Navigation – Plan du site
Resenhas

Teorias e modelos nas ciências humanas: o caso da geografia

Théories et modèles en sciences humaines : le cas de la géographie
Theories and models in human sciences: the geographical case
Dante Reis Junior
Référence(s) :

Théories et modèles en sciences humaines : le cas de la géographie, de Franck Varenne, Paris: Éditions Matériologiques, 2018. 643p.

Texte intégral

O autor e o panorama geral da obra

  • 1 Para informações institucionais e acerca de suas demais publicações, sugerimos consulta aos sítios: (...)

1Franck Varenne é Doutor em História e Filosofia da Ciência pela Universidade de Lyon 2, e Maître de Conférences na Universidade de Rouen – onde, em seu Departamento de Filosofia, é encarregado de lecionar disciplinas tais como Teoria do Conhecimento e Filosofia da Linguagem. Especializado no tema da aplicação contemporânea da Matemática às ciências biológicas e sociais, Varenne, recentemente, foi incorporado ao Institut d’Histoire et de Philosophie des Sciences et des Techniques (UMR 8590), da Universidade de Paris 1 – Panthéon-Sorbonne. Tivemos a ocasião de conhecer Varenne quando, justamente, realizávamos uma pesquisa de pós-doutoramento junto ao IHPST – e testemunhamos, aliás, sua primeira apresentação formal ao grupo de demais pesquisadores em filosofia da ciência (Assemblée realizada no dia 13 de Março de 2018). Ali, no célebre Instituto que já teve como Diretores Abel Rey, Gaston Bachelard e Georges Canguilhem, o pesquisador, recém-vinculado à Equipe Logique, Langage, Philosophie des Mathématiques, pretende levar à frente seus estudos que, num plano geral, intentam desenvolver uma espécie de “epistemologia aplicada”, a partir da qual certas iniciativas de formalização e simulação (via matemática e computação) podem ser comparadas1. A casualidade de cruzar com um “não-geógrafo” interessado, precisamente, pelos aspectos teórico-metodológicos da Geografia foi agradável e surpreendente. Porque é notória a ausência da disciplina nos fóruns e manuais correntes em que se discutem a história e a filosofia das ciências em geral: nem ela suscita a atração de um olhar alienígena; tampouco seus olhares indígenas se sentem estimulados a ir ao encontro de epistemólogos de outras disciplinas. Neste sentido, é de enaltecer o empreendimento deste profissional que personifica a exceção de uma regra.

2O interesse de Franck Varenne pela Geografia provém de uma interação com geógrafos franceses que, há algum tempo, têm lançado mão de modelagens matemáticas como um recurso para formalizar a descrição de processos espaciais urbanos. Destaque para um coletivo de pesquisadoras que, transcorridas várias décadas, lograram inscrever a França no rol de países que possuem geógrafos interessados em tirar proveito do poder explanatório de modelos naturalistas: Denise Pumain, Thérèse Saint-Julien, Léna Sanders. A propósito, a primeira é quem assina o prefácio do livro de Varenne – e elogia sua inequívoca contribuição para “tracer une mémoire” das realizações em modelagem geográfica. E constituindo esse registro sobre feitos memoriais e correntes, o autor nos dá a entender (para nossa grata surpresa) que o “caso geografia” é aquele do qual talvez se possa justamente aguardar uma epistemologia “combinatória e integrativa” no círculo das ciências humanas e sociais.

3A publicação que radiografamos aqui porta exatamente sobre esse caso aplicado, que tanto nos diz respeito. É certo que, excetuando a cena anglo-americana, o tema da transposição de teorias e técnicas assentadas em linguagem lógico-abstrata (e concebidas, a princípio, para o tratamento de fenômenos físicos; às vezes, também biológicos) é bastante controvertido. Nos países suficientemente impactados pela tradição francesa, num momento, e pela teoria social crítica, num outro, a questão pode gerar polêmica. Trata-se do velho receio de que as analogias reducionistas venham a insinuar a operação de mecanismos com ar determinístico; o que, na impressão de muitos geógrafos (em especial os “humanos”), destituiria a realidade de determinados processos essencialmente “complexos”. Entretanto, a polêmica é sem razão. Porque mesmo que esses geógrafos relutantes sustentem a tese da complexidade dos fenômenos sociais a fim de manter barreira aos modelos matemáticos (o que é um tanto questionável, pois hoje sabemos haver dinâmicas bioquímicas bem mais complexas do que as que se passam nos universos político e socioeconômico), isso na realidade revela seu desconhecimento sobre a evolução das técnicas e formalizações teóricas. E, de fato, nas últimas décadas, vimos surgirem matemáticas que dão conta do amplo espectro fenomenológico: do que pareça ser perfeitamente previsível ao que aparente funcionar de modo completa e insolitamente aleatório (Helbing, 1995; Byrne, 2001; Burt, 2010) – o que, apesar de alguns de nós não estarem bem-informados a respeito, já enquadrou como irrelevante qualquer desacordo entre os adeptos de programas fortes “interpretativistas” em ciências humanas e aqueles que, costumeiramente, são chamados com certo escárnio de “positivistas”.

4Varenne parece bem advertido das extrapolações indevidas no ato transpositivo. Estudioso dos modelos de crescimento e aquisição de forma das plantas (que precisam incorporar a consideração de todo elemento ambiental), sabe dos riscos em enxergar plena similitude entre a historicidade aleatória dos sistemas sociais e o caráter estatístico da morfogênese vegetativa – ainda que o insight morfogenético legitime, em todo caso, um trânsito comum entre a Geografia e a Biologia teoréticas (o que William Bunge já havia percebido precocemente). A conduta mais equilibrada parecer ser, então, a de tomar modelos naturalistas num sentido heurístico; e concluir sobre seu potencial analógico conforme eles se provem úteis para formalizar aquilo que desejamos modelar. Aliás, Varenne mesmo sustenta que o chamado “espectro funcional neutro” dos modelos (isto é, as possibilidades que ele encerra, mas que restam inexploradas) é justamente o que deveria catalisar mais experimentos; os quais poderão redundar em inovação epistemológica. Contudo, é raro encontrarmos manuais de história e filosofia da Geografia que apresentem essa dimensão do debate epistemológico.

5No Brasil, como a maioria dos autores de textos versando sobre história e teoria da Geografia é alinhada com vertentes sociais críticas, os leitores ficam reféns de publicações que, normalmente, omitem a amplitude de significados da chamada “revolução teorética e quantitativa” em Geografia (RTQ). E daí ser comum ficarmos com a impressão de que se tratou de um empreendimento equivocado e breve. E que “modelo”, “matemática”, “simulação”... isso tudo pode ser reduzido a uma mentalidade tipicamente “quantitativista” – ou até mesmo “positivista”, na clássica e bastante infeliz abreviação. De hábito, então, os comentaristas que são pouco instruídos em história das ciências não se atentam aos detalhes inerentes à evolução paulatina das técnicas; e, sendo assim, sem conhecer os sucessivos giros ocorridos na direção de um refinamento, nem desconfiam que os recursos que antes eram realmente simplistas (num fisicalismo às vezes bem redutor) foram perdendo espaço para abordagens probabilistas, mais sensíveis à natureza dos comportamentos humanos em questão, sempre sujeita às circunstâncias. E que só com muitas ressalvas é que aqueles recursos relativamente rudimentares foram (re)aproveitados em momentos subsequentes. De igual modo, parece ainda haver uma insistência em generalizar no tempo o fato de que uma classe de abordagens cultivou mesmo a ambição (mais ou menos explícita) de deduzir teorias gerais, universalmente válidas; isto é, indiferentes a uma situação de contextos geográficos ou históricos distintos. Neste caso especial, os comentadores provam-se não esclarecidos de que, na realidade, essa epistemologia mais tradicionalista fora posta em xeque ainda nos anos 1950; e que, ao longo dos sessenta, os new geographers, no afã de tirarem proveito das abordagens matemáticas e sistêmicas, foram dando contribuições muito heterogêneas – impossíveis, na verdade, de serem consignadas a uma epistemologia perfeitamente singular. E isso se deveu ao fato de que eles exercitaram contínuas experiências de aplicação de técnicas. Muito ilustrativo é o caso da gradativa aclaração sobre o quanto era, afinal, impossível de estabelecer uma rigorosa distinção entre os modelos, no quanto eles eram eficientes em ajustar o teórico ao empírico (posto que, a depender da qualidade das amostragens e dos testes estatísticos selecionados, nenhum modelo resultava incontestavelmente melhor que outro). E Varenne faz um esplêndido exame sobre essa questão.

6Na verdade, a querela sobre o suposto caráter positivista dos procedimentos metodológicos introduzidos pela New Geography já foi bastante bem esclarecida por autores como Ron Johnston (1986) e Rob Kitchin (2006). Este segundo, por sinal, sugere que talvez fizesse mais sentido se usássemos o adjetivo “positivist” apenas quando a adoção do método sistemático previsse uma reflexão consciente sobre seus fundamentos filosóficos (“conscious reflection on its philosophical underpinnings”). E, sendo assim, propõe que, em havendo um simples reconhecimento de seu mérito, deveríamos optar pelo termo “positivistic” para qualificar os geógrafos que, apesar de apostarem na robustez relativa que o método científico oferece, hesitam em adotar o aspecto, por assim dizer, mais doutrinário do positivismo (Kitchin, 2006, 24). Do ponto de vista linguístico, o problema é que não dispomos, na língua portuguesa, do adjetivo “positivístico” – embora, sem dúvida, um tal neologismo nos fosse útil para evitar que a etiqueta “positivista” estigmatizasse toda e qualquer iniciativa sistemática, sem discerni-las em seus detalhes. Ademais, o cuidado que devemos ter em não sair rotulando, para além dos procedimentos, as próprias referências teóricas utilizadas pelos autores, pode ser exemplificado pelo caso do clássico artigo de Ronald Golledge e Douglas Amedeo, On laws in geography (1968) – texto citado pelo próprio Varenne, além de por Johnston e Kitchin. É que a dupla havia utilizado como uma de suas referências um manual de filosofia da ciência escrito por ninguém menos que o matemático Gustav Bergmann (1906-1987); um “junior member” do Círculo de Viena (Sigmund, 2017). Porém, aquele autor austríaco a que recorreram – autor de obra editada no final dos anos 1950, Philosophy of Science (Madison, University of Wisconsin Press, 1957) – já não era o mesmo Bergmann de antes da emigração para os Estados Unidos, que ocorrera havia cerca de duas décadas. Aliás, alguns anos antes da edição do manual empregado pelos geógrafos Golledge e Amedeo, Bergmann já havia publicado The Metaphysics of Logical Positivism (1954), em cujo prefácio o autor deixa claro o quanto vinha tentando “se livrar da influência do positivismo”, que ele associa a Rudolf Carnap (embora mencione que sua radical discordância não afetara a “gratidão” e a “admiração” pelo colega). Nesse sentido, não seria incorreto afirmar que os geógrafos que puderam conhecer Bergmann na Universidade de Iowa (Fred Schaefer, por exemplo) interagiram com alguém cuja visão de ciência, embora pudesse ter conservado certas linhas gerais normativas, provavelmente tinha sido depurada desde os tempos do movimento vienense.

7Uma publicação algo semelhante ao livro de Varenne vinha a público vinte anos atrás. Era a Modelagem de Sistemas Ambientais, de Antonio Christofoletti (1999). Com a devida ressalva de que não se tratava ali, obviamente, do caso geografia humana, no livro o autor compila o conteúdo de textos que publicara desde os anos 1970; traçando o panorama das abordagens sistêmicas clássicas e modernas, demonstrando casos de aplicação e sugerindo extensões potenciais. Isso tudo para o temário físico-ambiental da disciplina – muito embora, ardilosamente, Christofoletti sugira que a modelagem naturalista poderia ser replicada na explanação de fenômenos urbanos e na descrição de processos complexos, como o da globalização da economia. O autor quer nos dar a entender que a RTQ não havia sido algo meramente passageiro (e que ela mostraria sua fecundidade tão logo os geógrafos, anos à frente, percebessem a utilidade dos modelos neo-sistêmicos – sobre “caos”, “bifurcações” e “fractalidades”); porém, a obra de Christofoletti é pobremente calçada em literatura filosófica e, por essa razão, se bem que possua uma indisfarçável assinatura “metodológica”, não chega a possuir uma credencial perfeitamente epistemológica. Bem diferente da legendária publicação – “cinquentenária” este ano, por sinal – Explanation in Geography, em que David Harvey (1969) passa em revista os marcos teóricos fundadores da disciplina, acercando o quadro de nossos princípios e dilemas ao temário elementar da Filosofia da Ciência (FC); o que foi bastante original naquele contexto. Harvey apoiara-se em autores sugestivos, tais como R. Carnap, Carl Hempel e Ernest Nagel. O problema, contudo – bem apontado por Varenne –, é que a epistemologia que os autores parecerão querer convocar para o alicerce da nova Geografia (Harvey, Christofoletti etc.) pouco tinha a efetivamente contribuir no já alvorecer dos anos 1970. Ou seja, o que Varenne nos insinua, com razão, é que se ao Harvey de 1969 tivesse ocorrido a ideia de farejar melhores préstimos interpretativos junto a epistemologias que vinham se esforçando em superar o critério tradicionalista da lógica proposicional (em que o valor das teorias reside em sua estrutura formal, sintática), é bem provável que elas teriam colaborado a que o autor avaliasse melhor as reais potencialidades das formalizações matemáticas. Ele, por exemplo, teria percebido as efetivas possibilidades de uma teorização assentada em mais de uma linguagem; atenção que Brian Berry soube ter com seu método matricial. Por conseguinte, Harvey talvez não terminasse as rejeitando “em bloco”, rumando ao marxismo – simplesmente porque não pôde apreciá-las com o devido auxílio de uma epistemologia mais amplificada. Ou seja, se no lugar de Carnap, Hempel e Nagel, os new geographers de primeira hora tivessem lido um tipo de FC que, na época, já desembocava em trabalhos arejados, como os de Willard Quine, Norwood Hanson e de Patrick Suppes (ou, então, que gestava correntes mais interessantes – a vir a dar em perspectivas como as de Bas van Fraassen, de Ian Hacking ou de Frederick Suppe), eles poderiam ter contribuído a que a geografia humana mantivesse salvos os valores do “logicismo”; o qual não é uma exclusividade do positivismo lógico.

8Varenne é consciente: porque a Geografia parece ser um campo de estudo em que é forçoso considerar uma população humana participante ativa na definição de um espaço organizado, é que muitos pesquisadores se mostram temerosos com respeito a procedimentos de formalização. Como é possível, afinal, que um recurso a artefatos lógico-abstratos prove-se útil para tratar de um espaço “humanizado”, de “pratiques spatiales humaines”? Bem, Varenne também consciente está: se a geografia humana lida com sistemas de interações múltiplas (em escalas e intensidades variadas), e se as entidades que estuda são sempre relativas a um sistema técnico e econômico historicamente oportunizado, essa “complicação” justamente o que não deve fazer é nos desviar da meta de formalização! Daí o autor centrar sua atenção na história da RTQ, que ele parece achar mais conveniente denominar (dado o caráter múltiplo de seus produtos) “révolution des modèles”, “géographie de formalisation” ou mesmo “géographie de théorisation et de modélisation” (GTM).

9O grande privilégio em poder acessar a grade interpretativa de um filósofo da ciência sobre nossa disciplina reside no fato de, por ela, conseguirmos aceder a um olhar especialista que estará precisamente apto a corrigir nossos deslizes, quando nos lançamos a um exercício epistemológico. Em especial, devemos mencionar o caso do grau de reciprocidade entre esquema metodológico, sentido epistemológico e natureza ontológica dos procedimentos. Para Varenne é equivocado insistir na determinação daqueles primeiros por esta última – como se a “essência” do objeto estudado fatalmente nos encaminhasse para uma estratégia investigativa (e não outras); ou como se a tática executada para sua análise inexoravelmente remetesse à ideia que se possa ter sobre o seu ser: “il est souvent trompeur de croire que les scientifiques partent d’une onthologie, d’une méthaphysique des sciences ou d’une épistémologie complètement claires [...] pour ensuite seulement en tirer une méthodologie” (Varenne, 2018, 608). Aliás, a propósito dessa interessante questão, o autor, na quarta seção do livro, comenta tipos de modelo preditivo que deteriam ontologia mínima ou nula. Se é verdade que uma dada ontologia possa ser evocada para legitimar certos métodos, não desponta daí que o progresso das técnicas ou dos esquemas de representação não possam possuir autonomia com relação à metafísica. Na realidade, Varenne considera esse tipo de querela “paralysante”; mas, infelizmente, ainda recorrente.

Aujourd’hui encore, aux yeux de beaucoup, la métaphysique des sciences continue à faire fond sur cette hypothèse traditionnelle [...] que nous croyons fausse [...] que son étude doit venir avant celle de la méthodologie et de l’épistémologie appliquée et qu’elle doit donc les déterminer. [...] la méthodologie n’est jamais logiquement ni strictement ni uniformément imposée par une conception philosophique ou ontologique de l’objet que l’on étudie. (Varenne, 2018, 24).

10Como bem nos lembra Varenne, essa ideia de imposição ou determinação ontológica pode estar na raiz das resistências decorrentes; particularmente, as manifestas nos coletivos de geógrafos críticos e humanistas – junto aos quais, por conseguinte, certas modalidades de formalização tendem a encontrar um clima de hostilidade. Sua inquietação estaria baseada em dois mal-entendidos; quais sejam: (i) que um virtual defensor das modelagens, à vista disso, assume existir um determinismo naturalista, e (ii) que o usuário de modelos, por consequência, recusa ver a Geografia como uma ciência idiográfica. Com efeito, quando assumimos que há uma boa margem de desprendimento das metodologias em relação às visões filosóficas mais essencialistas, conseguimos divisar melhor que, muitas vezes, é o avanço independente dos instrumentos (“affinement méthodologique”) que poderá operar uma retificação posterior de nossas epistemologias e ontologias. Sendo assim, é mais útil enxergarmos nas novas técnicas concebidas e postas em execução uma feliz oportunidade para enriquecermos nossas práticas científicas; e não que isso tenha de significar uma postura definitiva e universalmente válida – tampouco uma escolha consciente e deliberada de um entre tantos “ismos” (“réalisme”, “constructivisme” etc.). Por sinal, na última seção do livro, quando é analisado o incrível pioneirismo contido nas realizações epistemológicas de Torsten Hägerstrand (1916-2004), Varenne ratifica a ideia, e validando-a precisamente para o caso da história desse personagem sueco:

Le choix pour le formalisme de l’aléatoire plutôt que pour la formalisation du déterminé peut cependant relever soit d’un engagement ontologique sérieux et motivé (réalisme de l’aléa versus réalisme du déterminisme) soit d’une question de point de vue, en l’occurrence d’une question d’échelle (perspectivisme, constructivisme). Le choix pour l’aléa peut ainsi être considéré tantôt comme la marque d’une métaphysique réaliste particulière, tantôt comme une formalisation portée par un esprit constructiviste. (Varenne, 2018, 593-594).

11Outra grande vantagem inerente a essa recepção de um escrutínio alienígena está na possibilidade de conseguirmos detectar um maior número de detalhes que nós mesmos, praticantes da ciência sob análise, “de dentro”, não alcançamos perceber com grande nitidez. Matizes, ricas diferenciações, aditivadas (no caso de Varenne) por uma ótica de filósofo da ciência que já avaliou outros campos do conhecimento. Quantos geógrafos que trabalham com modelos têm claro o fato de que as simulações ensaiadas ao longo da história da disciplina podem ser bem distinguidas em tipos? “Simulação de sistema”; “simulação de modelo”; “modelo de simulação”. E quantos deles têm claro que são várias as funções que um modelo pode cumprir (e que, a depender do caso, essas funções podem ou não ser incompatíveis entre si)? O interessante é que essa constatação ajuda a desconstruir também aquelas renitências, na medida em que nem sempre os olhares censores estarão dispostos a acompanhar o ritmo evolutivo daquilo contra o quê se colocam; preferindo simplesmente virar as costas. Neste sentido, a proliferação das técnicas e, mais do que isso, o requinte que algumas delas vão adquirir na linha do tempo, lhes passarão despercebidos. Estarão, portanto, desatentos ao fato de que, mesmo podendo ter sido não inteiramente satisfatórios os primeiros ensaios de reprodução de modelos (naturalistas, matemáticos), a espera pelos avanços tecnológicos terminou demonstrando que o desafio da formalização foi bem recompensado pelo advento de modalidades cada vez melhor adaptadas e mais sensíveis à ordem de fenômenos pertinentes às ciências sociais. Isso recoloca, de certa maneira, o debate sobre o nexo entre as práticas científicas e seus (supostamente subjacentes) sistemas filosóficos. Porque se a análise crítica restringe-se a um momento meramente inaugural – e ali ela detecta, digamos, uma epistemologia positivista –, não terá condições de, uma vez que decidisse acompanhar a evolução dos métodos, notar que, a bem dizer, a concepção filosófica sobre como o conhecimento é produzido (em termos demonstrativos, explicativos, preditivos) cambiou sensivelmente. Logo, voltaríamos a insistir, é sem real respaldo que o rótulo “positivista” prossegue na literatura; posto que para o estado mais recente das formalizações essa filosofia tradicionalista em FC já se apresenta como muito limitada. Por mais que, por exemplo, o anseio preditivo se mantenha, ele agora está melhor calçado num arsenal que pode dar conta de sistemas complexos; que preveem dinâmicas caóticas e de emergência.

12Com Théories et Modèles en Sciences Humaines: Le cas de la géographie, publicado no ano passado, o autor objetiva propor uma análise dúplice (histórica e comparativa) de certos desenvolvimentos metodológicos que terminaram sendo assimilados (mas também retroalimentados) pelo âmbito da geografia humana. E eis a hipótese que quis testar: os geógrafos veem sua disciplina entrar, massivamente, na era das técnicas de simulação a partir dos anos 1990; porém, isso não redunda em que tenham optado por uma dada filosofia – por exemplo, necessariamente tendo assumido uma postura “realista”, presumindo que teriam entendido os elementos da estrutura teórica como perfeitos retratos dos elementos observacionais. Neste sentido, a publicação enquadra-se (e o próprio autor deseja deixar claro) como uma “epistemologia aplicada”: as inovações metodológicas – estampadas estas no conjunto crescente de modelagens e de abordagens teóricas – são avaliadas no quanto revelam distinções epistemológicas, sejam elas tênues ou mais encorpadas. Ou, colocando noutros termos, o que Varenne quer dizer é que, se nos restringimos a uma epistemologia “teórica” eminentemente, bloqueamos todo o sentido de “innovatiom épistémologique” que as escolhas técnicas do cientista podem encerrar.

13E Théories et Modèles é um daqueles livros que, em torno de um objetivo central, acaba cumprindo duas simultâneas funções: almejando praticar uma epistemologia “ativa”, tanto quer falar aos cientistas humanos de uma filosofia dos modelos teóricos, quanto quer apresentar aos filósofos da ciência (já instruídos em modelagem matemática) o caso fértil das ciências sociais. A obra é, neste sentido, um point de rencontre. E que pode a todos apontar que, em se tratando de práticas de teorização e modelagem, talvez sejam detectáveis grandes “princípios unificadores”.

14Por “épistémologie active” Varenne entende a proposição de uma FC que poderia ser, como já dissemos, “aplicada”. Isto é, não apenas teórica (aquela que tende a priorizar definições conceituais), nem estritamente pragmática (a que privilegia a descrição da utilidade dos métodos). E é quando então, na visão do autor, a Geografia figura como um caso esplêndido para praticar essa epistemologia diferenciada. Porque o que tornaria para alguns desencorajador pôr a disciplina na alça de mira da FC (sua imagem de um campo de procedimentos tão heterogêneos e discrepantes) é o que, precisamente, incentivou Varenne a ver na Geografia um excepcional exemplar para sua abordagem: “c’est la géographie qui, parmi les sciences humaines, a été à l’avant-garde de ces techniques aujourd’hui en plein essor” (Varenne, 2018, 44). De outras ciências sociais, como a Economia, embora também se possa dizer que tenham experimentado progressos metodológicos à medida que novas matemáticas foram sendo incorporadas, elas, segundo Varenne, diferentemente da Geografia, não chegaram a ver um refinamento tão substantivo em termos de diversificação de modelos.

[...] s’il devait exister un domaine scientifique suffisamment unifié dans ses problématiques mais suffisamment divers – voire le plus divers possible – dans ses méthodes, cela pour qu’il soit à même de tester notre thèse d’une grande diversité des techniques de modélisation en même temps que notre capacité à les classer, malgré cela, de manière compréhensive, c’est ce domaine que nous devions choisir. La géographie était a priori la science candidate la plus apte à satisfaire ce critère. (Varenne, 2018, 17).

15Ela mesma, Geografia, “science carrefour”, sempre à procura de métodos úteis, tomando-os de empréstimo junto a outros domínios, terminou se provando “a mais apta das candidatas”! Porque, ironicamente, o que era para ser, a princípio, um concreto obstáculo à formalização – a espantosa diversidade de objetos e mecanismos que possuem relevância em Geografia –, foi urdindo, ao longo dos anos, a promoção dessa disciplina excêntrica à classe de ciência bom-exemplar: nela podem intercorrer, frutuosamente, os expedientes da matemática e da informática. E Varenne enfrenta o perigo de contribuir à epistemologia da Geografia – ciência das dinâmicas espaciais complexas – sem ser geógrafo. Elege a géographie humaine como foco de atenção, e debruçando-se sobre um caso indubitavelmente fértil: o giro quantitativista e teorético (“tournant quantitativiste et théorique”). Mergulhou na literatura geográfica, identificou a bibliografia mais icônica nas discussões metodológicas (as mais citadas, influentes, reconhecidas, ao longo de pelo menos quatro décadas), e ali soube capturar as questões-chave que deram (e ainda dão) os contornos teóricos de nossa disciplina; temário que está por trás das ações dos geógrafos, quando estes desenvolvem instrumentos ou defendem práticas. A mira numa abordagem de conjunto; o propósito combinatório; o anseio da síntese; o compromisso com a intersecção de saberes. A identificação de processos não-lineares, de estruturas funcionais, de causas de possíveis disfunções. O autor tem o discernimento de avaliar as literaturas anglo-saxônica e francesa; por isso, consegue atestar certos contrastes notáveis entre as duas tradições geográficas – das quais derivaram, é claro, debates e leituras não coincidentes; por exemplo, acerca do caráter compósito do objeto da Geografia, e o quanto ele inviabiliza a consideração de padrões espaciais replicáveis. Mas a mesma mirada ampla sobre as publicações permitiu que Varenne também inferisse a amplitude alcançada pelos estudos epistemológicos em Geografia. Uma conclusão a que chega teríamos de levar bastante a sério: com frequência esses estudos se reduzem a debates que, apesar de instigantes, podem não ser os aspectos mais decisivos para a prática científica (ou, então, os sendo, talvez não os estejamos explorando do modo mais proveitoso). Determinismo ambiental versus voluntarismo cultural; busca de leis vs. particularismos regionais; excepcionalismo vs. ciência de síntese. Debates que, a valer, são tão estimulantes quanto estéreis.

A estrutura da obra

16Além das seções introdutória e conclusiva, o livro está composto de quatro grandes partes; as quais compreendem, ao total, quinze capítulos e cinquenta e nove subcapítulos. De grande fôlego, o livro se estende por mais de seiscentas páginas. Numa avaliação bibliométrica, verifica-se o recurso a um total de quatrocentas e oitenta fontes. Das quais cerca de duzentas e trinta são diretamente vinculadas à Geografia (teorias e aplicação de técnicas). O restante da literatura diz respeito a bibliografias sobre filosofia da ciência (121 itens), história da ciência (42), técnicas preditivas e análises estatísticas e probabilísticas diversas (28), teoria dos sistemas (22), formalismos matemáticos e simulação computacional (21), aplicação de matemática a temas de biologia (total de 11 itens). Com respeito à grade analítica empregada por Varenne, a fim de fazer suas ponderações sobre o desenvolvimento e o uso de modelos em ciências humanas, chama a atenção o fato dela não omitir os vários matizes da FC – o que parece imunizar o autor contra os reducionismos típicos da opção por um ou outro viés. Assim, dentre os cento e vinte e um itens bibliográficos mencionados acima, encontramos tanto nomes representativos de epistemologias relativamente tradicionalistas (Richard Braithwaite, Mario Bunge, Nelson Goodman, Hans Reichenbach), quanto nomes já mais condizentes com estilos de FC abertos a novas perspectivas (George Canguilhem, Nancy Cartwright, Thomas Kuhn, Stephen Toulmin).

Figura – Amostra de autores da Geografia consultados, segundo natureza de suas publicações

Figura – Amostra de autores da Geografia consultados, segundo natureza de suas publicações

[organização nossa]

17Na “Partie I”, o autor expõe os elementos fundamentais para a análise que realizará; procedendo a definições de base e classificações. Trata ali das questões “teoria”, “lei”, “mecanismo”, “modelo”, “simulação”; explicando ao leitor, por exemplo, as adaptações que autores da Geografia tentaram fazer a partir de suas apropriações de manuais de FC. Haveria, afinal, “tipos” de teorias e “tipos” leis para o caso geográfico? E, numa apreciação detalhada sobre as realizações sucessivas em modelagem e tratamento computacional, chega à interessante conclusão de que os diversos tipos de modelo surgidos somariam cerca de vinte “funções epistêmicas” diferentes – entre classes genéricas e especiais. E Varenne as denomina, respectivamente, “grandes fonctions” (cinco tipos) e “fonctions spécifiques” (vinte e um subtipos). Dentre as “grandes” funções estão as de serem “facilitadoras” (de uma observação controlada ou de uma ação, por exemplo); e dentre as específicas, a de servir de campo de prova para investigações e a de representar as relações do sistema, propiciando um acesso à sua tradução empírica. Além de três espécies distintas de simulação (numérica, algorítmica e informática) – tema especial que Varenne desenvolve melhor na última parte da obra. O autor aclara essa questão dos modelos, quanto aos quesitos hierarquia e pluralismo de funções: o modelo, uma vez formalizado, necessariamente vai possuir uma só função epistêmica? Poderão ser várias e simultâneas? E quando transladado o modelo, de uma ciência à outra, mantêm-se as funções? A conclusão do autor – trazida bem à luz só mais adiante no livro – é que há (e felizmente) uma grande abertura à combinação de funções; o que jogaria a favor de uma conciliação entre elas.

18A segunda parte, assim como as terceira e quarta, tem um acentuado caráter de levantamento histórico. Mas Varenne procura nos oferecer, por ele, um conteúdo demonstrativo das motivações que levaram os personagens a optarem por determinados estilos de procedimento ou sistema de ideias, a contar do período de pós-guerra. Quer dizer, o autor indica que os contextos e anseios jogaram na definição de um certo transcurso evolutivo das técnicas; e que esse transcurso representou o compromisso com uma lógica de método e de produção de conhecimento. Somos esclarecidos, afinal, sobre as ações arrojadas que procuraram converter as ambições pouco práticas do passado em metas mais eficientes e resolutivas (vide a clássica aspiração de ser uma ciência excepcional ou de síntese – o que deixara a Geografia tempo demais na dependência de outras disciplinas). E Varenne apresenta aí os textos fundadores. Dos que anteviram o ganho em rigor das análises quantitativas (os precursores hidrologistas) aos que apostaram nas possíveis saídas teóricas via física matemática. Avalia a razoabilidade das diferenciações entre o que é geografia quantitativa e geografia teórica; e entre o que é geografia teórica e geografia de modelos. Aprecia o quanto mudaram o objeto e a perspectiva das investigações em Geografia: a valorização das interações (suplantando as antigas “situações”) e das propriedades abstratas (privilegiando a ideia de “padrões” conformados por arranjo geométrico). Trata da replicação de práticas constatadas em outras ciências e das migrações de conceitos e de tipos de formalização da Física para a Geografia. Por isso, esse capítulo, em tom historiográfico, aborda a progressão dos formalismos matemáticos (dos geométricos aos topológicos e estocásticos), acabando por nos informar das etapas vencidas gradualmente: a busca de leis e formação de teorias (fase inicial daquilo que, à época, se entendeu ser uma “révolution quantitative”); o trabalho com modelos matemáticos (segunda etapa); e o engajamento com modelagens mais complexas (fase de desenvolvimento de simulações, graças ao avanço do instrumental em informática). Uma questão levantada por Varenne toca especialmente a discussão sobre o caráter pragmático do emprego de modelos formais. Isso porque, quando da migração de um tipo de formalismo de uma ciência à outra, a função epistêmica que detinha no campo disciplinar de origem pode ser alterada. Daí, mais uma vez, ser precipitado rotularmos como defensores de uma física social aqueles geógrafos que tomaram de empréstimo modelos da Física, se estes apenas perceberam no formalismo em questão um modo útil de desenvolver as descrições. Em outras palavras, a natureza de um modelo que se viu transladado por razões eminentemente pragmáticas não impõe, univocamente, uma precisa função. Os cientistas, diante de exigências circunstanciais, estão livres para encontrarem formalizações que lhes facilitem uma mediação. Nos anos 1960 elas eram simples, realmente. Hoje, geógrafos podem se sentir satisfeitos com um arsenal mais complexo e de melhor resolução; favorável, assim, à incorporação do espaço às modelagens de simulação.

19Na “Partie III”, Varenne dá destaque às duas manifestações principais dos primeiros exercícios de teorização e modelagem por geógrafos humanos: a economia espacial e a geografia urbana. E é elucidado o quanto a transição entre uma etapa preliminar, caracterizada pela reprodução de formalizações matemáticas capturadas da Física (por exemplo, os modelos gravitacionais), e uma fase um pouco mais sofisticada, favorecida pelo universo expansivo da computação (com as ideias já de “algoritmo” e de “linguagem de programação”), foi decisiva para confirmar que a aposta desses novos geógrafos valera a pena. É que certas expectativas iniciais foram se provando excessivas; resultando dessa constatação um entendimento mais condizente (menos pretensiosamente global, mais interpretativo) sobre o sentido em ainda se falar de “lei” e “teoria” nas ciências sociais. É quando também, em publicações já dos anos 1960, os geógrafos vão compreender que o excessivamente simples nem sempre constituía um meio seguro de representar o essencial – e daí, por conseguinte, o feliz palpite de que um termo que viesse a cumprir uma função precisamente instrumental (“modelo”) poderia resultar numa ferramenta útil, posto que já incorporando em si a noção de limitação. Varenne nos informa aí que um dos grandes valores dos modelos é o de nos conseguirem oferecer sua função teórica, sem que, por isso, eles precisem deduzir leis.

20Varenne passa em revista os feitos naqueles dois domínios, comparando, com excelente detalhismo, as alternativas advindas. Modelos estáticos, genéticos, integrativos; modelos sobre optimum econômico, sobre crescimento alométrico, sobre dinâmica estocástica. E explora suas diferenças em termos de função epistêmica. Aponta que, enquanto um grupo deles provou-se mais apto a promover explicações (sobre a gênese das formas urbanas, por exemplo), e outro estava mais capacitado a nos indicar elementos para uma compreensão dos fenômenos (a “razão de ser” das mesmas formas), um terceiro tipo intentou superar a oposição “explication versus compréhension”, conservando os aportes de epistemologias precedentes, mas vencendo os limites que elas apresentavam – caso, por exemplo, das contribuições sintéticas (se não revolucionárias, ao menos reformistas) que Peter Allen e Denise Pumain deram à modelagem urbana, entre os anos 1970 e 1980. Foram modelos sobre estrutura de cidades (tamanho e hierarquia) e distribuição de atividades. O autor expõe que algumas epistemologias detiveram certo tom neokantiano, presente na ideia de que as teorias poderiam ser construídas a partir de conceitos a priori (“princípio de ordem”, “centralidade” etc.); já outras apresentaram certo ar neopositivista, com o entendimento de que a estrutura teórica poderia ser subdeterminada, por indução, a partir de leis empíricas – e sem a necessidade de conceitos intuitivos. Outras, ainda, inspiraram-se numa economia matemática sensível às múltiplas formas de decisão e suas complexas interdependências.

21Varenne não esquece, contudo, de nos apresentar os exemplos mais notáveis de discursos censores, antagonistas, surgidos simultaneamente (ou com algum lapso) aos empreendimentos teoréticos e quantitativos. Entendemos que Varenne joga limpo com o leitor, expondo que, sob certos ângulos, as repreensões acertavam seu alvo – e Pierre George (1909-2006) é mencionado como personificação ilustre desses olhares críticos, incomodados com o que entenderam se tratar de “mito do número”. Porque o geógrafo pode realmente ficar exposto a “armadilhas” (des embûches) quando da análise numérica de dados; por exemplo, a de acabar evadindo-se do campo da Geografia, acreditando poder praticar com igual competência instrumentos próprios de outros domínios. Por outro lado, é convincente em nos lembrar que muitos dos questionadores, na verdade, se encontravam desprovidos de um aparato analítico que lhes teria favorecido, provavelmente, notar e reconhecer nos empreendimentos teoréticos e abstracionistas uma fonte de novos subsídios à prática geográfica. Assim destituídos, onde podia ser encontrado um projeto epistemológico pragmático, sem pretensões metafísicas, enxergaram falso perfeccionismo, subserviência disciplinar, e mesmo um alinhamento com a ideologia do cientismo. Então, se a simbologia lógico-abstrata fracassava realmente em dar manifestação à “essência” daquilo que se propunha a simbolizar, é que, talvez, nem houvesse mesmo “forças” subjacentes a serem reveladas.

[...] on ne peut qu’être frappé par la multiplicité des arguments critiques qu’il [Pierre George] a développés mais aussi par la compréhension assez restrictive qu’il a encore des notions de théorie, de loi et de modèle en sciences humaines. C’est comme s’il n’avait pas pu ou pas su prendre complètement la mesure des innovations méthodologiques qui s’opéraient pourtant sous ses yeux: pour lui, modèles de données, modèles de corrélation, modèles conceptuels, modèles de théorie, modèles pour une théorie, modèles théoriques, tout cela était tout un ou tendait à former une seule et unique chose quel que soit le contexte épistémique de développement du modèle en question. C’est qu’il ne disposait pas d’une épistémologie suffisamment discriminante [...] (Varenne, 2018, 374).

22Por fim, na quarta e última “partie”, frisa uma relevante perspectiva, nem sempre explorada pelos manuais de história do pensamento geográfico: o aspecto igualmente revolucionário dos computadores no giro metodológico (“révolution computationnelle”). Afinal, a mínima função que o instrumento podia realizar era o valoroso tratamento da massa de dados que, com uma variedade e quantidade crescentes, passaram a estar à disposição dos cientistas de pós-guerra. O computador não só acelerava o processo das antigas técnicas analíticas; ele as amplificava, posto que o campo de suas possibilidades dimensionais se viu multiplicado. Além do mais, ele se provava imensamente útil para realizar a transformação informativa dos modelos teóricos disponíveis: podia agora modelá-los graficamente! Aprofundando a exposição que já havia feito na segunda parte do livro, o autor aborda cada uma das três fases da revolução computacional; etapas que foram surgindo paralelamente e não chegaram a ser substitutivas, apenas se colocando como circunstancialmente dominantes uma em relação à outra. Varenne passa, então, a matizar as formas assumidas por esse meio, que se revelou fabuloso, de tratar informações: (i) a análise de dados em massa (quando o intensivo recurso a técnicas estatísticas põe as matemáticas descritivas na dianteira); (ii) a apresentação lógica de dados (via representação matricial, modelos digitais de terreno, sistemas de informação etc.); e (iii) as simulações computacionais – o autor nos brindando aqui com uma exposição comparativa bastante esclarecedora acerca dos tipos de simulação (dos mais simples, àqueles baseados em multi-aspectos e em multi-níveis). E lucramos conhecer, pela intercessão de sua abordagem comparativa, as contribuições realizadas a partir das cenas anglo e francofônicas. Por aquela primeira fase (“analyse statistique des données”), o que os computadores executaram foi sobretudo uma representação matemática, mediante o emprego de técnicas que favoreceram duas espécies de função epistêmica: condensar informação e facilitar a compreensão dos dados, de modo a, eventualmente, preparar uma etapa conceitual. Embora tenha havido ali um risco de confusão, a modelagem dessa fase não autorizava ainda inferências causais; isto é, a função epistêmica da explicação não era o que estava em jogo, tão somente uma capacidade de medir a “plausibilidade” de hipóteses causais (e convinha não confundir essas distintas faculdades do instrumento). Na segunda fase, que Varenne qualifica como de “présentation des données”, outras funções epistêmicas são alcançadas: os modelos conseguem dar visibilidade aos dados geográficos, permitindo a apreensão de suas variadas características e relações (em diferentes escalas, ademais). Para isso, foi decisivo o contexto de desenvolvimento do que ficaria conhecido como modelo digital de terreno, viabilizando uma verdadeira “informatique géographique”. Trata-se, como Varenne insiste, de um giro epistemológico ocasionado por uma cartografia agora deslocada para o ambiente computacional. É quando o autor exalta o papel de Waldo Tobler (1930-2018), pioneiro nessa “cartographie sur ordinateur”. Por fim, a terceira fase marca já o que seria um novo marco nas possibilidades de formalização, oportunizado justamente pela informática e suas novas linguagens de programação – tornadas mais flexíveis. Era a “analyse par synthèse”. Nesse momento, segundo Varenne, o instrumental, mais que simplesmente analisar números, possibilitava programar ideias (“modéliser des idées”). Por conseguinte, o que o autor procura nos comprovar é a inesperada vocação desse gênero de simulação: ele oferta um maior número funções simultâneas – sua “plurifonctionnalité épistémique”. Cabe ressaltar a atenção que o autor chama para o importantíssimo papel jogado por Torsten Hägerstrand. Não damos o devido relevo a este personagem que, tendo lidado com a ideia de modelos simulados, simplesmente antecipou, nos anos 1950, uma espécie de formalismo que teria ainda de atravessar um certo tempo de maturação. O sueco, trabalhando com simulações de fenômenos geográficos, faz nada menos que fundar um novo paradigma de modelagem. E foi pioneiro em alertar que a baixa resolução informativa numa dada escala não implica em reencontrar desinformação ou nitidez débil noutra escala – ou, colocando noutros termos (e ainda que pareça contra-intuitivo), considerar a singularidade do individual não impede que testemos mecanismos que, no final, venham a se provar validados para toda a população. Hägerstrand, sem dúvida, foi clarividente em intuir a possibilidade de buscarmos modos formais de explicar e prever dinâmicas espaciais (no caso, tratando de “difusões” – que não seriam, a seu juízo, um mero fluxo; e sim uma propagação que possui leis próprias). Ademais, demonstrando precocemente que, no ambiente de computação, simulações podem ser feitas sem a exigência de representações matemáticas preliminares. E esteve atento a um fato: a sociedade sabia estar diante de problemas urgentes. Logo, Hägesrtrand enxergou que havia ali uma clara demanda social por intervenções preditivas. Sua teorização sobre processos de difusão saberia, por isso, dar a devida ênfase no papel que os homens têm nessa dinâmica de mudança – para além das místicas em torno do que pareça ser natural ou histórico, aleatório ou determinado, individual ou populacional, singular ou universal. Vendo-o como meio auspicioso, Hägerstrand percebera no computador uma via oportuna para um verdadeiro desbloqueio metodológico: não se fazia mais necessário, doravante, calcular à mão suas simulações de distribuição/difusão por processos estocásticos. As cerca de setenta páginas finais do livro, não por acaso, Varenne dedica a esmiuçar o significado epistemológico contido nas realizações metodológicas de Hägerstrand. Examina, pormenorizadamente, a gênese e o desenrolar de cada uma delas; as quais foram adquirindo um sentido complementário – e, por isso mesmo, denotando algo que não podemos desdenhar: seu projeto de modelar simulações de difusão foi se provando perfeitamente apto a concentrar funções epistêmicas múltiplas (pelo menos sete das vinte e uma aludidas antes).

Considerações finais

  • 2 Por acaso, é no periódico The Canadian Geographer que, em número especial publicado ano passado (20 (...)

23A linha de argumentação levada por Varenne contrasta frontalmente com um tipo de retórica que costumamos identificar em algumas obras de geografia humana; particularmente quando os autores destas se põem a avaliar o que entendem ser o estado atual da disciplina no concerto dos campos do saber. É que em Théories et Modèles en Sciences Humaines o que vemos é um olhar enaltecedor da Geografia; na medida em que advoga já estar comprovado seu papel na história recente da aplicação de técnicas de modelagem. E, sim, esse papel seria muito maior do que o de uma disciplina meramente coadjuvante: é nos domínios da geografia humana que um tipo muito singular de arsenal metodológico encontrou terreno fértil para prosperar, provando a extensão de seus atributos. Embora não seja exatamente isso o que aconteceu, é como se, digamos, “sem querer”, a Geografia, por lidar com sínteses e espacialidades (“obstáculos” que teriam soado incitantes), tivesse impelido o avanço mesmo dos modelos de simulação; servindo-lhes de base de testes. No extremo oposto, temos o discurso daqueles que parecem lamentar a inscrição da Geografia no círculo dos usuários de modernos instrumentos técnicos. Dos que sentem que com esse engajamento ela teria perdido sua razão de ser; sua “missão”: tornar compreensível o mundo no qual vivemos. Numa espécie de romantismo crônico que muito pouco ajuda a Geografia a defender para si um encargo mais consistente, não é incomum encontrarmos publicações que ostentam a retórica da autocomiseração. Isso pode ser exemplificado com obras coletivas, tais como “La Géographie en Question” (Mukakayumba e Lamarre, 2012). Ali são reunidos textos apresentados durante um colóquio em Montreal, em que se pretendia fazer um “grito de alerta”: o progressivo declínio da disciplina na província de Quebec. Esse colóquio, realizado em Maio de 2011 sob o título “O que acontece com a Geografia?” (Qu’advient-il de la Géographie?), contou, no entanto, com as conferências de geógrafos de outros países francofônicos – o que acabou robustecendo a hipótese de que a crise poderia não ser apenas um caso regional canadense. Estiveram presentes nomes como o de Rodolphe de Koninck, Paul Claval e Vincent Berdoulay. Com algumas exceções, naquele encontro o argumento em uníssono foi o de reprovação da presumida conformidade (ou sujeição resignada) dos geógrafos à era dos trabalhos tecnicistas. Como se a prestação de assistência instrumental às “demandes sociétales” não fosse o que, precisamente, caracteriza um dos estatutos mais nobres da ciência contemporânea. E como se esses procedimentos técnicos não estivessem justamente contribuindo para que jovens geógrafos permaneçam alcançando alguma visibilidade e respeito nos espaços de atuação profissional. É estranho que acadêmicos possam ter ainda uma má impressão de funções como a de “resolver problemas”, se essa atuação é operacionalizada por aquisições tecnológicas. Se o auxílio é nesses termos, há boas chances dos críticos o denunciarem como “virage technique”, “exclusivement utilitaire” – expressões com que podemos nos deparar nesse livro ilustrativo. Enquanto nos perdemos em problematizações bizantinas, outros já têm sabido explorar o potencial que o mesmo “instrumentalismo” tem em servir a causas éticas. Bastaria sublinhar o caso das tecnologias geoespaciais postas a serviço de monitoramentos de riscos ou de logísticas humanitárias2.

24Bem, as alegações de Varenne vão por um caminho mais confiante e positivo. Ele aplica seus conhecimentos em Filosofia da Ciência no exame de uma ciência social que entendeu ser de um tipo extraordinário. Municiado de uma base sólida em FC (dos autores clássicos aos desenvolvimentos mais recentes) e de experiência no estudo epistemológico das matemáticas computacionais, nos obsequia com uma substancial e admirável interpretação das transformações metodológicas desencadeadas pela “GTM”. Colocou na alça de mira especialmente o aspecto particular dos estudos regionais e sobre cidades; visto que foram aqueles nos quais a modelagem matemática pôde mesmo se provar propícia: descrevendo/predizendo processos de difusão espacial, dinâmicas urbanas diversas; auxiliando planejamentos. E Varenne é otimista com respeito sobretudo à evolução das práticas de simulação. Se, no passado, alguns tipos deixavam a desejar, por oferecerem uma descrição da dinâmica apenas de certos “compartimentos” do sistema sob análise, as alternativas de simulação computacional surgidas depois constituem um novo campo aberto para que os geógrafos comuniquem o tipo de conhecimento científico que produzem. Simulações menos compartimentadas, mais integrativas; congruentes com fenômenos espaciais intricados. Fenômenos que, mais do que serem analisados e explicados verbalmente (o modo tão tradicional das teorias científicas), no campo da Geografia merecem a atenção adicional sobre como podem ser expressos/representados via suportes imagéticos, esquemáticos, que, na realidade, descortinam todo um outro terreno igualmente semeado pelo giro epistemológico dos anos 1950. E é bem essa mesmo a concepção que o autor nos estimula a compreender: a revolução desencadeada pela GTM consistiu na introdução de análises estatísticas; no entanto, esse não foi mais que o primeiro fruto rompido. Havia todo um manancial a se deixar explorar; e dele brotariam, por exemplo, modos cada vez mais depurados não só de analisar, mas de expressar informações – graças, é claro, à revolução paralela que vivia o campo da informática. O atual estado das simulações computacionais, mais do que entrelaçar dados diversificados, permite o entrecruzamento de suportes heterogêneos (imagens, regras, conceitos). E é precisamente neste sentido que a percepção de falha ou insucesso difundida pela literatura crítica prova-se enganada. Porque mesmo que tenha havido problemas na aplicação de certas técnicas analíticas, os geógrafos que insistiram em usa-las (procedendo a transformações adequadas) acabaram sendo agraciados com o desenvolvimento posterior de novas trilhas de modelagem dinâmica – questão bem ilustrada pelo embaraço em torno das discussões sobre a autocorrelação espacial de dados, diante do caráter não-estacionário das séries de dados espaciais.

25Se tivéssemos de sumaria-las, diríamos que são três as teses que Varenne desenvolve no livro: (i) que a GTM foi um acontecimento que deu ignição a uma dinâmica progressiva; (ii) que esse continuado progresso proporcionou técnicas de modelagem que puderam abarcar, de modo cada vez mais satisfatório, a complexidade socioespacial (por exemplo, em contexto urbano); e (iii) que, dada essa eclosão de múltiplas formalizações, não é possível fazer uma diferenciação simples entre tipos de modelo, simulação e função epistêmica (sob pena de perdermos de vista a riqueza das modalidades compósitas).

26Teorias e Modelos nas Ciências Humanas: O caso da geografia é uma obra que mereceria uma ampla difusão para além do contexto francofônico – onde, imaginamos, deverá provocar uma interessante reação junto aos geógrafos humanos. Entendemos que seria positivo se esses estudiosos de fenômenos socioeconômicos e culturais se despissem de seus pré-juízos, que parecem tê-los blindado a visão. Quando o assunto é metodologia, possuir mente aberta é sempre mais benéfico. E é neste sentido que, reconhecendo na modelagem a qualidade de formalizar ponderações explicativas, desobstruiremos a vista ao seu largo panorama de possibilidades.

Haut de page

Bibliographie

Bergmann, G. The Metaphysics of Logical Positivism. New York, Longmans, Green and Co., 341 p., 1954.

Burt, G. Conflict, Complexity and Mathematical Social Science. Bingley, Emerald, 270 p., 2010.

Byrne, D. Complexity Theory and The Social Sciences : An introduction. London, Routledge, 206 p., 2001.

Christofoletti, A. Modelagem de Sistemas Ambientais. São Paulo, Edgard Blucher, 256 p., 1999.

Harvey, D. Explanation in Geography. London, Edward Arnold, 521 p., 1969.

Helbing, D. Quantitative Sociodynamics : Stochastic methods and models of social interaction processes. Dordrecht, Springer, 335 p., 1995.

Johnston, R. J. Philosophy and Human Geography : An introduction to contemporary approaches. Baltimore, Edward Arnold, 178 p., 1986.

Kitchin, R. « Positivistic geographies and spatial science ». In : Aitken, S. e Valentine, G. (Ed.). Approaches to Human Geography. London : Sage, 2006. pp. 20-29.

Mukakayumba, É. e Lamarre, J. La Géographie en Question. Paris, Armand Colin, 318 p., 2012.

Sigmund, K. Exact Thinking in Demented Times : The Vienna Circle and the epic quest for the foundations of science. New York, Basic Books, 449 p., 2017.

Varenne, F. Théories et Modèles en Sciences Humaines : Le cas de la géographie. Paris, Éditions Matériologiques, coll. « Modélisations, Simulations, Systèmes Complexes », 643 p., 2018.

Haut de page

Notes

1 Para informações institucionais e acerca de suas demais publicações, sugerimos consulta aos sítios: (i) http://www.ihpst.cnrs.fr/membres/membres-permanents/varenne-franck e (ii) http://www.univ-rouen.fr/version-francaise/outils/m-varenne-franck-52921.kjsp

2 Por acaso, é no periódico The Canadian Geographer que, em número especial publicado ano passado (2018, v. 62, n. 1), podemos ver reunidas contribuições que justamente sustentam a tese de que são possíveis sistemas de informação geográfica “construtivamente críticos” (constructively critical). E que, portanto, seria esperançoso e vibrante o futuro para os pesquisadores nesse setor (https://onlinelibrary.wiley.com/toc/15410064/2018/62/1).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura – Amostra de autores da Geografia consultados, segundo natureza de suas publicações
Crédits [organização nossa]
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/26036/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 273k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Dante Reis Junior, « Teorias e modelos nas ciências humanas: o caso da geografia », Confins [En ligne], 44 | 2020, mis en ligne le 12 mars 2020, consulté le 30 mars 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/26036

Haut de page

Auteur

Dante Reis Junior

Departamento de Geografia, Universidade de Brasília, dantereis@unb.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals