuais. Por vezes, é a rota desenhada por suas trajetórias profissionais o que reforça essa compatibilidade; noutras ocasiões, episódios regionais de assimilação e retransmissão são o que a atesta (Reis Junior, 2017). Por motivos especiais, Henri Chamussy e Roger Brunet são trazidos aqui.

14Chamussy integrou o coletivo de jovens professores que, em princípios dos anos 1970, tomou parte na onda de renovação da Geografia em solo francês. O fizeram a partir da constituição de uma espécie de zona e epicentro de iniciativas geograficamente situadas: a região sudeste da França e a cidade de Avignon. Para esta cidade, confluiria periodicamente (para reuniões e colóquios – dos quais derivariam textos reflexivos e ensaios de aplicação metodológica), uma jovem-guarda que há muito se sentia enfadada com a linguagem e procedimentos clássicos (Douguédroit, 2018). Chamussy era habitué nos encontros Géopoint e estimado por todos. Ainda que pudesse suscitar desconforto aos presentes, dados seus comentários quase sempre provocativos e em tom causticante, esse personagem era tido como o grande animador das reuniões. E se Chamussy de fato não teve uma grande produção textual, ele, por outro lado, deixou essas marcas identitárias que são tão ou mais admiráveis que qualquer soma significativa de artigos: a propensão a um estilo bastante poético (Chamussy, 1978) – o que realmente soa “contraditório”, se todos tendemos a ver na geografia teorética um projeto de supressão dos estigmas literários da disciplina – e o irrefreável gosto por desafiar os colegas quando estes expunham seus estudos mais recentes. Pudemos testemunhar isso quando estivemos em Avignon, no inverno de 2010, a fim de conhecer os “Meninos (e meninas) da Ponte”. E chamou-nos especialmente a atenção o fato de que, apesar de corrosivos, seus comentários normalmente provocavam risos na sala. Aliás, Chamussy parecia ter particular predileção por desafiar as posturas chamadas críticas em Geografia: aqueles que quiseram afrontar o projeto de uma disciplina mais normativa e sistemática chamava de partidários de uma geografia “gasosa” (géographie gazeuse). Uma geografia que preenche dezenas de páginas com um conteúdo que, se ela possuísse o valor de concisão inerente ao espírito científico, faria o mesmo em poucos parágrafos.

15Já Brunet, dos dois, é sem dúvida o mais conhecido. De certo modo, jogou um papel menos regional, “menos province”. Porque, por algum tempo, esteve próximo de âmbitos mais oficiais; atrelados à política e decisão parisienses. Também ficou notabilizado por sua proposição de uma semiologia baseada na ideia de “coremas” (chorèmes, do grego “khôra” – zona, lugar). Brunet, tendo aspirado ares estruturalistas, desejou, com essa sua modelagem, conferir à disciplina um status mais científico, entendendo que ela possuiria “leis”. Os coremas, se eles, enquanto unidades combináveis, podiam corresponder ao engendramento das estruturas visíveis nos territórios, poderiam também, precisamente, nos permitir decifrar essas referidas leis (Brunet, 1986). Alguns viram com otimismo sua proposta de associar à Geografia a possibilidade de operar interpretações à base de uma chave unitária de leitura. Outros nem tanto: o criticaram por oferecer mais uma artimanha intelectual sedutora, que propriamente um modo convincente de valorizar o raciocínio geográfico (Sierra, 2017). Yves Lacoste e seu Hérodote, por exemplo, num fascículo especial editado em 1995 (em cuja capa lê-se a persuasiva mensagem “Chorématique stop!”) se refere ao empreendimento de Brunet como sendo “ultraschématique”, e se pretendendo a quintessência de uma pretensa revolução científica. Supostamente levada a efeito na pesquisa geográfica por agentes como Brunet e seus “missionnaires” (Lacoste, 1995).

16É certo que as posturas de um e outro personagem, conquanto tenham obtido notoriedades distintas (e se desenvolvido em escalas e conjunturas igualmente diferentes), ilustraram interesses compatíveis; ou pelo menos disposições intelectuais suficientemente congruentes. Por outro lado, elas denunciavam um de muitos outros matizes possíveis de perceber entre as décadas de 1960 e 1980 na geografia francesa. Em Histoire de la Pensée Géographique, Jean-François Deneux comenta a verdadeira “diversité des approches” promulgada pelos geógrafos franceses. Divididos entre as múltiplas possibilidades de uma ciência que abandonara a natureza, eles se veriam propagando não somente a análise espacial “modélisatrice” ou um “aménagement du territoire” municiado pela cartografia “numérique”, mas também uma geografia social crítica, prosseguindo leituras “marxistes” já instaladas na França desde os anos 1950 (por nomes como Jean Tricart e Pierre George); não se excluindo ainda as perspectivas dentro da orientação “humaniste”, a retomada da geografia política (agora “au service des citoyens”) e mesmo a atualização dos estudos regionais via colaboração extensionista, em realidades “tropicales” e além-mar (Deneux, 2006, 127).

17As posturas de Chamussy e Brunet, neste sentido, tendo significado modos particulares de pensar e praticar a disciplina, revelavam pontos de vista não mais que parciais da ciência. De modo algum diziam de um consenso de época, ou paradigma dominante. E, por ser mesmo o contrário, é que suas considerações a posteriori nos pareceram ricas para historiografar aquele contexto tão caleidoscópico.

Henri Chamussy ... e a busca de uma “rationalité derrière”

18O jovem Henri, por volta dos quatorze anos, sabia já o que queria ser. É o contato com o avô, um historiador especializado em Arqueologia, somado ao gosto pelos livros de Julio Verne, que agiram como uma força determinante: “eu sabia que queria ser geógrafo”. Décadas passariam até que se desse conta: naquele passado, ele (como muitos) havia levemente confundido a Geografia com os estudos etnográficos.

19Quando ainda estudante universitário, entre o final dos anos 1950 e início dos 1960, tendo assistido a aulas de Professores ilustres (Chabot, Birot, Monbeig), os quais admirava, intuiu que ali se tratava de um discurso, com frequência, falho: “eu o achava frágil; um discurso que não era robusto; que era descritivo demais”. O percurso da Licence não chegou a ser traumatizante, é claro; havia matérias interessantes. Porém, algo lhe perturbava: “aquilo era mais um turismo de alto nível, que uma verdadeira ciência”.

20O contato, na Sorbonne, com demais campos do saber, fez o graduando Chamussy perceber na Geografia uma disciplina que, no domínio do conhecimento, se encontrava em seus estágios iniciais. Porque naquelas verdadeiras ciências vira um discurso “infinitamente mais estruturado e científico que o dos geógrafos, que se contentavam em enumerar”.

21A conversa com Chamussy corroborou, de certa maneira, a impressão com a qual havíamos ficado mediante a prévia leitura de alguns de seus textos. É que nos soara, de fato, um pouco raro um autor engajado com os giros linguístico e metodológico expressar-se de um modo até mesmo poético, ao falar de ciência. O que nos fez pensar numa hipótese relativamente óbvia: tratava-se ali de um personagem que, mesmo tendo percebido a necessidade de uma transformação radical, não pôde se desvencilhar de certos resquícios com que uma formação “clássica” lhe impregnou. Ou seja, ficáramos com essa impressão de um personagem, no mínimo, intrigante: carismático por suas colocações com frequência sarcásticas; visto como “irmão mais velho” pelos companheiros que por ele foram incentivados a investir nos novos procedimentos; e sempre o grande “animador” nos encontros dos “Dupont”, em Avignon.

22Complexo, inclusive, o personagem. Porque podemos estimar os impasses ou hesitações que uma mentalidade formada na tradição clássica experimentou naquele momento de virada paradigmática. Ele quis, firmemente, entrar na estatística, na computação; mas a verdade é que seu espírito não era totalmente “lógico”. E por isso a dedução de uma experiência pessoal provavelmente aflitiva: o autor de textos em estilo literário entendeu que a época exigia de fato um melhor destino para a disciplina. O indivíduo, religioso na intimidade, compreendera que era coerente a ideia de fazer dela uma ciência a mais racional possível. Portanto, Chamussy, embora pudesse fazê-lo, não se contentou em simplesmente “deixar para os outros” o desafio. Tomava iniciativas, incitava os demais. Esforçou-se em resolver os problemas de fundamentação básica da ciência; em descobrir e praticar as técnicas e os cálculos. “Mas isso o torna ainda mais adorável...”, como nos diria, sete anos depois, seu ex-colega Joël Charre.

Figura 2 – Henri Chamussy

Figura 2 – Henri Chamussy

[foto de nossa autoria (Grenoble, 28 jan. 2010)]

Roger Brunet ... e a busca de uma Geografia “pas legère”

23O nome “Brunet” tendemos a associar bem mais espontaneamente à Nouvelle Géographie. O fato de estar por trás da criação da reconhecida revista L’Espace Géographique explica isso. Mas há outras razões pertinentes. Sua Tese sobre fenômenos de “discontinuidade” não deixa de ser um excelente emblema das mudanças de rumo que se operavam desde a década de 1950.

24Depois de ter recebido sua formação inicial em Toulouse e atuado profissionalmente em Reims, Brunet, na segunda metade dos anos 1970, deserta uma pouco da Geografia. Passa a uma dimensão mais ampla: a das “Ciências Humanas”. Contudo, essa experiência imprevista terminaria sendo decisiva para reforçar seu engajamento na sofisticação da ciência geográfica.

25Essa inflexão ocorre quando assume um cargo político junto ao governo nacional. Brunet foi conselheiro, em Paris, do Ministère de la Recherche (gestão Jean-Pierre Chevènement). E com uma designação bastante específica: “aquilo era uma reflexão de fundo sobre o que deveriam ser as pesquisas na França. E eu estava encarregado de coordenar a parte das ciências humanas”. Brunet dirigiu um grande Centro que, na prática, se encarregou de rastrear a literatura produzida nessas ciências, numa escala mundo. O trabalho, desenvolvido junto à Maison des Sciences de l’Homme, ocupou o personagem até por volta de 1980. O interessante, do ponto de vista metodológico, é que a atividade ali executada (envolvendo a síntese de textos e o tratamento de palavras-chaves) apontava para um avanço potencial dos próprios campos disciplinares envolvidos. Contando com enormes computadores em seu subsolo, o que os pesquisadores faziam era organizar um portentoso banco de dados; pronto a prestar um serviço preciso de informações segundo a demanda. À dada questão podia-se responder com uma lista correspondente de referências bibliográficas, mas, na prática, aquilo era o prenúncio das análises multivariadas. Um tal cruzamento de dados (do qual se podia tirar um “perfil”) seria logo percebido como vantajoso à pesquisa geral em ciências humanas.

26Era uma nova cena, na qual se requeriam conclusões práticas, relatórios propositivos. Tirando proveito, é claro, das favoráveis circunstâncias, Brunet procurou trazer algum holofote para sua disciplina de afeição. Disso resultariam projetos e ações que, se por um lado demonstravam anseios pessoais, por outro confirmavam sua plena atenção às demandas progressistas da ciência em geral. Quando, então, Brunet ruma para a “quarta geografia” de sua carreira (Montpellier), na bagagem levava propostas ambiciosas: reconstituir as “Geografias Universais”, conceber um novo “Atlas da França”, criar uma “Casa da Geografia”. E quase tudo isso seria feito, a propósito.

27Mas chama a atenção a história de Roger Brunet também pelo fato de que o personagem ilustra uma possibilidade desacreditada por muitos. Para Brunet o trabalho do geógrafo é compreender como as sociedades fabricam os espaços (mundial e local). Quem são os atores que o fazem e motivados pelo quê? “Essa é uma questão marxiana. Mas não impede que usemos instrumentos científicos sérios para analisar os problemas”. Inclusive o cálculo; as análises fatoriais. Ou seja, Brunet quis promover uma Geografia mais estruturada, baseada em raciocínio lógico (eventualmente via matematização) e isso foi posto a serviço de seu pensamento marxiano. Não havia qualquer contradição. Perguntado se, quando utilizamos dados instrumentos, isso apontaria necessariamente para uma dada ideologia, Brunet nos respondeu resoluto: “quanto a mim, procurei toda a vida demonstrar o contrário”.

Figura 3 – Roger Brunet

Figura 3 – Roger Brunet

[foto de nossa autoria (Tours, 05 abr. 2018)]

O incômodo com o tradicionalismo: percepção de lacunas e movimentos germinais

28Nos pareceu útil saber se os personagens, quando ainda graduandos, nos diálogos mais ou menos abertos entre eles e seus mestres, acessavam temários não restritos às matérias convencionais. E nos relatos verifica-se, realmente, a ideia de limitação (com respeito aos temas ou aos autores).

Não discutíamos o objeto da Geografia; discutíamos o “recuo da cuesta”. Ou então, eventualmente, as “favelas”, durante os cursos de Monbeig sobre Brasil. Mas o objeto da Geografia, seu significado no concerto das demais ciências, isso jamais discutíamos! Nunca escutei, nos meus oito anos de estudo, a palavra “epistemologia”. (Chamussy, 2010).

Na França, “os franceses eram os melhores”. E o melhor dos franceses era Vidal de La Blache. Bem, quanto a mim, nunca suportei o que Vidal de La Blache escreveu. Nunca! É “leve”, é superficial. De Martonne já era um pouco mais sério. E depois Demangeon, que agora está na moda, mas que eu não gostava. Brunhes já era um pouco mais interessante. Ele tinha ideias, mas não foi considerado. Não era ortodoxo. Era marginal. Eu li Brunhes com muito mais interesse que Demangeon ou Vidal de La Blache. Ele se preocupava com coisas que não eram clássicas. (Brunet, 2018).

29Nas recordações sobre ouvir falar das potenciais mudanças metodológicas em Geografia, Chamussy traz à tona episódios muito elucidativos. No “Congresso de Jovens Geógrafos”, que reunia todo ano Professores de Geografia do ensino superior, era grande o contingente de profissionais que, na prática, não desfrutavam de “estatura” na comunidade nacional. Os “grands patrons” seguiam dominando os temas tratados. “Depois de 68, foram tantas as coisas postas em questão, que vimos que tínhamos mais o que fazer! Tínhamos vontade de discutir sobre a renovação da Geografia. Sentíamos que ela estava perdendo velocidade” (Chamussy, 2010). Mas, afortunados, os jovens professores contaram com a simpatia de alguns um pouco mais velhos. Philippe Pinchemel é citado por Chamussy como um desses importantes protagonistas: buscou recursos para promover a tradução de manuais, havia pouco, editados por casas britânicas e norte-americanas (por exemplo, livros da dupla Peter Haggett e Richard Chorley). Bem, e foi por intermédio de sua ajuda que puderam, para o Congresso de 1970 (realizado em Rouen), contar com a vinda de Bernard Marchand – convidado a falar ali. Docente na Califórnia à época, “ele nos apresentou o que ele chamava ‘New Geography’, nos mostrando que um certo número de geógrafos americanos (não todos, aliás) formalizavam seu discurso. E que uma informática nascente permitia facilitar cálculos etc. etc.” (Chamussy, 2010).

O estopim foi o Congresso de Jovens Geógrafos, de 1969. Primeiramente, em 1968, os mais jovens se sentiram autorizados a rejeitar a autoridade dos mestres. Aconteceram coisas em 1968! Para o bem e para o mal. Mas em se tratando da Geografia foi para o bem. Nós estávamos num certo número, e nos dizíamos: “Essa coisa de respeito ao Mestre, basta!” (Chamussy, 2010).

30Nascia ali o projeto de conformação de um Groupe. E a interação com outros sujeitos (que atuavam ou, então, haviam estado em países como o Canadá e a Suíça) seria decisiva para estimular os integrantes a consolida-lo. Claude Raffestin, Jean-Bernard Racine, Michel Phipps, Antoine Bailly, entre outros.

Eles tiveram um papel de retransmissores, que foi muito importante. E por uma razão bastante simples. É que a Geografia dos Estados Unidos... digamos, Chauncy Harris, Ullman, toda essa gente nós conhecíamos de nome, mas os franceses não liam inglês. Quanto aos geógrafos de Quebec, eles conheciam perfeitamente a geografia dita quantitativa. [...] E foi assim que eles nos ajudaram. Me ocorre, em particular, Jean-Bernard Racine, um velho amigo. (Chamussy, 2010).

31Chamussy elencou, como “pères et mères fondateurs” do GD, além dele próprio, Jean-Paul Ferrier, Annick Douguédroit, Maryvonne Le Berre, André Dauphiné, Frank Auriac, Joël Charre, Pierre Dumolard, Michel Vigouroux, Patrice Uvietta, Robert Ferras. Personagens atraídos pela mesma causa transformadora, mas sem deixarem de ser heterogêneos entre si. Alguns foram aderindo mais tarde: François Durand-Dastès, Jean-Pierre Marchand, Christian Grataloup, Philippe Martin. E nem todos se dedicavam à mesma especialidade temática.

32Aliás, comenta-se que a cisão entre geógrafos físicos e humanos teria se agravado com os movimentos renovadores da disciplina. Por outro lado, o potencial das abordagens sistêmicas teria, a alguns, insinuado a possibilidade de sana-la – reaproximando ambos. Mas a cisão de fato existia? E ela fazia sentido?

Eu, pessoalmente, penso que isso é um equívoco. O sistemismo nos ensinou que é um equívoco! Porque uma sociedade mantém relações com outra sociedade, mas ocorrem também estreitas relações com seu “território”. Com o solo, o clima... com a montanha, o mar, os ventos, a natureza dos solos. Com as distâncias. É a natureza “física” isso! [...] Não, quanto a mim, não vejo um corte entre a geografia física e a geografia social. Entretanto, no Grupo Dupont nunca tivemos geomorfólogos. [...] Climatólogos sim. Mas é óbvio! Pois foram eles que nos apresentaram os modelos. Joël Charre é um climatólogo de origem. Annick Douguédroit, na origem e ainda hoje. E há outros. François Durand-Dastès, na origem, é um climatólogo. (Chamussy, 2010).

33Um aspecto relevante para aferirmos o quanto os fatores conjunturais vão operando a concertação de um movimento é a sintonia entre o teor da nova literatura estrangeira e certas iniciativas domésticas. No artigo aparecido no L’Espace Géographique, “Rapport sur la géographie française”, Brunet (1982), querendo se referir à pouca atenção dispensada pelos geógrafos franceses ao que se passava em outros países, emprega a expressão “déprovincialisation”: “desprovincialização” da Geografia. Na verdade, sua Tese complementar, acerca dos fenômenos de descontinuidade, detinha já um caráter atípico, sem dúvida. Portanto, de certo modo, aquele avanço proposto por Brunet em meados dos anos 1960 entrava em relativa concordância com as pretensões reformistas estampadas numa literatura estrangeira que já circulava.

Isso queria dizer uma coisa muito simples: os geógrafos franceses sempre estiveram satisfeitos consigo mesmos. Quando eu era estudante, certos colegas, certos Professores, não hesitavam em dizer que a geografia francesa era a melhor do mundo. E por força de pensar assim, ela reproduziu seus próprios hábitos. Tomando-se por modelo. Sem procurar enxergar além. É ao que me referi como uma forma um pouco “provinciana”. Isso levou alguns de nós a ignorar o que acontecia nos Estados Unidos, por exemplo. Ou na Inglaterra – que estava até mais próxima! [...] Tivemos, ainda assim, na época, contato com os livros de Haggett e de Gould. Mas eram os primeiros, realmente. Eu os li em inglês, mas o de Haggett bem depressa foi traduzido para o francês. Aliás, esse é o momento em que Jean-Bernard Racine começou a nos ajudar a tomar conhecimento disso. A fazer traduções etc. (Brunet, 2018).

34Outro fator a sempre considerar na análise de mudanças paradigmáticas é o quadro linguístico que, podendo sofrer um sensível câmbio, torna-se, assim, um bom indicador de processos renovadores em marcha. Por isso, a Geografia pôde tornar-se “Nouvelle” não porque assimilava técnicas de tratamento matemático, mas porque experimentava uma verdadeira evolução de vocabulário. O que caminhava junto com o exercício de uma reflexão filosófica.

Houve um momento em que certos vocábulos entraram na reflexão e no discurso geográfico. Em particular, as palavras “estrutura” e “sistema”; que de modo algum eram utilizadas antes. [...] Fui um dos primeiros a procurar refletir sobre isso de uma maneira séria. E isso foi graças a Lévi-Strauss, por sinal – que li por volta do término de minha Tese. Nunca me considerei um “estruturalista” [...] As pessoas estão livres para pôr etiquetas no que quiserem, mas eu sempre estive interessado nesses conceitos. E “estrutura”, “sistema”, ingressaram realmente nas nossas discussões. Me lembro que numa das primeiras reuniões do Comitê de Redação do L’Espace Géographique, éramos vinte, vinte e cinco a discutir por horas sobre os conceitos contidos nos artigos que acabáramos de receber. Foi mesmo muito interessante poder aprofundar essas questões. E isso foi muito forte nos anos setenta. (Brunet, 2018).

As realizações estendidas no tempo

35Em se tratando de Chamussy, os feitos mais emblemáticos possíveis de associar à sua trajetória são o referido Grupo Dupont e uma espécie de “subgrupo” do GD que esteve constituído pelos Professores que atuavam em Grenoble – a maioria junto à Université, em seu Instituto de Geografia.

36O GD, cujo encerramento de atividades foi decidido recentemente (Martin, 2018), é um notável projeto que durou mais de quatro décadas. Foi a instituição promotora do colóquio Géopoint – com suas cerca de vinte edições bienais. Aliás, é pitoresca a história da designação “Dupont”. Desejavam um nome, ao mesmo tempo, discreto e irônico. E “Dupont” contava com o trunfo de ser um nome de família amplamente difundido na França. “Nos países hispânicos, quantos ‘Rodríguez’ há?” (Chamussy, 2010). A ideia era não chamar atenção para o protagonismo de “um”; mas antes para a causa de uma coletividade.

Havia representantes em toda parte. Na origem, o Grupo Dupont era composto por alguns jovens Professores “Assistentes”, “Mestres Assistentes” [Maîtres-assistants], de Nice, Aix-en-Provence, Montpellier, Grenoble, e era tudo. Depois, vieram pessoas de mais longe. Hoje, há membros do Grupo que são de Rouen, Estrasburgo... e de Paris, obviamente. Na verdade, os “subgrupos” eram aqueles colegas que, pertencendo a uma mesma Universidade ou Departamento, se viam regularmente. Logo, discutiam bastante. E os ganhos obtidos com essa discussão eram levados ao Grupo, na reunião seguinte. Mas não eram “Subgrupos” num sentido mais oficial. Quanto ao grupo de Grenoble, o “CHADULE”, bem, neste caso, já era algo mais estruturado. E por efeito da publicação de um manual. (Chamussy, 2010).

37E o “sous-groupe grenoblois” sintetizou precisamente o espírito daqueles que, sentindo que a Geografia precisava recuperar o tempo perdido, investiram tempo e energia no aprendizado coletivo das novas técnicas e linguagens. Foi assim que Chamussy, Charre (“CHA...”), Dumolard, Durand (“...DU...”) e Le Berre (“...LE”) decidiram aprendê-las e retransmiti-las a seus alunos – via composição de um livro-texto com finalidade propedêutica.

Aqui em Grenoble éramos um grupo [...] Três vezes por semana, por três horas (das sete e meia às dez e meia da noite), íamos estudar com colegas do Departamento de Estatística. Eles tinham criado uma espécie de curso para atualizar professores do ensino superior que tivessem interesse na área. [...] Decidimos e fomos! Foi assim, aliás, que, com Marie-Geneviève Durand, Pierre Dumolard, Joël Charre et Maryvonne Le Berre, decidimos produzir um manual de estatística. O “CHADULE” – que você conhece, possivelmente. Ele não foi traduzido para o português, mas o foi em espanhol e italiano. Enfim... decidimos que a melhor maneira de aprender era justamente escrevendo um livro a respeito. (Chamussy, 2010).

38Os feitos de engajamento de Roger Brunet são praticamente sincrônicos aos dos “Enfants Dupont”: têm seus marcos no final dos anos 1960 e primeiras expressões ao longo dos 1970. Mas certos desdobramentos de sua particular ideia de “Nova Geografia” ocorreriam por volta de uma década à frente. É importante trazer aqui o significativo episódio de criação dos projetos “GIP-RECLUS” e “Maison de la Géographie”, e seu contexto. Mesmo porque ele é muito ilustrativo dos aspectos externalistas (sobretudo sociológicos) da história da ciência. Uma série de fatores – de ordem política e econômica – foram intervenientes: visão de ciência, estratégias contextualmente relevantes etc. Brunet nos descreveu, em linhas gerais, a trajetória de constituição dos Projetos: as execuções bem sucedidas (publicações), as boas-intenções de base (dar publicidade ao trabalho profissional dos geógrafos). Mas também a impossibilidade de concretizar certos planos mais ambiciosos; em especial, a criação de uma “agência de informação”, oficializada junto ao poder executivo, e estribada em procedimentos técnico-científicos. Brunet partia de Paris; rumava a Montpellier.

Fui eu que o concebi. Porque queria homenagear Elisée Reclus. Réseau d’Études des Changements dans les Localisations et les Unités Spatiales”. Levei um tempo para chegar a isso. [risos] [...] Enfim, era a ele que se queria prestar homenagem. Para mim, era um homem de esquerda. E eu sou de esquerda. Bem, e isso fazia parte do jogo. O Ministério no qual eu trabalhava era o primeiro da era Mitterrand. Portanto, tínhamos algumas atitudes de esquerda. [...] Na época, eu ainda estava encarregado da parte das Ciências Humanas junto ao Ministério. Me envolvi com todas as disciplinas. E como não havia ninguém que se ocupava da Geografia, pensei: “Preciso fazer alguma coisa”. Foi então que me ocorreu a ideia dessa estrutura. Tínhamos inventado, com o Ministro da Pesquisa, um novo tipo de instituição, que eram os “Grupos de Interesse Público” [Groupements d’Intérêt Publique], e que autorizavam uma associação entre Ministérios, instituições públicas e mesmo empresas privadas. Isso permitia reunir meios significativamente diferentes dos tradicionais; quando as equipes são menores. [...] A escolha de Montpellier deveu-se a várias... Foi uma escolha de geógrafo! Bem, não podia ser em Paris, pois estávamos descentralizando. Desde o início nos dissemos: “Se fizermos alguma coisa, isso será longe de Paris!”. Muito bem. Dito isso, onde? [...] Para ter uma ideia, havia empecilhos. Não era possível recrutar pessoal novo. Era necessário, portanto, atrair pesquisadores e técnicos que já estivessem “no lugar”. Tinha de ser uma cidade atrativa. E uma cidade em que fôssemos bem acolhidos. A sorte foi que, em Montpellier, havia um grande amigo – cunhado de Tricart, por sinal. Raymond Dugrand. Ele tinha um cargo de Adjunto na Prefeitura, encarregado de assuntos de urbanismo. E detinha também os postos de Vice-Presidente da Região e do Departamento. Sendo assim, conseguiríamos ter o apoio simultâneo da cidade, da Região e do Departamento. Eu disse para ele: “Se levarmos a cabo isso, e viermos, vocês nos alojam gratuitamente”. E eles encontraram um lugar para a gente com facilidade! Havia em Montpellier uma antiga escola de formação de professores, que estava vazia. Bem... rapidamente decidimos por ela. Podíamos ter sido bem acolhidos em outra cidade, sem dúvida. Mas acontece que lá encontramos uma conjunção de fatores que nos fez ver em Montpellier atratividade e dinâmica. Havia apoio ali. Por isso, foi Montpellier! (Brunet, 2018).

39Essa conjuntura, de poder contar com toda uma série de suportes e financiamentos, a bem dizer, falava de uma era de efetiva promoção de um modelo de ciência pragmática. De um momento em que os saberes aplicados e técnicos eram bastante estratégicos. A equipe de Brunet foi uma das primeiras a praticar a “cartographie automatique” na França. Só depois se desenvolveria junto a instituições como o IGN (Institut Géographique National) e o INSEE (Institut National de la Statistique et des Études Économiques). Praticamente puderam dar conta de todas as demandas localmente; comprando os equipamentos necessários e editando muito material. Dezenas de manuais de divulgação; relatórios oficiais para os Ministérios; análises de encomenda para empresas privadas; e até uma nova revista, o Mappemonde. Brunet, por isso, personificou uma das consequências altamente positivas da GTQ: a “géographie prospective”.

E, além disso, existia um programa experimental... Que era o de saber como acompanhar, a partir da França, e em tempo real, a evolução das empresas no mundo. Eu estava impressionado com o fato de que, ainda, quando uma região era estudada, toda vez se começava do zero com o velho “inventário”. E minha ideia era: não podemos contar com um serviço, uma “agência”, que informe sobre o estado, as modificações, nas empresas, equipamentos etc.? Informações sobre os lugares onde foram construídas novas escolas, aeroportos etc. Tudo, enfim. Então trabalhamos nisso, junto com alguns colaboradores. Fizemos cálculos. Mas bem... não pudemos contar com a contrapartida do governo para criar uma espécie de “CIA”. [risos] Acompanhando a evolução das coisas, encontramos meios para fazer um levantamento das novas fábricas e infraestruturas, no mundo inteiro. Só que isso era pesado demais. Teria sido necessária uma “Agência” mesmo. Não à imagem da CIA, é claro, mas de envergadura, ainda assim. A fim de poder seguir a coisa toda em tempo real. É uma pena... Mas, bom, não logramos atingir resultados concretos. (Brunet, 2018).

O enfrentamento de resistências: críticas e réplicas

40Alguns aspectos se apresentaram como obstáculos retóricos aos empreendimentos de renovação. Boa parte deles talvez possamos sumariar como uma resistência à “abertura de espírito”. Chamussy apontou-nos isso. Levantou o problema (de fato, comum) dos choques intradepartamentais entre aqueles que representam uma tradição constituída e as mentalidades que veiculam certo frescor de ideias (mentalidades às vezes “forasteiras”, ademais). Por exemplo, em Grenoble, no Instituto de Geografia Alpina, ele e Maryvonne Le Berre teriam experimentado um clima de hostilidade, tão logo demonstraram interesse em propagandear os novos métodos.

“Vocês não são daqui. Por isso é que querem fazer revolução!” [risos] Na época, havia vinte e cinco professores no Instituto de Geografia, e quatorze deles haviam sido antigos professores de escola [instituteurs] [...] haviam sido “normalistas” [normaliens], como dizíamos antigamente. Só que isso colocava problemas de “abertura de espírito” na Geografia. (Chamussy, 2010).

41Chamussy associa o entrave intelectual ao fato de que, por condições históricas, determinado contingente dos então Professores universitários de Geografia havia sido ex-aluno de Escolas Normais. E fazendo parte do perfil médio destes egressos uma propensão à rigidez dos programas, acabou sendo natural sua relutância aos exercícios de reflexão mais essencialista. Daí que questões profundas, tais como “o que é a Geografia?”, por se assemelharem a uma indagação do tipo “o que é o real?”, soavam como uma extravagância filosófica. E não esqueçamos da famosa frase, em tom imperativo, atribuída a Raoul Blanchard (1877-1965), ícone maior da escola grenoblense: “Faz geografia; não perde tempo te perguntando o que ela é!” (apud Rougier, 1996, 123).

42E associada ao debate sobre a inserção de filosofia aos novos exercícios da ciência estava a questão do alinhamento ideológico de seus praticantes. Neste caso, as discussões mais intensas miraram o conflito (ou possível ajustamento) entre os ideários sistêmico-fisicalista e dialético-marxista. A segunda edição do colóquio Géopoint (Lyon, 1978) ilustrou esse “animado” embate bastante bem.

Os marxistas nos irritavam. Nos diziam que o sistemismo mata a dialética. Na minha visão isso não é verdade. As cadeias de retroalimentação são completamente dialéticas! Mas eles tinham um pensamento tão hegeliano que não conseguiram compreender isso. [...] Depois de ter lido Karl Popper, de um lado, e Gilles-Gaston Granger, de outro, é que pude entender: o marxismo não é refutável! E, por essa razão, não é científico. [...] Efetivamente, o marxismo não o é porque, por definição, quando nos opomos a ele nos tornamos “inimigos do povo”; logo, deixamos de existir. Não temos qualquer valor. (Chamussy, 2010).

43Acerca do lugar-comum de rotular a GTQ como corrente de caráter “neopositivista”, estiveram próximas da caricatura as posturas daqueles que adotaram ou negaram a etiqueta – provável efeito de imaginários equivocados sobre o que seriam as perspectivas positivistas (talvez devidos a uma aproximação da filosofia crítica continental, ao invés da filosofia analítica anglo-americana). Chamussy insiste em que a postura intelectualmente ponderada do GD lhes teria salvaguardado de qualquer imputação imprecisa: utilizar modelos estruturados matematicamente, ou empregar linguagem sistêmica, não os tornava positivistas.

Considero completamente falso. [...] Para começar, o positivismo não é necessariamente um pecado mortal. Ele teve sua época necessária. O paradigma positivista permitiu fundar a ciência sobre princípios, construi-la sobre a razão. Sobre construções lógicas. Mas foi então que os positivistas se equivocaram: acharam possível construir a ciência sobre a ideia de “verdade”. Contudo, a ciência não está fundada na verdade; ela se fundamenta sobre hipóteses. [...] Então... o “neopositivismo”... Patrice Uvietta, que nos acompanhou por bastante tempo, dizia: “Ah, o neopositivismo... Bom, antes ‘neo-positivista’, que ‘arqueo-negativista’!” [risos] Colocação que não queria dizer grande coisa, mas era graciosa. Há sim uma dose de neopositivismo! Mas penso que ela seja necessária. Porém, o pensamento profundo, dos reais sistemistas, não é, de modo algum, positivista. [...] Mas, repito, quando se está fundando alguma coisa, o melhor sempre é se colocar sobre bases sólidas, realmente. Elas vão rachar, cedo ou tarde. Mas, num primeiro momento, proverão solidez. [...] Mais uma vez, insisto fortemente sobre isso... (visto que nos acusaram; e, então, me defendo): a medição, os números, os modelos, o computador, jamais são um fim em si. São meios! E é por isso que a expressão “geografia quantitativa” é extremamente reducionista. (Chamussy, 2010).

  • 1 Segundo Brunet, Pierre Monbeig teria sido um dos poucos da velha geração a ter o hábito de ler Filo (...)

44A visão sobre a utilidade de uma consideração mais detida acerca de uma teoria da produção do conhecimento (o que veio a ser a “épistémologie” ingressando nos debates) é, de fato, um excelente parâmetro para se estimar a magnitude do avanço por que passou a Geografia. Brunet reprova o que entendeu ser uma grande negligência, à época, por parte dos geógrafos franceses: não ler Filosofia. “Não estou seguro que, excetuando certos meios, tenhamos feito suficiente progresso nas leituras de filosofia e de filosofia das ciências” (Brunet, 2018). É admirável, por sinal, esse discernimento que o personagem apresenta, a propósito do caráter respectivo dos escopos da filosofia geral e da filosofia da ciência (o que costuma ser decisivo para o leitor não confundir ontologia e epistemologia). Por outro lado, é possível que o próprio Brunet tenha elegido a leitura de autores que mais convinham à sua visão de mundo (de um “marxiste cohérent”), que propriamente a uma compreensão estrutural sobre a lógica da ciência: “eu, por exemplo, tirei proveito daquilo que se chama ‘Escola de Frankfurt’. Filósofos e sociólogos como Horkheimer, Adorno; mesmo Marcuse”. Estes, mas também nomes como Henri Lefebvre e Claude Lévi-Strauss1.

45O problema é que o recurso à teoria social, pura e simples, punha em risco um efetivo olhar geográfico sobre os problemas. E é provável que os algozes da “géographie quantitative”, censurando sua (assim entendida) insensibilidade à produção político-econômica do espaço, também não tenham sido capazes de verificar a sequela “sociologisante” contida em suas próprias preferências explanatórias. Brunet, por isso, reprova o processo de excessiva sociologização da pesquisa em parte da geografia humana; a qual terminaria desatenta ao bom legado da análise espacial.

Um bom número de jovens geógrafos se interessaram pelos problemas sociais, mas como se eles fossem sociólogos. Eles esqueceram o aporte interessante que uma “análise espacial” desses problemas poderia ter. Por isso o interesse por questões como gênero, migrante etc. Mas nada de espaço! É direito deles; eles fazem como quiserem, mas a Geografia está em vias de se dissolver na Sociologia, em muitos dos trabalhos desses geógrafos mais jovens. E isso eu lamento. Porque considero que a análise das diferenças sociais “no espaço” traz enormes informações. Mesmo se o assunto é desigualdade. Do contrário, não vale a pena se dizer geógrafo. (Brunet, 2018).

46Por fim, uma modalidade retórica de repreensão às mudanças promovidas pela Nouvelle Géographie, de difusão suficientemente exitosa, consistiu em questionar se aquilo que elas emanavam de fato rompia com os cânones do proceder geográfico. Se toda a série de observações derivadas de cálculo, no final, não correspondia ao que já se supunha. Os críticos só não alcançavam entender que, embora esse pudesse ser mesmo o caso, agora pelo menos era possível “demonstrar” – via linguagem abstrata (frequentemente “par des nombres”) – as observações até então enunciadas sem grande formalização. Bem, e Brunet também se apresentou como uma voz defensora da ideia de ruptura.

Eu queria que ele [primeiro número da revista L’Espace Géographique] iniciasse por aquilo que chamamos “Manifesto”. Só que esse manifesto precisava, ao mesmo tempo, afirmar certas coisas. E minha conclusão foi que as novas maneiras de trabalhar representavam, de todo modo, uma “ruptura”; e não um simples melhoramento do que já havia antes, numa mesma linha. Uma ruptura dada pela introdução deliberada de elementos de reflexão científica, como a pesquisa “hipotético-dedutiva” – termo que nos era totalmente estranho até então. (Brunet, 2018).

Conclusões parciais

47Descontadas as pequenas incongruências – bem exemplificadas por uma visão discordante em torno do que poderia significar uma ciência “de gauche” –, sobressaem antes as conciliações de entendimento. A decadência da herança clássica; a descoberta inspiradora da literatura estrangeira; o reconhecimento de (e a gratidão a) o papel intercessor de certos personagens; a clareza de que a Nouvelle Géographie não era disruptiva tanto pelo “Q”, e sim mais pelo “T” da GTQ: reflexão de método, raciocínio demonstrativo. Chamussy e Brunet, na verdade, comprovam o quanto a força de uma causa comum subjacente podia atenuar quaisquer divergências pontuais.

48Na próxima parte apresentaremos as considerações de um terceiro protagonista (Joël Charre). E nos valeremos delas para voltar a salientar entendimentos aqui destacados.

Haut de page

Bibliographie

Benison, S. « Oral history and manuscript collecting ». Isis, v.53, n.1, p. 113-117, 1962.

Bernstein, D. M., Nourkova, V., Loftus, E. F. « From individual memories to oral history ». In : Columbus, A. M. (Ed.). Advances in Psychology Research. New York : Nova Science, 2008. pp. 157-181.

Brunet, R. Les Phénomènes de Discontinuité en Géographie. Paris, CNRS, coll. « Mémoires et Documents », 117 p., 1969[1967].

Brunet, R. « Les nouveaux aspects de la recherche géographique : rupture ou raffinement de la tradition ? ». L’Espace Géographique, v.1, n.2, p. 73-77, 1972.

Brunet, R. « Rapport sur la géographie française ». L’Espace Géographique, v.11, n.3, p. 196-213, 1982.

Brunet, R. « La carte modèle et les chorèmes ». Mappemonde, n.4, p. 2-6, 1986. <http://www.mgm.fr/PUB/Mappemonde/M486/p2-6.pdf> . Acesso em : 06 jul. 2019.

Brunet, R. Entrevista. Tours, 05 abr. 2018. 01h37min53seg.

Chamussy, H. « D’amour et d’impuissance ». Brouillons Dupont, n.3, p. 67-81, 1978.

Chamussy, H. « Le groupe Dupont, ou les enfants du paradigme ». In : Knafou, R. (Dir.). L’État de la Géographie : Autoscopie d’une science. Paris : Belin, 1997. pp. 134-144.

Chamussy, H. Entrevista. Grenoble, 28 jan. 2010. 01h26min59seg.

Chamussy, H., Charre, J., Durand, M.-G., Le Berre, M. « Espace, que de brouillons commet-on en ton nom ! ». Brouillons Dupont, n.1, p. 15-30, 1977.

Cuyala, S. Analyse spatio-temporelle d’un mouvement scientifique. L’exemple de la géographie théorique et quantitative européenne francophone. Paris, 2014. Thèse de doctorat (Doctorat en Géographie) – Université de Paris 1, Panthéon-Sorbonne.

Deneux, J.-F. Histoire de la Pensée Géographique. Paris, Belin, 255 p., 2006.

Douguédroit, A. « Et fut lancé le Groupe Dupont (1971-2016)... », Bulletin de l’Association de Géographes Français, v.95, n.3, p. 333-336, 2018.

Lacoste, Y. « Les géographes, la science et l’illusion », Hérodote : Revue de Géographie et de Géopolitique, n.76, p. 3-21, 1995.

Martin, P. « Servir le futur : écueils et perspectives pour la géographie de demain définis à partir de l’histoire du Groupe Dupont ». Bulletin de l’Association de Géographes Français, v.95, n.3, p. 400-426, 2018.

Reis Junior, D. F. C. « Desacato aos papas : uma historiografia da geografia teorética francesa (parte um) ». Geografia, v.37, n.3, p. 343-366, 2012. <http://repositorio.unb.br/handle/10482/21818> . 02 jul. 2019.

Reis Junior, D. F. C. « A longevidade da geografia teorética e quantitativa : trilogia descritiva de um caso europeu (parte um) ». Geografia, v.39, n.2, p. 191-223, 2014. <http://repositorio.unb.br/handle/10482/21842> . 02 jul. 2019.

Reis Junior, D. F. C. « A historiography of Brazilian theoretical and quantitative geography : The “Rio Claro case”, from flourishing to fall ». Cybergeo : European Journal of Geography, No 837 (2017), <https://journals.openedition.org/cybergeo/28824> . 12 jul. 2019.

Rougier, H. « Raoul Blanchard (1877-1965) et l’école de Grenoble ». In : Claval, P. e Sanguin, A.-L. (Dir.). La Géographie Française à l’Époque Classique (1918-1968). Paris : L’Harmattan, 1996. pp. 117-124.

Sarton, G. The Life of Science. New York, Henry Schuman, 197 p., 1948.

Sierra, Ph. Éléments d’histoire de la géographie. In : Sierra, Ph. (Dir.). La Géographie : Concepts, savoirs et enseignements. 2. ed. Paris : Armand Colin, 2017. pp. 9-38.

Théry, H. « Claude Lévi-Strauss, Pierre Monbeig et Roger Brunet ». EchoGéo, No 7 (2008), https://journals.openedition.org/echogeo/9503, 08 mar. 2019, DOI: 10.4000/echogeo.9503

Weiner, C. « Oral history of science : a mushrooming cloud ? ». The Journal of American History, v.75, n.2, p. 548-559, 1988.

White, H. « The question of narrative in contemporary historical theory ». History and Theory, v.23, n.1, p. 1-33, 1984.

Haut de page

Notes

1 Segundo Brunet, Pierre Monbeig teria sido um dos poucos da velha geração a ter o hábito de ler Filosofia. E nos mencionou, na entrevista, que o geógrafo francês Hervé Théry chegou a escrever um artigo em que trata dos pontos em comum entre Lévi-Strauss, Monbeig e ele (Théry, 2008)– o que bastante lhe envaideceu.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Protótipo de questões-chave para entrevista em estudos historiográficos
Crédits [organização nossa]
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23675/img-1.jpg
Fichier image/, 764k
Titre Figura 2 – Henri Chamussy
Crédits [foto de nossa autoria (Grenoble, 28 jan. 2010)]
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23675/img-2.jpg
Fichier image/, 572k
Titre Figura 3 – Roger Brunet
Crédits [foto de nossa autoria (Tours, 05 abr. 2018)]
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/23675/img-3.jpg
Fichier image/, 928k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Dante F. C. Reis Junior, « Valores e circunstâncias do pensamento geográfico francês (parte um): a “Nouvelle Géographie” segundo os testemunhos de Henri Chamussy e Roger Brunet », Confins [En ligne], 42 | 2019, mis en ligne le 03 décembre 2019, consulté le 22 janvier 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/23675 ; DOI : 10.4000/confins.23675

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals