Navigation – Plan du site

AccueilNuméros44Imagens comentadasA várzea e as enchentes

Imagens comentadas

A várzea e as enchentes

La plaine inondable et les inondations
Floodplain and floods
Juliana A. S. Delgado

Entrées d’index

Index de mots-clés :

drainage urbain, inondations, pluies, villes

Index by keywords :

urban drainage, floods, rains, cities

Index géographique :

São Paulo

Índice de palavras-chaves :

drenagem urbana, alagamentos, inundações, chuvas, cidades
Haut de page

Texte intégral

Fonte: Água, sua Linda (2020).

1A figura ilustra sobre a capacidade do rio em sua configuração natural em absorver o volume da chuva e de depois recuperar seu volume inicial. Essa capacidade se deve à várzea que cede o espaço para reter o volume extra e permitir o fluxo no rio de forma gradual até o mesmo atingir o volume original.

2As várzeas têm a função de atuar como terrenos inundáveis, constituindo-se de mecanismos de contenção e drenagem na medida em que possibilitam a retenção de água e controlam a velocidade de escoamento do rio em épocas de cheia. Compõem-se de elementos importantes que podem reter as águas em períodos de cheia e servir de áreas de lazer quando o rio volta a seu volume inicial. É um espaço que integra o rio à área urbana como uma espécie de “esponja” ao absorver a água excedente (PEIXOTO, 2008).

3A figura demonstra também que retificando e aterrando as suas margens, e consequentemente, extinguindo as áreas de várzea, o rio não consegue mais reter tanto volume de água e como consequência ocorrem as enchentes e inundações.

4De acordo com Peixoto (2007), o rio Tietê é um bom exemplo desse processo. De um rio que tinha suas formas meândricas e teve seu curso retificado, perdendo o seu equilíbrio hidrológico. Essas estruturas urbanas construídas com a finalidade de se controlar os rios, acabam alterando a paisagem e possuem pouca eficiência no controle das cheias, pois tendem a acelerar o fluxo dos rios e diminuindo a retenção da água.

5Essa situação decorre de um processo de desenvolvimento urbano no qual a Região Metropolitana de São Paulo se ergueu, aumentando a impermeabilização do solo, retificando e canalizando rios e córregos, reduzindo as áreas de várzeas, tornando-se assim cada vez mais incapaz de lidar com esses eventos naturais (ROSS, 2001). De acordo com dados expostos na plataforma MapBiomas a mancha urbana cresceu 11% em 30 anos na Bacia Hidrográfica do Alto Tietê. As manchas urbanas são classificadas áreas predominantemente não vegetadas (MAPBIOMAS, 2020).

6Foi possível observar a consequência disso durante o dia 10 de fevereiro de 2020, quando a região metropolitana de São Paulo amanheceu parada devido a alagamentos e inundações em diversos pontos da cidade. Por conta disso, foram registrados 62 pontos de alagamentos, 36 ocorrências de desabamentos e 320 ocorrências de inundações, alagando vias importantes como a Marginal Pinheiros e a Marginal Tietê (CRUZ, 2020).

7As inundações e alagamentos são problemas que ocorrem frequentemente na RMSP, atingindo principalmente a população mais periférica. Porém, o evento em questão chamou a atenção por sua intensidade. Na cidade de São Paulo, o volume da chuva chegou a 114 mm em 24 horas, “caracterizando o 2° maior valor de chuva em 24h para o mês de fevereiro em 77 anos, só sendo superado pelos 121,8 mm ocorridos em 02/02/1983” (INMET, 2020).

8Contudo, eventos com essa intensidade poderão ocorrer com maior frequência. Devido as consequências das mudanças climáticas e da urbanização, eventos naturais extremos como tempestades e secas, irão ocorrer de forma mais intensa e frequente, se tornando um novo padrão para a região (MARENGO et. al, 2020). Também de acordo com matéria da National Geographic o Brasil já é impactado por eventos extremos resultantes das mudanças climáticas (DAMASIO, 2020).

9O Plano Diretor da Macrodrenagem do Alto Tietê, já em sua terceira revisão tem sido elaborado desde o ano de 1997. O plano reúne soluções para minimizar o impacto das ocorrências de inundações e alagamentos por meio de obras de infraestruturas como piscinões ou pôlderes nas margens dos rios e também indica ações não estruturais para adaptar a cidade e minimizar os danos causados pela inundação (DAEE, 2014).

10Mesmo tendo um orçamento de R$ 1 bilhão, a prefeitura de São Paulo utilizou apenas 48% desse valor para a realização de ações e obras para a prevenção contra enchentes e inundações, que incluem obras no sistema de drenagem urbana, contrução de novos piscinões, desentupimento de bueiros, ampliação do saneamento básico e cuidado com áreas de risco geológico, segundo matéria da Globo (AZEVEDO; GIANCOLLA, 2020).

11Seguindo o costume de agir em situação de crise, após as críticas anuncio a concessão para a manutenção e construção de novos piscinões (Zanini, 2020). Mas o problema requer soluções mais abrangentes que vão além de construções de piscinões ou polderes nas margens dos rios, uma vez que esses possuem eficiência baixa no controle de cheias (PEIXOTO, 2007).

12De acordo com a matéria feita pelo jornal Nexus, há iniciativas de alguns países em restaurar seus rios, permitindo que os mesmos recuperem sua forma natural. Tal iniciativa teve como benefícios: (i) redução ou fim de alagamentos, uma vez que se devolve o curso natural do rio, (ii) restauração do ecossistema local, (iii) melhora da qualidade de água; (iv) devolução do espaço e da função recreativa do rio (FREITAS, 2016).

13Uma iniciativa semelhante a essa foi a criação da APA Várzea do Tietê que teve como objetivo a preservação das várzeas do Rio Tietê, conservando os meandros do rio e restaurar a função ambiental da área, e atuar como reguladora das cheias do rio e minimizar as inundações nas áreas urbanizadas localizadas no curso do rio Tietê, conforme exposto em seu plano de manejo elaborado em 2013 (FF, 2013. p.p.75).

14Desse modo, depois de anos com os mesmos problemas que tendem a se potencializar com os efeitos das mudanças climáticas, faz-se necessário ir além de buscar as mesmas soluções para os mesmos problemas e repensar sobre uma nova forma da cidade em se relacionar com os seus rios, várzeas e as poucas áreas vegetadas ainda existentes para garantir um nível aceitável de segurança e qualidade ambiental para a população.

Haut de page

Bibliographie

ÁGUA, SUA LINDA. 10 Fev. 2020. Disponível em: https://www.facebook.com/aguasualinda/photos/a.393790754123352/1497180883784328/?type=3&theater. Acesso em: 22 Fev. 2020.

AZEVEDO, G. GIANCOLLA, C. Prefeitura de São Paulo usou apenas 48% da verba para prevenção de enchentes. G1. 10 Jan. 2020. São Paulo, 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/01/10/prefeitura-de-sao-paulo-usou-apenas-48percent-da-verba-para-prevencao-de-enchentes.ghtml?fbclid=IwAR3K8BZif-YkvoY3GBJmBJUufq9Bf2I6ESBEwmU0dpSJd_Ydz42bPZxICnM Acesso em: 21 Fev. de 2020.

CRUZ, F. Chuvas em SP: nível do Rio Pinheiros é o maior dos últimos 15 anos. Agência Brasil. 10 Fev. 2020. São Paulo, 2020. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-02/chuvas-em-SP-nivel-do-rio-pinheiros-e-o-maior-em-15-anos. Acesso em: 22 Fev. 2020.

DAMASIO, K. Brasil já sente impactos das mudanças climáticas e situação pode se agravar. National Geographic. 13 Fev. 2020. Disponível em: https://www.nationalgeographicbrasil.com/meio-ambiente/2020/02/brasil-ja-sente-impactos-das-mudancas-climaticas-e-situacao-pode-se-agravar. Acesso em 22 Fev. 2020.

DAEE – Departamento de Água e Energia Elétrica. Terceiro Plano Diretor da Macrodrenagem do Alto Tietê – PDMAT 3. São Paulo, 2014. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B8iXiItOrl5aZk1PempOYmNndzg/view. Acesso em: 22 Fev. 2020.

FREITAS, A. Contra alagamentos e poluição, países devolvem aos rios seu curso natural. Nexo. 28 Jan. 2016. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2016/01/28/Contra-alagamentos-e-polui%C3%A7%C3%A3o-pa%C3%ADses-devolvem-aos-rios-seu-curso-natural. Acesso em: 22 Fev. 2020.

FF - Fundação para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo. Plano de Manejo APA Várzea do Rio Tietê – Volume 1 - Principal. 5 vol. São Paulo, 2013.

INMET – Instituto Nacional de Meteorologia. Chuva das últimas 48 horas alcança os 157 mm em São Paulo capital e acumulado do mês ultrapassa média de fevereiro. 10 Jan. 2020. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=noticia/visualizarNoticia&id=250. Acesso em: 20 de fevereiro de 2020.

MAPBIOMAS. Publicação. 10 Fev. 2020. Disponível em: https://www.linkedin.com/posts/mapbiomas_chuvas-alagamentos-chuvaemsp-activity-6632837645070278656-btdd. Acesso em: 22 de Fevereiro de 2020.

MARENGO, J. A., ALVES, L. M., AMBRIZZI, T., YOUNG, A., BARRETO, N. J. C., & RAMOS, A. M. Trends in extreme rainfall and hydrogeometeorological disasters in the Metropolitan Area of São Paulo: a review. Annals of the New York Academy of Sciences. 2020. doi:10.1111/nyas.14307.

PEIXOTO, Nelson Brissac. O rio, a inundação e a cidade A várzea do Tietê como situação crítica.Estud. av. São Paulo, v. 31, n. 91, p. 157-170, Dec. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142017000300157&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 23 Feb. 2020. https://doi.org/10.1590/s0103-40142017.3191013.

ROSS, J. L. S. Inundações e deslizamentos em São Paulo. Riscos da relação inadequada sociedade-natureza. Territorium: Revista Internacional de Riscos. n. 8, 2001. DOI: 10.14195/1647-7723. Disponível em: https://impactum-journals.uc.pt/territorium/article/view/3503. Acesso em: 18 Fev. 2020.

ZANINI, F. Bruno Covas anuncia concessão de piscinões para iniciativa privada. Valor Econômico. 15 Fev. 2020. São Paulo, 2020. Disponível em: https://valor.globo.com/politica/noticia/2020/02/15/bruno-covas-anuncia-concesso-de-piscines-para-iniciativa-privada.ghtml ou as ferramentas oferecidas na página.

Haut de page

Table des illustrations

Crédits Fonte: Água, sua Linda (2020).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/26012/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 185k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Juliana A. S. Delgado, « A várzea e as enchentes », Confins [En ligne], 44 | 2020, mis en ligne le 15 mars 2020, consulté le 25 octobre 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/26012 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.26012

Haut de page

Auteur

Juliana A. S. Delgado

Mestra em Ciência Ambiental pela USP e Bacharel em Gestão Ambiental pela USP, jdelgado.ga@gmail.com,

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search