Navigation – Plan du site

AccueilNuméros44DossiêsGeografia regionalA região do devir e a região do a...

Dossiês
Geografia regional

A região do devir e a região do atraso. Uma leitura da região de Presidente Prudente

La région du devenir et la région du retard. Une lecture de la région de Presidente Prudente
The region of becoming and the region of backwardness. A reading of the Presidente Prudente region
Eliseu Savério Sposito

Résumés

La région de Presidente Prudente peut être interprétée comme un territoire qui devient une région. Pour cela, la récupération historique de sa construction (territoire) et la conformation d'un concept (région) qui conforme la compréhension du lieu comme espace de devenir et espace de retard. La confrontation de différents concepts, importants pour la géographie, est une possibilité de montrer, en partie par l’intermédiaire de déclarations acquises dans un média (journal), comment se forme de façon quasi permanente le discours qui consolide et marque son contour symbolique et des éléments géographiques qui le composent. Cela intègre des aspects de la culture, de l'économie, de la dynamique de la population et du paysage qui se mêlent tout au long du processus historique d'occupation de la partie occidentale de l'État de São Paulo.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Presidente Prudente
Haut de page

Texte intégral

1The Presidente Prudente Region can be interpreted through the territory that becomes the region. For this, the historical recovery of its construction (territory) and the conformation of a concept (region) that conforms the understanding of a place as the space of becoming and the space of delay. The confrontation of different concepts, important for Geography, is a possibility to show, partly through the intermediation of pronouncements acquired in a communication medium (newspaper), how the discourse consolidates, marks and is formed, almost permanently, its symbolic outline and the geographic elements that compose it. This incorporates aspects of culture, economy, population dynamics and landscape that intertwine throughout the historical process of occupation of the western part of São Paulo State.

  • 1 Agradeço a Ana Cláudia Dundes, com quem tive importantes diálogos, quando da realização de seu dout (...)

2Este texto1 traz a proposta de compreender a região de Presidente Prudente como síntese de múltiplas determinações. Primeiramente, como ela foi se constituindo, historicamente, a partir da ocupação para o plantio de café, fazendo parte do complexo cafeeiro que se conformou como base para as transformações no interior do estado de São Paulo no século XX. O complexo cafeeiro caracterizou-se não pela cultura do café apenas, mas pela constituição de uma rede de transportes ferroviários, pela criação de cidades e pela implantação de atividades industriais e semi-industriais. A rede urbana que se consolida no século XX foi catalisadora das atividades de comércio e serviços que conformaram diferentes tamanhos de cidades em uma hierarquia que se estabelece a partir das ferrovias, em primeiro lugar, e das rodovias, posteriormente.

3O conceito de região, trabalhado na ciência geográfica como conhecimento científico foi trabalhado na academia e, posteriormente, apropriado pelos discursos dos jornais. Por mais que o discurso acadêmico seja pautado pela crítica (no sentido de se basear em critérios científicos), dilui-se em outros discursos (de formadores de opinião, em geral, como políticos e empresários, por exemplo) forjando representações regionais que se tornam consensos porque são repetidos, ora de maneira explícita, ora de maneira distorcida, no discurso do senso comum. Esse resultado é importante para manter a aparência de uma coesão regional. Além da história oficial, portanto, há o “discurso autorizado” (com status de consenso, de “verdade” que se torna concreta nas diferentes vozes regionais) na origem das representações das permanências e mudanças na região que se instaura. As representações são um produto coletivo ligado aos fatos sociais, “transformando-se elas próprias em fatos sociais passíveis de observação e interpretação” (MINAYO, 2002, p. 90).

A formação da região de Presidente Prudente

4O vasto território do oeste de São Paulo, trilhado pelos bandeirantes que, desde o século XVII, se aventuravam para apresar indígenas fazendo suas incursões motivados pelas reduções e missões jesuíticas cuja população já havia sido aculturada no catolicismo. Mesmo assim, até meados do século XIX, essa área era representada na cartografia oficial como “terras desconhecidas” ou “territórios indígenas”, carregada pela noção de hostilidade e por ser constituída como área inóspita.

5A partir da criação da lei de terras (em 1850), que transformou a terra em mercadoria, a ocupação, motivada inicialmente para a criação de gado bovino, foi seguida pela ocupação em nome da produção de café. A vasta área do oeste de São Paulo torna-se, rapidamente, uma área cujo principal produto (a terra) passa a ser comercializada de diferentes maneiras, propiciando a formação de propriedades rurais e de cidades. Com o avanço da ferrovia, ela se torna a Alta Sorocabana, retratada com detalhes por Leite (1972), Abreu (1972). Milliet (1982) e Monbeig (1984).

6Para Monbeig (1984), o oeste de São Paulo corresponde à ideia do inexplorado e áreas atrasadas: “Assim, em 1870, os planaltos e as florestas do oeste de São Paulo e do norte do Paraná constituíam vasto sertão, região mal conhecida” (MONBEIG, 1984, p.27) e em sua obra, assim como na de Abreu (1972) e Leite (1972), a cidade representa o moderno e o progresso.

Figura 1. A Alta Sorocabana e seu recorte definido por diferentes autores.

Figura 1. A Alta Sorocabana e seu recorte definido por diferentes autores.

Desenho: Vitor Camacho, 2019, a partir de desenho que junta informações contidas nas obras dos três autores citados (Milliet, Leite e Abreu).

7A descrição é o primeiro passo para a constituição da forma de explicar o território. Os autores que utilizamos seguem essa ideia: primeiro, localizam a região delimitando seus limites segundo os critérios que escolhem; em seguida, descrevem a paisagem natural (solo, clima, relevo, vegetação e hidrografia) que consolida os limites delineados para, no terceiro momento, enfatizar a existência humana ao descrever a rede urbana regional (a figura 1 traz uma representação de como as regiões no estado de São Paulo foram sendo delineadas por três autores: Milliet, 1938; Leite e Abreu, 1972). Depois da detalhada explanação vão ao passo seguinte, que é a problemática proposta. Esse percurso leva à formação do conceito de região a partir do território habitado por indígenas ou “terras desconhecidas”. Tanto Leite (1972) quanto Abreu (1972) trabalham para demonstrar a polarização exercida pela cidade de Presidente Prudente na Região da Alta Sorocabana e para além de seus limites, levando em consideração os aspectos empíricos descritos nos passos anteriores.

O discurso na formação da identidade regional.

8Território e região se assimilam, contradizem-se e se negam na Alta Sorocabana. Mesmo sem aprofundarmos em detalhe (ou seja, sem expor e discutir diferentes concepções desses dois conceitos), o território, para Raffestin (1980), incorpora a dimensão simbólica na relação entre poder e território, além de aspectos como a cultura e linguagem. O território não se restringe, portanto, ao espaço-material, lugar da reprodução social (Haesbaert, 2004). Essa afirmação não aponta para o risco de tirar da Geografia a importância dessa temática, mas auxilia a enfatizar as relações espaço-temporais socialmente construídas que se consubstanciam pelas relações de poder.Para Raffestin (1994), o espaço e o tempo (aqui leia-se, também, o território) que derivam da relação recíproca entre espaço e sociedade, são considerados como condição e trunfo nas relações sociais, pois:

O espaço e o tempo são suportes, portanto condições, mas também trunfos. Eis por que Lefebvre tem toda razão quando diz que ‘o espaço é político’. Em todo caso, o espaço e o tempo são suportes, mas é raro que não sejam também recursos e, portanto, trunfos. (Raffestin, 1993:47)

9Haesbaert (2004), por sua vez, afirma que o território é relacional não apenas porque é estabelecido dentro do conjunto de relações histórico-sociais, mas também no sentido de

incluir uma relação complexa entre processos sociais e espaço material, (...) Além disto, outra consequência muito importante ao enfatizarmos o sentido relacional do território é a percepção de que ele não implica uma leitura simplista de espaço como enraizamento, estabilidade, delimitação e/ou “fronteira”. Justamente por ser relacional, o território é também movimento, fluidez, interconexão – em síntese e num sentido mais amplo, temporalidade (p. 82).

10Além do foco exposto, precisamos considerar a dimensão simbólica do território que se define por meio da catarse entre outras dimensões (econômica, política e cultural). Esse processo se materializa nos discursos de políticos e das lideranças regionais que enunciam ou “falam” pela região na defesa dos interesses da “coletividade regional”. Em outras palavras, o discurso constrói e sedimenta a identidade regional a partir de imagens e simulacros de objetos regionais, enunciados de acordo com os interesses das lideranças locais. A linguagem (oral e escrita) é o recurso que embasa o discurso da identidade regional.

11Para Haesbaert (2004),

12O território envolve sempre, ao mesmo tempo (...), uma dimensão simbólica, cultural, através de uma identidade territorial atribuída pelos grupos sociais, como forma de “controle simbólico” sobre o espaço onde vivem (sendo também, portanto, uma forma de apropriação), e uma dimensão mais concreta, de caráter político-disciplinar [político-econômico, deveríamos acrescentar]: a apropriação e ordenação do espaço como forma de domínio e disciplinarização dos indivíduos. (Haesbaert, 1997:42 apud Haesbaert, 2004:94)

O discurso do poder e o poder do discurso.

13O discurso verbal, a paisagem e os objetos materiais, social e historicamente produzidos, que constituem a região, torna-se texto, cujo significado é sedimentado no processo de comunicação. Bakhtin (1994) auxilia nessa interpretação porque, para ele, texto enunciado deve ser analisado como um todo, desde sua organização, sua intenção, e seu contexto e intertexto, num processo dialogismo discursivo. Além disso, nessa produção de sentidos, o sujeito enunciador perde seu papel de centro e é substituído por vozes sociais, que fazem dele um sujeito histórico e ideológico:

(...) tudo que é dito, tudo que é expresso por um falante, por um enunciador, não pertence só a ele. Em todo discurso são percebidas vozes, às vezes infinitamente distantes e anônimas, quase impessoais, quase imperceptíveis, assim como as vozes próximas que ecoam simultaneamente no momento da fala. (Brait, 1994:14)

14Focando a região de Presidente Prudente, é possível identificar o discurso político que consegue construir representações territoriais que contribuem para a formação da identidade regional, como reforço da territorialização do poder local (e regional), apontando para um “controle simbólico” como meio de se apropriar, ordenar e legitimar o recorte político-administrativo estabelecido pelo Estado. Mesmo que sejam formadas, historicamente, fronteiras (por meio de diferentes acidentes geográficos ou pela implantação de elementos pela sociedade, como a cidade e a propriedade rural), os discursos podem não se ater a elas.

15Para Leite (1972), a 10 ª Região Administrativa de Presidente Prudente (como foi desenhada pelo governo do Estado na década de 1970) teve outra configuração que não aquela que se apresentava anteriormente porque tinha que levar em consideração a “área sob influência” da cidade sede, Presidente Prudente. O recorte político foi concebido de acordo com a divisão municipal, mas, ao longo do tempo, legitimou-se no nível das representações por meio do discurso político sobre e para a região.

16A imprensa escrita regional, por meio de suas matérias, permitiu expor alguns testemunhos, na forma do discurso consolidado de como, em diferentes momentos, o discurso produz e/ou reproduz uma representação da região que se reflete no modo como ela é identificada interna e externamente.

  • 2 Expressões veiculadas rotineiramente por geógrafos da academia e pela mídia regional (jornal, rádio (...)
  • 3 A figura 3 reflete a presença da autoridade estadual (governador), que se utilizou desse meio de tr (...)

17As características materiais e históricas da região de Presidente Prudente podem ser identificadas em expressões como pioneirismo dos desbravadores, terra de solos férteis, Estrada de Ferro Sorocabana, pujança da agricultura e a pecuária, região mais rica do país2, que persistem, até a década de 1970, no discurso do poder local como ícones de representação espacial. A figura 2, com a imagem de um comboio ferroviário da década de 1960, tornou-se a representação visual da expansão ferroviária no estado de São Paulo (v. figura 4, com o traçado da Estrada de Ferro Sorocabana). É assim que se formou uma “identidade regional”. São imagens positivas sobre, pela e para a região3 que se contrapõem a imagens negativas como a fragilidade econômica, os “problemas urbanos”, a necessidade de se promover o desenvolvimento (mesmo que entendido de maneira genérica associada ao crescimento econômico) (cf. DUNDES, 2007).

18O primeiro edifício da estação ferroviária de Presidente Prudente dá lugar a um edifício novo, na década de 1940, a um edifício considerado moderno para a época, esboçado em estilo art deco tardio, como representação dos novos tempos e do “progresso” que a ferrovia trouxe (figura 5).

Figura 3: Imagem com pessoas aguardando a chegada do trem em Presidente Prudente (quando da visita do presidente Washington Luís em 1921).

Figura 3: Imagem com pessoas aguardando a chegada do trem em Presidente Prudente (quando da visita do presidente Washington Luís em 1921).

Fonte:https://www.google.com.br/​search?biw=1920&bih=937&tbm=isch&sa=1&ei=m7UhXbuLH43H5OUPhd-egAU&q=inauguração+da+estação+ferroviária+em+presiden te+prudente

19A partir dos anos 1970, com o aumento da migração para São Paulo, que dá saldo negativo para a região, delineia-se uma representação negativa da região que passa ser identificada, interna e externamente, como uma das áreas de esvaziamento populacional e econômico. Nessa década, o governo estadual é mentor da divisão do estado em regiões administrativas, como tentativa de, por meio de uma política pública que cria limites regionais dentro do estado, estimular a reação econômica das regiões de acordo com a definição de territórios que seriam, de maneira específica, “regiões de influência das cidades de caráter regional”. O mapa da região administrativa de Presidente Prudente está representado nas figuras 6 e 7.

20Para enfatizar a tese que expomos neste texto, podemos afirmar que, se historicamente, com o avanço da produção do café e do algodão, da formação de cidades consolidadas, da instalação de estabelecimentos industriais para o processamento dos produtos agrícolas etc., que trazem a ideia de progresso para a região, o que segue é a perda de importância econômica e demográfica, levando a um sentimento de empobrecimento da região. O que era a região do devir, do progresso, torna-se uma área eivada pela ideia de atraso, de decadência. Assim, a relação dialética entre as duas formas de representar a região (do devir e do atraso) mostra que o tempo permeia as relações socioespaciais e dão, a elas, conteúdos que se afirmam e se negam, dependendo da força do sujeito que elabora ou que divulga o discurso.

21A imagem negativa sobre a região ganha novos elementos quando, a partir da década de 1990, iniciam-se os conflitos pela terra provocados pelos movimentos de trabalhadores rurais sem terra, disseminando-se por áreas improdutivas ou resultados de apropriação de terras devolutas por meio de processos da grilagem.

22A identificação da região ganha nova adjetivação, consolidando-se como a região do atraso ou o Pontal do Paranapanema, por meio da visibilidade nacional que ganha, evidenciando-a como a “região dos conflitos”. Em seguida, veio a onda da instalação de presídios, principalmente nos pequenos municípios, que viram esse processo numa forma de ampliar sua arrecadação financeira (por meio de impostos ou pelo consumo de diferentes tipos de bens não duráveis) mas, por outro lado, juntamente com os empregos gerados, poderia aumentar o índice de criminalidade e violência na região:

Ações criminosas praticadas em Presidente Bernardes criaram um clima de insegurança na região. (...) Sob a sombra dos presídios, a violência cresce em progressão geométrica em uma cidade antes considerada uma das mais seguras do Estado de São Paulo.
A escalada da violência foi deflagrada com a morte do juiz corregedor de presídios, atribuída ao tráfico internacional de drogas e às quadrilhas que comandam os presídios em São Paulo e no Rio de Janeiro. Ainda é cedo para vincular os casos ao que ocorre no universo carcerário. Mas, não resta dúvida que a criminalidade galopante em Presidente Bernardes deve-se em grande parte ao espectro do crime organizado que ronda nossa região. (O Imparcial, 28/01/2005)

23Uma nova imagem regional que se oponha à da região pioneira e, portanto, da prosperidade, deve ser forjada em termos de identidade. Esse processo movimenta a ideia de que, ao longo da história da região, no discurso e no âmbito das representações, constroem-se duas imagens que se sobrepõem: a região do devir, rica em possibilidades de crescimento e a região do atraso que, em diferentes contextos, tornam-se o estandarte carregado pelas elites políticas locais como forma de dar visibilidade à região. Ao “falar” pela região e defender os “interesses coletivos”, elas assumem o posto de legítimos representantes da região, num processo de territorialização do poder.

24Mesmo que, em muitos momentos, o discurso carregue a temática do desenvolvimento regional, ele se ampara, ao mesmo tempo, em uma identificação regional negativa:

Más lembranças – Uma das consequências dos conflitos entre o Movimento dos Sem-Terra e latifundiários do oeste paulista, acirrados na década de 90, foi a estagnação econômica da região. “Paramos de crescer. O medo impedia os proprietários de deixarem suas terras disponíveis a investidores, que também tinham receio e se afastavam”, conta um empresário local. (O Estado de São Paulo, Suplemento Agrícolas, 14 maio 2003).

25Em outras palavras, temos a manifestação, mesmo que com poucos exemplos (confirmação empírica da representação regional) de como o discurso formado corrobora imagens que consolidam a identidade regional que, por sua vez, torna-se trunfo político na territorialização do poder. As relações de poder se dão em âmbito regional e local. Para Melo (1995), o poder local reveste-se de grande complexidade:

O conceito de poder local demanda algum esforço além daquele que se esgota ante os resultados das últimas eleições. É uma questão polêmica e não deve ser reduzida à concepção corrente de poder municipal de um partido, de um poderoso e rico proprietário de terras, ou ainda de um capitão de indústria. Essa aparência fenomênica do poder prende-se muito mais às expectativas, sentimentos de vitória, ansiedades e frustrações dos indivíduos do que a pulsação interior ao corpo dos agentes sociais na dimensão diacrônica. (p.33)

Figura 7: Região Administrativa de Presidente Prudente com as divisões municipais (2015) e sua localização no estado de São Paulo.

Figura 7: Região Administrativa de Presidente Prudente com as divisões municipais (2015) e sua localização no estado de São Paulo.

Fone:https://www.google.pt/​search?hl=ptPT&tbm=isch&source=hp&biw=1920&bih=937&ei=bbIhXZD8GMx5OUP6KmmQA&q=regi%C3%A3o+de+presidente+prudente

26Assim, o poder consolida-se numa relação; além disso, quando consideramos o discurso como instrumento de intermediação dessa relação, não podemos desconsiderar como se dá o processo de comunicação e a construção de significados. É necessária uma relação de cumplicidade e comunhão de signos entre enunciador e enunciatário. No processo de construção de significados e representações, o não dito, ou o que vulgarmente denominamos de “entre linhas” (intertextualidade proposta por Bakhtin), há uma complexa rede de significados constituídos socialmente.

27Representada na imagem de satélite (figura 8), os limites, as representações, as relações de propriedade etc. diluem-se nos traçados dos rios e das estradas, e na localização das cidades. Isso significa dizer que a região do devir e a região do atraso são produtos da construção de um discurso que se sustenta na transformação do território (do oeste de São Paulo) em região (de Presidente Prudente), o que não seria possível sem a concepção de realidade que se elabora a partir da força do discurso da academia que se dissemina por diferentes meios (desde os meios de comunicação até as falas mais comuns) que repetem, com diferentes graus de comprometimento e complexidade, o que foi elaborado com base nos fatos e nas interpretações dos fatos.

Figura 8: Imagem do oeste do estado de São Paulo (google)

Figura 8: Imagem do oeste do estado de São Paulo (google)

Fonte: Google maps, 2016.

Algumas conclusões

28O que se pode concluir dessa reflexão é que, ao expor algumas características e alguns efeitos do discurso na construção da identidade regional, buscamos alguns mecanismos que engendram a constituição das imagens regionais, mostrando que diferentes aspectos se contradizem e confirmam o discurso e as imagens veiculadas pelo discurso. No caso da região de Presidente Prudente, a noção de devir e de atraso vão se contrapondo, historicamente, sem se delir do imaginário que se consubstancia pelos meios de comunicação. Por isso, é preciso levar em consideração os aspectos simbólicos e históricos para se compreender uma região.

29A Alta Sorocabana presente no discurso é decorrência das imagens positivas que se construíram coletivamente e que se constituíram em ícones regionais - uma ferrovia que passou a correr nos trilhos da memória; os campos férteis onde floresceram os cafezais e onde se deitou o manto branco do algodão; e a cidade, capital do progresso - trouxe também à tona as imagens de um passado renegado, o momento das terras griladas, a exploração predatória da natureza em nome de um progresso que o discurso denuncia que se perdeu junto com os vagões da antiga ferrovia. Ainda que o lirismo contamine a fala, é a região romanesca que guarda a “bravura” dos pioneiros que está viva na memória das gerações que cresceram e envelheceram com ela (que persiste no hino oficial de Presidente Prudente, por exemplo). É a região baseada nessas imagens, fincadas nas representações sociais, que o discurso regional enuncia e contesta o atraso, pois ela está embutida na Região de Presidente Prudente, como região ausente que dá coesão à região do presente.

30Outras formas de representação podem ter sido forjadas ao longo do tempo. Mesmo que fiquemos com as ideias de devir e atraso, as transformações regionais decorrentes de diferentes processos socioeconômicos que se manifestam ao longo do tempo (como a disseminação do modo industrial, a diversificação econômica da cidade e da região que passa a privilegiar os setores de comércio e serviços) podem trazer novos matizes para o discurso e, por isso, adjetivar a região de maneira diferente. Portanto, deixamos “em aberto” as novas possibilidades de se continuar a ler e explorar o poder do discurso na região de Presidente Prudente.

Haut de page

Bibliographie

ABREU, D. S. Formação histórica de uma cidade pioneira paulista: Presidente Prudente. Presidente Prudente: FFCLPP,1972.

________. Poder político local no populismo de Presidente Prudente (SP) – 1928-1959. Presidente Prudente: IPEA-UNESP,1982. (Tese de livre-docência)

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2002.

BRAIT, Beth. As vozes bakthinianas e o diálogo inconcluso. In BARROS, Diana L. P. de, FIORIN, Luiz F. (org.) Dialogismo, polifonia, intertextualidade em torno de Bakhtin. São Paulo: Edusp, 1994.

DUNDES, A. C. Região do devir e região do atraso: discurso e representações sobre a região de Presidente Prudente. Presidente Prudente: UNESP, 2007 (Tese de Doutorado).

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

LEITE, J. F. A ocupação do Pontal do Paranapanema. São Paulo: Hucitec, 1998.

MELO, J. G. (org.) Região, cidade e poder. Presidente Prudente: GASPERR, 1996.

_________. O jornal e o coronel. Recortes. Presidente Prudente, FCT/UNESP-CNPq, n.3,1995.

MILLIET, S. Roteiro do café e outros ensaios. São Paulo: Hucitec, 1982.

MINAYO, C. de S. O conceito de representações sociais dentro da sociologia clássica. In: GUARRESCHI, P. A.; JOVCHELOVITCH, S. (org.). Textos em representações sociais. Petrópolis: Vozes, 2002, p. 89-111.

MONBEIG, P. Pioneiros e fazendeiros de São Paulo. São Paulo: Hucitec-Polis, 1984.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1980.

Haut de page

Notes

1 Agradeço a Ana Cláudia Dundes, com quem tive importantes diálogos, quando da realização de seu doutoramento no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNESP, Campus de Presidente Prudente, que levaram à proposta de se propor a metamorfose do território em região tendo, como estudo empírico, a região de Presidente Prudente, SP.

2 Expressões veiculadas rotineiramente por geógrafos da academia e pela mídia regional (jornal, rádio e televisão).

3 A figura 3 reflete a presença da autoridade estadual (governador), que se utilizou desse meio de transporte para chegar em Presidente Prudente. O meio de transporte e a autoridade conformam um momento que leva à aglomeração de pessoas; isso pode ser interpretado como um dos momentos da formação da imagem da região pela Estrada de Ferro Sorocabana.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1. A Alta Sorocabana e seu recorte definido por diferentes autores.
Crédits Desenho: Vitor Camacho, 2019, a partir de desenho que junta informações contidas nas obras dos três autores citados (Milliet, Leite e Abreu).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27112/img-1.png
Fichier image/png, 398k
Titre Figura 2: Imagem de um comboio na Estrada de Ferro Sorocabana.
Crédits Fonte:https://www.google.com.br/​search?biw=1920&bih=937&tbm=isch&sa=1&ei=MLUhXaXnB-3D5OUPw9 OROA&q=alta+sorocabana&oq=alta+sorocab
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27112/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 10k
Titre Figura 3: Imagem com pessoas aguardando a chegada do trem em Presidente Prudente (quando da visita do presidente Washington Luís em 1921).
Crédits Fonte:https://www.google.com.br/​search?biw=1920&bih=937&tbm=isch&sa=1&ei=m7UhXbuLH43H5OUPhd-egAU&q=inauguração+da+estação+ferroviária+em+presiden te+prudente
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27112/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 506k
Titre Figura 4: Traçado esquemático da Estrada de Ferro Sorocabana no estado de São Paulo.
Crédits Fonte:https://www.google.com.br/​search?tbm=isch&source=hp&biw=1920&bih=937&ei=I7UhXfj1DfGF0AbE36e4BQ&q=inauguração+da+estrada+de+ferro+em+presidente+prudente
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27112/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 131k
Titre Figura 5: Estação ferroviária de Presidente Prudente, em estilo art deco, construída em 1944.
Crédits Fonte:https://www.google.com.br/​search?biw=1920&bih=937&tbm=isch&sa=1&ei=m7UhXbuLH43H5OUPhd-egAU&q=inauguração+da+estação+ferroviária+em+presiden te+prudente
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27112/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 8,2k
Titre Figura 6: Região Administrativa de Presidente Prudente
Crédits Fonte:https://www.google.pt/​search?hl=ptPT&tbm=isch&source=hp&biw=1920&bih=937&ei=bbIhXZD8GM-x5OUP6KmmQA&q=regi%C3%A3o+de+presidente+prudente
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27112/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 321k
Titre Figura 7: Região Administrativa de Presidente Prudente com as divisões municipais (2015) e sua localização no estado de São Paulo.
Crédits Fone:https://www.google.pt/​search?hl=ptPT&tbm=isch&source=hp&biw=1920&bih=937&ei=bbIhXZD8GMx5OUP6KmmQA&q=regi%C3%A3o+de+presidente+prudente
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27112/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 176k
Titre Figura 8: Imagem do oeste do estado de São Paulo (google)
Crédits Fonte: Google maps, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27112/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 421k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Eliseu Savério Sposito, « A região do devir e a região do atraso. Uma leitura da região de Presidente Prudente », Confins [En ligne], 44 | 2020, mis en ligne le 17 mars 2020, consulté le 26 novembre 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/27112 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.27112

Haut de page

Auteur

Eliseu Savério Sposito

Professor Titular UNESP, campus de Presidente Prudente, essposito@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search