Navigation – Plan du site
Dossiê Amazonas

Geografia das colônias agrícolas no médio rio Amazonas, município de Urucará-AM

Géographie des colonies agricoles du moyen rio Amazonas, municipalité d'Urucará-AM
Geography of agricultural colonies in the middle Amazon river, municipality of Urucará-AM
Arenilton Monteiro Serrão et Manuel de Jesus Masulo da Cruz

Résumés

Les sujets sociaux dont nous traitons dans cette recherche sont les colons, les paysans historiquement installés dans les plaines inondables du moyen Amazone, en particulier dans les municipalités d'Urucará, Parintins et Urucurituba. Dans cet écosystème, par l'absorption de différents traits culturels, ils ont établi des relations économiques, sociales et territoriales, une condition qui a prévalu jusqu'au milieu des années 1950, lorsque de grandes inondations et l'indisponibilité des terres ont forcé la migration permanente vers les zones exondées dans les années 1960/70. Historiquement, la base de subsistance socioéconomique de ces municipalités, en particulier Urucará, qui était au centre de nos recherches, était liée à l'activité paysanne et ses relations avec la terre, la forêt et l'eau rendaient possible une agriculture de subsistance, des pratiques extractives et des activités de pêche, mettant en évidence le protagonisme de la plaine inondable dans la vie et dans les relations établies. Son intégration mercantile a rendu possible l'échange de produits et de marchandises et, en même temps, les rapports d'exploitation et de subordination du travail paysan, système brisé ou accentué par les nouvelles conjonctures politiques, économiques et sociales des années soixante. Cette décennie est emblématique non seulement de la visibilité que les mouvements sociaux dans les campagnes ont acquise au Brésil, mais surtout de l'organisation et du renforcement de la paysannerie dans le moyen Amazone. La territorialisation paysanne sur le continent a eu lieu grâce aux communautés ecclésiastiques de bases et des colonies agricoles, en renforçant leurs luttes par la création d'entités (associations, coopératives, syndicats, écoles familiales agriculture) et principalement d'une institution qui coordonne et articule les actions aux secteurs étatiques, engagés d'une manière ou d'une autre, pour éveiller la conscience politique et sociale de ces sujets sociaux.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Urucará-AM
Haut de page

Texte intégral

1O presente trabalho teve como objetivo principal compreender a Formação/Organização das colônias agrícolas no médio rio Amazonas, município de Urucará/AM. O município de Urucará localizado ao leste do Estado do Amazonas, pertencente a mesorregião Centro amazonense e Microrregião de Parintins (figura 1). Possui extensão territorial de 27.903,4 km², equivalente a 2.790.337 hectares, predominando em seu território, o ecossistema de terra firme.

Figura 1: Localização do município de Urucará – AM.

Figura 1: Localização do município de Urucará – AM.

Base Cartográfica IBGE 2010. ORG: SERRÃO, A. M. 2018.

2Pela abrangência geográfica que as colônias agrícolas adquiriram no território amazonense, englobando alguns municípios pertencentes ao médio rio Amazonas, foi fundamental a caracterização desse sistema de regionalização do território amazônico com base exclusivamente no nome dos grandes e médios rios, afluentes do Amazonas (AB’SÁBER, 2010). Pela classificação desse autor, o médio rio Amazonas inicia a leste do ponto nodal de Manaus, onde acontece o notável encontro das águas do Rio Negro com o Solimões, envolvendo o grande e importante Paraná do Ramos, Baixo Rio Madeira, Ilha Tupinambarana, Paraná de Urucará, região onde se localizam alguns dos mais tradicionais núcleos urbanos do Estado do Amazonas: Maués, Barreirinha, Boa Vista do Ramos, Urucará, Itacoatiara, Parintins, Urucurituba, São Sebastião do Uatumã, Itapiranga, Silves, Presidente Figueiredo e Nhamundá, se estendendo até a região de Santarém, na foz do Rio Tapajós, onde se inicia o Baixo Rio Amazonas (figura 2).

Figura 2: Caracterização da região do médio rio Amazonas

Figura 2: Caracterização da região do médio rio Amazonas

Base cartográfica IBGE. 2010. ORG: SERRÃO, A. M. 2018.

3Historicamente a base de sustentação socioeconômica desses municípios, em especial Urucará, foco da nossa pesquisa, esteve ligada a atividade camponesa (NASCIMENTO, 2016). Suas possíveis relações com a terra, floresta e água, seja através de uma agricultura de subsistência, práticas extrativistas ou de atividades pesqueiras possibilitaram a várzea a assumir um papel de protagonismo na vida e nas relações estabelecidas territorialmente (WITKOSKI, 2006).

4Portanto, para compreendermos sobre quais circunstâncias foram pensadas e idealizadas as colônias agrícolas é fundamental recorremos aos vários mecanismos que influenciaram diretas ou indiretamente nesse processo, entre eles, a conjuntura política, econômica, social e agrária da segunda metade do século XX no Brasil e no Amazonas.

5Para o entendimento do conceito usado no título desse artigo, o termo “colônias agrícolas” recebe distintos significados. A própria conotação tem muito mais identidade com outras regiões do país do que propriamente com a Amazônia. A origem do termo ‘colônias agrícolas’ foi idealizada pelo padre italiano Augusto Gianola e outros missionários que vieram de diversas localidades da Itália. Por essa razão, não faz referência ao projeto de assentamento e colonização idealizada pelo governo federal nas décadas de 1970/80 para a Amazônia, que visava ocupar a região com camponeses oriundos de outros estados da federação. O projeto implantado no município de Urucará tinha um caráter especial e particular.

6As colônias agrícolas eram unidades territoriais criadas e idealizadas pelos movimentos eclesiais da igreja católica (padres, missionários e lideranças sociais), ligadas às Comunidades Eclesiais de Bases (CEBs). O principal intuito do núcleo de colonização era assentar e garantir o direito da posse da terra a sujeitos que em sua maioria eram oriundos das planícies de inundação (várzeas). Direito que foi conquistado com muita luta, travado tanto no campo jurídico como territorial.

A vida pretérita do camponês-ribeirinho do médio rio Amazonas

7Não poderíamos iniciar essa discussão sem levar em consideração o contexto histórico, político e econômico em uma escala mais ampla. Ao contrário de outras regiões do país, onde os latifúndios, herança histórica de colonização se sobressaiam à pequena propriedade camponesa. Na Amazônia, em especial no médio rio Amazonas, essa nova realidade das grandes concentrações, foi algo intrínseco das políticas nacional-desenvolvimentista, instituída pelos governos militares (1964-1985), vista como parte integrante de um projeto de “desenvolvimento” do campo brasileiro (FABRINI, 2014).

8É preciso destacar que as famílias camponesas que ocuparam territorialmente as colônias agrícolas na década de 1970, eram oriundas do ecossistema de várzea, constituídos historicamente nesses territórios desde as primeiras décadas do século XX. Até meados da década de 1970, a maior parte da população que residia na zona rural do município de Urucará se encontrava nesse ambiente. No entanto, sucessivas enchentes/cheias que se abateram sobre esse ecossistema em períodos cronológicos curtos (1953 e 1973), fenômenos das terras caídas e a crises da juta ocasionaram não apenas perdas de plantações e sítios agrícolas, mas sucessivas migrações de famílias, dando início à nova territorialidade camponesa nas terras firmes do município.

9Com a criação da Paróquia de Urucará em 1963, subordinada a Prelazia de Itacoatiara, chegaram os primeiros padres católicos para atuarem de forma permanente no município. Ao verificarem a condição de vida dos trabalhadores do campo, que em sua maioria, viviam e trabalhavam especialmente com a juta, subordinados a diversas formas de exploração (econômica, política e social), começou a se pensar na organização desses sujeitos em comunidades de bases e posteriormente, em colônias agrícolas.

10Diante dessa emergência, foi necessário a criação de uma instituição que intermediasse as ações sociais juntamente aos órgãos governamentais e outras entidades de apoio, ligada na maioria das vezes à igreja católica. Em janeiro de 1972, foi criado por padres, missionários e camponeses, o Centro de Treinamento Rural de Urucará (CETRU), instituição diretamente envolvida com a causa camponesa e com o projeto de colonização em solo médio amazônico. A fundação do CETRU, sem sombra de dúvidas, foi um marco na história política, econômica e geográfica do município de Urucará, representou o presente e o futuro das atuais formas de organizações sociais (colônias agrícolas, Comunidades de Bases).

11A chegada das principais lideranças católicas contribuiu significativamente para mudanças de pensamento na região. Baseado na fé, o povo toma consciência de sua dignidade e de seus direitos, dinamizando a vida social em busca de uma indefinida libertação, sobretudo no campo da saúde e da educação. As comunidades e as colônias agrícolas começaram a florescer em terras livres, longe da influência do fazendeiro, que em determinado período era patrão, padrinho e, também, o dono da capela, da vida religiosa e dos exemplos morais. Formaram-se as diretorias eleitas periódica e democraticamente, jogando as primeiras e verdadeiras sementes da libertação e da organização social.

12Construído sob uma configuração particular, as lideranças locais assumiram um papel central na organização e no fortalecimento da luta camponesa. Evidenciando que alguns projetos de colonização, no intuito de especializar os camponeses em fornecedores de alimentos para a exportação – borracha, cacau e guaraná já se materializam em algumas frações do território amazônico, especialmente no Estado do Pará (PINTO, 2010).

13Assim como o Estatuto da Terra, que apresentava na sua essência um sentido ambíguo, no sentido de atender com políticas específicas o grande e o pequeno produtor. Para a Amazônia, essas políticas também tenderam para o mesmo caminho, pois, ao mesmo tempo em que atendia aos grandes empreendimentos agropecuários, financiados pela Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM), estimulava através de uma política de terra específica, projetos de colonização, que além de transferir problemas sociais de outras regiões do país para Amazônia, incentivava a produção agrícola local para atender à crescente demanda de alimentos dos grandes centros urbanos.

14No Estado do Amazonas, poucos ou quase nenhum projeto de colonização estava em andamento, de modo que a inércia do Estado em torno das questões agrárias (reforma agrária ou regularização fundiária) vai ser rompida com as articulações de determinados movimentos sociais que estavam surgindo, especialmente nos municípios de Urucará e Parintins.

15No caso específico, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), atuou de forma indireta nas políticas colonizatórias, visto que, as contrapartidas para esse processo, partiram de lideranças sociais, prelazias, paróquias, associações, cooperativas, sindicatos e lideranças camponesas, que em suma, lutavam contra a subordinação, a exploração e a renda da terra (MARTINS, 1995).

16A contrapartida para a regularização fundiária se deu por instituições do próprio Estado, no caso específico da Secretaria de Produção Rural (SEPROR) e pelo extinto Instituto de Terras e Colonização do Amazonas (ITERAM). Este último, criado para gerir os assuntos fundiários do estado em um período político-ideológico específico (ONETI, 2010). No entanto, não apenas pelas pressões estabelecidas pelos movimentos sociais que foram criadas devidas políticas agrícolas ou fundiárias para o camponês, algumas foram pensadas exclusivamente para frear o êxodo rural, ocasionados principalmente pelo surgimento da Zona Franca de Manaus, no final da década de 1960.

17A necessidade de organização desses camponeses era um fator crucial no cenário de grande instabilidade vivenciada pelo campo. Movimento social originado nas raízes comunitárias permitiu a participação de distintos segmentos sociais (igreja, Estado, partidos), entre os quais, a igreja assumiu um papel central nas tomadas de decisões e nas filosofias impostas.

Geografia das colônias agrícolas no médio rio Amazonas

18Historicamente no Brasil, as políticas públicas voltadas para o camponês jamais estiveram nas prioridades governamentais. A conquista pelo direito a terra, educação, apoio institucional e financeiro só foram possíveis através de muitas lutas e resistências dos milhares de camponeses distribuídos geograficamente pelo território nacional.

19Para o entendimento da questão agrária no médio rio Amazonas no decorrer da segunda metade do século XX, e como pano de fundo, o surgimento das colônias agrícolas nesse trecho do território, a compreensão das instituições criadas para tais propósitos, sejam elas civis ou governamentais é de fundamental importância.

20Criada na maioria das vezes para enfraquecer os movimentos sociais que ganharam visibilidades no decorrer da década de 1960 em âmbito de Brasil, o governo usou de diversos artifícios para amenizar os conflitos pela terra. A reforma agrária, palco de muitas lutas seria superada pelo progresso econômico, pelos subsídios e incentivos fiscais, pela transformação do camponês em trabalhador assalariado e principalmente, pela transformação dos latifúndios em empresas rurais (FELICIANO, 2006).

21Dois importantes mecanismos institucionais foram criados para mediar e ao mesmo tempo enfraquecer os clamores da reforma agrária apregoado pelo Estatuto da Terra nos primórdios do Regime Militar. O Instituto Brasileiro de Reforma Agrária (IBRA) e o Instituto Nacional de Desenvolvimento Agrícola (INDA), tradicionalmente comandada pelo patronato rural (PINTO, 1995).

22O IBRA, instituição responsável diretamente pela desconcentração do latifúndio, ao invés de dirigirem-se no sentido de ações concretas, ou seja, projetos efetivos de reforma agrária, através da desapropriação e demais instrumentos previstos na lei, concentrou-se na realização de levantamentos de dados, principalmente através do cadastramento de imóveis, e sua análise (PINTO, 1995).

23Em julho de 1970, com a extinção de ambos os institutos, é criado o INCRA. Nas políticas agrárias estabelecidas pela instituição, a reforma agrária simplesmente foi substituída por programas que tiveram impactos substanciais nas políticas agrárias e colonizatórias, colocando as terras da Amazônia como estratégicas na amenização dos conflitos agrários de outras regiões. Com destaque especial ao Programa de Integração Nacional (PIN), criado em 1970 com o propósito de ocupar parte da Amazônia cortada pela rodovia Transamazônica e através dela, a implantação de projetos de colonização (PINTO, 1995).

24A aplicação dessas políticas institucionais, programas e projetos de colonização que foram criados em nível de Brasil e de Amazônia não serviriam ou não se encaixariam na contextualização das colônias agrícolas que foram criadas em território amazonense. As colônias agrícolas implantadas no médio rio amazonas, não serviriam a esse propósito, foram pensadas através de uma concepção religiosa para a amenização das formas de exploração, dar garantias de direitos sobre a terra ao posseiro e, principalmente, buscar através das políticas governamentais, a independência, a justiça social e a organização dos sujeitos sociais que viviam dispersos pelos mais diversos recantos do campo médio amazônico.

25A entidade responsável pela interlocução entre camponeses e o Estado foi o Centro de Treinamento Rural de Urucará (CETRU), que tinha como premissa básica, assentar camponeses oriundos das várzeas e dar titularidade aos já estabelecidos na terra firme. No primeiro artigo do Estatuto de criação, era tido como “uma sociedade civil e sem fins lucrativos, destinados a treinar os homens da região para uma agricultura moderna e avançada (CETRU, 1986). Claramente compreensível nos ideais desenvolvimentistas apregoados pelo Regime Militar.

26Composto administrativamente por classes sociais distintas, o Governo do Estado possuía seu representante através da Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral. A Prefeitura Municipal de Urucará, pela disposição em ajudar nos trabalhos de colonização, fornecendo assistência e maquinário, tornou-se membro nato. Os camponeses por sua vez, só tiveram representação com a saída de alguns membros externos, especialmente missionários estrangeiros que retornavam às suas terras. De alguma forma, podiam intervir em alguma decisão, algo que dificilmente acontecia.

27A maior representação administrativa do CETRU ficava por conta do corpo religioso católico de diferentes origens e nacionalidades. Dois importantes grupos ajudaram na criação da entidade. O primeiro ligado a padres e missionários italianos do Pontifício Instituto das Missões Estrangeiras (PIME), pertencentes à Prelazia de Parintins e o outro, pertencente a Prelazia de Itacoatiara, na figura de padres e missionários canadenses, ambos com metodologias e ideologias distintas.

28O período de maior representação dos camponeses locais se deu com a chegada em 1975, do padre italiano Augusto Gianola. Gianola nomeou lideranças comunitárias que fizeram parte da estrutura administrativas da entidade. A preocupação dos dirigentes do CETRU era a ocupação imediata das terras devolutas que em alguns casos, estavam sendo visadas ou estavam nas mãos de grileiros e fazendeiros. Com o alvorecer de novas possibilidades, camponeses, padres, missionários e autoridades políticas inspirados pelo projeto de colonização que estavam ocorrendo no estado do Pará, resolveram idealizá-las em solos do médio rio Amazonas.

29Nos primeiros anos, em meio a muitas dificuldades foram criadas as primeiras colônias agrícolas, denominadas prioritárias: Boa Esperança, Marajazinho e Sororoca (município de Urucará) e Mocambo (município de Parintins). As articulações com o governo do Estado e com os futuros colonos, se tornaram um desafio para as lideranças católicas.

30Como já comentado, parte das famílias que vieram compor os núcleos de colonização eram oriundas das várzeas, ligadas a um modo de vida especifico, com territórios e territorialidades bem consolidadas e definidas. Além do cultivo de espécies perenes como o cacau e a seringa, dedicavam também ao cultivo de ciclos curtos, como a juta. A pesca, o extrativismo e outras combinações de atividades faziam parte de seus cotidianos, características fundamentais que definem o modo de vida do camponês no médio Amazonas.

31Romper com esse sistema combinatório e instituir exclusivamente esses sujeitos através das colônias, à agricultura, não seria uma tarefa fácil. Uma das maneiras encontradas se deu pela introdução de culturas permanentes e com viabilidade econômica, como o guaraná (Paullinia cupana), oriundo do município de Maués, o cupuaçu (Theobroma grandiflorum), a seringueira (Hevea brasiliensis), o arroz e outros cultivos de ciclo curto como, a malva (Urena lobata), banana (Musa). Ficando visível que padres e missionários estrangeiros tinham por objetivo especializar os colonos na agricultura, de acordo com as políticas de colonização idealizada pelo governo federal.

32Com a demarcação das primeiras colônias, têm início de forma ordenada e articulada por meio do CETRU, a territorialização camponesa na terra firme, que no caso especifico recebeu a denominação de colono. Dada a demarcação dos lotes pela SEPROR e ITERAM, ficaria a responsabilidade dos camponeses pela abertura dos primeiros roçados, a inserção dos cultivos e a construção de algumas benfeitorias, com o intuito de “apressar” o governo com as titulações prometidas.

33A união fazia a força? De fato, sim, como apregoado pelo camponês L. N (74 anos), as pessoas naquela época eram mais unidas, a base de quase todos os trabalhos era o mutirão, a ajuda mútua. Havia todo um trabalho de preparação aos pretensos colonos, pois segundo o padre Gianola, trabalhar em colônia exigia além da vocação, dedicação e muita preparação (figura 3).

Figura 3: Trabalho nas colônias agrícolas, município de Urucará

Figura 3: Trabalho nas colônias agrícolas, município de Urucará

Fonte: Extraído do livro “Don Augusto Gianola”, 1980.

34Com a emissão das primeiras titulações em 1974, houve a intensificação da abertura de ramais e estradas integradoras. As estradas (figura 4), prioridades do projeto, passaram a integrar: colônias/comunidades, colônias/colônias, colônias/CETRU, colônias/cidade, mercado consumidor/comprador, passando a assumir uma posição de destaque no novo estilo de vida dos recém titulados colonos, importância outrora assumida pelos rios, paranás e igarapés.

Figura 4: Ligação terrestre das colônias agrícolas do município de Urucará.

Figura 4: Ligação terrestre das colônias agrícolas do município de Urucará.

Fonte: Bases cartográficas IBGE (2010). Org. SERRÃO, A. M. 2017.

35Com a consolidação das colônias, foram introduzidos os primeiros cultivos perenes, uma forma clara de amarrar o camponês a terra firme, fazendo-o esquecer a várzea, o cultivo da juta, a combinação de atividades, voltando-se exclusivamente para uma agricultura moderna e com técnicas avançadas. Dois importantes cultivos tornaram a base agrícola nos primeiros anos de colonização, o arroz e o guaraná. Este último foi introduzido estrategicamente por dois motivos: pela importância econômica e pelo financiamento (linha de crédito) ofertado através Banco do Brasil.

36Os incentivos governamentais que viabilizavam a introdução dessas culturas rentáveis do ponto de vista econômico refletiam o compasso firmado entre o governo e o capital privado, principalmente através de incentivos e isenções de impostos para se instalarem na Amazônia. Correlacionando esses fatores, vamos ter a primeira grande demanda pelo guaraná na Amazônia e, consequentemente, a dispersão para novas áreas produtoras. O município de Maués deixa de ser hegemônico na produção e comercialização do guaraná e outros polos produtores começam a se destacar, entre os quais, municípios do médio rio Amazonas como Urucará, Barreirinha, Parintins, Boa Vista do Ramos e outros.

37As colônias agrícolas não foram criadas apenas para terra de trabalho, foram pensados para constituir em alguns casos, moradias permanentes. Geograficamente, as localizações onde foram assentados ou destinados os lotes não eram as das melhores. As terras bem localizadas, próximas do rio Amazonas, paranás, lagos ou igarapés estavam na posse de fazendeiros, grileiros e de algumas comunidades Eclesiais. Assim, as colônias agrícolas foram empurradas para as áreas centrais da floresta, muitas vezes distantes de cursos d’água e de difícil acesso, como mostrado na (figura 5).

Figura 5 Território das colônias agrícolas no médio rio Amazonas

Figura 5 Território das colônias agrícolas no médio rio Amazonas

Fonte: IBGE (2010). Org. SERRÃO, A. M. 2018.

38Constituídas em distintas paisagens naturais, possuíam diversos formatos, sendo as mais comuns as retangulares e as circulares. Esta última, pelo valor religioso, simbolizava a eternidade e a perfeição, não tem princípio nem fim, algo desejável para as colônias agrícolas e que infelizmente, por vários fatores, não ocorreu. A igreja, a escola, o centro social, o campo de futebol, o posto de saúde, o poço artesiano, as casas dos colonos, os quintais e as pequenas criações também localizavam na área circular, fator que facilitava os encontros, reuniões, confraternizações, assembleias, práticas esportivas e outras sociabilidades do cotidiano, como mostrado na (figura 6).

Figura 6: Representação da Colônia Boa Esperança

Figura 6: Representação da Colônia Boa Esperança

Org: Serrão, A. M (2017).

39As colônias exemplificadas pelas (figuras 7 e 8) representaram o maior percentual das 38 que foram criadas no médio rio Amazonas, ou seja, fundadas a partir da abertura das estradas e ramais, concomitante ao projeto de colonização que surgiram através das rodovias amazônicas na década de 1970.

Figuras 7 e 8. Representação das colônias cortadas por estrada ou igarapés

Figuras 7 e 8. Representação das colônias cortadas por estrada ou igarapés

Organização: SERRÃO, A. M (2017).

40Nos dez primeiros anos de consolidação das colônias agrícolas nesse trecho do território do médio Amazonas, as mesmas floresceram em prosperidade, os colonos vivenciaram certa euforia econômica e social. No entanto, a crise econômica dos anos oitenta que deixou marcas profundas no cenário político, econômico e social do Brasil na transição dos governos autoritários para abertura da redemocratização, foi amplamente sentida pelos camponeses locais. Determinando novos rumos das atividades realizadas pelo Centro de Treinamento Rural de Urucará, afetando diretamente os projetos de colonização e as políticas agrícolas. O CETRU sozinho, pouco podia fazer para acompanhar os colonos com assistência técnica, abandonados a toda sorte de adversidade natural e econômica, muitas caminharam para o fracasso ainda nos primeiros anos de fundação.

Considerações finais

41As colônias agrícolas que surgiram no médio rio Amazonas fizeram parte de um contexto histórico de luta e resistência dos sujeitos sociais do campo, realidade marcada pela violência, pela negligência governamental, exploração da força de trabalho (extração da renda da terra), subordinação aos agentes mercantis e, que ganharam visibilidade na segunda metade do século XX, tendo a reforma agrária ou o simples direito pela posse da terra, uma importante bandeira de luta.

42Um dos pontos essências que marcaram essa trajetória foi a insistente recriação, adaptação, territorialidades conquistadas, perdidas, reconquistadas (desterritorialização, reterritorialização) dos sujeitos do campo amazônico, entendido na terminologia local como caboclos, ribeirinhos, colonos. Uma das questões norteadoras propostas no início do trabalho, atentava principalmente para a formação de uma classe especifica repletas de territorialidades (terra, água, floresta) e no decorrer das pesquisas (bibliográficas e empíricas) podemos constatar as nuances, as superações do determinismo geográfico, se firmando e se reafirmando através de sua cultura, identidade e de um modo de vida próprio.

43Os sistemas de exploração e subordinação do trabalho camponês ganha visibilidade pelas novas conjunturas políticas, econômicas e sociais da década de 1960. Essa década é emblemáticas pela abrangência que os movimentos sociais no campo adquiriram no Brasil, ocorrendo em distintas escalas territoriais. No médio rio Amazonas, a crise na produção da juta, fenômenos naturais (enchentes/cheias, terras caídas), pecuarização das várzeas, criação das primeiras comunidades eclesiais de bases e das colônias agrícolas atraíram inúmeras famílias camponesas para a terra firme.

44A Igreja Católica na figura de alguns padres e missionários que chegaram ao estado do Amazonas na década de 1960 tiveram papel determinante nos novos rumos do campesinato nessa porção do território. Com cargas ideológicas distintas, as Prelazias de Itacoatiara e Parintins fincaram bases de um projeto inovador, elegendo os camponeses, figura negligenciada historicamente pelo governo, como sujeitos de transformações sociais, lançando as sementes da libertação, da autonomia, do desenvolvimento social e das amarras do patrão.

Haut de page

Bibliographie

AB’SÁBER, Aziz Nacib. Zoneamento fisiográfico e ecológico do espaço total da Amazônia Brasileira. Estudos Avançados 24 (68), 2010.

CETRU. Jornal Boa União. CETRU 1972/1986. 2. ed. Urucará-AM, fevereiro de 1986. a. (mimiografado).

FABRINI, João Edmilson. Conflitos territoriais entre o campesinato e o agronegócio latifundiário. 1. ed. – são Paulo: Outras Expressões, 2014.

FELICIANO, Carlos. Movimento camponês rebelde: a reforma agrária no Brasil. São Paulo, Contexto, 2006.

MARTINS, José de Souza. Os camponeses e a política no Brasil: as lutas sociais no campo e seu lugar no processo político. Petrópolis. 5ª ed, Vozes, 1995.

NASCIMENTO, Dilson Gomes. Entre a terra e a água: modo de vida camponês no médio rio Amazonas, Parintins-AM. 2016. 187p. Dissertação, Mestrado em Geografia, Instituto de Ciências Humanas e Letras, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2016.

ONETI, Maglúcia Izabel de Assis. Políticas para o campo no Amazonas: o papel político do Instituto de Terras do Amazonas. Dissertação, mestrado em Sociologia, Instituto de Ciências Humanas e Letras, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2010.

PINTO, Ernesto Renan Melo de Freitas. A constituição histórica da produção mercantil simples no Estado do Amazonas e a cultura da juta. In: WITKOSKI, Antônio Carlos. et. al. (Org). A cultura da juta e malva na Amazônia: sementes de uma nova racionalidade ambiental? São Paulo: Annablume, 2010. p. 141-216.

PINTO, Luís Carlos Guedes. Reflexões sobre a Política Agrária Brasileira no período 1964-1994. In: Reforma Agrária. Campinas, vol. 24, nº 1, 1995. p. 65-91.

WITKOSKI, A.C. Terra, florestas e águas: os camponeses amazônicos e as formas de uso de seus recursos naturais. Manaus: EDUA, 2006.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Localização do município de Urucará – AM.
Crédits Base Cartográfica IBGE 2010. ORG: SERRÃO, A. M. 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25236/img-1.png
Fichier image/png, 351k
Titre Figura 2: Caracterização da região do médio rio Amazonas
Crédits Base cartográfica IBGE. 2010. ORG: SERRÃO, A. M. 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25236/img-2.png
Fichier image/png, 492k
Titre Figura 3: Trabalho nas colônias agrícolas, município de Urucará
Crédits Fonte: Extraído do livro “Don Augusto Gianola”, 1980.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25236/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Titre Figura 4: Ligação terrestre das colônias agrícolas do município de Urucará.
Crédits Fonte: Bases cartográficas IBGE (2010). Org. SERRÃO, A. M. 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25236/img-4.png
Fichier image/png, 198k
Titre Figura 5 Território das colônias agrícolas no médio rio Amazonas
Crédits Fonte: IBGE (2010). Org. SERRÃO, A. M. 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25236/img-5.png
Fichier image/png, 373k
Titre Figura 6: Representação da Colônia Boa Esperança
Crédits Org: Serrão, A. M (2017).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25236/img-6.png
Fichier image/png, 345k
Titre Figuras 7 e 8. Representação das colônias cortadas por estrada ou igarapés
Crédits Organização: SERRÃO, A. M (2017).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25236/img-7.png
Fichier image/png, 1,9M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Arenilton Monteiro Serrão et Manuel de Jesus Masulo da Cruz, « Geografia das colônias agrícolas no médio rio Amazonas, município de Urucará-AM », Confins [En ligne], 43 | 2019, mis en ligne le 18 décembre 2019, consulté le 19 février 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/25236 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.25236

Haut de page

Auteurs

Arenilton Monteiro Serrão

Mestre em Geografia pela UFAM, arenilton2@gmail.com

Manuel de Jesus Masulo da Cruz

Professor na UFAM, masulo@bol.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals