Navigation – Plan du site

AccueilNuméros44DossiêsA geografia urbana e a paisagemAs metrópoles mexicanas rumo à su...

Dossiês
A geografia urbana e a paisagem

As metrópoles mexicanas rumo à sustentabilidade climática: uma revisão desde o ponto de vista do clima urbano

La métropole mexicaine vers la durabilité du climat: un aperçu de la perspective du climat urbain
The mexican metropolis towards climate sustainability: A review from the urban climate perspective
Erika Rivera Martínez, Xanat Antonio Némiga et Juan Campos Alanís

Résumés

La régulation du climat est l'un des services environnementaux affectés par le processus d'urbanisation. Des changements sont générés qui modifient le climat régional, produisant un climat urbain avec des conséquences socio-environnementales négatives. L'ONU (2017) propose les objectifs du développement durable, qui mettent l'accent sur la nécessité d'avoir des villes durables. Le climat urbain représente un défi pour atteindre la durabilité souhaitée. Ce travail analyse des études sur le climat urbain dans les métropoles du Mexique, pour démontrer la complexité de l'atteinte de villes durables selon l'approche climatique. Une revue des articles scientifiques a été réalisée pour identifier le nombre d'études par zone métropolitaine, les caractéristiques méthodologiques et le type d'analyse effectuée. Par la suite, les principales raisons d'avoir des villes au climat durable au Mexique ont été identifiées. Les résultats révèlent que seulement 13,5% des 74 métropoles ont une étude liée au climat urbain. 80% d'entre eux se concentrent sur des études observationnelles, 20% correspondent à des analyses corrélationnelles et / ou prédictives. Aucun travail ne décrit la participation directe aux politiques publiques. Le thème du climat urbain est naissant au Mexique, par conséquent, atteindre la catégorie des villes durables représente un défi pour les politiques publiques, car chaque fois que les impacts négatifs générés ne sont pas réduits, la population n'atteindra pas la qualité de vie souhaitée.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

México
Haut de page

Texte intégral

1A Agenda 2030 tem os objetivos de desenvolvimento sustentável que foram redigidos ante a crescente desigualdade social e a degradação ambiental que vivem algumas regiões do mundo (ONU, 2017). São vários os retos que têm levado as cidades à discussão científica. O panorama no futuro, exige que os desafios para um desenvolvimento ambiental sustentável se centrem cada vez mais nas metrópoles, especialmente em países subdesenvolvidos, onde o processo de urbanização é mais acelerado (UN, 2014). A ONU (2017) tem focado sua atenção na região mais desigual do planeta, América Latina e o Caribe, e identificou as necessidades que têm as cidades localizadas em essa região. Propõe uma série de alvos voltados para a busca da sustentabilidade social, económica e ambiental para melhorar a qualidade de vida dos habitantes. Propõem-se 17 ações dirigidas, uma de elas é conseguir a consolidação de cidades sustentáveis.

2As estatísticas revelam que o 80% da população que mora em América Latina e o Caribe reside em alguma cidade (ONU-Habitat, 2012). A projeção mundial para o 2050 indica que 2.5 bilhões de personas conformarão à população urbana. Segundo dados do Banco Mundial (2015) a população urbana no país representa um 79% da população total. Por isso, o México é um dos 193 países comprometidos com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Dentro dos desafios planteados na Agenda 2030, estão as mudanças climáticas, por tanto, os esforços se centram em criar espaços resilientes às ameaças que supõem essas mudanças.

3As cidades cresceram e com elas também cresceram as problemáticas ambientais, mesmo as relacionadas ao clima. O clima urbano se faz presente porque, ao modificar a superfície natural por materiais com maior capacidade de absorção de radiação solar, modifica-se também o albedo da superfície. Com este fenómeno, altera-se o balance energético terrestre e com ele o clima. Por isso, os padrões no regime de temperatura, comportam-se de maneira distinta dentro da cidade e o principal indicador de esta condição é a ilha de calor urbana.

4Uma ilha de calor urbana (ICU) define-se como um processo no qual a temperatura atinge valores mais altos dentro de uma área urbana em relação às zonas rurais contíguas a ela e representa um dos impactos mais importantes produzidos pela indução humana para o clima regional (Zhao, Lee, Smith, Oleson., 2014). As ilhas de calor influenciam o território onde desenvolvem-se e influem em quatro entornos principais: as condições climáticas do ambiente, a biodiversidade, a saúde humana e a economia. Voogt (2008) lista os impactos ambientais mais comuns que geram-se: desconforto térmico na população, migração da fauna das áreas verdes urbanas, baixa captação de precipitação pluvial ou chuva pelo aumento de escoamento superficial, aumento do uso de energia elétrica pelos ar-condicionados necessários para o conforto térmico, aumento de gases efeito estufa por maior uso de ar-condicionados, maior incidência de problemas respiratórios pela poluição e criação de condições para o desenvolvimento de doenças transmitidas por vetores, entre outros.

5Para este artigo, a cidade ambientalmente sustentável desde o aspeto climático será o enfoque principal. A fim de conhecer o panorama atual no México rumo à consolidação da Agenda 2030, este trabalho foca-se na análise da forma em que se tem abordado o tema do clima urbano nas metrópoles mexicanas, sua distribuição espacial e o nível da análise feita, para determinar se as ilhas de calor urbanas, como tema preponderante do entorno ambiental nas cidades, se está levando em conta. Identificam-se os retos que o México tem para atingir os objetivos de desenvolvimento planteados pela ONU em relação às cidades ambientalmente sustentáveis.

Os objetivos de desenvolvimento sustentável e as metrópoles: compromisos em materia climática

A cidade ambientalmente sustentável. Objetivos e metas

6A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, inclui 17 Objetivos e 169 metas, apresenta uma visão do desenvolvimento sustentável para os próximos 15 anos e integra também as 3 dimensões para a sustentabilidade: económica, social e ambiental. o propósito é mudar o estilo de desenvolvimento nas cidades onde prevaleça o respeito ao entorno ambiental e se gere um contexto de igualdade e dignidade da população que mora na região (ONU, 2017). os países que assinam esta agenda, se comprometeram a gerar as condições necessárias para lograr cada um dos preceitos acordados. No tema ambiental os alvos enfocam-se em elementos tais como água, energia e clima (tabela 1).

Tabela 1. Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável em matéria ambiental

Tabela 1. Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável em matéria ambiental

Fonte: Elaboração própria com base na ONU (2017).

7Para propósitos deste trabalho, se presta especial atenção aos alvos relacionados ao clima em ambientes urbanos (alvos 11 e 13). As metas propostas afins, buscam a consolidação de cidades ambientalmente sustentáveis, que assegurem o aceso universal a espaços públicos verdes, que reduzam o impacto negativo em relação à qualidade do ar e à mudança climática, através de políticas públicas destinadas à minoração e resiliência, fortalecendo as relações positivas entre os ambientes urbanos, periurbanos e rurais (ONU, 2017). Estas metas são adaptáveis para consolidar a cidade com clima sustentável tão desejada (fig. 1).

Fig. 1. Metas para consolidar cidades com climas sustentáveis

Fig. 1. Metas para consolidar cidades com climas sustentáveis

Fonte: Elaboração própria com base na ONU 2017.

8O objetivo referente a espaços verdes urbanos pretende que exista superfície suficiente para fornecer serviços ambientais. A existência de uma maior área de espaços verdes dentro da cidade permite regular a temperatura através do esfriamento da atmosfera, ao mesmo tempo que proporciona sombra, capta CO2 do ambiente e permite uma maior filtração de água ao subsolo. Contar com infraestrutura verde urbana permite que as cidades se adaptem e sejam resilientes ao efeito da ilha de calor urbana.

9A qualidade do ar que pode ter uma cidade depende de fatores como o uso de combustíveis fósseis e a produção de gases de efeito estufa que se gerem ao interior dela, bem como das medidas de minoração para esses poluentes. A poluição altera o balance energético desde que permite o aquecimento das capas baixas do ambiente, modificando ao mesmo tempo o clima regional, por tanto a cidade sustentável teria de gerar ações para reduzir os níveis de poluição e assim evitar o impacto no clima.

10A cidade modifica o clima regional produzindo um clima urbano o que contribui à consolidação da mudança climática local. O alvo de adaptação e minoração radica em reduzir o impacto negativo através de políticas públicas destinadas a criar cidades resilientes. Segundo Estrada, Botzen e Tol (2017) os efeitos do clima local, especialmente das ilhas de calor urbanas, podem contribuir ao aumento de hasta 2°C das estimações do aquecimento global, por isso a pesquisa e a redução dos efeitos representarão um importante instrumento de redução de risco. Não atender a dinâmica do clima urbano implica ações mais custosas para lutar contra os impactos da mudança climática nas cidades.

11Finalmente, insistir no equilíbrio entre ambientes urbanos, periurbanos e rurais, denota a importância de atender a vinculação de espaços públicos verdes que permitam contribuir com a saúde pública e a qualidade de vida, enquanto se protege o ecossistema urbano e os serviços que ele fornece e ao mesmo tempo minora os riscos da mudança climática.

Contexto das zonas metropolitanas no México

12Com o processo de expansão urbana que aconteceu nas décadas passadas, se propiciou que várias cidades ultrapassaram os limites administrativos que as continham e se juntaram com os municípios vizinhos. o resultado foi a aparição de zonas urbanas de amplias dimensões que, devido às funções que tinham, se formalizaram em zonas metropolitanas (ZM), (ONU-HABITAT, 2012).

13El processo de urbanização no México existe graças à industrialização em uma primeira fase e posteriormente à terciarização económica, o que consolidou a criação das cidades. os resultados da delimitação de zonas metropolitana 2015 (SEDESOL, CONAPO e INEGI, 2018), revelam uma mudança no número de zonas metropolitanas, passando de 59 a 74, aumentando 15 metrópoles em 5 anos só, durante o período de 2010 a 2015 (fig. 2).

Fig. 2 Zonas metropolitanas no México 2015

Fig. 2 Zonas metropolitanas no México 2015

Fonte: SEDESOL, CONAPO e INEGI, 2018.

14A população urbana passou de 63.8 milhões a 75.1 milhões, o que representa o 56.8 e 62.8 por cento da população nacional respetivamente (gráfica 1). Em 2015, o México obteve o oitavo lugar a nível mundial em relação ao total de sua população urbana (UN, 2015) da qual o 62.9% morava em cidades com mais de 15 mil habitantes (INEGI, 2016).

Gráfico 1. Incremento de população urbana e ZM no período 2010-2015

Gráfico 1. Incremento de população urbana e ZM no período 2010-2015
Fonte: Elaboração própria com base em SEDESOL, CONAPO e INEGI, 2018.

15As zonas metropolitanas viram focos de atenção para a análise do clima local já que que a cidade modifica os padrões de temperatura regional. Então, o clima urbano se faz presente a partir de seu principal indicador que é a ilha de calor urbana. Segundo Oke e Hanell (1970) o tamanho da população incide na velocidade limite a partir da qual se pode desvanecer uma ilha de calor, além dos fatores condicionantes que possam prevalecer em cada uma das urbes, o que determinará a intensidade e que podasse atingir.

16O México conta com uma ZM que ultrapassa os 5 milhões de habitantes e doze que estao no rango de 4 999 999 – 1 000 000 habitantes (tabela 2). Por isso, se presta especial atenção nas zonas metropolitanas que estão dentro de estos rangos desde que que encabeçam a lista em relação ao número de população: Valle de México, Guadalajara, Monterrey, Puebla-Tlaxcala, Toluca, Tijuana, León, Juárez, A Laguna, Querétaro, San Luis Potosí, Mérida e Aguascalientes (SEDESOL, CONAPO e INEGI,, 2018).

Tabela 2. Zonas Metropolitanas por tamanho de população

Tabela 2. Zonas Metropolitanas por tamanho de população

Fonte: SEDESOL, CONAPO e INEGI, 2018

O Estudo do clima urbano no Mexico

Fases de análise para o estudo do clima urbano

17A discussão dos trabalhos para o México, relacionados ao clima urbano (especialmente às ilhas de calor), se realizou baseada nas fases de análise descritas na figura 3, as quais se determinam a partir da revisão e análise da produção científica consultada.

18A aproximação ao estudo do clima urbano apresenta 3 fases de análise; se entende que as etapas continuas tendem a integrar aspetos de aquelas que as antecedem. T.R. Oke (1979) delimita a os estudos em observacionais e de modelado ou preditivos, em este trabalho se acrescentam os correlacionais.

19A primeira fase são os estudos observacionais, que se referem a análise descritiva, o alvo é observar e registrar o comportamento temporal, espacial ou de intensidade da variável. Em um segundo nível estão os trabalhos cujo propósito é identificar as causas e consequências do fenómeno. Se identifica a correlação da variável com fatores condicionantes e/ou os impactos ocorridos em âmbitos como o ambiente, a economia, a saúde, o conforto térmico, entre outros.

20O terceiro nível de análise aborda estudos preditivos através da elaboração de índices e/ou modelos que permitam determinar cenários de comportamento da variável escolhida, cambiando as características de fatores condicionantes em um território específico. As proposições de minoração, de ação e gestão em matéria de políticas públicas também se englobam em esta fase.

Fig. 3. Tipos de estudos no clima urbano

Fig. 3. Tipos de estudos no clima urbano

Fonte: Elaboração própria com base em Oke (1979).

Contexto da pesquisa do clima urbano no México

21A principal marca da existência de clima urbano é a ilha de calor, por tanto se realizou uma discussão acerca dos trabalhos de pesquisa gerados em cidades do México. A busca de produção científica mostrou que 10 das 74 zonas metropolitanas de nosso país contam com ao menos um estudo. A tabela 3 descreve a informação básica de cada um dos trabalhos existentes.

Tabela 3. Produção científica em relação ao clima urbano no México

Tabela 3. Produção científica em relação ao clima urbano no México

Fonte: Elaboração própria com base em artigos científicos consultados

22As ilhas de calor no México, têm sido estudadas desde o siglo passado, o primeiro trabalho data de 1987, o último de 2017, por tanto em 30 anos a produção realizada é de 23 trabalhos só. A revisão do estado da arte mostra que os trabalhos existentes estão em territórios muito pontuais, sem chegar à maior parte das zonas metropolitanas do país. Das zonas metropolitanas incluídas (gráfica 2), a Cidade de México é a que tem a maior quantidade de trabalhos de ilhas de calor com 8, seguida de Toluca (4) e Mexicali (3), isso quer dizer, a produção científica se intensifica na zona centro do país. é importante mencionar que das treze metrópoles que são as primeiras na lista por número de população, só quatro (Valle de México, Toluca, Guadalajara e Querétaro), apresentam estudos relacionados ao clima urbano. Monterrey é a terceira metrópole em importância a nível nacional pela quantidade de população, porém, não tem trabalhos que analisem se as condições da cidade têm propiciado a existência do clima urbano.

Gráfico 2. Quantidade de trabalhos de ilhas de calor por cidade

Gráfico 2. Quantidade de trabalhos de ilhas de calor por cidade

Fonte: Elaboração própria com base em artigos científicos consultados

Padrões de intensidade das ilhas de calor

23A intensidade define-se como a dimensão da ilha de calor e vai ser determinada segundo à diferencia que exista entre a temperatura da cidade em relação às zonas rurais periféricas (Oke, 1987). Intensidades baixas, indicam um equilíbrio nas características do território urbano-rural, e, por conseguinte, um equilíbrio térmico. As pesquisas reportam uma média de 1 a 3°C nas ilhas atmosféricas, registrando mais de 10°C de diferencia em algumas cidades. Intensidade acima dos 4°C, indica ilhas de calor de fortes a muito fortes (Fernández, 1995). Os valores atingidos dependerão de fatores condicionantes, tais como, superfície de áreas verdes, tamanho e materiais da cidade, geometria urbana, fontes de calor antrópicas, entre outros.

24Para o México, analisou-se a tendência dos padrões de temperatura nas 3 cidades com maior produção científica (gráfica 3). As gráficas elaboradas para a Cidade de México e Toluca integram dados da temperatura intraurbana, enquanto que para Mexicali, se incluíram dados da intensidade máxima da ilha de calor; é importante considerar que para o dado de 2011, a intensidade da ilha de calor em Mexicali é considerada.

Gráfico 3: Padrões de comportamento da temperatura

Gráfico 3: Padrões de comportamento da temperatura

Fonte: Elaboração própria com base em produção científica consultada

25Mostra-se que para as três metrópoles existe um padrão de comportamento de aumento de temperatura, esto pode estar aunado ao crescimento das urbes ao lungo dos anos, isso leva à redução de áreas com vegetação, e/ou à função de cada uma delas.

26A intensidade da ilha de calor nas metrópoles observadas, oscila entre os 3°C e os 6°C, isso indica que no território se apresentam ilhas de calor com intensidade de moderada a forte. Porém, em 3 trabalhos se identificam intensidades acima dos 6°C, isso provoca ilhas de calor muito fortes.

Tendência de análise do clima urbano

27Levando em consideração os elementos de análise, se revisou a produção científica gerada para o México e se gerou a tabela 4, a qual contempla a quantidade de trabalhos em relação do total que integram cada um dos elementos considerados. A revisão das variáveis foi feita com base nos tipos de análise para o clima urbano apresentado na figura 2.

Tabela 4. Variáveis analisadas nos trabalhos de clima urbano no México

Tabela 4. Variáveis analisadas nos trabalhos de clima urbano no México

Fonte: Elaboração própria com base em artigos científicos consultados

28No gráfico 4 se mostra a tendência de análise que apresenta a pesquisa do clima urbano, especialmente das ilhas de calor no México. A maioria dos trabalhos ficam na análise observacional, o 82% indicam onde se produz o fenómeno, porém só o 69% representam espacialmente à ilha de calor. o 31.8% de trabalhos não analisam a temporalidade ou o ritmo estacional por tanto a descrição realizada é básica. A única variável que está presente no 100% dos trabalhos é a intensidade da ilha de calor, porque que é a variável preponderante no estudo do clima urbano para determinar o impacto gerado pela cidade.

29A seguinte fase de análise é a de correlação e apresenta-se só no 30.4% dos trabalhos revisados. Estudos realizados em outros países entram no seguinte nível de análise correspondente a estudar os impactos em âmbitos como o ambiental, a saúde, o conforto térmico e a fauna, entre outros. Para o México, só existe um trabalho que analisa os impactos que gera a ilha de calor em alguma variável do entorno urbano.

30Os processos de minoração e/ou gestão são fundamentais para equilibrar os padrões de temperatura, só o 17% dos trabalhos consultados os estudam, de maneira que também existem deficiências em proposições que reduzam o impacto que gera a ilha de calor em um território.

31O aporte mais recente a este campo do conhecimento é a criação de modelos que permitem projetar a dinâmica das ilhas de calor no futuro e/ou bajo cenários desejáveis. A perceção remota tem permitido a geração de novos índices que se correlacionem com a identificação do clima urbano. No México só o 8.6% dos trabalhos atingiram essa etapa de análise. Em geral falta muito por identificar, entender, projetar e minorar as ilhas de calor existentes no nosso território.

Gráfico 4. Percentagem de trabalhos por variável de análise do clima urbano

Gráfico 4. Percentagem de trabalhos por variável de análise do clima urbano

Fonte: Elaboração própria com base em artigos científicos consultados

O clima urbano e a cidade com clima sustentável

32Com base na análise do entorno no que se desenvolve a pesquisa do clima urbano no México são levadas em conta as metas propostas nos ODS relacionadas com a cidade com clima sustentável, a tabela 5 foi feita, ela integra o panorama ideal para cada uma das metas planteadas comparado com o panorama atual no México, Considerando a relação com o clima urbano.

Tabela 5. As metas dos ODS e sua relação com o clima urbano

Tabela 5. As metas dos ODS e sua relação com o clima urbano

Fonte: Elaboração própria com base em ONU 2017.

33As metas propostas buscam a consolidação de cidades ambientalmente sustentáveis. O México precisa atender a problemática das ilhas de calor existentes em suas metrópoles para lograr a sustentabilidade climática, para isso tem de considerar o seguinte:

  • Em relação a os espaços verdes, se procura que exista suficiente superfície para fornecer serviços ambientais. A existência de maior superfície de áreas verdes dentro da cidade permite regular a temperatura através do esfriamento da atmosfera. Contar com infraestrutura verde urbana permite que as cidades se adaptem e sejam resilientes ao efeito da ilha de calor urbana. Todas as metrópoles no México onde tem-se estudado a ilha de calor, identificaram uma intensidade por acima dos 3°C por tanto se deduz uma deficiência de espaços verdes urbanos.

  • A qualidade do ar tem uma relação direta com a temperatura intraurbana. A ilha de calor tem a capacidade de gerar plumas de poluição, as que ao mesmo tempo permitem um ambiente mais cálido, aumentando assim a intensidade da ilha de calor. As zonas mais poluídas do México incluem a metrópole que apresentam ilhas de calor muito fortes como Cidade de México, Toluca e Mexicali. Monterrey é uma das cidades mais contaminada do país, porém não tem estudos que descrevam seu clima urbano.

  • Em relação à mudança climática, tem de se estabelecer políticas públicas destinadas à minoração e resiliência. Uma cidade que apresente os efeitos da ilha de calor aumentará os custos de minoração hasta em um 100% (Estrada et.al, 2017). Em este sentido, a tendência mostra que as metrópoles no México onde se têm achado ilhas de calor e que não tem tido ações para minorá-las se enfrentarão aos altos costos da luta contra à mudança climática.

  • Equilíbrio entre ambientes urbanos e rurais. Levando em conta a variável temperatura, esta condição não se cumpre, já que que ao existir ilhas de calor se denota um desequilíbrio entre a área urbana e seu entorno periurbano e rural, tendo as condições mais adversas os habitantes da primeira. Segundo SEDATU

“De 205 municípios maiores a 100,000 habitantes, 98% tem um programa municipal de desenvolvimento urbano, mas de esta percentagem, 84% não está atualizado, apresenta uma estrutura heterogénea, não conta com indicadores que permitam uma correta análise e avaliação das estratégias planteadas, não incorpora temas como o vínculo urbano-rural quanto à integração da paisagem e serviços ambientais, mobilidade, qualidade do ar, gestão integral da agua, resiliência perante a mudança climática, riscos e eficiência energética, os quais permitiriam avançar para cidades sustentáveis”

34 Para avançar no caminho da sustentabilidade, o México tem de incluir na sua estratégia, a identificação, a análise e a minoração das ilhas de calor presentes nas suas principais metrópoles, com a finalidade de identificar setores do território que são focos de atenção para o equilíbrio climático. A meta de contar com cidades com clima sustentáveis no México precisa de ações urgentes contra o câmbio do clima urbano, tais como espaços verdes urbanos suficientes e equilíbrio entre ambientes urbano-rurais. Isso permitirá que a luta contra a mudança climática projete melhores cenários para um futuro próximo.

Conclusões

35A agenda 2030 coloca na mesa os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável para reduzir a desigualdade social e a degradação ambiental. Dentro das ações propostas estão alguns objetivos que procuram a consolidação de cidades sustentáveis (11 e 13).

36O México resolveu assumir o compromisso de essas ações, por isso está gerando políticas que ajudem a lograr as metas planteadas para cada alvo. O clima é um tema preponderante no caminho da sustentabilidade, por tanto, os espaços verdes, a qualidade do ar e as ações de minoração e adaptação à mudança climática têm de ser metas a serem atingidas de grande importância para consolidar o equilíbrio climático ao interior das cidades.

37O clima urbano, especialmente a ilha de calor, é uma problemática ambiental cada vez mais frequente no entorno urbano e impacta em 4 setores principais: ambiente, biodiversidade, saúde e economia, por tanto teria de se prestar especial atenção ao combate de este problema na cidade. Seu estudo é classificado como observacional, de correlação e preditivo ou de modelo. O primeiro corresponde à análise mais básica e o último à mais complexa.

38No âmbito urbano, o México conta com 74 zonas metropolitanas, das quais 13 ultrapassam o milhão de habitantes. De essas 13, só 4 contam com estudos de clima urbano. do total de zonas metropolitanas existentes no território, só o 13% analisaram a ilha de calor. Existe escassez de investigações sobre o clima urbano. Tem um vasto campo de estudo no país em relação à problemática planteada. isso quer dizer que sessenta e quatro zonas metropolitanas carecem do conhecimento do clima urbano que pode prevalecer no seu território, o que leva a desconhecer as problemáticas derivadas dele.

39A produção científica do clima urbano no México, mostra uma tendência de análise a nível observacional com o 53% do total de trabalhos existentes. o 30.4% explora os estudos de correlação e o 17% se adentra na análise preditiva ou de modelos. Não existem trabalhos que mostrem a aplicação de ações de minoração e/ou de gestão da ilha de calor, por tanto é imperante gerar pesquisas relacionadas a esse setor de análise.

40A tendência nos padrões de intensidade existentes em metrópoles como Valle de México, Toluca e Mexicali, revelam um aumento constante da temperatura. A intensidade oscila entre 3°C e 6°C, isso quer dizer que se apresentam ilhas de calor de moderadas a fortes.

41O entendimento do clima urbano é de suma importância para fornecer ferramentas que permitam a gestão de políticas que evitem condições ambientalmente negativas para a população e a biodiversidade. O feito de não conhecer e menos ainda entender e detetar a problemática, impossibilita a aqueles que pegam decisões sobre políticas públicas e de planeamento territorial, fazer uma análise integral e oportuna das ações que se precisem e, por conseguinte, de expor à população a impactos no ambiente que deteriorem sua qualidade de vida.

42A existência de clima urbano nas metrópoles mexicanas, e a ausência de ações para minorar a ilha de calor, dificultam a possibilidade de atingir os alvos planteados pela ONU para atingir a desejada cidade sustentável.

Haut de page

Bibliographie

Ballinas, M. Mitigación de la isla de calor urbana a partir de la vegetación arbórea. México, D.F. 2011. Dissertação de mestrado. Centro de Ciencias de la Atmósfera-Instituto de Ecología, UNAM.

Ballinas, M., Barradas, V. The Urban Tree as a Tool to Mitigate the Urban Heat Island in México City: A Simple Phenomenological Model. Journal of Environmental Quality. 157-166. 2016

Banco Mundial. Indicadores de desarrollo mundial: población urbana. 2015 Disponívelem::http://datos.bancomundial.org/indicador/SP.URB.TOTL.IN.ZS?end=2015&start=1960

Barradas, V. Evidencia del efecto de "Isla Térmica" en Jalapa, Veracruz, México. Revista Geofísica, 126-135. 1987

Casillas, A., García R., Castro J. y Dávalos E. Evolución de la Isla Urbana de Calor en Mexicali, BC., mediante una herramienta inteligente. 2011. Obtido de XX Congreso Mexicano de Meteorología: www.ommac.org/congreso2011/document/extenso/Ext2011027.pdf

Casillas-Higuera, A., García-Cueto R., Leyva-Camacho O. y González-Navarro F. Detección de la Isla Urbana de Calor mediante Modelado Dinámico en Mexicali, B.C., México. Información Tecnológica, 25(1), 139-150. 2014

Cervantes J., Barradas V., Tejeda A., Angulo Q., Triana C. y Gutiérrez G. Aspectos del clima urbano de Villahermosa, Tabasco, México. Universidad y Ciencia.16 (31), 10-16. 2000

Colunga, M L., Cabromón-Sandoval, V, Suzán-Azpiri, H, Guevara-Escobar, A, y Luna-Soria, H. The role of urban vegetation in temperature and heat island effects in Querétaro city, México. Atmósfera, 28(3), 205-218. 2015. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S018762362015000300005&lng=es&tlng=pt.

Contreras A., Salas J., Velásquez G., Quevedo H. Determinación de la isla de calor urbano en Ciudad Juárez mediante programa de cómputo. CULCyT. 5(26), 3-16. 2008

Cui Y., de Foy, B. Seasonal Variations of the Urban Heat Island at the Surface and the Near-Surface and Reductions due to Urban Vegetation in México City. Journal of applied meteorology and climatology. 51: 855-868. 2012

Estrada F, Botzen WJW, Tol RSJ. A global economic assessment of city policies to reduce climate change impacts. Nature Climate Change 7 (6), 403, 2017.

Evans J., de Shiller S. La isla de calor en ciudades con clima cálido-húmedo. El caso de Tampico, México. Avances en Energías Renovables y Medio Ambiente. 9. 37-42. 2005

Fernández, F. Manual de Climatología aplicada. Clima, medioambiente y planificación. Síntesis. Madrid. 1995

Fuentes, C. Islas de calor urbano en Tampico, México: Impacto del microclima a la calidad del hábitat. Nova scientia, 7(13), 495-515. 2014

Galindo, I. Barrón. Identificación y estudios de las islas urbanas de calor de las ciudades de Guadalajara y Colima, propuestas de estrategias de mitigación. México: CONAVICONACYT. 2010 Disponível em: 2006 2012.conacyt.gob.mx/fondos/FondosSectoriales/.../8IgnacioGalindo.pdf

García-Cueto O., Jáuregui-Ostos E., Toudert, D., Tejeda-Martínez, A. Detection of the urban heat island in Mexicali, B. C., México and its relationship with land use. Atmósfera, 20(2), 111-131. 2007

INEGI. Marco Geoestadístico Nacional. México. 2016

Jauregui, E. La isla de calor urbano de la ciudad de México a finales del siglo XIX. Boletín Investigaciones Geográficas, UNAM. 26: 31-40. 1992

Jáuregui, E. Algunas alteraciones de largo periodo del clima de la Ciudad de México debidas a la urbanización: Revisión y perspectivas. Investigaciones geográficas, (31), 09-44. 1995. Disponível em http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0188-46111995000200001&lng=es&tlng=es.

Jauregui, E. Heat island development in México City. Atmos. Environ. 31:3821–3831. 1997 doi:10.1016/S1352-2310(97)00136-2

Jauregui, E., Heres, M.E. El clima/bioclima de un parque periurbano de la Ciudad de México. Investigaciones geográficas, (67), 101-112. 2008

Jauregui, E., Luyando, E. Long-term association between pan evaporation and the urban heat island in México City. Atmósfera. 5: 45-60.1997

Morales, C., González, L., Madrigal, D. Isla de calor en Toluca, México. Ciencia Ergo Sum, 14(3), 307-316. 2007

Oke, T. R. Boundary Layer Climates. Routledge, 2nd edition. London. 1987

Oke, T.R., Hannell, F. The form of the urban heat island in Hamilton, Canada, en Urban Climates, WMO, Tech. Note 108, 113-126. 1970

Oke, T.R. Review of urban climatology. Technical note No. 169. WMO. 1979

ONU. Agenda 2030 y los objetivos de desarrollo sostenible. Una oportunidad para América Latina y el Caribe. CEPAL. 2017. Disponível em: http://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/40155/10/S1700334_es.pdf

ONU-Habitat. Estado de las ciudades de América Latina y El Caribe 2012, rumbo a una nueva transición urbana. Kenia. UN-HABITAT. 2012

Rivera, E., Antonio-Némiga, X., Origel-Gutiérrez, G., Sarricolea, P., y Adame-Martínez, S. Spatiotemporal analysis of the atmospheric and surface urban heat islands of the Metropolitan Area of Toluca, México. Environmental Earth Sciences, 76(5), 225. 2017

Romero, S., Morales, C. y Xanat A. Identificación de las islas de calor de verano e invierno en la ciudad de Toluca, Mex. Revista de Climatología, 1-10. 2011

SEDATU. Estrategia nacional para la implementación de la agenda 2030. Mexico. 2018

SEDESOL, CONAPO, INEGI. Delimitación de las zonas metropolitanas de México 2015. México. 2018

UN. World Urbanization Prospect: The 2014 Revision, Highlights. Department of Economic and social affairs. New York. 2014

UN World Population Prospects: The 2015 Revision, Volume I: Comprehensive tables, Nueva York. 2015. Disponível em: https:// esa.un.org/unpd/wpp/Publications/Files/WPP2015_Volume-I_Comprehensive-Tables.pdf

Vidal, J., Jáuregui, E. Evolución de la isla de calor en Toluca Mex. 1991. Disponível em Observatorio geográfico América Latina: observatoriosgeograficoamericalatina.org.mx/egal3/Procesosambientales/Climatología

Voogt, J. Islas de Calor en Zonas Urbanas: Ciudades más Calientes. 2008 Disponível em: http://www.actionbioscience.org/esp/ambiente/voogt.html#primer

Zhao, L., Lee, X., Smith, R., Oleson K. Strong contributions of local background climate to urban heat islands. Nature. 511(7508), 216-219. 2014

Haut de page

Table des illustrations

Titre Tabela 1. Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável em matéria ambiental
Crédits Fonte: Elaboração própria com base na ONU (2017).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27496/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 328k
Titre Fig. 1. Metas para consolidar cidades com climas sustentáveis
Crédits Fonte: Elaboração própria com base na ONU 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27496/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre Fig. 2 Zonas metropolitanas no México 2015
Crédits Fonte: SEDESOL, CONAPO e INEGI, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27496/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 376k
Titre Gráfico 1. Incremento de população urbana e ZM no período 2010-2015
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27496/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre Tabela 2. Zonas Metropolitanas por tamanho de população
Crédits Fonte: SEDESOL, CONAPO e INEGI, 2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27496/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre Fig. 3. Tipos de estudos no clima urbano
Crédits Fonte: Elaboração própria com base em Oke (1979).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27496/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 240k
Titre Tabela 3. Produção científica em relação ao clima urbano no México
Crédits Fonte: Elaboração própria com base em artigos científicos consultados
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27496/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 1,2M
Titre Gráfico 2. Quantidade de trabalhos de ilhas de calor por cidade
Crédits Fonte: Elaboração própria com base em artigos científicos consultados
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27496/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Titre Gráfico 3: Padrões de comportamento da temperatura
Crédits Fonte: Elaboração própria com base em produção científica consultada
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27496/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre Tabela 4. Variáveis analisadas nos trabalhos de clima urbano no México
Crédits Fonte: Elaboração própria com base em artigos científicos consultados
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27496/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre Gráfico 4. Percentagem de trabalhos por variável de análise do clima urbano
Crédits Fonte: Elaboração própria com base em artigos científicos consultados
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27496/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre Tabela 5. As metas dos ODS e sua relação com o clima urbano
Crédits Fonte: Elaboração própria com base em ONU 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27496/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 700k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Erika Rivera Martínez, Xanat Antonio Némiga et Juan Campos Alanís, « As metrópoles mexicanas rumo à sustentabilidade climática: uma revisão desde o ponto de vista do clima urbano »Confins [En ligne], 44 | 2020, mis en ligne le 18 mars 2020, consulté le 15 mai 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/27496 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.27496

Haut de page

Auteurs

Erika Rivera Martínez

Universidad Autónoma del Estado de México. Facultad de Geografía, valerika02@hotmail.com

Xanat Antonio Némiga

Universidad Autónoma del Estado de México. Facultad de Geografía, xanynemiga@hotmail.com

Juan Campos Alanís

Universidad Autónoma del Estado de México. Facultad de Geografía, Jcamposa70@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search