Navegação – Mapa do site

InícioNuméros44DossiêsGeografia regionalO capital e seu espaço. Para além...

Dossiês
Geografia regional

O capital e seu espaço. Para além de produzir valor e espaço, o capital produz o desenvolvimento geográfico desigual

Le capital et son espace. En plus de produire valeur et espace, le capital produit le développement géographique inégal
Capital and its space: beyond producing value and space, capital produces uneven geographical development
Sandra Lencioni

Resumos

Diferentes formas de espacialidades são produzidas pelo capital e essa compreensão é que permite entender o desenvolvimento desigual na produção do espaço. Consideramos referência analítica a produção de dois produtos de exportação para discutir o processo de acumulação do capital na sua relação com a produção do espaço. Em seguida, discutimos a atual hegemonia do capital financeiro com o intuito de atualizar historicamente a produção de diferentes formas de espacialização da produção do valor. Essa discussão distingue o processo de valorização do processo de capitalização e tem por objetivo afirmar que o domínio das finanças se traduziu num novo regime de acumulação do capital, denominado de regime de acumulação patrimonial que afirma a propriedade e seus rendimentos. Nesse regime o que importa é o rendimento das ações, de quanto elas podem render. Tomamos como mote da discussão a indústria, vista da perspectiva de pertencer ou não a um grupo econômico financeirizado, portanto tendo como referência o nexo maior ou menor com o processo de capitalização, tecendo considerações a respeito da relação entre indústria e território e a produção de espacialidades mais duradouras ou fugazes.

Topo da página

Texto integral

  • 1 Não existe pecado ao Sul do Equador é uma canção dos compositores Chico Buarque e Ruy Guerra, que s (...)

1A partir da perspectiva do Sul, onde não existe pecado do lado de baixo do equador, é que esse texto se situa1. Tem como ponto de fuga o desenvolvimento desigual na produção capitalista do espaço e julga que a compreensão desse desenvolvimento permite entender a produção das diferentes formas de espacialidades.

2A problemática do desenvolvimento desigual na produção do espaço foi tratada por vários geógrafos, mas destacam-se Doreen Massey, Neil Smith e David Harvey, todos eles nascidos no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, país em que o tema regional é presente e crucial. David Harvey nasceu no sudeste da Inglaterra, em Gillingham; Neil Smith, em Leith, na Escócia e Doreen Massey em Manchester.

3Massey (2004) e Smith (2015) usam o termo desenvolvimento desigual (uneven development) e Harvey (2006)) utiliza a expressão desenvolvimento geográfico desigual (unequal geographical development). Independentemente dessas terminologias, o que queremos destacar é que a questão do desenvolvimento exprime a ideia de processo, o que remete de imediato à ideia de tempo, de história, que também, contém uma dimensão espacial. Esse reconhecimento da dimensão espacial do desenvolvimento aparece explicitamente em Harvey (2006), que o qualifica como sendo um desenvolvimento geográfico. Nos outros autores está subentendido ou referido indiretamente pela ideia de divisão espacial do trabalho. De diferentes maneiras todos esses autores estão a falar de desenvolvimento espacial desigual ou desenvolvimento geográfico desigual.

4Entender como se produz o desenvolvimento geográfico desigual em estruturas geográficas determinadas é, a nosso ver, um caminho equivocado. Parte-se da posição que interpreta as estruturas como já dadas. Por assim dizer, essa posição toma como enunciado a externalização dessas estruturas, o que é o mesmo que dizer que toma como premissa o próprio espaço comprometendo a ideia de que o espaço é parte constitutiva e inerente das estruturas geográficas. Ou seja, as estruturas geográficas não são um dado a priori, são produzidas no processo social, portanto qualquer ideia que as externalizam são comprometedoras da análise. Como bem destacou Harvey (2007), tratar “o espaço de maneira relacional e relativa, em vez de um emaranhado absoluto da ação social, possibilita ver as maneiras pelas quais a acumulação do capital cria, não só espaço, senão, diferentes formas de espacialidades... Essa ideia abre a perspectiva para teorias da produção do espaço e da espacialidade. Isto é, como N. Smith insiste há muito tempo, uma pré-condição necessária para a construção de qualquer teoria geral do desenvolvimento geográfico desigual” (Harvey, 2007, p. 23).

5Com o intuito de dar fôlego a essa ideia, na primeira parte do texto vamos discutir que diferentes formas de espacialidades são produzidas pelo capital e essa compreensão é que permite entender o desenvolvimento desigual na produção do espaço. Tomamos como referência analítica a produção da borracha na Amazônia e a do café em São Paulo, no século XIX, ambos produtos voltados para a exportação. O objetivo é o de revelar que produziram espacialidades distintas devido a forma com que se deu a acumulação do capital.

6Em seguida, discutimos o momento atual assentado na hegemonia do capital financeiro com o intuito de atualizar historicamente a relação entre a produção de diferentes formas de espacialização da produção do valor. Tomamos como mote da discussão a indústria, vista da perspectiva de pertencer ou não a um grupo econômico financeirizado tecendo considerações a respeito da relação entre indústria e território e a produção de espacialidades mais duradouras ou fugazes.

O capital não cria só o espaço, mas diferentes formas de espacialização

7A produção do espaço no capitalismo se constitui como um processo social que incorpora a natureza como um recurso para o capital. Portanto, despe-se a natureza do seu sentido estritamente natural para incorporar, também, o sentido social. A partir de dois casos, a produção para exportação da borracha e para a exportação do café, no século XIX, procuraremos revelar o elo entre a produção de espacialidades na sua relação com as relações sociais de produção, com o desenvolvimento das forças produtivas e com o processo de acumulação do capital. Ambas as produções, a da borracha na Amazônia e a do café em São Paulo, são de produtos primários para a exportação e tiveram seu auge e declínio. Advogamos a tese de que o segredo do desvendamento das diferenças nas espacialidades produzidas não reside no que é produzido e nem no onde é produzido, mas reside no como, no modo que é produzido.

8Na Amazônia, a atividade era extrativa e fundamentada numa relação social de produção: o aviamento, uma relação social de produção não tipicamente capitalista, embora gerada pelo capital comercial. Aquele que contratava os seringueiros e fornecia a eles mercadorias para sua sobrevivência na mata eram os aviadores que, em geral, contavam com financiamento para tal empreitada obtido nas casas exportadoras. Os seringueiros eram os aviados e eram conduzidos pelos rios até o local de extração da borracha. Aí se embrenhavam e se dispersavam na floresta para o trato da coleta do látex das seringueiras ou dos cauchos.

9Os seringueiros guardavam dependência do “barracão” onde os víveres necessários eram comercializados e dada a mobilidade na coleta do látex a agricultura de alimentos não se desenvolveu de forma regular. A circulação de dinheiro era limitada, o transporte pelos rios dispensava construções de estradas e as poucas atividades de transformação se reduziam à fabricação de barcos e às oficinas de reparação. A base produtiva sem diversificação, o tolhimento no desenvolvimento das forças produtivas, bem como no desenvolvimento técnico e na construção de estradas, aliados à dependência quase que absoluta da importação de bens e à pouca circulação monetária bloquearam as possibilidades de desdobramento em outras atividades concorrendo para a estagnação econômica da região quando houve a crise da borracha.

Figura 1 Barracão de aviamento na Amazônia

Figura 1 Barracão de aviamento na Amazônia

10https://www.researchgate.net/​figure/​Figura-4-Barracao-de-Aviamento-Fonte-Figura-selecionada-pelos-pesquisadores-a-partir_fig2_329973007

11Em São Paulo, nas áreas do chamado Oeste Paulista, as relações sociais de produção eram baseadas no colonato, uma relação social de produção não capitalista, embora fosse engendrada pelo capital comercial. Na fazenda de café o colono ao mesmo tempo que cuidava dos cafezais também produzia uma roça de alimentos que constituía parte de sua alimentação e cujo excedente era comercializado. Arroz e milho, por exemplo, requeriam beneficiamento para comercialização. Essa transformação do produto in natura se traduziu nas indústrias de beneficiamento por todas as regiões cafeeiras. Vale lembrar que a expansão das fazendas de café contou com as estradas de ferro, por onde circulavam mercadorias e pessoas. Cidades se desenvolveram, sobretudo ao longo dos trilhos porque materializavam condições necessárias para a reprodução do capital cafeeiro, com comércio e serviços, além de vários equipamentos urbanos para atender a uma população crescente.

12Fundições para os trilhos de ferro, ferrarias, selarias para os cavalos, indústrias de alimentos, de calçados e têxteis se desenvolveram relacionadas à formação de um mercado interno. O processo de acumulação originário nessa atividade agrária desenvolveu forças produtivas e, inclusive, se desdobrou na atividade industrial, quer porque nos momentos de crise da cafeicultura o capital buscou outras atividades para sua reprodução, quer porque nos momentos de auge novos esferas de investimentos foram examinadas nas suas possibilidades potenciais de inversões.

13A produção da borracha e do café, dois produtos agrários de exportação, assentados em relações de produção completamente diferentes se traduziram em trajetórias distintas de acumulação de capital. Ambas produções baseadas em relações sociais de produção distintas tiveram um desenvolvimento das forças produtivas completamente diferente. Diríamos, distanciam uma da outra como a água do vinho. É nesse percurso distinto, brevemente aqui descrito, que se deve buscar as razões da gênese do desenvolvimento desigual na produção do espaço e na constituição dessas regiões. Na Amazônia a economia da borracha não construiu caminhos e nem desenvolveu uma série de cidades, apenas Manaus e Belém se expandiram. No caso de São Paulo se desenvolveu um mercado interno e se pontuou o território de estradas de ferro e de cidades. A cidade de São Paulo se expandiu a um ritmo frenético e se criaram indústrias, em particular a de alimentos e a têxtil.

14Essa simples comparação da economia da borracha em relação à economia do café baseado no trabalho livre revela que é no nexo entre relações sociais de produção e desenvolvimento das forças produtivas que se encontra o fio da meada por onde se pode desenrolar a compreensão do desenvolvimento desigual na produção do espaço.

15Harvey (2007), como dissemos, observou com a acuidade que lhe é peculiar, que o capital não só cria espaço, mas diferentes formas de espacialização. Nesse processo o desenvolvimento não se dá sem contradições que são de diversas naturezas, incluindo-se aí as que vão se sintetizar no regionalismo, cujo sentido deve ser buscado não nos aspectos culturais, os mais visíveis, mas nos processos que construíram esses aspectos. Exemplificando, só podemos compreender o regionalismo gaúcho se compreendermos a Revolução Farroupilha; só podemos compreender a Balaiada, onde escravos lutaram ao lado de homens livres, se compreendermos a luta pela descentralização do poder no Império. Mas, essa discussão do regionalismo e de suas diferentes espacialidades escapa ao escopo desse texto.

16O âmago da discussão aqui proposta busca enfatizar que o capital cria diferentes formas de espacialização, vistos, aqui, de maneira bastante sucinta, a partir dos exemplos da produção da borracha e à produção do café no século XIX que permitem compreender o desenvolvimento geográfico desigual. Refletindo sobre os dias atuais, face a hegemonia do capital financeiro, como recolocar a criação de diferentes formas de espacialização do capital? Tomaremos apenas um exemplo, o da relação entre indústria e território considerando apenas a relação - mais próxima ou mais distante - da indústria com o mundo das finanças. Isso permitirá sustentar o argumento de que é na produção de diferentes espacialidades produzidas pelo capital que podemos encontrar o fio da meada que desenrola o enigma do desenvolvimento geográfico desigual

A hegemonia do capital financeiro e os vínculos entre indústria e território face aos grupos econômicos financeirizados

17De maneira geral podemos dizer que a segunda metade do século XX, mais precisamente a partir do final dos anos 1960, face às dificuldades do capital se valorizar na esfera produtiva esse buscou se valorizar de forma artificial na circulação, por meio da especulação financeira, entendida essa como a capacidade de auto crescimento do capital associada à capacidade do dinheiro de se alienar em relação à produção da riqueza concreta. O capital procurou se valorizar de forma artificial na circulação, como capital financeiro. Essa forma falsa de valorização, pois não está diretamente relacionada ao trabalho produtor de riqueza, Marx denominou de capitalização. Segundo Chesnais, a “reconstituição de uma massa de capitais procurando se valorizar fora da produção, como capital de empréstimos e de aplicação financeira, tem por origem o esgotamento progressivo das normas de consumo e a baixa rentabilidade dos investimentos industriais (fato visível nas estatísticas)”. (Chesnais, 2005, p.8).

18O capital financeiro foi, então, assumindo hegemonia e o processo de capitalização foi se expandindo concomitantemente ao processo de valorização. O processo de capitalização nascido historicamente das entranhas do processo de valorização se avoluma, em grande parte, por meio de processos especulativos. Provém daí, dessa situação de especulação, de ficção, o nome de capital fictício. Em suma, o processo de capitalização se desenvolve historicamente no bojo do capital produtivo, mas se decola dele pelos mecanismos de capitalização, pelos mecanismos de uma falsa valorização.

19Essa forma fictícia de valorização, a capitalização, não se converte em condições de produção. Essa distância entre a lógica da capitalização em relação à lógica da valorização, que tem como fundamento a riqueza produzida pelo trabalho, é que faz com que as crises econômicas, hoje em dia, passem a ser cada vez mais relacionadas às finanças, fazendo com que as crises se apresentem como crises financeiras. Em outras palavras, as crises econômicas deixam de estar relacionadas exclusivamente aos altos e baixos da economia concreta (verdadeira) para estarem relacionadas às veleidades das finanças e aos caprichos da circulação do dinheiro; ou seja, relativas à uma economia, de certa forma, fictícia.

20Essa hegemonia do capital financeiro instrumentaliza o Estado em graus diversos e de diferentes maneiras em várias partes do mundo. Importa a esse capital garantir a criação de condições políticas necessárias para seu livre desenvolvimento. Combinado ou não ao capital produtivo, melhor dizendo, às diversas frações do capital produtivo, o capital financeiro requer do Estado condições políticas para alavancar de maneira mais vigorosa seu desenvolvimento, independentemente dos custos sociais que isso possa representar.

21Discursos são produzidos, construindo-se mistificações e engendrando justificativas para a redução dos programas sociais que legitimam a implantação das reformas previdenciárias e trabalhistas. Esses discursos não são nenhuma novidade. Essa preleção pode ser claramente vista no pensamento de Hayek (1978), que foi um dos autores que sistematizou o pensamento liberal clássico para o século XX. Em sua publicação The Road to Serfdom (Caminho para a Servidão) , cujo original é de 1945, ele disse: a “desigualdade se suporta sem dúvida melhor e afeta muito menos a dignidade da pessoa se é determinada por forças impessoais... Em uma sociedade em regime de concorrência não há menosprezo por uma pessoa, nem ofensa para sua dignidade, por ter sido despedida de uma empresa particular porque essa já não necessita de seus serviços ou porque não possa oferecer-lhe um melhor emprego...” Acrescenta, “a perda de renda em que sempre será submetido alguém, em qualquer sociedade, é sem dúvida menos degradante se for resultado da má sorte...” (Hayek, 1978, p. 141-142).

22Cabe perguntar: como foi possível essa hegemonia do capital financeiro? Essa supremacia do capital financeiro foi possível porque o capital financeiro é composto de duas formas. A primeira, a de ser portador de juros, que vem de uma longa história e que lhe confere a possibilidade de se constituir num empréstimo de dinheiro do qual se cobrará juros. A segunda, a de ser capital fictício; diante disso, sua formação decorre de estratégias monetárias e financeiras. Nesse caso, o capital se avoluma quando um montante de capital expressa um rendimento que ainda poderá ocorrer no futuro. Assim sendo, projeta no futuro o montante que ele representa. Ele antecipa o que será, mas não há garantia alguma de que, de fato, ocorrerá essa projeção. Trata-se de uma antecipação. Nesse sentido, ele é qualificado como sendo fictício.

23É importante ressaltar que o capital financeiro pode se avolumar não só pelos mecanismos especulativos, via capitalização, mas também pelo movimento de valorização, ou seja, buscando sua reprodução por meio da atividade produtiva. É o caso de alguns fundos que buscam rentabilidade metamorfoseando parte de seu capital em capital produtivo por meio de investimentos no setor imobiliário, retornando, pois, às suas entranhas originárias, ao ventre materno de sua origem, para à produção.

24Também pode se avolumar transformando parte dos ativos das empresas em ativos financeiros passíveis de serem negociados na bolsa de valores. Ou ainda, pode crescer devido à expansão no mercado de títulos, entendido esses como os documentos que registram a propriedade dos ativos de uma empresa, quer sejam esses títulos de ações ou obrigações, dentre outras formas. Mais exemplos são, ainda, o desenvolvimento do mercado de moedas, dos fundos de aplicação coletivos, também referidos como fundos mútuos e sociedades seguradoras. Em resumo, os mecanismos financeiros com suas n estratégias possibilitaram a intensificação de ganhos fora da esfera produtiva, abrindo brechas para o crescimento exponencial do capital fictício. A economia que não produz valores se impõe, assim, sobre a que produz, numa verdadeira autofagia.

25Para Chesnais (2005) a dominância das finanças exprime um novo regime de acumulação do capital, que ele denominou de regime de acumulação patrimonial. Aglietta (1998) denomina de regime de crescimento patrimonial. Nada mais adequado do que a referência à ideia de patrimônio, pois um patrimônio designa uma propriedade mobiliária ou imobiliária que é dirigida para o rendimento. Como expressou Chesnais (2005), a finalidade da propriedade patrimonial “não é nem o consumo nem a criação de riqueza que aumentem a capacidade de produção, mas o ‘rendimento’ ”. (Chesnais, 2005, p.50). Combina-se de maneira original e, inclusive, criando o novo, a valorização com a capitalização reafirmando a acumulação patrimonial.

26Nesse novo regime de acumulação, nesse regime de acumulação patrimonial a variável chave é o rendimento das ações. A centralidade desse mundo está por conta das ações, de quanto elas podem render. Isso significa que sob a hegemonia do capital financeiro, um capital rentista por excelência, se recompõem as outras frações do capital e a lógica que impera, repetindo, é a de quanto as ações de uma empresa podem render.

27Em geral, a compreensão de que passamos da hegemonia do capital industrial para a do capital financeiro tem sido acompanhada de uma narrativa de que passamos de uma sociedade industrial para uma sociedade de serviços. Isso é um fato, mas esse movimento tem que ser entendido nos seus devidos termos. Estamos face a uma grande expansão dos serviços sob a soberania do capital financeiro, mas isso não quer dizer que o setor industrial tenha perdido importância. Da mesma forma, historicamente o domínio do capital industrial não significou involução do capital comercial. Significou, sim, mudança na hegemonia - do capital comercial para o industrial - mas não redução do capital comercial, inclusive se fez acompanhar de grande expansão desse.

28A diminuição da participação do setor industrial no PIB - Produto Interno Bruto - brasileiro não se constitui num caso isolado; ao contrário, reflete a tendência mundial no qual os serviços despontam como o setor de maior participação no PIB de um país. Por exemplo, entre 2007 e 2017, a participação do setor industrial no PIB da China passou de 46,9% para 40,5%; dos Estados Unidos, de 21,5% para 18,2%; do México, de 33,8% para 30% e da Rússia, de 31,2% para 30%. 2

  • 3 NdA: A autora agradeço aos mapas elaborados por Hervé Thery especificamente para esse artigo
  • 4 IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contas Trimestrais, 2018.
  • 5 Confederação Nacional da Indústria. Disponível em: < htpp://www.portaldaindustria.com.br.cni>.Acesso em 01.03.2019.

29Na Brasil, a participação do setor de serviços no PIB é maior do que a participação da indústria3. E, vale esclarecer, esse setor inclui as atividades imobiliárias, o comercio, os serviços de intermediação financeira e seguro, os serviços de informação, o setor público, os transportes, a armazenagem e o correio. Em 2018, a participação do setor de serviços respondeu por 75,8% do PIB nacional, enquanto que a participação da indústria como um todo respondeu por 22%4. Mas, a indústria, cabe chamar atenção, tem o poder de gerar maior crescimento que os demais setores econômicos. A cada R$1,00 produzido na indústria, são gerados R$2,32 na economia brasileira, enquanto que na agricultura a cada R$1,00 é gerado R$1,67 e, no comércio e serviços, R$1,515.

30Especificamente em relação à indústria de transformação, em 2018 a sua participação no PIB foi de 11%, tendo respondido por 36% das exportações brasileiras, por 24% da arrecadação de tributos federais, 17% da arrecadação previdenciária e 63% dos gastos em pesquisa e desenvolvimento do setor privado.

Figura 2 Setores do PIB em 2017 (Valor adido)

Figura 2 Setores do PIB em 2017 (Valor adido)

Valor adicionado bruto a preços correntes total, total, da agropecuária, da indústria, da administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social, dos serviços, exclusive administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social (Mil Reais e %)

31A indústria como um todo, dizendo respeito à indústria extrativa, à indústria de transformação, à indústria da construção e, ainda, aos serviços industriais de utilidade pública apresenta dados para 2018 inferiores aos de 1947, a indicar uma perda expressiva de seu significado na economia brasileira.

Figura 3 Evolução da participação da Indústria no PIB – 1947-2018 (%)

Figura 3 Evolução da participação da Indústria no PIB – 1947-2018 (%)

Fonte: Conselho Nacional da Indústria. A indústria em números, abri/2019. Disponível em: <https://bucket-gw-cni-static-cms-si.s3.amazonaws.com/​media/​filer_public/​06/​e9/​06e92970-19ac-4c64-b188-632b5d960eac/​industria_numeros_abril2019.pdf > Acesso em 01.03.2019.

  • 6 Confederação Nacional da Indústria. Disponível em: < htpp://www.portaldaindustria.com.br.cni>.Acesso em 01.03.2019

32O gráfico impressiona. Gostaríamos, em primeiro lugar, de chamar atenção para o fato de que a perda da importância da indústria é relativa ao crescimento dos demais setores da economia. Em segundo lugar, que a procedência de 32% da arrecadação de tributos federais vem do setor industrial. Também, 26% da arrecadação previdenciária vem da indústria e 66% dos gastos em pesquisa e desenvolvimento do setor privado procedem da atividade industrial. 6

33Em terceiro lugar, que a relevância dos serviços deve ser compreendida, também, na sua relação com a indústria, isso porque muitos dos serviços que se davam no interior da indústria, por exemplo, o departamento jurídico ou o de design se exteriorizaram em relação ao estabelecimento fabril indo alimentar o crescimento dos serviços. Também o foram muitas das atividades relacionadas à gestão do capital industrial que, igualmente, deixaram os edifícios fabris. Assim, o setor de serviços passou a se constituir num nicho privilegiado de investimentos da indústria da construção civil responsável por uma parcela significativa do crescimento e da renovação das áreas urbanas por meio, inclusive, mas não só, dos chamados edifícios inteligentes.

34Reiterando, essa externalização dos serviços abrigados anteriormente no edifício fabril também significou, em geral, uma alteração no número de trabalhadores da indústria, uma vez que os trabalhadores vinculados a esses serviços passaram a ser computados como trabalhadores do setor de serviços e não mais como da indústria. Evidentemente, também contaram para a diminuição do número de trabalhadores na indústria, a elevação da produtividade do trabalho, a precarização das relações de trabalho e as terceirizações. Essas observações evidenciam que uma simples coleta de dados pode separar o que não está tão separado assim, pois entre a indústria e os serviços não há uma divisão tão impermeável.

35A diminuição da importância relativa do setor industrial no regime de acumulação patrimonial em que a lógica norteadora é a do rendimento das ações, como dissemos, exige o reexame da relação entre indústria e território. Sabemos que o capital industrial conforma áreas industriais ou pontua o território de indústrias. E é importante frisar que nunca antes havíamos conhecido a potencia incomensurável da multiplicação de possibilidades de inversão do capital industrial em várias regiões do mundo, muito em razão da compressão espaço-tempo que altera a noção de distancia e de continuidade espacial e, ainda, muito em relação à desregulamentação das economias nacionais.

36O deslocamento do capital industrial para uma posição não hegemônica nesse novo regime de acumulação patrimonial, em que a lógica norteadora é a do rendimento das ações, exige reexaminar a relação entre indústria e território e, consequentemente, repensar a produção de espacialidades e o desenvolvimento geográfico desigual. O exame dessa relação exige, em primeiro lugar, que se distinga se uma indústria pertence a um grupo econômico financeirizado ou não. Isso porque se ela pertencer a um grupo econômico financeirizado a relação com o espaço é diferente daquela em que ela não faz parte constitutiva de um grupo econômico financeirizado.

37Por grupo econômico financeirizado estamos nos referindo a “um conjunto de empresas de natureza e especialidades diversas, dirigidas de acordo com uma política comum e a serviço de um interesse financeiro predominante, mantendo essas, no interior do grupo, sua autonomia jurídica”. (Anaya, 1990, p. 43) (grifo nosso).

38Um exemplo de grupo econômico financeirizado é o grupo Mitsubish, que atua em todos os setores da economia, sendo as principais empresas a Mitsubish Corporation, o Mitsubish Bank e a Mitsubish Heavy Industries. A Mitsubish Corporation atua em 90 países e é uma empresa de negócios que exerce suas atividades em todos os setores da economia e em mais de 90 paíes, numa rede de aproximadamente 1.200 empresas. O Banco Mitsubish é o maior banco do Japão e um dos grandes bancos do mundo operando em 40 países. A Mitsubish Heavy Industries tem mais de 300 companhias atuando em 12 segmentos industriais no mundo. No Brasil, as indústrias da Mitsubish Heavy Industries são: a Primetals Techologies Brazil Ltda, localizada em Santa Cruz, no Rio de Janeiro; a MHI Transportation Systems Brasil Ltda, localizada em São Paulo, na capital, e a MHI Compressor do Brazil Ltda, localizada em Piracicaba, no Estado de São Paulo.

39Para uma indústria pertencente a um grupo econômico financeirizado o território conta muito pouco. A medida desse ‘muito pouco’ guarda relação com a dimensão de seus vínculos com a financeirização. No interior do grupo econômico financeirizado se combinam processos de valorização com os de capitalização, mas é a capitalização que detém a hegemonia no interior do grupo fazendo com que o grupo evolua num universo formado em torno de questões financeiras, onde a máxima, o princípio a perseguir, é o rendimento das ações. Isso significa dizer que é na esfera da capitalização que emana o domínio e o poder dos capitais envolvidos.

40Dizer que a capitalização das ações impera é o mesmo que dizer que impera os capitais voláteis sobre o capital produtivo. Isso significa que as orientações de um grupo econômico financeirizado são dirigidas pelo capital financeiro. No limite podemos até dizer que aos olhos do grupo suas empresas industriais aparecem menos como produtores de bens e mais como proprietárias de títulos negociáveis. Os títulos e as ações são o princípio vital, a alma que possibilita a expansão do valor acionário e, por isso é que eles têm a centralidade. Por essa razão, qualquer raciocínio simplista que relaciona fechamento de uma indústria com a rentabilidade dela pode ser equivocado. Uma indústria mesmo rentável pode ter suas portas fechadas em razão das negociações envolvendo seus títulos, razões distantes do mundo da produção de bens industriais.

41Evidentemente, as empresas industriais de um grupo econômico financeirizado tem que ser competitivas, mas não são as lógicas da competividade industrial e nem a da rentabilidade as definidoras de sua permanência num território. Isso porque o que importa acima de tudo é quanto essas empresas industriais rendem aos acionários do grupo. A instalação de indústrias num dado território (salvo no caso da questão de indústrias extrativas) tem uma fixação pouco rígida e talvez seja mais adequado se falar que elas mais ancoram no território do que se fixam nele. Uma embarcação diante de ventos intempestivos e tenebrosos e águas revoltas não levanta a âncora?

42A possibilidade de se “levantar âncoras” deve estar garantida. Essa esperança é que se constitui num dos elementos que fazem com que as empresas industriais de um grupo econômico financeirizado tendam a externalizar, via subcontratação ou terceirização, que é o mesmo, algumas atividades que se apresentem mais avessas ao “levantar âncora”; ou seja, àquelas mais difíceis de se desfazer.

43Se para o grupo econômico financeirizado o território não conta muito, pois a renda das ações é que é sua bússola, o seu guia, o mesmo não podemos falar das empresas industriais que não estão vinculadas a um grupo econômico financeirizado. Não importa, aqui, se são indústrias monolocalizadas ou indústrias multilocalizadas e não importa seu tamanho, se são grandes ou pequenas empresas.

44No caso de uma indústria que não pertence a m grupo econômico financeirizado não se levanta âncora tão facilmente. Ela é uma indústria muito mais enraizada no território. Ela está orientada para a produção de bens industriais, os custos de produção são determinantes da sua performance, bem como sua capacidade de concorrência e a sua competência em alcançar mercados para seus produtos. É fundamentalmente isso que importa. Para essa indústria a disponibilidade de trabalhadores, a qualificação dessa força de trabalho e o preço do trabalho, dentre tantos aspectos que envolvem a questão do trabalho na produção é de suma importância. No caso de necessitar de trabalho com certa qualificação ela é naturalmente conduzida para eleger algumas regiões para sua instalação, não valendo ser qualquer uma. Esse é o caso, por exemplo, da indústria inovadora que tem necessidade de trabalho de técnicos especializados, engenheiros, etc. Essa indústria não pode abrir mão de se localizar com certa proximidade em relação às universidades e centros de pesquisa.

45As indústrias não pertencentes a um grupo econômico financeiro ao buscarem complementariedade industrial se enraízam mais ainda no território. E esse aspecto é importante e decisivo para sua instalação. Portanto, é estratégico para elas, no momento de sua instalação, identificar no território as economias de complementariedade que poderá conformar sua rede de atuação.

46Considerando-se a questão da localização, as indústrias não pertencentes a um grupo econômico financeirizado podem ser locais ou multilocacionais, ou seja, existentes num só lugar ou em vários lugares. No caso de se apresentarem em vários pontos do território, quer porque se segmentou o processo produtivo em várias unidades fabris, ou porque se tem várias unidades fabris, o que importa é garantir que os vários processos de valorização do capital (que estão segmentados territorialmente) se submetam a um só controle geral que tem a capacidade de dirigir e dispor de capital para investimentos. O mesmo podemos dizer da subcontratação ou terceirização cujo processo de valorização está disperso em várias unidades. Ou seja, é importante garantir à indústria contratante que a dispersão do processo de valorização em várias unidades constitua um único ciclo de valorização, mesmo mantendo-se a propriedade jurídica dos capitais envolvidos.

47No caso da indústria não pertencente a um grupo econômico financeirizado o rendimento das ações importa, mas o domínio da reprodução do capital reside no capital produtivo. Por assim dizer, o capital produtivo não reparte, em nenhuma proporção, o campo do mando com o capital financeiro. É no ciclo de valorização do capital que é fundamentada sua a reprodução, é nesse ciclo que está orientada a sua lógica que é a lógica dos custos de produção.

48Em síntese, no novo regime de acumulação patrimonial a relação entre economia e espaço, especificamente dizendo respeito ao capital industrial não pode se esquivar de fazer a relação com a financeirização, pois longe do que pode parecer, essa tem implicações espaciais. No caso em que uma indústria faça parte de um grupo econômico financeirizado, a voz mais alta fica por conta do processo de capitalização e o que importa acima de tudo é o rendimento das ações. No caso em que a indústria não se vincule a um grupo econômico financeirizado, os ditames procedem do processo de valorização. Nesse sentido, fala mais alto as questões dos custos de produção.

49Portanto, examinar se está a se falar de uma indústria pertencente ou não a um grupo econômico financeirizado pode nos auxiliar a compreender porque algumas indústrias se enraízam mais que outras no território. E, por decorrência, um aspecto da produção de espacialidades diferenciadas.

Considerações Finais

50Sob a hegemonia do capital financeiro a produção do espaço ganhou novos contornos, novas formas e conteúdo. O deslocamento do capital industrial para uma posição não hegemônica trouxe o desafio de se repensar a relação entre capital produtivo e espaço, seja ele relacionado à indústria extrativa, de transformação ou da construção civil. Aqui, privilegiamos a indústria de transformação para tecer algumas considerações dizendo respeito à relação entre economia e espaço com o objetivo de buscar compreender alguns aspectos que estão por trás das novas feições do desenvolvimento geográfico desigual e das novas questões regionais que emergem.

51De forma geral podemos dizer que sob a hegemonia do capital financeiro que é volátil por natureza, a produção do espaço se torna mais vulnerável, sujeita a investimentos e desinvestimentos de forma mais dinâmica. Em especial, é nos países do Sul, onde se diz que não existe pecado do lado de baixo do equador, que isso é bem visível, uma vez que somos vistos como o “quintal do mundo”, no sentido de lugar secundário em termos de força política onde o movimento entre investimentos e desinvestimentos são menos contidos.

52Sob a hegemonia do capital financeiro, a velocidade na estruturação-desestruturação do espaço tende a aumentar e com isso o ritmo do desenvolvimento desigual. Podemos afirmar, sem qualquer sombra de dúvida que, hoje em dia, as espacialidades produzidas são mais fugazes. Como vimos, uma empresa pertencente a um grupo econômico financeirizado estabelece uma relação com o território de maneira diferente da indústria que não tece esses vínculos. Essa diferença é que faz com que a mobilidade espacial do capital industrial seja mais efêmera num caso do que em outro.

53O que importa na análise da atividade industrial e na produção de espacialidades talvez seja menos o que a indústria produz, mas a relação direta que essa tem o capital financeiro. Como vimos, se a produção guarda relação direta com o capital financeiro, porque a indústria está vinculada a um grupo econômico financeirizado, o rendimento de suas ações é a baliza que dirige tudo, inclusive sua relação com o território. Caso seja uma indústria que não pertença a um grupo econômico financeirizado, a baliza ao se situar no âmbito do capital produtivo, portanto, no âmbito dos custos de produção, faz com que a relação com o território seja potencialmente menos passageira.

54Em termos gerais podemos indagar se o capital financeiro, que na origem veio para solucionar as contradições do capitalismo, não estaria comprometendo a própria vida do capital. Estamos vendo que a “maior parte do crescimento do capital não se realiza através do desenvolvimento de suas forças produtivas, senão da especulação financeira e o crescimento econômico não se sustenta de uma maneira direta ou proporcional ao crescimento da produtividade do trabalho”. (Cervantes, Chamizo, Regalado e Zardoya, 2002, p.212).

55De forma resumida podemos dizer que o ponto central para se compreender a produção de espacialidades diferenciadas reside na compreensão da relação entre o capital e a produção do espaço. Relação que pode ser examinada de diferentes ângulos; dentre eles, o que examina as relações sociais de produção, o desenvolvimento das forças produtivas e a acumulação do capital.

56Consideramos que sob a hegemonia do capital financeiro é fundamental conmprender a produção do espaço na sua relação com a financeirização. Como vimos, quando o vínculo é maior com a capitalização a produção do espaço é mais vulnerável. Inclusive pode ocorrer que as infraestruturas que davam suportem à produção industrial fiquem despojadas de sentido. À vista disso, não é exagero dizer que as infraestruturas acabam parecendo imagens sobrenaturais por onde caminham elefantes brancos.

Topo da página

Bibliografia

Aglietta, M. Le capitalisme de demain. Paris: Fondation Saint-Simon, 51p.,1998.

Anaya, E. Los grupos de poder económico. Un análisis de la oligarquía financiera. Lima: Editorial Horizonte, 177 p., 1990.

Cervantes, R. M., Chamizo, F. G., Regalado, R. A., Zardoya, R. L., Trasnacionalización y desnacionalización. Ensayos sobre el capitalismo contemporáneo. La Habana: Editorial Félix Varela, 205 p., 2002.

Chesnais, F. “Introdução”. In: Chesnais, François. (org.) A finança mundializada: raízes sociais e políticas, configurações, consequências. São Paulo: Boitempo, 2005, pp. 25-33.

Harvey, D. “Notas hacia una teoria del desarollo geográfico desigual”, 2007. Disponível em: < http://www.geobaires.geoamerica.org>. Acesso em: 24 mai. 2007.

Harvey, D. Space of global capitalism: a theory of uneven geographical development. Londres: Verso, 140 p., 2006.

Hayek, F. Camino de servidumbre. Madri: Allianza Editorial, 286 p., 1978.

Massey, D. “Uneven Development: social change and spatial division of labour”. In: Trevor J. Barnes, Jamie Peck, Eric Sheppard, Adam Tickell. Reading Economic Geography, Haboken, p. 111-124, 2004.

Smith, N. Desenvolvimento desigual: natureza, capital e a produção do espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 250 p., 1998.

Topo da página

Notas

1 Não existe pecado ao Sul do Equador é uma canção dos compositores Chico Buarque e Ruy Guerra, que se inspira na obra Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda que se utilizando de texto de Barleus comenta que na Europa durante o século XVII se dizia que abaixo da linha do Equador não existiria nenhum pecado. Precisamente, ultra aequinoxialem nom peccari. A referida frase em latim, é de Barleus, nascido em 1584, em Antuérpia. Foi autor da obra Rerum per octennium in Brasilia, publicado em 1647, que narra os feitos de Maurício de Nassau no Brasil.

2 Banco Mundial. Data. Disponível em: <https://data.worldbank.org/indicator/NV.IND.TOTL.ZS?view=chart> Acesso em 01.03.2019.

3 NdA: A autora agradeço aos mapas elaborados por Hervé Thery especificamente para esse artigo

4 IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contas Trimestrais, 2018.

5 Confederação Nacional da Indústria. Disponível em: < htpp://www.portaldaindustria.com.br.cni>.Acesso em 01.03.2019.

6 Confederação Nacional da Indústria. Disponível em: < htpp://www.portaldaindustria.com.br.cni>.Acesso em 01.03.2019

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1 Barracão de aviamento na Amazônia
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/26177/img-1.png
Ficheiro image/png, 529k
Título Figura 2 Setores do PIB em 2017 (Valor adido)
Legenda Valor adicionado bruto a preços correntes total, total, da agropecuária, da indústria, da administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social, dos serviços, exclusive administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social (Mil Reais e %)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/26177/img-2.png
Ficheiro image/png, 546k
Título Figura 3 Evolução da participação da Indústria no PIB – 1947-2018 (%)
Créditos Fonte: Conselho Nacional da Indústria. A indústria em números, abri/2019. Disponível em: <https://bucket-gw-cni-static-cms-si.s3.amazonaws.com/​media/​filer_public/​06/​e9/​06e92970-19ac-4c64-b188-632b5d960eac/​industria_numeros_abril2019.pdf > Acesso em 01.03.2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/26177/img-3.jpg
Ficheiro image/jpeg, 16k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Sandra Lencioni, «O capital e seu espaço. Para além de produzir valor e espaço, o capital produz o desenvolvimento geográfico desigual»Confins [Online], 44 | 2020, posto online no dia 15 março 2020, consultado o 11 maio 2021. URL: http://journals.openedition.org/confins/26177; DOI: https://doi.org/10.4000/confins.26177

Topo da página

Autor

Sandra Lencioni

Professora no Departamento de Geografia, USP/FFLCH, slencion@usp.br

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Topo da página
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search