Navigation – Plan du site

Editorial do número 43

Editorial of issue 43Éditorial du numéro 43
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Traduction(s) :
Editorial du numéro 43

Texte intégral

1O ano de 2019 que se encerra com este número 43 da Confins foi um ano excepcional para a revista, publicamos pela primeira vez seis números. Inicialmente, porque o fluxo de propostas de artigos avaliados positivamente pelos membros do comitê editorial nos levou a criar, da mesma forma que em 2018, um quinto número, seguindo a tendência iniciada desde o início da revista: três artigos por ano de 2008 a 2015, quatro em 2016 e 2017 (figura 1).

  • 1 Que contava somente com duas pessoas desde 2007, Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello-Théry.

2Apesar do crescimento da carga de trabalho da pequena equipe de redação1, felizmente reforçada pela chegada de Raimundo Nonato Júnior e Marcelo Pires Negrão, pensamos que este acréscimo na quantidade de números foi necessária para reduzir o número de artigos em espera por publicação: nesta data (18 de dezembro de 2019) sete estão prontos para publicação no próximo número, para outros 14 aguardamos a segunda versão após o envio da síntese das avaliações. Seis outras sínteses estão prontas para ser enviadas aos autores, os pareceristas foram acionados para mais seis e em breve serão acrescentadas cinco novas, enquanto 24 artigos estão em processo de avaliação: no total 64 artigos estão em análise, sem contar os dossiers (ainda sob avaliação dos coordenadores), programados até setembro de 2021.

3Adicionou-se ainda o número especial que retoma a maioria dos artigos do número 56 da revista de geopolítica Outra Terra, dirigida por Michel Korinman, consagrado ao Brasil em um momento chave de sua história recente, a eleição de Jair Bolsonaro à presidência da República. Por conseguinte trata-se, conforme é indicado no editorial, (https://journals.openedition.org/​confins/​22548), de um « número espelhado » em português que coloca o conteúdo à disposição dos leitores brasileiros que não leem em língua francesa.

4Isto explica por que na página inicial da revista (figura 1) a coluna da esquerda, onde estão indicados (e acessível em um único clique) os números já publicados, a linha que os agrupa esteja a cada ano mais longa, chegando neste ano pela primeira vez a se desdobrar.

Figura 1 Página inicial da revista, mostrando o quantitativo de números já publicados.

Figura 1 Página inicial da revista, mostrando o quantitativo de números já publicados.

5O final do ano é também o momento para fazer um balanço – sempre a recomeçar – dos artigos mais apreciados pelos leitores, considerando aqueles que foram mais acessados, lidos – assim desejamos – e para muitos deles, baixados. Neste último caso, não temos como determinar precisamente, pois se a extração dos PDFs é reservada às bibliotecas filiadas à fórmula freemium, os leitores podem todos copiar/ colar livremente os textos e ilustrações.

6No que se refere aos acessos, é possível ter uma ideia precisa para cada artigo. A figura 2 apresenta a lista dos 30 primeiros por ordem decrescente do número de acessos (lista válida no16 de dezembro de 2019).

Figura 2 Número de acessos a artigos em 2019 (primeiros 30 no 16/12/2019)

Título

Publicação

Número

Autor(es)

Acessos

Orientação metodológica para construção e leitura de mapas temáticos

23-06-2008

N° 3

Rosely Sampaio Archela,

Hervé Théry

35 614

Le plan de métro de Paris revisité

24-02-2017

N° 30

Gustave Fulgence

23 806

Les 32 plus grandes agglomérations du monde : comment l’urbanisation repousse-t-elle ses limites ?

08-10-2018

N° 37

Cathy Chatel,

François Moriconi-Ebrard

23 413

A cidade de São Paulo e seus rios: uma história repleta de paradoxos

16-07-2016

N° 27

Isabel Cristina Moroz, Caccia Gouveia

19 817

Recursos didáticos, formação inicial docente e o processo de ensino e aprendizagem no Pibid geografia UFRN

19-11-2015

N° 25

Elisabeth Cristina Dantas de Araújo, Adriano Lima Troleis

17 382

Le Brésil, pays émergent

22-02-2016

N° 26

Martine Droulers

14 953

A Antropologia Estrutural de Lévi-Strauss e suas reverberações geográficas

01-10-2016

N° 28

Claudio Luiz Zanotelli

14 840

Acumulação primitiva: um processo atuante na sociedade contemporânea

19-03-2012

N° 14

Sandra Lencioni

13 462

Guiana francesa, um território europeu e caribenho em via de “sul-americanização”?

10-11-2008

N° 4

Stéphane Granger

12 484

Aspectos gerais da dinâmica imigratória no Brasil no século XXI

08-06-2017

N° 31

Roberto Rodolfo, Georg Uebel, Aldomar Arnaldo Rückert

12 263

O novo mapa da população rural brasileira

19-11-2015

N° 25

Alexandre Gori Maia, Antônio Marcio Buainain

11 110

Política, espaço e cultura: as ligações entre poder e religião

02-07-2011

N° 12

Paul Claval

11 102

Estados brasileiros e países do mundo

06-12-2014

N° 22

René Somain

11 020

Relevo do Estado de São Paulo

09-11-2009

N° 7

Marcello Martinelli

10 825

O Brasil e a América do Sul: cenários geopolíticos e os desafios da integração

31-10-2009

N° 7

Wanderley Messias da Costa

10 585

Integração regional, regionalização, regionalismo: as palavras e as coisas

15-03-2014

N° 20

Yann Richard, Camilo Pereira Carneiro Filho

9 320

A pluviosidade na Amazônia meridional: variabilidade e teleconexões extra-regionais

15-12-2016

N° 29

Rafael Rodrigues da Franca Francisco de Assis Mendonça

8 833

Guiana Francesa: uma análise geohistórica

30-09-2016

N° 28

Geraldine Rosas Duarte

8 767

Comunidades Quilombolas na Amazônia:

20-03-2015

N° 23

Eliane Superti, Gutemberg de Vilhena Silva

8 599

Religiões no Brasil em 2010

02-07-2012

N° 15

René Somain

8 584

Amazônia globalizada: da fronteira agrícola ao território do agronegócio – o exemplo de Rondônia

02-03-2015

N° 23

Ricardo Gilson da Costa Silva

8 039

A contribuição de Henri Lefebvre para reflexão do espaço urbano da Amazônia

21-03-2009

N° 5

Charles Benedito Gemaque Souza

7 666

Fernand Braudel e as metamorfoses do tempo e do espaço

19-08-2014

N° 21

Guilherme Ribeiro

7 637

Garimpeiros de Ouro e Cooperativismo no século XXI. Exemplos nos rios Tapajós, Juma e Madeira no Sudoeste da Amazônia Brasileira

16-12-2017

N° 33

Maria Célia Coelho, Luiz Jardim, Wanderley Reinaldo Costa

7 538

A paisagem e o geossistema como possibilidade de leitura da expressão do espaço socioambiental rural

11-06-2007

N° 1

Dias Janise, Santos Leonardo

6 929

A pegada ecológica como instrumento de avaliação ambiental para a cidade de Londrina

16/03/2010

N°8

Cristiane Kleba Lisboa e Mirian Vizintim Fernandes Barros

6870

Clima do Estado de São Paulo

14/03/2010

N°8

Marcello Martinelli

6 637

O Amapá e a Guiana francesa sob a ótica do corredor transfronteiriço

10/06/2017

N°31

José Alberto Tostes e José Francisco de Carvalho Ferreira

6 630

O rio Potengi e a cidade do Natal em cinco tempos históricos. Aproximações e distanciamentos

12/03/2015

N°23

Rubenilson B. Teixeira

6 593

Le Brésil : une société inégalitaire en mouvement ?

24/09/2015

N°24

 Solen Le Clec'h

6 459

7Na liderança vem o texto “Orientação metodológica para construção e leitura de mapas temáticos” que consolida, com mais de 35 000 acessos, sua posição dos anos anteriores, chegando a um total acumulado de mais de 395 000 visitas. Confirma-se assim a intuição que teve Rosely Sampaio Archela que faltava um texto simples e pedagógico que ajudasse os estudantes a compreender e aplicar os princípios da cartografia temática.

8Em segundo, « Le plan de métro de Paris revisité », é da autoria de Gustave Fulgence, anteriormente autor de « Fontaines de Paris », sugere que esta cidade – a mais visitada do mundo – provoca grande atração aos leitores. É exatamente o mesmo caso da rubrica “imagens comentadas” que apesar de não possuir o mesmo estatuto científico dos artigos chama igualmente a atenção dos leitores da revista. Os três artigos seguintes cujos escores se avizinham, mostra que os leitores se interessaram em grande quantidade por assuntos muito diferentes: as grandes aglomerações mundiais, os rios em São Paulo e os recursos didáticos utilizados na UFRN de Natal para a formação de professores.

9Esta diversidade de assuntos se mantém na sequência da lista, indo da « Antropologia estrutural de Lévi-Strauss e suas reverberações geográficas », para a « Acumulação primitiva : um processo ativo na sociedade contemporânea » até o « Rio Potengi e a cidade de Natal », passando pela Guiana Francesa, o relevo e o clima do Estado de São Paulo, o Brasil e a América do Sul, a pluviosidade da Amazônia meridional, as análises das contribuições de Henri Lefebvre e Fernando Braudel e resenhas de livros recentes.

10Nós consideramos, então, que a opção feita pela revista de guardar um largo espectro de temas e abordagens fica validada pelas escolhas dos leitores : Geografia “física” e “humana” (ambas indispensáveis para compreender as relações das sociedades e de seu ambiente), Geografia “regional”, abordagens “críticas” e “quantitativas” (Eduardo Paulon Girardi mostrou que ambas não são excludentes uma da outra). Geografia “cultural”, “econômica”, “política” etc., todas encontram seu lugar na revista Confins, desde que os textos propostos sejam densos, claros, com apoio imagético de mapas e registros fotográficos. Conforme indicam as “Normas para publicação” (https://journals.openedition.org/​confins/​9629 ) : “O uso de ilustrações (mapas, gráficos e fotografias) é altamente recomendável, não apenas porque “arejam” o texto, mas também porque, principalmente no caso dos mapas, fazem parte do raciocínio geográfico e dão suporte a ele”.

11Este número 43 reafirma aquilo que indicava a análise dos anteriores, seus artigos tratam de temas diversos e seu agrupamento somente pode ser feito, no máximo, em grupos duais. De início, dois artigos abordam territórios que não são do Brasil, nem da França (exceção feita ao potencial de comparação), mas que nos pareceram úteis em uma revista franco-brasileira, uma vez que esclarecem e enriquecem nosso conhecimento de dois países de referência : “Agricultura urbana em Portugal: práticas espontâneas e institucionalizadas”, de Rosangela Medeiros Hespanhol e “La evolución y impacto de la economía social y solidaria en Brasil y Cataluña” de Fransualdo de Azevedo e Ricard Espelt.

12Os dois seguintes tratam sobre a região sul do Brasil: “Do território à territorialidade: construção do espaço do Assentamento do MST Lagoa do Junco em Tapes, RS” de Naiara Machado da Silva e Aline Reis Calvo Hernandez e “Infraestrutura de mobilidade urbana e sua articulação com a drenagem sustentável: o reconhecimento da composição de seus revestimentos em um trecho da cidade de Blumenau/SC”, de Talita Montagna e Rafaela Vieira.

13Os três seguintes só possuem em comum a característica de completar o “tour geográfico pelo Brasil” deste número, ao trazer, respectivamente, a Amazônia, o Nordeste e o Sudeste : “Governança dos Arranjos Produtivos Locais (APLs), redes territoriais e proximidades na Amazônia brasileira: o caso do APL Goiaba no nordeste paraense brasileiro” de Étienne Polge, André Torre e Marc Piraux, na sequência “Análise morfométrica das sub-bacias de 3ª ordem da bacia hidrográfica do Rio do Peixe, Minas Gerais”, de Maria Rita Vidal e Abraão Levi dos Santos Mascarenhas e “Estrutura e funcionamento das paisagens da área de proteção ambiental do estuário do rio Curu/CE” de Isabela Belmira Santos Giarola, Cinthia Maria Amaral e Daiane Evangelista de Oliveira.

14O último artigo está isolado em seu gênero, mas prolonga em uma segunda parte uma análise iniciada no número anterior “Valores e circunstâncias do pensamento geográfico francês (parte dois). A « Nouvelle Géographie » segundo o testemunho de Joël Charre”, de Dante F. C. Reis Junior.

15O dossiê deste número, coordenado por Thiago Oliveira Neto e Ricardo Jose Batista Nogueira trata do Estado do Amazonas, abordado sob aspectos muito diversos “A Geografia como produção das dimensões políticas, jurídicas e ideológicas : imbricação triádica estrutural da Região Metropolitana de Manaus”. “Novas determinações do processo de reprodução do espaço da metrópole Manauara”, “Anos-padrão e tendências da precipitação pluvial na região do Médio Solimões, Amazonas, Brasil”, “Neotectônica no Amazonas: análise geomorfológica-geológica na BR 174”, “Geografia das colônias agrícolas no médio rio Amazonas, município de Urucará-AM”, “Modo de vida camponês e identidade indígena na Comunidade Dom Pedro II, em Barcelos, AM”, “Os transportes e as dinâmicas territoriais no Amazonas” e “O acesso geográfico à saúde no triângulo fluvial do setor central da Amazônia”.

16As imagens comentadas deste número tratam de “A geografia no Ranking Universitário Folha 2019”, por René Somain e “Os novos eixos da fronteira na Amazônia Ocidental” de Ricardo Gilson da Costa Silva, Viviane Vidal da Silva e Luís Augusto Pereira Lima.

17A crônica de campo revela uma aventura geográfica sobre a análise da paisagem no “sertão” do nordeste brasileiro, intitulada “O trabalho de campo em Geografia: as paisagens dos grandes espaços americanos no Sertão”, proposta pelo grupo GESTO (Grandes Espaços do Sertão), uma equipe mista formada por geógrafos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN-Natal) e pesquisadores do CNRS, especialistas sobre o Brasil.

18As resenhas são de “Quadros do pensamento, quadros no pensamento: uma resenha a partir das abordagens localistas na história da geografia”, por Rafael Augusto Andrade Gomes, “Understanding contemporary Brazil”, de Jeff Garmany and Anthony W. Pereira e “Brazil: a new powerhouse without military strength?”, de Mathilde Chatin.

19Enfim, destacamos que duas novas traduções em português de artigos originalmente escritos em francês foram juntadas aos números onde haviam sido publicadas, graças a uma colaboração com a UFRGS, coordenada por Patricia Chitoni Ramos Reuillard. Trata-se de “A coleta dos resíduos em Buenos Aires: um trabalho da era global”, tradução de « La récupération des déchets à Buenos Aires : un travail de l’âge global », de Marie-Noëlle Carré (Confins número 20) e “Espacialização dos serviços ecossistêmicos na escala local em um contexto de desmatamento: que abordagens estatísticas e quais dados?”, tradução de « La spatialisation de Services Ecosystémiques à l'échelle locale dans un contexte de déforestation : quelles approches statistiques et quelles données ? », de Solen Le Clec'h, Johan Oszwald, Simon Dufour, Thierry Desjardins, e Nicolas Jegou (Confins número 26). Os dois artigos foram traduzidos por Karoline Gonçalves Lima (UFRGS).

20Finalmente, uma vez que estamos próximos do final de ano, nós desejamos, em nome de toda a equipe da revista (coordenação editorial, comitê estratégico, comitê editorial e comitê júnior) apresentar aos nossos leitores, com agradecimento pela fidelidade, nossos melhores votos para este novo ano que se aproxima.

Figura 3 Votos da Confins aos leitores para o ano de 2020

Figura 3 Votos da Confins aos leitores para o ano de 2020

21Boa leitura a todas e todos

Haut de page

Notes

1 Que contava somente com duas pessoas desde 2007, Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello-Théry.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Página inicial da revista, mostrando o quantitativo de números já publicados.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25838/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 224k
Titre Figura 3 Votos da Confins aos leitores para o ano de 2020
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/25838/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 5,7M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 43 », Confins [En ligne], 43 | 2019, mis en ligne le 21 décembre 2019, consulté le 05 août 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/25838

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals