Navigation – Plan du site

AccueilNuméros44DossiêsGeografia regionalA teoria regional na atualização ...

Dossiês
Geografia regional

A teoria regional na atualização da Geografia Crítica contemporânea: a urbanização da fronteira na Amazônia, a região do Sul e Sudeste do Pará

The regional theory in the update of Contemporary Critical Geography: the frontier urbanization in the Amazon, the South and Southeast Region of Pará
La théorie régionale dans l'actualisation de la géographie critique contemporaine : l'urbanisation frontalière en Amazonie, dans les régions du Sud et du Sud-est du Pará
Eudes Leopoldo

Résumés

La théorie régionale critique issue de la géographie a été constituée en France, en Angleterre et aux États-Unis et a été promue par des groupes d'universitaires liés à une perspective critique de la pensée géographique. Au Brésil, la théorie régionale critique arrive surtout portée par deux représentants : Sandra Lencioni et Rogério Haesbaert. Sandra Lencioni est profondément influencée par les idées des écoles de géographie française et américaine et Rogério Haesbaert par l’école de géographie anglaise. Comprendre la théorie régionale critique, qui nous permet de quitter le plan de la région comme une pure délimitation ou découpage de l’espace, la considérant comme un rapport social, comme une abstraction concrète d’une spatialité différentielle, est le moteur de l’interprétation du phénomène d’urbanisation dans la reproduction de la région frontière amazonienne, en se concentrant sur le réseau de villes dans l'emblématique sud et sud-est du Pará.

Haut de page

Texte intégral

1A teoria regional crítica produzida a partir da Geografia foi constituída na França, Inglaterra e Estados Unidos e promovida por grupos de scholars vinculados a uma perspectiva crítica do pensamento geográfico. Na França, o pioneirismo de uma perspectiva da Geografia Regional, que apresenta alguns elementos críticos, é evidente no movimento da Geografia Ativa, cujos trabalhos de Pierre George, Raymond Guglielmo, Bernard Kayser e Yves Lacoste (1968) formam a base dessa iniciativa ambiciosa de atualizar a problemática regional, especialmente no sentido de compreender os múltiplos desenvolvimentos desiguais.

2Na Inglaterra, as ideias de Doreen Massey sobre a relação entre lugar e região, que ganham notoriedade primeiramente com seus esforços teóricos de releitura do regionalismo e da nova divisão espacial do trabalho como um primeiro momento da diferenciação espacial, pelo ângulo do desenvolvimento desigual (Massey, 1978), são fundamentais na constituição de um grupo importante de teoria regional crítica, formado entre outros por Nigel Thrift, Ash Amin, John Allen e Allan Cochrane. Nos Estados Unidos, um grupo que constitui uma frente relevante de teoria regional crítica é aquela que se produz ancorada no debate das novas formas regionais constitutivas da urbanização contemporânea a partir do caso de Los Angeles, sendo que seus principais expoentes são Allen Scott, Edward Soja, Michael Storper e John Agnew (2001).

3No Brasil, a teoria regional crítica chega especialmente por meio de dois expoentes: Sandra Lencioni e Rogério Haesbaert. Sandra Lencioni é profundamente influenciada pelas ideias das escolas francesa e norte-americana de Geografia e Rogério Haesbaert pela escola inglesa de Geografia. No pensamento geográfico brasileiro e latino-americano, ambos constituem frentes pioneiras no plano de atualização da teoria regional crítica e no âmbito das abordagens regionais. De um lado, Sandra Lencioni (1991, 1999, 2006, 2017) desvenda os processos de metropolização, urbanização e reestruturação produtiva a partir da problemática regional; de outro lado, Rogério Haesbaert (1995, 1999, 2004, 2010) interpreta os regionalismos, as redes regionais e as novas articulações entre a escala regional e o mundo. Em Sandra Lencioni, a Geografia Regional cruza com a Geografia Urbana e a Geografia Econômica; Em Rogério Haesbaert, a Geografia Regional se combina com a Geografia Cultural, a Geografia Política e a Geopolítica. Nesse movimento, redefine-se uma teoria regional crítica a partir da totalidade e da diversidade regional brasileira e, simultaneamente, renova-se o próprio pensamento geográfico nacional e latino-americano.

  • 1 O esforço de pensar os trabalhos de Sandra Lencioni e Rogério Haesbaert como os principais mestres (...)

4A compreensão da teoria regional crítica a partir do importante legado mencionado1, que permite sair do plano da região como pura delimitação ou recorte do espaço, pensando-a como relação social, como abstração concreta de uma espacialidade diferencial, é que move a interpretação do fenômeno da urbanização da fronteira na Amazônia, enfocando a rede de cidades da emblemática região do Sul e Sudeste do Pará. Historicamente, a reprodução da Amazônia como fronteira agrícola se desloca para sua reprodução como uma grande fronteira urbana.

5O Sul e Sudeste do Pará é parte dessa grande fronteira urbana, desse processo histórico de urbanização e regionalização (Mapa 1). É bom especificar que aqui se pensa a Amazônia como uma grande fronteira e a região do Sul e Sudeste do Pará como um de seus momentos. Trata-se, portanto, de uma fronteira particular (o Sul e Sudeste do Pará) constitutiva de uma fronteira mais ampla (a Amazônia). Na rede urbana em estruturação do Sul e Sudeste do Pará estão presentes cidades como Marabá, Parauapebas, Redenção, Xinguara e Santana do Araguaia. O processo de produção das cidades na fronteira é muito peculiar e ainda fortemente marcada pela questão agrária. A urbanização da fronteira está, desse modo, em grande parte relacionada às trincheiras agrárias e em função da expansão da produção agropecuária e da mineração.

Mapa 1 – A Região do Sul e Sudeste do Pará

Mapa 1 – A Região do Sul e Sudeste do Pará

Elaboração: Sabino, Thiago; Leopoldo, Eudes (2019).

6Nessa região de fronteira, onde se confrontam nossas principais esperanças e fantasmas, podemos revelar as novas estratégias do Estado e do capital em uma espacialidade diferencial amazônica, que passa por profundas metamorfoses no século XXI. A partir do legado de uma Geografia Regional Crítica, o objetivo é problematizar a urbanização de uma das mais complexas fronteiras do Brasil contemporâneo: o Sul e Sudeste do Pará.

A teoria regional na atualização da Geografia Crítica contemporânea

7O movimento francês da Geografia Ativa foi um momento chave de construção do pensamento geográfico, revelando um esforço de atualização dos conceitos vinculados ao temário regional sobre o crivo dos principais argumentos que na época estavam fortemente em evidência, como o do subdesenvolvimento. Essa perspectiva da Geografia Regional, que apresenta alguns elementos críticos, não era homogênea como não é nenhum grupo ou escola de pensamento. Entende-se que é mais na heterogeneidade de ideias do que na unicidade de pensamento que se constituíram alguns grupos de scholars fundamentais ao desenvolvimento da Geografia como ciência (Silva, 2012; Leopoldo, 2016). Por exemplo, no livro A Geografia Ativa, com capítulos escritos por Pierre George, Raymond Guglielmo, Bernard Kayser e Yves Lacoste, há ideias diferentes entre os expoentes dessa experiência intelectual. Nesse livro, Pierre George (1968, p. 33) defende que “um dos primeiros objetivos da geografia regional é definir e delimitar a região”, posto que “uma ação não se concebe senão num quadro material bem definido e delimitado”. Ao contrário, Bernard Kayser (1968, p. 281), na mesma publicação, vai dizer que “o geógrafo se dispõe sem complexos, a reconhecer que o desenho dos limites regionais já não é mais o objeto principal de sua pesquisa”, na medida em que “ele tende a considerar a região como o campo de ações concomitantes de intensidades variáveis, mais do que como a inscrição espacial precisa de equilíbrios fundamentais” e que “os limites regionais são múltiplos, dinâmicos; agindo tanto como freios quanto como forças, eles contêm em si mesmos sua própria superação”. Verifica-se, portanto, uma diferença com relação à delimitação da região, que vai ser defendida por Pierre George (1968) e relativizada por Bernard Kayser (1968), no entanto, ambos estão pensando a região como processo.

8O que interessa aqui é localizar os fundamentos da Geografia Ativa, que contribuíram decisivamente para a atualização da Geografia Regional na década de 1960 a partir de uma perspectiva crítica, embora tenha sido constituída na dobra com o planejamento. Essa corrente vai ser identificada por Rogério Haesbaert (2010) como uma parte da “abordagem normativa” e criticada por Sandra Lencioni (1999) por certa “ilusão tecnocrática”. Contudo, é possível discernir que a Geografia Ativa ocupa algum lugar entre a Geografia Matemática e a Geografia Crítica.

9De acordo com Bernard Kayser (1968, p. 282), pela perspectiva da Geografia Ativa, a região se definiria por três principais elementos: pelos laços existentes entre seus habitantes, sua organização em torno de um centro e sua existência como parte integrante de um conjunto, de uma totalidade. Na base, encontra-se a crítica à geografia aplicada e utilitária, a ideia de região como situação em constante movimento e as relações sociedade-natureza e espaço-tempo como dimensões centrais na ação e intervenção do geógrafo do presente, levando em conta desde o cotidiano até a escala do mundo, desde a produção até o consumo, ao mesmo tempo em que faz o levantamento deliberado das camadas do passado e aponta as tendências e perspectivas futuras, no movimento de uma “geografia regional dinâmica” (George, 1968).

10Na década de 1970, geógrafos ingleses contribuem com o desenvolvimento de uma teoria regional crítica. Uma das principais expoentes desse movimento é Doreen Massey (1978), que revisita o conceito de regionalismo a partir do materialismo dialético e da teoria do desenvolvimento desigual, construindo uma chave original de interpretação crítica da Geografia Regional. Constitui-se uma multiplicidade em sua perspectiva de região, conceito que tende a aparecer no plural. Em sua visão, as regiões são definidas “em relação ao desenvolvimento espacial desigual no processo de acumulação e seus efeitos sobre as relações sociais (incluindo as políticas)”, portanto, “a análise da produção do desenvolvimento desigual não implica uma regionalização pré-determinada” (Massey, 1978, p. 110).

11Nesse momento de teorização das regiões em relação ao desenvolvimento desigual, Doreen Massey (1978) reclama o lugar como uma dimensão de análise que não pode ser revogada pelo nível regional. Doreen Massey (1978, p. 110) afirma que trabalhar com as regiões “não quer dizer, no entanto, que nunca possa haver razões para analisar o lugar, no processo geral de desenvolvimento espacialmente desigual, de uma região já especificada”. Aparece então a relação entre região e lugar que tomará cada vez mais espaço em suas elucubrações teórico-conceituais. Isso fica claro em sua defesa de que a nova divisão espacial do trabalho é colocada como um momento da diferenciação espacial, cujo novo uso do espaço deve ser combinado com os usos passados, reproduzindo regiões e lugares (Massey, 1978). Isto é, a diferenciação espacial não se reduz à nova divisão espacial do trabalho nem os lugares sucumbem ao padrão geral de variação regional e às dinâmicas globais. Mais na frente, Doreen Massey (2000, p. 182) em outro trabalho constrói um sentido global de lugar e relaciona com a região, quando lembra que “há tempos que os geógrafos se exercitam com o problema de definir regiões, e essa questão de ‘definição’ quase sempre foi reduzida a tarefa de traçar linhas em torno de um lugar”.

12Na virada do século, um grupo de geógrafos norte-americanos, que pode ser relacionado a uma teoria regional crítica, também coloca como foco a problematização do mundo pelo regional. Nesse grupo, ganha centralidade a emergência das grandes e difusas formas urbano-metropolitanas, que se constituem como os centros do capitalismo global. Estamos falando das “cidades-regiões globais”, que parecem “funcionar cada vez mais como motores regionais da economia global, isto é, como redes locais dinâmicas de relações econômicas inseridas em telas estendidas em escala mundial de competição e troca inter-regional” (Scott; Soja; Storper; Agnew, 2001, p. 16). As principais características do mundo contemporâneo para esse grupo de geógrafos norte-americanos são: quantidades enormes e sempre crescentes de atividade econômica que ocorrem em redes transnacionais extensivas; proliferação de blocos multinacionais, o chamado novo regionalismo; os Estados soberanos e as economias nacionais permanecem como os elementos dominantes da atual paisagem política e econômica; ressurgimento de formas de organização econômica e política de cunho regional, como a rede de cidades-regiões globais (Scott; Soja; Storper; Agnew, 2001). Portanto, revela-se um “novo mapa do mundo” fundamentado no neoliberalismo com “formas relacionais cruzadas, desde associações civis internacionais até longínquas operações das corporações internacionais”, cuja base é um “mosaico ou arquipélago” de grandes cidades-regiões globais (Scott; Soja; Storper; Agnew, 2001, p. 13). Posteriormente, Edward Soja (2013) avança sobre a compreensão de um processo de “urbanização regional”, que consolida uma perspectiva de que o processo de urbanização se regionaliza, muda de conteúdo e é marcado crescentemente pela produção das cidades-regiões.

13Os dois primeiros, o movimento da Geografia Ativa e a escola inglesa, estão em diálogo com a teoria do desenvolvimento desigual e a noção de subdesenvolvimento, sendo que o primeiro está numa linha mais de aproximação com o planejamento e o segundo numa abordagem efetivamente marxista. No terceiro, as formas regionais que assumem os processos de urbanização e metropolização ganham relevo, levando-se em conta o novo regionalismo e uma dialética do desenvolvimento, que não mais comporta a velha relação centro-periferia.

14Sandra Lencioni (1991, 1999, 2006, 2017) está fortemente amparada no movimento de atualização da tradição francesa de pensar o mundo a partir do temário regional, bem como de compreender as novas formas, funções e estruturas dos processos atuais de metropolização, urbanização e reestruturação produtiva, que é um dos principais movimentos do pensamento da teoria regional crítica desenvolvida pelos geógrafos norte-americanos. O conceito de região como uma “parte da totalidade” (Lencioni, 1999), na dialética entre o fragmento e o processo de totalização do espaço, é constituído pelo materialismo dialético e está potencialmente influenciado pela tradição da escola de geografia francesa. Como vimos anteriormente, o próprio Bernard Kayser (1968) inclui essa determinação como central no conceito de região.

15A ideia de integração (Lencioni, 2006, 2017), que é fundamental em seus trabalhos, aparece como uma atualização crítica do “princípio de conexão” de Jean Brunhes (1962). As ideias de “cidade-região” (LENCIONI, 2006), “metropolização regional” e “megarregião” (LENCIONI, 2017), que são fundamentais em suas reflexões, são fortemente tributárias das perspectivas teórico-metodológicas do grupo de geógrafos de Los Angeles.

16Por sua vez, Rogério Haesbaert (1995, 1999, 2004, 2010), apesar de não perder de vista as demais dimensões da região, desdobra uma interpretação da espacialidade diferencial mais vinculada ao domínio do simbólico-cultural, buscando interpretar as identidades regionais que permanecem, mesmo com a emergência e acirramento do processo de globalização, evidenciando em suas formulações teóricas uma influência crescente dos geógrafos ingleses da teoria regional crítica. O conceito de região foi concebido como não sendo “um recorte geográfico qualquer” nem “um território em sentido amplo (mas sim um tipo específico de território)”, bem como não se trataria de “uma simples escala intranacional”, posto que para que “a região exista é necessário que o território que a constitui seja a base concreta, produto e condicionante de uma desigualdade econômica (...) e uma especificidade político-cultural” fundamentada no “regionalismo político” e na “identidade regional” (Haesbaert, 1995, p. 90).

17Quinze anos depois, Rogério Haesbaert (2010) chega ao conceito de região como “artefato”, isto é, não seria somente um recorte do espaço nem somente uma realidade sensível nem somente uma unidade territorial de um dado grupo social, constituindo-se simultaneamente a partir dessas três dimensões. O enfoque simbólico-identitário da região é sempre marcante em seus escritos, evidenciando a influência da escola inglesa de geografia. Caberia falar que a relação entre região e lugar tornou-se central em sua perspectiva (Haesbaert, 2010).

18Essas contribuições de uma teoria regional crítica são fundamentais para pensar o Brasil em suas múltiplas articulações. Aqui, pensa-se o Brasil como uma totalidade a partir de nossa janela, que é a Amazônia e a região de fronteira. O território brasileiro é pensado como uma totalidade que se reitera e se atualiza a partir e pela sua diversidade regional, pelas suas diferenças. É na relação entre a totalidade e o regional enquanto diferença, que é possível destrinchar os complexos processos de urbanização na fronteira amazônica.

A urbanização da fronteira na Amazônia: a região do sul e sudeste do Pará

19De fato, a Amazônia é constituída de muitas possibilidades e particularidades. Em linhas gerais, podemos dizer que a Amazônia caracteriza-se por uma relação sociedade-espaço particular, reiterando e atualizando a relação sociedade-natureza, cuja representação em evidência é suas paisagens do trópico úmido, seus imensos rios e reservas florestais, ao mesmo tempo em que é um espaço estratégico para a reprodução do capital, na medida em que é mobilizada como fronteira econômica, um espaço de valorização em expansão. A região Amazônia é uma espacialidade diferencial com regionalizações internas. Uma delas é a região de fronteira que é uma espacialidade de cruzada entre o social e o natural, onde se trava a batalha decisiva de ocupação da Amazônia, de produção da floresta.

20De acordo com Bertha Becker (2005, p. 81), a região de fronteira é caracterizada em três grandes frentes: “uma parte de São Felix do Xingu, Sudeste do Pará, em direção ao rio Iriri; outra parte do extremo Norte de Mato Grosso pela rodovia Cuiabá-Santarém (...); a terceira parte do Norte de Mato Grosso e de Rondônia em direção ao Sul do Estado do Amazonas”. O Sul e Sudeste ou Sudeste do Pará, segundo a nomenclatura oficial das mesorregiões definidas pelo Governo do Estado do Pará, é um dos principais momentos dessa região de fronteira.

21O Sudeste é uma das seis mesorregiões oficiais do Pará, cuja regionalização é composta ainda pelo Baixo Amazonas, Marajó, Metropolitana de Belém, Nordeste Paraense e Sudoeste Paraense. Ela é constituída por 39 municípios, fazendo fronteira ao leste com o rio Araguaia e os estados do Tocantins e Maranhão e ao sul com o estado do Mato Grosso. Essa região antes era conhecida como Sul do Pará até o final dos anos 1980, que fazia parte do denominado Bico do Papagaio (norte de Goiás, sudoeste do Maranhão, norte do Mato Grosso e sul do Pará), que é historicamente marcada pelos conflitos agrários. Com a difusão do agronegócio, especialmente com a bovinocultura e a soja, os conflitos pela terra no Sudeste do Pará se acirraram, ao mesmo tempo em que a rede urbana ganhou um dinamismo importante com o crescimento econômico e expansão das cidades. Os movimentos sociais de luta pela terra denominam essa região não apenas de Sudeste, mas de Sul e Sudeste do Pará. Pensando essa região fortemente marcada pelos movimentos sociais de luta pela terra, constituindo uma identidade regional específica, “uma regionalização como instrumento da prática” (Haesbaert, 2010, p. 185), adotamos também o termo de região do Sul e Sudeste do Pará.

22Do ponto de vista demográfico, a região do Sul e Sudeste Paraense já alcança mais de 1,5 milhão de habitantes, que representa 20% da população total do Estado do Pará, sendo que mais de um milhão é de população urbana (IBGE, 2010). Do ponto de vista econômico, o Produto Interno Bruto (PIB) do Sudeste do Pará já representa 40% (R$ 31 milhões) do total do Estado do Pará, sendo que somente o PIB das atividades agropecuárias atingem 1,8 milhões de reais, 38% do total do Estado. Destaque-se o número e a área de estabelecimentos agrícolas que já representam, respectivamente, 26% (57.296) e 50% (11,5 milhões de m²) do total do Estado do Pará (IBGE, 2010). Esses dados demonstram a centralidade da relação cidade-campo no processo de produção do espaço urbano-regional na fronteira. Especialmente, parte desse PIB significativo do Sul e Sudeste do Pará, que abre uma frente de acumulação de capitais no mesmo patamar da Região Metropolitana de Belém, tem como carro-chefe a mineração.

23Compreender o processo de urbanização é central para a interpretação do Sul e Sudeste do Pará. Essa região faz parte do que Bertha Becker (2005) denominou de “Arco do Povoamento Consolidado”, que constitui uma regionalização proposta por ela para a Amazônia (Figura 1). “Arco do Povoamento Consolidado”, “Amazônia Central” e “Amazônia Ocidental” constituem as três sub-regiões dessa proposta de regionalização da Amazônia. A primeira é onde estão as cidades, as densidades demográficas maiores, as estradas e boa parte dos grandes projetos econômicos, no sul e leste da região, situando-se o Sul e Sudeste do Pará. A segunda corresponde a porção oeste do Pará e a região sudeste do Amazonas, que é a mais vulnerável da Amazônia, que mantém características da região em vastas porções, mas contendo pontos (grandes projetos de mineração) e eixos (estradas) com mudanças mais efetivas. A terceira é uma sub-região sob controle de Manaus e é a mais preservada, porque não foi cortada por estradas e seu povoamento foi pontual, como na metrópole de Manaus, impulsionado pela implantação da Zona Franca, que é um importante distrito de importação e montagem industrial (BECKER, 2005).

Figura 1 – Amazônia Legal: Povoamento e Macrorregiões

Figura 1 – Amazônia Legal: Povoamento e Macrorregiões

Fonte: Becker, Bertha (2003).

24Do ponto de vista de outra proposta de regionalização da Amazônia muito utilizada de duas sub-regiões (Ocidental e Oriental), o Sul e Sudeste do Pará faz parte da Amazônia Oriental. Desvendando os processos históricos e contextos geográficos, Saint-Clair da Trindade Júnior (2006) diferencia o processo de urbanização e metropolização do espaço amazônico, desenvolvendo a premissa de que a Amazônia Oriental constituiu um processo de difusão urbana e metropolitana pelos grandes projetos instalados no interior e a formação de cidades médias importantes na região, o que, simultaneamente, reafirmou em nível econômico, a primazia do espaço metropolitano de Belém no conjunto de sua área de influência. A região do Sul e Sudeste do Pará está contida na Amazônia Oriental, sendo que Xinguara, Marabá, Parauapebas, Redenção e Santana do Araguaia são justamente cidades que cresceram simultaneamente ao desenvolvimento da fronteira, vinculadas ao processo de expansão da urbanização e produção agropecuária e extrativista. Já a Amazônia Ocidental recebeu incentivos e estímulos políticos e econômicos para a consolidação de um setor industrial de montagem, expresso na Zona Franca de Manaus, que reforçou a metropolização concentrada de Manaus e a ausência de cidade médias, que poderiam atenuar a polarização da metrópole manauara (Trindade Júnior, 2006).

25É evidente que a rede urbana do Sul e Sudeste do Pará, que está contida na Amazônia Oriental, apresenta uma ligação muito forte com a produção agropecuária e extrativista (Figuras 2 e 3). Nessa rede de cidades, Marabá, Parauapebas e Redenção ganham destaque. Marabá e Parauapebas são cidades que polarizam uma região vinculada não só às atividades da produção agropecuária, mas também à mineração, com destaque para a extração e exportação de minério de ferro e cobre. Redenção, mais ao sul da região, também polariza uma região com importantes fontes de riquezas minerais, no entanto está fortemente atrelada à pecuária, à produção de carne bovina. As três cidades apresentaram um crescimento demográfico importante nos últimos anos, justamente devido à expansão dessas atividades econômicas na fronteira. Marabá experimentou uma taxa geométrica de incremento anual de sua população de 3,35%, passando de 168 mil em 2000 para 233 mil habitantes em 2010; Parauapebas de 7,96%, saltando de 71,5 mil para 153 mil habitantes; por sua vez, Redenção alcançou um crescimento de 1,79%, saindo da casa dos 63,2 mil para 75,5 mil habitantes (IBGE, 2010).

Figura 2 – A pecuária em Xinguara

Figura 2 – A pecuária em Xinguara

Fonte: Leopoldo, Eudes (2018).

Figura 3 – Cava da Serra Pelada

Figura 3 – Cava da Serra Pelada

Fonte: Leopoldo, Eudes (2018).

26Nessa rede urbana, as cidades pequenas também ganham um dinamismo econômico acentuado, sobretudo pela difusão da produção agropecuária. Xinguara ganhou mais de 5 mil habitantes em uma década, passando de 35 mil para 40,5 mil entre 2000 e 2010 e o incremento populacional em Santana do Araguaia foi mais acentuado, saltando de 31,2 mil para 56 mil habitantes no mesmo período (IBGE, 2010). Ambas têm uma participação do Valor Agregado da Agropecuária no Produto Interno Bruto (PIB) municipal com um montante sempre acima e em curva de crescimento de mais de 60 milhões de reais desde 2010 (IBGE, 2015). As duas cidades pequenas são funcionais à pecuária, que é um complexo produtivo em expansão em suas regiões imediatas. Portanto, podemos pensar Xinguara e Santana do Araguaia como “cidades do campo” (Santos, 1993) ou “cidades do agronegócio” (Elias, Pequeno, 2007). Há uma peculiaridade com relação à Xinguara e Santana do Araguaia, pois se tratam de cidades na fronteira, cidades que constituem o espaço de expansão e valorização do capital a partir da ocupação e da transformação da natureza amazônica. São cidades relativamente recentes, cuja fundação se deu na segunda metade do século XX.

27Xinguara e Santana do Araguaia são cidades pequenas na fronteira, que passam por intensas transformações socioespaciais. Por exemplo, Xinguara com menos de 50 mil habitantes apresenta um comércio dinâmico de insumos e produtos agropecuários voltados para atender à produção agropecuária e, ao mesmo tempo, um loteamento fechado de grande porte, telões gigantes de propaganda e vias de mão única, que estão mais presentes nas metrópoles. A cidade pequena, como Xinguara e Santana do Araguaia, também passa a reproduzir de modo diferenciado a segregação espacial e as desigualdades intraurbanas, constituindo bairros de acordo com as classes sociais. Estamos diante de uma cidade na fronteira, de um espaço urbano não metropolitano multifacetado, uma extraordinária simbiose entre o rural e o urbano no Sul e Sudeste do Pará.

28Essas cidades na fronteira são a expressão mais acabada dos processos de acumulação primitiva no mundo contemporâneo, onde a violência e a exploração estão na essência da reprodução das relações sociais de produção. Nesse sentido, Becker (1990, p. 11) tem razão quando diz que atualmente fronteira “não é sinônimo de terras devolutas, cuja apropriação econômica é franqueada a pioneiros ou camponeses”, na verdade “é um espaço também social e político, que pode ser definido como um espaço não plenamente estruturado, potencialmente gerador de realidades novas”. Problematizando a perspectiva de fronteira nos geógrafos e nos antropólogos, José de Souza Martins (2009) diz que para os primeiros essa noção aparece como “frente pioneira” ou “fronteira econômica” e, para os segundos, “frente de expansão” ou “frente demográfica”. Ele propõe que essas diferentes visões expressam a “contraditória diversidade da fronteira”, isto é, “diversidade de relações sociais marcadas por tempos históricos diversos e, ao mesmo tempo, contemporâneos” (Martins, 2009, p. 137). Trata-se, essencialmente, da “fronteira da humanidade”, sendo que para “além dela está o não-humano, o natural, o animal” (Martins, 2009, p. 141). É nesse sentido que pensamos a cidade, a forma urbana, no contexto da região de fronteira, no limiar entre o social e o natural. Logo, a região de fronteira pode ser pensada como uma “situação”, “um espaço natural humanizado” (George, 1968, p. 21), produto, condição e meio da “diferenciação espacial” (Massey, 1978).

29Em linhas gerais, é necessário aqui evidenciar as particularidades da região do Sul e Sudeste do Pará como fronteira. A primeira é o acelerado processo de urbanização, que tem como base os grandes projetos e as atividades agropecuárias e de mineração. A segunda é a negação da natureza e da cultura da Amazônia, alienando a floresta, os costumes e as tradições amazônicas. A terceira é a histórica reprodução de uma região de exceção com a militarização e controle do espaço por meio da criação de núcleos de inteligência das Forças Armadas e das policias, sobretudo desde a Guerrilha do Araguaia. A quarta, ainda a principal particularidade, é a constituição de uma região da não civilização, de naturalização da barbárie, profundamente marcada pela questão agrária, onde ocorreram 35 chacinas e a morte de 212 trabalhadores rurais entre os anos de 1985 e 2015, segundo dados da Comissão Pastoral da Terra (2015). Essas particularidades evidenciam que a reprodução do Sul e Sudeste do Pará como um momento da totalidade e como uma articulação espacial do mundo pode contribuir na compreensão do Brasil contemporâneo a partir de sua diversidade regional e das novas relações cidade-campo e suas múltiplas regionalizações.

Considerações Finais

30Na última década, constata-se o forte retorno da problemática regional na Geografia brasileira, especialmente a partir de uma teoria regional crítica legada por diferentes grupos de scholars. Cada vez mais as novas e velhas teorias e abordagens regionais povoam nosso ofício de geógrafo e permite lermos as particularidades desse mundo que se globaliza, mas que ao mesmo tempo se fragmenta e se hierarquiza. Daí a potência do regional para aprofundar o conhecimento do mundo em que vivemos e, especialmente, para transformá-lo. Isso porque o regional destaca e situa as diferenças, as narrativas particulares de espacialidades diferenciais, adentrando no mundo das aproximações mais verticais, dos curtos-circuitos, da dimensão das especificidades, o que nos permite atingir o cerne dos processos e fenômenos, claro que sem abandonar o domínio da totalidade, pois a diferença está em relação direta e só existe com e pela totalidade. É nesse sentido que pensamos a Amazônia e a região de fronteira. A região do Sul e Sudeste do Pará, essa complexa fronteira da Amazônia, como expressão mais acabada do eclipse da civilização, manifesta, do seu modo, a totalidade mundial.

31Uma psicanálise da fronteira, descendo nos subterrâneos dos corpos em catarse é um imperativo intelectual mais que necessário para afrontar a totalidade e as diferenças da região, desmascarando as relações que aparecem na questão agrária amorfa e adentram e se reproduzem com outras roupagens no domínio das cidades, das instituições, dos sujeitos, das empresas, das culturas, rasgando o cotidiano inteiro. Exagerando, seria possível afirmar, a título de metáfora, que na região de fronteira tudo se derrete e se metamorfoseia na mesma intensidade e velocidade da luz.

32Quantos pereceram nessa efemeridade suprema, nessa mistura desértica, quantos corpos foram silenciados na marra. Aqui, a memória coletiva da barbárie sem limites é a guardiã desse inconsciente que naturalizou as práticas sociais mais decadentes e arcaicas da história da humanidade. Nessa sociedade regional ronda permanentemente a vingança das contradições do espaço, desaparecendo as sutilezas e ficando a aspereza radical dessas relações críticas, que não cessam de produzir ruídos e espectros em todos os lugares.

33Aqui, a utopia que nos resta é que na batalha entre o natural e o social, nessa região de fronteira, só ficaram as cinzas, mas os sonhos e as lutas construídas nessa poeira cósmica, nesse grande laboratório, que é uma parte da totalidade e um artefato, ganham ambiciosamente a possibilidade de contribuir na construção de uma revolução regional e, dialeticamente, mundial.

Haut de page

Bibliographie

Becker, B. « Geopolítica da Amazônia ». Estudos Avançados, vol. 19, n. 53, 2005.

Becker, B. Amazônia. São Paulo: Editora Ática, 1990.

Brunhes, J. Geografia Humana. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1962.

Corrêa, Roberto Lobato. Região e Organização Espacial. São Paulo: Editora Ática, 1986.

Elias, D.; Pequeno, R. « Desigualdades socioespaciais nas cidades do agronegócio ». Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, vol. 9, n. 1, 2007.

George, P. « Problemas, Doutrina e Método ». In: GEORGE, P.; Guglielmo, R.; Lacoste, Y.; Kayser, B. (orgs.). A Geografia Ativa. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1968.

GOMES, Paulo César. « O conceito de região e sua discussão ». In: CASTRO, Iná; CORRÊA, Roberto; GOMES, Paulo César (orgs.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

Haesbaert, R. Regional-Global: dilemas da região e da regionalização na geografia contemporânea. Rio de Janeiro: Bertrand, 2010.

Haesbaert, R. « Desterritorialização, multiterritorialidade e regionalização ». In: Limonad, E.; Haesbaert, R.; Moreira, R. (orgs.). Brasil Século XXI: por uma nova regionalização? Agentes, processos e escalas. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2004.

Haesbaert, R. « Região, diversidade territorial e globalização ». Geographia, ano 1, n. 1, 1999.

Haesbaert, R. “Gaúchos” no Nordeste: modernidade, des-territorialização e identidade. São Paulo, 1995. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Kayser, B. « A região como objeto de estudo da geografia ». In: George, P.; Guglielmo, R.; Lacoste, Y.; Kayser, B. (orgs.). A Geografia Ativa. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1968.

Lencioni, S. Metrópole, Metropolização e Regionalização. Rio de Janeiro: Consequência, 2017.

Lencioni, S. « Da Cidade e sua Região à Cidade-região ». In: Silva, J. B.; Lima, L.; Elias, D. (orgs.). Panorama da Geografia Brasileira I. São Paulo: Annablume, 2006.

Lencioni, S. Região e Geografia. São Paulo: Edusp, 1999.

Lencioni, S. Reestruturação Urbano-Industrial: Centralização do Capital e Desconcentração da Metrópole de São Paulo. A Indústria Têxtil. São Paulo, 1991. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Leopoldo, E. « A produção do pensamento sobre a metrópole e o metropolitano pela escola de geografia urbana de São Paulo: o lugar de Sandra Lencioni ». Geousp, vol. 20, n. 3, 2016.

Martins, J. Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Contexto, 2009.

Massey, D. « Um sentido global de lugar ». In: Arantes, Antonio (org.). O espaço da diferença. Campinas, SP: Papirus, 2000.

Massey, D. « Regionalism: some current issues ». Capital and Class, vol. 6, 1978.

Santos, M. Metamorfoses do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da Geografia. [1ª ed., 1988]. São Paulo: Edusp, 2008.

Santos, M. La Naturaleza del Espacio: técnica y tiempo, razón y emoción. [1ª ed., 1996]. Barcelona: Ariel, 2000.

Santos, M. A Urbanização Brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

Santos, M. A cidade nos países subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.

Scott, A.; Agnew, J.; Soja, E.; Storper, M. « Cidades-regiões globais ». Espaço & Debates, nº 41, 2001.

Silva, J. França e Escola Brasileira de Geografia: verso e reverso. Fortaleza: Edições UFC, 2012.

Soja, E. « Para além da postmetropolis ». Revista UFMG, vol. 20, n. 1, 2013.

Trindade Júnior, S. « Grandes projetos, urbanização do território e metropolização na Amazônia ». Terra Livre, n. 26, 2006.

Haut de page

Notes

1 O esforço de pensar os trabalhos de Sandra Lencioni e Rogério Haesbaert como os principais mestres da Geografia Regional contemporânea no Brasil, não quer dizer que não reconheçamos as contribuições críticas de geógrafos como Milton Santos, Roberto Lobato Corrêa, Paulo César da Costa Gomes, dentre outros, pelo contrário. Os estudos regionais e as desconstruções do conceito de região na obra de Milton Santos (1965, 1993, [1996] 2000, [1988] 2008) são seminais. As leituras da região e do regional nas diversas correntes do pensamento geográfico realizadas com maestria por Roberto Lobato Corrêa (1986) e Paulo César da Costa Gomes (1995) são fundamentais. No entanto, Milton Santos a partir de sua virada para uma perspectiva crítica enveredou para construções teórico-metodológicas, especialmente, no âmbito do conceito de espaço e de território, já Roberto Lobato Corrêa e Paulo César da Costa Gomes passaram a pensar mais o espaço em relação ao lugar, no campo das abordagens culturais. O enfoque em Sandra Lencioni e Rogério Haesbaert é com base na continuidade visceral em seus trabalhos da problemática regional e pela escrita de reconhecidas obras de envergadura sobre a teoria regional com o olhar da Geografia.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 – A Região do Sul e Sudeste do Pará
Crédits Elaboração: Sabino, Thiago; Leopoldo, Eudes (2019).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/26851/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 298k
Titre Figura 1 – Amazônia Legal: Povoamento e Macrorregiões
Crédits Fonte: Becker, Bertha (2003).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/26851/img-2.png
Fichier image/png, 2,6M
Titre Figura 2 – A pecuária em Xinguara
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/26851/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 458k
Titre Figura 3 – Cava da Serra Pelada
Crédits Fonte: Leopoldo, Eudes (2018).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/26851/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 513k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Eudes Leopoldo, « A teoria regional na atualização da Geografia Crítica contemporânea: a urbanização da fronteira na Amazônia, a região do Sul e Sudeste do Pará », Confins [En ligne], 44 | 2020, mis en ligne le 31 mars 2020, consulté le 24 novembre 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/26851 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.26851

Haut de page

Auteur

Eudes Leopoldo

Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (FCH/Ietu/Unifesspa), eudesleopoldo@usp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search