Navigation – Plan du site

AccueilNuméros44DossiêsGeografia regionalA redescoberta da região: uma int...

Dossiês
Geografia regional

A redescoberta da região: uma introdução

La redécouverte de la région : une introduction
The rediscovery of the region: an introduction
Eudes Leopoldo

Texte intégral

1A teoria regional ganha cada vez mais um destaque importante no pensamento geográfico e nas ciências sociais e humanas em geral, suscitando novas abordagens e perspectivas teórico-metodológicas. Após algumas décadas de ostracismo no pensamento geográfico brasileiro, a teoria regional emerge no sentido de dá conta das diferenças e fragmentações em tempos de globalização e homogeneização; enquanto que em outras “escolas” de geografia, como a francesa, a inglesa e a norte-americana, mesmo após a virada para uma perspectiva crítica e dialética, ela continuou como parte essencial do movimento do pensamento. Não se trata do retorno da Geografia Regional como paradigma científico, mas da compreensão da teoria regional como caminho teórico-metodológico imprescindível para pensar o mundo contemporâneo. Crescentemente, a Geografia brasileira compreende que a teoria regional se constitui como chave para a interpretação das diferenças e da relação entre o fragmento e a totalidade, o fato e a representação, situando a potência da categoria região como uma relação social, que materializa determinações particulares e, ao mesmo tempo, universais da produção do espaço.

O simpósio

2Nesse contexto, foi realizado o I SINGER – Simpósio Nacional de Geografia Regional pelo Grupo de Pesquisa Geografia Regional e Produção do Espaço na Faculdade de Ciências Humanas do Instituto de Estudos do Trópico Úmido da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Gerpe/FCH/Ietu/Unifesspa), cujas apresentações constituem este dossiê ora publicado pela prestigiada revista Confins, que ainda terá um segundo volume. O I SINGER foi concebido como um convite ao debate sobre a teoria regional no movimento da produção do conhecimento geográfico, no sentido de aprofundar os conceitos de região, regionalização e regionalismo, bem como de conhecer as novas abordagens regionais produzidas no âmbito do pensamento geográfico brasileiro. O objetivo central foi problematizar a produção do espaço a partir da teoria regional, indagando sobre o lugar das regiões, fronteiras e novas relações cidade-campo na compreensão geográfica do mundo contemporâneo. A troca de ideias a partir de diferentes olhares e abordagens permitiu a convergência de esforços para pensar uma atualização da teoria regional e o entendimento de sua potência para explicar e revelar o nosso tempo histórico: o século XXI. O lugar onde se realizou o simpósio, que é uma das mais destacadas regiões de fronteira do Brasil contemporâneo, o sul e sudeste do Pará, foi uma importante situação geográfica para pensarmos a produção da região, as determinações das fronteiras e as novas relações cidade-campo, que constituem diferentes regionalizações do espaço. Tratou-se do primeiro simpósio da área de Geografia Regional na Geografia brasileira, que vem justamente em um momento no qual o pensamento geográfico brasileiro se volta à redescoberta da categoria região e das abordagens regionais.

O contexto

  • 1 Os sete temas das comunições científicas e coordenadas eram: “Cultura, Turismo e Identidade”; “Os S (...)

3Uma das evidências do retorno da região é que, nos últimos 15 anos, o principal evento da Geografia brasileira, o ENANPEGE – Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia, demonstrou um crescimento dos Grupos de Trabalhos que discutem a problemática regional. No VI ENANPEGE, realizado em Fortaleza em 2005, nos temas das comunicações científicas e coordenadas, a problemática regional aparecia claramente apenas em um (Local, Regional e Global: Redes e Dinâmicas territoriais)1. No VII ENANPEGE, realizado em Niterói no ano de 2007, o envio de trabalhos científicos passou a ser realizado por meio de Grupos de Trabalho. Nesse evento, contabilizavam-se 19 GTs, sendo que também havia apenas um vinculado à problemática regional. Trata-se do GT Regionalização e Globalização, coordenado pelos professores Mônica Arroyo e Rogério Haesbaert. No VIII ENANPEGE de 2009, mais uma vez havia apenas um dentre os 22 GTs. No IX ENANPEGE, realizado em 2011, de 30 GTs, 3 eram relacionados diretamente à problemática regional, sendo criado o GT Cidade e Região, coordenado pelos professores Sandra Lencioni e José Borzacchiello da Silva, que passa a ser denominado Metrópole e Região a partir do XI ENANPEGE de 2015. Não há mudança no X ENANPEGE, permanecendo os mesmos 3 no universo de 31 GTs. No XI ENANPEGE, de 41 GTs, 6 eram relacionados categoricamente ao regional. Dos 49 GTs do XII ENANPEGE em 2017, permaneceram os 6 GTs mencionados, vinculados à perspectiva regional. Chega-se a 55 GTs no XIII ENANPEGE, sendo que destes 8 relacionavam-se à problemática regional. Neste último ENANPEGE, realizado em São Paulo em 2019, os demais conceitos elementares da Geografia, substantivado ou adjetivado, aparece bem menos do que o de “região”, sendo que “espaço” está presente em 7, “ambiente” em 4, “território” em 3, “paisagem” em 1 e não há “lugar” em nenhum tema.

Quadro 1: Os GTs ligados à temática regional nos ENANPEGEs (2007-2019)

Edições do ENANPEGE

Local

Ano

Grupos de Trabalho com temática regional

VII

Niterói

2007

1. Regionalização e Globalização.

VIII

Curitiba

2009

1. Regionalização e Globalização.

IX

Goiânia

2011

1. Cidade e Região;

2. Globalização e Regionalização;

3. Região, Regionalização e Políticas Territoriais: escala, experiências, atores.

X

Campinas

2013

1. Globalização e Regionalização;

2. Cidade e Região;

3. Região, Regionalização e Políticas Territoriais: escala, experiências, atores.

XI

Presidente Prudente

2015

1. Globalização e Regionalização;

2. Metrópole e Região;

3. Região, Regionalização e Políticas Territoriais: escala, experiências, atores;

4. Agricultura, Desenvolvimento Regional e Transformações Socioespaciais;

5. Desenvolvimento Regional e Infraestrutura;

6. Regiões do Agronegócio, Novas Relações Cidade-Campo e Reestruturação Urbana.

XII

Porto Alegre

2017

1. Globalização e Regionalização: a atualidade das questões regionais;

2. Metrópole e Região;

3. Região, Regionalização e Políticas Territoriais: escala, experiências, sujeitos;

4. Agricultura, Desenvolvimento Regional e Transformações Socioespaciais;

5. Desenvolvimento Regional e Infraestrutura;

6. Regiões do Agronegócio, Novas Relações Cidade-Campo e Reestruturação Urbana.

XIII

São Paulo

2019

1. Globalização e Regionalização: a multiplicidade das questões regionais;

2. Metrópole e Região;

3. Região, Regionalização e Políticas Territoriais: escalas, experiências, sujeitos;

4. Agricultura, Desenvolvimento Regional e Transformações Socioespaciais;

5. Desenvolvimento Regional, Redes Técnicas e Reestruturação Produtiva e Financeira;

6. Regiões do Agronegócio, Novas Relações Campo-Cidade e Reestruturação Urbana;

7. Cidades Médias, Articulações Interescalares e Novos Papéis Regionais;

8. Geografia e Relações Internacionais: perspectivas da integração, cooperação e regionalismos;

Elaboração: Leopoldo, Eudes (2019).

4Nas últimas duas décadas, a problemática regional vem se consolidando nos estudos e pesquisas da Geografia brasileira. Eventos importantes na área ganharam notoriedade, como o Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional. Dentre os seminários temáticos, destacam-se dois: o "Seminário Regiões e Cidades, Cidades nas Regiões: o desafio urbano-regional", organizado em diversas cidades brasileiras entre 2000 e 2001, e o "Seminário Brasil, século XXI: por uma nova regionalização?", realizado em 2003 em Niterói. Após quase vinte anos, foi então realizado o já mencionado evento voltado a pensar a atualidade da Geografia Regional, o "I Simpósio Nacional de Geografia Regional". Nele foi criado o RegionAL – Observatório Latino-americano de Pesquisas sobre Questões Regionais, que congrega diversos pesquisadores da América Latina, possibilitando o avanço de estudos e pesquisas vinculadas ao temário regional e sua atualização crítica.

O dossiê

5Diante das considerações apresentadas, que demonstram um avanço considerável dos estudos regionais na Geografia brasileira, este dossiê aparece como a ponta de lança do que está sendo feito atualmente no debate crescente sobre a problemática regional. O movimento do pensamento do dossiê inicia com uma redescoberta do desenvolvimento geográfico desigual, que é produto direto do processo de acumulação do capital, a partir da relação entre as economias da borracha e do café, respectivamente, nas regiões da Amazônia e de São Paulo, constituindo espacialidades diferenciais. O artigo “O capital e seu espaço. Para além de produzir valor e espaço, o capital produz o desenvolvimento geográfico desigual” de Sandra Lencioni examina as relações entre indústria e território à luz da perspectiva do regime de acumulação patrimonial, desenvolvendo a ideia de que o processo de financeirização é central, especialmente quando os grupos econômicos se inserem no mercado mundial de ações e derivativos, passando a ser o rendimento das ações a bússola orientadora das estratégias e processos industriais, de sua relação com o espaço.

6É sabido que uma das expressões do desenvolvimento geográfico desigual são as regionalizações. No artigo “Regionalizações brasileiras: antigos legados e novos desafios” de Rogério Haesbaert são apresentadas, de modo crítico e profundo, as divisões regionais do território nacional e as regionalizações mais recentes, considerando a relação entre continuidade e descontinuidade. Desdobra-se a premissa da des-articulação regional, fundamentando diferentes olhares sobre as regionalizações, que permitem ler as diferenças e as interações. O autor propõe que uma nova regionalização do território brasileiro deve trazer à tona também os espaços dos povos indígenas e quilombolas, bem como as dinâmicas migratórias, pensando uma “regionalização de baixo para cima”.

7Problematizando também uma nova regionalização do Brasil, Rita de Cássia Ariza da Cruz, no artigo “Ensaio sobre a relação entre Estado, políticas públicas de turismo e desenvolvimento regional no Brasil”, desenvolve uma interpretação pertinente sobre uma instrumentalização do espaço pela associação entre o poder público e a iniciativa privada, que opera diretamente na concentração da atividade turística na “porção oriental” do território nacional. Com dados atuais sobre os estabelecimentos prestadores de serviços de hospedagem, empregos no setor de turismo e lugares comercializados por grandes operadoras turísticas, a autora projeta um mapa do desenvolvimento geográfico desigual do Brasil, acentuado pelo próprio turismo.

8Olhando o temário regional pelo ângulo do plano teórico-conceitual e da realidade da Amazônia, Saint-Clair Cordeiro da Trindade Júnior, no artigo “Dos geografismos às geografizações: pensando a região e o regional a partir das ‘Geografias do sul’”, e Eudes Leopoldo, em “A teoria regional na atualização da Geografia Crítica contemporânea: a urbanização da fronteira na Amazônia, a região do Sul e Sudeste do Pará”, contribuem para desvendar diferentes concepções e abordagens das diferenciações regionais. No primeiro trabalho, há um esforço considerável em evidenciar o regional na obra de Milton Santos, que demonstra claramente uma preocupação de ler o espaço a partir de suas próprias condições e especificidades, sem deixar de pensar o mundo como uma totalidade dinâmica. Saint-Clair da Trindade Júnior mostra a relevância das geografias meridionais de Milton Santos para auxiliar no desvendamento dessa complexa e particular região, que é a Amazônia, chegando, no limite, influenciado pela obra analisada, a falar de uma formação socioespacial amazônica. No segundo trabalho, elucida-se a constituição de uma teoria regional crítica brasileira, fundamentada nos trabalhos de Sandra Lencioni e Rogério Haesbaert, que colaboram fortemente com a atualização do temário regional. Eudes Leopoldo traça o panorama da urbanização na região de fronteira na Amazônia, o Sul e Sudeste do Pará, um grande laboratório regional de lutas, conflitos e esperanças, desenvolvendo os aportes da teoria regional crítica brasileira.

9Com uma contribuição para refletir sobre a metamorfose do território em região, Eliseu Savério Sposito no artigo “A região do devir e a região do atraso. Uma leitura da Região de Presidente Prudente” lança mão da história e do simbólico para sinalizar a construção de um discurso que sacramenta as relações de poder historicamente constituídas. O autor sugere que a transição de uma região do devir a uma região do atraso, mergulha a Região de Presidente Prudente em formas de representação e significados, cujo horizonte está em aberto.

10Olga Lúcia Castreghini de Freitas-Firkowski, no artigo “Elementos para a apreensão da dimensão regional do urbano-metropolitano na atualidade”, e Kelly Bessa, no trabalho “Urbanização e novas relações cidade-campo: os processos com a criação do estado do Tocantins e de sua capital Palmas na Amazônia Oriental”, permitem aprofundar a relação entre urbanização e regionalização. Olga Lúcia Castreghini de Freitas-Firkowski problematiza os diversos conceitos e noções chaves, que de algum modo revelam o regional no fenômeno urbano-metropolitano. A autora argumenta sobre a necessidade de não perder de vista a relação entre o teórico e o empírico, rompendo as amarras com os limites institucionais, na medida em que as concepções precisam ser atualizadas de acordo com a realidade. Já Kelly Bessa trabalha com acuidade a criação de uma cidade planejada e, ao mesmo tempo, de um estado federativo na Amazônia Oriental, salientando o processo de instalação da cidade de Palmas e a transformação da terra rural em terra urbana, o que trouxe altos ganhos via renda da terra para os proprietários fundiários urbanos. A nível do estado de Tocantins e de sua capital, a autora evidencia a forte relação cidade-campo e a estruturação do espaço para as atividades agropecuárias, sobretudo aquelas vinculadas ao agronegócio.

11Finalizo com o aforismo de Neil Smith, que intitulou seu artigo publicado em 1988 na Revista Political Geography Quartely: “A região está morta! Viva a região!” Uma ótima leitura!

Haut de page

Notes

1 Os sete temas das comunições científicas e coordenadas eram: “Cultura, Turismo e Identidade”; “Os Sistemas Naturais e a Problemática Ambiental”; “Reestruturação Produtiva do Campo”; “Local, Regional e Global: Redes e Dinâmicas Territoriais”; “Tratamento e Representação Geográfica”; “O Ensino de Geografia: Desafios e Práticas” e “Urbanização, Crise Urbana e Cidade no Século XXI”.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Eudes Leopoldo, « A redescoberta da região: uma introdução »Confins [En ligne], 44 | 2020, mis en ligne le 22 mars 2020, consulté le 16 mai 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/27451 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.27451

Haut de page

Auteur

Eudes Leopoldo

Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (FCH/Ietu/Unifesspa), eudesleopoldo@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search