Navigation – Plan du site

AccueilNuméros43Crónica de campoO trabalho de campo em geografia:...

Crónica de campo

O trabalho de campo em geografia: as paisagens e os grandes espaços naturais

Fieldwork in geography: landscapes in sparsely populated areas
Le travail de terrain en géographie : le paysage dans les grands espaces
Raimundo Nonato Junior, François-Michel Le Tourneau et Grupo Gesto

Résumés

Cet article discute, de manière analytique et discursive, d'une expérience de terrain sur les paysages des espaces naturels du nord-est du Brésil. La méthodologie suit la description sur le terrain de l'analyse régionale et utilise des procédures techniques pour des études démographiques et statistiques pour déterminer l'itinéraire et effectuer des analyses. Les principaux résultats indiquent la diversité des conceptions du paysage en tant que ressource, produit, image, mosaïque et trajectoire. L'importance du travail sur le terrain pour effectuer des lectures de paysage complexes et analytiques est soulignée.

Haut de page

Texte intégral

1A prática de campo é uma ação de reconhecimento epistemológico, ontológico e metodológico da Geografia. No campo, o geógrafo analisa o mundo enquanto instância de artesania cujas marcas denunciam as vivências humanas no espaço. É neste sentido que Paul Claval (2017) nos questiona sobre a razão do campo em Geografia.

Qu’apporte le terrain ? Il garantit l’authenticité des observations recueillies et fait découvrir des réalités qui échappent aux autres stratégies d’investigation. Dans un autre registre, il apparaît utile à la formation du citoyen (Claval, 2017).

2Desta forma, a realização de pesquisa de campo tanto reflete um ato epistemológico (investigação do saber geográfico), ontológico (da existência da Geografia), como metodológico (da perspectiva sobre como fazer Geografia) e finalmente um ato cidadão (da formação de pesquisadores em consonância com a realidade vivida).

3O campo é também um laboratório de aprendizagem do trabalho geográfico (Théry et al., 2013), apresentando-se como instância provocadora da criatividade, da interpretação e da leitura de mundo ao geógrafo. Fundamentado nesta compreensão do trabalho de campo enquanto estratégia provocadora ao pensamento geográfico, o atual artigo relata e analisa experiência de prática de campo integrada entre a graduação e a pós-graduação de Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Trata-se de atividade realizada para discutir os grandes espaços naturais do Nordeste, analisando as paisagens naturais e culturais que refletem as interações humano-espaciais nesta região. A equipe de trabalho se caracterizou por sua diversidade, contando com participantes franceses e brasileiros, pesquisadores experientes e jovens aspirantes da pós-graduação, bem como estudantes engajados com extensão e iniciação científica no Bacharelado e Licenciatura em Geografia. O objeto de análise do campo repousa sobre a leitura e interpretação da paisagem e de sua complexidade nos territórios semiáridos do Nordeste (Amorim; Nonato Júnior e Farias, 2017), bem como numa perspectiva regional em rede (Nonato Júnior, 2016), capaz de articular o complexo geográfico que está presente em cada campo estudado.

4Enquanto provocação filosófica, o desafio do campo foi tomado nas perspectivas de viagem de Humboldt, permitindo a abertura à novas compreensões da realidade, organizadas pela perspicácia da observação atenta, das notas de investigação, do diário de campo e de cartografia minuciosa. Nesta perspectiva, há um jogo entre o desconhecido e o previsível; o planejamento e a espontaneidade; a aparente banalidade do real e a acurada análise científica da interpretação da paisagem. Em termos metodológicos, a referida prática de campo esteve fortemente guiada pelos princípios da Análise Regional, conforme cunhados por Pierre Monbeig, ao pensar a análise da paisagem a partir dos jogos de articulação que formam as forças regionais e estabelecem o “complexo geográfico”. Este último constituído enquanto conceito central à análise interescalar, complexa e plural das ações, fatos e objetos geográficos.

Pensar uma metodologia para o trabalho de campo: alguns caminhos

  • 1 Eles formaram, junto com os/as alunos/as da disciplina, o grupo que é autor coletivo deste artigo: (...)

5No intento de vislumbrar os caminhos a serem trilhados em campo, localizar os pontos que serviram de apoio, assim como identificar os espaços com vazios demográficos e/ou baixa densidade demográfica (Figura 1), foram elaborados mapas para auxiliar a atividade de campo referente à disciplina “Geografia dos Grandes Espaços Naturais nas Américas”, do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFRN, ministrada em parceria entre pesquisadores franceses e brasileiros1. Para esta última finalidade, estes materiais cartográficos contêm informações da quantidade de habitantes por unidade territorial, graficamente apresentada em categorias coropléticas. Para se valer útil ao objetivo, essas unidades territoriais são um sistema de células regulares dispostas em forma de grade, elaborada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.

Figura 1: Momento explicativo em primeira parada na aula de campo – município de Caiçara do Rio do Vento – RN.

Figura 1: Momento explicativo em primeira parada na aula de campo – município de Caiçara do Rio do Vento – RN.

Fonte: Joselito Júnior e Lucas Costa, 2018.

6Durante a aula de campo foram percorridos os estados do Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco, e teve como metodologia fundamental o acompanhamento da densidade demográfica pelos municípios e setores percorridos durante os trajetos. A cada parada, os mapas elaborados foram consultados de modo a viabilizar uma análise que equiparava as observações em campo, assim como as observações oriundas dos dados secundários do IBGE. Os mapas contribuíram de maneira significativa para o conhecimento dos lugares e para servir de referência a localização da equipe durante o percurso do ônibus entre os pontos de parada, além de auxiliar nos deslocamentos.

Figura 2: Mapa dos trajetos de campo

Figura 2: Mapa dos trajetos de campo

Fonte: Joselito Júnior e Lucas Costa, 2018.

7Para elaboração da grade estatística que está presente nos mapas utilizados em campo, como é chamada, o IBGE contou com avanços tecnológicos na coleta de dados, como o emprego de equipamentos de coleta eletrônicos com dispositivos GPS acoplados. Isso permitiu que os dados fossem coletados com coordenadas de cada domicílio e, portanto, desagregados dos setores censitários, mas sem perder o princípio do sigilo dos dados. Uma ressalva é feita aos dados com ausência de localização, principalmente rural, que impede o emprego apenas da abordagem de agregação, sendo necessária a utilização de uma abordagem híbrida, combinando agregação e desagregação (Figura 3).

Figura 3: Procedimentos para desagregação de dados.

Figura 3: Procedimentos para desagregação de dados.

Fonte: Bueno, 2014.

8Essa grade tem tamanhos padrões, categorizado em dois tipos: as células em áreas urbanas, que possuem 40 mil metros quadrados, e as células de áreas rurais que abrangem 1 quilômetro quadrado. Devido ao fato do recorte ser padronizado, este pode ser utilizado como uma base para a geração de um suporte geográfico estável para a disseminação de dados, tanto na dimensão espacial, pois pode adaptar-se a diferentes recortes geográficos, quanto na dimensão temporal, em razão de sua independência dos recortes político-administrativo, que confere a Grade Estatística uma imutabilidade de seus limites durante o tempo.

9No tocante aos seus limites, essa desvinculação dos tradicionais recortes político-administrativos, possibilita ao material cartográfico revelar vazios demográficos limítrofes, que ficariam homogeneizados em unidades territoriais maiores, bem como a possibilidades de dimensionar as áreas que concentram uma maior quantidade de população.

A paisagem como recurso: o Habitat Marte e o Núcleo de Pesquisa da Sustentabilidade no Semiárido

10No ensejo de provocar diferentes experiências de campo junto aos espaços naturais do Nordeste, a prática de campo iniciou suas atividades com a visita do “Habitat Marte”, na zona de transição entre o agreste e o sertão potiguar.

11O Núcleo de Pesquisa em Engenharia, Ciências e Sustentabilidade do Semiárido – NUPECS está localizado no Rio Grande do Norte, no município de Caiçara do Rio do Vento, que tem pouco mais de 3.500 habitantes. A NUPECS visa desenvolver pesquisas que tragam soluções voltadas para as dificuldades encontradas na região do Semiárido, devido às condições climáticas. Um exemplo das dificuldades é a baixa pluviosidade. O seu objetivo é promover a sustentabilidade ambiental, social e econômica da região.

12O Habitat Marte é coordenado pelo professor de Engenharia de Produção da UFRN, Júlio Rezende e se localiza no Município de Caiçara do Rio dos Ventos- RN. A estação tem como objetivo simular experiência no planeta vermelho, que tem como principais objetivos estimular, apoiar e promover a educação espacial, a pesquisa sobre sustentabilidade comparada entre Marte e espaços áridos e semiáridos na terra, o desenvolvimento e a transferência de tecnologias, assim como a transformação de ideias em produtos no campo das engenharias.

13O reconhecimento do espaço onde o núcleo está inserido é traço fundamental, evidenciando-se o fato de ser área rural e de baixíssima densidade demográfica. O acesso é feito por estradas de terra e pedra, sendo possível observar uma paisagem hostil, de beleza peculiar.

14O grande objetivo do projeto é incentivar a ciência e, sobretudo, despertar o interesse de crianças e jovens pela exploração espacial, estabelecendo diálogo entre a sustentabilidade do planeta terra e sua conexão com o cosmos. Outro propósito é aplicar as tecnologias pensadas para Marte para solucionar problemas da região do Semiárido. Nesse aspecto, as missões se concentram principalmente em desenvolver técnicas, procedimentos e tecnologias de saneamento e reutilização da água, dentre outros materiais. O Núcleo abriga outros projetos como o Centro de Educação e Cultura Sustentável, Experimento em Arquitetura Orgânica, Museu de sustentabilidade do Semiárido, Tecnologias de Armazenamento de Água, Tecnologias Sustentáveis de Layout do Espaço Físico, Tecnologia de Combate a Processos Erosivos e Mirante do Carcará (observatório). Vale salientar que apesar dos elementos áridos da paisagem haverem inspirado a ideia no Habitat Marte, na prática o centro de pesquisa trabalha mais ativamente sobre questões de sustentabilidade do semiárido e os estudos mais técnicos sobre a simulação com Marte ainda habitam apenas a esfera dos projetos e desejos para o futuro.

Figura 4: Projeto Habitat Marte, município de Caiçara do Rio do Vento-RN

Figura 4: Projeto Habitat Marte, município de Caiçara do Rio do Vento-RN

Fonte: Lucas Costa.

15O Habitat Marte se destaca por ser a primeira estação que deseja pesquisar sobre Marte da América do Sul. A estação realizou até o presente momento, de realização do campo, quatro eventos de cunho pedagógico que buscam divulgar a necessidade de discutir as tecnologias para um habitat específico para o planeta vermelho. A ideia surgiu depois que o professor Júlio Rezende foi chamado para comandar uma missão no Mars Desert Research Station (MDRS), no deserto de Utah, nos Estados Unidos.

16Na região, a natureza prevalece em detrimento à ocupação humana, mesmo que a paisagem apresente uma natureza transformada, com intensa substituição dos remanescentes de Caatinga. Trata-se de exemplo do espaço como recurso, uma vez que a condição semiárida permitiu a problematização de condições ambientais comparativas a Marte.

17É interessante analisar que a paisagem semiárida do sertão se torna uma provocação às pesquisas sobre o planeta vermelho. Nesta primeira experiência da atividade de campo, a paisagem é mais que mero ponto de observação ela é objeto físico, mas também simbólico, da conexão entre escalas em distintas condições de análise. Também se destaca a necessidade de analisar o espaço geográfico em diálogo com a Astronomia, concebendo a terra enquanto produto sistêmico integrado às interações exógenas que levaram à formação do planeta.

A paisagem enquanto produto socionatural: a água e sua modelagem na região do Seridó

18A parada seguinte do campo ocorreu em Jucurutu-RN no canteiro de obras da Barragem de Oiticica cujo espelho d´água irá ainda abarcar os municípios de Jardim de Piranhas e São Fernando, todos no estado do Rio Grande do Norte. A construção desta barragem, que será a terceira maior do RN, formará um reservatório estratégico na interligação do sistema adutor do estado potiguar. O qual será mais um grande vulto estrutural voltado à segurança hídrica, proposto como alternativa para mitigar os problemas causados pela irregularidade ou periodicidade de chuvas, que podem provocar períodos de seca e inundações. Esta obra resulta em significativos impactos sociais desde o início de sua construção gerando diversos conflitos ao modificar o cenário econômico e social local (Silva, 2017).

19O projeto inicial foi desenvolvido pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) no ano de 1950, mas apenas em 2013 houve o início da construção da barragem, e durante a visita realizada, observa-se o andamento das obras, a qual a crista do maciço terá 35,30 metros de altura e a área total terá 3.374,80 metros de extensão (Canuto, 2015). Sua capacidade volumétrica de armazenamento será de aproximadamente 560 milhões de m³ e inundará uma área de 6.000ha, sendo desalojadas aproximadamente 850 famílias, deixará submersos “a comunidade Barra de Santana, cemitério, um pequeno povoado de Carnaúba Torta, sítios e fazendas entre os municípios de Jardim de Piranhas, São Fernando e Jucurutu” (Silva; Santos, 2017). Diante deste cenário, a pressão popular da sociedade civil organizada e o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piancó-Piranhas-Açu (CBHPPA) negociam junto ao Ministério da Integração Nacional, recursos para a desapropriação das áreas que serão inundadas pela barragem.

Figura 5: Barramento da Barragem de Oiticica, Jucurutu-RN.

Figura 5: Barramento da Barragem de Oiticica, Jucurutu-RN.

Fonte: Ana Caroline Souza, 2018.

20Prevista para ser finalizada em 2019, Oiticica faz parte da bacia hidrográfica do rio Piranhas, que também vai integrar o complexo de obras do Programa de Integração do São Francisco (Eixo Norte), sendo parte do Programa de Aceleração do Crescimento, elaborado pelo Governo Federal. De acordo com a SEMARH (2017), a Barragem de Oiticica está na fase de execução e orçada em 556 milhões de reais. Conforme o projeto, a barragem atenderá um futuro armazenamento que compreende uma das entradas da água no estado do RN, se interligando a uma adutora que fará a distribuição das águas da transposição.

21A inundação a estas comunidades e fazendas causaram conflitos a população, pois ao passo que se percebia o avançar da obra não eram atendidas demandas sociais de pagamento das propriedades e benfeitorias para desapropriação das terras, além do reassentamento e realocação da população, sendo a obra paralisada inúmeras vezes pela falta de pagamentos de indenizações e dos repasses a empresa responsável.

22Para os que residem na área, ocorrerão percas de bens não só materiais/financeiros, como também imateriais de valor imensurável, pois o local ficará submerso, onde muitas famílias se dedicaram durante a vida, criaram laços afetivos com significados em suas terras, fazendo parte de sua própria identidade. Reforçando assim o conceito geográfico de Lugar, sendo marcado por três palavras-chave: percepção, experiência e valores (Tuan, 1983). Ainda se tratando de percas, nesta região são encontrados cinco Sítios Arqueológicos com gravuras que serão submersos, a qual o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) interviu e está realizando estudos em busca da preservação destes vestígios arqueológicos (Madza; Silva, 2015).

23Nesta experiência de campo, percebe-se uma outra leitura da paisagem, pois ao contrário do exemplo anterior, a paisagem deste caso não assume a condição de recurso central, mas está presente como marca da metamorfose de recursos naturais (água) e humanos (instalações urbanas). Assim, ela é resultante e produtora das imagens que se transformam tanto na esfera física quanto social. Assim, a paisagem forma uma díade entre ser produto e recurso da realidade, uma vez que as condições topográficas favoráveis no local, bem como as características do embasamento geológico e do solo, bem como as características biogeográficas e a baixa demografia, também foram fundamentais à escolha deste local para instalação da obra, transformando os processos naturais e sociais implicados a todos os elementos paisagísticos a serem instituídos a partir das transformações.

A paisagem enquanto imagem: o ponto de observação da Pedra do Tendó

24 Nesta experiência de campo, a discussão da paisagem assume outra questão clássica da análise de campo: os pontos de observação e interpretação. No trajeto de campo, observamos a transição da Caatinga, vegetação típica do Sertão Nordestino que acontece pela presença do clima Semiárido e baixos índices pluviométricos, para uma vegetação arbustiva mais densa, típica de áreas mais elevadas de brejo, fazendo parte do Planalto da Borborema. Nesse trecho passamos pelo município de Teixeira, já em terras da Paraíba, e nos deparamos com um mirante situado na Pedra do Tendó.

25A Pedra do Tendó, também conhecida como a “pedra que geme”, é uma formação rochosa muito visitada pelos turistas que passam pela região de Teixeira no estado da Paraíba. Possui formação cristalina, circulada por rochas graníticas, a aproximadamente 800 metros de altitude. Está localizada a 3km da cidade de Teixeira, fazendo parte da Reserva Ecológica Pico do Jabre.

26Algumas lendas rondam o surgimento do nome dessa formação cristalina. Diz-se que o nome Tendó é atribuído ao grito desesperado de uma vítima que, após ter discutido e lutado com um inimigo, teria caído no abismo. "Tem dó" foi então o apelo que ecoava, ouvido por moradores locais.

  • 2 Espinharas ou Espinhara, é o nome de um rio que banha os estados da Paraíba e do Rio Grande do Nort (...)

27Outro registro da palavra "Tendó" significa abrigo, visto que o local era usado pelos tropeiros, servindo de pouso durante as viagens feitas pelos comerciantes que partiam das Espinharas2 em destino a Pernambuco. A escalada, apesar de simples, é um desafio para amadores e exige esforço físico e equilíbrio. Há sempre uma tensão que se estabelece entre o corpo e a imagem que se observa. Esta tensão também compõe o olhar sobre a paisagem. Entre as fendas, a vida floresce. Plantas como bromélias e xique-xique, tornam o lugar um mosaico recompensador ao final da subida.

Imagem 6 – Paisagem da Pedra do Tendó

Imagem 6 – Paisagem da Pedra do Tendó

Fonte: Lucas Rodrigues

28Ao escalar a rocha é possível observar do alto boa parte do sertão paraibano; a composição de uma imagem complexa é impactante. É a partir da formação desta imagem paisagística que é possível discutir conjuntos de paisagem, áreas de exceção, zonas de transição, arquipélagos verdes e redes urbanas em área de cidades pequenas e médias. A perspectiva de análise do observador em pontos de referência desta característica permite aproximar a paisagem da noção de superfície, algo que está na base de sua concepção, mas nem sempre se evidencia de imediato quando os recortes visuais são pontuais.

29Foi possível também refletir sobre o conceito de Grandes Espaços ou Confins, discutidos no espaço acadêmico, havendo muita aprendizagem a ser obtida nas bordas, nas periferias, nos fundos territoriais e nos grandes contingentes de paisagem rural e ambiental. Observamos uma paisagem de mosaico de ocupações e usos do território, prevalecendo o uso agrícola em meio a áreas extensas de vegetação natural.

30Aos nossos olhos, se apresentavam imagens sensorialmente amplas com predominância de espaços naturais e rurais, evocando à ideia de horizonte, tradicionalmente associada ao conceito clássico de paisagem e cujo papel teórico não pode ser subestimado para compreensão das dinâmicas espaciais.

A paisagem enquanto mosaico: o Município de Triunfo

31No ápice da viagem ocorreu a subida à escarpa do Planalto da Borborema, chegando ao município de Triunfo, no estado de Pernambuco. No trajeto foram percorridos trechos bastante íngremes que aos poucos foram revelando uma paisagem diferenciada em relação ao que até então havia sido observado no percurso que em grande parte contemplou áreas da Depressão Sertaneja, marcadas principalmente pela presença da vegetação de Caatinga. A situação de exceção encontrada em Triunfo resulta da altitude ora constatada de 1.004 metros no município, o que explica a presença de caracteres de mata úmida, ainda que bastante modificados pela atividade agrícola (Figura 7), mais acentuados do que pôde se observar na elevada Serra do Teixeira (PB), quando visitou-se a Pedra do Tendó.

Figura 7: Paisagem característica do município de Triunfo-PE.

Figura 7: Paisagem característica do município de Triunfo-PE.

Fonte: Adielson Silva, 2018.

32Iniciaram-se, no período da tarde, as atividades em Triunfo. No local, foram realizadas quatro visitas voltadas à análise de aspectos geográficos do município e pontos tradicionais vinculados à história e culturas locais. No trajeto, saindo da sede municipal rumo aos distritos rurais, logo se pôde identificar o cultivo de banana como algo bastante marcante na paisagem serrana (Figura 8); atividade possível, juntamente com plantio de café e cana-de-açúcar, graças, dentre outros fatores, à maior pluviosidade local.

Figura 8: Cultivo de Bananas.

Figura 8: Cultivo de Bananas.

Fonte: Adielson Silva, 2018.

33Datado do início do século XX, o engenho São Pedro aproveita o potencial de produção de cana-de-açúcar que a região possui, realizando a moagem para fabricação do licor e da rapadura, além de produzir a conhecida cachaça Triumpho. No local conheceu-se algumas etapas do processo produtivo, dentre eles, a moagem, onde a cana-de-açúcar é recebida e tem início seu processamento; o local de descanso da bebida em barris de freijó, a cozinha onde são preparadas as rapaduras e o local de envelhecimento da cachaça realizado em barris de carvalho (Figura 9).

Figura 9: Etapas do processamento da cana-de-açúcar no Engenho São Pedro

Figura 9: Etapas do processamento da cana-de-açúcar no Engenho São Pedro

Fonte: Gustavo Barbosa, 2018.

34Na sequência, visitou-se uma escavação em rocha na Cacimba de João Neco, um conjunto escavado pelo próprio nomeado durante uma grande seca que atingiu a região, ainda na primeira metade do século XX, formado por um poço e por um túnel transversal a ele em direção a sua nascente construído com terra batida e pedras da região (Figura 10).

Figura 10: Estrutura de acesso ao túnel e poço

Figura 10: Estrutura de acesso ao túnel e poço

Fonte: Gustavo Barbosa, 2018.

35Na continuidade, observou-se a Furna da Lage, uma grande estrutura rochosa que oferece abrigo no seu interior. O local é também conhecido como Furna dos Holandeses, por haver relatos, porém sem comprovação científica, de que teria sido ocupado por holandeses fugidos após a batalha dos Guararapes no século XVII. Aponta-se também que, em épocas anteriores, a Furna tenha servido de abrigo para comunidades pré-históricas e tribos indígenas.

36 Para compor o mosaico de paisagens de Triunfo, o estudo de campo chegou ao Pico do Papagaio, um dos pontos mais elevados do estado de Pernambuco, com altitude superior aos 1.260 m (Figura 11).

Figura 11 - Bico do Papagaio e comparações aos Grandes Espaços Naturais das Américas

Figura 11 - Bico do Papagaio e comparações aos Grandes Espaços Naturais das Américas

Fonte: Gustavo Barbosa, 2018.

37A partir do Pico do Papagaio, pôde-se obter uma visão do mosaico de uma região sertaneja que se configura como uma área de exceção mediante suas características peculiares, sobretudo de clima e vegetação, fortemente influenciadas pela altitude acentuada.

Figura 12: Vista panorâmica do pôr do sol a partir do Pico do Papagaio, Triunfo-PE.

Figura 12: Vista panorâmica do pôr do sol a partir do Pico do Papagaio, Triunfo-PE.

Fonte: Gustavo Barbosa, 2018.

38A complexidade de paisagens históricas, culturais e econômicas produzidas em Triunfo revelam outro importante debate da paisagem: sua condição como mosaico das experiências humanas e das contingências naturais. Os processos humanos diferenciados que resultaram no mosaico estão intimamente ligados às condições físicas diferenciadas do local. Foram as condições favoráveis de solo e umidade que atraíram diferentes tipos de práticas agrícolas, bem como de ocupação por povos em diferentes épocas que buscavam ponto de observação e condições naturais favoráveis à habitação e produção. Também no que trata dos objetos que compõem a geodiversidade do local, a situação geomorfológica diferenciada é a responsável pela composição dos conjuntos paisagísticos que tornam a área um pólo turístico. Assim, a paisagem em mosaico de Triunfo apresenta uma condição indissociável entre os aspectos físicos e humanos, criando possibilidades para o debate híbrido da Ciência Geográfica.

A paisagem como trajetória: as rotas do campo e a noção de Grandes Espaços Naturais

39Todo trabalho de campo para o geógrafo é uma viagem. Curiosidades, imaginações, desejos, uma inquietude que instiga a ir aos lugares, sair por estradas e rodovias, ir ao mundo com roteiro em mãos ou mesmo seguir por caminhos abertos a fazer-se na trajetória. Indo ao encontro a diversidade de paisagens, de experiências e conhecimentos que só o contato direto com a Terra pode provocar. Como nos diz Saint Exupéry “Mais coisas sobre nós mesmo nos ensina a terra que todos os livros”.

40Nesta perspectiva, a análise dos trajetos deste trabalho de campo apresenta outra perspectiva importante da paisagem: a trajetória. O destino da viagem foi o sertão pernambucano. Em busca dos grandes espaços naturais do sertão, seguimos percursos por estradas de asfalto e de terra. Nos caminhos os encontramos, de passagem os percebemos, a baixa densidade demográfica nos demonstrou a configuração destes espaços que o geógrafo francês François Michel se propõe pesquisar.

41Durante o campo, a trajetória pela estrada nos guiou, o que fez da viagem, dos deslocamentos, da janela, uma das partes essenciais do trabalho. Observando, dialogando entre nós e registrando o que a paisagem como risco, traço, sopro, trajetória.

42Na estrada, as trajetórias apresentam transições, composições e intervenções humanas. Na velocidade da passagem fomos de encontro aos grandes espaços, neles o urbano, a natureza, o rural, os lugares os conformavam.

43Do litoral ao Agreste tendo como rumo o Sertão, as cores, sobretudo da vegetação, nos levaram a crer na potência de um inverno chuvoso, capaz de modificar intensamente a dinâmica da natureza. Por longos trechos, a água que umedece as plantas e o solo se fez perceptível nas variações do verde, que encontrando condições favoráveis cresceram e se expandiram, formando frondosas copas, compondo uma outra paisagem, diferente das imagens e imaginações trazidas em mente.

44O encontro a estas paisagens surpreendeu a todos, com a bonança da estação chuvosa em alguns espaços e sua quase total ausência em outros, as zonas de transições das mesorregiões nordestinas se tornam menos aparentes pela seca e mais distinguível pela geomorfologia do terreno.

45De saída da planície litorânea de Natal, na passagem pelo Agreste Potiguar, a forma do relevo constitui os marcos na paisagem do conjunto de serras do planalto da Borborema. Na trajetória em Caiçara do Rio do Vento–RN, nos percalços de uma estrada de terra, deixamos de ver de longe para ver de perto, como o verde resplandecia, as flores coloriam, frutos se desenvolviam e a terra não padecia na secura. A lentidão da trajetória se transformou em metodologia de análise da paisagem, da captação de detalhes e da percepção da miscigenação entre as marcas da natureza e da presença antrópica.

46As serras nos acompanharam na linha de percurso ao sertão, mergulhados abruptamente na depressão sertaneja, com parca transição. Seguimos observando na paisagem a beleza das rochas em seus formatos e curvas, de grande e vasta extensão, sombreadas pelas nuvens, rodeadas pela exuberância da vegetação. Juntas formavam um quadro geográfico, afetando nosso desejo de explorar com o olhar na passagem.

47Por entre os grandes espaços, um dos quesitos essenciais para tal definição se refere a baixa densidade demográfica, a paisagem nos trechos da trajetória expunha os pequenos e grandes sítios distantes uns dos outros, as casinhas nas encostas construídas sob a solidez rochosa adquirem a mesma fixidez perante a conexão estabelecida entre homem e terra, em um ambiente de ausência das grandes intervenções, o homem faz sua morada.

48No trajeto, a intensidade geomorfológica esteve sempre emoldurada por pequenas cidades e vilarejos. O ato de se deslocar também colocou em evidência a presença de grandes obras na transformação das paisagens, alterando o curso de rios, criando entre formações naturais os objetos de gestão do território ao modificar dinâmicas ambientais para transformar planejamento em estruturas.

49Nas trilhas do deslocamento, a paisagem aponta marcas de diferentes cenários: a importante cidade de Caicó no contexto do Seridó, a organização espacial dos pequenos municípios, pequenas feiras, o açude Itans, os inselbergs e os muitos espaços esparsos entre cada objeto captado.

50A paisagem do trajeto marca o sentido de imensidão, observando o traçado das estradas sobre a terra, a sombra das nuvens sob o chão, as cores secas do sol que assola a terra e a resistente vegetação; conformando-lhes uma cor amarronzada mesclada pelo verde e cinza, testes sobre a resiliência da vida na superfície. O caminho pelas curvas sinuosas da estrada nos conduziu por paisagens serranas, visualizando dispersas comunidades rurais entre as repletas formações topográficas com seu desenho no fundo do vale, a vegetação dos morros, o vento úmido e frio do subir das serras, anunciando o aumento da altitude desse sertão de exceção No encontro com a natureza e seu silêncio, as formações rochosas com suas texturas e relevos, o sol a se pôr, no cair da noite, pontos luminosos começaram a brilhar do acender das luzes das cidades ao redor.

51No retorno, os trajetos se redesenharam ao passarmos pelos municípios de Custódia, Monteiro, Sumé, Serra Branca e Boa Vista a paisagem que se apresentava demonstrava a riqueza de elementos que por oras confirmam e por outras contradizem os estereótipos do sertão nordestino. Na passada em velocidade pela cidade de Monteiro, a janela denunciava a presença do canal de apoio à transposição do Rio São Francisco, por vezes sem água. Monteiro-PB faz parte do Eixo Leste das obras da transposição e encontra-se, de acordo com Ministério da Integração em suspensão temporária do abastecimento, até que as obras programadas para os açudes de Poções e Camalaú sejam concluídas.

52Pouco mais de 300 quilômetros percorridos, na transição entre o Sertão, Agreste e Litoral, chegamos a Campina Grande-PB, também conhecida como a rainha da Borborema. Diferente do cenário até então contemplado, uma cidade de médio porte, com população estimada em 407.472 habitantes, um dos principais polos industriais e tecnológicos da Região Nordeste, referência local e regional na oferta de serviços de saúde, educação e comércio (IBGE, 2018).

53Campina Grande em sua configuração territorial apresenta atributos que justificam sua relevância econômica, política e social para região. Ao passarmos pela Alça Sudoeste rumo a BR-230 alguns empreendimentos instalados na Cidade nos chamaram a atenção. A mudança na paisagem ocasionada pela construção das unidades residências do complexo Aluízio Campos, com mais de 4.000 residências, instituição de ensino superior, casa de show e distribuidora atacadista, são alguns dos fatores demonstram sua centralidade.

54Ainda na Cidade, no mês em que a festividades juninas acontecem, com trinta dias festa, percebemos que as ruas, as casas, as pessoas, Campina Grande se “veste” para o Maior São João do Mundo, com bandeirolas, símbolos juninos e muito forró. Mas é hora de seguir viagem, o forró ficará para próxima oportunidade.

55Nesta vivência a música é a paisagem. Enquanto trajetória ela é traço, ponto e área: um alfabeto cartográfico em elementos vivos e mutantes, pleno de natureza em seu conceito amplo, dinâmico e sistêmico.

Haut de page

Bibliographie

AMORIM, R. F; NONATO JUNIOR; R. FARIAS, J. F. « Paisagens do Rio Grande do Norte: uma introdução às diversidades regionais e marcas das ações geográficas no espaço potiguar », Confins [En ligne], 34 | 2018, mis en ligne le 10 juin 2018, consulté le 19 décembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/12961

BUENO, M. C. D. Grade estatística: uma abordagem para ampliar o potencial de dados censitários. Tese de doutorado. Campinas/SP, 2014.

CANUTO, J. P. O. As novas adequações socioeconômicas e as perspectivas das famílias residentes na área da construção da Barragem Oiticica em Jucurutu/RN, à luz da pluriatividade da agricultura. Monografia (Graduação em Ciências Econômicas). Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Campus de Assú, RN. 2015. 53 p.
CLAVAL, P.  « Le rôle du terrain en géographie », Confins [En ligne], 17 | 2013, mis en ligne le 01 avril 2012, consulté le 18 décembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/8373

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/campina-grande/panorama. Acesso em 10 de setembro de 2018.

MADZA, A.; SILVA, Y. Patrimônio arqueológico sob as águas do Oiticica. Disponível em: < http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/patrima-nio-arqueola-gico-sob-as-a-guas-do-oiticica/357305>. Acesso em 08 de setembro de 2018.

NONATO JUNIOR, R. Geografia Regional em tempos de globalização: experiências da fronteira França-Brasil », Confins [En ligne], 26 | 2016

PORTAL CORREIO. Campina Grande. Disponível em <https://portalcorreio.com.br/acoes-tentam-frear-inseguranca-contra-comercio-e-populacao-em-cg/>. Acesso em 11 de setembro de 2018.

SANTOS, J. S.; SILVA, M. C. Água e conflito: o movimento do(a)s atingido(a)s e a Barragem de Oiticica em Jucurutu/RN (2012-2014). Revista GeoInterações, Assú, v.1, n.2, p.3-29, jul./dez. 2017.

SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS DO RIO GRANDE DO NORTE (SEMARH). Plano de integração de bacias e as obras de transposição do Rio São Francisco no Rio Grande do Norte. Natal: Governo do Estado do Rn, 2017. Color.

SILVA, A. S. B. Os impactos ambientais e sociais da construção da Barragem de Oiticica - Jucurutu/RN. Monografia (Graduação em Ciência e Tecnologia). Universidade Federal Rural do Semi-árido, Angicos, RN. 2017. 104 p.

THÉRY, H.; MELLO-THÉRY, N. A. et al. « Le terrain est un laboratoire, un voyage franco-brésilien au Mato Grosso » (avec Neli Aparecida de Mello-Théry, Andrea Cavicchioli, Vincent Dubreuil, Hervé Regnauld et Vincent Nedelec), in Le travail de terrain au Brésil, Guillaume Leturcq et Frédéric Louault (ed.), L'Harmattan, 2013

TUAN, Y. F. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. Trad. Lívia de Oliveira. São Paulo: Difel, 1983.

Haut de page

Notes

1 Eles formaram, junto com os/as alunos/as da disciplina, o grupo que é autor coletivo deste artigo: O grupo Gesto (Grandes Espaços dos SerTOes)é composto por Raimundo Nonato Júnior, Docente do Programa de Pós-Graduação em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, François-Michel Le Tourneau, Pesquisador do Centre Nacional de la Recherche Scientifique (CNRS/ França), Hervé Théry, Directeur de recherche émérite au CNRS-Creda, Professor de posgraduação na Universidade de São Paulo (USP-PPGH, Lucas Costa Rodrigues, Doutorando em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte , Joselito da Silveira Junior, Mestrando em Demografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Júlia Diniz de Oliveira, Doutoranda em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Lorene Kássia Barbosa Brasil, Doutoranda em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Famara de Souza Lemos, Mestranda em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Gustavo de Souza Barbosa, Doutorando em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Adielson Pereira da Silva, Doutorando em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Michel Andrade da Silva, Mestrando em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Leandro de Castro Lima, Doutorando em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Ana Caroline Damasceno Souza, Mestranda em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Katarina Aluide Carvalho Praxedes, Licencianda em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

2 Espinharas ou Espinhara, é o nome de um rio que banha os estados da Paraíba e do Rio Grande do Norte. É formado pela confluência dos rios da Cruz e da Farinha, próximo à cidade de Patos (PB). Após percorrer cerca de 45 Km na Paraíba, entra no estado do Rio Grande do Norte, onde deságua no rio Piranhas. Ver mais informações em “Dicionário Informal” (https://www.dicionarioinformal.com.br/espinharas/. Consultado em 20 de agosto de 2018).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Momento explicativo em primeira parada na aula de campo – município de Caiçara do Rio do Vento – RN.
Crédits Fonte: Joselito Júnior e Lucas Costa, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25542/img-1.png
Fichier image/png, 713k
Titre Figura 2: Mapa dos trajetos de campo
Crédits Fonte: Joselito Júnior e Lucas Costa, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25542/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 196k
Titre Figura 3: Procedimentos para desagregação de dados.
Crédits Fonte: Bueno, 2014.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25542/img-3.png
Fichier image/png, 51k
Titre Figura 4: Projeto Habitat Marte, município de Caiçara do Rio do Vento-RN
Crédits Fonte: Lucas Costa.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25542/img-4.png
Fichier image/png, 866k
Titre Figura 5: Barramento da Barragem de Oiticica, Jucurutu-RN.
Crédits Fonte: Ana Caroline Souza, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25542/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Imagem 6 – Paisagem da Pedra do Tendó
Crédits Fonte: Lucas Rodrigues
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25542/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 188k
Titre Figura 7: Paisagem característica do município de Triunfo-PE.
Crédits Fonte: Adielson Silva, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25542/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Titre Figura 8: Cultivo de Bananas.
Crédits Fonte: Adielson Silva, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25542/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
Titre Figura 9: Etapas do processamento da cana-de-açúcar no Engenho São Pedro
Crédits Fonte: Gustavo Barbosa, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25542/img-9.png
Fichier image/png, 591k
Titre Figura 10: Estrutura de acesso ao túnel e poço
Crédits Fonte: Gustavo Barbosa, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25542/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 304k
Titre Figura 11 - Bico do Papagaio e comparações aos Grandes Espaços Naturais das Américas
Crédits Fonte: Gustavo Barbosa, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25542/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Figura 12: Vista panorâmica do pôr do sol a partir do Pico do Papagaio, Triunfo-PE.
Crédits Fonte: Gustavo Barbosa, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25542/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 272k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Raimundo Nonato Junior, François-Michel Le Tourneau et Grupo Gesto, « O trabalho de campo em geografia: as paisagens e os grandes espaços naturais  »Confins [En ligne], 43 | 2019, mis en ligne le 19 mars 2020, consulté le 27 janvier 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/25542 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.25542

Haut de page

Auteurs

Raimundo Nonato Junior

Universidade Federal do Rio Grande do Norte, nonatorjr@gmail.com

Articles du même auteur

François-Michel Le Tourneau

Pesquisador do Centre Nacional de la Recherche Scientifique (CNRS/ França, fmlt@fmlt.net

Articles du même auteur

Grupo Gesto

O grupo Gesto (Grandes Espaços dos SerTOes)é composto por Raimundo Nonato Júnior, Docente do Programa de Pós-Graduação em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, François-Michel Le Tourneau, Pesquisador do Centre Nacional de la Recherche Scientifique (CNRS/ França), Hervé Théry, Directeur de recherche émérite au CNRS-Creda, Professor de posgraduação na Universidade de São Paulo (USP-PPGH, Lucas Costa Rodrigues, Doutorando em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte , Joselito da Silveira Junior, Mestrando em Demografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Júlia Diniz de Oliveira, Doutoranda em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Lorene Kássia Barbosa Brasil, Doutoranda em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Famara de Souza Lemos, Mestranda em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Gustavo de Souza Barbosa, Doutorando em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Adielson Pereira da Silva, Doutorando em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Michel Andrade da Silva, Mestrando em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Leandro de Castro Lima, Doutorando em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Ana Caroline Damasceno Souza, Mestranda em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Katarina Aluide Carvalho Praxedes, Licencianda em Geografia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search